Dinâmica da personalidade

5.871 visualizações

Publicada em

www.alexmarques.jimdo.com

Publicada em: Espiritual
1 comentário
14 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.871
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
180
Comentários
1
Gostaram
14
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dinâmica da personalidade

  1. 1. Dinâmica da personalidade “ Ah! Meu coração! Meu coração! Eu me encontro em dores. Oh! As paredes do meu coração! Meu coração se agita! Não posso calar-me...” (Jr 4:19)
  2. 2. A pedra que os edificadores rejeitaram tornou-se cabeça de esquina”. (Sl 118:22) “... o mais rejeitado entre os homens, homem de dores ...” (Is 53:3) • Nosso alvo neste estudo não é apenas tratar com os traumas do passado que nos prendem em problemas presentes, mas encorajar cada pessoa a uma convivência vitoriosa com as rejeições presentes e futuras, que certamente vamos sofrer.
  3. 3. Existem dois tipos de obstáculos que podem nos derrotar: • Desafios Exteriores: Gigantes - cidades fortificadas. (Dt 1:20-32) • Problemas Interiores: Estes problemas surgem da incredulidade. Eles podem gerar as famosas crises existenciais, onde a pessoa perde o sabor pelos desafios da vida.
  4. 4. O plano mestre de satanás - Vida social Status - Personalidade extrovertida - Cultura - intelecto - Boa condição financeira - Beleza física, etc. Necessidades humanas Exigências do mundo Complexos Infer./superioridade CICLO DE DEPRECIAÇÃO PESSOAL DOR Decepção Carência afetiva - Amor / Aceitação - Pertencer / Calor humano - Respeito / realizações - Auto-estima - Segurança - Necessidades fisiológicas
  5. 5. Pirâmide de Maslow Pirâmide de necessidades Necessidades fisiológicas Segurança Pertencer / Calor humano Auto-estima Respeito Amor -Amor / Aceitação. Necessidade de relacionamentos mais íntimos e afetivos. Se sentir querido não por aquilo que você tem, mas por aquilo que você é. -Respeito / realizações. Satisfação de expressar criatividade. ser credibilizado. Sentir que as pessoas tem você como alguém confiável. Ser admirado nas suas habilidades. -Auto-estima. Acreditar no próprio potencial. -Pertencer / Calor humano. Interação social. Sentir que as pessoas apreciam e valorizam a sua presença. -Segurança. Tanto física como emocional. - Necessidades fisiológicas: saúde, alimentação, descanso, etc.
  6. 6. Qual é o combustível que alimenta este ciclo? • O agente principal que nos induz a este processo cíclico de auto-depreciação é a dor emocional. • A dor emocional, normalmente é muito mais penetrante que a própria dor física. O sentimento de rejeição, a humilhação, a vergonha, o sentimento de insuficiência podem facilmente descontrolar as reações humanas, comprometendo a formação do caráter.
  7. 7. Tipos de reações erradas frente a uma rejeição: • Agressão: A pessoa quando rejeitada reage rejeitando. Esta é a opção violenta de se proteger. Leva a barreiras na área de rebelião. • Fuga e introvertimento: A pessoa reage crendo na rejeição que lhe foi oferecida. Apoia-se no medo de ser novamente ferida e na auto-piedade. Leva a barreiras na área de auto-rejeição. • Receber ou tomar dos outros o que necessitamos: A pessoa “controla” suas reações de maneira a conseguir a aceitação desejada. A pessoa reage tirando proveito da situação. Leva à uma personalidade manipuladora.
  8. 8. DEFINIÇÃO DE MURALHAS • Estas muralhas vão sendo levantadas em torno da nossa personalidade com a finalidade de ocultar nossas debilidades em relação às exigências do mundo para sermos aceitos. Este processo também abafa nossa verdadeira identidade ao mesmo tempo que a perverte. • Quando escolhemos reagir pecaminosamente em relação às rejeições vamos estar sacrificando transparência, espontaneidade, honestidade no relacionamento. Por isto, atrás da muralha de uma personalidade violentada, existe trevas, solidão e um forte bloqueio contra o amor. São barreiras criadas como um mecanismo de auto- defesa em meio a um mundo que sempre oferece rejeição, ou seja, são reações pecaminosas de auto- defesa ante uma rejeição.
