Idade média hist e filos da educação 2

8.193 visualizações

Publicada em

Idade Média: a educação mediada pela fé

O Cristianismo como revolução educativa

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.193
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
161
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Idade média hist e filos da educação 2

  1. 1. CURSO: BIOLOGIA SEMINÁRIO História e Filosofia da Educação
  2. 2. • Texto 8: Idade Média: a educação mediada pela fé Conteúdo: • Texto 9: O Cristianismo como revolução educativa ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. História da Educação e da Pedagogia. São paulo: Moderna, 2006. CAMBI, Franco. História da Pedagogia. São Paulo: Editora Unesp, 1999.
  3. 3. Apresentação: Compreender como era a educação no período medieval – contexto histórico; A contribuição do cristianismo – a igreja como organização educativa;
  4. 4. Idade Média: a educação mediada pela fé Fé e Educação juntas; 1. O Império Bizantino;
  5. 5. 2. O Islã; 3. A Europa cristã; Idade Média: a educação mediada pela fé
  6. 6. Educação: ênfase na idade média para atividade cultural intensa voltada para religião e literatura clássica. Idade Média: a educação mediada pela fé
  7. 7. Educação: A Paideia cristianizada; Bizantina Islâmica Idade Média: a educação mediada pela fé
  8. 8. As escolas monacais; Renascimento carolíngio; Renascimento das cidades (as escolas seculares) Idade Média: a educação mediada pela fé
  9. 9. A formação militar; Idade Média: a educação mediada pela fé
  10. 10. As universidades; A educação das mulheres; Idade Média: a educação mediada pela fé
  11. 11. 1. Paganismo e cristianismo. Idade Média: a educação mediada pela fé Pedagogia
  12. 12. 2. A patrística  A filosofia dos padres da igreja teve início no período decadente do Império Romano (século II). Idade Média: a educação mediada pela fé
  13. 13. 3. Os enciclopedistas: Marciano Capella (nasc. 430); Boécio (480?- 524); Cassiodoro (490-583); Isidoro de Sevilha (560?-636); Beda, o Venerável (673-735); Idade Média: a educação mediada pela fé
  14. 14. 4. A Escolástica É a mais alta expressão da filosofia cristã medieval. Idade Média: a educação mediada pela fé
  15. 15. O método da Escolástica; Idade Média: a educação mediada pela fé
  16. 16. A síntese tomista: No século XIII, a Escolástica atingiu o seu apogeu e seu principal expoente foi o dominicano Tomás de Aquino (1225-1274). Idade Média: a educação mediada pela fé
  17. 17. Renascimento: Humanismo, Reforma, Contrarreforma.
  18. 18. Renascença – séculos XV e XVI Transformações literárias, artísticas e científicas na Europa; Renascimento O corpo humano, descrito e analisado. Leonardo da Vinci (1452- 1519) desenha o corpo humano no interior de um círculo e de um quadrado. Michelangelo (1475-1564), na sua idealização dos corpos no espaço
  19. 19. Renascimento Transição: Média e Moderna; Quem fazia parte?
  20. 20. Características: Renascimento TeocentrismoAntropocentrismo
  21. 21. Renascimento Características: Nova consciência do ser humano e do universo; Para eles, a antiguidade (Grécia/Roma) é que deveria ser referência e não o período medieval – inspiração;
  22. 22. Renascimento Características:  O homem, o modelo do universo. “ Que obra de arte é o homem: tão nobre no raciocínio; tão vário na capacidade; em forma e movimento, tão preciso e admirável; na ação é como um anjo; no entendimento é como um Deus; a beleza do mundo; o exemplo dos animais”. (Shakespeare)
  23. 23. Renascimento  Cientifismo – observação e experimentação – grande salto – ruptura com pensamento medieval. Características:
  24. 24. Humanismo Pessoas cultas – renov. intelectual; Questionavam o domínio da igreja no campo do saber; Defendiam o livre pensar;
  25. 25. Incentivavam: filosofia, poesia, matemática, artes... Tudo deveria ser aberto ao espírito humano. Humanistas escreviam em latim- distante do povo; Humanismo
  26. 26. Reforma Movimento revolucionário da primeira metade do século XVI. Reforma Protestante – abalou a igreja da Europa Ocidental.
  27. 27. Reforma Martinho Lutero (1483-1546) Monge alemão, professor de teologia:  95 teses (1517) – porta da igreja Wittemberg, Alemanha Venda de indulgências
  28. 28. Reforma Políticas: Conflitos entre papas e monarcas; Desenvolvimento do sentimento nacional; Emergente burguesia – usufruir do luxo, poder; Causas:
  29. 29. Econômicas: A grande riqueza da igreja (reis e nobres um meio de apoderar-se); O imposto para o Papa; A igreja pregava o lucro, a cobrança de juros como imoral, pecado; Causas: Reforma
  30. 30. Reforma Causas: Religiosas: Venda de cargos eclesiásticos; Venda de indulgências; Luxo, ociosidade (alto clero)- disputa de cargos e prestígio político; Orações, trechos do Evangelho em latim;
  31. 31. Reforma O Luteranismo : Único meio de salvação, a fé; Única fonte da fé, a Bíblia; Interpretação: livre exame por todos os fiéis;
  32. 32. Contrarreforma Meados século XVI; Reforma católica – deter expansão do Protestantismo; Repensar a prática cristã sem abalar a autoridade da igreja;
  33. 33. Contrarreforma Entre 1545 -1563 ( Concílio de Trento) Medidas:  O Index Libro rum Prohibitorum, - elaborada pelo Santo Ofício- leitura proibida aos fiéis;
  34. 34. Contrarreforma Medidas: Proibição da venda de indulgências; A vulgata (versão oficial da Bíblia)
