Deus

15.855 visualizações

Publicada em

O conceito de Deus e os argumentos a favor e contra a existência de Deus. Para os alunos do 10º ano de Filosofia.

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
15.855
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
13.341
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
122
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Deus

  1. 1. Escola  Secundária  Manuel  Teixeira  Gomes   Aires  Almeida   Deus   1  
  2. 2. Escola  Secundária  Manuel  Teixeira  Gomes   Aires  Almeida   Deus   2  
  3. 3. Escola  Secundária  Manuel  Teixeira  Gomes   Aires  Almeida   Deus   3  
  4. 4. Escola  Secundária  Manuel  Teixeira  Gomes   Aires  Almeida                   Monoteísmo(cristianismo, islamismo e judaísmo) Deus   4  
  5. 5. Escola  Secundária  Manuel  Teixeira  Gomes   Aires  Almeida                   TEÍSMO   DEÍSMO   PANTEÍSMO  Criador  (ou  causa)  do  mundo?   Sim   Sim   Não  Uma  pessoa?   Sim   Não   Não  Infinitamente  bom?   Sim   -­‐   Sim  Omnipotente?   Sim   -­‐   -­‐  Omnisciente?   Sim   -­‐   -­‐  Omnipresente?   Sim   -­‐   Sim  Transcendente?   Sim   Sim   Não   Deus   5  
  6. 6. Escola  Secundária  Manuel  Teixeira  Gomes   Aires  Almeida  Teísmo: Deus existe e é o criador do mundo (logo, é transcendente), omnipotente (logo, é omnisciente) e infinitamente bom. Deus   6  
  7. 7. Escola  Secundária  Manuel  Teixeira  Gomes   Aires  Almeida  Teísmo: Deus existe e é o criador do mundo, omnipotente e infinitamente bom.Ateísmo: Deus (incluindo o Deus teísta) não existe. Deus   7  
  8. 8. Escola  Secundária  Manuel  Teixeira  Gomes   Aires  Almeida  Teísmo: Deus existe e é o criador do mundo, omnipotente e infinitamente bom.Ateísmo: Deus (incluindo o Deus teísta) não existe.Agnosticismo: Não há razões para dizer que existe nem que não existe: suspender a crença quanto à existência de Deus é a atitude mais razoável. Deus   8  
  9. 9. •  o  teísta  acredita  que  Deus  existe  •  o  ateu  acredita  que  Deus  não  existe  •  o  agnósGco  não  acredita  que  Deus  existe  e   também  não  acredita  que  não  existe.   Deus   9  
  10. 10. Escola  Secundária  Manuel  Teixeira  Gomes   Aires  Almeida   JUSTIFICAÇÃO  DA  CRENÇA  EM  DEUS   Teísta Há razões (provas ou argumentos) para acreditar que Deus existe. FideístaNão é preciso razões para acreditar que Deus existe; trata-se simplesmente de uma questão de fé (sentimento). Deus   10  
  11. 11. Porquê  acreditar  sem  provas?   A  aposta  de  Pascal   Mesmo  sem  provas,  o  mais  razoável  é  acreditar    que  Deus  existe,  pois  é  a  melhor  aposta.   ...  e  ...   Deus  existe   Deus  não  existe  Acredito  que  existe   Tudo  a  ganhar   Nada  a  perder  Acredito  que  não  existe   Tudo  a  perder   Nada  a  ganhar   Não  se  pretende  mostrar  directamente  que  Deus  existe,  mas   apenas  mostrar  que  é  melhor  acreditar  que  existe  do  que   acreditar  que  não  existe.   Deus   11  
