Universidade Federal da Paraíba - UFPB
Letras Virtual
Disciplina: Teoria Literária I
Antologia de Poesia
Brasileira
Contem...
1
Todas as coisas
do mundo não
cabem numa
ideia. Mas tu-
do cabe numa
palavra, nesta
palavra tudo.
Arnaldo Antunes
2
Economia política
(Glauco Mattoso)
Spik(sic)tupinik
(Glauco Mattoso)
Rebel without a cause, vômito do mito
da nova nova ...
3
O quê
(Arnaldo Antunes)
Que não é o que não pode ser que
Não é o que não pode
Ser que não é
O que não pode ser que não
É...
4
Não há sol
(Arnaldo Antunes)
não
há sol
a sós
Kipling revisitado
(José Paulo Paes)
se etc
se etc
se etc
se etc
se etc
se...
5
Se
(Rudyard Kipling – Trad. Guilherme de Almeida)
Se és capaz de manter tua calma, quando,
todo mundo ao redor já a perd...
6
POESIA E PORRADA
(Frederico Barbosa)
DE TANTO TOMAR PORRADA
PEDRADA CUSPE TAPÃO
ENGOLIR SAPOS
COBRAS E LAGARTOS
MASCAR R...
7
E AGORA QUE IMPERA O CHATO
O GESTO ECO
O VERSINHO PRÉ-PARNASO
O CORRETO DITO CERTO
PÉ NO GESSO
REGRADO
PÉ NO SACO
DISPEN...
8
sem título
(Paulo Leminski)
o paulo leminski
é um cachorro louco
que deve ser morto
a pau a pedra
a fogo a pique
senão é...
9
Soneto do brio passageiro
(Glauco Mattoso)
Às vezes, o ceguinho me ameaça:
“Bandido! Vai ver só! Peço socorro
e acaba es...
10
o ninho do mendigo
(Paulo de Toledo)
o choro vem do fundo do lixo
dentro da lata de leite ninho
chamar de bicho seria u...
11
Vasto mundo
(Marco Lucchesi)
Ah mundo
vasto
que se devasta
e se condensa
de sonho
a sonho
Como quem lê
(Frederico Barbo...
12
sem título
(Millôr Fernandes)
Passeio aflito;
Tantos amigos
Já granito
sem título
(Millôr Fernandes)
Espantalho:
Juvent...
13
sem título
(Paulo Leminski)
eu
quando olho nos olhos
sei quando uma pessoa
está por dentro
ou está por fora
quem está p...
14
sem título
(Paulo Leminski)
Amor, então,
também, acaba?
Não, que eu saiba.
O que eu sei
é que se transforma
numa matéri...
15
motel orgatel
(Affonso Ávila)
amor humor não, oswald
amor marketing
sem título
(Edgard Braga)
pai nosso
nosso pão
osso ...
16
Pavão
(Marco Lucchesi)
traz em seu porte
o lume
baço
das estrelas
e os sonhos
dúbios de Satã
(de tão subido
paraíso
ess...
17
andorinha, andorinha
(Sérgio Castro Pinto)
A Maria Carolina, filha caçula
a andorinha anda
breve e mínima,
tão confusa ...
18
Angústia de um computador
(Antônio Mariano)
Por algum tempo pensei
que a língua fosse o mundo
e as ideias, pessoas.
Esp...
19
estribilho
(Lau Siqueira)
sempre tranquilo
na hora da morte
direi
licença
vou dar um cochilo
aos predadores da utopia
(...
20
16 haicais de Saulo Mendonça
Por trás da retina...
essa menina
dos meus olhos!
Seca do sertão:
o boi muge
no pasto que ...
21
Relógio de meu pai.
Na parede, inerte,
fala-me de todas as horas.
Praia do Jacaré:
O sol cansado, deitou-se
E adormeceu...
22
Sol Syl
(Frederico Barbosa)
sorriso sem cor sorriso em sim sorriso em cor
aberto aberto ao certo
manha de mar manha de ...
23
Rosa da palavra
Puro silêncio, nosso pai.
