Identidade e cidadania a partir da história enalic 2014 2

269 visualizações

Publicada em

Proposta de oficina de História do funk, com o apoio de estagiários do projeto PIBID (Programa de iniciação à docência) do curso de História da UERJ Maracanã. Através da História do funk discutimos questões como identidade, juventude, gênero, cidadania, desigualdades, cultura, etc. Esta foi a apresentação montada para o Encontro Nacional de Licenciaturas em Natal, em dezembro do ano passado (2014).

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
269
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Identidade e cidadania a partir da história enalic 2014 2

  1. 1. Identidade e cidadania a partir da história do funk leituras contemporâneas juvenis em uma escola da rede municipal do Rio de Janeiro Alinnie Silvestre Moreira
  2. 2. O começo do projeto  O projeto “história do funk” começou a ser delineado no início de 2012 como disciplina eletiva para livre escolha dos alunos.  Pensando em algo que atraísse adolescentes do Fundamental II, portanto, que estavam entre 12 e 15 anos, a junção entre História e funk me pareceu interessante em um espaço escolar carioca, próximo a comunidades que tinham acabado de passar por uma disputa lançada a dançarinos que postavam vídeos na internet, denominada Batalha do Passinho, ocorrida em 2011
  3. 3. Produção de logotipo para a eletiva
  4. 4. Produção de logotipo para a eletiva
  5. 5. Produção de logotipo para a eletiva Vídeo eletiva
  6. 6. “O funk fez com que as pessoas se manifestassem, isso é, sentindo a batida e que elas [também] homenageassem as pessoas que já morreram, como o nosso famoso Gambá, que era muito bom mesmo nos passinhos. Então vamos fazer juntos com que o funk mude a percepção das pessoas transformando o funk na nossa voz e fazendo com que a gente (sic) seja livre.” Aluna Núbia Araújo, 8º ano
  7. 7. A oficina de funk na Soares  Estrutura  Acolhida da equipe PIBID  Acolhida da escola  Aplicação  Impasses e possibilidades
  8. 8. Experiências dos estagiários PIBID na Soares Pereira Estagiária Ana Luiza- Dia 8 de setembro de 2014 “Iniciei a aplicação da “Oficina do Funk” na turma 1902. A turma estava bem vazia, houve pequenos problemas na execução do vídeo e do áudio, demorou um pouco para a turma se concentrar mas nos final deu tudo certo e os alunos acabaram cantando as musicas que conheciam, pois o áudio não ficou bom. Os alunos não se identificaram muito com o “vovô do passinho” nem com o Bonde do Vinho. As meninas se identificaram mais com os “raps da paz” e perguntaram sobe as mulheres do funk de antigamente. Elas apontaram para o fato de que com os homens que escreviam e cantavam o funk havia muitos que falavam mal das mulheres e as xingavam e que as mulheres dançavam e rebolavam as músicas “contra” elas próprias. Notei que nessa turma vou ter que focar mais na questão de gênero, preconceito e feminismo.”
  9. 9. 6º ano Setembro de 2014
  10. 10. 9º ano Setembro de 2014
  11. 11. Relatos da estagiária Lívia Pibid Dia 09/09/2014 “Alguns imprevistos aconteceram durante o planejamento feito, tivemos alguns dias sem aula, outros em que o equipamento de som fornecido pela escola não funcionava de jeito nenhum, dias em que os alunos mesmo já estavam mais agitados (temos que sempre considerar o que acontece fora dos muros da escola, ainda mais falando de funk, que é um assunto que acessa a realidade de várias comunidades do Rio de Janeiro), pois em um momento a violência nas comunidades em que moram estava em alta, alunos perdendo parentes para o tráfico e sendo até presos. É essa realidade que muitas letras de funk tratam, e esses alunos convivem com ela diariamente, então nosso objetivo é a partir do funk refletir historicamente e socialmente sobre a sociedade em que nós vivemos.[...] O trabalho ainda está andamento, mas para mim esta sendo muito válido, pois há dois lados, eu ganhando experiência e aprendendo a lidar com assuntos e problemáticas vividas por esses alunos, entendendo assim a realidade deles, o porquê de tanta agressividade e tanta indisciplina, e assim por outro lado, dando a eles um momento dentro da escola em que podem se expressar livremente, cantando, dançando, contando suas vivencias, e assim se tornando mais amigos e próximos dos professores e da comunidade escolar. “

×