Matriz tabela 1

1.212 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.212
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Matriz tabela 1

  1. 1. MATRIZ Página 1 A BIBLIOTECA ESCOLAR: desafios e oportunidades no contexto da mudança UNIDADE 1 TAREFA: Identificar as áreas/domíniosquesão afectados pela mudança perspectivando as oportunidades,constrangimentos edesafios que o professor bibliotecário e a BE enfrentam em contexto de mudança. Áreas de intervenção referidas nos textos e implicadas na mudança Funções do professor bibliotecário O que a minha biblioteca já faz Factores favoráveis/ 0bstáculos à mudança O que é preciso mudar. Acções a implementar Competências do professor bibliotecário perante uma sociedade em mudança e que se centra na biblioteca como área privilegiada para a construção de saberes/conhecimento - Trabalhar de forma colaborativa com todos os orgãos da escola; - Espírito de liderança; - Utilizar as tecnologias de informação e comunicação como recurso à informação e à construção de conhecimento; - Envolvimento da Biblioteca Escolar na comunidade escolar para que os seus objectivos sejam plenamente cumpridos com a colaboração de todos; - Diálogo permanente entre os membros da Comunidade Educativa; - Assumpção da Biblioteca Escolar como um elemento agregador e aglutinador. - Forte motivação por parte dos professores bibliotecários do Agrupamento, onde impera o espírito de entreajuda e colaboração; - Formação especializada em Biblioteconomia por parte dos professores bibliotecários do Agrupamento; _ Contínuo acompanhamento das planificações elaboradas. Como obstáculos à mudança tem- se de salientar a falta de tempo para concretizar cabalmente as funções já que eu me reparto por 3 Bibliotecas Escolares de 1º Ciclo com jardim de infância que se encontram em freguesias diferentes e com características próprias. - Uma intervenção mais vísivel junto dos pais, educadores e encarregados de educação; - Possibilidadedemenor dispersão do professor bibliotecário pelas bibliotecas escolares; - Divulgação dos trabalhos realizados pelas Bibliotecas escolares e que evidenciem o seu impacto no desenvolvimento de competências e no sucesso escolar. Organização e Gestão da Biblioteca Escolar - Garantir a organização do espaço de forma a proporcionar a criação de um ambiente promotor de aprendizagens e conhecimento; - Assegurar a gestão funcional e pedagógica dos recursos materiais afectos à biblioteca; - Assegurar serviço de biblioteca a todos os alunos,assimpromove-se - A Biblioteca Escolar dispõe de espaços adequados e organizados; - Divulgação de recursos disponíveis à Comunidade Educativa, através de email, de afixação de placards e no blog do Agrupamento; - Apoio da Biblioteca Municipal e da Coordenadora Interconcelhia. Como obstáculo salienta-se: - Inexistência de um orçamento próprio para as Bibliotecas Escolares; - Falta de recursos materiais e humanos - Garantir a continuidade do funcionamento das bibliotecas escolares, mesmo sem a presença da professora bibliotecária; - Elaborar um plano de “marketing” que promova a BE salientando a sua mais-valia na instituição escolar; Áreas de intervenção referidas nos textos e implicadas na mudança Funções do professor bibliotecário O que a minha biblioteca já faz Factores favoráveis/ 0bstáculos à mudança O que é preciso mudar. Acções a implementar