Meio a meio o rio ri
Por entre as árvores da vida
O rio riu, ri
Por sob a ris...
24
Escura a rua
(Paulo Leminski)
escura a rua
escuro
meu duro desejo
duro
feito dura
essa dura
donde
o poema
uma
esp
uma
d...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Antologia minicurso ead_amador_fev._2011

239 visualizações

Publicada em

MINICURSO DE POESIA

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
239
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Antologia minicurso ead_amador_fev._2011

  1. 1. Universidade Federal da Paraíba - UFPB Letras Virtual Disciplina: Teoria Literária I Antologia de Poesia Brasileira Contemporânea Amador Ribeiro Neto (organizador) Fevereiro 2011
  2. 2. 1 Todas as coisas do mundo não cabem numa ideia. Mas tu- do cabe numa palavra, nesta palavra tudo. Arnaldo Antunes
  3. 3. 2 Economia política (Glauco Mattoso) Spik(sic)tupinik (Glauco Mattoso) Rebel without a cause, vômito do mito da nova nova nova nova geração, cuspo no prato e janto junto com palmito o baioque (o forrock, o rockixe),o rockão, Receito a seita de quem samba e roquenrola: Babo, Bob, pop, pipoca, cornflake; take a cocktail de coco com cocacola, de whisky e estricnina make a milkshake. Tem híbridos morfemas a língua que falo, meio nega-bacana, chiquita maluca; no rolo embananado me embolo, me embalo, soluço - hic - e desligo - clic - a cuca. Sou luxo, chulo e chic, caçula e cacique. I am a tupinik, eu falo em tupinik.
  4. 4. 3 O quê (Arnaldo Antunes) Que não é o que não pode ser que Não é o que não pode Ser que não é O que não pode ser que não É o que não Pode ser Que não É O que não pode ser que Não é o que não pode ser Que não é o que O que? O que? O que? Que não é o que não pode ser que não é
  5. 5. 4 Não há sol (Arnaldo Antunes) não há sol a sós Kipling revisitado (José Paulo Paes) se etc se etc se etc se etc se etc se etc se etc serás um teorema meu filho
  6. 6. 5 Se (Rudyard Kipling – Trad. Guilherme de Almeida) Se és capaz de manter tua calma, quando, todo mundo ao redor já a perdeu e te culpa. De crer em ti quando estão todos duvidando, e para esses no entanto achar uma desculpa. Se és capaz de esperar sem te desesperares, ou, enganado, não mentir ao mentiroso, Ou, sendo odiado, sempre ao ódio te esquivares, e não parecer bom demais, nem pretensioso. Se és capaz de pensar - sem que a isso só te atires, de sonhar - sem fazer dos sonhos teus senhores. Se, encontrando a Desgraça e o Triunfo, conseguires, tratar da mesma forma a esses dois impostores. Se és capaz de sofrer a dor de ver mudadas, em armadilhas as verdades que disseste E as coisas, por que deste a vida estraçalhadas, e refazê-las com o bem pouco que te reste. Se és capaz de arriscar numa única parada, tudo quanto ganhaste em toda a tua vida. E perder e, ao perder, sem nunca dizer nada, resignado, tornar ao ponto de partida. De forçar coração, nervos, músculos, tudo, a dar seja o que for que neles ainda existe. E a persistir assim quando, exausto, contudo, resta a vontade em ti, que ainda te ordena: Persiste! Se és capaz de, entre a plebe, não te corromperes, e, entre Reis, não perder a naturalidade. E de amigos, quer bons, quer maus, te defenderes, se a todos podes ser de alguma utilidade. Se és capaz de dar, segundo por segundo, ao minuto fatal todo valor e brilho. Tua é a Terra com tudo o que existe no mundo, e - o que ainda é muito mais - és um Homem, meu filho!
