Síndromes hipertensivas gestacionais

8.956 visualizações

Publicada em

Com ênfase em pre eclampsia, eclampsia e sindrome HELLP

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.956
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
322
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Síndromes hipertensivas gestacionais

  1. 1. SíndromesHipertensivasGestacionaisUNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBACENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICASDEPARTAMENTO DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIAPROF.: MOISÉSGRUPO: ALINE LOPES ALVESANIELLY MEIRA DE LACERDA MACÊDOANNE DINIZ MAIA1
  2. 2. QUAL A IMPORTÂNCIA?- 40% de todas as mulheres: ≥1 episódiode hipertensão durante a gravidez;- 70% dos quadros persistentes:hipertensão gestacional ou pré-eclâmpsia;- 10% das primíparas – mortalidadematerna e perinatal- Toxemia gravídica: 25% dos RNMBP e40% dos partos pretermo iatrogênicos22/5/2013Turma medicina 2009.1/P92
  3. 3. CLASSIFICAÇÃOHAS Crônica HAS GestacionalPré-eclâmpsiasobreposta àhipertensão crônicaPré-eclampsia/eclâmpsiaSíndrome HELLP22/5/2013Turma medicina 2009.1/P93
  4. 4. ETIOPATOGENIA DA PRÉ-ECLÂMPSIADoença em 2 estágios:- Placentação defeituosa  hipóxia placentária(radicais livres de O₂, citocinas pró-inflamatórias, fatores antiangiogênicos)- Disfunção endotelial sistêmica  HAS e proteinúria22/5/2013Turma medicina 2009.1/P94Doenças microvasculares e desordensobstétricas que cursam com aumento damassa placentária (↑ consumo de O₂) sãofatores de risco para pré-eclâmpsia
  5. 5. 22/5/2013Turma medicina 2009.1/P95Disponível em:http://www.bvs.sld.cu/revistas/med/asul/med10_05.htm
  6. 6. ALTERAÇÕES ORGÂNICAS NA PRÉ-ECLÂMPSIA1. Renais:- Endoteliose capilar glomerular: espessamentoendotelial e ↑ de volume e vacuolização dosglomérulos.- Dano glomerular: ↑ permeabilidade às ptns –proteinúria- Hiperuricemia (marcador de gravidade?)2. Cardiovasculares:- Disfunção endotelial  HASVasoconstricção: ↑ endotelina e tromboxano; ↓ NO eprostaciclina22/5/2013Turma medicina 2009.1/P96
  7. 7. 22/5/2013Turma medicina 2009.1/P97RIO, Suzana Maria Pires do et al . Alterações ultra-estruturais doglomérulo na pré-eclâmpsia. Rev. Bras. Ginecol. Obstet., Rio deJaneiro, v. 26, n. 3, Apr. 2004 .
  8. 8. ALTERAÇÕES ORGÂNICAS NA PRÉ-ECLÂMPSIA3. Hepáticas- Elevação das enzimas hepáticas, sangramento subcapsularou rotura hepática;- Síndrome HELLP: necrose hemorrágica periportal +depósitode fibrina nos sinusóides: ↑ transaminases e dor no QSD4. Cerebrais- Pressão de perfusão elevada: encefalopatia hipertensiva;- Edema, necrose hemorrágica e trombos plaquetáriosintravasculares: convulsões;- Distúrbios visuais: fosfenas, amaurose e desc. de retina22/5/2013Turma medicina 2009.1/P98
  9. 9. ALTERAÇÕES ORGÂNICAS DA PRÉ-ECLÂMPSIA5. Hematológicas:- trombocitopenia, hemólise microangiopática,hemoconcentração (contração do espaçointravascular);- Síndrome HELLP6. Uteroplacentárias:- Hipoperfusão com infartos, crescimento retardadoda placenta e seu descolamento prematuro- Feto: sofrimento, CIR, oligodramnia e óbito22/5/2013Turma medicina 2009.1/P99
  10. 10. DIAGNÓSTICO DE PRÉ-ECLAMPSIA Parâmetros clínico-laboratoriais: disfunção orgânica materna Parâmetros clínicos de PE grave: PAD>= 110mmHg SN: cefaleia, tontura, perda de consciência, comportamentoalterado SV: escotomas, fosfenas, visão turva, diplopia, amaurose, DR SD: dor epigástrica, dor em hipocôndrio direito SR: edema agudo de pulmão ou cianose22/5/2013Turma medicina 2009.1/P910
  11. 11. DIAGNÓSTICO Parâmetros laboratoriais indicativos de PE grave: Proteinúria >=2g/24h Oligúria < 500mL/d ou 15mL/h Cr>1,2mg/dL Ac. Úrico >4,5mg/dL Trombocitopenia <100.000 plaq/mm3 DHL>600 Esquizócito em esfregaço de hematoscopia ALT/AST >70 Bb>1,222/5/2013Turma medicina 2009.1/P911
