Lição 04 artigo

208 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
208
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Lição 04 artigo

  1. 1. Lição 04 – JESUS, O MODELO IDEAL DE HUMILDADE. (2) Trabalhando o título: No dicionário... (1) Modelo: Coisa ou pessoa que é ou merece ser imitada. = EXEMPLO; Ideal: Que reúne toda a perfeição imaginável; A mais querida das aspirações. Humildade: Demonstração de respeito, submissão. = DEFERÊNCIA, REVERÊNCIA ≠ DESRESPEITO; Ausência de luxo ou sofisticação. = SIMPLICIDADE, SOBRIEDADE ≠ OSTENTAÇÃO. Então: “JESUS - A mais querida aspiração, que reúne toda perfeição; um exemplo de demonstração de respeito e submissão; merecedor de imitação”. Crescendo em Filipenses... “O exemplo de vida, o Apóstolo Paulo convida todos os crentes a olhar para o Senhor Jesus como modelo para sua vida, não somente deu sua vida por nós, mas também viveu Sua vida como um exemplo; procurar viver e servir como Jesus fez é parte da verdadeira alegria”. Trabalhando o texto áureo (texto ouro): Fp 2.5. “Cristo é o maior incentivo para humildade, autonegação e amor”... Vemos o exemplo supremo dessa atitude mental, esse cuidar dos interesses dos outros, é a auto-humilhação de Cristo. Ao fazer isso, Ele mostra de forma sublime desdobramento do fato tremendo da encarnação, e o faz em forma do que tem sido reconhecido amplamente como honra de um herói para os cristãos, acerca de sua humilhação e exaltação. (3). “que nós tenhamos a tendência favorável, de ter as posses mentais perfeitas para a sensibilidade que o Senhor Jesus teve, com pesar e paixão para com as almas que estão no mundo esperando o evangelho a ser anunciado, como se fosse nós mesmos experimentando o primeiro amor do evangelho”... Verdade Prática: “Jesus nosso modelo ideal em tudo: submissão, humildade e serviço”. Leitura Bíblica em Classe - Ação: Texto de Filipenses 2.5-11
  2. 2. Essa passagem sobre a humildade de Cristo é o ponto alto da epístola. Em contraste com o tom informal e quase familiar do restante da carta, os vv. 5-11 têm um estilo refinado, altamente polido. São também notáveis porque nestes poucos versículos Paulo comunica sua concepção da singularidade da pessoa e obra de Cristo. O que Paulo quer transmitir é que a disposição e a índole dos membros da igreja deveriam ser sempre, aquelas demonstradas por Cristo Jesus. (4) A maioria das pessoas tem modelos, alguém a quem elas admiram, e a quem gostariam de ser iguais. Para o cristão o modelo supremo é o próprio Senhor Jesus, apesar de ser verdadeiramente Deus, Jesus viveu como homem, apesar de ser o verdadeiro rei, Ele escolheu servir aos outros, esses é um dos motivos nos quais quando devemos crescer na fé devemos ser como o Senhor, adote a atitude que o Senhor Jesus teve, de servir. (5) Esses versos exaltam o Senhorio do Senhor Jesus, ao contrário de algumas crenças errôneas; onde ressalta: a) Ele resgatou o homem, o salvou, é Salvador e eternamente Senhor; b) Jesus é Deus. Ele “aniquilou-se” “esvaziou-se” da sua glória tomando a forma de homem; (vv.6-8); Jesus Cristo ressuscitou e foi “Exaltado soberanamente” coroado de poder e glória como Senhor (do grego Kurios identificado como Senhor Supremo, idéia de supremacia em autoridade e majestade). (6) Uma exceção notável do livro de Filipenses, onde os vv.5-11 é a grande passagem notável de teologia da carta, onde traz a humilhação e exaltação do Senhor Jesus Cristo. (7) “Cristo que encarnou e tornou-se homem, nascido de mulher, gerado pelo Espírito e que em nenhum momento pecou, 100% homem e 100% Deus, em essência.... humilhou-se a si mesmo fazendo-se maldito em nosso lugar, na qual foi soberanamente exaltado, onde por agora confessamos sua Majestade, aquele a quem João caiu em terra quando O viu por ter visto em sua excelente glória, aquele a quem por amor de MIM e de VOCÊ, se entregou e fez expiação de nossos pecados e agora está a destra de Deus, reinando soberanamente...” Trabalhando todo contexto pesquisado: Concordância textual bíblica: 2.5 – Tende o mesmo sentimento, Mt 11.29 comparando com Rm 15.3; Cristo Jesus, Fp 1.1. 2.6 – O qual, Jo 1.1; forma de Deus 2 Co 4.4, não julgou Jo 5.18; 10.33; 14.28. 2.7 – esvaziou-se, 2 Co 8.9; forma de servo, Mt 20.28; feito semelhante, Jo 1.14; Rm 8.3; Gl 4.4; Hb 2.17. 2.8 – obediente, Hb 5.8 comparando com Mt 26.39; Jo 10.18; Rm 5.19; e morte de cruz Hb 12.2. 2.9 – Por isso, Hb 1.9; exaltou Mt 28.18; At 2.33; Hb 2.9; o nome que é... Ef 1.21. 2.10 – se dobre, Rm 14.11; dos que estão... Ef 1.10. 2.11 – é o Senhor... Jo 13.13; Rm 10.9; 14.9. v. 5 Que a mesma essência que esteve no Senhor Jesus de esvaziar-se de Si mesmo, esteja em Nós (v.5);
