Proposta de jornada pedagógica 2011

15.615 visualizações

Publicada em

0 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
15.615
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
362
Comentários
0
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Proposta de jornada pedagógica 2011

  1. 1. A ESTRADA E O SAL PROPOSTA DE JORNADA PARA PROFESSORES ALFALITTERA
  2. 2. 2 OLÁ! Permita que nos apresentemos: nós somos o Alfalittera, uma consultoria pedagógica on-line,que deseja participar e contribuir nessa extraordinária revolução social chamada “Educação paraTodos”. Sim, precisamos nos envolver nesse fabuloso projeto onde todos são convidados aestarem em constante evolução e transformação. A “célula tronco” dessa transformação é a Escola. Ela é a origem e é nela que asprimeiras linhas dessa história de lutas e conquistas sociais são escritas. Então, temos que cuidar bem da Escola que trabalhamos e cuidar bem em nossoentendimento não é assegurar que ela, a Escola, esteja funcionando; cuidar da Escola significaassegurar que ela cumpra bem o seu papel na sociedade. E qual é esse papel? Bem, existem milhares de autores, estudiosos da Educação que sededicaram a estudar e escrever sobre essa questão. Todavia, o que define o papel da Escola nasociedade é o contexto comunitário em que essa Escola se encontra e a identificação dosprofessores com as causas e anseios dessa comunidade. Cada comunidade é única. Se você e sua equipe escolar tem apenas impressões sobre acomunidade na qual a Escola está inserida... busque conhecê-la. Nós do Alfalittera nos preocupamos com os nossos produtos para que sejam adaptáveis aqualquer realidade, especialmente aquelas mais carentes. Em razão disso, você perceberá quenossas propostas permitem aos Educadores que ampliem, modifiquem e alterem a ordem de tudoque propomos, sem perder coerência e qualidade. Nós esperamos que você caminhe conosco neste ano de 2011, conheça nossos produtos eque faça suas observações e mesmo sugestões. Seja bem vindo (a)! Equipe Alfalittera
  3. 3. 3 APRESENTAÇÃONeste fascículo que chamamos de A ESTRADA E O SAL: Jornada paraProfessores, destinado aos gestores escolares, apresentamos uma sugestão deacolhida aos professores que retornam à Escola, após um período de férias.A valorização dos professores também passa pela qualidade das relações noambiente de trabalho. Então, nada mais oportuno que recepcioná-los de maneiraafetuosa e cordial.Também é adequado aproveitar este período para abordar temas que façam todosda Escola refletir sobre seus papéis e fortalecer a consciência dos mesmos, noâmbito da Escola e para o bem da Comunidade. Assim, procuramos oferecer nesse fascículo, disponibilizado gratuitamente noBlog do Alfalittera, uma proposta de Encontro Pedagógico, por meio do qual osgestores escolares possam abrir os trabalhos iniciais em suas instituições,promovendo momentos de integração entre os membros de sua equipe, bemcomo momento de reflexão e construção de instrumentos que auxiliem nademocratização e dinamização da gestão escolar.Os roteiros aqui apresentados podem e devem ser organizados de acordo com adisponibilidade de tempo e espaço de toda a equipe. Os custos e recursos sãomínimos, mas não impede que cada Escola, de acordo com as suas possibilidadesfinanceiras, possa enriquecer mais ainda esses momentos. BOM COMEÇO DE ANO LETIVO!