  12. 12. Objecção  à  aposta  de  Pascal  Apostamos  na  existência  de  Deus  porque  nada   podemos  saber  acerca  dele.  Mas,  em   contradição  com  isso,  pressupomos  que  ele  recompensaria  o  crente  oportunista  e  puniria  o   descrente  honesto.   Deus   12  
  13. 13. Escola  Secundária  Manuel  Teixeira  Gomes   Aires  Almeida  Argumentos teístas a favor da existência de Deus ou Provas da existência de Deus Deus   13  
  14. 14. Argumento do sentido da vida  Tudo  parece  acabar  quando  morremos.  Mas  se  tudo  se   perde  abruptamente  com  a  morte,  nada  do  que   fazemos  em  vida  vale  realmente  a  pena  e,  assim,   nada  faz  senGdo.  Mas  seria  estranho  que  a  nossa   vida  não  Gvesse  qualquer  propósito  (ou  senGdo),  a   não  ser  que  não  seja  verdade  que  tudo  acabe   quando  morremos.  Ora,  ninguém  a  não  ser  Deus  nos   pode  garanGr  que  nem  tudo  acaba  quando   morremos.  Logo,  Deus  existe  e  tem  um  plano  para   cada  um  de  nós,  que  se  prolonga  para  além  da  morte   sica.   Deus   14  
  15. 15. A  estrutura  lógica  do  Argumento  do  SenTdo  da   Vida          (Tolstoi)  1.  Se  Deus  não  exisGr,  tudo  se  acaba  com  a   nossa  morte.  2.  Se  tudo  se  acabar  com  a  nossa  morte,  a  nossa   vida  não  tem  senGdo.  3.  Mas  a  nossa  vida  tem  de  ter  senGdo.  4.  Logo,  Deus  tem  de  exisGr.   Deus   15  
  16. 16. O  Argumento  do  SenTdo  da  Vida  simplificado  1.  Se  Deus  não  exisGsse,  a  vida  não  teria  senGdo.  2.  Mas  a  vida  tem  senGdo.  3.  Logo,  Deus  existe.   Deus   16  
  17. 17. Objecções  ao  Argumento  do  SenTdo  da  Vida   Deus   17  
  18. 18. Objecção  1  2.  Se  tudo  se  acabar  com  a  nossa  morte,  a  nossa  vida  não   tem  sen5do.  Mas  algo  que  não  faz  senGdo  por  ser  efémero,  passa   misteriosamente  a  fazer  senGdo  se  permanecer  para   sempre?  Se  uma  coisa  não  Gver  senGdo,  não  passa  a   tê-­‐lo  se  a  prolongarmos  indefinidamente  (não  é  por   Sísifo  empurrar  o  seu  pedregulho  para  sempre,  que   isso  passa  a  ter  mais  senGdo).  Assim,  também  uma   vida  sem  senGdo  não  passará  a  tê-­‐lo  se  ela  for   prolongada  indefinidamente.       Deus   18  
  19. 19. Objecção  2  2.  Se  Deus  não  exis5sse,  a  nossa  vida  não  teria  sen5do.  A  nossa  vida  pode  ter  senGdo,  mesmo  que  Deus  não   exista.  Se  nós  exis^ssemos  apenas  para  executar  um   plano  que  Deus  tem  para  nós,  então  aí  é  que  a  nossa   vida  deixaria  de  ter  senGdo,  uma  vez  que  não   estaríamos  realmente  a  viver  a  nossa  própria  vida   mas  a  executar  um  plano  alheio  (aquilo  que  Deus  tem   preparado  para  nós).  Uma  vida  sem  autonomia  é  uma   vida  sem  valor.     Deus   19  
  20. 20. Escola  Secundária  Manuel  Teixeira  Gomes   Aires  Almeida   Argumento do desígnio  O  mundo  está  cheio  de  coisas  maravilhosas  e   que  descobrimos  serem  incríveis  quando   pensamos  nelas  com  atenção.  Considere-­‐se  o   olho  humano,  por  exemplo.  É  feito  de  partes   que  funcionam  conjuntamente  de  formas  intrincadas  e  complexas.  Se  algum  detalhe  for   alterado,  tudo  deixa  de  funcionar  —  tudo  o   resto  seria  inúGl.  Ora  acontece  que  tudo,   incluindo  o  mais  pequeno  detalhe,  parece  ter   um  propósito,  uma  intencionalidade.   Deus   20  