  2. 2. MATRIZ Página 2 Áreas de intervenção referidas nos textos e implicadas na mudança Funções do professor bibliotecário O que a minha biblioteca já faz Factores favoráveis/ 0bstáculos à mudança O que é preciso mudar. Acções a implementar Organização e Gestão da Biblioteca Escolar o funcionamento contínuo da BE nos dias em que a professora biblioteca sedesloca a essa escola. - Utilizar deforma mais assídua os meios disponibilizadospelos novos ambientes digitais. Gestão da Colecção - Criação de uma política documental; - Emprego criterioso da verba de reforço de fundo documental das bibliotecas escolares; - Aquisição e disponibilização de recursos de informação adequados às necessidades/interesses dos utilizadores, de qualidade e de diversidade de suportes. - Definir e operacionalizar uma política de gestão dos recursos de informação promovendo a sua integração nas práticas de professores e alunos. - Nas bibliotecas que coordeno verifica-se que duas delas apresentam uma colecção actualizada e equilibrada, enquanto uma terceira necessita de desbaste na colecção e de reforço documental. - Constata-se que a grande parte dos documentos estão registados e classificados, embora não estejam catalogados. - Apoio da RBE e do PNL. Como obstáculos à mudança pode- se considerar os seguintes aspectos: - software pouco actualizado; - nº insuficiente de computadores disponíveis; - inexistência de funcionamento em rede na biblioteca escolar; - inexistência de ligação à internet numa das bibliotecas escolares; - inexistência de catálogo, mesmo em ficheiro; - falta de verba para investir em aquisições de recursos e modernização dos meios tecnológicos. - Instalar o sistema informático para bibliotecas e a partir daí disponibilizar o catálogo on-line e o serviço de empréstimo automatizado; - Elaborar o documento de política documental; - Adequar a quantidade de equipamentos às necessidades dos utilizadores; - Estabelecer a prática de empréstimo entre bibliotecas do Agrupamento e a Biblioteca Municipal como forma de melhorar a diversidade documental. A BE como espaço de conhecimento e aprendizagem Trabalho colaborativo e articulado com departamentos curriculares e docentes - Promover a articulação das actividades da biblioteca com os objectivos do Projecto Educativo e dos projectos curriculares de turma; - Apoiar as actividades curriculares; - Trabalhar conjuntamente com os departamentos e docentes na planificação e desenvolvimento de actividades educativas e de aprendizagem; - Desenvolver competências de leitura e de literaciadeinformação - Elaboração de vários recursos de apoio às aprendizagens: guiões de pesquisa, guiões orientadores da leituras e outros materiais de apoio a algumas actividades que estão disponíveis no blog da Biblioteca do Agrupamento; - Articulação pontual/ planificação pontual com docentes; - Participação do professor bibliotecário nas reuniões de estabelecimento de ensino do 1º Ciclo com pré-escolar - Alguma consciencialização por parte de alguns docentes, embora ainda poucos, do papel do professor bibliotecário; - A necessidade de incrementar o sucesso educativo dos alunos torna necessário a diversificação dos instrumentos e formas de avaliação valorizando, mais que o resultado o processo de ensino- aprendizagem; - Promoção de acções informais de formação sobre a Biblioteca Escolar e o seu papel - Construir materiais, como, por exemplo, webquest e desenvolver acções de apoio ao currículo e à aprendizagem; - Calendarizar as actividades a realizar na BE, ao longo do ano, para turmas e comunidade educativa, envolvendo todos os parceiros educativos.