  4. 4. 4 I Encontro /dia A ESTRADA Nota: Decorar a escola com motivos que lembrem a estrada, o sal e a luz. Uma estrada feita de pedras de aquário, seixos de rios, que se inicie na entrada da escola e se estenda como tapete até o local onde o encontro vai acontecer, pode ser muito bacana no momento da dinâmica. O ambiente poderá ser decorado com bolas (brancas) de aniversário e flores amarelas etc..Recepção: Música Ambiente: “Dia Branco”. Composição: Geraldo Azevedo/ Renato RochaReceba todos com alegria, carinho e entusiasmo.Distribua para cada pessoa um classificador rápido com bloquinho, caneta e uma apostila com as letrasdas músicas que serão cantadas. (opcional)Peça que fiquem descalços, dizendo que é um costume muito bonito dos povos orientais. Retirar ossapatos ao entrar em uma casa, simboliza reverência ao lugar que os acolhe e a Escola é o espaço ondepassamos muito tempo e temos que tratá-la com a mesma reverência.Peça que caminhem pela estrada, motivando quem se recusar e auxiliando quem tiver alguma limitaçãoou dificuldade.Acolhida:Momento de Reflexão: Um homem resolveu fazer uma jornada, seguindo com os pés descalços umcaminho longo até chegar a uma terra que todos diziam ser milagrosa. Faria isto porque sua filhapequena estava doente... Faria qualquer coisa para salvá-la.Ele conhecia bem o caminho que o levaria à cidade milagrosa. Já havia feito o caminho algumas vezespara acompanhar seus pais devotos, parentes e amigos. Ele podia adivinhar cada curva, cada subida,cada descida porém, aquela jornada seria diferente, especial. Ele escolhera o trajeto mais longo que lheexigiria um esforço maior, afinal o motivo era nobre e valia todo seu empenho.Durante a caminhada, ele escorregou várias vezes, tropeçou, arranhou-se... Houve momentos quepensou em desistir e se perguntou baixinho: - “Por que escolhi este caminho?”. Mas a chama em seucoração, alimentada pelo grande amor à filhinha, o fazia persistir.Finalmente ele chegou à cidade dos milagres, entrou no templo e ajoelhou-se pedindo e suplicando pelavida da sua filha. De repente, uma luz celestial tomou conta do local e o homem escutou uma voz quedisse: - “Filho, por que clamas? Tua menina está curada desde o dia em que tu destes o primeiro passona direção dessa cidade”.O homem se espantou e surpreso quis saber como o milagre tinha acontecido. E a voz respondeu-lhe:- “Filho por que te espantas? O milagre não está nesta cidade, mas no coração de todos que se esforçampara chegar até ela... Não foi apenas a jornada que fizestes que promoveu a cura da tua filha, mas, adeterminação, o amor e a fé que te trouxeram até aqui.”
  5. 5. 5Nem sempre os caminhos que escolhemos nos levam onde desejamos chegar... Os nossos êxitos esucessos dependem cem por cento da determinação, do amor e da fé que nos levam a caminhar.Seja qual for o motivo que te trouxe a esta jornada, saiba que ela só será proveitosa se for feita com todoo teu coração.E então, vamos caminhar?Autores: Equipe AlfalitteraCantando Juntos: Aumente o som e convide todos a cantarem a canção “Dia Branco”, ficando em pé,afinal, ninguém pode caminhar sentado. Sugira que olhem nos olhos uns dos outros, cantando a letra damúsica. No final todos devem se abraçar.Final da Acolhida: MEIAS BRANCASAo final da música presenteie cada pessoa com um par de meias brancas.Explique: comece dizendo que quando caminhamos, a parte do nosso corpo que mais sofre são os pés eque as meias servem como proteção. Elas aquecem e suavizam o impacto da caminhada e às vezes,mesmo usando sapatos, nós precisamos de meias para que os pés não se machuquem ou firam.Então, essas meias são símbolo do que nós queremos e precisamos ser uns para os outros. Precisamosser proteção, acolhida e apoio no novo ano letivo que se inicia, esse ano branco... branco como umafolha de papel, na qual podemos escrever o que quisermos; branco porque não está feito, pronto ourascunhado; branco, se branco ele for, e que esse ano, que não sabemos como vai