  21. 21. Escola  Secundária  Manuel  Teixeira  Gomes   Aires  Almeida   A  estrutura  lógica  do  Argumento  do  Desígnio    (versão  1:  Paley  e  a  eliminação  do  acaso)  1.  Ou  as  maravilhas  da  natureza  são  o  fruto  de   um  espantoso  e  mero  acaso,  ou  são  o  produto   de  um  desígnio  inteligente.    2.  Mas  não  podem  ter  ocorrido  por  acaso.    3.  Logo,  são  o  produto  de  um  desígnio                                                      inteligente  (inteligência  divina).   Deus   21  
  22. 22. Escola  Secundária  Manuel  Teixeira  Gomes   Aires  Almeida   A  estrutura  lógica  do  Argumento  do  Desígnio    (versão  2:  Hume/Paley  e  a  igualdade  de  provas)  1.  É  correcto  concluir  que  objectos  como  os  relógios  foram   feitos  por  criadores  inteligentes  porque  têm  partes  que   funcionam  conjuntamente  com  um  propósito.  2.  Temos  as  mesmas  provas  para  pensar  que  o  universo  é   como  os  relógios,  pois  também  é  composto  de  partes   que  funcionam  conjuntamente  ao  serviço  de  um   propósito.  3.  Logo,  podemos  concluir  jusGficadamente  que  o  universo   foi  feito  por  um  criador  inteligente  (Deus).   Deus   22  
  23. 23. Escola  Secundária  Manuel  Teixeira  Gomes   Aula  aberta  de  Filosofia                  Objecções  ao  Argumento  do  Desígnio   Deus   23  
  24. 24. Escola  Secundária  Manuel  Teixeira  Gomes   Aires  Almeida   Objecção  1  1.  Ou  as  maravilhas  da  natureza  são  o  fruto  de  um   espantoso  e  mero  acaso,  ou  são  o  produto  de  um   desígnio  inteligente.  Darwin:  Esta  premissa  é  falsa,  pois  há  outra  explicação   (a  verdadeira)  além  da  alternaGva  apresentada  (a   premissa  coloca  um  falso  dilema).  Essa  explicação   é  a  selecção  natural.   Deus   24  
  25. 25. Escola  Secundária  Manuel  Teixeira  Gomes   Aires  Almeida   Objecção  2  2.  Temos  as  mesmas  provas  para  pensar  que  o  universo  é  como   os  relógios,  pois  também  é  composto  de  partes  que   funcionam  conjuntamente  ao  serviço  de  um  propósito.  Hume:  Esta  premissa  é  falsa,  pois  trata-­‐se  de  uma   falsa  analogia.  Estamos  a  inferir  causas  a  parGr  de   efeitos,  mas  no  caso  dos  relógios  baseamo-­‐nos  no   facto  de  já  termos  visto  antes  muitos  relógios  (e   até  os  relojoeiros  que  os  fizeram),  o  que  não   acontece  no  caso  do  universo  (quantos  universos   vimos?).   Deus   25  
  26. 26. Escola  Secundária  Manuel  Teixeira  Gomes   Aires  Almeida                   Argumento Cosmológico(ou argumento da causa primeira: Tomás de Aquino)  Tome-­‐se  uma  coisa  qualquer.  Essa  coisa  não  se  criou  a   si  própria.  Mas  tem  de  ter  uma  causa,  pois  não  surge   do  nada  (não  há  efeitos  sem  causas).  Há,  portanto   outra  coisa  que  a  causou.  Por  sua  vez,  esta  outra   coisa  tem  de  ter  também  uma  causa,  e  assim   sucessivamente  (até  ao  Big  Bang,  dizem-­‐nos  os   cienGstas).  Mas  o  que  deu  origem  ao  Big  Bang?  Não   podemos  regredir  infinitamente,  pelo  que  tem  de   haver  algo  que  é  causa  de  tudo  sem  ser  causado  por   nada  (causa  primeira).  Essa  causa  primeira  é  Deus.   Deus   26  
