• Compartilhar
  • Email
  • Incorporado
  • Curtir
  • Salvar
  • Conteúdo privado
Texto base Campanha da Fraternidade 2014
 

Texto base Campanha da Fraternidade 2014

on

  • 30,238 visualizações

Texto Base CF 2014 completo

Texto Base CF 2014 completo

Estatísticas

Visualizações

Visualizações totais
30,238
Visualizações no SlideShare
28,896
Visualizações incorporadas
1,342

Actions

Curtidas
1
Downloads
229
Comentários
2

20 Incorporações 1,342

http://afonsomurad.blogspot.com.br 1147
http://www.afonsomurad.blogspot.com.br 77
http://cmsfassis.blogspot.com.br 57
http://afonsomurad.blogspot.com 13
http://www.afonsomurad.blogspot.com.es 8
http://afonsomurad.blogspot.com.es 6
http://afonsomurad.blogspot.it 6
http://cmsfassis.blogspot.ru 4
http://afonsomurad.blogspot.in 4
http://afonsomurad.blogspot.com.ar 4
http://afonsomurad.blogspot.ru 3
http://afonsomurad.blogspot.mx 3
http://afonsomurad.blogspot.pt 2
http://cmsfassis.blogspot.com 2
http://afonsomurad.blogspot.co.uk 1
http://www.google.com.br 1
http://afonsomurad.blogspot.fr 1
http://www.afonsomurad.blogspot.pt 1
http://www.afonsomurad.blogspot.com 1
http://cache.baiducontent.com 1
Mais...

Categorias

Carregar detalhes

Uploaded via as Adobe PDF

Direitos de uso

© Todos os direitos reservados

Report content

Sinalizado como impróprio Sinalizar como impróprio
Sinalizar como impróprio

Selecione a razão para sinalizar essa apresentação como imprópria.

Cancelar

12 de 2anterioresseguinte

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Sua mensagem vai aqui
    Processing...
  • SHOWWWWWWWWWWWWWWWW
    Are you sure you want to
    Sua mensagem vai aqui
    Processing...
  • O Tema é Importante e instigante diante de tantos casos de barbárie contra a vida humana, principalmente ao que toca ao Tráfico Humano. A constante ameaça a vida através do tráfico de pessoas tem sido uma barbárie contra a classe dos mais vulneráveis. As Mulheres, Jovens, Indígenas, os Homo afetivos e o povo negro, e, de maneira especial a classe feminina é a mais afetada por tal barbárie do tráfico de pessoas.
    O genocídio dos jovens negros tem sido uma das questões mais alarmantes em nosso país, o que demonstra os altos índices de racismo em nosso imenso Brasil com uma enorme diversidade e pluralidade cultural.
    Não podemos esquecer de que o Brasil a pesar dos avanços históricos de conquistas de direitos fundamentais pelos Movimentos Sociais, Entidades de Defesa de Direitos Humanos e demais seguimentos da Sociedade Civil comprometidos com a vida, a transformação social, e com um desenvolvimento sustentável ainda precisamos melhorar muito, pois, as violações de Direitos Humanos ainda é uma constante vergonhosa e alarmante em nosso país.
    No que to a Mulher a maior vítima do Tráfico Humano e também da violência social, doméstica, Institucional e etc há que se travar uma luta contra o machismo e o patriarcalismo que ainda Impera em nossas Instituições Públicas, Sociais, Religiosas e Públicas onde ainda persiste, a prepotência, a violência, a arrogância mácula das mais variadas possíveis contra a Mulher.
    Discutir, debater, e lutar contra o TRÁFICO HUMANO, logo se traz a memória a parte mais triste da história das Américas, o Tráfico dos povos Africanos, umas das maiores Barbáries da História da Humanidade senão a maior delas. Sem esquecer a dizimação dos 5.000.000 Milhões de povos Indígenas só no Brasil com o colonialismo. Impossível falar de Tráfico Humano sem trazer a tona a História do Colonialismo um processo Capitalista Escravocrata casado com imposição religiosa e domínio cultural europeu.

    Que esta campanha nos ajude a planejar, elabora e executar políticas de combate a barbárie do Tráfico humano. Tal Câncer Social não pode mais continuar a fazer vítimas.
    Are you sure you want to
    Sua mensagem vai aqui
    Processing...
Publicar comentário
Editar seu comentário

    Texto base Campanha da Fraternidade 2014 Texto base Campanha da Fraternidade 2014 Document Transcript

