Interações ecológicas

1.004 visualizações

Publicada em

Trabalho apresentado na disciplina Didática na UNIRIO.

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.004
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
23
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
23
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Interações ecológicas

  1. 1. Ana Luiza Quijada – Ciências Biológicas Disciplina: Didática Interações Ecológicas
  2. 2. Todos os seres vivos se relacionam • Interações ecológicas são relações estabelecidas entre os seres vivos, que se associam de diferentes maneiras para obtenção de recursos necessários para sua sobrevivência. • Podem ser intraespecíficas ou interespecíficas e harmônicas ou desarmônicas.
  3. 3. • Relações intraespecíficas são as relações que ocorrem entre os indivíduos de uma mesma espécie. • Harmônicas: são relações em que pelo menos um dos indivíduos é sempre beneficiado e pode ser de dois tipos: colônia sociedade
  4. 4. Colônia Numa colônia, os indivíduos estão anatomicamente ligados e não podem ser separados. Pode haver divisão de trabalho (isomorfa) ou não (heteromorfa). A caravelaportuguesa (um cnidário), por exemplo, é uma colônia de 4 tipos de pólipos, cada um responsável por uma função diferente. Caravela-portuguesa: Physalia physalis
  5. 5. Sociedade Na sociedade, os indivíduos estão anatomicamente separados, e dividem várias tarefas, desempenhando diferentes papéis. Por exemplo, alguns são responsáveis pela defesa, outros pela alimentação, outros pela reprodução. Podem sobreviver isoladamente, mas a vida social é muito mais Documentário sobre as saúvas - Parte 1 proveitosa. São muito Documentário sobre as saúvas - Parte 2 comuns em nosso dia a dia, e exemplos famosos são os cupins, as formigas e as abelhas. Obs: As sociedades podem ser chamadas de colônias, por exemplo: “as formigas vivem em uma colônia”. No entanto, é diferente da relação ecológica colônia descrita anteriormente.
  6. 6. • Desarmônicas: um dos envolvidos é prejudicado, ou ambos. Podem ser de dois tipo: competição canibalismo
  7. 7. • Competição Na competição, ambas as partes saem perdendo. Nesse tipo de interação, os indivíduos competem com outro para conseguir os melhores recursos, como alimentos, territórios ou parceiros para reprodução. Podem ocorrer entre indivíduos de mesma espécie ou de espécies diferentes, sendo assim, pode ser tratada tanto como intra ou como interespecífica. Para ambas as partes, há um gasto de tempo e energia grande para se competir, sem que haja uma recompensa imediata – um não se alimenta do outro, por exemplo. Além disso, pode haver danos físicos resultantes da interação, o que seria mais um prejuízo. Por isso, é comum que os seres procurarem meios de evitá-la. Um exemplo de competição interespecífica: quando o Bambi adulto disputa a atenção da fêmea Feline com outro macho. Clique aqui para ver a cena Interespecífica: uma espécie de beija-flor ataca outra. É muito comum observar esse comportamento próximo a garrafas de água com açúcar (disputa por alimento).
  8. 8. • Canibalismo Viúva-negra Nessa interação, um indivíduo mata outro da mesma espécie para se alimentar. Um exemplo clássico é o da fêma da aranha da espécie viúva-negra, que após o acasalamento devora o macho. Apesar de parecer uma prática chocante, o canibalismo é não é um acontecimento raro. Pode ter vários motivos, entre eles a supremacia reprodutiva; a necessidade de obter uma reserva de proteínas para o melhor desenvolvimento dos embriões em seu organismo – como no caso da aranha – e a rivalidade, seja por escassez de alimento ou pelo aumento excessivo na população da espécie. Podem inclusive acontecer antes do nascimento, como no caso de certas espécies de tubarões, em que os filhotes mais fortes devoram os irmãos ainda dentro do útero. Link da notícia de crocodilo praticando canibalismo
  9. 9. • Relações interespecíficas: ocorrem entre indivíduos de espécies diferentes. Também podem ser harmônicas, em que um dos envolvidos é beneficiado - mesmo que o outro não seja - ou desarmônicas, em que pelo menos é dos envolvidos é prejudicado. • As harmônicas podem ser: Mutualismo ou simbiose Protocooperação Inquilinismo Comensalismo
  10. 10. • Mutualismo: No mutualismo, duas espécies se associam e uma não sobrevive sem a outra. Ambas são beneficiadas nessa relação. Um exemplo comum é o dos fungos liquenizados (liquens), que são a associação de um fungo com uma alga microscópica e podem se adaptar a diversos tipos de ambientes. A alga colabora com a alimentação do fungo ao realizar a fotossíntese e o fungo protege a alga, fornecendo-lhe um abrigo. • Protocooperação A protocooperação é uma relação não obrigatória entre dois os indivíduos, em que ambas as partem saem ganhando. Diferentemente do mutualismo, uma pode viver plenamente sem a presença da outra. Um exemplo muito interessante é o do peixe-palhaço e das anêmonas-domar. Essa relação pode ser vista na animação “Procurando Nemo”. Nela, o peixe, imune ao veneno das anêmonas, se esconde entre seus os tentáculos, protegendo-se dos predadores. Já a anêmona se alimenta dos restos de alimento deixados pelo peixe. Clique para assisir