  9. 9. • Temos que entender que quando somos feridos ou rejeitados e reagimos de maneira errada, precisamos assumir nossa culpa. Não podemos fazer da tentação um pretexto para o pecado. • Não podemos correr daquilo que é da nossa responsabilidade. Devemos com humildade admitir: se pecamos, a culpa é nossa mesmo. Assim é que vamos resolver eficazmente nossos traumas e dilemas desenvolvendo uma personalidade livre. Para enfrentar a rejeição: Não importa o que fizeram conosco, importa o que estamos fazendo com aquilo que fizeram conosco!
  10. 10. Conceitos importantes • I. Prumo divino • II. Modelo de autoridade • III. Diagrama das muralhas • IV. Movimento pendular: a dinâmica da personalidade Prumo divino
  11. 11. I. Prumo divino O PADRÃO DA MEDIDA DE DEUS O prumo é uma ferramenta usada por construtores para se conseguir um acerto vertical preciso na construção de uma parede. Este é um dos instrumentos que os construtores mais dão valor numa construção. É um instrumento muito simples, mas essencial.
  12. 12. Para entender nosso sistema de avaliação em relação ao prumo divino, precisamos responder estas quatro questões: 1. Identidade: Quem eu Sou? 2. Objetividade: De onde eu venho e para onde eu vou? 3. Valores: O que realmente é importante para mim? 4. Cosmovisão: Que lentes eu uso para enxergar o mundo? 1. Quem sou Eu 2. De onde eu venho e para onde eu vou? 3. Meus valores 4. Minha cosmovisão
  13. 13. Defesa, temerosa, cega, solitária, precisa ser ajudada, vulnerável, passiva, acomodada, surda e muda, deprimida, sem esperança, etc.
  14. 14. Agressiva, negativa, ressentida, solitária, acomodada, amargurada, crítica, na defesa, insegura, temerosa.
  15. 15. 1. Nossa identidade Resposta Passiva Resposta agressiva Defesa, temerosa, cega, solitária, precisa ser ajudada, vulnerável, passiva, acomodada, surda e muda, deprimida, sem esperança. Agressiva, negativa, ressentida, solitária, acomodada, amargurada, crítica, na defesa, insegura, temerosa. QUEM ESTOU SENDO? (Minha verdadeira identidade)
  16. 16. A influência da identidade nos relacionamentos: Se colocamos estes dois personagens juntos, eles até podem ser compatíveis em algumas coisas. Se ele não a incomodar na sua solidão, ela não vai atirar suas flechas, mas caso contrário o sistema de comunicações deles seria como o barulho das pontas das flechas na armadura dele, agindo aparentemente com indiferença. Isto ilustra como que muitos casamentos e relacionamentos são destruídos!
  17. 17. 2. Nossa objetividade DE ONDE EU VENHO? PARA ONDE EU VOU? (Alvos e objetivos) Estas duas questões relatam a nossa história (herança e caráter) e destino (visão e propósito), vindo do termo Teleologia. Teleologia fala sobre o desejo inato de todos nós de termos direção e propósito na vida. Se nós alvejamos o nada, vamos acertamos o nada! A Bíblia ensina: “Sem uma visão o povo perece” . Atualmente, vivemos numa sociedade onde as pessoas não tem propósito de vida, e estão em falta com estas duas perguntas. “Espiritualmente, socialmente, ministerialmente, etc., quais são nossos objetivos?” “Pior que a morte é uma vida sem propósito”.
  18. 18. 3. Nossos Valores O QUE TEM VALOR PARA MIM? O que realmente considero importante? • Esta questão vem o termo Axiologia, significando o importante estudo dos valores. Todos nós possuímos um certo quadro de valores composto por tudo aquilo em que nós investimos nossas vidas, esforços, tempo e finanças. O que realmente tem valor para nós é aquilo em que investimos. • Existe uma lacuna entre os valores intelectuais ou da cabeça e os valores do coração ou da personalidade. O primeiro é expressado por aquilo que nós dizemos, enquanto que o último é expressado por aquilo que nós fazemos. Do coração procede as saídas da vida.