ser, nos leve atéonde possamos e devamos chegar....Estreitando os Laços:Música Ambiente: peça para calçarem as meias, coloque um CD com músicas que lembrem sons daágua da chuva caindo. Prossiga falando:Sim, vamos chegar! Vamos superar todos os desafios! Mas isso só será possível se estivermos unidos.Vamos ficar de pé e caminhar ao som da chuva... bem devagar, pausadamente. Para cada passo dado,estalem os dedos uma vez...Agora, para cada passada, duas vezes... Gotas de chuva caindo uma a uma, batendo no telhado... Navidraça...Vamos caminhar mais rápido e aumentar o ritmo do estalar de dedos: É chuva chegando, engrossando,molhando o terreiro, as flores no jardim.Vamos caminhar diferente arrastando os pés e aumentando o ritmo do som dos dedos, é a água dachuva correndo nos leitos dos rios, lavando as calçadas, molhando a plantação e as copas das árvores...Vamos arrastar os pés com força rapidamente e acelerar os estalos... Eita barulheira danada! É chuvafazendo eco no mundo....(aumente um pouco o som do cd e depois baixe).Vamos voltar a caminhar... estalar os dedos devagar, diminuindo o ritmo e um a um, vamos sentando.. Eo estalar dos dedos devem parar quando todos estiverem sentados...Chuva é assim... uma gota sozinha não molha chão, não lava calçadas, não mata sede... Mas váriasgotas juntas mudam a face da terra... Nós também somos assim, sozinhos não vamos muito longe, masjuntos, vencemos qualquer estrada.Pausa para o lanche
  6. 6. 6Momento Pedagógico: leitura e reflexão do texto:PROFESSOR, PARA ONDE VAMOS?Uma reflexão sobre os caminhos e descaminhos da profissão docente 1Não se ignora a importância do papel social do professor. Discursos elogiosos direcionados aos professores sãoemitidos por diferentes instâncias da sociedade e por inúmeros órgãos governamentais. Em geral, nesses discursos,os professores são exaltados como promotores dos mais altos valores sociais e humanitários bem como artífices damudança social e cultural, que incentiva o desenvolvimento dos povos e das nações.Estes discursos, embora importantes, nem sempre estão acompanhados de ações e propostas que assegurem osdireitos necessários aos professores para cumprirem a missão edificante que a sociedade lhes confia.Atualmente são inúmeras as pesquisas acadêmicas e estatísticas que sinalizam uma crescente desvalorização socialdos professores, desvalorização esta que se manifesta de diversas formas, como por exemplo: os baixos salários, osconflitos de interesses no contexto educacional, a baixa auto-estima, o baixo nível acadêmico dos novosprofessores, as condições de saúde no trabalho, entre outros.Outro aspecto preocupante que as pesquisas revelam é que a profissão docente, hoje, tem sido a quarta ou quintaopção entre os jovens. Parece existir uma tendência entre eles de que tornar-se professor não é bom, emboraatualmente a demanda no mercado de trabalho por bons professores tenha crescido.Mas, o que é um bom professor? Diferentes estudos revelam que as expectativas sociais com relação ao professornão estão relacionadas apenas com assegurar às crianças e jovens a apropriação e assimilação de conhecimentos,mas, principalmente, dizem respeito a aspectos fundamentais relacionados à socialização, tais como: aquisição deprincípios éticos e morais, educação para a cidadania e valores humanos e, em algumas comunidades, até mesmoos religiosos e/ou espirituais.Estas expectativas parecem ir na contra mão da desvalorização do professor. Parecem exigências desproporcionaise incoerentes, quando comparadas às poucas ações políticas e iniciativas de valorização. Contudo, uma análisesócio-antropológica da profissão nos mostrará que em nenhum momento da história, desde que a profissãodocente surgiu, o professor teve um salário condizente com a sua grandiosa tarefa. (Aliás, existe salário que pagueo resultado do trabalho de um bom professor? È possível recompensar alguém cuja ação na nossa vida faz toda adiferença?).Enfim, estamos diante de um paradoxo: