Dermatologia: Desafios Globais e soluções locais para acesso da           população.                                      ...
ESPECIALIDADES1 Acupuntura2 Alergia e Imunologia                               21 Gastroenterologia3 Anestesiologia       ...
CRITÉRIOS DE INVESTIMENTO EM            SAÚDE– Lei Complementar 141 de 13/01/2012– “Temporão diz que Promoção da Saúde é p...
DERMATOPATIAS• FREQUÊNCIA – 1ª A 3ª > res causas de  atendimento na atenção básica• Curso crônico e insidioso• Morbidade, ...
Acre                    4     0,1                                           Amazonas               49     1,1             ...
DERMATOLOGISTAS SEGUNDO UNIDADES DA FEDERAÇÃO - BRASIL -                     AGOSTO 2001            5%         4%         ...
Proporção de Habitantes por                        Dermatologista         REGIÂO       Nº 2001       %          X2 (Est. 2...
Enfermeiros e Dermatologia• 800 Estomaterapêutas• 61 Especializados em Dermatologia• Distribuição: Amazonas, Bahia, Ceará,...
IV Congresso Brasileiro de Enfermagem em     Dermatologia - Salvador - 2012.
IV Congresso Brasileiro de Enfermagem em     Dermatologia - Salvador - 2012.
AGRAVOS CAUSAD0S OUDESENCADEADAS PELA EXPOSIÇÃO À          LUZ SOLAR     1. Fotoenvelhecimento     2. Erupção polimorfa à ...
1. Fotoenvelhecimento – Cútis Romboidal
1. Fotoenvelhecimento – Elastose Solar             IV Congresso Brasileiro de Enfermagem em                  Dermatologia ...
1. Fotoenvelhecimento – Sínd. Favre-Racouchot                 IV Congresso Brasileiro de Enfermagem em                    ...
1. Fotoenvelhecimento – Mílium Colóide          IV Congresso Brasileiro de Enfermagem em               Dermatologia - Salv...
1. Fotoenvelhecimento – Melanoses e Lentigos
1. Fotoenvelhecimento – CERATOSES ACTÍNICAS
1. Fotoenvelhecimento – CERATOSES ACTÍNICAS
1. Fotoenvelhecimento – CERATOSES ACTÍNICAS
1. Fotoenvelhecimento – CERATOSES ACTÍNICAS
CARCINOMA BASOCELULAR
CARCINOMA BASOCELULAR
CARCINOMA ESPINOCELULAR
TRATAMENTO
MELANOMA CUTÂNEOMelanoma cutâneo – FinoPrognóstico excelenteMelanoma cutâneo – IntermediárioPrognóstico menos favorável
Melanoma cutâneo – EspessoPrognóstico ruim
ALBINISMO
A PELE
A EPIDERME                                               •   Estrato córneo                                               ...
A   EPIDERME - continuação
A EPIDERME - continuação
O que é necessário para evitar os problemas                advindos da exposição solar?•   Evitar a exposição solar;•   Us...
Auto-exame                  Não se esqueça, com o auxílio de um espelho de mão e de um                  espelho de parade ...
Quando começar a proteção solar?      Investir emComece o quanto antes. Cerca de 75% da radiação solar recebida durante av...
As pessoas com albinismo podem adaptar-se bem e viver vidasplenas e normais.
IV Congresso Brasileiro de Enfermagem em     Dermatologia - Salvador - 2012.
LÚPUS
Grupos de apoio para portadores de LúpusAssociação Brasileira “SUPERANDO O LÚPUS” – SPAAPLAM – Associação dos Amigos e Pac...
