A pesquisa na formação acadêmica

288 visualizações

Publicada em

Esses slides embasam os debates que o GEFOPI realiza para discutir a questão da saída do senso comum até o conhecimento científico, coordenado pela Prof. Ms. Andréa Kochhann. Geralmente realizamos a palestra após o público assistir ao filme “O óleo de Lorenzo”. O GEFOPI atua com base em projetos de pesquisa e de extensão, da Universidade Estadual de Goiás, Câmpus São Luís de Montes Belos.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
288
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A pesquisa na formação acadêmica

  1. 1. A PESQUISA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA ANÁLISE TÉORICA SOBRE O CONHECIMENTO CIENTÍFICO E A PESQUISA Ms. Andréa Kochhann e GEFOPI Grupo de Estudos em Formação de Professores e Interdisciplinaridade
  2. 2. Esses slides embasam os debates que o GEFOPI realiza para discutir a questão da saída do senso comum até o conhecimento científico. Geralmente realizamos a palestra após o público assistir ao filme “O óleo de Lorenzo”. O GEFOPI atua com base em projetos de pesquisa e de extensão, da Universidade Estadual de Goiás, Câmpus São Luís de Montes Belos.
  3. 3. UMA ANÁLISE ESTILO FICHAMENTO DE CITAÇÕES DO LIVRO: PESQUISA: PRINCÍPIO CIENTÍFICO E EDUCATIVO DEMO (2006)
  4. 4. Para introduzir a discussão.......... * O que é pesquisa científica? * Qual a relação entre o ensino e a pesquisa? * O que é ser um professor pesquisador? * O que é elaborar com as próprias mãos? * O que é ser elaborador científico? * O que é ingestão teórica? * A prática da pesquisa na educação pode se efetivar na extensão?
  5. 5. INICIANDO A REFLEXÃO TEÓRICA... * A desmistificação crucial é sobre a separação entre pesquisa e ensino. Eles são indissociáveis. Mas, como diz Demo (2006, p. 12) “Muitos estão dispostos a aceitar universidades que apenas ensinam, como é o caso típico de instituições noturnas, nas quais os alunos comparecem somente para aprender e passar, e os professores, quase todos biscateiros de tempo parcial somente dão aula.”.
  6. 6. * “Quem ensina carece pesquisar, quem pesquisa carece ensinar. Professor que apenas ensina jamais o foi. Pesquisador que só pesquisa é elitista explorador, privilegiado e acomodado.” (p.14) * “Não se atribui a função de professor a alguém que não é basicamente pesquisador.” (p. 15)
  7. 7. * “Desmistificar a pesquisa há de significar, então, a superação de condições atuais da reprodução do discípulo, comandadas por um professor que nunca ultrapassou a condição de aluno. [...]. Mais degradante ainda é o professor que nunca foi além da posição de discípulo, porque não sabe elaborar ciência com as próprias mãos. Como caricatura parasitária que é, reproduz isso no aluno.” (p. 17) * É preciso que o professor faça digestão teórica.
  8. 8. * “Compreendida como capacidade de elaboração própria, a pesquisa condensa-se numa multiplicidade de horizontes no contexto científico.” (p. 18) * Quem pesquisa precisa se preocupar com a questão teórica e metodológica e pode seguir a linha da hermenêutica, que tem por princípio ler entrelinha, ver o contexto para muito além do texto...
  9. 9. * “Pesquisa se define aqui sobretudo pela capacidade de questionamento [...].”(p. 34). * “Para descobrir e criar é preciso primeiro questionar.”. (p. 35). * “Uma definição pertinente de pesquisa poderia ser: diálogo inteligente com a realidade.” (p. 36). * “Diálogo é fala contrária, entre atores que se encontram e se defrontam.” (p. 37).
  10. 10. * “Quem pesquisa tem o que comunicar. Quem não pesquisa apenas reproduz ou apenas escuta. Quem pesquisa é capaz de produzir instrumentos e procedimentos de comunicação. Quem não pesquisa assiste à comunicação dos outros.” (p. 39). * “Esta postura permite afirmar que somente tem algo a ensinar quem pesquisa.”(p. 49). * Mas, nas universidades encontra-se muito o “professor-papagaio, que sempre diz a mesma coisa e já sequer sabe o que diz” (p. 51)
  11. 11. * “O importante é compreender que sem pesquisa não há ensino. A ausência de pesquisa degrada o ensino a patamares típicos da reprodução imitativa.” (p. 51) * “Se a pesquisa é a razão do ensino, vale o reverso: o ensino é a razão da pesquisa.” (p. 52) * “Podemos colocar para o professor, exigências tais como: […] exigência de pesquisa, […] domínio teórico e elaboração própria, […] versatilidade metodológica, […] experiência prática, […] descobrir relações dadas na realidade, […] atitude de diálogo com a realidade, […] construtor de conhecimento novo e ageste de mudança na sociedade.” (p. 53)
  12. 12. * Condições necessárias para o elaborador científico: “indução do contato pessoal do aluno com teorias […] manuseio de produtos científicos e teorias, […] transmissão de alguns ritos formais do trabalho científico, […] preocupação metodológica, […] cobrança de elaboração própria[...]” (p.55).
  13. 13. * “O professor tem seu lugar, como pesquisador e orientador, para motivar no aluno o surgimento do novo mestre.” (p. 64) * Mas, muitas vezes “O estudante conclui o curso sem saber dar conta de um tema, não consegue escrever com clareza e sistematização, não ordena, manuseia, constrói e interpreta dados, o que revela continuar ainda apenas 'aluno', até porque aprendeu com um 'professor' que nunca saiu da condição de 'aluno'.” (p. 67).
  14. 14. * “Com isso o professor enfrenta outros riscos e desafios. Terá que ler mais material produzindo pelos alunos, estar disponível para consulta e discussão, facilitar retroalimentações constantes e recorrentes. Pode ser ludibriado por outras maneiras, via trabalho de grupo onde somente u m trabalha, via cópia e plágio, via compra de trabalhos.” (p. 73-74).
  15. 15. * “A escola continua curral formal, onde o gado é tratado. Aluno, como discípulo, é gado. Numa analogia forte, é como penico, que tudo aceita sem reclamar, e acha que não passa disso. O conluio perfeito dessa imbecilização está na coincidência entre aula, prova e cola.” (p. 89). * Para a elaboração própria é preciso condições como um currículo que possibilite e fundamente, atividades no espaço escolar, espaço para complementações necessárias e recomendáveis e programações culturais. “É difícil embutir no currículo a prática, a começar pelos vícios históricos dos 'estágios' e da 'extensão'. (p. 99)
  16. 16. * Ao longo da formação é importante a prática inicial, intermediária e profissional. * “Os estágios são concessões à prática, com presença curricular residual, mal organizados, sem acompanhamento de qualidade por parte do curso e por parte dos responsáveis no local do estágio. […]” (p. 99). * “A extensão – pertinente quando intrínseca – arrasta- se no voluntariado e na ilusão de evitar o afastamento da universidade de seus compromissos sociais. Há exemplos de atividade extensionista, que, além do impacto na comunidade, motivou a formação política dos alunos. ” (p.99)
  17. 17. Obrigada Contatos: (62) 81233624 andreakochhann@yahoo.com.br

×