de um lado as expectativas sociais depositadas sobre os ombros dosprofessores que podem ser resumidas em duas palavras, responsabilidade ética, e do outro, sua desvalorização emnível macro (sociedade: baixos salários etc..) e micro (contextos educacionais, baixa estima pela profissão).Contudo, o paradoxo maior é que não se pode suprimir nenhum desses aspectos do campo profissional doprofessor, nem mesmo como pretexto de reduzir as tensões sobre ele, pois responsabilidade ética é uma exigênciafeita a todas as profissões e excluir tal cobrança seria desconsiderar a docência como profissão. E não podemosabandonar as lutas por melhores salários e condições de trabalho.Esse círculo vicioso só pode ser quebrado com uma nova abordagem de formação em níveis iniciais e em serviço,uma abordagem construída a partir de altos níveis de referência e princípios éticos, que perpassem pela formaçãopolítica do professor. Não se trata aqui de neutralidade, muito pelo contrário.O professor deve desenvolver seu potencial intelectual, ampliando sempre sua reflexão e entendimento sobre opapel da educação na sociedade e assim fortalecer-se para lutar pelos seus direitos (afinal a arma do professor é oconhecimento) ao mesmo tempo em que tem que construir e buscar novos caminhos, dentro da sua sala de aula,que o torne mais feliz e realizado.1 Este texto foi construído pela Equipe Alfalittera, tendo como base o trabalho PAPEL DO PROFESSOR: ENTRE OSCOMPROMISSOS ÉTICOS E SUA AVALIAÇÃO SOCIAL. De autoria do professor RUSSI. Oscar A. Ibarra. Reitor da UniversidadePedagógica Nacional da Colômbia. Disponível no site: http://www.oei.es
  7. 7. 7Trabalhando em Equipe: Divida o grupo em subgrupos; cada um recebe uma das tiras abaixo, e se aquantidade de subgrupos for grande, você pode repetir tiras em grupos diferentes. Grupo 1: Partilhe com sua equipe: Existiu alguém na sua trajetória escolar que lhe serviu de referência positiva na escolha da sua profissão? Que características essa pessoa tinha ou tem? Sua equipe deve criar um personagem que tenha todas as características positivas e comuns identificadas nos relatos de todos os componentes. Esse personagem deverá ser apresentado no momento da socialização e através da sua fala as outras equipes deverão identificar as características que puderam ser detectadas no personagem. Grupo 2: Partilhe com sua equipe: Quando você iniciou nessa profissão, que características você possuía como professor (a)? O que mudou? Sua equipe deve eleger o depoimento que melhor representa o sentimento da mesma e criar duas cenas: antes (inicio da profissão) e depois (hoje). Não precisa revelar nomes. No final, a equipe deve promover uma reflexão sobre o que viram. Grupo 3: Partilhe com sua equipe: O que lhe atraiu para a profissão docente? O que se concretizou? Sua equipe deve criar uma cena tipo “cinema mudo”, mostrando um personagem que reflete sobre os sonhos que se realizaram e aqueles que se cristalizaram como sonhos. Depois promover discussão sobre o que viram. Grupo 4: Se você fosse construir um código de ética para a profissão de professores, quais seriam os três primeiros princípios e por que? Sua equipe deve criar um poema com os princípios éticos dos professores e lê-lo como jogral para as outras equipes.Exibição de slides (PPS): “Se Doer, Assobie...”PIRÂMIDE DA AVALIAÇÃO: Cole um cartaz grande, em uma parede (a seguir sugestão de modelo).Cada professor recebe 3 círculos de papel e dentro de cada um deve escrever algo que aconteceu nodia de hoje ( Ex: acolhida, as músicas, lanche...o estudo) e colar na área da pirâmide, considerando oque diz o quadro ao lado. Não é preciso escrever no cartaz o que está nos parênteses; eles servemapenas como indicadores de satisfação que a equipe organizadora deverá depois considerar que, se napirâmide houver mais coisas na sua base, a jornada foi boa. Se houver mais coisas na parte do meio foiótima e se houver mais coisas no cume da pirâmide, a jornada foi excelente.
