ESTUDO DO MODOPSICOSSOCIAL DO MODELO ADAPTATIVO DE ROY DE  PESSOAS COM ÚLCERA        VENOSAIsabelle Katherinne Fernandes C...
Estudo do modo psicossocial do modelo    adaptativo de Roy de pessoas com úlcera                    venosa   INTRODUÇÃO ...
Estudo do modo psicossocial do modelo    adaptativo de Roy de pessoas com úlcera                    venosa   INTRODUÇÃO ...
Estudo do modo psicossocial do modelo    adaptativo de Roy de pessoas com úlcera                    venosa   OBJETIVO    ...
Estudo do modo psicossocial do modeloadaptativo de Roy de pessoas com úlcera                venosa   RESULTADOS   No mod...
Estudo do modo psicossocial do modeloadaptativo de Roy de pessoas com úlcera                venosa   CONCLUSÃO   Verific...
Estudo do modo psicossocial do modelo    adaptativo de Roy de pessoas com úlcera                    venosa   REFERÊNCIAS...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apresentação Oral - Trabalho 46 (19/09/2012 - Tarde)

1.618 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.618
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação Oral - Trabalho 46 (19/09/2012 - Tarde)

  1. 1. ESTUDO DO MODOPSICOSSOCIAL DO MODELO ADAPTATIVO DE ROY DE PESSOAS COM ÚLCERA VENOSAIsabelle Katherinne Fernandes Costa1; Cristina Katya Torres Teixeira Mendes2; Thalyne Yurí Araújo Farias Dias3; Andréa Tayse de LimaGomes4; Micheline da Fonseca Silva5; Gilson de Vasconcelos Torres6.
  2. 2. Estudo do modo psicossocial do modelo adaptativo de Roy de pessoas com úlcera venosa INTRODUÇÃO A úlcera venosa (UV) apresenta-se como complicação da insuficiencia venosa crônica. Em geral, as úlceras ocorrem no terço médio distal da perna, com maior incidência nas proeminências ósseas1. A alteração do estilo de vida da população acometida pelas úlceras atinge diretamente a qualidade de vida (QV) todos os componentes essenciais da condição humana, seja físico, psicológico, social, cultural ou espiritual2.
  3. 3. Estudo do modo psicossocial do modelo adaptativo de Roy de pessoas com úlcera venosa INTRODUÇÃO Comportamentos como os apresentados por esses pacientes com relação à sua enfermidade são abordados pela teoria de Roy em quatro modos de adaptação: fisiológico; autoconceito; desempenho de papéis e interdependência. Este trabalho se propôs a estudar os três últimos modos que, juntos, constituem o modo psicossocial3. Os modos adaptativos psicossocial requerem um trabalho aprofundado de conscientização, educação e sensibilização constante, de forma a permitir uma reestruturação e equilíbrio da pessoa que recebe o cuidado. Tratando-se de doença crônica, torna-se imprescindível que a clientela conheça sua doença para saber o quê e quando esperar em cada situação, colaborando assim, com sua própria adaptação.
  4. 4. Estudo do modo psicossocial do modelo adaptativo de Roy de pessoas com úlcera venosa OBJETIVO  Verificar o nível de adaptação psicossocial do Modelo de Roy das pessoas com UV. METODOLOGIA  Estudo transversal, descritivo, quantitativo.  Foram selecionadas 50 pessoas com base nos critérios de inclusão: ser portador de UV; ter mais de 18 anos e ser atendido no ambulatório de clínica cirúrgica de Hospital Universitário em Natal/Rio Grande do Norte no período da coleta. Critérios de exclusão: paciente que não concluiu a coleta e paciente sem condições cognitivas de responder ao instrumento. Parecer favorável do Comitê de Ética da instituição (nº 279/09).  A coleta de dados ocorreu em maio e julho de 2009 através de formulário estruturado.  Os dados foram organizados no Microsoft Excel, classificados segundo o modo psicossocial de Roy e analisados no programa Statistical Package for the Social Sciences (SPSS) 15.0, através da estatística descritiva.
  5. 5. Estudo do modo psicossocial do modeloadaptativo de Roy de pessoas com úlcera venosa RESULTADOS No modo autoconceito, 36% dos entrevistados sentiam-se insatisfeitos com sua aparência física ou se sentiam discriminados e 18% apresentavam sentimentos negativos devido à falta de adaptação com a doença e desenvolvimento de uma UV crônica. Detectou-se ainda comportamento inefetivo em 36% dos pesquisados. No modo desempenho de papéis: alteração nos papéis laboral (52%), atividades domésticas (34%) e conjugais (6%). Verificou-se restrições relacionadas ao lazer, dor, restrição social, escolar e relacionada à locomoção (82%). No modo de interdependência: o apoio no tratamento foi referido por 82% dos pesquisados, porém 58% do total ainda relatou sofrer discriminação.
  6. 6. Estudo do modo psicossocial do modeloadaptativo de Roy de pessoas com úlcera venosa CONCLUSÃO Verificou-se que o nível de adaptação psicossocial baixo é decorrente da dificuldade na adesão ao tratamento. Isto demonstra a necessidade de um trabalho aprofundado de conscientização, educação e sensibilização constante com vistas à reestruturação e equilíbrio do paciente. Ressalta-se o papel do enfermeiro como educador com intuito de orientar os pacientes a procurar meios adaptativos que os façam superar sua condição clínica, com vistas a uma recuperação efetiva e melhoria da sua QV.
  7. 7. Estudo do modo psicossocial do modelo adaptativo de Roy de pessoas com úlcera venosa REFERÊNCIAS 1. Silva JLA, Lopes MJM. Educação em saúde a portadores de úlcera varicosa através de atividades de grupo. Rev Gaúcha Enferm [Internet]. 2006 [citado 2010 jul 06];27(2):240-50. Disponível em http://www.seer.ufrgs.br/index.php/RevistaGauchadeEnfermagem/articl e/view/4602/2522. 2. Nunes JP, Vieira D, Nóbrega WG, Farias TYA, Torres GV. Venous ulcers in patients treated at family health units in Natal, Brazil: prevalence and sociodemographic and health characterization. FIEP Bull. 2008;78(1):338-41. 3. Roy C, Andrews HA. The Roy Adaptation Model. 2nd ed. Norwalk: Appleton e Lange; 1999. 4. Ministério da Saúde (BR), Conselho Nacional de Saúde. Resolução 196, de 10 de outubro de 1996: diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília (DF); 1996.

×