    • Texto-Base É PARA A LIBERDADE QUE C R I S T O N O S ^ LIBERTOU (615, t; 1^:
    • Primeira Parte • r r a l o r n J d a d o OTiállco H u m a n o 1 . O Tráfico H u m a n o 6. O tráfico h u m a n o ^ é u m c r i m e q u e a t e n t a c o n t r a a d i g n i d a d e d a p e s s o a h u m a n a , já q u e e x p l o r a o f i l h o e a f i l h a d e D e u s , l i m i t a s u a s l i b e r d a d e s , d e s p r e z a s u a h o n r a , a g r i d e s e u a m o r próprio, ameaça e s u b t r a i s u a v i d a , q u e r s e j a d a m u l h e r , d a criança, d o a d o l e s c e n t e , d o t r a b a l h a d o r o u d a t r a b a l h a d o r a - d e cidadãs e cidadãos q u e , f r a g i l i z a d o s p o r s u a condição socioeconômica e / o u p o r s u a s e s c o l h a s , t o r n a m - s e a l v o fácil p a r a a s ações c r i m i n o s a s d e t r a f i c a n t e s . 7. O P a p a F r a n c i s c o a s s i m s e r e f e r i u a e s s a prática: " O tráfico d e p e s s o a s é u m a a t i v i d a d e ignóbil, u m a v e r g o n h a p a r a a s n o s s a s s o c i e d a d e s q u e s e d i z e m c i v i l i z a d a s ! " ^ O tráfico h u m a n o é u m a d a s questões s p c i a i s m a i s g r a v e s d a a t u a l i d a d e . ' * "Não há país l i v r e d o tráfico d e p e s s o a s , s e j a c o m o p o n t o d e o r i g e m d o c r i m e , seja c o m o d e s t i n o d o s traficados".^ 8. O C o n c i l i o V a t i c a n o 11 já a f i r m a v a q u e " a escravidão, a p r o s t i tuição, o m e r c a d o d e m u l h e r e s e d e j o v e n s , o u a i n d a a s i g n o m i n i o s a s condições d e t r a b a l h o , c o m a s q u a i s o s t r a b a l h a d o r e s 2 Tráfico h u m a n o o u tráfico d e s e r e s h u m a n o s o u tráfico d e p e s s o a s r e f e r e - s e à mesma exploração e conseqüência d e violações d e d i r e i t o s d e p e s s o a s . E u m a o f e n s a a o s d i r e i t o s humanos porque o p r i m e e escraviza a pessoa, ferindo s u adignidade e evidenciando d i v e r s a s violações d e d i r e i t o s p r e s e n t e s n a s o c i e d a d e contemporânea. N o s países d e língua espanhola, esse crime é conhecido d e n o m i n a m d e trafficking c o m o trata de personas, o s países d e língua i n g l e s a o in persons. N o B r a s i l , a t e r m i n o l o g i a m a i s u t i l i z a d a é "tráfico d e seres h u m a n o s " , TSH. 3 Disponível e m : http:/Avww.gaudiumpress.org/content/45999-Migrantes-e-refugiados- necessitam-de-compreensao-e-bondade--diz-Papa-a-Pastoral-dos-Migrantes-eltinerantes#ixzz2UcQiJdlz. Acesso em: 23/05/2012. 4 C f C E L A M . Documento 5 B R A S I L . Ministério d a Justiça. Cartilha - Campanha de Aparecida. T- Edição. 2 0 0 8 , n . 7 3 . coração azul. 2 0 1 3 . 11
    • são t r a t a d o s c o m o s i m p l e s i n s t r u m e n t o s d e g a n h o , e não c o m o p e s s o a s l i v r e s e responsáveis" são " i n f a m e s " , " p r e j u d i c a m a c i v i lização h u m a n a , d e s o n r a m a q u e l e s q u e a s s i m s e c o m p o r t a m " e " o f e n d e m g r a n d e m e n t e a h o n r a d o Criador".*^ 9. O tráfico h u m a n o c o n d i c i o n a a s p e s s o a s à escravidão e f e r e a dignidade da pessoa h u m a n a , a qual perde t o d o s os seus direit o s inalienáveis: d e e s t a r l i v r e d e t o d a f o r m a d e exploração; d e estar livre d et r a t a m e n t o d e s u m a n o e cruel; d eestar livre d e t o d a s a s f o r m a s d e violências e t o r t u r a s físicas e psicológicas; d e e s t a r l i v r e d e discriminações b a s e a d a s e m o r i g e m , raça, s e x o , cor, i d a d e ; a g a r a n t i a d a l i b e r d a d e d e i r e vir, d e p e r m a n e c e r e ficar; a g a r a n t i a d e e x e r c e r s u a p e r s o n a l i d a d e , s u a aptidão l e g a l , p a r a f a z e r v a l e r s e u s d i r e i t o s e n q u a n t o filho e filha d e D e u s . 10. N o B r a s i l , são f o r m a s b e m c o n h e c i d a s do-tráfico h u m a n o : a exploração, q u e a t i n g e p r i n c i p a l m e n t e m u l h e r e s , m a s também crianças e a d o l e s c e n t e s , n o m e r c a d o d o s e x o , e a exploração d e trabalhadores escravizados e m atividades produtivas. 11. É difícil d i m e n s i o n a r o tráfíco h u m a n o , p o i s m u i t a s d e s u a s vítimas não são i d e n t i f i c a d a s . N o e n t a n t o , a Organização d a s Nações U n i d a s ( O N U ) e s t i m a q u e o tráfico h u m a n o r e n d a , a p r o x i m a d a m e n t e , 3 2 bilhões d e dólares a n u a i s , ^ s i t u a n d o - o e n t r e o s c r i m e s o r g a n i z a d o s m a i s rentáveis, a o l a d o d o tráfico d e d r o g a s e d e a r m a s . 12. D a d o s d a Organização I n t e r n a c i o n a l d o T r a b a l h o ( O I T ) r e f e r e n t e s às m o d a l i d a d e s d o t r a b a l h o e s c r a v o também c o n t r i b u e m p a r a a percepção d a s dimensões d e s s e c r i m e i n t e r n a c i o n a l , m e s m o considerando que n e m todos os casos de trabalho escravo são r e s u l t a n t e s d e tráfico h u m a n o . N o início d e j u n h o d e 2 0 1 2 , a O I T e s t i m o u q u e a s vítimas d o t r a b a l h o forçado e exploração s e x u a l c h e g a m a 2 0 , 9 milhões d e p e s s o a s e m t o d o o m u n d o . E s s a p e s q u i s a c o n s t a t o u q u e 4 , 5 milhões ( 2 2 % ) d a s vítimas são 6 C f . CONCÍLIO V A T I C A N O 7 Verificar em: 11. Gaudium et spes. n. 2 7 . http;/Avww.onu.org.br/traflco-de-pessoas-fatura-pelo-menos-32-bilhoes-de- dolares-por-ano-alerta-oniV. Acesso e m : 25/05/2013. 12
    • e x p l o r a d a s e m a t i v i d a d e s s e x u a i s forçadas; 1 4 , 2 milhões ( 6 8 % ) e m t r a b a l h o s forçados e m d i v e r s a s a t i v i d a d e s econômicas; e 2 , 2 milhões ( 1 0 % ) p e l o próprio E s t a d o , s o b r e t u d o o s m i l i t a r i z a d o s . * 13. ' A pesquisa a p o n t o u ainda q u e m u l h e r e s e j o v e n s r e p r e s e n t a m 1 1 , 4 milhões ( 5 5 % ) d a s vítimas, e n q u a n t o 9 , 5 milhões ( 4 5 % ) são h o m e n s e j o v e n s . O s a d u l t o s são o s m a i s a f e t a d o s : 1 5 , 4 milhões ( 7 4 % ) . O s d e m a i s 5 , 5 milhões ( 2 6 % ) têm i d a d e até 1 7 a n o s , o q u e e v i d e n c i a a g r a n d e incidência d o tráfico h u m a n o também e n t r e crianças e j o v e n s . O s t r a f i c a d o s d e países d a América L a t i n a c h e g a m a um^milhão e o i t o c e n t o s , o u 9 % d o t o t a l d a s vítimas n o m u n d o , u m a prevalência d e 3 , 1 c a s o s p o r m i l h a b i t a n t e s . ' 14. O s t r a f i c a n t e s s e a p r o v e i t a m d a v u l n e r a b i l i d a d e econômica e s o c i a l d e m u i t a s p e s s o a s e m p r o c e s s o d e migração p a r a aliciá- l a s . A O I T a f i r m a q u e 9 , 1 milhões ( 4 4 % ) d a s vítimas são a l i c i a d a s ao m i g r a r e m , seja q u a n d o se d e s l o c a m para o u t r a s localidades d e n t r o d o próprio país o u q u a n d o m i g r a m p a r a o u t r o s países."* 1.1. 15. A s p r i n c i p a i s m o d a l i d a d e s d o tráfico h u m a n o Tráfico p a r a a exploração n o t r a b a l h o - C o n f o r m e conceituação d o Ministério d o T r a b a l h o : " D i v e r s a s são a s denominações d a d a s a o fenômeno d e exploração ilícita e precária d o t r a b a l h o , o r a c h a m a d o d e t r a b a l h o forçado, t r a b a l h o e s c r a v o , exploração d o t r a b a l h o , semiescravidão, t r a b a l h o d e g r a d a n t e , e n t r e o u t r o s , q u e são u t i l i z a d o s i n d i s t i n t a m e n t e p a r a t r a t a r d a m e s m a realidade jurídica. M a l g r a d o a s d i v e r s a s denominações, q u a l q u e r t r a b a l h o q u e não reúna a s mínimas condições necessárias p a r a g a r a n t i r os direitos d o trabalhador, o u seja, cerceie sua liberdade, avilte a s u a d i g n i d a d e , s u j e i t e - o a condições d e g r a d a n t e s , i n c l u s i v e e m relação a o m e i o a m b i e n t e d e t r a b a l h o , há q u e s e r c o n s i d e r a d o 8 C f . O I T . Relatório Estimativa global da OIT sobre o trabalho forçado - 2012. Disponível e m : http://www.onu.org.br/estudo-da-oit-identiflca-quase-21-milhoes-de-pessoas-vitimas-detrabalho-forcado-no-mundo/. Acesso e m 9 10 25/06/2013. Idem. Idem. 13
    • t r a b a l h o e m condição análoga à d e e s c r a v o . A degradação m e n c i o n a d a v a i d e s d e o c o n s t r a n g i m e n t o físico e / o u m o r a l a q u e é s u b m e t i d o o t r a b a l h a d o r - s e j a n a deturpação d a s f o r m a s d e contratação e d o c o n s e n t i m e n t o d o t r a b a l h a d o r a o c e l e b r a r o vínculo, s e j a n a i m p o s s i b i l i d a d e d e s s e t r a b a l h a d o r d e e x t i n g u i r o vínculo c o n f o r m e s u a v o n t a d e , n o m o m e n t o e p e l a s razões q u e e n t e n d e r a p r o p r i a d a s - até a s péssimas condições d e t r a b a l h o e d e remuneração: a l o j a m e n t o s s e m condições d e habitação; f a l t a d e instalações sanitárias e d e água potável; f a l t a d e f o r n e c i m e n t o g r a t u i t o d e e q u i p a m e n t o s d e proteção i n d i v i d u a l e d e b o a s condições d e saúde, h i g i e n e e segurança n o t r a b a l h o ; j o r n a d a s e x a u s t i v a s ; remuneração i r r e g u l a r ; promoção d o e n d i v i d a m e n t o p e l a v e n d a d e m e r c a d o r i a s a o s t r a b a l h a d o r e s . " " A exploração n o t r a b a l h o p o d e g e r a r condições d e v e r d a d e i r a escravidão.'^ N o Brasil, e n t r e 2 0 0 3 a 2 0 1 2 , e n t r e os trabalhadores resgatados, h a v i a b r a s i l e i r o s d e t o d o s o s e s t a d o s d o país, além d e a l g u n s i m i g r a n t e s , p r i n c i p a l m e n t e b o l i v i a n o s o u p e r u a n o s . N a s regiões N o r t e e C e n t r o - O e s t e , u m e m c a d a d o i s o u três municípios já f o i a t i n g i d o ; n a s d e m a i s regiões, u m e m c a d a d e z . N o período d e 2 0 0 3 a 2 0 1 2 , a Amazônia L e g a l t e v e a m e t a d e d e t o d o s o s t r a b a l h a d o r e s l i b e r t a d o s n o B r a s i l . Estatística provisória d a Comissão Pastoral da Terra (CPT), d o a n o de 2 0 1 2 , a p o n t a que 3.596 pess o a s f o r a m vítimas d o t r a b a l h o e s c r a v o , s e n d o q u e 2 . 6 5 6 f o r a m resgatadas. Entre os anos 2 0 0 3 e 2 0 1 2 , f o r a m registrados 6 2 . 8 0 2 c a s o s d e p e s s o a s e m t r a b a l h o e s c r a v o o u análogo a o escravo.'-' N e s s a m o d a l i d a d e , a m a i o r i a d o s t r a f i c a d o s são h o m e n s ( 9 5 , 3 % ) . 16. Tráfico p a r a a exploração s e x u a l - A criminalização d e s s a a t i v i d a d e r e s u l t a d a exploração d a prostituição o u d e o u t r a s f o r m a s d e exploração s e x u a l , típicas d o tráfico h u m a n o . A exploração 11 B R A S I L . Ministério d o T r a b a l l i o e E m p r e g o . Manual de Combate ao Trabalho em Condições a n f l / o g a s às d e e s c r a v o . Brasília: M T E , 2 0 1 1 , p . 1 2 . 12 C f . C E L A M . Documento 13 N o endereço s e g u i n t e e n c o n t r a - s e t a b e l a c o m vários d a d o s r e l a t i v o s a o t r a b a l h o e s c r a v o - de Aparecida, n. 7 3 . Disponível e m : http://viWw.cptnacional.org.br/attachments/article/l391/S%C3%ADntese°<20 estat%C3%ADstica%20do%20TE-%20%20ATUALlZADA%20em%2020.12.2012.pdf 25/05/2013. 14 Acesso e m
    • u t i l i z a - s e : d a p o r n o g r a f i a , d o t u r i s m o , d a indústria d o e n t r e t e n i m e n t o , da internet. E o p o r t u n o l e m b r a r que a palavra "prostituição" f a z p e s a r , s o b r e a s p e s s o a s n e s s a condição, u m d u r o juízo c a r r e g a d o d e p r e c o n c e i t o . D a d o s a p o n t a m q u e 8 0 % d o s ' t r a f i c a d o s n e s s a m o d a l i d a d e são m u l h e r e s . ' ' ' 17. Tráfico p a r a a extração d e órgãos'^ - T r a t a - s e d e u m c r i m e q u e v e m c r e s c e n d o n o s últimos a n o s . O tráfico p a r a a remoção d e órgãos e n v o l v e a c o l e t a e a v e n d a d e órgãos d e d o a d o r e s i n v o luntários o u d o a d o r e s q u e são e x p l o r a d o s a o v e n d e r e m seus órgãos e m circunstâncias e t i c a m e n t e questionáveis.'^ A i n t e r n e t é m u i t o utilizada por esse " m e r c a d o " . O tráfico d e órgãos e n v o l v e a c o l h e i t a e a v e n d a d e órgãos d e d o a d o r e s involuntários o u d o a d o r e s q u e v e n d e m s e u s órgãos e m circunstâncias e t i c a m e n t e questionáveis. A c e n a d o c r i m e r e q u e r u m d o a d o r , u m médico e s p e c i a l i z a d o e u m a sala d e operações. M u i t a s v e z e s , u m r e c e p t o r também está próximo, já q u e o s órgãos não s o b r e v i v e m m u i t o t e m p o f o r a d o c o r p o . O tráfico d e órgãos e n v o l v e a c o l h e i t a e a v e n d a d e órgãos d e d o a d o r e s involuntários o u d o a d o r e s q u e v e n d e m s e u s órgãos e m circunstâncias e r i c a m e n t e questionáveis. A realização d o c r i m e é tentadora para criminosos, porque é altamente lucrativa e a dem a n d a também é a t r a e n t e . N o r m a l m e n t e , o s destinatários não são i n f o r m a d o s d e o n d e v e m o órgão e cirurgiões q u e r e a l i z a m o s t r a n s p l a n t e s também p o d e m e s t a r n o e s c u r o s o b r e a f o n t e . " O tráfico d e p e s s o a s p a r a remoção d e órgãos começa c o m a v e n d a d o s próprios órgãos p e l a vítima. T r a t a - s e d e u m m e r c a d o cruel, que explora o desespero de ambos os lados: doentes que p o d e m p a g a r p o r u m órgão imprescindível p a r a v i v e r e p e s s o a s q u e p o n d e r a m e n t r e o órgão s a d i o q u e têm - e q u e a v a l i a m q u e 14 Disponível e m : h t t p : / A w w . b r a s i l . g o v . b r / n o t i c i a s / a r q u i v o s / 2 0 1 3 / 0 5 / 0 9 / b r a s i l - l a n c a - c a m p a n h a -contra-trafico-de-pessoas. Acesso e m 23/05/2013. 15 O b s : o s d a d o s r e f e r e n t e s a e s s a m o d a l i d a d e d e tráfico são l i m i t a d o s . 0 c a s o o f i c i a l m a i s i m p o r t a n t e até o m o m e n t o f i c o u c o n h e c i d o c o m o "Operação B i s t u r i " , o c o r r i d o e m 2003. Informações n o endereço: v v w w . a i d s . g o v . b r / n o d e / 3 8 6 4 3 . 16 Disponível e m : http://www.epochtimes.com.br/trafico-de-orgaos-um-novo-crime-do- seculo-21/. Acesso e m 23/05/2013. 17 Idem. 15