  8. 8. 8 II Encontro /dia - O SalLEIA ANTES COM BASTANTE ATENÇÃO OS PASSOS DA DINÂMICA E PREPARE O MATERIALCOM ANTECEDÊNCIA. Nota: Vocês irão precisar de pipoca e sal.Acolhida: Apresentação da mensagem em PPS: “Você já deu hoje?”Música: coloque o CD com a música: “Dê um sorriso só”, Padre Marcelo Rossi. Composição: WilliamRoberto.Peça que fiquem em pé e façam os gestos da música... E no final, que todos se abracem.Momento de Reflexão: Peça que alguém sirva a todos os presentes saquinhos transparentes fechados,contendo pipoca [atenção! A pipoca não deve ter sal nem açúcar ou nenhum outro condimento]. Peçaque olhem as pipocas e digam se há algo de diferente nelas ou se são diferentes das que elas já viram.Explique: as coisas em nossa profissão são assim como as pipocas, parecem sempre iguais, com rarasdiferenças e poucas variações, especialmente quando as olhamos através do plástico do desânimo, dodesestímulo e da acomodação. Para vermos as coisas como realmente são em nossa profissão, temosque ter a coragem de romper esse plástico.Oriente que abram o saquinho – Explique – é preciso olhar as coisas por dentro e às vezes experimentar– Peça que provem um pouco da pipoca. Pergunte: “Então percebem algo de diferente nessas pipocas?”,“está faltando alguma coisa?” “o que?”.Peça a alguém que traga uma bandeja com saquinhos pequenos de sal. Oriente para que cada pessoacoloque um pouquinho do sal e experimente de novo a pipoca.Explique que bastou um pouquinho de sal e as pipocas ganharam outro sabor. Às vezes basta umpouquinho de alegria, de boa vontade, de amor para que as coisas ganhem outro sentido, outro sabor.Mas onde está o sal da nossa vida? Onde está o tempero da nossa profissão?
  9. 9. 9Distribua um envelope lacrado e peça então que todos abram e leiam a mensagem... Dentro dele todosdevem encontrar um bilhetinho escrito; “Você é o Sal da nossa Escola... que bom que você existe!”.Cantando juntos: Música: “O sal da Terra”, Grupo Roupa Nova. Composição: Beto Guedes - RonaldoBastosMomento Pedagógico:Construindo um Plano de Metas para 2011 Plano de metas: é um planejamento que visa a superação de dificuldades enfrentadas por uma instituição e constrói objetivos claros e concretos a serem laçados em curto espaço de tempo.Plano de Ação: O Plano de Metas contém um plano de ação, ou seja, o detalhamento de tudo que seráfeito para superação das dificuldades e alcance das novas conquistas. Ele também ajuda nadescentralização da responsabilidade do grupo, assegurando que todos participem ativamente.Exemplo da estrutura de um plano de ação: Dimensões Objetivos Projetos/ Equipe gestora do Período de Parada para ações (a) projeto/ação execução avaliar Relações Assegurar a Aniversários Lara e Theodoro O ano inteiro Julho e pessoais comemoração dos do mês dezembro aniversáriosToda instituição-escola tem no mínimo cinco dimensões gestoras que precisam ser constantementeavaliadas e melhoradas: Administrativa: organização dos recussos da escola Normativa: cuida das Pedagógica : normas e princípios da orientação e apoio aos escola docentes Relações Comunitárias: Relações interpessoais: relações com os pais cuida do bom convívio dos alunos entre todos da escolaA Equipe Gestora de cada dimensão deve ser formada por pessoas dos diferentes segmentos da escola.O critério de escolha deve ser a empatia dos gestores com a sua dimensão.O roteiro para elaboração do Plano de Metas inclui, é claro, as metas para cada dimensão que devem serconstruídas de forma clara, lembrando que meta tem que ser quantificada. Ex: Reduzir o desperdício demerenda escolar em 45%.Depois de elaborado, você deve organizá-lo e assegurar uma cópia para cada pessoa da escola ereproduzir o plano de metas em papel metro, colocando-o em local visível a todos. Não é preciso fazerum plano de metas para todo o ano, pode fazer um plano por semestre.