  27. 27. Escola  Secundária  Manuel  Teixeira  Gomes   Aires  Almeida   A  ideia  básica  do  Argumento  Cosmológico   Pode  ser  expressa  da  seguinte  forma:   1.  Se  as  cadeias  causais  regridem  infinitamente,  não   existe  uma  primeira  causa.  2.  Mas  se  não  existe  uma  primeira  causa,  também  não   existe  qualquer  dos  seus  efeitos.   3.  Se  não  existem  efeitos,  então  nada  existe.   4.  É  óbvio  que  existem  coisas.   4.  Logo,  as  cadeias  causais  não  podem  regredir   infinitamente.     Deus   27  
  28. 28. Escola  Secundária  Manuel  Teixeira  Gomes   Aires  Almeida   A  estrutura  lógica  do  Argumento  Cosmológico  1.  Tudo  o  que  existe  tem  de  ter  uma  causa.  2.  A  cadeia  causal  não  pode  recuar  indefinidamente.   Em  algum  ponto,  temos  de  chegar  a  uma  Causa   Primeira.  3.  À  Causa  Primeira  podemos  chamar  Deus.   Deus   28  
  29. 29. Escola  Secundária  Manuel  Teixeira  Gomes   Aires  Almeida  Objecções  ao  Argumento  Cosmológico   Deus   29  
  30. 30. Escola  Secundária  Manuel  Teixeira  Gomes   Aires  Almeida   Objecção  1  1.  Tudo  o  que  existe  tem  de  ter  uma  causa.  2.  A  cadeia  causal  não  pode  recuar  indefinidamente.  Em  algum   ponto,  temos  de  chegar  a  uma  Causa  Primeira.  O  problema  principal  é  este  raciocínio  ser  auto-­‐contraditório  (as   duas  premissas  anteriores  não  podem  ser  simultaneamente   verdadeiras).  Primeiro  diz-­‐se  que  tudo  tem  de  ter  uma  causa,   mas  depois  admite-­‐se  a  existência  de  algo  que  não  tem  uma   causa.  Temos  de  escolher:  se  acreditamos  seriamente  que  tudo   tem  de  ter  uma  causa,  temos  de  perguntar  o  que  causou  Deus,  e   assim  por  diante.  Mas  se  acreditamos  que  «a  cadeia  causal  tem   de  parar  em  algum  lado»,  por  que  não  haveremos  de  dizer  que   pára  no  Big  Bang?     Deus   30  
  31. 31. Escola  Secundária  Manuel  Teixeira  Gomes   Aires  Almeida   Objecção  2   O  argumento  não  prova  a  existência  de  um  Deus  teísta:     Algumas  pessoas  chamam  «Deus»  àquilo  que  causou  o  universo,  seja  isso  o  que  for.  Mas,  isso  não  nos  dá  qualquer  razão  para  pensar  que  «Deus»  é  a  divindade  omnipotente  e   benevolente  do  teísmo  tradicional.  A  palavra  «Deus»  pode   neste  caso  servir  para  nomear,  por  exemplo,  um  ponto  incrivelmente  denso  de  massa  e  de  energia  que  precedeu  o   Big  Bang.  Só  que  assim  torna-­‐se  claro  que  não  há  qualquer   razão  para  usar  a  palavra  «Deus»  desta  forma.  Fazê-­‐lo  só   cria  confusão.   Deus   31  
