PROEJA-FIC - Vulnerabilidade Social - EMEF Arthur O. Jochins - Canoas-RS

2.823 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.823
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.811
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

PROEJA-FIC - Vulnerabilidade Social - EMEF Arthur O. Jochins - Canoas-RS

  1. 1. Vulnerabilidade social Angela Fabiana da Silveira Gomes (Org.) Cinara Regina Silva de Mattos Iraci Bortolon Loiva Vargas de Quadros Neida de Oliveira Gonçalves Roseli Maria Schenato Suzete Casa Nova Moreira E.M.E.F. ARTHUR OSCAR JOCHIMS CANOAS/RS
  2. 2. OBJETO DE PESQUISA <ul><li>Alunos Proeja Fic da EMEF Arthur Oscar Jochims do Município de Canoas/RS: </li></ul><ul><li>Os que permaneceram na escola; </li></ul><ul><li>Os que evadiram; </li></ul><ul><li>E os “turistas”; </li></ul>
  3. 3. CARACTERIZAÇÃO DOS ESPAÇOS E SUJEITO <ul><li>A Escola localiza-se no quadrante nordeste do Município de Canoas/RS, sendo três turmas do Programa de Educação de Jovens e Adultos Formação Continuada(PROEJA FIC) : </li></ul><ul><li>Administração; </li></ul><ul><li>Economia Solidária; </li></ul><ul><li>Informática </li></ul>
  4. 4. PROBLEMA CENTRAL <ul><li>Quais são os fatores marcantes que </li></ul><ul><li>acentuam a vulnerabilidade social e a </li></ul><ul><li>evasão dos alunos do PROEJAFIC? </li></ul>
  5. 5. OBJETIVOS <ul><li>Perceber as dificuldades que este aluno tem para se incluir no curso mediante um parâmetro de pesquisa e acompanhamento. </li></ul><ul><li>Buscar formas de manter estes alunos dentro da Escola (verificar ações). </li></ul><ul><li>Qualificar a metodologia do ensino x aprendizagem com atividades lúdicas nas diferentes linguagens. </li></ul><ul><li>Romper com as dificuldades de acesso oferecendo formas para que ele busque inserção social. </li></ul><ul><li>Pesquisar diferentes percepções deste aluno, bem como sua realidade e vivência. </li></ul>
  6. 6. METODOLOGIA <ul><li>O instrumento de pesquisa foi qualitativa e quantitativa. </li></ul><ul><li>Em março aplicou-se o 1º instrumento (entrevista/questionário) </li></ul><ul><li>Em setembro o Instrumento 02, entrevista semi-estruturada, onde se combinou perguntas abertas e fechadas seguindo um conjunto de questões definidas abrangendo os três grupos de alunos: freqüentes, infreqüentes, “turistas”. </li></ul>
  7. 7. JUSTIFICAÇÃO TEÓRICA E SOCIAL DA PESQUISA <ul><li>A importância desta pesquisa, reside no fato de que ao conhecermos os aspectos da vulnerabilidade social que causam a crescente evasão, poderemos reavaliar as nossas metodologias possibilitando um novo olhar e uma alteração da realidade. </li></ul>
  8. 8. JUSTIFICAÇÃO PROFISSIONAL DA PESQUISA <ul><li>Com o desdobramento da pesquisa, acabou promovendo estudos e debates, onde ocorreu o aprofundamento. Visando encontrar alternativas viáveis para subsidiar as práticas, diante da realidade encontrada. </li></ul>
  9. 10. ANÁLISE DOS DADOS
  10. 11. RESIDEM COM:
  11. 12. RETORNA COM O APOIO DA FAMÍLIA
  12. 13. PAROU DE ESTUDAR:
  13. 14. ANÁLISE DOS DADOS <ul><li>  ENCAMINHAMENTOS - AÇÕES PRETENDIDAS PARA O PROSSEGUIMENTO DO TRABALHO </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Reformular as atividades desenvolvidas em sala de aula, visando o desenvolvimento da criticidade, o cooperativismo, a interpretação e execução de dados solicitados para a complementação dos conteúdos e atividades escolares; </li></ul><ul><li>Desenvolver a identidade do aluno, sua auto-imagem, no sentido de construir um projeto de vida que seja posterior ao encerramento deste programa; </li></ul><ul><li>Promover a interação das disciplinas (saberes), bem como das três turmas da escola; </li></ul><ul><li>Pesquisar a história da comunidade escolar, a fim de obter um diagnóstico; </li></ul><ul><li>Construir com o grupo (docente e discente), regras de convivência, possibilitando a valorização das relações; </li></ul><ul><li>Realizar atividades que envolvam a comunidade escolar, (ação solidária) favorecendo a relação de vínculo com a escola, oportunizando o educando a divulgar suas habilidades e competências no meio em que vive. </li></ul>