  3. 3. MATRIZ Página 3 UNIDADE 1 TAREFA: Identificar as áreas/domíniosquesão afectados pela mudança perspectivando as oportunidades,constrangimentos edesafios q ueo professor bibliotecário e a BE enfrentam em contexto de mudança. Áreas de intervenção referidas nos textos e implicadas na mudança Funções do professor bibliotecário O que a minha biblioteca já faz Factores favoráveis/ 0bstáculos à mudança O que é preciso mudar. Acções a implementar A BE como espaço de conhecimento e aprendizagem Trabalho colaborativo e articulado com departamentos curriculares e docentes integrado no desenvolvimento curricular Docentes. Como obstáculos tem-se a desconfiança por parte de alguns docentes da necessidade de trabalho articulado com a Biblioteca Escolar, que é visto considerado como uma ingerência no trabalho da sala de aula, associado à falta de tempo disponível para aferir estratégias e analisar resultados e como tal um acréscimo de trabalho. Outro facto prende-se com a dispersão dos professores bibliotecários do Agrupamento que têm de coordenar simultaneamente várias bibliotecas escolares, não tendo oportunidade de colaborar da mesma forma com todas as turmas e docentes: 2277 alunos repartidos por 15 escolas desde o JI ao 3º ciclo com 5 bibliotecas escolares, para 3 professores bibliotecários. - Colaborar nas reuniões de departamento do 1º Ciclo, do Pré- escolar e nas equipas de apoio educativo e ensino especial. - Apresentar aos docentes sugestões de trabalho conjunto em torno do tratamento de algumas unidades didácticas ou de temas programáticos. Formação para a leitura e para as literacias - Contribuir e favorecer o desenvolvimento dos hábitos e competências de leitura, da literacia de informação e das competências digitais,trabalhando colaborativamente com todas as - Incentivo, de forma informal as criançaseos jovens,para a leitura; - Promoção de actividades de leitura com todas as turmas das 3 escolas ; - Vinda de contadores de histórias,
  4. 4. MATRIZ Página 4 Áreas de intervenção referidas nos textos e implicadas na mudança Funções do professor bibliotecário O que a minha biblioteca já faz Factores favoráveis/ Obstáculos à mudança O que é preciso mudar. Acções a implementar Formação para a leitura e para as literacias as estruturas do Agrupamento. escritores e ilustradores às escolas; - Participação da Biblioteca Escolar na dinamização de actividades culturais nas escolas; - Disponibilização da informação em suporte informático; - Desenvolvimento de acções de formação dos alunos no sentido do rigor ético na consulta e pesquisa de informação ; - Produção de um manual de procedimentos de pesquisa; - Listagem de sites recomendados para a realização de trabalhos de pesquisa; - Reformulação da grelha de avaliação de sites disponibilizada pela RBE. - Adesão dos alunos do 1º Ciclo e dos jardins de infância às actividades desenvolvidas; - O trabalho desenvolvido pela RBE e pelo PNL estão a suscitar alterações positivas no aumento do interesse pela leitura,traduzido pelo aumento do número de empréstimos domiciliários, na aquisição de livros aquando da realização de feiras do livro, na participação de pais na biblioteca lendo ou contando histórias e na consequente mudança de atitude e talvez de mentalidade. Os obstáculos revelam-se na impossibilidade de realização de um trabalho contínuo e permanente em cada biblioteca escolar ondepermaneço num caso um dia da semana e nas outras dois dias permanecendo estas fechadas em acesso livre. - Implementar e participar em projectos; - Disponibilizar serviços que fomentem a literacia de informação; - Produzir instrumentos de apoio que possam ser utilizados pela Comunidade Educativa; - Incentivar os alunos a participar em actividades livres que envolvam a leitura; - Reforçar as actividades de promoção da leitura e de apoio ao desenvolvimento da competência leitora,da escrita e da literacia de informação; - Desenvolver a articulação comos docentes de apoio educativo e de ensino especial. BE/PTE e os novos ambientes digitais - Contribuir para a integração da Biblioteca Escolar na sociedade da informação; - Adoptar na Biblioteca Escolar novos ambientes digitais associados à Web - Organização de actividades de formação de utilizadores; - Orientação dos utilizadores na selecção e utilização de recursos electrónicos conforme as necessidades detectadas; - Exploração do manual de procedimentos de pesquisa produzido; - A criação do Plano Tecnológico da Educação (PTE); - A inclusão da Biblioteca Escolar no PTE; - Reforço da formação dos docentes na utilização das TICs e dos novos ambientes digitais, embora ainda insuficiente; - Disponibilizar mais recursos on line para o trabalho na Biblioteca Escolar; - Estabelecer um plano articulado de competências no âmbito de literacia de informação adequado à faixa etária dos alunos e ao nível de escolaridade frequentado; UNIDADE 1 TAREFA: Identificar as áreas/domíniosquesão afectados pela mudança perspectivando as oportunidades,constrangimentos edesafios queo professor bibliotecário e a BE enfrentam em contexto de mudança.
