PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE
SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO
SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO E POLÍTICAS EDUCACIONAIS
...
I- A PESQUISA COMO PRINCÍPIO CIENTÍFICO
1. Questão curricular
• O importante é compreender que sem pesquisa não há ensino....
3. Dar conta de um tema
• A verdadeira aprendizagem é construída com esforços próprios
através de elaboração pessoal.
• Da...
1. Educação, pesquisa e emancipação
“Entra aqui o despertar da curiosidade, da inquietude, do desejo
de descoberta e criaç...
3. Limitações do apenas aprender
• Decorar, destrói o desafio essencial de criar soluções, matando
a expectativa preventiv...
3. Limitações do apenas aprender
• Decorar, destrói o desafio essencial de criar soluções, matando
a expectativa preventiv...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

PESQUISA: PRINCÍPIO CIENTÍFICO E EDUCATIVO

222 visualizações

Publicada em

Curso AVA / 2013: Módulo 4

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
222
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

PESQUISA: PRINCÍPIO CIENTÍFICO E EDUCATIVO

  1. 1. PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO E POLÍTICAS EDUCACIONAIS DIVISÃO DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL Módulo IV Curso: AVA no contexto da aprendizagem e avaliação Mediador (a) pedagógico (a) : Ana Maria Ribas de Jesus Cursista: Ana Cristina Paniagua Cardoso PESQUISA: PRINCÍPIO CIENTÍFICO E EDUCATIVO
  2. 2. I- A PESQUISA COMO PRINCÍPIO CIENTÍFICO 1. Questão curricular • O importante é compreender que sem pesquisa não há ensino. A pesquisa exige: •Disciplina; •Criatividade; •Diálogo; •Compromisso. • Currículo na noção corrente de proposta de ensino e aprendizagem define o que e como estudar. 2. A questão da teoria e prática • A pesquisa por ser não só o conhecimento, mas sobretudo a produção, precisa dialogar direto com a realidade. • Toda prática precisa ser teoricamente elaborada, e isto deve fazer parte da organização curricular
  3. 3. 3. Dar conta de um tema • A verdadeira aprendizagem é construída com esforços próprios através de elaboração pessoal. • Dar conta de um tema significa, pois, retomar o contexto do trabalho cientifico, geralmente apresentado como caminho de comprovação de hipóteses. 4. A questão da avaliação • A avaliação pode conter o desafio da própria pesquisa, como realimentação do processo de produção científica, como busca de redirecionamentos, superações, alternativas, como respeito a compromissos assumidos com a sociedade em planos e políticas. • Avaliar é indispensável, como fator de criatividade sempre renovada.
  4. 4. 1. Educação, pesquisa e emancipação “Entra aqui o despertar da curiosidade, da inquietude, do desejo de descoberta e criação, sobretudo atitude política emancipa tória de construção do sujeito social competente e organizado.” DEMO (2006) 2. Limitações do apenas ensinar • É essencial impregnar a convivência com os alunos com estratégias de pesquisa, através das quais são motivados a toda hora a pelo menos digerir o que escutam através de exercícios pessoais. • O professor precisa investir na ideia de chegar a motivar o aluno a fazer elaboração própria, colocando isso como meta da formação. II - A PESQUISA COMO PRINCIPIO EDUCATIVO
  5. 5. 3. Limitações do apenas aprender • Decorar, destrói o desafio essencial de criar soluções, matando a expectativa preventiva, emancipatória, redistributiva e equalizadora, cabível em sujeitos sociais que aprendem a aprender. 4. Vazios da escola formal • A influência da escola sobre a criança é cada vez mais “formal” e, neste sentido, vazia, pela artificialidade da sua organização distanciada da sociedade diária ou pela concorrência avassaladora com os meios de comunicação. • Reivindicar a pesquisa na escola formal significa, por coerência, refazer algo da autocrítica. Referência DEMO, Pedro. Pesquisa : principio cientifico e educativo. 12. ed.- São Paulo: Cortez, 2006. p. 45 a 97
  6. 6. 3. Limitações do apenas aprender • Decorar, destrói o desafio essencial de criar soluções, matando a expectativa preventiva, emancipatória, redistributiva e equalizadora, cabível em sujeitos sociais que aprendem a aprender. 4. Vazios da escola formal • A influência da escola sobre a criança é cada vez mais “formal” e, neste sentido, vazia, pela artificialidade da sua organização distanciada da sociedade diária ou pela concorrência avassaladora com os meios de comunicação. • Reivindicar a pesquisa na escola formal significa, por coerência, refazer algo da autocrítica. Referência DEMO, Pedro. Pesquisa : principio cientifico e educativo. 12. ed.- São Paulo: Cortez, 2006. p. 45 a 97

×