  32. 32. Escola  Secundária  Manuel  Teixeira  Gomes   Aires  Almeida   Argumento Ontológico (argumento da perfeição: Santo Anselmo)  Todas  as  pessoas,  mesmo  as  descrentes  têm  a  ideia  de   Deus,  isto  é,  têm  a  ideia  de  um  ser  sumamente   perfeito.  Mas  o  que  é  um  ser  sumamente  perfeito?   Não  pode  ser  um  ser  que  existe  apenas  no   pensamento  (faltar-­‐lhe-­‐ia  algo  para  ser  perfeito:   exisGr  na  realidade).  Portanto,  se  não  exisGr  na   realidade,  não  é  perfeito  e  se  for  perfeito  tem  de   exisGr  na  realidade.  Assim,  é  absurdo  ter  a  ideia  de   um  ser  perfeito  que  não  existe,  ou  seja,  que  não  é   perfeito.     Deus   32  
  33. 33. Escola  Secundária  Manuel  Teixeira  Gomes   Aires  Almeida   A  ideia  básica  do  Argumento  Ontológico   A  ideia  de  um  ser  perfeito  implica  a  existência   desse  ser:  a  existência  de  Deus  deriva-­‐se  do   próprio  conceito  de  Deus.  Tentar  imaginar  um  ser  perfeito  que  não  exista  é   tão  absurdo  como  tentar  imaginar  um  casado   solteiro.   Deus   33  
  34. 34. Escola  Secundária  Manuel  Teixeira  Gomes   Aires  Almeida   A  estrutura  lógica  do  Argumento  Ontológico   (versão  de  Santo  Anselmo  simplificada)  1.  Deus  é  o  ser  maior  do  que  o  qual  nada  pode  ser   pensado.  2.  Se  Deus  exisGsse  apenas  no  pensamento,  então  não   seria  o  ser  maior  do  que  o  qual  nada  pode  ser   pensado  (uma  pessoa  real  seria  maior  do  que  Deus,   pelo  que  seria  possível  conceber  seres  maiores  do   que  Deus).  3.  Logo,  é  falso  que  Deus  exista  apenas  no  pensamento;   ele  existe  também  na  realidade.   Deus   34  
  35. 35. Escola  Secundária  Manuel  Teixeira  Gomes   Aires  Almeida  Objecções  ao  Argumento  Ontológico   Deus   35  
  36. 36. Escola  Secundária  Manuel  Teixeira  Gomes   Aires  Almeida   Objecção  1  Gaunilo:  1.  Existe  no  meu  pensamento  a  ideia  de  uma  ilha   perfeita.  2.  Essa  ilha  não  seria  perfeita  se  exisGsse  apenas  no   meu  pensamento  e  não  na  realidade.  3.  Logo,  é  falso  que  essa  ilha  existe  apenas  no  meu   pensamento,  ou  seja,  a  ilha  perfeita  existe  na   realidade.   Deus   36  
  37. 37. Escola  Secundária  Manuel  Teixeira  Gomes   Aires  Almeida   Objecção  1*  Kant  explica  o  que  há  de  errado:    A  perfeição  de  uma  coisa  depende  das  suas  propriedades  —  a   perfeição  de  uma  ilha,  por  exemplo,  depende  do  seu  tamanho,   clima,  beleza  natural  e  assim  por  diante.  Porém,  a  existência  não   é  uma  propriedade  neste  senGdo.  Se  uma  tal  ilha  existe  ou  não  é   a  questão  se  saber  se  há  no  mundo  alguma  coisa  que  tenha  essas   propriedades.  Deste  modo,  não  podemos  provar  que  a  ilha  —  ou   qualquer  outra  coisa  —  existe  se  nos  limitarmos  a  esGpular  que  é   perfeita  «por  definição».  A  definição  de  «ilha  perfeita»  diz-­‐nos   apenas  como  seria  essa  ilha  se  exisTsse;  não  pode  dizer-­‐nos  se   esta  ilha  existe  realmente.  Do  mesmo  modo,  a  definição  de   «Deus»  diz-­‐nos  apenas  que  Gpo  de  ser  seria  Deus,  se  exisGsse.   Saber  se  existe  ou  não  é  outra  questão.   Deus   37  