  10. 10. 10PIRÂMIDE DA AVALIAÇÃO: avalie o diaMensagem Final: prepare um local especial... Arrume uma mesa com flores e algo que sejasímbolo de fé das religiões de todos: Ex: BíbliaColoque um CD Instrumental e leia o trecho do Evangelho de Matheus cap. 5. 1-13Vendo Jesus as multidões, subiu ao monte, e, como se assentasse, aproximaram-se os Seusdiscípulos e Ele passou a ensiná-los, dizendo:Bem-aventurados os humildes de espírito, porque deles é o reino dos céus.Bem-aventurados os que choram, porque serão consolados.Bem-aventurados os mansos, porque herdarão a terra.Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão fartos.Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia.Bem-aventurados os limpos de coração, porque verão a Deus.Bem-aventurados os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus.Bem-aventurados os perseguidos por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus.Bem-aventurados sois quando, por minha causa, vos injuriarem e vos perseguirem e, mentindo,disserem todo mal contra vós.Regozijai-vos e exultai, porque é grande o vosso galardão nos céus; pois assim perseguiram aosprofetas que viveram antes de vós.Vós sois o sal da terra; ora, se o sal vier a ser insípido, como lhe restaurar o sabor?Peça que todos reflitam um pouco a esta pergunta de Jesus, lembrando da dinâmica do sal,que toda estrada é feita de terra e que o sabor da caminhada depende de nós;Nós que somos o sal da terra...Peça que cada um faça um pedido para que o sal da vida, do trabalho, da escola tenha sabor.Depois façam uma oração segundo o credo que professam. Ou reze o Salmo 23.Cantando juntos: “Podes Reinar”, Padre ZecaEncerre convidando a todos para um lanche ao som de músicas bem alegres.Planejar com os professores a recepção aos alunos.
  11. 11. 11Letras das Músicas Dê um sorriso sóDia Branco.Geraldo Padre Marcelo RossiAzevedo O sal da Terra Composição: William Roberto Dê um sorriso só,Composição: Geraldo Azevedo/ Renato Roupa Nova Sorriso aberto,Rocha Composição: Beto Guedes - Ronaldo Sorriso certo,Se você vier Bastos Cheio de amor.Pro que der e vier Anda, quero te dizer nehum Dê um sorriso só,Comigo... segredo Sorriso abertoEu lhe prometo o sol Falo nesse chão da nossa casa Sorriso certo,Se hoje o sol sair Vem que tá na hora de arrumar Cheio de amorOu a chuva... Tempo, quero viver mais Quem tem JesusSe a chuva cair duzentos anos Gosta de cantarSe você vier Quero não ferir meu Está sempre sorrindoAté onde a gente chegar semelhante Mesmo quando não dáNuma praça Nem por isso quero me ferir Tropeça aqui,oi,cai acoláNa beira do mar Vamos precisar de todo mundo Mas depressa levantaNum pedaço de qualquer lugar... Pra banir do mundo a opressão E começa cantarNesse dia branco Para construir a vida nova Mas depressa levantaSe branco ele for Vamos precisar de muito amor E começa rezar.Esse tanto A felicidade mora ao ladoEsse canto de amor E quem não é tolo pode verOh! oh! oh... A paz na Terra, amorSe você quiser e vier O pé na terraPro que der e vier A paz na Terra, amor Podes ReinarComigo O sal da TerraSe você vier És o mais bonito dos planetas Padre ZecaPro que der e vier Tão te maltratando por Senhor eu sei que é Teu esteComigo... dinheiro lugarEu lhe prometo o sol Tu que és a nave nossa irmã Todos querem Te adorarSe hoje o sol sair Canta, leva tua vida em Toma Tua direçãoOu a chuva... harmonia Vem ó Santo EspíritoSe a chuva cair E nos alimenta com teus frutos os espaços preencherSe você vier Tu que és do homem a maçã Reverência a Tua voz vamosAté onde a gente chegar Vamos precisar de todo mundo fazerNuma praça Um mais um é sempre mais que Podes ReinarNa beira do mar dois Senhor Jesus oh sim,Num pedaço de qualquer lugar... Pra melhor juntar as nossas O Teu poder Teu povo sentiráE nesse dia branco forças Que bom SenhorSe branco ele for É só repartir melhor o pão Saber que estás presente aquiEsse canto Recriar o paraíso agora Reina Senhor neste lugarEsse tão grande amor Para merecer quem vem depoisGrande amor... Deixa nascer o amor Visita cada irmão oh meuSe você quiser e vier Deixa fluir o amor Senhor,Pro que der e vier Deixa crescer o amor Dá-lhes paz interior,. Deixa viver o amor E razões pra Te louvar (O sal da terra) Desfaz todas as tristezas, incertezas, desamor Glorifica o Teu nome oh meu Senhor Podes Reinar Senhor Jesus oh sim, O Teu poder Teu povo sentirá Que bom Senhor Saber que estás presente aqui Reina Senhor neste lugar

×