Edição zero

166 visualizações

Publicada em

Edição Zero do Correio Sete de Março

Publicada em: Direito
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
166
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Edição zero

  1. 1. ,il-train Sela : ln lllarçn OUTUBRO O14 EDIÇÂÓ ZERÓ TEMA ESPECIAL: ELEIÇÕES EDITORIAL Da realidade se fez a ideia, da ideia se ñzeram as palavras. das palavras se tez este Jornal. E dojornal se feza Zoeira. Largue o Vade Mecum e leia com atenção. Depois de um período ~sabótico~, da fonte voltou a brotar. Acreditamos que este curso precisa de um espaço livre e democrático de expressão dos alunos. Além das carteiras. além dos livros. além das fronteiras. chegamos a um ponto onde é necessario que o debate prevaleça e sabemos que eleições presidenciais têm tudo a ver com esta ideia. O exercício democrático não é só voto. Ele compreeende sua opinião sobre o que acontece no dia a dia. Sobre a ñla ao posto de saúde, sobre a falta de vagas na educação, o preço do tomate e os vinte centavos. Sabemos que nosso curso é plural. Dentro dele existem varios cursos. O que queremos aqui é trazer todos. Abarcar as mais diversas opiniões e posicionamentos lado a lado na folha escrita. Só é possível construir algo novo se houver dialética. Precisamos de um ponto, um contraponto e a interação entre ambos para que se construa uma nova realidade. E é o que sugerimos nestas breves ponderações desta Edição Zero. Abrimos edital, pedimos opiniões aos alunos e dos professores, sabendo que pluralidade é uma forma de alcançar a democracia. Recebemos textos defendendo candidaturas, outros sobre o financiamento privado de campanhas, contribuição cultural e também palavras de um docente que incentiva nossa causa. Além disso, até mesmo o nome do nosso periódico foi uma construção coletiva, através de sugestões angariadas entre os alunos. É nisso que acreditamos e e isso que pretendemos. Um dossiê por mes. Um tema atual e de reievancia por edição. Sempre com a participação pulsante dos alunos. Esperamos que gostem da nossa Edição Zero e brace yourselves que mes que vem tem muito mais. COMISSÃO EDITORIAL DO CORREIO 7 DE MARÇO Ananda Coutinho. Isabella , Alonso João Pedra Goulart, Mannno Arthur, Raquel Bossan, tiago Pires Produzido entre os dias 20 e 30 setembro de 2014. Sem investimentos financeiros. Uso para ñns acadêmicos e não lucrativos
  2. 2. À Pl Dilma Rousett 'I3 PT Patido dos Trabalhadores CANDIDATO PROPOSTA . AécloNeves ” 45 _ PSDB Partido Saad da Democra- cia Brasilera Queremos ouvir de todos. Queremos ouvir de tudo. Poderíamos simplesmente dar um ctrl+C e um ctrl+v nos plonos de governo dos candida- tos. Mas pensamos que seria muito melhor abrir um espaço para que as pessoas exerçam sua opinião política e defendam o que pensam dos candidatos que escolheram. Os últimos anos vêm apresentando um cenário socioeco- nômico contrastante no que se refere ao desenvolvimento e à confiança nas instituições, cenàno diferente do que ocorria em tempos de FHC. O ponto chave da questao e que o atual governo não mostra todo esse cenário com transparência e inclusive os divulga da maneira que lhe é mais conveniente, mostrando a população um país pratica- mente perfeito. Aécio representa a senedade com as insti- tuiçóes, a seriedade com as politicas públicas e o respeito ao cidadão que merece realmente saber o que está sc passando em seu país. pois esse cidadão é quem mais sofre em momentos nos quais há irresponsabilidade dos governantes. má-fé. atrasos no pagamento de programas sociais_ diga-se bolsa familia entre outros absurdos que vêm se amontoando. O candidato tucano tem a seu favor a melhor equipe para colocar o país em um novo rumo de crescimento sustentado. aliando respeito ao povo e manutenção do que de fato está gerando fartos. Ele é uma pessoa articulada, inteligente e que podera também repre- sentar nosso pais de forma respeitável no exterior. buscan- do resgatar a posição de liderança que o Brasil vem desprezando nos últimos anos. Indubitavelmente, a candidata Dilma Rousseff demonstra ser a mais preparada para a disputa presidencial. A questao nao é