18.09.13 embriologia sistema renal

3.081 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.081
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
170
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

18.09.13 embriologia sistema renal

  1. 1. Prof. Marcia Parazi Morselli FACULDADE BARÃO DO RIO BRANCO FACULDADE DO ACRE  CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS III EMBRIOLOGIA DO SISTEMA RENAL Prof.MSc. Marcia E. Parazi Morselli
  2. 2. OBJETIVOS DA AULA 1. Relacionar os tipos de folhetos embrionários que deram origem as estruturas do sistema renal no embrião inicial (cristas e cordões nefrogênicos); 2. Denominar e caracterizar histo-morfologicamente estas estruturas e suas localizações relativas no organismo em desenvolvimento.
  3. 3.          
  4. 4. PRONEFRO ESTRUTURA TRANSITÓRIA NÃO FUNCIONAL DEGENERA RAPIDAMENTE  INÍCIO DA QUARTA SEMANA
  5. 5. MESONEFRO GRANDE E ALONGADO LOCALIZAÇÃO CAUDAL AO PRONEFRO RUDIMENTAR FUNCIONA COM O RIM INTERINO ATÉ A FORMAÇÃO DO RIM PERMANENTE  FIM DA QUARTA SEMANA RIM MESONEFRO : - GLOMÉRULOS - TÚBULOS MESONÉFRICOS
  6. 6. METANEFRO RIM PERMANENTE INÍCIO DA QUINTA SEMANA E FUNCIONAMENTO QUATRO SEMANAS DEPOIS FORMA-SE DE DUAS FONTES: 1. DIVERTÍCULO METANÉFRICO (ou broto do ureter) 2. MASSA METANÉFRICA DO MESODERMA INTERMEDIÁRIO
  7. 7.  - O DIVERTÍCULO ORIGINA-SE DO DUCTO MESONÉFRICO E IRÁ FORMAR: - URETER - PELVE RENAL - CÁLICES - TÚBULOS COLETORES DE URINA  cálices maiores e cálices menores - A MASSA METANÉFRICA DERIVA DA PORÇÃO CAUDAL DO CORDÃO NEFROGÊNICO
  8. 8. PRIMÓRDIOS DO RIM PERMANENTE
  9. 9. - DA MASSA METANÉFRICA SE ACUMULA NAS EXTREMIDADES DOS TÚBULOS COLETORES FORMANDO OS TÚBULOS METANÉFRICOS - O TÚBULO URINÍFERO FORMA DUAS PARTES: NÉFRON: deriva da massa metanéfrica (glomérulo, cápsula Bowman, TCD e TCP e alça de Henle TÚBULO COLETOR: derivado do divertículo metanéfrico
  10. 10. FORMAÇÃO DOS RINS
  11. 11. FORMAÇÃO DOS RINS
  12. 12. - OS RINS FETAIS DE DIVIDEM EM LOBOS  indicação final do período fetal
  13. 13. PRONEFRO MESONEFRO METANEFRO INÍCIO DA 4°SEMANA (22 DIAS) FINAL DA 4°SEMANA (26 A 28 DIAS) FINAL DA 4°SEMANA E INÍCIO DA 5° SEMANA http://prezi.com/gnb_gscvuyuj/copy-2-embriologia-do-sistema-urogenital/?utm_source=we Relembrando... Assista ao vídeo:
  14. 14. MUDANÇAS DE POSIÇÃO DOS RINS - INICIALMENTE OS RINS ESTÃO LOCALIZADOS NA PELVE, VENTRALMENTE AO SACRO. -APÓS, ELES DESLOCAM-SE GRADUALMENTE PARA O ABDOMEM, ACABANDO POR ASSUMIR A POSIÇÃO RETROPERITONEAL, SOBRE A PAREDE POSTERIOR DO ABDOMEM. MUDANÇAS DE IRRIGAÇÃO SANGUÍNEA DOS RINS - INICIALMENTE AS ARTÉRIAS RENAIS SÃO RAMOS DAS ARTÉRIAS ILÍACAS COMUM; - A MEDIDA QUE SE ASCENDEM RECEBEM NOVOS RAMOS DA AORTA; -OS RAMOS ARTERIAIS MAIS CEFÁLICOS DA AORTA TORNAM-SE ARTÉRIAS RENAIS.
  15. 15. RINS ECTÓPICOS -POSIÇÃO ANORMAL DO RIM (S) - A MAIORIA LOCALIZA-SE NA PELVE, MAS ALGUNS FICAM NA PARTE INFERIOR DO ABDOMEM.
  16. 16. ANOMALIAS DO TRATO URINÁRIO SUPERIOR 1.ANOMALIAS DE NÚMERO 2.ANOMALIAS DE FORMA E FUSÃO 3.ANOMALIAS DE ASCENÇÃO 4.ANOMALIAS DE ROTAÇÃO 5.ANOMALIAS VASCULARES 6.ANOMALIAS DO SISTEMA COLETOR 7.ANOMALIAS DO URETER
  17. 17. 1. ANOMALIAS DE NÚMERO
  18. 18. 1. ANOMALIAS DE NÚMERO
  19. 19. 2. ANOMALIAS DE FORMA E FUSÃO
  20. 20. 2. ANOMALIAS DE FORMA E FUSÃO
  21. 21. 3. ANOMALIAS DE ASCENÇÃO
  22. 22. 4. ANOMALIAS DE ROTAÇÃO
  23. 23. 4. ANOMALIAS DE ROTAÇÃO
  24. 24. 5. ANOMALIAS VASCULARES
  25. 25. 5. ANOMALIAS VASCULARES
  26. 26. 5. ANOMALIAS VASCULARES
  27. 27. 6. ANOMALIAS DO SISTEMA COLETOR
  28. 28. 6. ANOMALIAS DO SISTEMA COLETOR
  29. 29. 6. ANOMALIAS DO URETER
  30. 30. 6. ANOMALIAS DO URETER
  31. 31. QUESTIONÁRIO 1. Como se originam os rins? 2. Quais os três tipos de rins? 3. Qual lé o período gestacional onde o embrião inicia a filtração renal? 4. Quais as estruturas formadas a partir do ducto mesonéfrico? 5. Cite e explique três anomalias do trato urinário superior. 6. Cite e explique três complicações da formação da bexiga.

×