Revisão eear 2016

394 visualizações

Publicada em

PPT

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
394
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
51
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Revisão eear 2016

  1. 1. 1 FÍSICA Professor Coelho
  2. 2. VELOCIDADEVELOCIDADE É a RAPIDEZ com que o móvelÉ a RAPIDEZ com que o móvel muda sua POSIÇÃO;muda sua POSIÇÃO; ACELERAÇÃOACELERAÇÃO É a RAPIDEZ com que o móvelÉ a RAPIDEZ com que o móvel varia sua VELOCIDADE;varia sua VELOCIDADE; m s km h x 3,6 : 3,6 m/s s m s2 = MEDIDAS nos movimentosMEDIDAS nos movimentos 0 0 tt xx Δt Δx v − − == 0 0 tt vv Δt Δv a − − ==
  3. 3. MRU – Movimento Retilíneo UniformeMRU – Movimento Retilíneo Uniforme - VELOCIDADE CONSTANTE (≠0)- VELOCIDADE CONSTANTE (≠0) - ACELERAÇÃO NULA- ACELERAÇÃO NULA 1. POS X TEMPO:1. POS X TEMPO: v = coef. angular X tX0 2. VEL X TEMPO:2. VEL X TEMPO: ∆S = área V t a t 3. ACEL X TEMPO:3. ACEL X TEMPO: Função Horária da POSIÇÃO:Função Horária da POSIÇÃO: 0S S v.t= +
  4. 4. MRUV – Movimento Retilíneo Uniformemente VariadoMRUV – Movimento Retilíneo Uniformemente Variado - VELOCIDADE VARIA UNIFORMEMENTE COM O TEMPO- VELOCIDADE VARIA UNIFORMEMENTE COM O TEMPO - ACELERAÇÃO CONSTANTE (≠0)- ACELERAÇÃO CONSTANTE (≠0) Função Horária da POSIÇÃO:Função Horária da POSIÇÃO: 2 0 0 at S S v .t 2 = + + Função Horária da VELOCIDADE:Função Horária da VELOCIDADE: a.tvv 0 += Equação de TORRICELLI:Equação de TORRICELLI: 2 2 0v v 2.a.ΔS= + 1 2V VΔS Δt 2 + = Sem aceleração use oSem aceleração use o Bizu:Bizu:
  5. 5. 1. POS X TEMPO:1. POS X TEMPO: X t 2. VEL X TEMPO:2. VEL X TEMPO: ∆S = área V t a t 3. ACEL X TEMPO:3. ACEL X TEMPO: GRÁFICOS:GRÁFICOS: a < 0a > 0 1 2 V1 < V2 a = coef.ang ∆v = área MRUV – Movimento Retilíneo Uniformemente VariadoMRUV – Movimento Retilíneo Uniformemente Variado
  6. 6. LEIS DE NEWTONLEIS DE NEWTON Forças de AÇÃO e REAÇÃO NUNCA se anulam, pois SEMPRE atuam em corpos diferentes. ““PARA TODA AÇÃO EXISTEPARA TODA AÇÃO EXISTE UMA REAÇÃO IGUAL EUMA REAÇÃO IGUAL E OPOSTA.”OPOSTA.” 3ª LEI DE3ª LEI DE NEWTONNEWTON (lei ação-(lei ação- reaçãoreação)) 1ª LEI DE1ª LEI DE NEWTONNEWTON (leidaInércia(leidaInércia )) REPOUSOREPOUSO MRUMRU 0FR =  2ª LEI DE2ª LEI DE NEWTONNEWTON (lei(lei FundamentalFundamental)) a.mFR  = medidamedida dada inérciainércia
  7. 7. 04/10/15 TRABALHO de uma FORÇATRABALHO de uma FORÇA cosθ.d.FW = Δt W P =POTÊNCIAPOTÊNCIA É a RAPIDEZ na realizaçãoÉ a RAPIDEZ na realização do TRABALHO.do TRABALHO. Força posição W = área P F.v=
  8. 8. ENERGIAENERGIA É A CAPACIDADE DE REALIZAR TRABALHO.É A CAPACIDADE DE REALIZAR TRABALHO. 2 mv E 2 C = CINÉTICACINÉTICA mghEP =POTENCIALPOTENCIAL GRAVITACIONALGRAVITACIONAL 2 Kx E 2 P = POTENCIALPOTENCIAL ELÁSTICAELÁSTICA h