    • dele p o d e m dispor s e m risco de vida - e o dinheiro que recebe- rão c o m a v e n d a . O c a s o m a i s c o n h e c i d o a p u r a d o n o B r a s i l o c o r r e u n o início d o s a n o s 2 0 0 0 , c o m o tráfico i n t e r n a c i o n a l q u e l i g a v a o e s t a d o d e P e r n a m b u c o à África d o S u l . A s vítimas e r a m a l i c i a d a s , v e n d i a m u m r i m n a área u r b a n a d e R e c i f e e e r a m l e v a d a s p a r a D u r b a n , n a África d o S u l , o n d e s e s u b m e t i a m à c i r u r g i a p a r a r e t i r a d a d e s s e órgão.'* E m 2 0 0 4 , o Ministério Público F e d e ral (MPF) d e n u n c i o u 2 8 pessoas p o r esse crime. A estimativa foi de que o esquema criminoso tenha m o v i m e n t a d o e m t o r n od e U S $ 4 , 5 milhões c o m a comercialização d e c e r c a d e 3 0 órgãos.'** 18. Tráfico d e crianças e a d o l e s c e n t e s - C o m relação a e s s a m o d a l i d a d e d o tráfico h u m a n o , o s d a d o s são i m p r e c i s o s , d e v i d o à p o u c a incidência i n v e s t i g a t i v a . S e g u n d o e n t i d a d e s não g o v e r n a m e n t a i s q u e t r a b a l h a m a questão, a s r e d e s i n t e r n a c i o n a i s d e tráfico m o v i m e n t a m crianças n o m u n d o t o d o . S o m e n t e n a década d e 8 0 , q u a s e 2 0 m i l crianças b r a s i l e i r a s f o r a m e n v i a d a s a o e x t e r i o r p a r a adoção, s e n d o q u e a situação d e m u i t a s p e r m a n e c e u m a i n cógnita. A Comissão P a r l a m e n t a r d e Inquérito d o tráfico h u m a n o e n c o n t r o u inúmeros p r o c e s s o s f r a u d u l e n t o s d e adoção.^" N o B r a s i l , e x i s t e m denúncias d e tráfico d e crianças e a d o l e s c e n t e s para f i n a l i d a d e d e exploração s e x u a l , indícios d e existência d e tráfico i n t e r n a c i o n a l r e l a t a d o s p o r e s p e c i a l i s t a s , além d e freqüentes s i tuações e denúncias d e tráfico i n t e r n o d e crianças e a d o l e s c e n tes feitas p o r o r g a n i s m o s internacionais e nacionais.^' O c h a n c e l e r d a Pontifícia A c a d e m i a d a s Ciências, D o m Marcelo Sánchez S o r o n d o , e x p l i c a q u e h o j e " a s ciências n a t u r a i s p o d e m oferecer novos instrumentos a serem utilizados contra essa n o v a f o r m a d e escravidão, q u a i s u m r e g i s t r o d i g i t a l p a r a c o m p a r a r o D N A d a s crianças d e s a p a r e c i d a s não i d e n t i f i c a d a s ( i n c l u s o s 18 Disponível e m : h t t p : / A w v w . a i d s . g o v . b r / n o t i c i a / 2 0 0 3 / c p i - i n v e s t i g a - t r a f i c o - d e - o r g a o s . Acesso e m 25/05/2013. 19 Disponível em: https://vvww.facebook.com/traficodepessoas.pesquisa/posts/2076243593 99952?notif_t=close_friend_activity. Acesso e m 25/08/2013. 20 C f a r t i g o : Tráfico Internacional de Crianças - Mercado desaparecidosdobrasil.org. Acesso e m 25/05/13. 21 16 C f B R A S I L . Guia de Referência, p . 6 5 . Bilionário. Disponível e m : www.
    • o s c a s o s d e adoção i l e g a l ) c o m o d e s e u s f a m i l i a r e s q u e t e n h a m denunciado o desaparecimento delas". Prossegue dizendo que, p o r t a n t o , "é i m p o r t a n t e p a r a a Pontifícia A c a d e m i a d a s Ciências, p a r a a Pontifícia A c a d e m i a d a s Ciências S o c i a i s e p a r a a F e d e r a 'ção M u n d i a l d a s Associações Médicas Católicas s e g u i r d i r e t a m e n t e , a o pé d a l e t r a , o d e s e j o d o P a p a " . E finaliza, "devemos ser gratos a o Papa Francisco p o r t e r identificado u m d o s mais i m p o r t a n t e s d r a m a s s o c i a i s d o n o s s o t e m p o f...]."^^ É g r a n d e o c o n t i n g e n t e d e crianças t r a b a l h a d o r a s : p a r a c a d a d e z crianças b r a s i l e i r a s , u m a t r a b a l h a ; são 8 6 6 m i l crianças d e 7 a 14 anos alistadas c o m o trabalhadoras n o Brasil. D e acordo c o m a O I T , e s s e número i n c l u i a p e n a s a s crianças e m p r e g a d a s n a s piores modalidades d etrabalho infantil, tais c o m o o trabalho e s c r a v o forçado, a v e n d a e o tráfico d e p e s s o a s , a s a t i v i d a d e s ilícitas, t a i s c o m o a produção e tráfico d e d r o g a s , o s t r a b a l h o s p e r i g o s o s à saúde i n f a n t i l ( c o m o o c o r t e d e c a n a e a fabricação de tijolos e de farinha), entre outras atividades." 19. A s estatísticas o f i c i a i s o m i t e m , p o r e x e m p l o , a s p r o s t i t u t a s Crianças s u b m e t i d a s a exploração s e x u a l e a s m i l h a r e s d e c r i a n ças, g e r a l m e n t e m e n i n a s , q u e f a z e m t r a b a l h o s domésticos n o B r a s i l . E m p r e g a r crianças n o t r a b a l h o doméstico, m u i t a s v e z e s e m i d a d e b a s t a n t e p r e c o c e , é u m a prática m u i t o c o m u m e b e m a c e i t a n o país. A p e s a r d e p r e j u d i c a r p r o f u n d a m e n t e crianças e adolescentes, a carga de t r a b a l h o é m u i t o pesada, e a m a i o r i a d a s crianças não c o n s e g u e freqüentar a e s c o l a . P o r o u t r o l a d o , essa atividade acontece d e f o r m a escondida, t o r n a n d o - s e d i fícil v i g i a r e n o r m a t i z a r e s s e t i p o d e exploração d a força d e trabalho infantojuvenil.^'' 22 Disponível e m : httpv'/noticias.cancaonova.com/noticia.php?id=289720. Acesso e m 25A)8/2013. 23 Disponível e m : h t t p y A v w w . b r a s i I d e f a t o . c o m . b r / n o d e / 1 3 l 3 2 . A c e s s o e m 2 5 / 0 7 / 2 0 1 3 . 24 Idem. 17
    • 1.2. 20. A l g u m a s características d o tráiico h u m a n o C r i m e o r g a n i z a d o - O c r i m e d o tráfico h u m a n o d e s e n v o l v e u a m p l a e s t r u t u r a e s o f i s t i c a d o serviço-meio p a r a f a c i l i t a r s u a s d i v e r s a s a t i v i d a d e s . E x i s t e m f o r n e c e d o r e s d e d o c u m e n t o s f a l s o s , serviços jurídicos, l a v a g e m d e d i n h e i r o , t r a n s p o r t a d o r e s , e n t r e o u t r o s . E as e t a p a s d o tráfico e serviços a f i n s n e m s e m p r e p e r t e n c e m à m e s m a r e d e . F u n c i o n a m d e m a n e i r a autônoma, d i f i c u l t a n d o o s e u c o m b a t e . 21. A s r o t a s - A P e s q u i s a s o b r e Tráfico d e M u l h e r e s , Crianças e A d o l e s c e n t e s p a r a F i n s d e Exploração S e x u a l C o m e r c i a l n o B r a s i l ( P E S T R A F ) , já e m 2 0 0 3 , h a v i a m a p e a d o 2 4 1 r o t a s n a c i o n a i s e i n t e r n a c i o n a i s d o tráfico, a s s i m c o m o d i v e r s o s d e s t i n o s d e n t r o e f o r a d o país. A s p r i n c i p a i s r o t a s u t i l i z a d a s p e l o s t r a f i c a n t e s são e s t r a t e g i c a m e n t e construídas a partír d e c i d a d e s próximas a rodovias, portos e aeroportos, regulares o u clandestinos. Cost u m a m s a i r d o i n t e r i o r d o s E s t a d o s e m direção a o s g r a n d e s c e n t r o s u r b a n o s o u às regiões d e f r o n t e i r a i n t e r n a c i o n a l . ^ ^ A O N U , p o r m e i o d o Escritório d a s Nações U n i d a s s o b r e D r o g a s e C r i m e ( U N O D C ) p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l , também identíficou, até 2 0 1 2 , a s r o t a s c r i m i n o s a s r e l a c i o n a d a s a o m e r c a d o d o Tráfico H u m a n o n o Brasil, a p o n t a n d o 2 4 1 rotas, sendo 110 relacionad a s a o tráfico i n t e r n o e 1 3 1 , a o tráfico t r a n s n a c i o n a l . A s c o n centrações d a s r o t a s d o tráfico h u m a n o n o B r a s i l estão a s s i m distribuídas: região N o r t e - Amazônia: 7 6 ; região N o r d e s t e : 6 9 ; região S u d o e s t e : 3 5 ; região C e n t r o - O e s t e : 33;'região S u l : 2 8 . 22. A i n v i s i b i l i d a d e - A i n v i s i b i l i d a d e d o c r i m e d o tráfico h u m a n o é u m a d a s características q u e d i f i c u l t a m o s e u e n f r e n t a m e n t o , pois é u m c r i m e silencioso. Para esse fato, concorre o p e q u e n o número d e denúncia d a p a r t e d a s vítimas: p o r f a l t a d e c o n s ciência d a exploração a q u e são s u b m e t i d a s , p o r v e r g o n h a d e 25 S o b r e a s r o t a s d o tráfico v e r também: L A K Y , T . Tráfico Internacional de Mulheres: Nova Face d e u m a V e l h a Escravidão. T e s e ( D o u t o r a d o e m Serviço S o c i a l ) - P r o g r a m a d e E s t u d o s PósG r a d u a d o s e m Serviço S o c i a l , Pontifícia U n i v e r s i d a d e Católica d e São P a u l o , São P a u l o , 2 0 1 2 , p.81-84; 104-117. 18
    • expor o que passaram, o u , s o b r e t u d o , pelo t e m o r das violentas represálias, q u e p o d e m a t i n g i r até s e u s f a m i l i a r e s . 23. O a l i c i a m e n t o e a coação - D e n t r e o s m e i o s d e tráfico d e pessoas, o mais c o m u m é o aliciamento. A pessoa é abordada c o m u m a o f e r t a d e t r a b a l h o irrecusável, q u e l h e p r o m e t e m e l h o r a r d e v i d a . E n g a n a d a , a vítima é c o n d u z i d a a u m l u g a r d i s t a n t e , o n d e é s u b m e t i d a a práticas c o n t r a a s u a v o n t a d e . Além d i s s o , é i m p e d i d a d e r e t o r n a r e , e m m u i t o s c a s o s , até d e s a i r d o l o c a l e m q u e é e x p l o r a d a . A s r e d e s d e a l i c i a m e n t o se c a m u f l a m r e c r u t a n d o p e s s o a s p a r a as a t i v i d a d e s c o m o d e m o d e l o s , d e t a l e n t o s p a r a o f u t e b o l , babás, e n f e r m e i r a s , garçonetes, dançarinas o u para t r a b a l h a r c o m o c o r t a d o r d e c a n a , p e d r e i r o , peão, c a r v o e i r o e t c . 24. O p e r f i l d o s a l i c i a d o r e s - O s a l i c i a d o r e s são, m u i t a s vezes, p e s s o a s q u e p e r t e n c e m a o r o l d e a m i z a d e s d a s vítimas o u d e f a miliares. N o r m a l m e n t e apresentam boa escolaridade o u alto pod e r d e c o n v e n c i m e n t o . A l g u n s se a p r e s e n t a m c o m o t r a b a l h a d o r e s o u proprietários d e c a s a s d e s h o w s , b a r e s , f a l s a s agências d e e n c o n t r o s , d e matrimônios o u d e m o d e l o s . E x i s t e m c a s o s e m q u e a própria vítima s e t o r n a u m a l i c i a d o r . A s p r o p o s t a s d e emprego g e r a m n a vítima e x p e c t a t i v a d e m e l h o r i a d a q u a l i d a d e d e v i d a . ^ ^ N o caso d o t r a b a l h o escravo, o "gato"^^ ocupa o lugar de aliciador, e m a l g u n s c a s o s , v e l a n d o a i d e n t i d a d e d o s proprietários. 25. A s vítimas-As vítimas d o tráfico h u m a n o e n c o n t r a m - s e e m situação de v u l n e r a b i l i d a d e social. Essa v u l n e r a b i l i d a d e das pessoas e m situação d e tráfico só p o d e s e r c o m p r e e n d i d a a p a r t i r d e u m a análise profijnda d asociedade, especialmente, a sociedade capitalista e a s várias c r i s e s cíclicas d o c a p i t a l , q u e l e v a m , e f e t i v a m e n t e , à v u l nerabilização d a s relações d e t r a b a l h o , s e j a d e h o m e n s , m u l h e r e s , crianças o u a d o l e s c e n t e s . E n t r e e s s a s situações d e vitimização p o d e m o s d e s t a c a r as das m u l h e r e s e x p l o r a d a s p a r a o m e r c a d o s e x u a l : 25 Disponível e m : Kttp-yAvww.cnj.jus.br/programas-de-a-a-z/cidadania-direito-de-todos/trafico -de-pessoas. A c e s s o e m 27 24/05/2013. Tratamento popular para a pessoa que recruta trabalhadores c o m ofertas enganosas. 19
    • • f! , c A m u l h e r vítima d e tráfico p a r a o m e r c a d o s e x u a l a p r o x i m a - s e d e u m a conceituação a b r a n g e n t e q u e c o n t e m p l a t o das as m u l h e r e s q u e se e n c o n t r a m i n s e r i d a s n o s p r o c e s s o s migratórios, e s u a situação d e exploração e d e violação d e d i r e i t o s e n q u a d r a - s e e m v a s t o c o n j u n t o d e práticas d e c o r r e n t e s d a feminização d a p o b r e z a (...|. N e s s a p e r s p e c t i v a a vítima n o m e a d a , t i p i f i c a d a e c l a s s i f i c a d a , já não s e r e conhece no amplo contingente de mulheres, sem rosto s e m v o z , s e m n o m e e s e m território, q u e compõem a s n o vas escravas; q u e , e n t r e t a n t o , d e i x a r a m de ser "brancas" c o m o n o final d o século X I X , e p a s s a r a m , a p e n a s , a s e r e m m u l h e r e s , c o m o m a s s a anônima, q u e o m e r c a d o r e c o n s trói c o m n o v a s r o u p a g e n s d e ilusão, d e sedução, e x o t i s m o e n o v i d a d e , t a n t o n o c a m p o da o f e r t a , c o m o da procura.^* M a s também crianças, a d o l e s c e n t e s , j o v e n s e h o m e n s são v i s a d o s . O tráfico h u m a n o , e m m u i t o s c a s o s , a g e j u n t o a p e s s o a s próximas d a s vítimas t r a f i c a d a s , c o m ameaças o u represálias. E s s a s são c h a m a d a s vítimas i n d i r e t a s . ^ ' R e l a t o s d e tráfico h u m a n o Pará, 2 0 1 2 : j o v e n s d e S a n t a C a t a r i n a a l i c i a d a s p o r r e d e d F p ^ ^ ^ tuição. G a r o t a s e r a m m a n t i d a s e m r e g i m e d e cárcere p r i v a d o . - " O C o n s e l h o T u t e l a r d e A l t a m i r a , n o Pará, d e n u n c i a a existência d e u m a r e d e d e tráfico h u m a n o n o município. P e l o m e n o s 1 2 j o v e n s e r a m forçadas a s e p r o s t i t u i r e m u m a b o a t e l o c a l i z a d a próximo às o b r a s d a U s i n a Hidrelétrica d e B e l o M o n t e . ' O C o n s e l h o recebeu a denúncia d e u m r a p a z e u m a a d o l e s c e n t e q u e t e r i a m f u g i d o d a b o a t e . ' H a v i a lá d e 1 2 a 1 5 m u l h e r e s , e n t r e e l a s , a a d o l e s c e n t e . 'Elas v i n h a m de Santa Catarina e e r a m levadas para essa b o a t e e m A l t a m i r a , o n d e e r a m forçadas a s e p r o s t i t u i r . ' . A s j o v e n s s e r i a n aliciadas c o m a promessa de u m a renda de R$ 14 m i l por semana, m a s , a o c h e g a r e m a o Pará, e r a m m a n t i d a s e m r e g i m e d e cárcere 28 L A K Y , T . Tráfico I n t e r n a c i o n a l d e M u l h e r e s : N o v a Face 29 Ibidem.p. 87-104;209-286. 20 de u m a Velha Escravidão, p . 2 8 5 - 2 8 6 .
    • ffftn q u a r t o s s e m ventilação e já c h e g a v a m devendo R$ 3 mil p a s s a g e m aérea', c o n t a u m a c o n s e l h e i r a . " ^ " 1 2. M o b i l i d a d e e T r a b a l h o n a Globalização 26. A competição econômica n o m u n d o g l o b a l i z a d o v e m s e a c i r r a n d o n a s últimas décadas, o c a s i o n a n d o redução d e p o s t o s d e t r a b a l h o e precarização d a s condições l a b o r a i s , além d o a u m e n t o d a m o b i l i dade h u m a n a p o r t o d o o m u n d o . Nesse c o n t e x t o , pessoas m i g r a m e m b u s c a d e m e l h o r e s o p o r t u n i d a d e s d e t r a b a l h o e condições d e ! v i d a . N o p r o c e s s o d e migração, a s p e s s o a s f o r a d e s e u país t o m a m -se a i n d a m a i s vulneráveis q u a n d o estão e m condição d e i l e g a l i d a - ' d e o u d e s p r e p a r a d a s p a r a e x e r c e r d e t e r m i n a d o s ofícios. São s i t u a ções q u e a s f r a g i l i z a m e a s t o r n a m m a i s r e c e p t i v a s a o s e n g o d o s d o ' a l i c i a m e n t o d a s r e d e s e s p e c i a l i z a d a s e m tráfico h u m a n o . c R e l a t o s d e tráfico h u m a n o M a r i a a c o r d a c e d o , l e v a n t a - s e a n t e s d o s o l . P e g a d u a s conduções p a r a c h e g a r a u m b a i r r o grã-fino, o n d e t r a b a l h a . C h e g a à c a s a exausta. Sabe q u e a vida pode ser mais d o q u e isso. Maria t e m u m s o n h o : d a r u m ' d e s t i n o m e l h o r para s e u filho e seus pais. É bonita, a Maria. E u m dia recebe u m a proposta para trabalhar e m u m a boate na Espanha. Desconfia, m a s o dinheiro é tanto, dizem. P o d e garantir o f u t u r o . S e m saber o q u e a espera, resolve arriscar. M a r i a a i n d a não s a b e , m a s terá o m e s m o d e s t i n o d e o u t r a s 7 5 m i l brasileiras q u e f o r a m traficadas para a Europa. Assim q u e chegar à b o a t e c o m b i n a d a , ficará s a b e n d o q u e d e v e a p a s s a g e m . S e u p a s s a p o r t e será r e t i d o p e l o s cafetões, p a r a q u e e l a não f u j a . D o d i n h e i r o p r o m e t i d o , não v a i v e r n e m a c o n j " 30 F o n t e : C o n s e l h o T u t e l a r d e n u n c i a r e d e d e tráfico h u m a n o e m A l t a m i r a . Disponível e m : g l . g l o b o . c o m / p a r a . A c e s s o e m 14/02/2013 31 Disponível e m : h t t p : / / r e p o r t e r b r a s i l . o r g . b r / 2 0 0 5 / 0 9 / q u a n d o - o - s o n h o - v i r a - p e s a d e l o / . A c e s s o e m 23/02/2013. 1 21