  3. 3. v. 6 Que - Sete passos para a humilhação de Cristo: 1) dedicou-se a humilhar; 2) Abriu mão de sua forma Divina; 3) esvaziou-se a si mesmo; 4) Tomou a forma de Servo; 5) Fez-se semelhante a homens; 6)Humilhou-se a si mesmo; e 7) Foi obediente até a morte. Sendo do gr. huparcho existindo ou subsistindo (que existia com Deus desde a eternidade – Is 7.14; 9.6,7; Mq 5.2; Jo 1.1,2; Hb 1.8; Ap 1.8-11). Forma do gr. morphe forma visível aos olhos. v.7 aniquilou-se do gr. keno conhecido como o kenosis de Cristo, sendo o esvaziar, tornar-se vão (Rm 4.14), mas do que o Senhor Jesus se esvaziou? a) Da sua igualdade para com Deus (Jo 14.28); b) Seu corpo espiritual existente desde o princípio (Rm 8.3); c) imortalidade do corpo (1 Pe 2.24); d) da Sua glória que tinha com o Pai antes (Jo 12.23; 17.5); e) de Sua autoridade, que lhe foi devolvida na ressurreição (Ef 1.20-23); essas são algumas, pois se colocasse todas aqui prolongaríamos... (ver Bíblia Dake, pg. 2112). v. 8 Cristo humilhou-se a si mesmo, deixou sua forma divina e majestosa, tornando-se homem sujeito a dores, mas em nenhum momento pecou. v. 9 exaltou, nesta exaltação tiramos alguns pontos:1) Deus o exaltou soberanamente; 2) Ganhou um Nome que é sobre todo nome; 3) ao nome de Jesus todo joelho se dobre; 4) tudo que há no céu; 5) tudo que há na terra; 6) tudo que há debaixo da terra; 7) toda língua confessará que Jesus Cristo é Senhor, para a glória de Deus Pai. v. 10 Uma profecia, sendo a 2ª declarada no Novo Testamento que ainda não foi cumprida (Milênio). Quando é falado de lugares onde se dobrará todo joelho e pela supremacia de Sua glória, um é o céu (Dn 4.35), o outro é a terra (Ap 12.12), e por último descrito neste versículo; debaixo da terra, que vem do sentido original gr. katachthonios, como subterrâneo, ou mundo infernal (Sl 16.10). v. 11 Não é um ou dois, mas TODA língua confessará a majestade e glória de Deus. INTRODUÇÃO Jesus plena revelação de Deus, o Emanuel que estaria conosco, com toda Sua glória poderia vir como um Ser Supremo, mas é triste e real saber que a bíblia nos traz que “não tinha onde reclinar a cabeça” (Mt 8.20); como natureza humana vemos sua revelação através da obediência, humilhação, mesmo tendo as duas naturezas, humana e divina, na humilhação e obediência se sobressaiu a humana e alcançou toda sua Divina após a morte do corpo. I – O FILHO DIVINO: O ESTADO ETERNO DA PRÉ-ENCARNAÇÃO (2.5,6). 1. Ele deu o maior exemplo de humildade: como modelo sempre perfeito o Senhor Jesus em tudo. 2. Ele era igual a Deus: semelhante ao Altíssimo se tornou homem. 3. Mas “não teve por usurpação ser igual a Deus” (v.6): Não querendo direitos, se esvaziou, tornou-se vão.
  4. 4. II – O FILHO DO HOMEM: O ESTADO TEMPORAL DE CRISTO (2.7,8). 1. “Aniquilou-se a si mesmo” (2.7): Na encarnação foi onde foi o melhor exemplo do kenosis. 2. Ele “humilhou-se a si mesmo” (2.8): O auge da humilhação foi maltratado e escarnecido (Is 53). 3. Ele foi “obediente até a morte e morte de Cruz” (2.8): Submeteu-se totalmente, agonizou, mas fez a vontade do Pai. III – A EXALTAÇÃO DE CRISTO (2.9-11). 1. “Deus o exaltou soberanamente” (2.9): Após vencer a morte foi exaltado sobre tudo e todos... 2. Dobre-se todo joelho: Sinal de reverência a quem é soberano, e está acima de tudo não somente da igreja. 3. “Toda língua confesse” (v.11): proclamação, pode ser levada em conta o “ide” o anunciar as boas novas de salvação, que vem só através do Senhor Soberano Jesus Cristo (Jo 14.6). BIBLIOGRAFIA CONSULTADA: (1) http://www.priberam.pt/ (2) Lições Bíblicas, CPAD – 3º trimestre de 2013; (3) NVI, Comentário Bíblico. Ed. Vida – 2012; (4) Anotada, A Bíblia. Mundo Cristão – 1995; (5) Esquematizada, A Bíblia de Estudo. SBB – 2013; (6) Evangelista, A Bíblia do. IBB – 1997; (7) Vida Nova, Bíblia. SBB, Edições Vida – 1995; Carlos Franco de Almeida Diácono na Assembléia de Deus de Várzea Paulista (Sede), 2º Superintendente da ED; Pedagogo pela Universidade Luterana do Brasil (RS), Teólogo formado pela ETQS (AD Vianelo – Jundiaí-SP).

×