Sistema de Transmissão

3.004 visualizações

Publicada em

Surgimento, evolução, funcionamento, principais peças e tratamentos térmicos para formação das peças.

Publicada em: Indústria automotiva
0 comentários
8 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.004
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
255
Comentários
0
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sistema de Transmissão

  1. 1. SISTEMA DE TRANSMISSÃO ANDERSON CARNEIRO, RICARDO DOS SANTOS, FRANCISCO JOSÉ, MARCUS LUIS.
  2. 2. 1. INTRODUÇÃO 1.1 EVOLUÇÃO DAS TRANSMISSÕES  Surgimento  1895, irmãos Lanchester lançaram o eixo de transmissão.  Na mesma década, a caixa de engrenagens planetárias e a transmissão por eixo cardan.
  3. 3.  Anos mais tarde, a transmissão automática era lançada nos Estados Unidos por Sturtevant.  Muitos sistemas de transmissões foram desenvolvidos, ocasionando a mudança da posição dos motores. • Dianteira • Traseira
  4. 4. 2. FUNCIONAMENTO  O sistema de transmissão, tanto mecânica como automática, é composto por um conjunto de componentes com características de serem robustas e resistentes, afim de transmitirem toda a força e torque para as rodas motoras.  Vamos detalhar os principais componentes das transmissões mecânicas:  Embreagem; − Formada pelo volante do motor, disco, platô e rolamento. −A embreagem esta entre o motor e caixa de relação de velocidades.
  5. 5.  Eixo primário e secundário; − O eixo primário é uma árvore cheia de engrenagens de diferentes diâmetros que se relacionam com outro eixo, o secundário, onde é determinada a relação de saída para o diferencial.
  6. 6.  Manopla, alavanca e trambulador; −Aciona o mecanismo para se engatar determinada relação ou marcha a mesma é travada e a relação se estabelece. • Diferencial; −O diferencial é uma autopeça responsável pela divisão do torque entre os semi-eixos do carro, independentemente de suas velocidades de rotação.
  7. 7. 3. PROPRIEDADES 3.1 A necessidade de alterar as propriedades; ESPECTATIVA DOS CONSUMIDORES COMPETIÇÃO NO MERCADO REGULAMENTAÇÃO MUDANÇAS REDUÇÃO DE PESO DURABILIDAD E SEGURANÇA QUALIDADE PERCEBIDA ACÚSTICA
  8. 8.  Solicitações Adversas na Transmissão;  Altas cargas operacionais;  Exposição a ambientes extremos e corrosivos;  Altas cargas de impacto e de torque;  Alta temperatura;  Altos ruídos;  Alto desgaste;  Fadiga; EXEMPLO DE FADIGA EXEMPLO DE CORROSÃO
  9. 9.  Materiais constituintes;  80% dos materiais são fundidos − − Ferro fundido Alumínio
  10. 10.  Fundição;  Características − A elaboração de uma liga metálica no estado líquido. − Necessita de um molde para preencher com a liga.
  11. 11. 4. PROCESSOS UTILIZADOS NA FORMAÇÃO  Tenacidade, dureza superficial para resistência ao desgaste e uma boa resistência à fadiga enquanto operam em ambientes e corrosivos e de alta temperatura.  Os processos mais comuns utilizados no sistema de transmissão são de endurecimento por indução, de cementação a baixa pressão, de nitrocementação ferrítica, de carbonitretação. 4.1 Endurecimento por indução;  O endurecimento por indução é usado para aumentar as propriedades mecânicas de componentes ferrosos em uma área específica.  Os principais benefícios: − São aprimoramentos na força, na resistência contra
  12. 12.  Aplicações e Materiais: − As aplicações mais comuns de endurecimento por indução incluem engrenagens, eixos, ressaltos de cames, estampagens e fusos e na maioria das peças simétricas.
  13. 13.  Processos: − Os componentes são aquecidos por meio de um campo magnético alternante até uma temperatura dentro ou acima da faixa de transformação, seguidos por uma têmpera imediata. − O processo de endurecimento por indução é um processo usado para o endurecimento da superfície de aço e outros componentes de liga metálica.
  14. 14. 4.2 Cementação por baixa pressão;  É um processo de endurecimento de camada é realizado em um forno a vácuo utilizando gases hidrocarbonetos a pressão muito baixa e a temperaturas elevadas para a obtenção de uma camada superficial endurecida de martensita revenida e de um interior rígido.  Benefícios: − A relação entre o afastamento e a origem da camada cementada (espessura da camada). − Alta dureza abaixo da superfície comparado a peças convencionalmente cementadas. − Redução das alterações dimensionais pela transferência de calor independente da temperatura durante a têmpera gasosa sob alta pressão. − Melhoria das propriedades mecânicas - eliminação de camadas de oxidação intergranular e melhoria das
  15. 15.  Aplicações: − As aplicações mais comuns da Cementação por baixa pressão incluem engrenagens, hastes, eixos, bicos, injetores, fusos e etc.
  16. 16. 4.3 Nitretação Ferrítica;  É um processo termoquímico de tratamento de superfícies que envolve a difusão de nitrogênio.  Benefícios − Melhorias significantes nas propriedades de fadiga, resistência ao desgaste corrosivo e nas propriedades anti-corrosivas.  Aplicações − Engrenagens, espaçadores do balancim, blocos do cilindro e bicos de jateamento e de bombas.
  17. 17. 4.4 Carbonitretação;  É um processo de endurecimento de camada austenítico com a adição de carbono e nitrogênio.  Benefícios − Produz uma superfície rígida e resistente ao desgaste, reduz o. risco de rachaduras.  Aplicações − Engrenagens e eixos, pistões, rolamentos e mancais, alavancas de sistemas acionados mecânica, pneumática e hidraulicamente.
  18. 18. OBRIGADO PELA ATENÇÃO!

×