    • 2.1. A m o b i l i d a d e n a globalização O fenômeno d a migração 27. A p a l a v r a migração provém d o l a t i m migrãre, m u d a r d e residência, i n d i c a n d o m o v i m e n t o de u m a pessoa o u g r u p o de u m lugar a o u t r o . O fenômeno d a migração é u m a c o n s t a n t e n a história da h u m a n i d a d e , ocorre desde o s u r g i m e n t o dos primeiros agrup a m e n t o s h u m a n o s n a pré-história. 28. A s migrações estão p r e s e n t e s e m f a t o s históricos i m p o r t a n t e s , c o m o a m o b i l i d a d e d e p o v o s autóctones q u e p r e c e d e u a c h e g a d a d e C o l o m b o às Américas, o u a v i n d a d e e u r o p e u s e d e a f r i c a n o s , l i v r e s o u c o m o e s c r a v o s , a o B r a s i l . ^ ^ N o período q u e c o m p r e e n d e o s a n o s 1 8 4 6 a 1 9 4 0 , c e r c a d e 5 5 milhões d e pessoas m i g r a r a m d a E u r o p a p a r a a s Américas, c o m g r a n d e repercussão socioeconômica p a r a e s t a s regiões. E s s a s movimentações h u m a n a s não f o r a m i s e n t a s d e situações q u e a t e n t a s s e m c o n t r a a d i g n i d a d e d a s p e s s o a s , b a s t a n d o l e m b r a r o tráfico n e g r e i r o e a exploração d o s m i g r a n t e s q u e a q u i 29. desembarcaram. E m nossos dias, c o m os m o d e r n o s m e i o s de t r a n s p o r t e e c o m u nicação, é g r a n d e a m o b i l i d a d e d a s p e s s o a s n o m u n d o g l o b a l i z a do. Estimativas a p o n t a m que, e m 2010, os migrantes chegaram a 2 1 4 milhões, m a i s d e 3% d a população m u n d i a l a t u a l . ^ ^ E n t r e a s destinações p r e f e r i d a s d e s s e s m i g r a n t e s , estão: E s t a d o s U n i d o s , c o m 20%; União Européia, c o m 9 , 4 % , e Canadá, c o m 5 , 7 % . ^ ' ' 30. O B r a s i l possuía, até r e c e n t e m e n t e , c e r c a d e três milhões d e b r a s i l e i r o s c o m residência n o e x t e r i o r . A m a i o r p a r t e d e l e s t r a b a l h a v a n o s países d e d e s t i n o , s o b r e t u d o E s t a d o s Unidos,Japão, R e i n o U n i d o , P o r t u g a l e Espanha.^^ N o e n t a n t o , c o m a r e c e n t e c r i s e econômica q u e a f e t o u a s condições d e t r a b a l h o nessas nações, m u i t o s d e s s e s e m i g r a n t e s r e t o r n a r a m à s u a pátria. 32 C f . B R A S I L . Cuia de Referência, p . 1 6 33 C f E U R O P E A N C O M I S S I O N . 3rd Annual Report on Immigration and Asylium (2011). C O M ( 2 0 1 2 ) , p . 2 5 0 . I n Guia de Referência, p . 2 8 . 34 C f . Relatório d e D e s e n v o l v i m e n t o H u m a n o 2 0 0 9 . I n Guia de Referência. 35 C f B R A S I L . Guia de Referência, p . 3 1 . 22 Bruxelas.
    • 31. N o q u a d r o d a s migrações, c a b e d i s t i n g u i r e n t r e migração voluntária, o u econômica, e migração forçada. A p r i m e i r a r e f e r e - s e a o d e s l o c a m e n t o p o r m o t i v o s econômicos, a f e t i v o s o u d e c u n h o s o - c i o c u l t u r a l d e u m l u g a r p a r a o u t r o ; a migração forçada o c o r r e q u a n d o a pessoa é p e r s e g u i d a e c o r r e riscos c o n c r e t o s se ficar n o país d e o r i g e m o u d e residência, e vê-se, a s s i m , o b r i g a d a a m u d a r d e lugar. D i f e r e n t e m e n t e dos m i g r a n t e s , o s refugiados são forçados a d e s l o c a m e n t o s d e s e u s E s t a d o s o u regiões.^* O s m a i s c o n h e c i d o s são o s r e f u g i a d o s p o r m o t i v o s políticos, r e l i giosos, nacionalidade, etnia o u g r u p o s sociais. Mas a estes s e s o m a m o s ass*im c h a m a d o s " r e f u g i a d o s d o d e s e n v o l v i m e n t o " , ^ ^ "refugiados da fome",-'* "refugiados ambientais".-*' 32. O P a p a B e n t o X V I c l a s s i f i c o u a s migrações c o m o u m fenômeno s o c i a l d e época. A f i r m o u q u e p a r a o e n f r e n t a m e n t o d e s t a r e a l i d a d e , é necessário u m a política f o r t e e c l a r i v i d e n t e d e coope- ração i n t e r n a c i o n a l . O q u e é u r g e n t e , e m v i r t u d e d o e x p r e s s i v o número d e p e s s o a s e m m o b i l i d a d e . A s migrações são " u m fenôm e n o impressionante pela quantidade d epessoas envolvidas, p e l a s problemáticas s o c i a i s , econômicas, políticas, c u l t u r a i s e r e l i g i o s a s q u e l e v a n t a , p e l o s d e s a f i o s dramáticos q u e c o l o c a às comunidades nacional e internacional."'"' 33. E s s e s f l u x o s migratórios são a c o m p a n h a d o s d e g r a n d e c a r g a d e s o f r i m e n t o s , c o n t r a r i e d a d e s e aspirações, o q u e t o r n a s u a g e s tão c o m p l e x a . N o e n t a n t o , e s t e s m i g r a n t e s , t r a b a l h a d o r e s em s u a m a i o r i a , p r e s t a m g r a n d e c o n t r i b u t o a o s países d e d e s t i n o , e m d i f e r e n t e s a t i v i d a d e s c o m o a o país d e o r i g e m , e s p e c i a l m e n t e 36 Cf. C U N H A , A.P. R e f u g i a d o s Cidadania. INSTITUTO ambientais? In Cadernos MIGRAÇÕES E D I R E I T O S de debates HUMANOS 7 - Refugio, Migrações E UNHCR, ACNUR. e Brasília, 2 0 1 2 , p. 1 0 3 . 37 A transposição d e f r o n t e i r a s é m o t i v a d a p o r construções h u m a n a s . 38 Q u a n d o p e s s o a s d e i x a m s e u s países d e o r i g e m e m razão d e g r a v e s c r i s e s a l i m e n t a r e s . 39 Conseqüência d a degradação a m b i e n t a l e d a s Em 2 0 1 0 , o número d e s s e s refugiados mudanças climáticas d o s últimos chegou anos. a 4 2 milhões. Disponível e m h t t p v / planetasustentavel.abril.com.br/blog/planeta-urgente/refugiados-clima-ja-sao-42milhoes-291902/. Acesso em: 30/05/2013. 40 P A P A B E N T O X V I . Carta Enddica Caritas in veritate. Brasília: Edições C N B B , 2 0 0 9 , n . 6 2 . 23
    • c o m s u a s r e m e s s a s monetárias. São, n o e n t a n t o , t r a t a d o s c o m o u m m e r o f a t o r d e produção. 34. T o d o m i g r a n t e é d e t e n t o r d e d i r e i t o s inalienáveis a s e r e m r e s p e i t a d o s p o r t o d o s n a s m a i s d i v e r s a s situações."' M a s e s s e d i r e i t o n e m s e m p r e é r e s p e i t a d o . A presença d e l e s , m u i t a s v e z e s g e r a inquietações e c o n f l i t o s o n d e a p o r t a m , têm d i f i c u l d a d e s p a r a o b ter d o c u m e n t o s oficiais, m e s m o c o m o contributo d e s e u trabal h o , o q u e o s t o r n a vulneráveis p e r a n t e a ação d e tráfico h u m a n o . A imigração p a r a o B r a s i l 35. A imigração voluntária p a r a o B r a s i l i n t e n s i f i c o u - s e após o f i m d o tráfico n e g r e i r o , e m 1 8 5 0 , d e v i d o à f a l t a d e mão d e o b r a p a r a o d e s e n v o h / i m e n t o d a a g r i c u l t u r a e p a r a a construção d e f e r r o v i a s ' ' ^ e não f o i i s e n t a d a exploração a o s i m i g r a n t e s . * 36. O deslocamento de imigrantes prosseguiu ao longo dos anos e a t i n g i u a s p r i m e i r a s décadas d o século X X . A s s i m , m i l h a r e s d e i t a l i a n o s , espanhóis, alemães, p o r t u g u e s e s , sírio-libaneses e j a p o n e s e s , d e n t r e o u t r o s , i m i g r a r a m p a r a o país. 37. E s t e fluxo s o m e n t e d i m i n u i u n o d e c o r r e r d a s e g u n d a m e t a d e d o século X X , m a s a u m e n t o u n o v a m e n t e n o d e c o r r e r d o s a n o s s e tenta c o m a chegada d e novos imigrantes da Europa, Paraguai, Bolívia, P e r u , C h i l e , Coréia d o S u l . ' ' ^ 38. Após a " g r a n d e recessão" econômica, q u e t e v e o s e u p i o r m o m e n t o e m s e t e m b r o d e 2 0 0 8 , o m o v i m e n t o imigratório p a r a o território b r a s i l e i r o g a n h o u a i n d a m a i s v i g o r . E n t r e 2 0 0 9 e 2 0 1 0 , v e r i f i c o u - s e a u m e n t o d e 6 7 % n a expedição d e v i s t o s d e permanência a i m i g r a n t e s , e , n a regularização d e e s t r a n g e i r o s , o i n c r e m e n t o f o i d e 5 2 , 5 % . D a d o s o f i c i a i s i n d i c a m q u e o número 41 P A P A B E N T O X V I . C a r t a E n c i c l i c a C a r i t a s i n veritate. 42 L A M O U N I E R , M . L . E n t r e a Escravidão e o T r a b a l h o Livre. Construção d a s Ferrovias Brasília: Edições C N B B , 2 0 0 9 , n . 6 2 . " Escravos e Imigrantes nas Obras d e n o B r a s i l n o Século X I X . I n E c o n o m i A , S e l e c t a . Brasília ( D F ) , v . 9 , n . 4 , d e z e m b r o / 2 0 0 8 , p. 215-245. 43 C f . ORGANIZAÇÃO I N T E R N A C I O N A L P A R A A S MIGRAÇÕES. Perfil G e n e b r a : O I M . I n B R A S I L . G u i a de Referência, p . 3 1 . 24 Migratório d o B r a s i l ( 2 0 1 0 ) .
    • d e e s t r a n g e i r o s r e g u l a r i z a d o s n o país p a s s o u , d e % 1 m i l e m 2 0 1 0 , p a r a 1,4 milhão n o f i m d e j u n h o d e 2 0 1 1 . * * 3 9 . ' N o capítulo m a i s r e c e n t e d a imigração p a r a o B r a s i l , h o u v e u m a u m e n t o d e migrantes s e mdocumentos, s e n d o a grande maior i a o r i u n d a d e países d a América d o S u l . D e v e m o s c i t a r também a e n t r a d a d e s o l i c i t a n t e s d e refúgio d e várias nações, s o b r e t u d o d o C o n t i n e n t e a f r i c a n o . ' ' ^ N o s últimos a n o s , têm c h e g a d o h a i t i a n o s p e l a s f r o n t e i r a s d a região N o r t e , a s s i m c o m o trabalhadores d o s países e u r o p e u s m a i s a f e t a d o s p e l a c r i s e d e 2 0 0 8 , como E s p a n h a e P o r t u g a l , além d e o u t r a s nações. 40. A t u a l m e n t e , t e m o s a v i n d a d o s h a i t i a n o s . M u i t o s d e l e s têm s i d o recrutados para o trabalho e m grandes obras atualmente em c u r s o n o B r a s i l e p o r e m p r e s a s d e d i v e r s a s áreas d a e c o n o m i a . ' ' * O g o v e r n o t e m s e esforçado p a r a legalizá-los c o m a emissão de vistos e outros documentos.*^ N o entanto, esse grande fluxo d e migração d o s h a i t i a n o s é u m a o p o r t u n i d a d e p a r a a ação d o tráfico h u m a n o . 2.2. A migração i n t e r n a n o B r a s i l A Amazônia 41. A primeira grande onda d edeslocamento humano n o inte- r i o r d o B r a s i l d e u - s e e n t r e o s séculos X I X e X X . A produção d a b o r r a c h a v e g e t a l e a construção d a f e r r o v i a Madeira-Mamoré atraíram p a r a a Amazônia m i l h a r e s d e p e s s o a s , e m s u a m a i o r i a n o r d e s t i n a s . Fenômeno s e m e l h a n t e o c o r r e u n a S e g u n d a G r a n d e Guerra, q u a n d o o governo brasileiro foi incentivado a constituir o s c h a m a d o s " s o l d a d o s d a borracha". Estes trabalhadores 44 C f . MINISTÉRIO D A JUSTIÇA. Disponível e m : h t t p y / p o r t a l . m j . g o v . b r / e s t r a n g e i r o s / . 45 S e g u n d o relatório d o A l t o C o m i s s a r i a d o d a s Nações U n i d a s p a r a R e f u g i a d o s ( A C N U R ) , o 46 Disponível e m : 47 Disponível Brasil a b r i g a 4.477 r e f u g i a d o s o r i u n d o s d e 7 6n a c i o n a l i d a d e s diferentes. httpy/economia.ig.com.br/2013-06-05/disciplinados-haitianos-sao-mao-de- o b r a - c r e s c e n t e - e m - e m p r e s a s - b r a s i l e i r a s . h t m l . A c e s s o e m 20/06/2013. e m : httpv'/www.brasil.gov.br/noticias/arquivos/2013/04/17/forca-tarefa- regulariza-situacao-de-mais-de-mil-imigrantes-haitianos-no-pais. A c e s s o e m 27/05/2013. 25
    • q u e m i g r a r a m p a r a a Amazônia n o período e n f r e n t a r a m g r a v e s problemas e m u i t o s ficaram sob o sistema de aprisionamento, sob o p r e t e x t o d e dívidas a c o m p a n h a d o d e violência e m u i t a m o r t e . 42. Nos anos 1970, dezenas d e milhares d e trabalhadores d e d i v e r s a s regiões d o país c o n v e r g e m n o v a m e n t e p a r a a Amazôn i a , a l i c i a d o s p o r e m p r e i t e i r o s a serviço d o s p r o j e t o s a g r o p e c u ários então i n c e n t i v a d o s p e l o g o v e r n o m i l i t a r p o r m e i o d e s u b sídios d a Superintendência d o D e s e n v o l v i m e n t o d a Amazônia ( S U D A M ) . Esses trabalhadores e n c o n t r a r a m u m sistema de trab a l h o implacável, t a n t o q u e q u e m o u s a s s e e s c a p a r a n t e s d e c o n cluir a " e m p r e i t a " , seria v i r t u a l m e n t e condenado à m o r t e . 43. E s s e p e n o d o é também m a r c a d o p e l a f e b r e d o g a r i m p o , o q u e p r o p o r c i o n o u o e s t a b e l e c i m e n t o d e r e d e s d e a l i c i a m e n t o e d e tráfico d e m u l h e r e s p a r a a exploração s e x u a l n e s s a região, c o m o d e r o t a s i n t e r n a c i o n a i s d e tráfico h u m a n o p a r a a s G u i a n a s , S u r i p a m e e o u t r o s países. A migração p a r a o S u d e s t e e a urbanização 44. O c i c l o d o café e o p r o c e s s o d e industrialização f i z e r a m d a r e gião S u d e s t e u m g r a n d e p o l o d e atração p a r a m i g r a n t e s n o B r a s i l , o c a s i o n a n d o i m p o r t a n t e a u m e n t o d a população e m várias d e s u a s c i d a d e s . M u i t a s p e s s o a s d e i x a r a m s u a s regiões d e o r i g e m atraídas p e l a p o s s i b i l i d a d e d e e m p r e g o s e m e l h o r e s condições p a r a v i v e r e m . M a s , à m a i o r i a d e s s e s m i g r a n t e s , r e s t a r a m as d e s o r g a n i z a d a s e precárias i n f r a e s t r u t u r a s d a s p e r i f e r i a s u r b a n a s . 45. E s t e p r o c e s s o d e i n t e n s a migração d o c a m p o p a r a a c i d a d e é f r u t o d a combinação d e situações d e miséria e p o b r e z a n a z o n a r u r a l , c o m precária i n f r a e s t r u t u r a e m educação, saúde, s o m a d a à concentração d e t e r r a s n a s mãos d o s latifundiários e a o a v a n ço d a mecanização d a s a t i v i d a d e s agrícolas.''* C o m e s s a m i g r a ção e m m a s s a p a r a o s m a i o r e s c e n t r o s u r b a n o s , a z o n a r u r a l . 48 A migração t e m causas e s t r u t u r a i s : não s o m e n t e a atração p e l a s novas atividades u r b a n a s , m a s s o b r e t u d o a expulsão d o c a m p o p r o v o c a d a p e l o avanço d o agronegócio e a concentração d a t e r r a , e m c o n t e x t o d e c o n s t a n t e a d i a m e n t o d a r e f o r m a agrária. 26