  11. 11. • Inquilinismo Nessa relação, um indivíduo se utiliza do outro como abrigo ou suporte. Nessa interação, uma das partes é beneficiada, enquanto que a outra não é afetada, seja de maneira positiva ou negativa. São comuns os exemplos com vegetais, como por exemplo, orquídeas e árvores de grande porte, uma relação também chamada de epifitismo. • Comensalismo Trata-se de outra interação em que um dos indivíduos é beneficiado (comensal) e o outro é indiferente à situação. Nela, o comensal se aproveita de restos de alimento deixados pelo outro. Um exemplo é o dos tubarão e das rêmoras, que se fixam nele para se alimentar das sobras.
  12. 12. • Relações desarmônicas Predatismo ou predação Competição (ver slide 7) Parasitismo Amensalismo Lagarta se alimentando de folha: exemplo de parasitismo
  13. 13. • Predatismo/Predação Uma das interações mais conhecidas, ocorre quando um organismo (predador) mata outro (presa) para se alimentar. Pode ser de um animal predando outro animal ou uma planta, neste caso sendo chamado de herbivorismo. Nesse tipo de interação, é fácil visualizar que uma das partes (o predador) é beneficiado, já que consegue se alimentar. A presa será a parte prejudicada, pois perderá a vida. É interessante notar que, no herbivorismo, a planta predada pode ser consumida como um todo (Ex.: cavalo comendo capim) ou apenas as sementes - que possuem o embrião de uma nova planta em seu interior (Ex.: pássaro comendo alpiste) Raposa predando ave
  14. 14. • Parasitismo Relação em que o indivíduo (parasita) , durante uma parte de sua vida, ou toda ela, se instala no corpo de outro organismo (hospedeiro) para se abrigar e retirar nutrientes para se manter. O hospedeiro é sempre prejudicado, enquanto que o parasita é beneficiado. Pode ser endoparasita (vive no interior do corpo do hospedeiro) ou ectoparasita (vive na superfície do corpo do hospedeiro). Exemplo de endoparasita: lombriga, tendo o homem como hospedeiro. Exemplo de ectoparasita: carrapato, tendo o cão como hospedeiro. Em vegetais, ocorre o hemiparasitismo, quando uma planta retira de outra parte dos recursos necessários para sua fotossíntese. Exemplo: erva-depassarinho. Há também as holoparasitas, que retiram de seus hospedeiros todos os recursos que necessitam para realizar a fotossíntese. Exemplo: cipó-chumbo. Piolho em fios de cabelo Erva de passarinho. Curiosamente, seus frutos são realmente apreciados pelos pássaros, fato que lhe rendeu esse nome.
  15. 15. • Amensalismo Ocorre quando uma espécie (inibidora) inibe o desenvolvimento de outra (amensal). A espécie inibidora é beneficiada ao inibir a presença de possíveis competidores. Um exemplo é o de plantas que secreta substâncias tóxicas no solo através de suas raízes. Um caso conhecido de amensalismo é do evento conhecido como maré vermelha, causado por algas microscópicas chamadas dinoflagelados. Elas se proliferam de maneira massiva, causando uma coloração avermelhada na água e liberando toxinas, que afetam outros seres marinhos que estejam nas proximidades, causando mortandades de peixes em grande escala. Maré vermelha Dinoflagelados
  16. 16. Curiosidade • A descoberta da penicilina é um exemplo de amensalismo. Cientistas descobriram que fungos do gênero Penicillium inibem o crescimento de certas bactérias por meio dessa substância, que passou a ser utilizada em antibióticos.
  17. 17. Uma maneira bem legal de se saber se uma das partes ou ambas são beneficiadas ou prejudicadas é por meio desse quadro. Quando o indivíduo é beneficiado, usa-se um sinal de (+). Quando é prejudicado, usa-se (-). E se for indiferente, usa-se (0).
  18. 18. Referências • http://www.brasilescola.com/biologia/relacoes-ecologicas.htm • http://www.biomania.com.br/bio/conteudo.asp?cod=1262 • http://cienciasnaturais100.blogspot.com.br/2009/02/colonias-relacoesintraespecificas.html • http://vivendociencias.blogspot.com.br/2010/12/protocooperacao.html • http://beijaflorespelasamericas.blogspot.com.br/2013/03/beija-florvermelho.html • http://educacao.uol.com.br/disciplinas/biologia/mare-vermelha-causas-econsequencias-da-mare-vermelha.htm • http://www.algasnocivas.pro.br/dinoflagelados.php • http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/modules/debaser/singlefile.php ?id=15689 • http://www.mundoeducacao.com/biologia/sociedade-das-abelhas.htm • http://www.infoescola.com/relacoes-ecologicas/canibalismo-animais/

×