PORFIRIA
XERODERMAPIGMENTOSO
Dra. Shirlei - Sobende (19/09/2012 - Manhã)
Dra. Shirlei - Sobende (19/09/2012 - Manhã)
Dra. Shirlei - Sobende (19/09/2012 - Manhã)
Dra. Shirlei - Sobende (19/09/2012 - Manhã)
Dra. Shirlei - Sobende (19/09/2012 - Manhã)
Dra. Shirlei - Sobende (19/09/2012 - Manhã)
Dra. Shirlei - Sobende (19/09/2012 - Manhã)
Dra. Shirlei - Sobende (19/09/2012 - Manhã)
Dra. Shirlei - Sobende (19/09/2012 - Manhã)
Dra. Shirlei - Sobende (19/09/2012 - Manhã)
Dra. Shirlei - Sobende (19/09/2012 - Manhã)
Dra. Shirlei - Sobende (19/09/2012 - Manhã)
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Dra. Shirlei - Sobende (19/09/2012 - Manhã)

1.022 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.022
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dra. Shirlei - Sobende (19/09/2012 - Manhã)

  1. 1. Dermatologia: Desafios Globais e soluções locais para acesso da população. Shirlei C. Moreira Dermatologista Hospital Santa Isabel Ministério da Saúde IV Congresso Brasileiro de Enfermagem em Dermatologia - Salvador - 2012.
  2. 2. ESPECIALIDADES1 Acupuntura2 Alergia e Imunologia 21 Gastroenterologia3 Anestesiologia 22 Genética médica4 Angiologia 23 Geriatria5 Cancerologia (oncologia) 24Ginecologia e Obstetrícia6 Cardiologia 25 Hematologia e Hemoterapia7 Cirurgia Cardiovascular 26 Neurocirurgia8 Cirurgia da Mão 27 Neurologia9 Cirurgia neurológica 28 Nutrologia10 Cirurgia do Aparelho 29 OftalmologiaDigestório 30 Ortopedia e Traumatologia11 Cirurgia Geral 31 Otorrinolaringologia12 Cirurgia Pediátrica 32 Patologia13 Cirurgia Plástica 33 Pediatria14 Cirurgia Torácica 34 Pneumologia15 Cirurgia Vascular 35 Psiquiatria16 Clínica Médica (Medicina 36 Radiologia e Diagnóstico porinterna) Imagem17 Coloproctologia 37 Radioterapia18 Dermatologia 38 Reumatologia19 Endocrinologia e Metabologia 39 Urologia20 Endoscopia IV Congresso Brasileiro de Enfermagem em Dermatologia - Salvador - 2012.
  3. 3. CRITÉRIOS DE INVESTIMENTO EM SAÚDE– Lei Complementar 141 de 13/01/2012– “Temporão diz que Promoção da Saúde é prioridade”– Organizações Médicas ou de Usuários– Custo Efetividade– Interesses de Grupos Econômicos– Catástrofes e apelo popular– Critérios epidemiológicos (classe social, fx etária, sexo, ETC.) e PIB– Etc. IV Congresso Brasileiro de Enfermagem em Dermatologia - Salvador - 2012.
  4. 4. DERMATOPATIAS• FREQUÊNCIA – 1ª A 3ª > res causas de atendimento na atenção básica• Curso crônico e insidioso• Morbidade, Letalidade e Mortalidade – P.e.: letalidade da escabiose é nula, e a da raiva é de 100%• Identificada precocemente• Auto-medicada IV Congresso Brasileiro de Enfermagem em Dermatologia - Salvador - 2012.