    • q u e a b r i g a v a 7 0 % d a população n a década d e 1 9 4 0 , h o j e c o n t a s o m e n t e c o m cerca de 1 5 % dela.'" A migração a l u a i 46. C a b e , n a análise d a migração a t u a l , d i s t i n g u i r tráfico d e pessoas d o c o n t r a b a n d o d e m i g r a n t e s . E m b o r a a s condições e m q u e o s indivíduos s e e n c o n t r e m s e j a m idênticas, q u a n t o à s u a situação d e exploraçãp, õ q u e o s d i s t i n g u e é o c o n s e n t i m e n t o . N o c a s o d o c o n t r a b a n d o d e m i g r a n t e s e x i s t e a predisposição, e o c o n h e cimento (apesar d o mascaramento d apromessa), d o trabalhad o r p a r a s u j e i t a r - s e a u m a condição d e i l e g a l i d a d e . 47. O censo d e 2 0 1 2 r e g i s t r o u r e c u o n o número d e m i g r a n t e s internos n o Brasil. Eles passaram d e3 0 , 6 m i g r a n t e s para cada m i l h a b i t a n t e s , média e n t r e o s a n o s 1 9 9 5 a 2 0 0 0 , p a r a 2 6 , 3 m i g r a n t e s n o período q u e c o m p r e e n d e o s a n o s 2 0 0 5 a 2 0 1 0 . N e s t e m o v i m e n t o migratório, d e s t a c a - s e a q u a n t i d a d e d e p e s s o a s que r e t o r n a m para suas localidades de o r i g e m , c o m cerca de 2 4 , 5 % dos migrantes^atuais,^" e m b o r a ainda persista u m m o v i m e n t o migratório i n t e n s o p a r a a s g r a n d e s metrópoles b r a s i l e i r a s . 48. Simultaneamente, há u m fluxo i m p u l s i o n a d o pelas grandes o b r a s d e i n f t - a e s t r u t u r a : energética (hidroelétricas, transmissão d e e n e r g i a , exploração e t r a n s p o r t e d e petróleo), logística ( p o r t o s , r o d o v i a s , f e r r o v i a s , a e r o p o r t o s e h i d r o v i a s ) , u r b a n a ( v i a s púb l i c a s e estádios). E s t a s realizações c a u s a m g r a n d e s t r a n s t o r n o s às c i d a d e s m a i s próximas c o m o a u m e n t o p o p u l a c i o n a l r e p e n t i n o , s e m o d e v i d o i n c r e m e n t o n o s serviços u r b a n o s . 49. Os migrantes, apesar de t e r e m trabalho, muitas vezes, acabam explorados 49 Disponível e m : e vivem de forma precária e m alojamentos http:/Avww.passeiweb.com/na_pontaJingua/sala_de_aula/geografia/ geog^afia_do_brasil/quadro_humano^rasil_urbanizacao. Acesso e m 29/05/2013. 50 Disponível e m : h t t p : / / w w w . j b . c o m . b r / p a i s / n o t i c i a s / 2 0 1 2 / 0 4 / 2 7 / i b g e - n u m e r o - d e - i m i g r a n t e s no-brasil-sobe-quase-87-em-10-anos/. Acesso e m 23/05/2013. 27
    • i n s a l u b r e s . ^ ' Além d i s s o , t a i s o b r a s p r o p o r c i o n a m o p o r t u n i d a d e s p a r a a ação d o tráfico h u m a n o . 2.3. 50. O t r a b a l h o n a globalização O P a p a B e n t o X V I , a o a n a l i s a r o fenômeno d a globalização, a f i r m o u t r a t a r - s e d e u m p r o c e s s o a b r a n g e n t e e c o m várias f a c e t a s , q u e c a d a v e z m a i s interliga a h u m a n i d a d e , e d e v e ser c o m p r e e n d i d o a partir d e t o d a s a s s u a s dimensões.^^ E a i n d a : " A d e q u a d a m e n t e c o n c e b i d o s e g e r i d o s , o s p r o c e s s o s d e globalização o f e r e c e m a p o s s i b i l i d a d e d u m a g r a n d e redistribuição d a r i q u e z a e m nível m u n d i a l [...], s e m a l g e r i d o s , p o d e m |...] f a z e r c r e s c e r p o b r e z a e d e s i g u a l d a d e , b e m c o m o c o n t a g i a r c o m u m a crise o m u n d o inteiro."^^ 51. A face mais conhecida desse processo de alcance global é a econômica, e m s u a v e r t e n t e n e o l i b e r a l . A p o i a d a n o s critérios d e eficácia e p r o d u t i v i d a d e , t o r n o u o m e r c a d o e x t r e m a m e n t e v o látil e c o m p e t i t i v o . E , c o m a t e c n o l o g i a disponível, a o a m p l i a r a c a p a c i d a d e p r o d u t i v a , o s m e i o s d e comunicação e t r a n s p o r t e e o c o n f o r t o , pôde i m p o r s u a dinâmica às relações h u m a n a s e m d e t r i m e n t o d o s v a l o r e s éticos. 52. C o m t a i s características, a globalização econômica não s e p r e s t a a distribuir riquezas. E m v e z disso, acirra a d e s i g u a l d a d e nas condições d e produção e d e q u a l i d a d e d e v i d a d a s p e s s o a s , q u e r e n t r e o s d i v e r s o s países, q u e r e n t r e a s c l a s s e s s o c i a i s . E s s a s i tuação é g e r a d o r a d e i n i q u i d a d e s e injustiças múltiplas, além d e p r o p i c i a r ações c r i m i n o s a s , c o m o n o c a s o d o tráfico h u m a n o , p o i s g e r a u m a m a s s a d e excluídos, d e s p r e p a r a d o s p a r a a inserção n o m e r c a d o . ^ " * E s s e f a t o não é u m a disfunção d o s i s t e m a , p e l o contrário, c o n d i z p e r f e i t a m e n t e c o m s u a lógica e x c l u d e n t e . 51 P e l a dimensão d o p r o b l e m a , o M T E c r i o u o G r u p o Móvel d e A u d i t o r i a d e Condições d e T r a b a l h o e m O b r a s d e infraestrutura (GMAI). Verificar e m : httpy/portal.mte.gov.br/im|3rensa/ m t e - c r i a - g r u p o - m o v e l - p a r a - f i s c a l i z a r - o b r a s - d e - i n f r a e s t r u t u r a . h t m . A c e s s o e m 28/05/12. 52 C f P A P A B E N T O X V I . C a r t a E n c i c l i c a C a r i t a s i n veritate, 53 Idem. 54 28 C f . C E L A M . D o c u m e n t o de A p a r e c i d a , n . 6 1 - 6 2 . n. 42.
    • 53. N e s s e c o n t e x t o , a s relações d e e m p r e g o f o r a m p r o f u n d a m e n t e a f e t a d a s . A b u s c a d o l u c r o p e l o l u c r o a f e t a a condição d o t r a b a l h a d o r , q u e t e m s u a força p r o d u t i v a e x p l o r a d a a o máximo. D e o u t r o l a d o , o s n e o l i b e r a i s , c o n d u t o r e s d o m e r c a d o , impõem a flexibilização d a s relações d e t r a b a l h o e , até m e s m o , a d e s r e g u lamentação d a s l e i s t r a b a l h i s t a s . U m d o s p r i n c i p a i s v e t o r e s d a flexibilização é a prática g e n e r a l i z a d a d a terceirização. 54. C o m i s s o , o t r a b a l h a d o r p e r d e d i r e i t o s e proteção, t e n d o q u e s e s u j e i t a r à terceirização, à i n f o r m a l i d a d e e a f o r m a s precárias d e t r a b a l h o . A título d e e x e m p l o p o d e m s e r c i t a d o s : fijncionários d e e m p r e s a s * d e construção c i v i l , e m p r e g a d o s r u r a i s , doméstic o s , o s i m i g r a n t e s h i s p a n o - a m e r i c a n o s n a c i d a d e d e São P a u l o e o s m i g r a n t e s recrutados para g r a n d e s canteiros d e obras.^^ 55. A precarização d o t r a b a l h o , e m c o n t e x t o d e e x t r e m a c o m p e t i ção econômica, v i s a n d o o l u c r o a c i m a d e t u d o , a c i r r a a e x p l o ração d o t r a b a l h a d o r e ameaça s e u s d i r e i t o s , d e i x a n d o a c l a s s e t r a b a l h a d o r a e m condições vulneráveis. D e s s a condição, a p r o v e i t a - s e o tráfico h u m a n o p a r a a l i c i a r p e s s o a s c o m e n g a n o s a s propostas d e trabalho. 3. Escravidão e P r e c o n c e i t o 3.1. 56. Tráfico h u m a n o e escravidão n a história d o B r a s i l O s p o r t u g u e s e s não e n c o n t r a r a m d i f i c u l d a d e e m a s s e n t a r o p r o c e s s o d e colonização d a t e r r a d e S a n t a C r u z , s o b d u a s f o r m a s : a t o m a d a d a s t e r r a s d o s p o v o s indígenas, o s q u a i s também f o r a m e s c r a v i z a d o s , e a exploração d a força d e t r a b a l h o d o s n e g r o s , traficados d o continente africano. 57. índios d e d i v e r s a s e t n i a s f o r a m r e t i r a d o s d e s u a s a l d e i a s e s u b m e t i d o s a t r a b a l h o e s c r a v o , através d e a l i c i a m e n t o s e s e q u e s t r o s . 55 Documentário a L i g a . Disponível e m : : w w w . y o u t u b e . c o m A v a t c h ? v = G p v - - G B z 2 I I . Acesso e m 27/05/2013. 29
    • N a s e g u n d a m e t a d e d o século X V I , o c o r r e u n o B r a s i l o a p o g e u d a escravização d a g e n t e n a t i v a , s o b r e t u d o e m e n g e n h o s d e P e r n a m b u c o e d a B a h i a , a p e s a r d a b u l a Sublimis Deus,^ p r o m u l g a d a p e l o P a p a P a u l o 111 e m 1 5 3 7 , q u e d e t e r m i n a v a q u e o s " f i l h o s d a t e r r a " não d e v i a m " s e r p r i v a d o s " d e s e u s b e n s n e m d a l i b e r d a d e . 58. N o c o n t i n e n t e a f r i c a n o , também p r a t i c a v a - s e a escravidão, o q u e f a c i l i t o u a implantação d o tráfico i n t e r n a c i o n a l , s o b r e t u d o p a r a a s Américas. O s c o m e r c i a n t e s d e e s c r a v o s v e n d i a m o s a f r i c a n o s c o m o s e f o s s e m c o i s a s ( r e s ) . N o comércio d a s g e n t e s d a África, predominaram h o m e n s jovens, c o m capacidade de entrarem no c i r c u i t o p r o d u t i v o d a colônia; seqüestrados o u c a p t u r a d o s em guerras e vendidos aos t u m b e i r o s que os t r a z i a m dali para o B r a s i l . A l g u m a s a d o l e s c e n t e s v i n h a m e n t r e o s h o m e n s , não p r o p r i a m e n t e c o m o o b j e t i v o principal de r e p r p d u z i r e m n o v o s escravos, m a s , i n f o r m a m e s t u d i o s o s d o t e m a , para o deleite de sen h o r e s . O tráfico, n o c a s o , c o m b i n a v a o o b j e t i v o d e a u m e n t a r a produção d a Colônia a q u a l q u e r c u s t o , c o m a exploração s e x u a l . 59. N o B r a s i l , n a s f a z e n d a s d e açúcar o u n a s m i n a s d e o u r o , a p a r t i r d o século X V l l l o s e s c r a v o s e r a m t r a t a d o s c o m o m e r c a d o r i a s d e s cartáveis. A i n d a n e s s e século, e n t e n d i d o c o m o Século d o O u r o , a l g u n s e s c r a v o s c o n s e g u i a m c o m p r a r s u a l i b e r d a d e após a d q u i r i r e m a Carta de Alforria. Juntando alguns "trocados" durante toda a vida, c o n s e g u i a m c o m p r a r a sua liberdade e deixar de ser escravos. Havia poucas o p o r t u n i d a d e s de t r a b a l h o para os escravos livres; a i s s o j u n t e - s e o p r e c o n c e i t o d a s o c i e d a d e d a época, q u e o s c o n s i d e r a v a s e r e s h u m a n o s i n f e r i o r e s , r e l e g a n d o - o s à marginalização. 60. Esse processo acentuou-se com a abolição l e g a l n o Brasil, d e t e r m i n a d a p e l a L e i Áurea, d e 1 3 d e m a i o d e 1 8 8 8 . E s s a L e i não v e i o a c o m p a n h a d a d e m e d i d a s compensatórias a o s l i b e r - tos, que assim, c o n t i n u a r a m a viver sob estruturas escravocratas. 55 O P a p a P a u l o I I I p u b l i c o u e m 1 5 3 7 a B u l a Sublimis Deus ( D e u s s u b l i m e ) , q u a n d o , n a E u r o p a , d i s c u t i a - s e s e o s indígenas possuíam a l m a e e r a m e s c r a v i z a d o s e d e s p o j a d o s d e s u a s t e r r a s n o n o v o c o n t i n e n t e . N e l a , a f i r m o u q u e o s índios são v e r d a d e i r a m e n t e h o m e n s , d e v e m evangelizados e desfrutar de sua liberdade e de suas posses. 30 ser
    • A ausência d e políticas d e integração à s o c i e d a d e , a s p o u c a s c o n d i ções d e inserção n o n o v o m e r c a d o d e t r a b a l h o e a i m p o s s i b i l i d a d e d e c o m p r a r terras^^ r e l e g a r a m a g r a n d e m a i o r i a d o s n e g r o s a viver e m situação d e exclusão. N e s s e c o n t e x t o , o s q u i l o m b o s s e constituír a m e m espaços solidários, e m q u e f u g i t i v o s e l i b e r t o s d a escravidão p o d i a m m a n t e r s u a s tradições sociopolíticas, c u l t u r a i s e r e l i g i o s a s . 3.2. 61. Os p r e c o n c e i t o s A sociedade raciais e s c r a v o c r a t a l e g o u a o B r a s i l , pós L e i Áurea, u m a e s t r u t u r a q u e c e l e g a g r a n d e p a r t e d a população a o s o f r i m e n t o d a marginalização. N o final d o século X I X , e s s e p r o c e s s o p a s s o u a r e c e b e r justificação d e u m a t e o r i a q u e c o n d e n a v a a miscigenação r a c i a l . Vários p e n s a d o r e s d o c o n t i n e n t e e u r o p e u a r g u m e n t a v a m q u e a mestiçagem a p a g a r i a a s m e l h o r e s q u a l i d a d e s intrínsecas d e b r a n c o s , n e g r o s e índios, e s e p r o d u z i r i a m indivíduos d e f i c i e n t e s . ^ * 62. E s s a t e o r i a , q u e c o n d e n a v a a miscigenação, f o i a s s u m i d a p o r u m g r u p o d e i n t e l e c t u a i s , c i e n t i s t a s , políticos e j u r i s t a s , e v i g o r o u a o m e n o s e n t r e 1 8 7 0 e 1 9 3 0 , t e n d o implicações n o s d e s t i n o s d o B r a s i l . P r e s t o u - s e a j u s t i f i c a r a a g u d a diferenciação s o c i a l e x i s t e n t e n o país, p o i s a f i r m a v a q u e e n t r e o s p o b r e s e miseráveis, d e m a i o r i a mestiça, s e e n c o n t r a v a m s u j e i t o s i n d o l e n t e s , a r r u a c e i r o s , l a s c i v o s , preguiçosos, e não o s injustiçados p e l a s e s t r u t u r a s d a s o c i e d a d e . 63. Q u a n d o se a v a l i a m p e s s o a s o u g r u p o s h u m a n o s c o m p r e c o n c e i t o s c o m o e s s e , é m a i s difícil d e s p e r t a r indignação p e l a s u a situação d e miséria e exclusão, m e s m o e m s e t r a t a n d o d e vítimas d o tráfico h u m a n o . O c o m b a t e a p r e c o n c e i t o s e à discriminação n a s m a i s v a r i a d a s e s f e r a s d e v e i n t e g r a r a s ações d e e n f r e n t a m e n t o a o tráfico h u m a n o , p o i s e l e s d i f i c u l t a m o e m p e n h o d e m a i o r número d e p e s s o a s e organizações n a superação d e s s e c r i m e . 57 L e i d e T e r r a s a p r o v a d a e m 1 8 5 0 , q u e só p e r m i t i a o a c e s s o v i a c o m p r a , condição impossível p a r a o s e x - e s c r a v o s . 0 B r a s i l f e c h o u o l i v r e a c e s s o às t e r r a s , d e f o r m a q u e q u a n d o o t r a b a l h a d o r s e t o r n o u " l i v r e " , a t e r r a já h a v i a s e t o r n a d o " c a t i v a " . C f M A R T I N S , J . S . O cativeiro da terra. 7^ edição. São P a u l o : E d . H u c i t e c , 1 9 9 8 , p . 3 2 . 58 S C H W A R C Z , L . M . O Espetáculo das Raças - Cientistas, instituições e questão racial no Brasil do século XIX. São P a u l o : E d . C o m p a n h i a d a s L e t r a s , 2 0 0 0 , p . 1 3 . 31
    • 4. O e n f r e n t a m e n t o a o Tráfíco H u m a n o 64. No m u n d o globalizado, os elos da criminalidade tornaram-se muit o e f i c i e n t e s , c o m o o c o r r e n o c r i m e d e tráfico h u m a n o . P o r i s s o , p a r a o e n f i " e n t a m e n t o d e s s a s organizações, além d e n o v o s m e c a n i s m o s c o n d i z e n t e s c o m a estrutura q u e a p r e s e n t a m , faz-se necessária a cooperação e n t r e o s países e m áreas c o m o a c r i m i n a l , jurídica, tecnológica, econômica e d e m e i o s d e comunicação.^' 4.1. O e n f r e n t a m e n t o a o tráfico d e p e s s o a s Histórico d e l u t a s 65. I n i c i a l m e n t e r e s t r i t a à preocupação c o m a s " e s c r a v a s b r a n c a s " , * " a temática d o tráfico h u m a n o s u r g i u n o cenário i n t e r n a c i o n a l no final d o século X I X , a i n d a f o r t e m e n t e m a r c a d a p o r visões s i m p l i f i c a d o r a s e m t o r n o d a prostituição, d a m o r a l i d a d e e d a vitimização d e s u j e i t o s i n o c e n t e s n a s mãos d e vilões. O P r o t o c o l o d e P a r i s (1904) f o i o p r i m e i r o a c o r d o i n t e r n a c i o n a l v i s a n d o à repressão a o tráfico d e p e s s o a s . 66. E m 1 9 2 1 , u m a n o v a Convenção ( p a r a Supressão d e Tráfico d e M u l h e r e s e Crianças) b u s c a s u p e r a r o s e n t i d o m o r a l i s t a l i g a d o à condenação d a c o n d u t a s o c i a l . E m 1 9 4 9 , e m L a k e S u c c e s s , * ' a questão a i n d a p e r m a n e c e u r e s t r i t a à proibição d a prostituição. A p a r t i r d a s e g u n d a m e t a d e d o século X X , a s f o r m a s d e e s c r a vidão n o âmbito d o t r a b a l h o forçado, i m p o s t o e m c o n t e x t o d e g u e r r a o u d e dominação c o l o n i a l , também vêm s e n d o d e b a t i d a s e m fóruns i n t e r n a c i o n a i s , e s p e c i a l m e n t e n a O I T e n a 67. ONU. C o m o fim d a G u e r r a F r i a e o fenômeno d a globalização, m u l t i p l i c a - s e a circulação d e b e n s , r e c u r s o s , informações e p e s s o a s . 59 C f . B R A S I L . G u i a de Referência, p . 60 S o b r e a s " e s c r a v a s b r a n c a s " , v e r também: L A K Y , T . Tráfico I n t e r n a c i o n a l d e M u l h e r e s : N o v a Face 61 de u m a Velha 44. Escravidão, p . 1 5 - 3 8 . E m 2 1 d e março d e 1 9 5 0 , na localidade d e Lake Sucess, cidade d e Nova York, concluiu- s e a Convenção p a r a a Repressão d o Tráfico d e P e s s o a s e d o Lenocídio. E s s a convenção f o i a s s i n a d a p e l o G o v e r n o b r a s i l e i r o e m 5 d e o u t u b r o d e 1951 Legislativo n. 6 d e 32 1958. e aprovada pelo Decreto
