Portfolio organização, métodos e sistemas

2.929 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.929
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
29
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Portfolio organização, métodos e sistemas

  1. 1. PortfólioTrabalho de conclusão da disciplina de: Organização, Sistemas eMétodos.1Aluna: Andréia CruzMatrícula : 924144Unifran – Administração de EmpresasPolo Bauhaus – Ribeirão PretoProfessora: Eva Susana Soares de Oliveira.ESTUDO DE CASOOHNO-SAN VAI AO SUPERMERCADOPor volta de 1950, a economia japonesa estava debilitada. A Toyota tinha um programa deprodução de menos de 1.000 carros por mês. Se fabricasse mais, não conseguiria vendê-los.Bem diferente da situação no final dos anos 80, quando a Toyota fabricava 1.000 carros empoucos minutos.Em 1956, Taiichi Ohno, criador do sistema Toyota de produção, foi aos Estados Unidosvisitar fábricas de automóvel. “Finalmente”, ele escreveu, “pude realizar o desejo deconhecer um supermercado de perto”. Ohno conhecia o supermercado por referência e jáhavia observado que é a loja onde, em geral, se compra de acordo com a necessidade.Do supermercado, Ohno havia tirado a idéia de enxergar cada processo de uma linha deprodução como uma espécie de loja que fornece peças para o processo seguinte.No entanto, a linha como um todo é administrada do fim para o começo. O processoseguinte (cliente) vai ao processo anterior (supermercado) para obter as peças necessárias(mercadorias) na hora certa e na quantidade necessária. O processo anterior imediatamenteproduz a quantidade que acabou de sair (reposição de mercadoria nas prateleiras). Escreveuele mais tarde:
  2. 2. PortfólioTrabalho de conclusão da disciplina de: Organização, Sistemas eMétodos.2- Nós esperávamos que essa idéia nos ajudasse a realizar o objetivo do just in time, defabricar apenas o necessário. Em 1953, nós de fato aplicamos o sistema em nossa oficina demáquina da fábrica principal. Para fazer funcionar o sistema do supermercado, usamospedaços de papel em que escrevíamos informações sobre o trabalho a ser realizado. Nóschamávamos isso de Kanban.- O kanban, um cartão envelopado em plástico, tornou-se a ferramenta que faz funcionar osistema Toyota.-Suponham que levássemos o kanban ao supermercado. Com funcionaria? As mercadoriascompradas pelos clientes passam pelo caixa. Cartões contendo informações sobre essasmercadorias seriam então enviados ao departamento de compras. Com essa informação, asmercadorias que saíam seriam imediatamente repostas. Esses cartões correspondem aokanban de retirada do sistema Toyota. No supermercado, as mercadorias expostascorrespondem ao estoque da fábrica. Se o supermercado tivesse sua fábrica de mercadorias,enviaria para ela um kanban de produção. Com as informações deste kanban, a fábricaproduziria as mercadorias para repor as que tivessem sido vendidas.Nos anos 80, quando funcionários da Daihatsu procuraram a Toyota para aprender seusmétodos de eficiência, Ohno recomendou-lhes que fabricassem apenas o necessário.- mas não é melhor ideia continuar produzindo, enquanto houver tempo e materiais? –perguntou um dos visitantes.- Acho que não – respondeu Ohno. – Façam apenas o que for necessário. Pode ser que vocêsfiquem com materiais sobrando, mas a empresa não ganha nada se fizer 120 itens quandoprecisa apenas de 100. Se você precisa de 100, faça apenas 100.- Ohno também recomendou que o ritmo de trabalho fosse calibrado para que a produçãodos 100 itens ocupasse o dia todo.- A fórmula básica da Toyota, de fazer o que for necessário, apenas na quantidadenecessária, no momento necessário, tem outro elemento: tão eficientemente quanto possível.Ou seja, gastando o mínimo. Há muitas formas de gastar o mínimo para produzir. Uma delas
  3. 3. PortfólioTrabalho de conclusão da disciplina de: Organização, Sistemas eMétodos.3é produzir apenas 100 se você precisa apenas de 100, mesmo que você possa produzir 110antes do final do expediente.Continuou Ohno:- A parte mais difícil do sistema Toyota de produção é aprender a fazer os 100 itensgastando o mínimo. Para isso, todos devem aprender o Just in time. Se a prioridade for dadaapenas para a minimização dos gastos, podem ser obtidos diversos resultados indesejáveis.Porém, se esse objetivo for negligenciado, o produto poderá custar terrivelmente caro.Essa ideia tem seus adversários. Eles dizem que não se deve restringir a produção. É melhortentar reduzir os preços por meio da produção em massa. Ou então, se você tiver cincotrabalhadores disponíveis, é melhor fazer 200 itens ao invés de 100.Objetivo do Trabalho:Na matéria de Organização e Métodos de Sistema, conseguimos o entendimento daimportância das técnicas e do aperfeiçoamento do funcionamento nas organizações.Conforme o estudo de caso apresentado e do material bibliográfico de pesquisa seráapresentado mediante as questões propostas, características relevantes do Sistema deProdução Enxuta – Toyota, de Taiichi Ohno, e do Sistema de Clássica e Produção emMassa/Grande escala, com base em Frederick Winslow Taylor.