  35. 35. Contrarreforma Medidas: Reativação Tribunal do Santo Ofício (1542);
  36. 36. Contrarreforma Medidas: Disciplina do Clero (estudo, formação em seminários)
  37. 37. Contrarreforma Medidas: Catequização dos habitantes (terras descobertas); Criação Companhia de Jesus (1534) pelo espanhol Inácio Loyola(1491-1556)
  38. 38. Contrarreforma Companhia de Jesus (1534): Instituiu as missões – catequizar índios (meados século XVI)– Evangelho na América, Ásia e África; Criação de escolas
  39. 39. O cristianismo como revolução educativa 1. Concepção do Mundo, Modelo de Cultura, Ideal de Formação.
  40. 40. O cristianismo como revolução educativa Surgimento – transformação na mentalidade – igualdade, humildade... Vem modelar a visão da sociedade.
  41. 41. O cristianismo como revolução educativa Política (que deve inspirar-se em valores éticos-sociais); Novo modelo de sociedade – (inspirada, sustentada nos valores evangélicos)
  42. 42. O cristianismo como revolução educativa Igreja – seu instrumento de atuação; Educação – sociedade religiosamente orientada torna-se educadora. Mudam ideais - Paideia Christiana – centro é Cristo.
  43. 43. 2. Novo testamento, O cristianismo como revolução educativa Cristianismo primitivo e Educação
  44. 44. O cristianismo como revolução educativa 3. O nascimento da igreja e a organização educativa
  45. 45. 4. Herança do Mundo Clássico: a Paideia Cristã. O cristianismo como revolução educativa
  46. 46. Cristianismo e Helenismo Já no tempo dos apóstolos encontramos uma primeira fase de helenismo cristão no uso da língua grega que observamos nos escritos do Novo Testamento, ele se desenvolve depois “ na época dos chamados Padres”, quando “ com a língua grega todo um mundo de conceitos, categorias de pensamento cristão”. O cristianismo como revolução educativa
  47. 47. O cristianismo como revolução educativa Já com Clemente e a sua Epístola aos coríntios a retomada do cristianismo em termos helenístico-romanos é bem definida: a comunidade cristã deve tornar-se Estado organizado, Roma deve ser a sede da autoridade religiosa, a ordem civil é fator-chave da ética cristã. Cristianismo e Helenismo
  48. 48. O cristianismo como revolução educativa Foram Clemente de Alexandria e depois Orígenes que deram vida à Paidéia Cristã, reinterpretando em sentido cristão a Bíblia e relendo a filosofia grega à luz de Platão, mas também unindo filosofia e interpretação. Cristianismo e Helenismo
  49. 49. O cristianismo como revolução educativa Cristianismo e Helenismo Serão depois os Padres Capadócios – Basílio de Cesarea, Gregório de Nazianzo, Gregório Nissa, que delinearam o curriculum da nova Paideia cristã, que darão vida a uma verdadeira e própria literatura cristã, que fixação os textos clássicos necessários para a educação da juventude cristã e valorização a forma literária, artística e filosófica dos gregos também como modelo de formação do cristão.
  50. 50. O cristianismo como revolução educativa Cristianismo e Helenismo Na frente latina foi São Jerônimo quem delineou o novo modelo de cultura. Ele fez um trabalho de tradução da Bíblia. Além de apresentar dois modelos educativos: o ascético, articulado em torno do “temor a Deus” e que conjuga educação intelectual e formação moral, e o clássico, ligado à Paidéia, mas do qual Jerônimo é um defensor parcial e fraco, diferentemente dos Padres orientais.
  51. 51. 5. Monasticismo e O cristianismo como revolução educativa “ uma Escola a serviço do Senhor”
  52. 52. A nova estrutura educativa elaborada pelo cristianismo, aquela que, talvez, mais profundamente - e historicamente - deixou uma marca fundamental no Ocidente foi o mosteiro. 5. Monasticismo O cristianismo como revolução educativa
  53. 53. O cristianismo como revolução educativa • O movimento teve início, já no tempo de Cristo; • No Egito, na Síria, na Palestina, difundiu-se com algumas figuras : Paulo de Tebe e Santo Antonio; • No Egito com Pancômio, com uma estrutura conventual( um edifício defendido por muros e dividido internamente em celas individuais) • No Ocidente com São Basílio, São Jerônimo e Santo Agostinho e com a criação de Vivarium. 5. Monasticismo
  54. 54. O cristianismo como revolução educativa 5. Monasticismo A experiência monástica mais incisiva, porém, foi realizada por Bento de Núrsia(480-547), fundou um mosteiro em Monte Cassino. Cada mosteiro devia ser auto-suficiente e cada monge era submentido a uma intensa vida de ascese e ao princípio do “oro et labora”, que atribuía ao trabalho manual um papel crucial( sete horas por dia) na formação individual e na vida da comunidade.
  55. 55. O cristianismo como revolução educativa 6. A Família e a Educação Cristã: a Infância e as Mulheres.
  56. 56. O cristianismo como revolução educativa A família, as relações internas entre seus membro.
  57. 57. O cristianismo como revolução educativa A renovação do cristianismo dentro da família.
  58. 58. O cristianismo como revolução educativa 7. A doutrina cristã - Santo Agostinho (354-430) “ Não se aprende pelas palavras que percutem exteriormente, mas pela verdade
  59. 59. Referência ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. História da Educação e da Pedagogia. São Paulo: Moderna, 2006. CAMBI, Franco. História da Pedagogia. São Paulo: Editora Unesp, 1999. MARANHÃO, Ricardo. Trabalho e civilização: a humanidade em construção: das origens ao século V. São Paulo: Moderna, 1999.

×