apenas pensar nos últimos 4 anos, mas sim, em todos os avanços que o Brasil demonstra desde 2003_ quando o Pl ñnal mente ascendeu ao poder. O partido consolidou uma série de politicas públicas e assistenciais quetrouxeram o povo brasilei ro para fora dos liames da miséria Quando ainda ministra. Dilma. que esteve desde o primeiro minuto ao lado de Lula. permanecendo fiel até o fim de seu govemo. realizou trabalho brilhante à frente do Ministério de Minas e Energia, retirando o país da crise energética em que se encontrava. Além disso, é necessário ressaltar a ousadia do programa Luz Para Todos. desenvolvido por ela. o qual levou energia elétrica para mais de 1 milhão de famñias em sua pnmeira fase, revolucionando a vida de quem sempre deperideu do lampião e da vela. Natu- ralmente ao assumir seu própno governo, ampliou e deu continuidade aos projetos que vinha desenvolvendo como ministra. Um deles, o Minha Casa Minha Vida, que possibilitou a construção de 2 milhões de casas a nossos brasileiros. Desse modo, conclui-sc que a questão é não trocar o certo pelo duvidoso, mas sim de se desvincular cada vez mais de um velho Brasil excludente e segregacionista. Sem dúvidas. dia O5 de Outubro, é t3 na urna. Por Nader Naves Sulelmon Han-lda. our-o do t” ano ae Direito da UFt Algumas candidaturas receberam defesas por parte dos estudantes do nosso curso. As que não encontraram respaldo, nos demos a liberdade de uma exposição dos seus planos de govemo, todos devidamente registrados junto ao TSE. A estes textos assinam a Comissão, como um todo e não um ou outro aluno. Aos que contribuiram com a nossa empreitada, agradecemos a disposição de tempo e vonta- de. Esperamos que os textos apresentados con- templem a todos e que destas paginas surjam novas discussões quanto as Eleições 2014. Aos que se sentirem ofendidos, nossos sentimen- tos. Aos que apoiam a ideia, divirtam-se. Por Fell ! aba aluno do 3' aro de ÂIJTHVIISWQ ao da “EA-R” USF Mauro lasl 21 Marina Silva 40 Luciana Gem 50 _ PSOL _ PSB _ PCB _ Partido e Liber- Pulido Socialila Brasieio Partido Contando Brusiero l A atual candidatura de Marina Silva veio de uma coligação partidária denominada 'Unidos Pelo Brasil' cujo eixo se encontra no PSB - Partido Socialista Brasileiro -. contando com OS, PPL PRP_ PHS e PSL. Inicialmente. Eduardo Campos era o candidato a presidência e Marina sua vice. Contudo, após a tragédia de 13 de agosto, Marina assumiu a candidatu ra, tendo como vice Beto Albuquerque. Marina Silva é. sobretu- do. uma mulher de origem simples. Nascida no Acre. aos poucos foi construindo sua carreira na politica. chegando a ser a senadora mais Jovem do Parlamento em 1994. No inicio de sua militância. era filiada ao Partido dos Trabalhadores - PT. chegando a ser uma das fundadoras da CUT - Central Unica dos Trabalhadores. Todavia. deixou o partido em 2009 sob a alegação de não mais concordar com as ideologias do partido. Sua candidatura em 2014 se funda principalmente nas propostas de uma reforma política, que tome a máquina do governo mais participativa e democrática, acessivel a todos os brasileiros. No mais, compromete-se a manter as conquistas dos governos antecessores, de forma a ampliar o acesso à saúde, educação, moradia e, sobretudo, o desen- volvimento sustentável. . . . Comunistas sabem que eleiçoes são apenas um momento do Estado assumir seus compromissos com as grandes empresas e dar a impressao dc democracia entre os cidadãos. Portanto. nas eleiçoes, os comunistas propagatn a ideia da democracia socialista. Criar poder popular. Contudo, ao mesmo tempo que luta pela liberdade plena do ser humano, os comunistas nao deixam de lado a realidade concreta, atuando JUHÍO a ela. Somando os fatores temos o plano de governo encabeçado pelo camarada Mauro las¡ e pela camarada Sofia Manzano. ambos professores universitários e autores de extensas obras, tanto acadêmicas quanto literárias. O PCB estruturou 21 pontos pnncipais que sao bandeira nessas eleiçoes de 2014. todos abarcam as ideias principais, como estatização do siste- ma financeiro, socialização dos meios de produçao e a urgência de um desenvolvimento