  4. 4. PortfólioTrabalho de conclusão da disciplina de: Organização, Sistemas eMétodos.4QUESTÕES1. Qual a relação entre o funcionamento do supermercado e o sistema Toyota deprodução?O Sr. Ohno, criador do sistema Toyota de produção, a partir de uma visita a umSupermercado, em sua observação, analisou que as pessoas compravam por necessidade.Relacionando a análise do Supermercado com Sistema Toyota de Produção, pode avaliarque se tivesse em seu estoque de produção um número maior que a demanda, teria produtosparadas em seu estoque. Assim, como em um Supermercado, se o estoque de produtos formaior que o numero de consumidores, o estoque ficará parado, tendo assim, umamaximização nos gatos. Ohno criou o Sistema Kaban, que controla as informações doestoque, quantidade existente dos produtos e a quantidade necessária para a reposição deacordo com pedido dos clientes. Desta forma, existe grande foco na minimização dos gastose do não desperdício do material produção.2. Quais as diferenças entre o sistema Toyota de produção e o sistema tradicional?O Sistema Tradicional de Produção, com referência na Racionalização do trabalho, em suaeficiência tem foco o no maior volume de produção. Desta forma, os recursos humanos sãomais exigidos. O layout, relacionado ao processo de produção é organizado de acordo comas habilidades das pessoas, operações do processo e equipamentos. Não utiliza-se depadronização no fluxo de fabricação dos produtos de uma fase para outra.Enquanto o Sistema Toyota, em sua característica, produz com economia e organização.Utiliza-se de um menor numero de operários, ou seja, apoiam o tema de mão de obra enxuta,não exigindo assim de um grande volume de pessoas no processo de produção. Tem umvolume de produção menor, variado e diversificado de produtos. Pratica a utilização de um
  5. 5. PortfólioTrabalho de conclusão da disciplina de: Organização, Sistemas eMétodos.5layout bem elaborado, o permite uma sequencia padronizada no fluxo de fabricação pelosoperários, evitando assim desperdícios e tempo de espera nos processos.3. Quais as vantagens de fabricar apenas o necessário? Há desvantagens?A fabricação do volume necessário de acordo com a demanda, baseado no Sistema Toyotade Produção, apresenta como vantagem a economia. A produção é de acordo com anecessidade do mercado, conforme a aplicação do Just In Time. Desta forma, evita-se amaximização dos custos, pois, não existirão gastos com desperdícios de material, o produtonão ficará parado no estoque à espera de clientes. Portanto, como desvantagem, a fabricaçãopoderá ficará a mercê de fornecedores, pois ocorrendo atraso entrega da mercadoria a linhade produção poderá ficar paralisada. Como também, deverá ser realizado o controle e analisede mercado para que não ocorra a perda nas vendas, visto que, fabricar apenas o necessário oestoque será praticamente igual à zero.4. Considere os argumentos dos adversários do sistema Toyota. Você concorda? Setivesse que escolher entre o sistema Toyota e seus adversários, qual escolheria? Por quê?Os adversários do Sistema Toyota, acreditam que produzir em grande quantidade, aumenta olucro, usando ao máximo a eficiência de seus operários. Esse tipo de produção é altamentevantajosa especialmente para maquinários e matrizes diferenciadas. Admiro o SistemaToyota de Produção, baseado em melhoria contínua, eficácia e organização. Porém,considero válida a observação do tipo de segmento que adotará o Sistema, como asindústrias de eletroeletrônicos e eletrodomésticos, as quais possuem um fluxo de produçãoem massa devido a necessidade dos consumidores. Ou seja, existe a necessidade destas emmanter o estoque dos produtos, pois, existe o retorno financeiro e do mercado consumidorpara isso. Portanto, sempre é necessária a identificação e análise dos fatores internos, ou