  9. 9. CONSERVAÇÃO DA ENERGIA MECÂNICACONSERVAÇÃO DA ENERGIA MECÂNICA ““A ENERGIA NÃO PODE SER CRIADA NEM DESTRUÍDA”.A ENERGIA NÃO PODE SER CRIADA NEM DESTRUÍDA”. finalinicial MM EE = Em SISTEMASEm SISTEMAS CONSERVATIVOS:CONSERVATIVOS: Não existem forças de ATRITO.
  10. 10. IMPULSO & QTDE. DE MOVIMENTOIMPULSO & QTDE. DE MOVIMENTO Em SISTEMASEm SISTEMAS MECANICAMENTEMECANICAMENTE ISOLADOS:ISOLADOS:Não existem forças externas ou a resultante delas é NULA. vm.q  = Δt.FI  = qΔI  = QQ antesantes = Q= Q depoisdepois - CHOQUES (COLISÕES);- CHOQUES (COLISÕES); - DISPAROS;- DISPAROS;
  11. 11. MOMENTO (TORQUE) de uma FORÇAMOMENTO (TORQUE) de uma FORÇA É a CAPACIDADE da FORÇA produzir ROTAÇÃO.É a CAPACIDADE da FORÇA produzir ROTAÇÃO. b.FM = ImpedeImpede TRANSLAÇÃOTRANSLAÇÃO0FR =  0MR =  ImpedeImpede ROTAÇÃOROTAÇÃO EQUILÍBRIOEQUILÍBRIO DE UM CORPODE UM CORPO EXTENSOEXTENSO M
  12. 12. HidrostáticaHidrostática
  13. 13. HIDROSTÁTICAHIDROSTÁTICA PRINCÍPIO DE PASCALPRINCÍPIO DE PASCAL A F a f =
  14. 14. HIDROSTÁTICAHIDROSTÁTICA EMPUXO - PRINCÍPIO DE ARQUIMEDESEMPUXO - PRINCÍPIO DE ARQUIMEDES LDL .g.VμE = UM CORPO MERGULHADO NUM FLUIDO RECEBE DELE UM EMPUXO PARA CIMA DE MÓDULO IGUAL AO PESO DE LÍQUIDO DESLOCADO. E EP = P PESO APARENTE:PESO APARENTE: CORPOSCORPOS FLUTUANTES:FLUTUANTES: E-PPAP =
  15. 15. ONDAS PERIÓDICASONDAS PERIÓDICAS f.v λ=λ V LEMBRE-SE: Para ondas de mesma espécie que se propagam no mesmo meio, a velocidade é a MESMA, então o comprimento de onda λ é inversamente proporcional à freqüência f. Depende do MEIO de propagação
  16. 16. QUALIDADES FISIOLÓGICAS DO SOMQUALIDADES FISIOLÓGICAS DO SOM FREQÜÊNCIAFREQÜÊNCIA ALTURAALTURA GRAVES → baixa f AGUDOS → alta f AMPLITUDEAMPLITUDE INTENSIDADEINTENSIDADE FRACOS → pequena A FORTES → grande A FORMAFORMA DA ONDADA ONDA TIMBRETIMBRE
  17. 17. = P A I INTENSIDADE SONORAINTENSIDADE SONORA
  18. 18. REFRAÇÃO da LuzREFRAÇÃO da Luz 1 2 n n = v c n = 2 1 v v senr seni =i r N 1 2 Indica o quanto o meio desvia a luz A FREQÜÊNCIAA FREQÜÊNCIA É CONSTANTEÉ CONSTANTE
  19. 19. REFRAÇÃO- trajetória da luzREFRAÇÃO- trajetória da luz N 1 2 n1 < n2 - + Aproxima-se da normal N 1 2 n1 > n2 + - Afasta-se da normal
  20. 20. Olho HumanoOlho Humano CORREÇÃO:CORREÇÃO: Lentes CONVERGENTES Lentes DIVERGENTES
  21. 21. Vergência : 1 V f = Miopia : f PR Hipermetropia : 1 1 1 f 25 PP =− = −
  22. 22. CALORIMETRIACALORIMETRIA Δt.c.mQ = CALOR– energia térmica em TRÂNSITO entre 2 corposCALOR– energia térmica em TRÂNSITO entre 2 corpos devido a uma diferença nas suas temperaturas.devido a uma diferença nas suas temperaturas. A B CALO R Qtde de CALOR SENSÍVELQtde de CALOR SENSÍVEL L.mQ = Qtde de CALOR LATENTEQtde de CALOR LATENTE Princípio dasPrincípio das Trocas deTrocas de CALORCALOR 0QQ CEDREC =+ Q > 0 |Q > 0 | RECEBIDORECEBIDO Q < 0 | CEDIDOQ < 0 | CEDIDO Q > 0 |Q > 0 | RECEBIDORECEBIDO Q < 0 | CEDIDOQ < 0 | CEDIDO