    • I n t e n s i f i c a m - s e também tráficos d e t o d o t i p o e c r e s c e a c o n s c i ência d a n e c e s s i d a d e d e s e e s t a b e l e c e r n o r m a s m a i s a d e q u a d a s e eficientes para c o m b a t e r essa m o d a l i d a d e de c r i m e . .^ > O Protocolo de Palermo 68. A Convenção d e P a l e r m o é o n o m e p e l o q u a l f i c o u c o n h e c i d a a " C o n venção d a s Nações U n i d a s c o n t r a o C r i m e O r g a n i z a d o T r a n s n a c i o n a l " , r e a l i z a d a e m 1 9 9 9 n a Itália. E s s a Convenção f o i a d o t a d a p e l a O N U e m 2 0 0 0 e está e m v i g o r i n t e r n a c i o n a l m e n t e d e s d e 2 0 0 3 . O s p r o t o c o l o s p a r a " p r e v e n i r , s u p r i m i r e p u n i r o tráfico d e p e s s o a s , e s - i p e c i a l m e n t e m u l h e r e s e crianças", " c o n t r a o c o n t r a b a n d o d e m i g r a n t e s p o r t e r r a , a r e m a r " e " c o n t r a a fabricação i l e g a l e o tráfico d e a r m a s d e f o g o , i n c l u s i v e peças, acessórios e munições" c o m p l e m e n t a m o d o c u m e n t o e também f o r a m a c e i t o s f o r m a l m e n t e p e l o B r a s i l . 69. E m relação a o tráfico h u m a n o , l e g o u u m n o v o t r a t a d o r e l a t i v o à prevenção, à repressão e à punição d e s s a a t i v i d a d e c r i m i n o s a , c o m u m Protocolo Adicional, conhecido mundialmente c o m o Protocolo de Palermo. Esse P r o t o c o l o é i m p o r t a n t e p o r q u e definiu o c r i m e d o tráfico h u m a n o e a p o n t o u o s e l e m e n t o s q u e o c a r a c t e r i z a m : [...] o r e c r u t a m e n t Q , o t r a n s p o r t e , a transferência, o a l o j a m e n t o o P i o a c o l h i m e n t o d e p e s s o a s , r e c o r r e n d o à ameaça o u u s o d a força o u a o u t r a s f o r m a s d e coação, a o r a p t o , à f r a u d e , a o e n g a n o , a o a b u s o d e a u t o r i d a d e o u à situação d e v u l n e r a b i l i d a d e o u à e n t r e g a o u aceitação d e p a g a m e n t o s o u benefícios p a r a o b t e r o c o n s e n t i m e n t o de u m a pessoa que tenha autoridade sobre outra para fins d e exploração. A exploração incluirá, n o mínimo, a exploração d a prostituição d e o u t r e m o u o u t r a s f o r m a s d e exploração s e x u a l , o • r a b a l h o o u serviços forçados, e s c r a v a t u r a o u práticas s i m i l a r e s à e s c r a v a t u r a , a servidão o u a remoção d e órgãos." 70. O s e l e m e n t o s f u n d a m e n t a i s , s e g u n d o a O N U , p a r a a identificação d e s s e c r i m e são: o s a t o s , o s m e i o s e a 62 finalidade d e exploração. O b s . : E s s e P r o t o c o l o f o i p r o m u l g a d o n o B r a s i l p e l o D e c r e t o n . 5 . 0 1 7 , d e 1 2 d e Março d e 2 0 0 4 . 83
    • • O s a t o s m a i s c o m u n s - E n t r e a s ações m a i s u s u a i s estão: o r e c r u t a m e n t o ; o t r a n s p o r t e ; a transferência; o a l o j a m e n t o ; o acolhimento de • pessoas. O s m e i o s q u e c o n f i g u r a m o tráfico - O s p r i n c i p a i s são: meios ameaça; u s o d a força; o u t r a s f o r m a s d e coação; r a p t o ; e n g a n o ; a b u s o d e a u t o r i d a d e ; situação d e vulnerabilidade; aceitação d e p a g a m e n t o s o u benefícios p a r a o b t e r o c o n s e n t i m e n t o de u m a pessoa que tenha autoridade sobre a outra. • A principal finalidade - A exploração d a p e s s o a h u m a n a é o o b j e t i v o p r i m o r d i a l d o c r i m e d e tráfico. São várias a s f o r m a s d e exploração p r o m o v i d a s p e l o s t r a f i c a n t e s : prostituição d e o u t r e m ; o u t r a s f o r m a s d e exploração s e x u a l ; o t r a b a l h o o u serviços forçados; e s c r a v a t u r a o u práticas s i m i l a r e s à e s c r a v a t u r a ; a servidão; a remoção d e órgãos. 71. O C o n s e n t i m e n t o - É i m p o r t a n t e f r i s a r q u e , p a r a a configuração d o c r i m e d e tráfico h u m a n o , o c o n s e n t i m e n t o d a vítima é i r r e l e v a n t e . C a s o s e c o n s t a t e m o s m e i o s c a r a r t e r i z a d o r e s d e s s e c r i m e (ameaça; u s o d a força; o u t r a s f o r m a s d e coação; r a p t o ; e n g a n o ; a b u s o d e a u t o r i d a d e ; situação d e v u l n e r a b i l i d a d e ; aceitação d e p a g a m e n t o s ou benefícios p a r a o b t e r o c o n s e n t i m e n t o d e u m a p e s s o a q u e t e n h a a u t o r i d a d e s o b r e a o u t r a ) e situação d e exploração d e p e s s o a s , o c o n s e n t i m e n t o d a vítima e m questão d e i x a d e s e r i m p o r t a n t e p a r a a afirmação d o d e l i t o d e tráfico h u m a n o . * ^ O P r o t o c o l o A d i c i o n a l à Convenção d a s Nações U n i d a s C o n t r a o C r i m e O r g a n i z a d o T r a n s n a c i o n a l R e l a t i v o à Prevenção, Repressão e Punição d o Tráfico d e P e s s o a s , e m E s p e c i a l M u l h e r e s e Crianças, c o n h e c i d o c o m o P r o t o c o l o d e P a l e r m o , d o q u a l o B r a s i l é signatário, dispõe q u e o c o n s e n t i m e n t o d a d o p e l a vítima d e tráfico d e p e s s o a s , t e n d o e m v i s t a q u a l q u e r t i p o d e conceituação e x p r e s s a n o P r o t o c o l o d e P a l e r m o , e s c l a r e c e q u a n t o à j u s t a qualificação d a s p e s s o a s t r a f i c a d a s - e l a s são vítimas -, s e j a m e l a s crianças, j o v e n s , m u l h e r e s o u h o m e n s , i n d e p e n d e n t e m e n t e d a s u a raça o u c l a s s e s o c i a l . 63 34 C f . B R A S I L . Guia de Referência, p . 6 0 - 6 1 .
    • O s t r a f i c a d o s d e v e m s e r v i s t o s , i n v a r i a v e l m e n t e , n a condição d e vítimas, não c o m o i n f t - a t o r e s , s e n d o , p o r i s s o , a m p a r a d o s p e l o s d i r e i t o s h u m a n o s . O P r o t o c o l o a i n d a propõe c o m b i n a r a prevenção e a proteção e a assistência às vítimas, perseguição e punição a o s • c r i m i n o s o s . A vítima é p r o t e g i d a p e l a l e i b r a s i l e i r a . 72. O Protocolo de Palermo, ao conceituar e prestar esclarecimentos a c e r c a d o tráfico h u m a n o , t o r n o u - s e o p r i n c i p a l i n s t r u m e n t o l e g a l i n t e r n a c i o n a l d e c o m b a t e a e s s a m o d a l i d a d e c r i m i n o s a . E, n a c o n dição d e referência i n t e r n a c i o n a l , e s t i m u l a o s países a a d e q u a r e m s e u a p a r a t o jurídico, c o m o a i m p l a n t a r e m a s necessárias políticas públicas q u e c o m b a t e m o u i n i b e m e s t a a t i v i d a d e c r i m i n o s a . " O Estado Brasileiro e o Protocolo de Palermo 73. O B r a s i l é u m d o s países q u e e r i g e s u a legislação e política d e e n f r e n t a m e n t o a o tráfico h u m a n o n e s t e i n s t r u m e n t o l e g a l i n t e r n a c i o n a l , o P r o t o c o l o d e P a l e r m o . C o m a promulgação d o D e c r e t o n . 5 . 0 1 7 , e m março d e 2 0 0 4 , n o s s o país a l i n h o u - s e a o P r o t o c o l o d e P a l e r m o . N a época, a s d e m a n d a s s o c i a i s m a i s p r e m e n t e s e r a m : a proteção d e m i g r a n t e s , a proteção d e crianças e a d o l e s c e n t e s e m situação d e t r a b a l h o i n f a n t i l , e a proteção d e t r a b a l h a d o r e s a d u l t o s e m situação d e t r a b a l h o e s c r a v o . 74. O Código P e n a l b r a s i l e i r o só e s p e c i f i c a c o m o c r i m e d e tráfico de pessoas aquele praticado para fins d e exploração s e x u a l . Há u m a p r o p o s t a e l a b o r a d a p e l a Comissão P a r l a m e n t a r d e I n quérito, q u e i n c l u i n a l i s t a d e c r i m e s adoção i l e g a l , t r a b a l h o e s c r a v o e remoção d e órgãos, e n v o l v e n d o q u e m a g e n c i a r , ali- ciar, r e c r u t a r , t r a n s f e r i r , a l o j a r o u a c o l h e r p e s s o a m e d i a n t e g r a v e ameaça, violência, coação, f r a u d e o u a b u s o c o m exploração d e 75. finalidade de pessoas. O Código P e n a l só c o n t e m p l a , n o a r t i g o 2 3 1 , o c r i m e d e e x p l o ração s e x u a l , n o a r t i g o 2 3 1 A e n o a r t i g o 1 4 9 , o d e s u b m e t e r à 64 S o b r e o " c o n s e n t i m e n t o " , v e r também: L A K Y , T . Tráfico Internacional de Mulheres: Nova Face de uma Velha Escravidão, p . 8 7 - 1 0 4 ; 1 0 4 - 1 1 7 . 35
    • condição d e escravidão. A m b o s são p u n i d o s c o m p e n a s l e v e s , m u i t o i n f e r i o r e s a c r i m e s q u e não c o m e r c i a l i z a m s e r e s h u m a n o s e s u a d i g n i d a d e . A Convenção d a s Nações U n i d a s C o n t r a o C r i m e O r g a n i z a d o T r a n s n a c i o n a l , assinada e m 2 0 0 0 e q u e o Brasil r a t i f i c o u e m 2 0 0 3 , t i p i f i c a e s p e c i f i c a m e n t e o s c r i m e s d e tráfico d e p e s s o a s e propõe c a s t i g o s a m p l o s , a l g o q u e o B r a s i l a i n d a não c o l o c o u e m s u a s l e i s . I I P l a n o I V a c i o n a l d e E n f r e n t a m e n t o a o Tráfico d e P e s s o a s (2013-2016) 76. O 11 P l a n o N a c i o n a l d e E n f r e n t a m e n t o a o Tráfico d e P e s s o a s prevê ações a s e r e m e x e c u t a d a s e m c i n c o l i n h a s o p e r a t i v a s : • L i n h a o p e r a t i v a 1 : Aperfeiçoamento d o m a r c o regulatório p a r a f o r t a l e c e r o e n f r e n t a m e n t o a o tráfico d e p e s s o a s . • L i n h a o p e r a t i v a 2 : Integração e f o r t a l e c f m e n t o d a s políticas públicas, r e d e s d e a t e n d i m e n t o e organizações p a r a prestação d e serviços necessários a o e n f r e n t a m e n t o d o tráfico d e p e s s o a s . • L i n h a o p e r a t i v a 3 : Capacitação p a r a o e n f r e n t a m e n t o a o tráfico d e p e s s o a s . • L i n h a o p e r a t i v a 4 : Produção, gestão e disseminação d e informação e c o n h e c i m e n t o s o b r e tráfico d e p e s s o a s . • L i n h a o p e r a t i v a 5 : C a m p a n h a s e mobilização * Reflexões q u e p e r s i s t e m 77. E v i t a r simplificações e confusões - M i g r a r é u m d i r e i t o , tráfico h u m a n o é u m c r i m e . É c o m u m a s s o c i a r tráfico h u m a n o c o m m i grações. C o m o e x e m p l o , p o d e m o s c i t a r o equívoco n o debate público q u e t r a t a o " t u r i s m o s e x u a l " q u a s e s e m p r e v i n c u l a d o à prostituição e à exploração s e x u a l d e crianças p o r e s t r a n g e i r o s . Não s e p o d e c o n f u n d i r tráfico h u m a n o e fenômeno d a migração, n e m s e p o d e c r i m i n a l i z a r a s migrações o u v i t i m i z a r o s m i g r a n t e s . T r a t a - s e d e p r o t e g e r a s vítimas o u p o t e n c i a i s vítimas s e m l h e s n e g a r s e u d i r e i t o f u n d a m e n t a l a o t r a b a l h o e à l i v r e circulação. 36
    • 78. C o n s i d e r a r a m o b i l i d a d e h u m a n a e s u a incidência s o c i a l A m o b i l i d a d e h u m a n a é u m fenômeno próprio d a s s o c i e d a d e s e a s s u m e d i f e r e n t e s nuanças, c o n f o r m e o c o n t e x t o histórico. P o r . i s s o , a discussão a c e r c a d o tráfico h u m a n o contemporâneo d e v e e s t a r l i g a d a , p o r e x e m p l o , a e l e m e n t o s d a história e à reflexão sobre a mobilidade h u m a n a e m nossos dias, para incidir na vida concreta dos migrantes. 79. M a n t e r o f o c o n a questão d a exploração - O c e r n e d o c o n c e i t o d e tráfico h u m a n o , e s t a b e l e c i d o n o P r o t o c o l o d e P a l e r m o , é a exploração. E_ e s t a s e e n c o n t r a e m e l e m e n t o s d a e c o n o m i a g l o b a l i z a d a , c o m p e r v e r s a s conseqüências q u a n d o p r e s e n t e n a s r e lações d e t r a b a l h o . O t r a b a l h o e s c r a v o é u m a d e s u a s expressões. 80. E n f r e n t a r e d e s a r t i c u l a r a s r e d e s d o tráfico h u m a n o - O tráfico c o n t a c o m a conivência d e p e s s o a s i n f l u e n t e s , e m i m p o r t a n t e s p o s t o s p r i v a d o s e públicos, e está a t r e l a d o a o u t r o s tráficos ( n a r cotráfico, tráfico d e a r m a s ) . Além d o m a i s , o imaginário d o s t r a ficados e a s relações e s t a b e l e c i d a s e n t r e t r a f i c a n t e s e vítimas são p e r m e a d o s d e contradições. É c o m u m , p o r e x e m p l o , a s p e s s o a s e x p l o r a d a s t e r e m d i f i c u l d a d e s d e s e p e r c e b e r e m c o m o vítimas, p o i s o aliciadoi», n a m a i o r i a d o s c a s o s , é s o c i a l m e n t e próximo a elas; ainda, t o d o s a l i m e n t a m o s o n h o d e m e l h o r a r de vida, g a n h a r independência financeira e p o d e r a j u d a r a família. D e s t a f o r m a , b a r r e i r a s são c r i a d a s p a r a denúncias e desarticulação d a r e d e . 81. U m e m p e c i l h o p a r a o e n f r e n t a m e n t o d o tráfico h u m a n o é a b a i x a incidência d e denúncias, o q u e o c o r r e p o r v e r g o n h a o u p o r m e d o d a s vítimas: 82. Nós p r e c i s a m o s c o n s c i e n t i z a r a s o c i e d a d e b r a s i l e i r a d e q u e a s informações têm q u e c h e g a r a o P o d e r Público p o r q u e , s e m e s s a s informações, não t e m o s c o m o a b r i r inquérito, não t e m o s c o m o i n v e s t i g a r , não t e m o s c o m o p u n i r a q u e l e s q u e praticam e s s e t i p o d e violência c o n t r a s e r e s h u m a n o s . * ^ 65 Disponível e m : http./Avww.sedh.gov.br/clientes/sedh/sedh/2013/02/26-fev-13-lancado-2o- plano-nacional-de-enfrentamento-ao-trafico-de-pessoas. Acesso e m 24/05/2013. 37