  5. 5. Acre 4 0,1 Amazonas 49 1,1 Amapá 0 0,0 Recursos Pará Rondônia Roraima 96 3 1 2,1 0,1 0,0 Tocantins 3 0,1 Humanos REGIÃO NORTE Alagoas Bahia 156 46 131 3,4 1,0 2,8 Ceará 63 1,4 Maranhão 20 0,4 DERMATOLOGISTAS Paraíba 42 0,9 SEGUNDO UNIDADES Pernambuco 166 3,6 Piauí 29 0,6 DA FEDERAÇÃO Rio Grande do Norte 46 1,0 BRASIL - AGOSTO Sergipe 21 0,5 REGIÃO NORDESTE 564 12,2 2001 - 129 2,8 Espírito Santo Minas Gerais 353 7,7 BRASIL 4607 Rio de Janeiro 931 20,2 São Paulo 1512 32,8 REGIÃO SUDESTE 2925 63,5 Paraná 190 4,1 Fonte: Sociedade Brasileira de Rio Grande do Sul 259 5,6 Dermatologia Santa Catarina 105 2,3 REGIÃO SUL 554 12,0 Distrito Federal 103 2,2 Goiás 88 1,9 Mato Grosso do Sul 19 0,4 Mato Grosso 29 0,6IV Congresso Brasileiro de Enfermagem em REGIÃO CENTRO-OESTE 239 5,2 Dermatologia - Salvador - 2012.
  6. 6. DERMATOLOGISTAS SEGUNDO UNIDADES DA FEDERAÇÃO - BRASIL - AGOSTO 2001 5% 4% 13%12% REGIÃO NORTE REGIÃO NORDESTE REGIÃO SUDESTE REGIÃO SUL REGIÃO CENTRO-OESTE 66% IV Congresso Brasileiro de Enfermagem em Dermatologia - Salvador - 2012.
  7. 7. Proporção de Habitantes por Dermatologista REGIÂO Nº 2001 % X2 (Est. 2010) Pop/2010 Habit./Dermat. 156 3,4 312 15.865.678 50.852REGIÃO NORTE 564 12,2 1128 53.078.137 47.055REGIÃO NORDESTE 2925 63,5 5850 80.353.724 13.736REGIÃO SUDESTE 554 12,0 1108 27.384.815 24.716REGIÃO SUL 239 5,2 478 14.050.340 29.394REGIÃO CENTRO-OESTEFonte: IBGE IV Congresso Brasileiro de Enfermagem em Dermatologia - Salvador - 2012.
  8. 8. Enfermeiros e Dermatologia• 800 Estomaterapêutas• 61 Especializados em Dermatologia• Distribuição: Amazonas, Bahia, Ceará, Pernambuco, Paraná, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo. IV Congresso Brasileiro de Enfermagem em Dermatologia - Salvador - 2012.
  9. 9. IV Congresso Brasileiro de Enfermagem em Dermatologia - Salvador - 2012.
  10. 10. IV Congresso Brasileiro de Enfermagem em Dermatologia - Salvador - 2012.
  11. 11. AGRAVOS CAUSAD0S OUDESENCADEADAS PELA EXPOSIÇÃO À LUZ SOLAR 1. Fotoenvelhecimento 2. Erupção polimorfa à luz 3. Dermatite actínica (solar) crônica 4. Hidroa vaciniforme 5. Prurigo actínico (solar) 6. Urticária solar 7. Fitofotodermatite 8. Lúpus Eritematoso Sistêmico 9. Xeroderma Pigmentoso 10.Porfiria 11.Síndrome de Cockayne 12.Síndrome de Bloom 13.Síndrome de Rothmund Thomson
  12. 12. 1. Fotoenvelhecimento – Cútis Romboidal
  13. 13. 1. Fotoenvelhecimento – Elastose Solar IV Congresso Brasileiro de Enfermagem em Dermatologia - Salvador - 2012.
  14. 14. 1. Fotoenvelhecimento – Sínd. Favre-Racouchot IV Congresso Brasileiro de Enfermagem em Dermatologia - Salvador - 2012.
  15. 15. 1. Fotoenvelhecimento – Mílium Colóide IV Congresso Brasileiro de Enfermagem em Dermatologia - Salvador - 2012.
