INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DA PARAÍBA – IESPCOORDENAÇÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃOTRABALHO EM EQUIPES  AUT...
INTRODUÇÃO                Globalização      Competividade                                 rápidas e flexíveis             ...
OBJETIVO• Entender o modelo de trabalho em equipes• Analisar a adoção do Scrum em uma empresa  de tecnologia da informação...
GESTÃO DE PESSOAS                                     Recrutamento                      Agregando                       Pe...
Chiavenato  (2004)                   GESTÃO DE PESSOAS                                                              E a pr...
MODELAGEM DE TRABALHO                 Estrutura Organizacional              Modelos de Desenho de CargosTradicional       ...
EQUIPES DE TRABALHO         • Trabalho coletivo         • Baixa coesão           • Sem afinidadesGrupo      • Cooperação a...
EQUIPES DE TRABALHO Estágios de Evolução             Estrutura        Tomada de Decisão• Formação                 • Papéis...
EQUIPES AUTÔNOMAS                                                     Silverman e          Liderança           Tarefas    ...
Governança de TI + Terceira Era    SCRUM Organizacional              SUTHERLAND & SCHWABER, 2009Empowerment               ...
AGILIDADEPlanejamento    • Energia                • Foco  e execução    • Visibilidade dos projetos   • Transparência     ...
RESULTADOSEquipe                O quê deu certo?                Equipe               O quê deu certo?         Visibilidade...
CONSIDERÃÇÕES FINAIS      Ferramenta Estratégia de             Negócio   Estrutura adequada para gestão   do conhecimento ...
REFERÊNCIAS•   BIEHL, Kátia Andrade. Grupos e Equipes de trabalho: Uma Estratégia de Gestão. In: BITENCOURT, Claudia (org....
REFERÊNCIAS•   IVER, Robbie Mac Iver. Scrum Is Not Just for Software - A real-life application of Scrum outside IT.    Scr...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

TRABALHO EM EQUIPES AUTOGERENCIADAS: UMA ANÁLISE DA ADOÇÃO DO SCRUM EM UMA EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

4.145 visualizações

Publicada em

Palestra apresentada no Encontro de Iniciação Científica do IESP - Instituto de Educação Superior da Paraíba - em 2010.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.145
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
58
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

TRABALHO EM EQUIPES AUTOGERENCIADAS: UMA ANÁLISE DA ADOÇÃO DO SCRUM EM UMA EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