  7. 7. 6 POESIA E PORRADA (Frederico Barbosa) DE TANTO TOMAR PORRADA PEDRADA CUSPE TAPÃO ENGOLIR SAPOS COBRAS E LAGARTOS MASCAR RANCOR SACO ROTO DE PANCADAS EU INSULTO CALEI. E PETRIFIQUEI RECUSA MUDA FEITO COISA SÓ RES- SACA SÓ SONO SÓ RES- SENTIMENTO. MINHA POESIA NADA RALA QUE DE IRA SE IRRIGAVA SECOU ESQUECIDA E RARA. SÓ LIA E NADA IMPACTAVA. TÉDIO RECATO TÉDIO NOS VERSOS ALHEIOS. E EU REPETIA FALAS SAGRADAS ESTANTE ESTÉRIL MOTE METRALHA NO ESFORÇO DE RELEMBRR O INVERSO DO BOCEJO: “ESTOU FARTO DO LIRISMO COMEDIDO” “FERA PARA A BELEZA DISSO” “TE ESCREVO FEZES” “MAS AINDA NÃO É POESIA”
  8. 8. 7 E AGORA QUE IMPERA O CHATO O GESTO ECO O VERSINHO PRÉ-PARNASO O CORRETO DITO CERTO PÉ NO GESSO REGRADO PÉ NO SACO DISPENSO A POSE POLIDA E DISPARO PETARDOS INCERTAS PEDRAS CHUTES FERIDAS DE PÉ DESCALÇO ARRISCO SEM META OU METRO ESTIMADO. EU INSULTO REVOLTO O GESTO. SOLTO MINHA ROCHA EM VERSOS PEDRAS-DE-RAIO ESTRELAS CADENTES CHUVA DE METEOROS INDIGESTOS. PORRADAS, VINDE: VOLTEI.
  9. 9. 8 sem título (Paulo Leminski) o paulo leminski é um cachorro louco que deve ser morto a pau a pedra a fogo a pique senão é bem capaz o filhadaputa de fazer chover no nosso piquenique sem título (Paulo Leminski) não discuto com o destino o que pintar eu assino EPITÁFIO PARA UM BANQUEIRO (José Paulo Paes) n e g ó c i o e g o ó c i o c i o o refrão (Lau Siqueira) os ventos são algazarras do infinito em nossos cabelos gris... (bis)
  10. 10. 9 Soneto do brio passageiro (Glauco Mattoso) Às vezes, o ceguinho me ameaça: “Bandido! Vai ver só! Peço socorro e acaba essa mamata!” Mas eu morro de rir: “Pedir socorro! Tinha graça!”. Um tapa dou-lhe e obrigo que me faça. no ato, uma chupeta: “Seu cachorro! Engole! Sente o gosto!” O grosso jorro da porra enche-lhe a boca, e a raiva passa. Na hora de sair com minha mina, aviso: “Volto tarde. Enquanto isso você pensa no “irmão” que te domina!”. Eu saio e o cego admite que é submisso ao “mano”. Após cheirar minha botina, delira, aflito, e a língua entra em serviço. Masoquista (Glauco Mattoso) Político só quer nos ver morrendo na merda, ao deus-dará, sem voz, sem teto. Divertem-se inventando outro projeto de imposto que lhes renda um dividendo. São tão filhos da puta que só vendo, capazes de criar até decreto que obrigue o pobre, o cego, o analfabeto a dar mais do que vinha recebendo. Se a coisa continua nesse pé, acabo transformado no engraxate dum senador qualquer, dum zé mané. Vou ser levado, a menos que me mate, à torpe obrigação de amar chulé, lamber feito cachorro que não late.
  11. 11. 10 o ninho do mendigo (Paulo de Toledo) o choro vem do fundo do lixo dentro da lata de leite ninho chamar de bicho seria um luxo é isso aí (Paulo de Toledo) garrafa vazia de coca-cola light pós-moderno travesseiro de ar do mendigo dormindo seminu sob o poste sem luz globalizado (Paulo de Toledo) a tv o mendigo olha na tela o reflexo dele desculpem a nossa falha sem título (Arnaldo Antunes) Na noi te eu te mo eu te amo e te ch O te lefone do ho te l me -te me- do. Do escuro do negro do breu da voz da noite vem a tua voz. Nas estrelas eu tre- mo e me a ti ro a ti só a ti e a tu: do.