econômico humano e sustentável sem esquecer de pautas atuais como o combate ao racismo, ao machismo c a homofobia, a garantia do aborto. a necessidade dc uma educaçao pública e de qualidade, entre outros. Comunismo não é sinônimo de esquerdismo. a qual Lênin chama de doença infantil, mas sim é a construçao do empodera- mento da classe que têm por papel histórico colocar um fim da ditadura do capital: O proletariado. Portanto, dizemos. brada- mos e repetimos: Criar poder popular! Luciana Genro, que não se rendeu ao cabelo liso, nem ao lweet alheio. usa vermelho. sua cor preferida. sem medo de errar o tom. Luciana que desceu do muro e tacou uma pedra na ianeta do vizinho. não mediu palavras, e dá bons consel- hos como, "Estude um pouquinho e verá". Ah Luciana, mais do povo que Lula, sabe contar com todos os dedos, manda candidato à ova em uma linguagem que todo mundo entende. mas sabe usar seu léxico requintado. Não gosta de aeroportos particulares, prefere busão'. gente como a gente. Sabe o que fala, sabe onde vai. Diz: 'O estimula real à prática esportiva vem da escolinha da Várzea, não dos megaeventos esportivos'. a faxina começa na gaveta. quem rouba no Senadoiá roubou na fila do pão. Lembrou de mim, que pintei a cara de verde e amarelo e andei pela Av. Iligienópolis aos gritos de 'O Gigante acordou. " Mas como todo bom gigante, bate a cabeça nos móveis, mesmo saben- do que eles estão ali, e bate de novo. e de novo. Chega de bater a cabeça. Luciana Genro nela. texto baseada nas propostas di OPWElS na piano _de ovr-, rno ao candidmo e e : :bando pe. a Common Lolniial le inrr-: :i Por luana Angólca Mula Ponha. aluno ao 2° (I'll) do DiicPo d: : UEL P0' MUÍHM MM"- ülüñü C10 4° M0 de DVEVO M UEl
  3. 3. Eymael 27 Levy Fidellx 28 43 P m Pig , ?spc , PRTB _ ° d° “de Partido Social Democrata Partido Renovador Trabalhista Cnslõo Brasileiro Soteropolitano_ vegetariano, medico Sanitarista de 64 anos e pai de seis filhos, Eduardo Jorge Martins Alves Sobrinho trouxe os debates presidenciais um tom mais descontraído e leve. Defensor da sustentabilidade, o candidato pelo Partido Verde PV). a partir de 1974. atuou em movimentos populares na eriferia de São Paulo e organizou os pnmeiros conselhos populares de saúde. Foi deputado estadual e federal pelo Parti- do dos Trabalhadores de 1983 a 2003. entretanto, assim como [guns candidatos. desvencilhou-se deste partido. Foi secretário municipal da Saúde em São Paulo. e Secretario do Meio Ambiente. Averso ao financiamento de empresas em ampanhas eleitorais é o candidato mais compromissado com liberdade de orientação sexual. e com as questões do meio mbiente como reciclagem. Munido de propostas progressis- as, milita pela legalização da maconha como forma de avanço r libertação da economia do crime no País. Quanto à disputa presidencial. afirmou, após uma caminhada a pé pela Lapa. no Rio de Janeiro, no cumprimento à sua "agenda verde": Não emos os recursos e a estrutura dos outros três candidatos. Nosso patrimônio são as ideias. O candidato Eymael deu inicio à sua carreira politica como militante do PDC (Partido Democrata Cristão). o qual foi BXTIIT to durante o período do regime militar. Atualmente pelo PSDC (Partido Social Democrata Cristão). o presidenciável mostra uma grande preocupação no cumprimento da Consti- tuição e no compromisso com os valores familiares. Seu proieto de governo conta com programas de metas sociais para satisfazer as demandas da população e também políti cas voltadas para o desenvolvimento, através de incentivos na area da construção ClVll e do empreendedoriso, porexem- plo. O candidato também apoia uma reforma tributária_ visando a simplificação do sistema e a redução da carga. através de uma manutenção do Pacto Federativa. a Fim de distnbuir equitativamente as atnbuições entre a União, o Distrito Federal, os Estados e os Municípios. Além disso, [ymael também defende um novo modelo de gestão pública para construir o Estado Servidor, que terá como ObjElIVO priorizar a saúde. educação, segurança_ igualdade e desen volvimento, 0 candidato Levy Fidelix iniciou sua caminhada politica em 1984, firmando~se