Mídia como moderadora do corpo
feminino: uma reflexão sobre corpo e
feminilidade.

Nathani Mirella Valvazori dos Reis
Ling...
“No corpo estão inscritas todas as regras, todas
as normas e todos os valores de uma sociedade
específica, por ser ele o m...
Conceitos:
“Corpo moderno, perde o caráter uno, dividindose em dois - matérias física e a parte abstrata
representada pela...
O corpo feminino utópico se cria a partir do
discurso produzido pela sociedade, de fato, ao
tratar deste corpo instituído ...
“Mesmo o corpo que se constrói na resistência
tem a norma como referente” (BRAGA, 2003)
A apresentação do corpo nas mídias é
fragmentada. Na capa de uma revista de moda,
por exemplo, estão dispostos os ícones d...
“O corpo feminino é tematizado constantemente
na imprensa feminina, através da proposição de
ações sobre a geografia do pr...
Até a chegada de uma mulher a uma capa de
uma revista existe uma pasteurização, onde são
adaptados a este suporte corpo os...
O corpo fragmentado é composto de signos que
produzem sentido que dão identidade ao sujeito
(as marcas de sua história com...
Essa feminilidade precisa ser afirmada para
estabelecer a relação do desejo por sobre a
imagem da mulher construída durant...
O que se percebe ao observar a necessidade de
pasteurização e a introdução dos signos
instituídos femininos a modelo que e...
“Na medida em que este processo midiático
colabora e reforça matrizes culturais já existentes,
articulo este fenômeno disc...
Bibliografia:
DAOLIO, Jocimar. Da Cultura do corpo.
Campinas: Papirus, 1995. 1999. p39

BRAGA, Adriana. Corporeidade Disc...
Mídia e corpo
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Mídia e corpo

812 visualizações

Publicada em

Trabalho sobre Mídia e corpo

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
812
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
33
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
25
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Mídia e corpo

  1. 1. Mídia como moderadora do corpo feminino: uma reflexão sobre corpo e feminilidade. Nathani Mirella Valvazori dos Reis Linguagem e Comunicação Prof. Orientador: Fábio Messa PIBID MídiaEducação nas escolas do litoral do PR
  2. 2. “No corpo estão inscritas todas as regras, todas as normas e todos os valores de uma sociedade específica, por ser ele o meio de contato primário do indivíduo com o ambiente que o cerca” (DAOLIO, 1995)
  3. 3. Conceitos: “Corpo moderno, perde o caráter uno, dividindose em dois - matérias física e a parte abstrata representada pela alma” (ROSÁRIO);  “Corpo pós-moderno é a própria fragmentação, parte-se em pedaços, divide-se e adquire sentido” (ROSÁRIO). 
  4. 4. O corpo feminino utópico se cria a partir do discurso produzido pela sociedade, de fato, ao tratar deste corpo instituído ideal, tratamos de um objeto que existe apenas no discurso. Sua representação se dá a partir de recortes que impõem sua modelagem para fora do simbólico no qual se encontra.
  5. 5. “Mesmo o corpo que se constrói na resistência tem a norma como referente” (BRAGA, 2003)
  6. 6. A apresentação do corpo nas mídias é fragmentada. Na capa de uma revista de moda, por exemplo, estão dispostos os ícones de maneira separada, cada box trata de uma tema (ou parte) quando apresenta a leitora o corpo discursivo e sua construção.
  7. 7. “O corpo feminino é tematizado constantemente na imprensa feminina, através da proposição de ações sobre a geografia do próprio corpo, corpo este criado pela narrativa midiática, modificando seus contornos, alterando suas cores, etc., tornando-o objeto passível de melhoramento, que visa otimizar sua performance como instrumento de ação social” (BRAGA,2003)
  8. 8. Até a chegada de uma mulher a uma capa de uma revista existe uma pasteurização, onde são adaptados a este suporte corpo os signos que ressaltam a feminilidade que tornam a determinada mulher desejada aos olhos do discurso da sociedade.
  9. 9. O corpo fragmentado é composto de signos que produzem sentido que dão identidade ao sujeito (as marcas de sua história como indivíduo) saídas de seu contexto privado e expostas a sociedade que o reconhece pela composição de seus signos em seu corpo.
  10. 10. Essa feminilidade precisa ser afirmada para estabelecer a relação do desejo por sobre a imagem da mulher construída durante a produção da capa de revista, pois o corpo por si só não configura o ideal pleno da instituição de feminilidade que se impõe a mulher, na imagem da capa contém a união dos signos que se encontram separados e as afirmações através dos discursos paralelos de construção do gênero.
  11. 11. O que se percebe ao observar a necessidade de pasteurização e a introdução dos signos instituídos femininos a modelo que estará na capa, é que o que se vende na verdade não é o corpo, e sim, a feminilidade que trás consigo seu discurso de desejo.
  12. 12. “Na medida em que este processo midiático colabora e reforça matrizes culturais já existentes, articulo este fenômeno discursivo à problemática mais geral da definição dos papéis sociais de gênero em nossa sociedade” (BRAGA, 2003)
  13. 13. Bibliografia: DAOLIO, Jocimar. Da Cultura do corpo. Campinas: Papirus, 1995. 1999. p39  BRAGA, Adriana. Corporeidade Discursiva na Imprensa Feminina: um estudo de editoriais. p1, p3.  NATANSOHN, Graciela. O corpo feminino como objeto médico e mediático.  ROSÁRIO, Nísia Martins do. Corpo em tempos de pós-modernidade: semiose ilimitada. 

×