  19. 19. 4. Nossa cosmovisão COMO NÓS VEMOS? Esta pergunta é fundamental para as três últimas questões acima. Com que lentes nós vemos o mundo ao redor de nós? Nós queremos saber como podemos determinar se o nosso conhecimento é verdadeiro ou não. Esta é a pergunta da Epistemologia. Mas como cristãos, cremos que Deus já tem revelado a verdade para nós. Jesus enfatiza que Ele é a verdade (Jo.14:16). As respostas para todas estas questões da vida e como vivê-la são vistas na revelação de Deus, na sua Palavra e de seu filho Jesus.
  20. 20. Portanto, este é o Prumo de Deus: A verdade que Ele revelou acerca dele mesmo na Sua Palavra: suas leis, seus princípios, seus caminhos, seu caráter, seus preceitos, e sua Palavra encarnada: Jesus. João 1 Ao movermos nossa vida para voltar ao Prumo de Deus, nós iniciamos a empolgante aventura de descobrir “quem estamos sendo”.
  21. 21. II. Modelos de Autoridade Modelo de autoridade são aquelas pessoas que desempenharam um papel de forte influência sobre nossas vidas. Obviamente que o comportamento destas pessoas afetaram decisivamente nossas escolhas e valores. • Uma carga de rejeição procedente de um modelo de autoridade tem um grande poder de influência. •Ao lidarmos com traumas do passado, experiências do passado e ensinos do passado é fundamental fazer menção dos modelos de autoridade. •Uma rejeição ou decepção proveniente de uma pessoa de confiança, que muito valorizamos, tem um impacto muito maior que de uma pessoa que pouco conhecemos e que não tem um grande significado para nós.
  22. 22. Uma figura que nos ajuda a compreender bem o papel de um modelo de autoridade são os profetas que guiavam Israel. Um profeta verdadeiro trazia restauração e libertação para o povo enquanto os falsos profetas punham a nação debaixo do julgamento divino. Isto também ilustra, como podemos ver ao lado, alguém em pé atrás de uma “frágil parede de medo” que ele erigiu para se auto- proteger. Esta pessoa tem aparentemente experimentado um trauma interior e não quer ficar mais vulnerável. Entretanto, como ele vive escondido atrás da parede, ele se encontra incapaz de apreciar amizades afetuosas e está frequentemente sozinho. Ele pode até mesmo enfrentar períodos de profunda depressão, assim como viver numa plataforma de ressentimento, amargura e até mesmo ódio para com aqueles que o ofenderam.
  23. 23. COMO ESTAS PESSOAS APRENDERAM A CONSTRUIR ESTAS PAREDES TORTAS? Quem mostrou a elas que precisam delas e como usar tijolos de qualidades negativas para construí-las? A resposta está nos nossos modelos de autoridade. TIPOS DE FALSOS PROFETAS: • Pais • Professores • Pastores • Igreja • Companheiros • Governo • Mídia • Coração
  24. 24. TEMPESTADES O que acontece quando fazemos da nossa personalidade muros de auto-proteção? Em Mt 7:24-27, Jesus descreve a tempestade que prova a edificação da nossa personalidade. O que acontece se ele ouve o Evangelho e se torna um cristão? Isso significa que tudo se transforma e a parede é dissipada? Não necessariamente. Isto significa que a luz vem e pela primeira vez ele começa a ver a si mesmo atrás da parede. Sua primeira resposta natural é clamar a Deus por socorro, mas se ele persiste em oração a tempestade vem para nos libertar das nossas barreiras! O que você colheu de vida e verdade da sua última tempestade? Você entendeu a mensagem trazida pela tempestade no sentido de causar uma mudança na sua vida ou será necessário uma nova tempestade para isso? Você se quebrantou abandonando o orgulho e a hipocrisia ou endureceu mais ainda seu coração? Quando a poeira começa a abaixar, nós vemos uma das duas coisas: Ou um punho agitado contra Deus seguido de acusações de injustiça, infidelidade, deslealdade e falta de amor ou nós vemos uma cabeça curvada com lágrimas pela face vindas de um coração quebrantado e contrito que o Senhor disse que nunca desprezaria.
