Bolero

1.596 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.596
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
62
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Bolero

  1. 1. O bolero é o ritmo musical adaptado da clássica balada às raízes afro-espanholas, que se desenvolveu em Cuba, Porto Rico, República Dominicana e México. O nascimento do gênero foi na cidade de Santiago de Cuba, em Cuba, provavelmente em 1885. É uma dança agradável e elegante com música romântica com letras sentimentais e por isso permanece até nossos dias.
  2. 2. Sua origem é discutida: uma versão diz que se surgiu na Inglaterra passando pela França e Espanha com nomes variados (dança e contradança); outra versão, diz que veio do fandango - dança espanhola de origem árabe - muito popular, desde o século XVII. Ao longo do tempo, Surgiram dezenas de grandes compositores e intérpretes latino-americanos como, por exemplo, Oswaldo Farrés e Gonzalo Roig (Cuba), Rafael Hernández e Pedro Flores (Porto Rico), Agustín Lara, María Grever e Consuelo Velasquez (México), Lucho Gatica (Chile), Mario Clavell e Gregorio Barrios (Argentina) e tantos outros.
  3. 3. Bolero em Cuba Trazido pelos espanhóis para suas colônias na America, ele foi se modificando pelas influencias locais e recebendo contribuições, em especial, de ritmos vindos da áfrica, assim como da “contradanza francesa”. Analisando a Cuba do século XIX e de fins do XVIII, detecta-se a atuante presença inglesa desde que barcos tomaram La Habana em 1972. Logo depois, no final do século XVIII, franceses e seus servidores negros e mulatos chegaram a Cuba, fugidos dos rebeldes haitianos, trazendo para a burguesia e a aristocracia cubana, a contradanza e a novidade do casal dançar entrelaçado, que gerou grande rebuliço na burguesia e aristocracia cubana,
  4. 4. fazendo com que o pais orientassem suas filhas a dançarem com os quadris afastados, somente a parte de cima teria contato, característica que hoje não se vê mais no bolero cubano, dançado com movimentos semelhantes aos da Rumba, porém mais lentos e com poucas variações, mas que ainda permanece em muitos dançarinos de Son e Salsa. Na década de 40 o bolero já havia se imposto em Cuba e nesta época destacaram vários compositores como Oswaldo Farrés, Bobby Collazo e Isolina Carrillo.
  5. 5. Bolero em Porto Rico O bolero porto-riquenho se diferencia por ser fundamentalmente descritivo/narrativo. Talvez Rafael Hernández e Pedro Flores, grandes compositores de Porto Rico, foram influenciados pelo estilo do aquinaldo, villancico e plena, três gêneros musicais porto-riquenhos que usavam frequentemente a narração e a descrição. Finalmente o bolero havia procurado usar uma linguagem culta para merecer a atenção da classe alta. Não é de estranhar então que o bolero também se aproprie de certos rasgos do estilo modernista. Isso se demonstra com um grupo de talentosos compositores porto-riquenhos que abriram essa tendência, enriquecendo o bolero com a técnica narrativo- descritiva.
  6. 6. Bolero no México No final do século XIX, através da península de Yacatán, chegou ao México um ritmo de dança chamado habanera e com ele a canção La paloma muito popular . A partir desta canção se desenvolveria a dança mexicana de cadência inconfundível e dela foi fácil passar ao ritmo de bolero. Na década de 20 aparece em cena o compositor mexicano Agustín Lara, cujas composições levará o bolero ao auge. Compõe cerca de 500 canções das quais se estima 162 foram boleros. Com eles estabeleceu a norma clássica do bolero, a qual consiste em 32 compassos divididos em duas partes, os primeiros 16 em tom menor e os outros 16 em tom maior. A mulher foi uma fonte de inspiração importantíssima em sua obra.
  7. 7. O desenvolvimento do bolero no México também foi impulsionado por influências estrangeiras, como o compositor porto-riquenho Rafael Hernández, que permaneceu neste país durante 16 anos em que compôs uma boa parte de sua obra musical, e também da visita do Trío los Panchos, no final dos anos 40, criadores de um estilo brilhante imitado por milhares de trios no mundo inteiro. O mais célebre bolero mexicano é Bésame mucho,composto por Consuelo Velásquez (1941), e interpretado por muitos cantores em vários paises.
  8. 8. Bolero no Brasil Curiosamente, só no Brasil, em especial no Rio de Janeiro, essa dança adquire uma estrutura mais complexa incorporando movimentos do Tango, como trocadilhos, esses, caminhadas, cruzados e giros, Nos demais estados, até o inicio da década de 90, restringia-se praticamente a base do “dois pra cá, dois pra lá” ou mesmo ao “um pra lá e dois pra cá” dos dançarinos mais antigos. O Bolero só se reformula, no Brasil, para a forma como é dançada hoje, quando sua Academia, a Strapolos, contrata em 1994, os professores cariocas João Carlos Ramos e Elaine Delatorre para introduzirem em São Pauloo Samba de Gafieira, o Bolero e o Soltinho, ainda inéditos no meio acadêmico da dança de salão paulistana.
  9. 9. O Bolero é fácil, é bonito, é gostoso, e temos orgulho de ter criado a maioria dos passos que são feitos hoje no Brasil, principalmente porque o Brasil é o país onde mais se dança Bolero.
  10. 10. Esta tarde vi llover Trio Los Panchos Esta tarde vi llover vi gente correr y no estabas tu la otra noche vi brillar un lucero azul y no estabas tu la otra tarde vi que un ave enamorada daba besos a su amor ilusionada y no estabas Esta tarde vi llover vi gente correr y no estabas tu el otoño vi llegar al mar oi cantar y no estabas tu yo no se cuanto me quieres si me extrañas o me engañas solo se que vi llover vi gente correr y no estabas tu Esta tarde vi llover vi gente correr y no estabas tu el otoño vi llegar al mar oi cantar y no estabas tu yo no se cuanto me quieres si me extrañas o me engañas solo se que vi llover vi gente correr y no estabas tu

×