  5. 5. MATRIZ Página 5 Áreas de intervenção referidas nos textos e implicadas na mudança Funções do professor bibliotecário O que a minha biblioteca já faz Factores favoráveis/ Obstáculos à mudança O que é preciso mudar. Acções a implementar BE/PTE e os novos ambientes digitais - Encorajar o espírito crítico dos alunos na utilização dos ambientes digitais São sentidos alguns obstáculos associados: - à escassez de computadores na biblioteca e a sua ausência noutros espaços da escola de 1º Ciclo; - existência de hardware e software pouco actualizado; - ausência de ligação em rede na biblioteca; - inexistência de catalogação informatizada e consequentemente de catálogo online; - Falta de ligação à internet. - Utilizar de forma mais sistemática o computador “Magalhães” - Proporcionar acções deformação dos docentes na área da literacia de informação (como por exemplo quadros interactivos, web 2.0…) Gestão de evidências/ Avaliação - Implementar processos de avaliação dos serviços; - Comprovar o impacto das bibliotecas na aprendizagem e no sucesso educativo dos alunos (segundo Ross Todd “evidence, not advocacy) - Na sede do Agrupamento já se aplicou o modelo de Auto- avaliação da Biblioteca Escolar, o que ainda não sucedeu nas escolas de 1ºCEB e jardins de infância, como tal estamos a dar os primeiros passos nesse sentido com: - a criação de instrumentos que permitam avaliar recursos, serviços, desempenhos e contributos da Biblioteca Escolar para as aprendizagens/sucesso educativo; - Implementação do novo modelo de auto-avaliação da Biblioteca Escolar; - Realização em anos sucessivos e extensiva a todo o País de acções de formação como esta que frequento. Como obstáculos pode-se citar alguns aspectos ligados a: - Falta de prática dos professores bibliotecários em recolher evidências; - A dificuldade de implementar o modelo de auto-avaliação da - Divulgar o modelo de autoavaliação aos docentes do 1ºCEB e dos jardins de infância e restante comunidade educativa; - Esclarecer os docentes sobre os instrumentos de recolha de informação qualitativa e quantitativa que serão utilizados; - Consciencializar a Comunidade Educativa que a avaliação da Biblioteca Escolar corresponde também à avaliação da Escola; - Conseguir reformular o plano de acção 2009/2013 de acordo com os resultados da avaliação da biblioteca escolar. UNIDADE 1 TAREFA: Identificar as áreas/domíniosquesão afectados pela mudança perspectivando as oportunidades,constrangimentos edesafios queo professor bibliotecário e a BE enfrentam em contexto de mudança.
  6. 6. MATRIZ Página 6 Áreas de intervenção referidas nos textos e implicadas na mudança Funções do professor bibliotecário O que a minha biblioteca já faz Factores favoráveis/ Obstáculos à mudança O que é preciso mudar. Acções a implementar Gestão de evidências/ Avaliação - a previsão da divulgação dos resultados perante os orgãos competentes Biblioteca Escolar a todas as Bibliotecas do Agrupamento por falta de recursos humanos; - A dificuldade que a recolha de evidências e o seu tratamento exige perante a falta de recursos humanos que se encontra subdividido por múltiplastarefas e a apoiar diferentes bibliotecas. UNIDADE 1 TAREFA: Identificar as áreas/domíniosquesão afectados pela mudança perspectivando as oportunidades,constrangimentos edesafios que o professor bibliotecário e a BE enfrentam em contexto de mudança. TRABALHO ELABORADO POR: Ana Paula Lima Rodrigues A construção desta tabela obedeceu:  à leitura dos textos recomendados,  à consulta da Portaria nº 756/2009, de 14 de Julho,  à consulta de http://www.slideshare.net/filoru/bes-desafios-e-oportnidades-no-contexto-de-mudana (disponível em linha em 27/10/2010),  à consulta de http://www.scribd.com/doc/23302253/A-Biblioteca-Escolar-desafios-e-oportunidades-no-contexto-da-mudanca (disponível em linha em 27/10/2010)

×