    • r 83. A i n e x p r e s s i v i d a d e d a s denúncias s o b r e a ocorrência d e tráfico h u m a n o e x p l i c a p o r q u e a s estatísticas disponíveis são m u i t o reduzidas q u a n t i t a t i v a m e n t e , f r e n t e ao u n i v e r s o das atividades d o tráfico h u m a n o . O d e s a f i o d a s estatísticas d o tráfico h u m a n o 84. N o B r a s i l , são passíveis d e q u e s t i o n a m e n t o t a n t o a c o n f i a b i l i d a d e d a s estatísticas d o tráfico d e p e s s o a s , q u a n t o a a b o r d a g e m da mídia e m relação a o t e m a . E s t i m a - s e q u e o s números disponív e i s r e f e r e n t e s às ações d o tráfico não o r e t r a t e m e f e t i v a m e n t e , d e v i d o à c l a n d e s t i n i d a d e d a prática e às ameaças às vítimas, d i r e t a s e i n d i r e t a s , o q u e g e r a relutância e m d e n u n c i a r . 85. D e s s a f o r m a , c o m p r e e n d e m - s e o s r e d u z i d o s números d e Relatórios d e p r o c e s s o s r e f e r e n t e s a o tráfico h u m a n o d i v u l g a d o p e l o Ministér i o d a Justiça. E n t r e 2 0 0 5 e 2 0 1 1 , f o r a m i n s t a u r a d o s 5 1 4 inquéritos p e l a Polícia F e d e r a l . D e s s e s , 3 4 4 d i z e m r e s p e i t o a o t r a b a l h o e s c r a v o e 1 3 , a o tráfico i n t e r n o d e p e s s o a s . N o m e s m o período, h o u v e 3 8 1 i n d i c i a m e n t o s , e n q u a n t o a s prisões c h e g a r a m a 1 5 8 . * * 86. C o n f i g u r a r u m s i s t e m a q u e p e r m i t a c o n c e n t r a r d a d o s estatísticos, relatórios, p e s q u i s a s e r e s u l t a d o s d o m o n i t o r a m e n t o d a s ações de e n f r e n t a m e n t o , n osentido d e estabelecer critérios c l a r o s q u a n t o a o método d e análise d a s informações e u m a b a s e d e dados de disponibilidade nacional. Iniciativas de enfrentamento ao trabalho escravo 87. Inúmeras i n i c i a t i v a s d e informação, formação e prevenção a o t r a b a l h o e s c r a v o já f o r a m r e a l i z a d a s , s o b r e t u d o a p a r t i r d e 1 9 9 7 , q u a n d o a CPT iniciou a C a m p a n h a Nacional "De o l h o aberto para não v i r a r e s c r a v o " , h o j e p r e s e n t e e m m a i s d e o i t o E s t a d o s . D e g r a n d e importância f o i o lançamento, e m 2 0 0 2 , d a C a m p a n h a 66 Disponível e m : http://portal.mj.gov.br/main.asp?View={02FA3701-A87E-4435-BA6D-1990 C97194FE}&BrowserType=lE8iLanglD A8D4-lF4264D8A039}%3B&UIPartUID Acesso e m 25/05/2013. 38 = pt-br&params=itemlD%3D{972FBB58-F426-4450= {2218FAF9-5230-431C-A9E3-E780D3E67DFE}.
    • N a c i o n a l p a r a a Erradicação d o T r a b a l h o E s c r a v o , coordenada pela O I T e m parceria c o m entidades d o governo.*^ 88. E m seguida, outras campanhas f o r a m promovidas regionalmente p e l o M P T ' n o M a t o G r o s s o e n o Pará, o u p e l o Fórum E s t a d u a l d e C o m b a t e a o T r a b a l h o E s c r a v o d o Maranhão, d o Piauí e d o Mato G r o s s o . I g u a l m e n t e , são d i g n o s d e citação o s t r a b a l h o s d e s e n v o l vidos pelas entidades: C e n t r o d eDefesa da V i d a e dos Direitos 1 H u m a n o s d e Açailândia ( M A ) ; C e n t r o B u r n i e r d e Fé e Justiça d e ? Cuiabá ( M T ) , Repórter B r a s i l ; M o v i m e n t o P e l o s H u m a n o s D i r e i t o s . R e l a t o s de.tráfico h u m a n o " ^1 O n z e m u l h e r e s b o l i v i a n a s c o s t u r e i r a s e m São P a u l o - " A m o r a d i e o local de t r a b a l h o se c o n f u n d i a m . A casa q u e servia de base para a o f i c i n a d e M a r i o c h e g o u a a b r i g a r , n o início d e 2 0 1 0 , 1 1 p e s s o a s d i v i d i d a s e m a p e n a s três q u a r t o s . Além d o t r a b a l h o d e c o s t u r a , e r a m forçadas a p r e p a r a r a s refeições e a l i m p a r a c o z i n h a . E , d e v i d o a o c o n t r o l e rígido d e M a r i o , t i n h a m e x a t a m e n t e u m a h o r a p a r a f a z e r t o d o s e s s e s serviços ( d a s 1 2 h às 1 3 h ) e v o l t a r a o t r a b a l h o d e c o s t u r a . [...1 Até o t e m p o e a f o r m a d o b a n h o d o s e m p r e g a d o s , e r a c o m água f r i a , s e g u i a m a s r e g r a s e s t a b e l e c i d a s que pelo dono d a oficina. Obrigatoriamente, o banho era t o m a d o e m duplas (junto c o m o u t r a colega d etrabalho), d u r a n t e contados cinco m i n u t o s , paraj.QU£^r^á£ua^^£|^ffia^^^^ _ ^ ^ -^.......^^^.....^...^^^ I n i c i a t i v a s d e Reínserção d e t r a b a l h a d o r e s l i b e r t o s 89. E indispensável, p a r a a erradicação d o t r a b a l h o e s c r a v o , i n v e s t i m e n t o n a s ações d e reinserção d e c e n t e d o s o trabalhado- res resgatados o u c o m s e m e l h a n t e perfil aos e n c o n t r a d o s em t a l situação. N o e n t a n t o , a s i n i c i a t i v a s d e reinserção e m p r o l d o s r e s g a t a d o s são i n s u f i c i e n t e s d i a n t e d a g r a v i d a d e d o 67 problema. http:/Avww.oit.org.br/sites/all/forced_labour/brasil/projetos/documento.php. Acesso e m 03/06/2013. 68 http://reporterbrasil.org.br/2010/1 l/costureiras-sao-resgatadas-de-escravidao-em-acao- -inedita/. Acesso e m : 22/05/2013. 39
    • e x i g i n d o u m a política d e c o n j u n t o a d e q u a d a . N a ausência d e ações e f e t i v a s d e reinserção, o s t r a b a l h a d o r e s l i b e r t o s c o n t i n u a rão vulneráveis a o a l i c i a m e n t o . O s três m e s e s d e s e g u r o - d e s e m p r e g o g a r a n t i d o s a e s t e s t r a b a l h a d o r e s não r e s o l v e m a condição d e exclusão s o c i a l a q u e estão s u b m e t i d o s . Existem alguns projetos pontuais para trabalhadores libertos q u e p r o p o r c i o n a m p o s s i b i l i d a d e s r e a i s d e reinserção. N o Piauí, 4 2 famílias, c o m o a p o i o d a C P T - P l , c o n s e g u i r a m s e o r g a n i z a r e c o n q u i s t a r u m a s s e n t a m e n t o e m M o n s e n h o r G i l ; e m Ananás ( T O ) , o u t r o g r u p o d e 2 2 famílias a s s u m i u i g u a l i n i c i a t i v a ; e m Açailândia ( M A ) , três c o o p e r a t i v a s a c o l h e m t r a b a l h a d o r e s r e s g a t a d o s ; n o M a t o G r o s s o , p o r i n i c i a t i v a d a Comissão E s t a d u a l d e Erradicação d o T r a b a l h o E s c r a v o ( C O E T R A E ) e d o Ministério d o T r a b a l h o e E m p r e g o ( M T E ) , t r a b a l h a d o r e s r * e s g a t a d o s têm a c e s s o a p r o g r a m a s d e qualificação e inserção p r o f i s s i o n a l .
    • Segunda Parte . É para ã liberdade qiie Cristo •ÜÜMfcMII 91. IriMlii» MM A I g r e j a é solidária c o m a s p e s s o a s t r a f i c a d a s . C o m p r o m e t i d a c o m a evolução d a consciência u n i v e r s a l s o b r e o v a l o r d a d i g nidade humana e dos direitos fijndamentais, quer contribuir no c o m b a t e p e l a erradicação d e s t e c r i m e . D i a n t e d a g r a n d e z a d e sermos filhos e filhas d e D e u s é inaceitável q u e a p e s s o a seja o b j e t o d e exploração o u d e c o m p r a e v e n d a . É u m a t o d e i n j u s tiça e d e violência q u e c l a m a a o s céus. É u m a negação r a d i c a l d o projeto de Deus para a humanidade. 1 . O Tráfico H u m a n o n a Bíblia 1.1. A iluminação d o A n t i g o T e s t a m e n t o A criação c o m o ^ i n d a m e n t o d a d i g n i d a d e h u m a n a 92. A Sagrada Escritura é u m a grande narrativa do agir de Deus a serviço d a l i b e r d a d e e d a d i g n i d a d e h u m a n a . O próprio r e l a t o d a criação e x e r c e u m a fiinção l i b e r t a d o r a , é u m e s c u d o c o n t r a a instrumentalização d o o u t r o . D e u s d i s s e : "Façamos o h o m e m à n o s s a i m a g e m e semelhança" ( G n 1 , 2 6 ) . 93. D e u s q u e r q u e o ser h u m a n o se r e l a c i o n e c o m Ele e participe da sua vida. Deus confere à pessoa h u m a n a u m a dignidade p o r q u e o c o l o c a c o m o o p o n t o m a i s a l t o d a criação. O s a l m i s t a c o m p r e e n d e i s s o a o a f i r m a r : " Q u e é o h o m e m , d i g o - m e então, p a r a p e n s a r d e s n e l e ? Q u e são o s filhos p e i s c o m e l e s ? E n t r e t a n t o , vós o d e Adão, p a r a q u e v o s o c u fizestes quase igual aos anjos, d e glória e h o n r a o c o r o a s t e s " ( S l 8 , 5 - 6 ) . 41
    • 94. Essa d i g n i d a d e é a s s u m i d a p e l o ser h u m a n o na m e d i d a e m q u e ele vive seus r e l a c i o n a m e n t o s c o n f o r m e o plano de Deus. Se isso a c o n t e c e , e l e t e m a p a z c o m D e u s , c o m a n a t u r e z a , c o n s i g o próprio e c o m o s d e m a i s s e r e s h u m a n o s . E l e t e m a p a z , e l e t e m o shalom. 95. M a s a r u p t u r a d a s relações d e comunhão c o m o o u t r o , com D e u s e c o m a criação l e v a a o p e c a d o d a violência, d a exploração d o o u t r o e à m o r t e (cf G n3 ; R m 5,12-21; I C o r 15,22). Nessa r u p t u r a , há d e s e b u s c a r a r a i z m a i s p r o f u n d a d o s m a l e s que c o n t a m i n a m a s o c i e d a d e e g e r a m agressões à d i g n i d a d e h u m a n a c o m o o tráfico d e p e s s o a s , u m escândalo q u e c l a m a a o s céus. 1.2. 96. Deus liberta e mostra o caminho O A n t i g o T e s t a m e n t o t e m c o m o f i o c o n d u t o r a libertação d a p e s s o a h u m a n a e a Aliança e n t r e D e u s e s e u P o v o . A libertação do Egito devolve a dignidade à pessoa criada e abre possibilidades p a r a q u e D e u s se r e v e l e e c a m i n h e c o m s e u P o v o . S e m d i g n i d a d e h u m a n a a p e s s o a é d e s c a r a c t e r i z a d a , p e r d e s u a essênc i a d e s e r "à i m a g e m d e D e u s " ( G n 1 , 2 7 ) , não c o n s e g u e , a s s i m , r e c o n h e c e r o C r i a d o r n e m a s i próprio. 97. O l i v r o d o Êxodo d e s t a c a a intervenção d e D e u s e m f a v o r d e u m p o v o o p r i m i d o e e x p l o r a d o n o E g i t o . E s s a nação p a s s a v a p o r u m m o m e n t o d e c r e s c i m e n t o econômico e atraía g r a n d e número d e p e s s o a s e g r u p o s . V i n h a m d e t o d a s a s p a r t e s p o r d i v e r s o s m o t i v o s : t r a b a l h o , comércio, c u l t u r a o u intempérie c l i mática. Abraão e S a r a , a t i n g i d o s p o r f o r t e s e c a e m Canaã, f o r a m o b r i g a d o s a d e s c e r e r e s i d i r n o E g i t o ( c f G n 1 2 , 1 0 ) . José, filho d o p a t r i a r c a Jacó, a p r i m e i r a p e s s o a v e n d i d a n a Bíblia, f o i l e v a d o por mercadores a trabalhar c o m o escravo j u s t a m e n t e n o Egito (cf G n 37,12-28). Esse grande fluxo migratório p a r a o E g i t o c o n t r i b u i u p a r a torná-lo u m g r a n d e império n a época. 98. A s construções e o i n t e n s o fluxo c i o n a r a m condições p a r a g r a n d e s d epessoas a oEgito proporexplorações p o r p a r t e d o Faraó e s e u s m i n i s t r o s . O l i v r o d o Êxodo n a r r a q u e u m R e i d o 42
    • E g i t o , q u e já não c o n h e c i a o s métodos a d m i n i s t r a t i v o s d e José (cf. E x 1 , 8 ) , impõe e x t r e m a exploração a o p o v o t r a b a l h a d o r , c o m o o d e Israel, s e m se p r e o c u p a r e m l h e c o n c e d e r o s m e i o s - a d e q u a d o s p a r a a execução d o s serviços ( c f E x 1 , 9 - 1 4 ) . 99. C o n f o r m e o Êxodo, a s injustiças d o Faraó c o n t r a o p o v o d e I s r a e l , ameaçam a i n d a m a i s s u a v i d a e s e u f u t u r o , q u a n d o e l e d e t e r m i n a a eliminação d a s crianças recém n a s c i d a s ( c f E x 1 , 1 5 - 2 2 ) . M e s m o assim, o p o v o resiste e cresce: " q u a n t o mais o s oprim i a m , t a n t o m a i s c r e s c i a m e s e m u l t i p l i c a v a m " (Ex 1,12). Essa resistência t e j n s e u início p e l a s mãos d a s p a r t e i r a s : " M a s a s p a r t e i r a s t i n h a m t e m o r d e D e u s : não f a z i a m o q u e o r e i d o E g i t o lhes t i n h a m a n d a d o e d e i x a v a m v i v e r o s m e n i n o s " (Ex 1,17). 100. O relato das pragas p o d e ser visto c o m o u m a batalha e n t r e D e u s , q u e d e s e j a l i b e r t a r o p o v o d a escravidão e r e c u p e r a r - l h e s a d i g n i d a d e , e o Faraó, q u e s e m o s t r a irredutível e i n d i f e r e n t e ao que ocorre c o m aquele p o v o e resiste e m conceder liberdade aos hebreus. 1 0 1 . A s a g a d a s p r a g a s t e r m i n a c o m a vitória d e D e u s . O p o v o alcança a l i b e r d a d e e c r u z a o M a r V e r m e l h o a pé e n x u t o , s o b cuidado e orientação d o S e n h o r ( c f E x 1 4 ) . G a n h a m a l i b e r d a d e para buscar novas possibilidades e criar j u n t o c o m Deus u m m u n d o n o v o , d e p a r t i l h a e r e s p e i t o a o o u t r o e à o u t r a , s e m escravidão n e m opressão. 1 0 2 . D e u s u s a a p e d a g o g i a d e libertação p o r m e i o d e u m processo coletivo, e m que a t u a m pessoas concretas. É para que o povo m a n t e n h a v i v o o c o m p r o m i s s o p a r a c o m a l i b e r d a d e e r e j e i t e as f o r m a s d e escravidão. A Páscoa t o r n o u - s e " m e m o r i a l " d a l i b e r t a ção d a c a s a d a escravidão: " E s t e d i a será p a r a vós u m m e m o r i a l e m h o n r a d o S E N H O R , q u e h a v e i s d e c e l e b r a r p o r t o d a s a s gerações, c o m o instituição perpétua" ( E x 1 2 , 1 4 ) . 1 0 3 . A celebração d a Páscoa é u m a g r a n d e f e s t a d a libertação, m a s , p r i n c i p a l m e n t e , u m a l e r t a p a r a q u e I s r a e l não e x p l o r e e e s c r a v i z e os estrangeiros que m i g r a m para sua terra. 43
    • 1.3. Exílio e s o f r i m e n t o d e u m P o v o 1 0 4 . O s Impérios d a época c o s t u m a v a m r e m o v e r g r a n d e número d e p e s s o a s d o s p o v o s q u e v e n c i a m , p a r a d e s t i n o longínquo, d e t e r m i n a d o p e l o c o m a n d o i m p e r i a l . E s t a m e d i d a , além d e f o r n e c e r mão d e o b r a p a r a a s a t i v i d a d e s p r o d u t i v a s e d e g u e r r a d o s i m p e r i a l i s t a s , constituía-se e m estratégia d e dominação s o b r e os povos derrotados, pois fragilizava t a n t o o g r u p o deportado como o grupo remanescente. 1 0 5 . A s vítimas d a deportação v i v e n c i a v a m e s t e p r o c e s s o c o m o um t r i s t e exílio d a s u a t e r r a e d e s u a s tradições. O A n t i g o T e s t a m e n t o t e s t e m u n h a d o l o r o s a s experiências d e exílio v i v i d a s p e l o p o v o d e I s r a e l , o c o r r i d a s q u a n d o d e r r o t a d o e i n v a d i d o p o r o u t r a s nações. 1 0 6 . O exílio m a i s c o n h e c i d o é o d a Babilônia..Na p r i m e i r a d e p o r tação o c o r r i d a e m 5 9 7 a . C , a m a n d o d o i m p e r a d o r N a b u c o d o nosor, t o m a r a m o sobjetos d evalor que encontraram: "levou t o d o s o s t e s o u r o s d a C a s a d o S e n h o r e d o palácio r e a l , e q u e b r o u t o d o s o s o b j e t o s d e o u r o q u e Salomão, r e i d e I s r a e l , h a v i a fabricado para a Casa d o S e n h o r " (2Rs 2 4 , 1 3 ) . 1 0 7 . M a s também e s c o l h e r a m d e n t r e o p o v o , p a r a l e v a r c a t i v o s , o r e i , s e u s m i n i s t r o s , o s líderes, proprietários d e t e r r a s e c o m e r c i a n t e s e p e s s o a s q u e p o d e r i a m s e r úteis: " D e t o d a a c i d a d e d e J e r u s a lém l e v o u p a r a o c a t i v e i r o t o d o s o s c h e f e s e t o d o s o s v a l e n t e s d o exército, n u m t o t a l d e d e z m i l e x i l a d o s , e t o d o ' s o s f e r r e i r o s e s e r r a l h e i r o s ; d o p o v o d a t e r r a só d e i x o u o s m a i s p o b r e s " ( 2 R s 2 4 , 1 4 ) . 1 0 8 . H o u v e e m 5 8 7 a . C . u m a s e g u n d a deportação, a s s i m n a r r a d a : "Nabuzardã, c o m a n d a n t e d a g u a r d a , e x i l o u o r e s t a n t e d a p o pulação q u e t i n h a f i c a d o n a c i d a d e [...]. Só d o s p o b r e s d o país, o comandante da guarda deixou u m a parte c o m o vinhateiros e a g r i c u l t o r e s " (2Rs 2 5 , 1 1 - 1 2 ) . 109. O salmo 137 descreve o sofrimentovivido pelos judeus deportados p a r a j u n t o d o s c a n a i s d a Babilônia: " N a b e i r a d o s r i o s d e Babilônia, nós n o s s e n t a m o s a c h o r a r , c o m s a u d a d e s d e Sião. [...] C o m o c a n t a r o s c a n t o s d o S e n h o r e m t e r r a e s t r a n g e i r a ? " (Sl 1 3 7 , 1 ; 4 ) . E s s a m e s m a 44