  25. 25. O ENGANADOR SUPREMO De todos os falsos profetas, nenhum é tão astuto e enganoso como Lúcifer. Nas Escrituras ele é continuamente descrito como uma serpente. • Nesse texto de Amós nós vemos que o leão e o urso significam nossos inimigos exteriores, enquanto que a cobra na parede representa um inimigo interior nos atacando através da nossa personalidade. • Am.5:19 ilustra a estratégia de Lúcifer nas paredes da nossa personalidade na tentativa de nos privar da nossa herança em vida.
  26. 26. Algumas personalidades se tornam cercada por tijolos e a pessoa dentro não passa de um prisioneiro atrás das paredes do seu coração como ilustrado na figura. Para muitos cristãos esta é uma trágica verdade: “Encontrei meu principal inimigo: eu mesmo!” A cada reação negativa que temos, um tijolo vai sendo adicionado à nossa parede. É possível nós estarmos tão traumatizados emocionalmente em uma área de nossas vidas, que determinamos que ninguém terá oportunidade de nos ferir novamente. Esta parede pode proporcionar algum grau de proteção, mas ao mesmo tempo ela tranca parte de nossa personalidade afetando a nossa habilidade para amar, para confiar e para formar relacionamentos significativos.
  27. 27. REAÇÕES QUANDO O MODELO DE AUTORIDADE FALHA REAÇÃO INFANTIL SINTOMA SOCIAL 1. Ira Crime 2. Negar o problema e fantasiar a vida Desordens na personalidade 3. Tentativa de reunião Possessividade 4. Culpa ● Interiorizada: Depressão ● Exteriorizada: Delinquência 5. Medo Neuroses 6. Conduta impulsiva Desordens psicossomáticas 7. Regressão (se retirar) Psicoses
  28. 28. 1. IRA A criança primeiro se sente ferida por causa da separação. Ela pode suprimir e interiorizar ou exteriorizar sua ferida em ira. Interiorizando a ira, ela predispõe-se grandemente a males emocionais, enquanto que exteriorizando ela pode ser levada a males sociais. Um temperamento iracundo logo cedo na infância pode ser substituído por episódios de crime e violência na vida mais tarde.
  29. 29. 2. NEGAR O PROBLEMA E FANTASIAR A VIDA Isto também acontece, quando a dor da separação se torna intolerável. A criança, então, nega a separação, fantasiando conversas e encontros com seu pai. A criança vai se tornando cada vez mais introvertida, e a partir do momento em que a dor da separação se torna intolerante, ela começa a negar a dura realidade que vive em relação a rejeição que está sofrendo. A partir do momento em que ela então foge da situação começa também a fantasiar uma “realidade” própria na qual ela se realizaria.
  30. 30. 3. TENTATIVA DE REUNIÃO • Vez após vez, como um disco arranhado, as crianças importunavam a mãe em relação à volta do pai. A despeito de quantas vezes a mãe explicasse a data da volta do pai, a criança começaria tudo de novo. Finalmente a resistência da mãe simplesmente desmoronava levando-a a uma frustração muito grande. • Tais constantes tentativas de reunião são devidas à ausência do importante relacionamento pai-filho. Sentindo esta falta, aquelas crianças poderiam viver fora da sua realidade nos relacionamentos futuros na fase adulta por cobiçar o que estes relacionamentos proporcionariam. • Como cresceram e continuaram a lutar na tentativa de reunião, suas personalidades podem ser distorcidas pela possessividade: “A esperança demorada faz adoecer o coração”.