como um dos fundadores do PL - Partido Liberal, pelo qual disputou sua primeira eleição como candida- to a Deputado Federal por São Paulo. Depois de passagens por PTR e PTRB. é o fundador e atual presidente do PRTB - Partido Renovador Trabalhista Brasileiro, O presidenciáveltem como preocupação central o tema da Mobilidade Urbana. Seu principal e mais conhecido projeto e' do Aerotrem, um moder- no sistema de trens de alta velocidade que gravitam magneti- camente sobre os trilhos_ eliminando o atrito existente nos meios de transporte convencionais e trazendo mais conforto aos passageiros. Outras propostas de grande importância são: o projeto Moto-Médico; a desoneração da Cesta Básica; a desoneração dos remédios; o Banco Popular e o Ministério da Defesa Civil Contra as Calamidades Públicas do Brasil O postulante também propõe a criação do Banco da Juventude. cuja principal função seria a de financiar a educação dos estudantes universitários Além disso, é um dos defensores da redução da maioridade penal. Texto baseado ras propostas oiponvois rp plano do vorno do ccndiaalo e elaborado i o COPYSSOO Editorial oro . lctrial Rui Costa Pimenta 29 PCC) Partido da Causo Operária texto humano nos pimoslas oiporweis rc plano de . verro do lexto buseooo nm propostas dipomeis n: : plano deâovemo do e cenaiaato e elaborado ea Carrasco Fditonal . ere Jornal candidato e elaborado eo Correcto: : Fditmal re Jornal Pastor Everaldo 20 PSC Partido Social Cristão PSTU Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado Com o lema “salário, trabalho c terra', a campanha do PCO José Maria de Almeida, ou simplesmente Zé Mana. tem uma temática centralemtática revolucionáriammatribu- começou sua traietória política na década de 70 como na na defesa da revolução e do socialismo. Durante todo o parte da militância das greves operárias do ABC. Em 1980. seu plano de govemo. o PCO defende um questionamento foi um dos fundadores do PT e, posteriormente, da Central em relaçao ao sistema de produção capitalista. Uma de suas Única dos Trabalhadores. Doze anos depois, foi expulso do bases é a defesa quanto a uma Assembleia Nacional Consti- referido partido por causa de conflitos ideológicos com a tuinte livre e soberana. Os principais pontos abarcam um direção. Ein 1994. foi um dos responsáveis pela fundação salário mínimo de 3mil e 500 reais. iornada de trabalho de do PSTU - Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado. 35 horas. que os patrões arquem com os custos das crises Atualmente, auxilia na construção da CSP Conlutas - Cen- que eles mesmos criam, impostos sobre grandes fortunas, a tral Sindical e Popular, um instrumento de organização dos luta contra o imperialismo golpista, fim de repressão aos trabalhadoies Zé Maria visa amparar os interesses da semrterras. dissolução da PM. a luta pelos direitos das classe proletária e da ¡uventude adotando a ideologia mulheres. defesa dos direitos dos negros, firn do lucro com a socialista. O presidenciável defende a unidade das centrais EducaçãoeEnsinaestatização dos sistemas de saúde, refor- sindicais na construçao de uma Greve geral no país. Em ma urbana, reforma agrária, defesa da produçao cultural outubro de 2013, a Convergência Socialista_ corrente na nacional e defesa dos indígenas. Ainda sc faz critica quanto qual foi um dos principais dirigentes, foi reconhecida pelo a questão da Copa do mundo e de sua instrumentalização Estado Brasileiro pelo seu papel na luta contra a ditadura contra o povo. de forma a reforçar o imperialismo contra o militar. Brasil. Ou seia, o PCO traz uma campanha focada para a questao de criticar o capitalismo e a construção de uma revolução socialista. Oriundo de família pobre, nascido e criado em Acari, no subúrbio do Rio de Janeiro. Everaldo Dias Pereira é Vice-presi- dente nacional do PSC e sua religião veio de berço. pois é filho e neto de pastores evangélicos. O candidato milita na politica desde 1981, mas , a trabalhou como camelô, foi servente de pedreiro e depois passou num concurso para contínuo do Instituto de Resseguios do Brasil. antes de se formar em Ciências Atuariais e montar sua