  38. 38. Escola  Secundária  Manuel  Teixeira  Gomes   Aires  Almeida   E  agora?  Dadas  as  objecções  aos  argumentos   teístas,  podemos  concluir  que  Deus   não  existe?   Deus   38  
  39. 39. Escola  Secundária  Manuel  Teixeira  Gomes   Aires  Almeida   Não!  Se  as  objecções  não  Gverem  resposta,   apenas  podemos  concluir  que  os   argumentos  nada  provam;  mas  não   que  Deus  não  existe.   Deus   39  
  40. 40. Escola  Secundária  Manuel  Teixeira  Gomes   Aires  Almeida  Mas  quais  são  os  argumentos  ateístas?   Deus   40  
  41. 41. Escola  Secundária  Manuel  Teixeira  Gomes   Aires  Almeida   O  ónus  da  prova  Alguns  ateus  defendem  que  não  precisam  de  provar   que  Deus  não  existe,  alegando  que  o  ónus  da   prova  (quem  tem  de  provar  algo)  é  quem  afirma   que  Deus  existe.    Assim,  tudo  o  que  precisam  é  de  mostrar  que  os   argumentos  teístas  são  maus.   Deus   41  
  42. 42. Mas  não  há  argumentos  contra  a  existência  de   Deus?   Deus   42  
  43. 43. Mas  não  há  argumentos  contra  a  existência  de   Deus?  Sim,  o  mais  popular  de  todos  é  o...   Deus   43  
  44. 44. Argumento  do  mal  A  existência  de  Deus  e  do  mal  no  mundo  são   imcompa^veis,  pois  o  mundo  foi  criado  por   Deus  e  se  Deus  fosse  realmente  bom,  ele  teria   criado  um  mundo  onde  o  mal  não  Gvesse   lugar.  Das  duas  uma:  ou  queria  um  mundo   sem  o  mal,  mas  não  pôde  (neste  caso  não  é   omnipotente);  ou  podia  ter  feito  um  mundo   sem  mal,  mas  não  quis  (neste  caso  não  é   infinitamente  bom).  Logo,  o  Deus  teísta   (omnipotente  e  bom)  não  pode  exisGr.   Deus   44  
  45. 45. A  estrutura  do  Argumento  do  Mal  1.  Se  Deus  exisGsse,  o  mal  não  exisGria  no   mundo.  2.  Mas  é  óbvio  que  o  mal  existe  no  mundo.  3.  Logo,  Deus  não  existe.   Deus   45  
  46. 46. Objecções  ao  Argumento  do  Mal   Deus   46  
  47. 47. Objecção  1   (objecção  ao  problema  do  mal  moral)  1.  Se  Deus  exis5sse,  o  mal  (moral)  não  exis5ria  no  mundo.  Santo  AgosTnho:  Mas  o  mal  é  compa^vel  com  a   existência  de  Deus,  pois  o  mal  que  as  pessoas  fazem  é   responsabilidade  destas  e  não  de  Deus,  uma  vez  que   Deus  quis  dar-­‐nos  livre-­‐arbítrio  (é  melhor  sermos  livres   do  que  sermos  marionetas)  e  não  poderíamos  ter  livre-­‐ arbítrio  se  não  pudéssemos  escolher  entre  fazer  o  bem   e  fazer  o  mal.   Deus   47  
  48. 48. Objecção  2   (objecção  ao  problema  do  mal  natural)  1.  Se  Deus  exis5sse,  o  mal  (natural)  não  exis5ria  no   mundo.  Mas  o  mal  natural  (terramotos,  doenças  congénitas,   catástrofes  naturais)  é  compa^vel  com  a  existência  de   Deus,  pois  se  no  mundo  não  houvesse  algum  mal,  as   pessoas  não  teriam  a  oportunidade  de  se  superarem,   realizando  actos  valiosos  e  heróicos,  revelando  assim  a   sua  grandeza.   Deus   48  
  49. 49. Escola  Secundária  Manuel  Teixeira  Gomes   Aires  Almeida   Aires  Almeida   49  

×