  31. 31. 4. CULPA A criança não entende a necessidade da ausência do pai. Ela tem o conceito de que o pai é perfeito, e portanto, transfere toda a imperfeição para si mesma. Ela não consegue formular que o pai foi trabalhar e se culpa pela ausência do pai. Culpa Rebelião Castigo CICLO DA DELINQUÊNCIA A rebelião é um grito de socorro para uma falsa culpa, é a maneira de pedir castigo para aliviar a consciência. Com isso, a criança é induzida pela culpa ao masoquismo e delinquência. Culpa interiorizada = DEPRESSÃO Culpa exteriorizada = DELINQUÊNCIA
  32. 32. 5. MEDO (de ser abandonado) Estas crianças tornaram-se chatas e molestadoras, o que fazia com que fossem mais rejeitadas ainda. Com isso, elas caíram num ciclo vicioso que leva a muitos “outros tipos de medo” e a uma “personalidade marcada por ansiedade” e neuroses. Algumas crianças de pais ausentes evidenciaram medo, agarrando-se possessivamente às suas mães. Para elas a mãe era o último elemento de segurança restante, o qual elas nunca queriam perder de vista. O que estava motivando a possessividade aqui era um medo dominante de ser abandonado, rejeitado também pela mãe. Medo (de ser abandonado) Possessividade Rejeição CICLO DA AVERSÃO
  33. 33. 6. CONDUTA IMPULSIVA • A pessoa assume um comportamento compulsivo (devido ao forte estado de tensão emocional em relação a não ser aceito), o que motiva uma personalidade iracunda, um gênio indomável, atitudes precipitadas e emoções extremas. • Conduta impulsiva pode ser definida como um reação de nossos corpos como resultado de estarmos alimentando interiormente um stress não resolvido, e isto numa ação contínua. Estas reações de impulso que indicam FUGA DE FORTES REJEIÇÕES, tem como consequência as doenças psicossomáticas, que constituem 80% (em média) das doenças que as pessoas normalmente tem: dores de cabeça, dor de pescoço, problemas digestivos, etc. É mais importante saber que tipo de pessoa tem uma doença, do que saber que tipo de doença a pessoa tem.
  34. 34. 7. REGRESSÃO COMPORTAMENTAL (Se retirar) • Regressão foi observada no comportamento das crianças estudadas quando o trauma da separação foi tão grande que elas retiraram-se da participação ativa das funções mais importantes da vida, a saber: comer, brincar, se relacionar e demonstrar afeto. • Algumas crianças se retiraram para um canto e se enrolaram como uma bola assumindo posição fetal. A mensagem que elas estavam enviando era de profundo medo e inseguranças. Estas são pessoas que se sentem facilmente rejeitadas e fecham as portas para o mundo, se retiram inteiramente da realidade, se tornam solitárias. Isto leva a um distúrbio mental e a consequência é a psicose.
  35. 35. Disto nós podemos tirar a conclusão que conflitos não resolvidos no interior das crianças podem prender o adulto num padrão imaturo de comportamento. VOCÊ - AMOR = ZERO VOCÊ + CONCUPISCÊNCIA = ? Se nós avaliamos os sintomas sociais mostrados, nós podemos ver que os maiores desafios para o desenvolvimento social foram alistados. VOCÊ - AMOR = ? VOCÊ + CONCUPISCÊNCIA = ZERO
  36. 36. PRUMO DIVINO
  37. 37. Lado da Auto-rejeição Lado da Rebelião ModelodeAutoridade Diagrama das Muralhas EmoçõesEmoções Pensamentos EspíritoEspírito Prumo de Deus Resultado: Suicídio Resultado: Homicídio Tristeza Auto-piedade Ódio desi mesmo Depressão Apatia Inferioridade Insegurança Fracasso Culpa Fraco Morrendo Apagado Desanimado Desesperado Hostilidade Orgulho Sofisticação AltoseBaixos Superior Competitivo Dominante Rígido Manipulador Obstinado Nãoensinável Desiludido Amargurado Ressentido Crítico Controlador Possessivo Emoções Pensamentos Espírito
  38. 38. Manipulação e Manipuladores Manipulação pode ser definida como a tentativa de controlar pessoas e circunstâncias de maneira direta ou indireta: usar táticas para atrair amor para a sua pessoa desonestamente; qualquer técnica para controlar o outro e impor a nossa vontade. Segundo o dicionário, manipulação engloba estas três definições: • Traição (desleal) - esperando a chance para fazer uma armadilha. • Sedução - perigoso mas atrativo. • Perspicácia (penetrante) - é o desenvolvimento gradual que se estabelece antes de se tornar revelado. Tem um efeito gradual, mas cumulativo.