  14. 15. ATIVIDADES EM GRUPOS
  15. 16. FEIRA DO LIVRO -CANOAS
  16. 17. PARTICIPAÇÃO NO O.P DA CIDADE
  17. 18. BATE-PAPO COM GIBA A. BRASIL
  18. 19. PALESTRAS
  19. 21. MOMENTO CULTURAL
  20. 22. PRODUÇÕES
  21. 23. FESTA DE CONFRATERNIZAÇÃO
  22. 24. COOPERATIVISMO
  23. 25. CONSIDERAÇÕES FINAIS
  24. 28. EM SÍNTESE, PODE-SE APONTAR AS SEGUINTES QUESTÕES COMO ALTERNATIVAS PARA AMENIZAR A PROBLEMÁTICA LEVANTADA NESTE ARTIGO E COMO POSSÍVEIS ENCAMINHAMENTOS: <ul><li>Reformular as atividades desenvolvidas em sala de aula. </li></ul><ul><li>Desenvolver a identidade do aluno, sua auto-imagem, no sentido de construir um projeto de vida que seja posterior ao encerramento deste programa; </li></ul><ul><li>Promover a interação das disciplinas (saberes); </li></ul><ul><li>Pesquisar a história da comunidade escolar, a fim de obter um diagnóstico; </li></ul><ul><li>Valorizar das relações (respeito, cooperar, trabalho em equipe...) </li></ul><ul><li>Realizar atividades que envolvam a comunidade escolar, favorecendo a relação de vínculo com a escola. </li></ul>
  25. 29. <ul><li>É uma luta incansável entre o ato de educar e a evasão nas escolas públicas de todo o país. </li></ul><ul><li>A partir dessas sugestões podemos dizer que é possível, sim, remodelar os modos de aula, as acolhidas e os métodos de ensino, mas também é imprescindível que todos os outros setores da sociedade também se reformulem para que se tenha uma sociedade com suas engrenagens sincronizadas. </li></ul>
  26. 30. REFERENCIAL <ul><li>BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacional: Orientação Sexual. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/orientacao.pdf . Acesso em: 06 de junho de 2011. </li></ul><ul><li>CASTEL, Robert. A dinâmica dos processos de marginalização: da vulnerabilidade à “desfiliação” . Cadernos CRH, nº 26 e 27, pp. 19-40, 1997ª. http://www.webartigos.com/articles/66473/1/O-ESPACO-DA-VIOLENCIA-E-DA-SEGURANCA/pagina1.html COSTA, Ausenda; BAEZA, Jorge. Conhecer o aluno: condição necessária para uma reforma educativa de qualidade. Revista Iberoamericana de Educación (ISSN: 1681-5653). Disponível em: http://www.rieoei.org/deloslectores/906Costa.PDF . Acesso em: 06 de junho de 2011. </li></ul><ul><li>FOLHA DE SÃO PAULO: Evasão escolar e desemprego crescem entre jovens. São Paulo: 01/10/2006. </li></ul><ul><li>MEKSENAS, Paulo. Sociologia da Educação : Uma introdução ao estudo da escola no processo de transformação social . 2ª ed., São Paulo: Cortez, 1992. </li></ul><ul><li>PICAWY, M. M.; WANDSCHEER, M. S. X. in SCHEIBEL, M. F.; LEHENBAUER, S. (ORG). Reflexões sobre educação de jovens e adultos – EJA . Porto Alegre: PALLOTTI, 2006. </li></ul><ul><li>SANTOS, Ivonete Maciel Sacramento dos; FERREIRA, Magali Santos; FERNANDES, Marta Quadros. Juventude, cultura, vulnerabilidade e políticas públicas. Disponível em: h ttp://artigos.netsaber.com.br/resumo_artigo_4312/artigo_sobre_juventude,_cultura,_vulnerabilidade_e_politicas_publicas. Acesso em: 10 de junho de 2011. </li></ul><ul><li>SASSAKI, Romeu Kazumi. Inclusão: Construindo uma sociedade para todos. Rio deJaneiro, WVA, 1997. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>  </li></ul>

×