própria corretora O seu programa de govemo prevê um Estado minimo, com o escopo de diminuir o maquinário público e consequente mente as despesas, aliado a privatização de todas as empre~ sas que hoje são foco de corrupção, como a Petrobrás 0 Pastor é defensor da vida desde sua concepção e por este motivo assume uma posição contrária ao aborto. Ele repre- senta os valores cristaos, defendendo a familia tal qual está representada na Constituição, ou seja, a união entre um homem e uma mulher. Everaldo também promete mudanças na seguiança pública e defende a redução da maioridade penaL Ele afirma que é preciso colocar um Estado que sirva de fato ao cidadão, e que, portanto, sirva a familia brasileira. TÉXT! baseado nas propostas d¡ oniveis no plano de govemo do _ Texto taase-. ozzo rm piz. :um oiriorvvriis r. plan: : de Vftlrlt do candidato e elaborado pe a Comistao Editorial deve Jcmal Texto baseado nas propostas OÍDOFNBIS no plaw: de VGÍTVJ do rtzmaiaol e r-. liatioiimo meo Corretor: Editorial e Jornal conoiooto e elaborado pe o Cor-msm Edlfcñúl ere Jornal
  4. 4. O atual Sistema Eeítorãl Brosleiro canta com um financia- men'ã de campanha partidoria misto, que perrnte o finan- ciarrento privaao e . também a contrbu ção _da União atraves do Fundo Pãrtidano. O Fundo ? artidario e compos- to. segunaa a Lei no 9.096, de 1,9 de setembro ae 1995. por multas e penalidades pecuniarias oplcãdas segundo o Codigo E eitoral, recursos ñnanceiros destinados por 'ei, doação de pessoa lisica e ; griaicã diretamente nã conta do Fundo Part daria e dotaçoes orçamentanas da Uniao. Esse sistema. no entanto, torna a corrupção mais preserve. Levando em consideração a 'nancamento privada. os partidos f nanciados por emoresãs. bancos e empreiteiras acabam por, quando eeitos. beneñciando esses investidores com uma Vaca de favores. Tendo isso em vista, ha desvruamentã do objetivo ao partido, que ao inves de buscar as menores condições e alternatvãs D0_"Q_O benelico do coletivo, busca o beneñc'amento proprio, ou seia, manter-se no poder a qualquer custo. A Le' l 1.459. de 21 de março de 2002, por sua vez, destna 95% dos recursos do Fundo Partidano considerando a DTODOÍCOÚOÍIÕQÓB das a remiações paniqãras no Çon- gresso Nacanal. No entan a, essa rneaidã noo_e _op icaval, por exemplo, aos paridos recem criados mais Justo seria permvir o acesso ao Fundo Partiaano aaueles partidos que apresentassem um numero _minimo de candidatas aos cargas ogblicos, o aue forçana a cumprimento do obiet vo da criaçao aos partidos, instituindo l ualdade en're estes aVaves da pro biçao_do fnanoamen_ o pnvado e, por nm, impedindo sua craçoo por mero ennquecimento de seus fundadores. Paula Angõilca Amaral ferreira. graduonda do : urso dg Dicifo da UEL pdulaamaralru; 'iotmailcom F Ri! "É quando as matérias escapam a qualílicação de verdadeira' ou de 'falso', parque não se reportam a uma ciência unitária, mas ao pluralismo tilosotico. quc- sc justifica uma atitude dc tolerância c que Como temos uma proposta de aber- tura o democratização do espaço. perguntamos aos aiunos do curso: "Você é contra ou a favor do financiamento privado das campanhas? " Esperóvamas receber uma torrente de opiniões. mas, aparentemente. ninguém do curso se posicionou a favor do ñnanciamento privado. (E nom seremos nós a faze-lo, visto que somos um jornal sincero! ) Apresentamos. portanto. dois textos contra o ñnanciamonto privado das campanhas escri'a por duas alunas do curso de aireito. O períodode eleição e sua conexão com a corrupção. corro desvios de verb_as publicas, nvest mento tejo p_or empresanos, CVCUÍOÇUO con"a as normas_ legais, sao alguns fatores que morram o desfavorecimenla e os erros cometidos pelo financiamento privado de cam- panhas politicas. Ha doações feitas para os candidatos por parte de grandes empresas. que 'nancãm ascarrpannas eleito- rais. muitas vezes. lendo em_v¡sta a obtençao de benefíci- os iunto ao aovernante ele to com a sua duda fnancei¡ ra. Essas con riouíções _são uma ofensa a democracia. ia ãue nao deixam a opiniao publica conhece' a ari em o fnanc ementa da carr anna do candi ato. mantém ocuros as