  16. 16. 1. Fotoenvelhecimento – Melanoses e Lentigos
  17. 17. 1. Fotoenvelhecimento – CERATOSES ACTÍNICAS
  18. 18. 1. Fotoenvelhecimento – CERATOSES ACTÍNICAS
  19. 19. 1. Fotoenvelhecimento – CERATOSES ACTÍNICAS
  20. 20. 1. Fotoenvelhecimento – CERATOSES ACTÍNICAS
  21. 21. CARCINOMA BASOCELULAR
  22. 22. CARCINOMA BASOCELULAR
  23. 23. CARCINOMA ESPINOCELULAR
  24. 24. TRATAMENTO
  25. 25. MELANOMA CUTÂNEOMelanoma cutâneo – FinoPrognóstico excelenteMelanoma cutâneo – IntermediárioPrognóstico menos favorável
  26. 26. Melanoma cutâneo – EspessoPrognóstico ruim
  27. 27. ALBINISMO
  28. 28. A PELE
  29. 29. A EPIDERME • Estrato córneo • Camada granulosa • Camada espinhosa • Camada basal • - Camadas da Epiderme (0,3 a 1,5mm) • - Renovação da Pele (1 a 2 mêses) • - Cor
  30. 30. A EPIDERME - continuação
  31. 31. A EPIDERME - continuação
  32. 32. O que é necessário para evitar os problemas advindos da exposição solar?• Evitar a exposição solar;• Uso de roupas e acessórios adequados;• Bloqueadores Solares com FPS ≥ 20;• Visitas regulares ao dermatologista e oftalmologista
  33. 33. Auto-exame Não se esqueça, com o auxílio de um espelho de mão e de um espelho de parade para se examinar o corpo todo. Você pode pedir, inclusive a ajuda de um amigo ou parente para auxilia-lo neste exame.Examine-se em frente Observe as mãos, os Examine a região Observar a Finalmente checarao espelho braços e os genital e próximo ao nuca, levantar e as costas e as ânus com um espelho entreabrir os cabelos nádegas com umobservando-se de cotovelos, rodando-os de mãos, depois vá da parte posterior da espelho de mão.frente e de em todas as direções. descendo para as cabeça, frente a umcostas, levante os coxas, pernas, pés em espelho maior ebraços para examinar todas as direções, e utilizar um espelho deas axilas. não deixe de olhar mão para olhar a entre os dedos e a sola porção posterior. dos pés.
  34. 34. Quando começar a proteção solar? Investir emComece o quanto antes. Cerca de 75% da radiação solar recebida durante avida ocorre nos primeiros 20 anos. Os efeitos da radiação ultra-violeta só se manifestam com o passar do tempo. As lesões começam a aparecer na proteção solar maioria das vezes ao redor dos 40 anos . Portanto, proteja as crianças e estimule os adolescentes a se protegerem. é investir em Não tenha medo do diagnóstico. saúde!Procure seu dermatologista se você tem alguma lesão suspeita na sua pele.Não deixe de ir por medo de saber o nome da sua doença. O câncer da pelepode e deve ser tratado e o diagnóstico precoce é muito importante para seobter a cura. Além disso, o tratamento das lesões pré-malignas, que podem dar origem ao câncer da pele, ajuda a preveni-lo.
  35. 35. As pessoas com albinismo podem adaptar-se bem e viver vidasplenas e normais.
  36. 36. IV Congresso Brasileiro de Enfermagem em Dermatologia - Salvador - 2012.
  37. 37. LÚPUS
  38. 38. Grupos de apoio para portadores de LúpusAssociação Brasileira “SUPERANDO O LÚPUS” – SPAAPLAM – Associação dos Amigos e Pacientes de Lúpus do AmazonasALEPOLES – Associação de Portadores de Lúpus de Lençóis PaulistaAPALURJ – Associação dos Portadores e Amigos de Lúpus do Rio de JaneiroAPL Sinos – Associação dos Portadores de Lúpus do Vale dos Sinos – RSGRUPASP – Grupo de Pacientes Artríticos de São Paulo
  39. 39. PORFIRIA
  40. 40. XERODERMAPIGMENTOSO

×