Agile brazil2013 adocaoagilecossistema

411 visualizações

Publicada em

Adoção de práticas ágeis no desenvolvimento de software de missão crítica. Apresentado no evento Agile Brazil 2013.

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
411
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Agile brazil2013 adocaoagilecossistema

  1. 1. Seção de Voto Informatizado – SEVIN Coordenadoria de Sistemas Eleitorais – CSELE Secretaria de Tecnologia da Informação – STI Tribunal Superior Eleitoral – TSE
  2. 2.  Quem somos? O que fazemos?  Contextualização  Nossa trajetória no mundo ágil  Desafios atuais
  3. 3.  Ana Heloisa e Débora Nery: Somos parte da Seção deVoto Informatizado equipe responsável pelo Ecossistema da Urna.  O Ecossistema da Urna é o conjunto de soluções de software que permite apoiar e automatizar as atividades e processos envolvendo a urna eletrônica, desde o tratamento das mídias da urna até a apuração do resultado da seção, funcionando como uma unidade que interage em torno da urna eletrônica.
  4. 4.  Produto  Software para durar: código limpo e elegante  Software embarcado  Por que de missão crítica?  Equipe  Interna à instituição  11 desenvolvedores
  5. 5.  Instituição/”negócio”  Restrição fortíssima de data  Cliente disperso
  6. 6.  Três ciclos no mundo ágil:  Ciclo 1 – A euforia  Ciclo 2 – Consolidação  Ciclo 3 – Como manter e evoluir o que foi conquistado?
  7. 7.  Desafios  Metade da equipe recém-chegada  Reescrever todo o software de urna  Facilitadores na adoção  Participação recente não muito feliz da equipe com tentativa de certificação CMMI  Equipe aberta à adoção de novas práticas e simpatizante do movimento ágil  Apoio da chefia imediata  Metodologia institucional estava sendo desenvolvida
  8. 8.  Tamanho da equipe:  Desenvolvedores: 14 pessoas  Testadores: 6 pessoas  Práticas adotadas:  Controle de versões  Testes unitários  Integração contínua  Equipe de testes interna, trabalhando junto com a equipe de desenvolvimento
  9. 9.  Práticas adotadas:  Scrum ▪ Iterações de 30 dias, planejamento, retrospectivas, reuniões diárias  Ênfase no time-box com liberações frequentes
  10. 10.  Práticas não adotadas:  Pair programming  Testes de aceitação automatizados
  11. 11.  Resultados:  Objetivo do negócio foi atingido  Mesmo software executando em todos os modelos de urna e com mesmo sistema operacional (Linux).  Práticas não foram abandonadas mesmo nos momentos mais tensos.
  12. 12.  Novos produtos já nascem se beneficiando do conhecimento adquirido e toda a infraestrutura adotada.  Adoção de apresentação de resultados.  Time-box consolidado.  Redução na duração das iterações.  De 30 dias para 2 semanas.
  13. 13.  Problemas encontrados:  Parte de equipe apresenta sentimento de “marasmo”, “falta de progresso”.  Descompasso entre as entregas com relação as demais equipes.  Equipe de testes passa a ser externa à equipe de desenvolvimento.  Críticas/conflitos por não adoção do processo institucional.
  14. 14. • Mais de 400.000 urnas (400.001 seções eleitorais e inúmeras urnas de contingência e mesas de justificativa) Quantidade de urnas • 135.804.433 eleitores Quantidade de eleitores • 1º turno: 27 seções • 2º turno: 13 seções Quantidade de seções que utilizou cédulas de papel
  15. 15. • Mais de 450.000 urnas (mais de 400.000 seções eleitorais e inúmeras urnas de contingência e mesas de justificativa) Quantidade de urnas • 140.646.446 eleitores Quantidade de eleitores • 1º turno: 2 seções (nenhuma por problema no software) • 2º turno: nenhuma Quantidade de seções que utilizou cédulas de papel
  16. 16.  Início da adoção de testes de aceitação automatizados.  Adoção de pontos por história.  Termos antes usados apenas internamente passam a ser adotados externamente à seção.  Interesse das demais seções pela forma de trabalho  Processo institucional ganha roupagem “ágil”.
  17. 17.  Desafios:  Busca de apoio institucional.  Mudanças na equipe – Como integrar novas pessoas que não participaram da construção?  Maior celeridade da JE e amadurecimento da democracia  Releases mais frequentes.
  18. 18.  Após a finalização do Ciclo 1, contratação de treinamento/workshop de empresa especializada no exercício de métodos ágeis para melhor consolidação da filosofia ágil.  Maior comunicação externa à seção para esclarecimento a respeito da forma de trabalho adotada a fim de minimizar mal entendidos e obter maior compreensão e apoio.
  19. 19. Seção de Voto Informatizado sevin@tse.jus.br

×