  12. 12. 11 Vasto mundo (Marco Lucchesi) Ah mundo vasto que se devasta e se condensa de sonho a sonho Como quem lê (Frederico Barbosa) Virar a chave, como quem lê uma página: abrir por dentro, libertar-se sendo. Como quem se envolve na personagem, lento. Descobrir o além do sonho, o impensado, o certo, o mais que imaginado. O que os olhos buscam cobrir no sonho. Ver em você, minha cara, minha cara interpretada: metade minha, metade clara.
  13. 13. 12 sem título (Millôr Fernandes) Passeio aflito; Tantos amigos Já granito sem título (Millôr Fernandes) Espantalho: Juventude demais No país grisalho. Pequena estética (Sebastião Uchoa Leite) eles dizem que se deve defender a vida é a mensagem deles mas a morte é tão metafórica e sexy é tesão certa sem título (Paulo Leminski) aqui nesta pedra alguém sentou olhando o mar o mar não parou pra ser olhado foi mar pra tudo quanto é lado
  14. 14. 13 sem título (Paulo Leminski) eu quando olho nos olhos sei quando uma pessoa está por dentro ou está por fora quem está por fora não segura um olhar que demora de dentro do meu centro este poema me olha Transpenumbra (Paulo Leminski) tempestade que passasse deixando intactas as pétalas você passou por mim as tuas asas abertas passou mas sinto ainda uma dor no ponto exato do corpo onde tua sombra tocou que raio de dor é essa que quanto mais dói mais sai sol?
  15. 15. 14 sem título (Paulo Leminski) Amor, então, também, acaba? Não, que eu saiba. O que eu sei é que se transforma numa matéria-prima que a vida se encarrega de transformar em raiva. Ou em rima. L' affaire Sardinha (José Paulo Paes) O bispo ensinou ao bugre Que pão não é pão, mas Deus Presente em eucaristia. E como um dia faltasse Pão ao bugre, ele comeu O bispo, eucaristicamente. exílio (José Carlos Capinan) Minha terra tem fogueiras Acesas na solidão (Um exilado de Pedras E cada vez mais distante Se acende no coração Gelada fogueira ausente Estrangeiro São João) Chet (José Carlos Capinan) Amor chato Amor ingrato Se vai com o Chet Esquece os gatos
  16. 16. 15 motel orgatel (Affonso Ávila) amor humor não, oswald amor marketing sem título (Edgard Braga) pai nosso nosso pão osso nosso pai pão nosso osso nosso nosso pai Sem título (Carlos Ávila) senha secreta o poema devora o poeta Sem título (Marco Lucchesi) Seu corpo Trama e destrama A forma imponderável que nos rege
  17. 17. 16 Pavão (Marco Lucchesi) traz em seu porte o lume baço das estrelas e os sonhos dúbios de Satã (de tão subido paraíso essa vontade imensa de cair) Jeans (Frederico Barbosa) A carne forçada sob a calça jeans quase explode querendo sair. O tecido vibra fibra a fibra trêmula grade implodido jardim Enquanto a carne flora pura implora em si o elefante (Sérgio de Castro Pinto) a cor de pólvora que não explode barril de pólvora mansa apesar do pavio da tromba
  18. 18. 17 andorinha, andorinha (Sérgio Castro Pinto) A Maria Carolina, filha caçula a andorinha anda breve e mínima, tão confusa e cheia de ser fusa ou semicolcheia na pauta dos fios de eletricidade, que já chilreia em alta voltagem. Vã filosofia... (Leila Míccolis) Falas muito de Marx, de divisão de tarefas, de trabalho de base, mas quando te levantas nem a cama fazes... Uma rosa, mais que uma rosa (Antônio Mariano) Uma rosa não era uma rosa. Batom extraviado de Gertrude Stein nos desjardins dos lábios?