  12. 12. TRATAMENTO• Conduta conservadora/expectantePré-eclampsialeve• Conduta ativa/hospitalização• MgSO2 profiláticoPré-eclampsiagrave• Conduta ativa/hospitalização• MgSO2 terapêutico• Interrupção da gestaçãoEclâmpsia22/5/2013Turma medicina 2009.1/P912
  13. 13. ESQUEMAS DE DROGAS22/5/2013Turma medicina 2009.1/P913
  14. 14. ESQUEMA DE DROGAS22/5/2013Turma medicina 2009.1/P914
  15. 15. ESQUEMA DE DROGAS22/5/2013Turma medicina 2009.1/P915
  16. 16. PREVENÇÃO Etiologia ainda desconhecida Saber da história natural da doença Busca ativa Monitorar de perto casos de PE grave Tratar precocemente Objetivo é tirar o feto maduro, sempre que possível22/5/2013Turma medicina 2009.1/P916
  17. 17. PREVENÇÃO Busca ativa de pacientes com fatores risco: Primípara Multípara com troca de parceiro História familiar de DHEG (mãe e irmãs) História pessoal de DHEG DM HAS crônica Gestação gemelar Hidropsia fetal (não imune) Gestação molar22/5/2013Turma medicina 2009.1/P917
  18. 18. SÍNDROME HELLP DEFINIÇÃO- Em 1950 a associação do quadro foi relatada, masapenas em 1982 Weinstein reuniu e denominou asíndrome.- Incidência de HELLP- A sistematização dos valores laboratoriais propostapor Sibai et al foi adotada pelo ministério daSaúde.22/5/2013Turma medicina 2009.1/P918
  19. 19. SÍNDROME HELLP Incidência- 1 em cada 1000 gestações- 10-20% das pacientes com pré-eclâmpsia- Mulheres brancas- Multíparas- Grávidas com mais 35 anos22/5/2013Turma medicina 2009.1/P919
  20. 20. SÍNDROME HELLPLesão endotelialDeposiçãoplaquetasAtivação eagregaçãoplaquetáriaTrombocitopeniaDepósito de fibrinano endotélioRompimento dashemácias aoatravessaremAnemia hemolíticamicroangiopáticaEsquizócitos nosangue periférico22/5/2013Turma medicina 2009.1/P920
  21. 21. SÍNDROME HELLPParâmetros laboratoriaisHemóliseAlteraçõeshepáticasPlaquetopenia22/5/2013Turma medicina 2009.1/P921
  22. 22. SÍNDROME HELLPClasseFormaCompletaPlaquetasAST>70U/lLDH>600Bb>1,2 mgParcial Pré-eclâmpsiagrave+ ELLP,EL ou LP 22/5/2013Turma medicina 2009.1/P922
  23. 23. SÍNDROME HELLP Quadro inicial:- Dor no QSD ou epigástrica(80%)- Hipertensão (85%)- Proteinúria (80%)- Náuseas e vômitos- Cefaléia- Icterícia22/5/2013Turma medicina 2009.1/P923
  24. 24. SÍNDROME HELLP Complicações fatais que podem ocorrer:- CIVD- PTT- SARA- Insuficiência hepática- Edema pulmonar- Hematoma subcapsular ou rotura hepática22/5/2013Turma medicina 2009.1/P924
  25. 25. SÍNDROME HELLP TRATAMENTO- Interrupção da gravidez- USG e TC- Plasma fresco congelado e concentrado dehemácias.- Altas doses de corticoide22/5/2013Turma medicina 2009.1/P925
  26. 26. SÍNDROME HELLP- Como se dá o controle? Profilaxia de convulsão Terapia anti-hipertensiva Avaliar bem estar fetal Corticoterapia22/5/2013Turma medicina 2009.1/P926
  27. 27. Prevenção das S. Hipertensivas Deve ser meta de pré-natal de qualidade. Suplementação ? Aspirina Calcio Vit C e E22/5/2013Turma medicina 2009.1/P927
  28. 28. Prevenção de Toxemia no 1ºtrimestreModerado/alto riscoPrimigestaHistóriafamiliarHistóriaobstétricaHACObesidade/diabeteTromboflebiaGemelidade22/5/2013Turma medicina 2009.1/P928Administrar100 mg/diade aspirinaa partir do1º trimestre
  29. 29. BIBLIOGRAFIA RESENDE, MANUAL FEBRASGO DE GESTAÇÃO DE ALTO RISCO2011, disponível em :http://www.febrasgo.com.br/extras/downloads/gestacao_alto-risco_30-08.pdf Protocolos de diagnóstico e conduta em Gestaçãode alto risco. RANGEL, Maria Amélia Rolim... [et al].João Pessoa: Editora da Universidade Federal daParaíba, 2007;22/5/2013Turma medicina 2009.1/P929

×