Raciocniolgico parte2

406 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
406
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Raciocniolgico parte2

  1. 1. RACIOCÍNIO LÓGICO PARTE 2PROFESSOR: JOÃO ALESSANDRO CAMPO MOURÃO FEVEREIRO - 2012
  2. 2. ESTRUTURA LÓGICA DE RELAÇÕES ENTRE PESSOAS, LUGARES, OBJETOS OU EVENTOS Caracteriza-se por apresentar um conjunto deafirmações (premissas), formado por proposições compostas(os termos são interligados pelos conetivos lógicos: e, ou,se...então, se e somente se), e também podem apresentarproposições simples. A resposta solicitada para este tipo de questão é aalternativa que traz uma conclusão que é necessariamenteverdadeira para o conjunto de premissas fornecidas noenunciado. Assim, notamos que as questões de estruturas lógicasse assemelham às de Argumento Válido, pois apresentapremissas (trazidas no enunciado) e uma conclusão válida(que será a própria resposta procurada!).
  3. 3. Para resolver as questões de estruturas lógicas utilizaremosos métodos de teste de validade de argumentos.Dividiremos as questões de Estruturas lógicas em dois tipos,a saber:•1º tipo: Quando uma das premissas apresentasomente uma forma de ser verdadeira. Isso ocorreem duas situações:1) O conjunto de premissas traz alguma proposiçãosimples; ou2) o conjunto de premissas traz alguma proposiçãocomposta em forma de conjunção (com o conectivo “e”interligando os seus termos).•2º tipo: Quando todas as premissas doargumento possuem mais uma forma de serverdadeira.
  4. 4. O 1º tipo, definido acima, é resolvido utilizando-se o3º método de teste de validade de argumentos. O 3ºmétodo é realizado por meio dos seguintes passos:1º passo: consideram-se as premissas verdadeiras,e com o conhecimento das tabelas-verdade dosconectivos, descobrimos os valores lógicos dasproposições simples que compõe o argumento.2º passo: A partir dos valores lógicos dasproposições simples, devemos encontrar qual é aalternativa que traz uma proposição que éconseqüência obrigatória das premissas, ou seja, quepossui valor lógico necessariamente verdadeiro.
  5. 5. EXERCÍCIO (ANEEL 2004 ESAF) Surfo ou estudo. Fumo ou não surfo. Velejo ou não estudo. Ora, não velejo. Assim, a) estudo e fumo. b) não fumo e surfo. c) não velejo e não fumo. 2º Passo: d) estudo e não fumo. Consideramos e) fumo e surfo. todas as premissasTirando as premissas do enunciado: como sendoP1) Surfo ou estudo. A v B verdadeiras! EP2) Fumo ou não surfo. C v ~A começamos aP3) Velejo ou não estudo. D v ~B resolver pelaP4) Não velejo. ~D mais simples!A: Surfo Vamos traduzir simbolicamente as frases acima, a1º Passo:B: Estudofim de tornar a solução mais rápida. Para isso, vamos definir asC: Fumo proposições simples:seguintesD: Velejo
  6. 6. CONTINUAÇÃO 1P1) Surfo ou estudo. A v B = V ResultadosP2) Fumo ou não surfo. C v ~A = V FinaisP3) Velejo ou não estudo. D v ~B = V ~D = VP4) Não velejo. ~D = V D=FAssim, começando pela premissa maissimples:Em P4) Se ~D = V, temos que D = F
  7. 7. CONTINUAÇÃO 2P1) Surfo ou estudo. A v B = V ResultadosP2) Fumo ou não surfo. C v ~A = FinaisP3) Velejo ou não estudo. D v ~B = V V ~D = VP4) Não velejo. ~D = V D=F ~B = V B=FContinuando:Em P3) D v ~B = V, sabemos que D = F, assim: F v ~B = V,Para que a disjunção seja verdadeira, uma das proposiçõesdeve ser verdadeira, assim concluímos que: ~B = V eB = F. Veja na prática: F v ~B = V FvV=V