  39. 39. PONTOS COMUNS ENTRE OS MANIPULADORES: • SÃO EGOCÊNTRICOS • ESTÃO LUTANDO COM DÉFICITE DE AMOR • AUTO-DEFESA • VIVEM NUM ESTADO CONTÍNUO DE TENSÃO Diferenças entre o amor e a manipulação
  40. 40. Usa a força da sua personalidade para tomar controle da situação intimidando os outros. A mensagem que ele está dando é: Eu não sou amado tanto quanto você. “Não há amor no mundo para mim, estou sofrendo por causa disto, e você vai sofrer comigo.” Atitudes básicas: Agressividade, negativismo e crítica.
  41. 41. É um pouco mais difícil de ser identificado porque suas expressões de manipulação não são muito aparentes. Seu alvo não é controlar, é manter-se na defensiva. Ele joga como se fosse uma pessoa necessitada e frequentemente utiliza-se da auto-piedade na tentativa de vencer perdendo. A mensagem básica é: Por favor me ame. Eu farei tudo o que você quiser!
  42. 42. É um pouco mais versátil. A pessoa competitiva pode jogar colocando- se por baixo ou por cima dependendo do que a ocasião requer. Mais profissional em desenvolver a manipulação em sua personalidade, seu alvo é ganhar em qualquer posição. As outras pessoas são vistas como competidoras. A mensagem que ele está dando é : Eu sou o melhor. Você não tem chances comigo, mas me ame. Trabalhe muito para ser amado. “O nosso trabalho deve ser uma expressão de amor, e não um pedido de amor.”
  43. 43. É distinguido dos outros porque ele não gosta dos que estão por cima e dos que estão por baixo. De fato, ele não gosta de pessoas, e está preparado a dizer que não se importa com o jogo das pessoas. Mas quando ele diz que não se importa o que realmente quer fazer é manipular e disfarçar a sua motivação enganando-se a si mesmo através de não reconhecer como ele realmente se sente. Este perfil negativo e apático é comum na sociedade de hoje. Suas mensagens são: Ninguém nem pode me amar. Eu desisto.
  44. 44. IV. Movimento pendular: A dinâmica da personalidade ATRÁS DAS NOSSAS PAREDES Agora nós iremos espreitar atrás das paredes para ver um dos mais malignos desenvolvimentos que é responsável pela sua cara feia, tanto na igreja quanto no mundo de hoje. “Não ameis o mundo, nem o que há no mundo. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele. Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não vem do Pai, mas sim do mundo. Ora, o mundo passa, e a sua concupiscência; mas aquele que faz a vontade de Deus, permanece para sempre”. (I Jo 2:15-17)
  45. 45. Concupiscência da carne
  46. 46. A soberba da vida
  47. 47. PASSOS PARA A RESTAURAÇÃO 1) Ter um bom diagnóstico da nossa personalidade. 2) Identificar as rejeições que nos traumatizaram, os modelos de autoridade que executaram estas rejeições, nossas escolhas erradas que se tornaram em falhas ou pecados crônicos em virtude disto. 3) Perdoar os modelos de autoridade que falharam conosco, nos responsabilizando por nossas escolhas pecaminosas. 4) Confissão de CULPAS e vergonhas. Deus quer chegar no ponto onde nós não queremos que ele e nem ninguém chegue nas nossas vidas. Este é o ponto da cura. 5) Perseverar na posição tomada (estar no lugar de permanência em Cristo), desenvolvendo uma vida aparente com Deus e com as pessoas.

×