forças poli 'cas e económicas que estão interessadas na eIe'çao do candidaa Alemaisso, o financiamento por instituições privadas dirrinui ã gua dade entre aos concorrentes na dsputa. gata consagrada na Constifuçao Feãera em seu art. i4 Por _outro lado. uma boa solução seria o, financiamento Êublico de campanhas eleijora s. a que _e uma rãposta astarYe atraente. pois limita-ia a infuencia o poder economica nas decisões pol ticas, eliminando con- tribuições ilegais_ E. por im, e importante t_razer a baila ue seria necessario acrescentar o submissão aos custas e campanna a uma ex' ente tiscalizaçãa. Dessa forma, tornaram as _cãmpan as mais iguãlrorías. trans- parentes e sem manipulações. Marcela Tlnpii. graduardã do cursa di: Divcilo do UEL marceicrinpn @notmaiicom Pera, Uva ou Maçã? Da salada mista tem um diálogo, permitindo ampliar as perspectivas, é não só útil', mas até indispensável. " (Chaim Pcrelman. Ética e direito. l996. p. 384) Digna de c'ogios a iniciativa da atual diretoria do Çentro Acadêmicoãe resgatar o Jornal do CASM. quo em inumeras cd çocs anteriores - muitas de as cx°rernamcnte remotas - sempre buscou fomentar a divulgação. a dcoa'c_ _o a construção ao lacias cn*rc os_alunos_dc DireitoNada mas ncccssa_ro o sa utar a um amo ente do crescimento lP-“CÍCCÍUGÍ como deve ser a Lnivcrsidaãe. E nenhum tema poderia ser maTs apropriado da que as eleições que se aproximam e a noccssar'a relação ao estudante do Direito com o evento quc in ucnciara diretamente os rumos aa sociedade bras¡ clra nos proximos anos. preciso, sim, debater. sopcsar e, acima de Tudo. pãrticpar desse processo poltico tão essencial a democracia. o discurso da corrupção personificada ão invés de encara é melhor manter a massa alienado mudar o sistema é perder a traquinada melhor nem lembrar de sua própria jornada Não te esqueças da fruta aspirante Que prefere ser essa metamorfose ambulante Na corrida maluca da Data to ha Vale mais a frase bonita a escolha Da continuidade da Bo'ada Amor ou ódio resume a fachada O dolo tem nome. é petralhada Quase nada sobra da visão manlqucísta Para cnamarmos de realista Muda, muda. a palavra é mudança Mas a mudança muda nada alcança Na proposta não analisa afinidade O voto pauta Quer renovação, mas sem perder voto Éjogo do acha? Não, é pódio e eítoral A preferência ae vota e a persuasão ditatorial Elege mais candidato do que toao elerorado nacional Independentemente da ideologia que se albergue _cm cada coração_ou ppnsamcntaao estudante do _ ircito camoctc port çipar de forma atva, dia ogando. nvcstiganda, anal sando p'Op0S'QS e oirctrizes ao legendas. C0ndIdO'OS ou atc discwindo formas validas ao manifestar sua indignação com o processa clproral c/ ou sua forma dc condução. ya o lembrar. contu- do, que o voto e o mais acmocratco e improscindivc instrumento do mudança politica o social com o qua uma nação pode corvar. É importante tor _a consciência dc que o resuradlo tinal quc decorrerá das csco has bom feitas, mal foras ou não feitas, sera o pano ac tundo que a futura crívidadc profissional dc cada um _ira encontrar. Ou soja, as relações sooais o politicas com as quais cada um ira idarna aplicação ac seu conhe- cimento crarão sendo regidas e administradas, ão fim das contas. por quem cscolhcrmos nesse processo. Por Maria carolina Silvestre de larrosgrãduãnda ao cwso ai; Dirci'o da ULL carolbanos? sslnatma Lcom PRÓXIMAS EDIÇÕES. . Nas próximas e_aiçoes donosso Corre o, voces irao encontrar outros temas que ambem dizem resoero a atual aadede com outras s_eçoes aistintas das que 'ivernos nesta nossa expeqenc a da : dição Zero. . Estamos sempre abertos a sugestaese cntiças a"aves do email carreioset- eaemarcoegma I. com. Contamos com ã participação , e co'aborãção de todos. Ate a proxima. Por tim, nunca e' demais referir o óbvio; o rçsuljada dc toda c qualquer processo, eleitoral tem, incvitavc monte. influencia direta no exercicio do nossa propra cidadania. Boa leitura. ótimo debate c excelentes rctcxõcsl Por Denise Maria Weiss de Paula Machado. morre em Direito das Relações Negociais pea UEL e Prdessora do curso de graduação em Direita da UtL.

×