  6. 6. PortfólioTrabalho de conclusão da disciplina de: Organização, Sistemas eMétodos.6seja, organizacionais e externos que é a necessidade de mercado e a economia, que influemmuito na lei da Oferta e Demanda.5. Você já viu o pátio de uma fábrica de veículos em períodos de recessão? Se o diretorda fábrica lhe mostrasse o pátio cheio de veículos não vendidos e lhe pedisse uma solução, oque você recomendaria?Conforme matéria de estudo, recomendaria a utilização do Sistema Toyota de Produção,com base nas ferramentas Just In Time e Jit, visto que, as mesmas são utilizadas para evitaro desperdício, estoques já existentes e custos recorrentes.Estoque parado é perda financeira, e para otimização desta perda é necessário à criação deum plano de ações, mediante a tal problema. Recomendo o desenvolvimento de Estratégiasde Marketing, com o objetivo de atingir o publico com divulgações e promoções para osrespectivos veículos. Redução de Custos, avaliando a possibilidade em disponibilizar fériascoletivas para os colaboradores. Poderemos não ter lucro, mas, acredito que utilizando-sedestas medidas poderemos minimizar o prejuízo. Como aprendemos em Organização eMétodos, o papel de Decisão desta situação é do Diretor, que deverá: identificar odiagnosticar o problema, coletar dados, elaborar e avaliar as soluções alternativas, implantare acompanhar todo o processo.6. Quais os resultados indesejáveis de não se pensar na minimização dos gastos?Quando não existe o pensamento na minimização dos gastos, por consequência existirá oprejuízo. A produção em longa escala, mesmo de produtos com qualidade e diversidade,gera um gasto elevado e ainda poderá acarretar no resultado de um estoque paralisado porum período, gerando queda na lucratividade. É de importância pensar na minimização dosgastos, avaliar a demanda e a necessidade do mercado na escala de produção.
  7. 7. PortfólioTrabalho de conclusão da disciplina de: Organização, Sistemas eMétodos.77. Quais as diferenças e semelhanças entre as proposições de Taiichi Ohno e FrederickWinslow Taylor?Taylor desenhou um modelo de produção com a visão de quanto maior o volume deprodução, o uso dos recursos humanos e o volume no estoque, mais lucro obteria.Enquanto Ohno desenvolveu um modelo de produção limitada, atentando-se ao desperdícioe a economia da matéria. Ohno acreditava que de acordo com as condições existentes oestoque era necessário, mas, mantê-los seria um desperdício e que em algum momento aempresa teria que ganhar dinheiro sem eles. É de entendimento a semelhança dos doissistemas, valorizam os recursos humanos, a preocupação na sequencia nos processos e como layout que auxilia o fluxo de produção.Referencias Bibliográficas:O Sistema Toyota de Producao Do Ponto - Por Shigeo Shingohttp://pt.wikipedia.org/wiki/Organiza%C3%A7%C3%A3o,_sistemas_e_m%C3%A9todoshttp://books.google.com.br/books?id=dg4_3tlM8EYC&pg=PA33&lpg=PA33&dq=o+sistema+toyota+de+produ%C3%A7%C3%A3o+contras&source=bl&ots=x1qCPZzDiD&sig=ZCHX-9Itg1qqwPofUk5hf5btCyc&hl=pt-BR&sa=X&ei=3mSEUbiGC8LM0AGhjoCABA&ved=0CDMQ6AEwAQ#v=onepage&q=o%20sistema%20toyota%20de%20produ%C3%A7%C3%A3o%20contras&f=falseFonte: MAXIMIANO, Antônio Cesar Amaru. Teoria Geral da Administração. São Paulo: Atlas,2006.

×