  23. 23. T p.V T .Vp 0 00 =ALTERAM-SE ao mesmoALTERAM-SE ao mesmo tempo p, V e T.tempo p, V e T. TRANSFORMAÇÕES GASOSASTRANSFORMAÇÕES GASOSAS 1.1. GERALGERAL 2.2. ISOBÁRICAISOBÁRICA PRESSÃO = constantePRESSÃO = constante V e T :::>>>V e T :::>>> GDPGDP 3.3. ISOCÓRICAISOCÓRICA VOLUME = constanteVOLUME = constante p e T :::>>>p e T :::>>> GDPGDP 4.4. ISOTÉRMICAISOTÉRMICA TEMPERATURA = constanteTEMPERATURA = constante p e V :::>>>p e V :::>>> GIPGIP ALTERAM-SE ao mesmoALTERAM-SE ao mesmo tempo p, V e T.tempo p, V e T. 1.1. GERALGERAL T p.V T .Vp 0 00 =ALTERAM-SE ao mesmoALTERAM-SE ao mesmo tempo p, V e T.tempo p, V e T. 1.1. GERALGERAL
  24. 24. TERMODINÂMICATERMODINÂMICA W > 0 ::: EXPANSÃOW > 0 ::: EXPANSÃO W < 0 :::W < 0 ::: COMPRESSÃOCOMPRESSÃO ΔV.pW = TrabalhoTrabalho p V áreaW = 1ª lei da termodinâmica1ª lei da termodinâmica ΔUWQ += Q > 0 ::: REC peloQ > 0 ::: REC pelo gásgás Q < 0 ::: CED peloQ < 0 ::: CED pelo gásgás ∆∆U > 0 ::: TU > 0 ::: T aumentaaumenta ∆∆U < 0 ::: T diminuiU < 0 ::: T diminui
  25. 25. TRANSFORMAÇÕES GASOSASTRANSFORMAÇÕES GASOSAS 5. ADIABÁTICA5. ADIABÁTICA NÃO há troca de energiaNÃO há troca de energia na forma de CALORna forma de CALOR W = -W = -∆∆UU W>0 (EXPANSÃO)  ∆U<0 (RESFRIA) W<0 (COMPRESSÃO)  ∆U>0 (AQUECE) Q = 0Q = 0
  26. 26. ELETROSTÁTICAELETROSTÁTICA Campo Elétrico Força Elétrica 2 d K.Q.q F = 2 d K.Q q F E ==
  27. 27. ELETROSTÁTICAELETROSTÁTICA Potencial Elétrico d K.Q q E V P == 1 2 Campo elétrico E1 < E2 V1 > V2
  28. 28. ELETRODINÂMICAELETRODINÂMICA Lei de Ohm U R.i= A ρ.L R = Resistência Elétrica Indica a resistência que o condutor oferece à passagem das cargas. V I
  29. 29. ELETRODINÂMICAELETRODINÂMICA Potência Elétrica É a RAPIDEZ naÉ a RAPIDEZ na transformação datransformação da energia elétrica.energia elétrica. W P Δt = P i.U= 2 R.iP = 2 U P R = Revise também:Revise também: ASSOCIAÇÕESASSOCIAÇÕES DEDE RESISTORESRESISTORES Ponte dePonte de WheatstoneWheatstone 1 3 2. 4R .R R R=
  30. 30. ELETROMAGNETISMOELETROMAGNETISMO 1. Campo magnético criado por corrente elétrica i i i i S N B B
  31. 31. ELETROMAGNETISMOELETROMAGNETISMO 2. Força Magnética i v + v - i1 i2 i1 i2 Fm Fm Fm Fm Fm ATRAÇÃOATRAÇÃOREPULSÃOREPULSÃO
  32. 32. ELETROMAGNETISMOELETROMAGNETISMO 3. Indução Eletromagnética Aparecimento de uma ddp (ou corrente elétrica) a partir de um campo magnético. Fluxo Magnético Indica a quantidade de linhas de campo que “FURAM” a superfície IMERSA no campo magnético. B.A.cosθΦ = Lei de Faraday ΔΦ INDi(ddp)εIND

×