PROLIT – LITERATURA NORTE AMERICANA E BRASILEIRA / TRADUÇÃODE POESIA (elementos semânticos e formais) Leitura / intertextu...
"Pérolas para Cummings"quemotivoolevouaviverjogandopérolasparapoocosdisponível em: < http://www.gvsu.edu/english/cummings/...
Para ler e refletir sozinho.Texto de Augusto de Campos sobre a atitude de recusa do poeta frente àsociedade e, em alguns c...
agenciados pelo poeta, certos de que só assim estariam sendo fiéis ao espíritodesse extraordinário criador. De fato, em to...
Tarefa de Casa: Pesquisar sobre cummings e trazer o texto que segue na 2ªaula:PESQUISE MAIS E CONHEÇA MELHOR:
Projeto PROLIT idealizado e orientado pela Prof.ª Dr.ª Cielo Festino, vinculado à disciplina de APS eao projeto, de suport...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Plano de aula aluno

393 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
393
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Plano de aula aluno

  1. 1. PROLIT – LITERATURA NORTE AMERICANA E BRASILEIRA / TRADUÇÃODE POESIA (elementos semânticos e formais) Leitura / intertextualidade / interpretação / teoria brasileira da tradução – a partir de Augusto de Campos. Material completo para pesquisa no blog: http://eecummingsbioflashes.blogspot.com.br/p/aula-i-de-campos-tradutor.htmlAula 1:Texto 1 (forma 1) – Poesia de Augusto de Campos – (visual):POEMA DE AUGUSTO DE CAMPOS EM HOMENAGEM AOCENTENÁRIO DE E. E. CUMMINGS EM 1994: "Pérolas para Cummings"Texto 1 (forma 2) – Poesia de Augusto de Campos – (verbal / organizaçãoespacial fragmentada, mas sem outros recursos visuais):
  2. 2. "Pérolas para Cummings"quemotivoolevouaviverjogandopérolasparapoocosdisponível em: < http://www.gvsu.edu/english/cummings/perolas.htm > Acesso em: 21 Abril2012.Breve apresentação do Poeta Augusto de Campos(release fornecida pelo próprio poeta)Augusto de Campos, poeta, ensaísta e tradutor, foi um dos criadores dapoesia concreta. Sua obra poética está parcialmente coligida nos livros VivaVaia (1979) e Despoesia (1994). Crítico de poesia e de música, participa deatividades relacionadas com as novas mídias, apresentando seus poemas empainéis eletrônicos, holografias, projeções em laser, animaçõescomputadorizadas e eventos multidisciplinares. Parte de seu projeto Poesia ÉRisco está no site:http://www.uol.com.br/augustodecampos/audio.htm.Mais informações no blog:http://eecummingsbioflashes.blogspot.com.br/p/aula-i-de-campos-tradutor.htmlComo vcs lêem o texto?o que vcs entenderam do texto?
  3. 3. Para ler e refletir sozinho.Texto de Augusto de Campos sobre a atitude de recusa do poeta frente àsociedade e, em alguns casos, aos recursos formais da linguagem: “Não há concessões. Não há apelações. A poesia requer de nós algum instintorevolucionário, sem o qual ela não tem sentido. Os textos escolhidosmanifestam, implícita ou explicitamente, formas de desacordo com a sociedadeou com a vida, capazes – eu suponho – de despertar esse ímpetorevolucionário nos leitores e fazer com que as suas vivências se enriqueçamcom a sofrida experiência da recusa poética”CAMPOS, A. Poesia da Recusa. São Paulo; SP, perspectiva, 20063 - TEORIA DA TRADUÇÃO “Sem forma revolucionária não há arte revolucionária” MaiakóvskiPara ler e refletir sozinho.a) Concepção da tradução enquanto co-criação, recriação, releitura cultural. Otexto traduzido necessita reproduzir os elementos formais que causam oestranhamento responsável pela construção de sentido da poesia por parte doleitor. A tradução literal, preocupada apenas com a correspondência conceitualsemântica dos textos, segundo os autores Augusto, Haroldo e Guilherme deAlmeida, não é totalmente fiel ao texto original, pois, segundo eles, a poesia é,sim, plano do conteúdo, mas, essencialmente, plano da expressão.b) Reprodução de trecho de Haroldo de Campos por ocasião da 2 edição dolivro Maiakóvski