  8. 8. CONTINUAÇÃO 3P1) Surfo ou estudo. A v B = V ResultadosP2) Fumo ou não surfo. C v ~A = V FinaisP3) Velejo ou não estudo. D v ~B = V ~D = VP4) Não velejo. ~D = V D=F ~B = V B=F A=V ~A = FAnalisando:Em P1) A v B = V, já encontramos que B = F.Para que a disjunção seja verdadeira, concluímosque A = V e assim ~A= F.
  9. 9. CONTINUAÇÃO 4P1) Surfo ou estudo. A v B = V ResultadosP2) Fumo ou não surfo. C v ~A = V FinaisP3) Velejo ou não estudo. D v ~B = V ~D = VP4) Não velejo. ~D = V D=F ~B = V B=F A=V ~A = F C=V ~C = FFINALIZANDO:Em P2) C v ~A = V, sabemos que ~A = F, assim: Cv F=VConcluímos que para que a disjunção seja verdadeira, C=V e~C = F.
  10. 10. CONTINUAÇÃO 5 Exercício 1 - (ANEEL 2004 ESAF) Surfo ou estudo. Fumo ou não surfo. Velejo ou não estudo. Ora, não velejo. Assim, a) estudo e fumo. B ^ C Achando a alternativa correta: b) não fumo e surfo. ~C ^ A Transformamos cada alternativa em c) não velejo e não fumo. ~D ^ ~C premissas e encontramos a d) estudo e não fumo. B ^ ~C correta. Pois já sabemos o valor C ^A lógico de cada uma! e) fumo e surfo.A: SurfoB: EstudoC: FumoD: Velejo
  11. 11. CONTINUAÇÃO 6Exercício 1 - (ANEEL 2004 ESAF) Surfo ou estudo. Fumo ounão surfo. Velejo ou não estudo. Ora, não velejo. Assim,a) estudo e fumo. B ^ C = F Resultados F^ V Substituímos cada Finais expressão por seub) não fumo e surfo. ~C ^ A F^ V valor lógico V V F =F ~D = ou D=F e com o auxílio da V^ F = tabela ~B = V Fc) não velejo e não fumo. ~D ^ ~C verdade, B=F encontramosd) estudo e não fumo. B ^ ~C F^ F = F aquela que = V A resulta o valor lógicoF ~A = V. C ^A V^ V = V C=Ve) fumo e surfo. ~C= F Correta: Alternativa E
  12. 12. ARGUMENTO VÁLIDO Dizemos que um argumento é válido (ou aindalegítimo ou bem construído), quando a sua conclusão éumaconseqüência obrigatória do seu conjunto depremissas. Veremos em alguns exemplos adiante que aspremissas e a própria conclusão poderão servisivelmente falsas (e até absurdas!), e o argumento,ainda assim, será considerado válido. Isto pode ocorrerporque, na Lógica,o estudo dos argumentos não levaem conta a verdade ou a falsidade das premissas quecompõem o argumento, mas tão somente a validadedeste.
  13. 13. ARGUMENTO VÁLIDO (continuação)Exemplo: O silogismo...p1: Todos os homens são pássaros.p2: Nenhum pássaro é animal.c: Portanto, nenhum homem é animal....está perfeitamente bem construído, sendo,portanto, um argumento válido, muito embora averacidade das premissas e da conclusão sejamtotalmente questionáveis. Repetindo: o que vale é aconstrução, e não o seu conteúdo! Ficou claro? Se aconstrução está perfeita, então o argumento é válido,independentemente do conteúdo das premissas ouda conclusão!
  14. 14. EXERCÍCIOS DO TIPO TODO/NENHUMExercício:(Especialista em Políticas Públicas Bahia 2004 FCC)Considerando “todo livro é instrutivo” comouma proposiçãoverdadeira, é correto inferir que:a) “Nenhum livro é instrutivo” é uma proposição necessariamenteverdadeira.b) “Algum livro é instrutivo” é uma proposição necessariamenteverdadeira.c) “Algum livro não é instrutivo” é uma proposição verdadeira oufalsa.d) “Algum livro é instrutivo” é uma proposição verdadeira ou falsa.e) “Algum livro não é instrutivo” é uma proposiçãonecessariamente verdadeira.
  15. 15. LINKS ÚTEISPROFESSOR DANDO DICAS PARA CONCURSEIROShttp://www.youtube.com/watch?v=rTQmy9fXhzc&feature=relatedLÓGICA TIMES DE PERNAMBUCOhttp://www.youtube.com/watch?v=0H4qSxIkpIM&feature=relatedLÓGICA EQUIVALÊNCIAhttp://www.youtube.com/watch?v=HLCN1qFSK6U&feature=relatedVÍDEO MOTIVACIONALhttp://www.youtube.com/watch?v=rUWqQZMyK7M
  16. 16. LEMBRETE ESTA APRESENTAÇÃO ESTÁ NO BLOG DO PROFESSOR •SITE: WWW.WIX.COM/JOAOALESSANDRO/HOME

×