  19. 19. 18 Angústia de um computador (Antônio Mariano) Por algum tempo pensei que a língua fosse o mundo e as ideias, pessoas. Esperava um contato. Não encontrei palavra. Esperava um verbo e encontrei solidão. Consolo (Antônio Mariano) olho Marina que é linda e me põe em alvoroço possuí-la eu não posso ah submarina sede não menos linda de torcer-lhe o pescoço candura (Lau Siqueira) preciso morrer de morte natural pra que ninguém possa supor de que bem é feito meu mal
  20. 20. 19 estribilho (Lau Siqueira) sempre tranquilo na hora da morte direi licença vou dar um cochilo aos predadores da utopia (Lau Siqueira) dentro de mim morreram muitos tigres os que ficaram no entanto são livres grafite (Lau Siqueira) morrer é quase um imprevisto morro sempre quando penso que não existo ? (Lau Siqueira) que luas são essas sob a tua blusa quem mais te viu poeta e musa
  21. 21. 20 16 haicais de Saulo Mendonça Por trás da retina... essa menina dos meus olhos! Seca do sertão: o boi muge no pasto que o tempo urge Copa do Mundo: O coração perde a forma Quando em bola se transforma. Rio de minha vida: no seu leito deito e rolo. Nua, deitada, lasciva Quase adormecida Estreia seu gemidos Seis badaladas. O sino dobrou a tarde: e a tarde virou noite. À tarde, no porto eles se amavam e ficavam a ver navios. Tarde em Tambaú. Restos de nuvens são bailados de andorinhas.
  22. 22. 21 Relógio de meu pai. Na parede, inerte, fala-me de todas as horas. Praia do Jacaré: O sol cansado, deitou-se E adormeceu nos braços-de-mar Vestido molhado colado nas coxas: rio perene. Tambaú. Uma estrela diz: “Vai, Carlos, ser” Carmen na vida. Pintassilgo no terraço cantando ao amanhecer. Meu relógio de parede Noite fria e escura. Na memória acendo o candeeiro de meu pai. Noite de primavera. Um fruto caiu no lago e amassou a lua. Estrelas no céu. Duas, juntinhas, piscam: amor antigo.
  23. 23. 22 Sol Syl (Frederico Barbosa) sorriso sem cor sorriso em sim sorriso em cor aberto aberto ao certo manha de mar manha de mar manha de mar ondas de sim ondas de cor ondas de sim ao certo ai certo inquieto cristalizar cristalizar cristalizar leve calor leve de mim leve calor inquieto inquieto deserto fibra no ar fibra no ar fibra no ar ardor em mim calor ardor ardor em mim deserto deserto repleto deste sonhar de se sonhar de te sonhar rio de sabor rio de sabor rio de sabor repleto aberto completo do teu olhar do teu olhar do teu olhar A terceira margem do rio (Caetano Veloso / Milton Nascimento) Oco de pau que diz: Eu sou madeira, beira Boa, da val, tristriz Risca certeira Meio a meio o rio ri Silencioso, sério Nosso pai não diz, diz: Risca terceira Água da palavra Água calada pura Água da palavra Água de rosa dura Proa da palavra Duro silêncio, nosso pai. Margem da palavra Entre as escuras duas Margens da palavra Clareira, luz madura
  24. 24. 23 Rosa da palavra Puro silêncio, nosso pai. Meio a meio o rio ri Por entre as árvores da vida O rio riu, ri Por sob a risca da canoa O riu viu, vi O que ninguém jamais olvida Ouvi, ouvi, ouvi A voz das águas Asa da palavra Asa parada agora Casa da palavra Onde o silêncio mora Brasa da palavra A hora clara, nosso pai Hora da palavra Quando não se diz nada Fora da palavra Quando mais dentro aflora Tora da palavra Rio, pau enorme, nosso pai. Dilata (Otto) Dilata, mulata, teus olhos dilata só não me delete do seu coração, de lata, mulata De lata, mulata, teus olhos dilata só não me delete do seu coração, de lata, mulata sandália de prata, vestido rodado, a melhor, aquela que cuida de mim. Dilata, mulata De lata, mulata Dilata, mulata Quero dirigir o meu próprio destino Quero amar essa mulher
  25. 25. 24 Escura a rua (Paulo Leminski) escura a rua escuro meu duro desejo duro feito dura essa dura donde o poema uma esp uma doendo ex pl ode

×