poemas, traduzido por ele mesmo em colaboração com oirmão Augusto de Campos e o escritor e tradutor Boris Schnaiderman pelaeditora perspectiva:Ao contrário daqueles tradutores "medianeiros" que consideram impossível atransposição dos aspectos técnicos da poesia maiakovskiana, sobretudo desua intricada tessitura sonora, onde se destacavam a variedade e a mobilidadedo rimário imprevisto, os responsáveis por essa antologia adotaram aorientação de verter para o português não apenas os elementos comumentechamados "conteudísticos" ("temáticos") mas, inclusive, de transcriar o texto nasua materialidade mesma, com a preservação dos elementos formais
  4. 4. agenciados pelo poeta, certos de que só assim estariam sendo fiéis ao espíritodesse extraordinário criador. De fato, em todo poema realizado, forma econteúdo se estruturam numa unidade indecomponível, a unidade dainformação estética, na qual o estrato semântico é inseparável dos signos quea corporificam e a transmitem. CAMPOS, A.; SHNAIDERMAN, B.; CAMPOS, H. Maiakóvski: Poemas. 8 ed. São Paulo: Perspectiva, 2011.E, Augusto de Campos procurando explicar, a lógica antropofágica datradução:c) Assim como há gente que tem medo do novo, há gente que tem medo doantigo. Eu defenderia até a morte o novo por causa do antigo e até a vida oantigo por causa do novo. O que preciso é saber dicerni-lo no meio dasvelhacas velharias que nos impingiram durante muito tempo.Arnaut Daniel, João Airas de Santiago, Hohn Donne, Marino Corbière ouHopkins, Gregório de Matos ou Sousândrade ou Kilkerry, num sentido maislargo, não são menos noVos que Joyce ou Pound ou Oswald ou Pignatari. Sãoirmãos no tempo, irmãos e mais próximos que a diluente maioria dos literattique nos cercam. Como não amá-los? Meu amor vegetal crescendo vasto.Lendo junto:Professor: “Com uma tal falta de gente coexistível, como há hoje, quepode um homem de sensibilidade fazer senão inventar os seus amigos,ou quando menos, os seus companheiros de espírito?”(FernandoPessoa).Alunos: A minha maneira de amá-los é traduzi-los. Ou degluti-los,segundo a Lei Antropofágica de Oswald de Andrade: só me interessa oque não é meu. Tradução para mim é persona. Quase heterônimo. Entrardentro da pele do fingidor para refingir tudo de novo, dor por dor, sompor som, cor por cor. Por isso nunca me propus traduzir tudo. Só aquiloque sinto. Só aquilo que minto. Ou que minto que sinto, como diria, aindamais uma vez, Pessoa em sua própria persona. CAMPOS, A. Verso Reverso Controverso. 2 ed. São Paulo: Perspectiva, 1998
  5. 5. Tarefa de Casa: Pesquisar sobre cummings e trazer o texto que segue na 2ªaula:PESQUISE MAIS E CONHEÇA MELHOR:
  6. 6. Projeto PROLIT idealizado e orientado pela Prof.ª Dr.ª Cielo Festino, vinculado à disciplina de APS eao projeto, de suporte online, ENSINAR E APRENDER COM GÊNEROS da Prof.ª Dr.ª Joana Ormundo.Grupo intraduções: Alessandra Cantero, Fernando Ribeiro, Maria das Dores Ricardo, RodrigoRezende, Ryo Segawa e Sandra Severo – 5° semestre. Para ler e pesquisar sozinho: POESIA CONCRETA: http://www.poesiaconcreta.com/ http://www.poesiaconcreta.com/poetas.php Manifesto da poesia concreta: http://www.mariosantiago.net/Textos%20em%20PDF/Manifesto%20Concretista.pdf MÚSICA ERUDITA CONTEMPORÂNEA: http://www.marcelomelloweb.kinghost.net/mmtecnico_musicabr_10.pdf http://johncage.org/ http://educacao.uol.com.br/biografias/john-cage.jhtm http://www.rem.ufpr.br/_REM/REMv7/Campos/Violentado.html http://seer.fclar.unesp.br/casa/article/view/4721/4021 ENTREVISTAS COM AUGUSTO DE CAMPOS http://estadao.br.msn.com/ultimas-noticias/artigo.aspx?cp-documentid=25808715 http://www.elsonfroes.com.br/acampos.htm http://www.unicamp.br/unicamp/unicamp_hoje/ju/novembro2008/ju417_pag05.php http://www.cronopios.com.br/tvcronopios/conteudo.asp?id=39 http://pphp.uol.com.br/tropico/html/textos/1275,1.shl

×