  1. 1. INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DA PARAÍBA – IESPCOORDENAÇÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃOTRABALHO EM EQUIPES AUTOGERENCIADAS COM SCRUM AislanFernandes
  2. 2. INTRODUÇÃO Globalização Competividade rápidas e flexíveis Trabalho em respostas às Equipes mudanças• Pessoas tem se tornado o principal fator de crescimento e sucesso das organizações
  3. 3. OBJETIVO• Entender o modelo de trabalho em equipes• Analisar a adoção do Scrum em uma empresa de tecnologia da informação, como parte estratégica de uma estrutura organizacional baseada em equipes autônomas em busca de metas a serem cumpridas Estratégia Scrum de Negócio
  4. 4. GESTÃO DE PESSOAS Recrutamento Agregando Pessoas Seleção Modelagem do trabalho Aplicando PessoasGestão de Pessoas Recompensando Avaliação de Pessoas Desempenho Desenvolvendo Pessoas Mantendo Pessoas Monitorando SIG Pessoas
  5. 5. Chiavenato (2004) GESTÃO DE PESSOAS E a primeira? Ênfase em equipes autônomas e não mais em órgãos ou departamentos; Elevada interdependência entre as redes internas de equipes; Equipes interdisciplinares não-hierárquicas; • excessiva ênfase da fragmentação • especialistas para cada departamento Ideal para ambiente cartesiano- • dificuldade de cooperação mutável, dinâmico e com tecnologia de mecanicista interdepartamental ponta Chiavenato (2004)
  6. 6. MODELAGEM DE TRABALHO Estrutura Organizacional Modelos de Desenho de CargosTradicional Humanístico Contingencial Modelo mutável  Atividades objetivos e processos Cargo Conjuntas com organizacionais mutáveis Equipes Chiavenato (2004)
  7. 7. EQUIPES DE TRABALHO • Trabalho coletivo • Baixa coesão • Sem afinidadesGrupo • Cooperação ao acaso • Objetivo comum • Dependência mútua • Responsabilidade compartilhada BIEHL, 2004.Equipe • Alta coesão CHATFIELD, 2009 “melhor qualidade, produtividade e serviço, maior rapidez de resposta à mudança tecnológica”
  8. 8. EQUIPES DE TRABALHO Estágios de Evolução Estrutura Tomada de Decisão• Formação • Papéis • Força• Tormenta • Normas • Diversidade• Normalização • Status • Complexidade• Desempenho • Tamanho • Fraqueza• Interrupção • Pequeno • Tempo • Folga Social • Nivelamento • Coesão • ResponsabilidadeComportamento Organizacional - Stephen Robbins
  9. 9. EQUIPES AUTÔNOMAS Silverman e Liderança Tarefas Propst contingencial complexas (1996) AutogerenciadasAutonomia operacional Objetivo imposto Autodirecionadas Autonomia tática Alta gerência
  10. 10. Governança de TI + Terceira Era SCRUM Organizacional SUTHERLAND & SCHWABER, 2009Empowerment Aprendizagem Organizacional
  11. 11. AGILIDADEPlanejamento • Energia • Foco e execução • Visibilidade dos projetos • Transparência • Mais produtivo Equipes de • Maior qualidade trabalho • Maior liberdade
  12. 12. RESULTADOSEquipe O quê deu certo? Equipe O quê deu certo? Visibilidade total das demandas por toda a A análise em grupo equipe A estimativa em grupo Análise feita por toda a equipe E1 E3 Visibilidade do progresso e esforço da A disseminação do conhecimento equipe Foco de toda a equipe para uma única A contribuição da experiência de cada um demanda A disseminação do conhecimento A participação de todos nas decisões A autonomia da equipe Análise em grupo O espírito de equipe Mão-de-obra melhor aproveitada E2 E4 O trabalho em equipe Saber o que os outros estão a fazer O comprometimento da equipe Visibilidade ao longo da sprint
  13. 13. CONSIDERÃÇÕES FINAIS Ferramenta Estratégia de Negócio Estrutura adequada para gestão do conhecimento e processo de aprendizagem organizacional
  14. 14. REFERÊNCIAS• BIEHL, Kátia Andrade. Grupos e Equipes de trabalho: Uma Estratégia de Gestão. In: BITENCOURT, Claudia (org.). Gestão contemporânea de pessoas: novas práticas, conceitos tradicionais. Porto Alegre: Bookman, 2004. p. 134- 143.• ______. Aprendizagem Organizacional: Uma Estratégia para Mudança?. In: BITENCOURT, Claudia (org.). Gestão contemporânea de pessoas: novas práticas, conceitos tradicionais. Porto Alegre: Bookman, 2004. p. 22-49.• BITENCOURT, Claudia; CLAUDIUS, Allan; BARBOSA, Queiroz. A Gestão de Competências. In: BITENCOURT, Claudia (org.). Gestão contemporânea de pessoas: novas práticas, conceitos tradicionais. Porto Alegre: Bookman, 2004. p. 240-269.• CARVALHO, Antônio Vieira de. Aprendizagem Organizacional em Tempos de Mudança. São Paulo: Pioneira, 1999.• CHATFIELD, Mark M. Self-Directed and Self-Managed Teams. Free Management Library. 30 abr. 2009. Disponível em: <http://irism.com/selfteam.htm>. Acesso em: 28 set. 2009.• CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de pessoas. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.• COMPARISON of Methodologies. ScrumAlliance. 30 abr. 2006. Disponível em: <http://www.scrumalliance.org/system/resource_files/0000/0033/ComparisonofMethodologies.pdf>. Acesso em: 28 set. 2009.• DENNING, Steve. Most high-performance teams are self-organizing teams. SteveDenning.com. 28 jul. 2009. Disponível em: <http://www.stevedenning.com/High-Performance-Teams/most-high-performance-teams-are-self- organizing.aspx>. Acesso em: 28 out. 2009.• DRUCKER, Peter. A sociedade do futuro. São Paulo. Jornal Valor Econômico: 2001.• GLOGER, Boris. Flow vs. Rhythm, or Kanban vs. Scrum!? bor!sgloger. 14 nov. 2009. Disponível em: <http://borisgloger.com/2009/11/14/flow-vs-rhythm-or-kanban-vs-scrum>. Acesso em: 28 out. 2009.• ______. Scrum Delivers. Scrum Alliance. 15 mai. 2006. Disponível em: <http://www.scrumalliance.org/articles/22- scrum-delivers>. Acesso em: 28 out. 2009.
  15. 15. REFERÊNCIAS• IVER, Robbie Mac Iver. Scrum Is Not Just for Software - A real-life application of Scrum outside IT. ScrumAlliance. 30. out. 2003. Disponível em: <http://www.scrumalliance.org>. Acesso em: 28 out. 2009.• JAKOBSEN, Carsten Ruseng; SUTHERLAND, Jeff. Scrum and CMMI – Going from Good to Great. Are you ready-ready to be done-done? Scrum Log Jeff Sutherland. 29 jun. 2009. Disponível em: <http://jeffsutherland.com/scrum/JakobsenScrumCMMIGoingfromGoodtoGreatAgile2009.pdf>. Acesso em: 28 out. 2009.• MACIEL, Cristina Mori; SILVA, Arlindo Fortunato da. Gerenciando pessoas utilizando modelos holísticos. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 12 n. 1, jan./mar. 2008.• MANIFESTO for Agile Software Development. Agile Manifesto Org. 20 jul. 2001. Disponível em: <http://agilemanifesto.org>. Acesso em: 28 set. 2009.• REIS, Ana Maria Viegas et al. Desenvolvimento de equipes. Rio de Janeiro: FGV, 2006.• ROBBINS, Stephen P., Comportamento Organizacional. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005.• SILVERMAN, Lori L.; PROPST, Annabeth L. Ensuring success: a model for self-managed teams. Partners for Progress and Quality Service. 26 ago. 1996. Disponível em: <http://saferpak.com/teamwork_articles/ensuring_success.pdf>. Acesso em: 28 out. 2009.• SIRKIN, Harold; S., HEMERLING, W.; BHATTACHARYA, Arindam K. Globalidade – a nova era da globalização: como vencer num mundo em que se concorre com todos, por tudo e por toda parte. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.• SUTHERLAND, Jeff; SCHWABER Ken. The Scrum Papers: Nuts, Bolts, and Origins of an Agile Process. Boston: 2007.

×