    • d o r é r e s s e n t i d a p e l a s p e s s o a s v i t i m a d a s p e l o tráfico h u m a n o , p o i s também são a r r a n c a d a s v i o l e n t a m e n t e d o convívio c o m o s s e u s e m s u a t e r r a , e c o n d u z i d a s à exploração e m l o c a i s d i s t a n t e s . no..Com o p a s s a r d o t e m p o , o s e x i l a d o s vão e s q u e c e n d o s u a s o r i - g e n s , vão " a c o s t u m a n d o " c o m a n o v a v i d a . A sobrevivência e x i - g e n o v a s p e r s p e c t i v a s , m e s m o q u e não s e j a o i d e a l , p o i s o i d e a l se e n c o n t r a n a t e r r a p r o m e t i d a , c o m l i b e r d a d e e c u l t o a D e u s . O p o v o começa u m a n o v a c a m i n h a d a a c e i t a n d o o u s u p o r t a n d o a s n o v a s f o r m a s d e c u l t u r a e n o v o s d e u s e s . M u i t o s e m u i t a s s e dão e m c a s a m e n t o c o m g e n t e d e o u t r a s c u l t u r a s , q u e não c o n h e c e m o Senhor. O culto é esquecido o u pouco praticado. 1 1 1 . A s p e s s o a s t r a f i c a d a s d e n o s s o t e m p o também p e r d e m seus r e f e r e n c i a i s e p a r a s o b r e v i v e r e m s e a d a p t a m às n o v a s situações, p e r d e n d o , c o m i s s o , a d i g n i d a d e e o s v a l o r e s m o r a i s e éticos r e cebidos. U m n o v o m u n d o se abre, g e r a l m e n t e c o m v a l o r e s dest o r c i d o s e práticas não p o s i t i v a s . M a s é a l e i d a sobrevivência. T o r n a m - s e p e s s o a s v i v a s , m a s s e m v i d a , p o i s não há d i g n i d a d e n e m perspectivas. 1 1 2 . O s e x i l a d o s d a Babilônia r e t o r n a m à t e r r a p r o m e t i d a , l i b e r t o s p e l o r e i C i r o , g u e v e n c e o império babilônio. O p o v o vê i s s o c o m o a presença d e D e u s n o v a m e n t e c o m e l e s . A i n f i d e l i d a d e d e a l g u n s não f e z c o m q u e D e u s o s a b a n d o n a s s e , E l e é fiel, a m a s e u p o v o e c u m p r e s u a aliança d e não o s a b a n d o n a r . 1 1 3 . É n o período d o exílio e n o pós-exflio q u e l e i s são c r i a d a s p e l o s líderes, c o m o o d e s d o b r a m e n t o d o Decálogo, p a r a q u e a essênc i a d a relação c o m D e u s não s e p e r c a , e p a r a q u e a escravidão e a exploração não v e n h a m m a i s a f a z e r p a r t e d a v i d a daquele p o v o (cf Ex 20,2-17; D t 5,6-21). 1.4. O P r o f e t i s m o d a esperança e d a Justiça 1 1 4 . A prática s e m e l h a n t e a o q u e h o j e d e n o m i n a m o s tráfico h u m a n o e n c o n t r o u oposição n o s p r o f e t a s d e I s r a e l , s e m p r e fiéis p o r t a - v o z e s d e D e u s e m d e f e s a d o s injustiçados ( c f j r 3 1 ; 3 3 ) . O p r i m i r 45
    • o p o b r e é o m a i o r d e t o d o s o s p e c a d o s (cf. A m 4 , 1 ) . C o l o c a r a justiça a serviço d o s r i c o s ( c f A m 5 , 1 2 ) é p e r v e r t e r o d i r e i t o e d e s t r u i r a s o c i e d a d e . O s p r o f e t a s d e n u n c i a m a violência c o n t r a e s t e s i n d e f e s o s e a p o n t a m a s c a u s a s : o p e c a d o , a negação d a v e r d a d e , d o d i r e i t o e d a justiça e a confiança n o q u e não t e m v a l o r , e a s s u a s conseqüências: a destruição, a desgraça e a m o r t e ( c f Is 5 9 , 3 - 1 5 ) . 1 1 5 . E m u m a época e m q u e o tráfico d e p e s s o a s p a r a e s s e fim e r a prática a c e i t a , o s p r o f e t a s d e n u n c i a v a m t a i s práticas c o m o desumanas e idolátricas. O s e s c r a v o s r e d u z i d o s a e s s a condição p e l a g u e r r a e r a m comercializados e traficados e m t o d o oAntigo Oriente. Gaza e T i r o e r a m c i d a d e s q u e c o n t r o l a v a m e s t e comércio e tráfico. 1 1 6 . O tráfico h u m a n o c o n t r i b u i u p a r a a expansão e o a u m e n t o d a r i q u e z a d e l a s . U m a prática condenável. S e g u n d o A m o s , " a s s i m d i z o S e n h o r : 'Não p e r d o a r e i G a z a p o r seus*três c r i m e s e , a g o r a , p o r m a i s e s t e : F i z e r a m c a t i v o a u m p o v o i n t e i r o , p a r a entregá-lo a E d o m ' " ( A m 1 , 6 ) . T i r o , p o r s u a v e z , c o m p r a v a p e s s o a s n a Ásia M e n o r (cf Ez 2 7 , 1 2 - 1 3 ) , o n d e se v e n d i a m j u d e u s (cf Jl 4,6). 1 1 7 . E s s a situação d e i d o l a t r i a ( c f E z 2 8 , 6 ) também e s t a v a p r e s e n t e e m Israel, c o m o denuncia A m o s : " V e n d e m o j u s t o por dinheiro e o i n d i g e n t e p o r u m p a r d e sandálias" ( A m 2 , 6 ) . 1 1 8 . E m j e r e m i a s , o S e n h o r c o b r a d o s patrões a q u e b r a d a aliança, p o i s e s t e s não l i b e r t a r a m o s c o m p a t r i o t a s h e b r e u s q u e c o m p r a r a m p o r dívida ( c f j r 3 4 , 1 2 - 2 2 ) , d e s c u m p r i n d o a s s i m a L e i d o A n o Sabático: D e s e t e e m s e t e a n o s farás a remissão d a s dívidas. [...| U m a v e z p r o c l a m a d a a remissão d o S e n h o r , t o d o c r e d o r q u e h o u v e r e m p r e s t a d o perdoará o empréstimo a o d e v e d o r ; já não exigirá n a d a d o próximo e d o irmão. [...| Q u a n d o u m irmão h e b r e u , h o m e m o u m u l h e r , s e t i v e r v e n d i d o , e l e t e servirá s e i s a n o s , m a s n o sétimo t u o despedirás l i v r e d e t u a c a s a . A o d e s p e d i - l o l i v r e d e t u a c a s a , não o d e s p a c h e s d e mãos v a z i a . ( D t 15,1-2.12-13; c f Ex 2 3 , 1 0 - 1 1 ; D t 15,1-18). 1 1 9 . O p r o f e t a Isaías ( I s 4 0 - 5 5 ) c o n s o l a e l e v a esperança, p o i s o fim d o exílio está próximo e o p o v o retornará à t e r r a p r o m e t i d a e o s 46
    • d i s p e r s o s serão r e u n i d o s ; u m n o v o êxodo ocorrerá. O s "Cânticos d o S e r v o d o S e n l i o r " (Is 4 2 . 1 - 1 4 ; 4 9 , 1 - 6 ; 5 0 , 4 - 9 ; 5 2 , 1 3 - 5 3 ) d e s c r e v e m a vocação d o S e r v o : p r e g a d o r , m e d i a d o r d a salvação, q u e •sofre e m o r r e para q u e o u t r o s s e j a m l i b e r t o s e salvos. O p o v o d e I s r a e l p o d e s e r e s s e S e r v o , v i t i m a d o p e l a injustiça d a g r a n d e potência babilônica, m a s q u e j a m a i s d e s i s t e e r e s i s t e até o fim. A esperança está alicerçada n a Aliança c o m D e u s . O S e n h o r , o único D e u s ( c f I s 4 3 , 1 0 ; 4 4 , 6 ) , c r i a d o r d o u n i v e r s o ( 4 4 , 2 4 ) e d a história d e I s r a e l ( 4 3 , 1 . 7 . 1 5 ) , é a g a r a n t i a d e u m f u t u r o g l o r i o s o . 120. Segundo os prpfetas, u m a sociedade indiferente à compra e venda d e p e s s o a s está c o n d e n a d a à destruição. O p r o b l e m a s i t u a - s e n o i n t e r i o r d e u m s i s t e m a econômico i n j u s t o e m q u e a l g u n s e n r i quecem explorando e comercializando pessoas, c o m o podemos perceber e m palavras de Joel: "Rifaram o m e u povo, d e r a m m e ninos para pagar prostitutas, d e r a m meninas e m troca de v i n h o p a r a s e e m b r i a g a r e m " (Jl 4 , 3 ) . O m e c a n i s m o d e exploração d e n u n c i a d o p e l o s p r o f e t a s a l a v a n c a a expansão d o s m e r c a d o s a t u a i s , o q u e a t i n g e p e s s o a s e até nações i n t e i r a s . O tráfico h u m a n o é u m a f o r m a e x t r e m a d e s s a exploração, c u j a s vítimas são f e i t a s entre os mais pobres. Por isso, os profetas a n u n c i a m que D e u s m e s m o irá e x i g i r a justiça e a fidelidade ao seu plano, c o m o des- graças s o b r e a q u e l e s q u e não o u v e m a v o z d e D e u s . 1.5. O Código d a Aliança p r o t e g e o s m a i s vulneráveis 1 2 1 . O s códigos l e g i s l a t i v o s d e I s r a e l r e c o l h e r a m a s n o r m a s t r a d i c i o n a i s d o c o n t e x t o histórico e c u l t u r a l e m q u e s e f o r m a r a m e são c a r a c t e r i z a d o s p o r u m f o r t e a c e n t o s o c i a l , s o b o o l h a r d a fé veterotestamentária. O s códigos d e l e i s e s t a b e l e c e m normas econômicas, m o r a i s e c r i m i n a i s próprias d o s e u e n t o r n o , d e n t r e e l a s a legislação s o b r e o tráfico h u m a n o . 1 2 2 . P o r i s s o , t a i s códigos l e v a m e m c o n t a a exploração d o t r a b a l h o d e p e s s o a s e m e s m o a escravidão q u e o c o r r i a m n a q u e l e t e m p o , m a s v i s a m m i n a r a s b a s e s d e s t a s práticas. O Decálogo r e f l e t e u m p r o j e t o social de liberdade e a p o n t a u m c a m i n h o para u m a 47
    • convivência l i v r e d e opressões ( E x 2 0 , 2 - 1 7 ; D t 5 , 6 - 2 1 ) . Há o c o m p r o m i s s o explícito q u e c o n c e r n e às relações s o c i a i s , r e g u l a d a s , e m particular, pelo direito do pobre: Se h o u v e r e m t e u m e i o u m n e c e s s i t a d o e n t r e o s irmãos, e m alguma de tuas cidades, na terra que o Senhor teu Deus t e dá, não endureças o coração n e m f e c h e s a mão p a r a o irmão p o b r e . A o contrário, a b r e t u a mão e e m p r e s t a - l h e o b a s t a n t e para a necessidade q u e o o p r i m e (Dt 15,7-8). 123. A m e s m a perspectiva é encontrada n a aplicação d a l e i a o estrangeiro: Se u m e s t r a n g e i r o v i e r m o r a r c o n v o s c o n a t e r r a , não o m a l t r a t e i s . O e s t r a n g e i r o q u e m o r a c o n v o s c o s e j a p a r a vós c o m o o n a t i v o . A m a - o c o m o a t i m e s m o , p o i s vós também f o s t e s e s t r a n g e i r o s n a t e r r a d o E g i t o . E u sou- o S e n h o r v o s s o D e u s (Lv 1 9 , 3 3 - 3 4 ) . 1 2 4 . A L e i s e p r e o c u p a também e m d e f e n d e r a d i g n i d a d e d o e s t r a n g e i r o , l e m b r a n d o q u e I s r a e l e s t e v e n a m e s m a condição. O d e s a m p a r o d o e s t r a n g e i r o é e q u i p a r a d o a o d o s órfãos e d a s viúvas (cf D t 24,19-22). 1 2 5 . U m a p r i s i o n e i r a t o m a d a p o r e s p o s a p o d e r i a s e r r e p u d i a d a , m a s não p o d e r i a ser v e n d i d a (cf D t 21,10-14). Desse m o d o , visa t o d a e qualq u e r alienação d a l i b e r d a d e d e o u t r e m ; " S e alguém v e n d e r s u a f i l h a c o m o e s c r a v a , e s t a não sairá c o m o s a e m o u t r o s e s c r a v o s " ( E x 2 1 , 7 ) . 1 2 6 . P a r a a Torá, o P e n t a t e u c o , r o u b a r u m a p e s s o a p a r a l u c r a r c o m s u a v e n d a é u m a o f e n s a à Aliança c o m D e u s . A l e i é inapelável: " Q u e m seqüestrar u m a p e s s o a , q u e r a t e n h a v e n d i d o o u a i n d a a t e n h a e m s e u p o d e r , será p u n i d o d e m o r t e " ( E x 2 1 , 1 6 ) . A s E s crituras t e s t e m u n h a m q u e Israel d e s e n v o l v e u leis q u e p r o c u r a v a m preservar a vida e a d i g n i d a d e das pessoas, especialmente d a s d e s p r o t e g i d a s p e l o s a p a r a t o s sociopolíticos. E i s u m a p a l a v r a profética p a r a a s s o c i e d a d e s s o b a égide d o m e r c a d o que t e n d e m a f a v o r e c e r s u a expansão c o m s u a s legislações, e m d e trimento dos pobres e marginalizados, grupo ao qual pertence a m a i o r i a d o s v i t i m a d o s p e l o s tráfico h u m a n o . 48
    • 1.6. A iluminação d o M o v o T e s t a m e n t o Jesus anuncia a liberdade aos cativos 1 2 7 . E m J e s u s C r i s t o c u m p r e - s e o e v e n t o d e c i s i v o d a ação a m o r o s a d e D e u s . A iiistória d o p o v o d e I s r a e l é p e r m e a d a d e d i v e r s a s • f o r m a s d e agressão à d i g n i d a d e d a p e s s o a e à l i b e r d a d e . M a s e s t e p o v o também s e f o r t a l e c i a r e c o r d a n d o e v e n t o s salvíficos d e s u a história, c o m o a libertação d a escravidão n o E g i t o e d o exílio n a Babilônia. E v e n t o s q u e n e l e s u s c i t a v a m a e x p e c t a t i v a pela vinda d o Messias, pois era sabedor de que aquelas libertações v i v e n c i a d a s não e r a m d e f i n i t i v a s . 1 2 8 . O t e s t e m u n h o j u d a i c o d a ação d e D e u s c r i a d o r n a s u a história, colocando-se a olado dos ofendidos e m sua dignidade, como n a servidão o u n a deportação, e a l u t a d o s p r o f e t a s p e l a justiça são f u n d a m e n t a i s p a r a a compreensão d a m a n e i r a c o m o J e s u s d e s e m p e n h o u s e u ministério e s u a p r o p o s t a d e l i b e r d a d e e v i d a para todos, sobretudo para o s pequeninos. Nesse sentido, é s i g n i f i c a t i v a a p a s s a g e m n a q u a l a p r e s e n t a a compreensão q u e t i n h a d o s e u ministério, c o m o u m ministério d e libertação: O Espírito d o S e n h o r está s o b r e m i m , p o i s e l e m e u n g i u , p a r a anunciar a Boa Nova aos pobres; enviou-me para proclamar a libertação a o s p r e s o s e , a o s c e g o s , a recuperação d a v i s t a ; para dar liberdade aos o p r i m i d o s e proclamar u m a n o aceito d a p a r t e d o S e n h o r (Lc 4 , 1 8 - 1 9 ) . 1 2 9 . A B o a N o v a i m p l i c a a libertação d e q u a l q u e r t i p o d e exploração e injustiça c o n t r a o s p o b r e s : " J e s u s s u b i u à m o n t a n h a e s e n t o u - s e . |...] e e l e começou a e n s i n a r : F e l i z e s o s p o b r e s n o espírito, p o r q u e d e l e s é o R e i n o d o s Céus. F e l i z e s o s q u e c h o r a m , p o r q u e s e rão c o n s o l a d o s " ( M t 5 , 1 - 4 ; c f M c 1 0 , 2 1 - 2 5 ; L c 6 , 2 0 ) . É u m a b o a notícia p a r a o s e x p l o r a d o s e s u b m e t i d o s a situações e a f a z e r e s c o n t r a a própria v o n t a d e p e l o p o d e r d o tráfico h u m a n o . 1 3 0 . A revelação, e m C r i s t o , d o mistério d e D e u s é também a r e v e l a ção d a vocação d a p e s s o a h u m a n a à l i b e r d a d e . O E v a n g e l h o d e Jesus Cristo: 49
    • anuncia e proclama a liberdade dos filhos de Deus; rejeita t o d a a servidão q u e , e m última análise, provém d o p e c a d o ; r e s p e i t a e s c r u p u l o s a m e n t e a d i g n i d a d e d a consciência e a s u a l i v r e adesão; a d v e r t e , s e m d e s f a l e c i m e n t o , q u e t o d o s o s t a l e n t o s h u m a n o s d e v e m f r u t i f i c a r n o serviço d e D e u s e p a r a o b e m d a h u m a n i d a d e , e, f i n a l m e n t e , c o n f i a c a d a u m a o a m o r d e t o d o s . * ' O discípulo missionário, q u e m e d i a n t e u m c o n s t a n t e p r o c e s s o d e conversão p r o c u r a v i v e n c i a r e t e s t e m u n h a r e s t a l i b e r d a d e , é c h a m a d o a e n f r e n t a r a s r e a l i d a d e s c o m o a d o tráfico h u m a n o , que a t e n t a m contra este grande d o m concedido por Deus aos seus filhos e filhas. Gestos de J e s u s a favor da dignidade liumana e da liberdade 1 3 1 . A n u n c i a r a b o a notícia d a libertação a o s e x p l o r a d o s não p o d e s e r só d e p a l a v r a s . O s p o b r e s são a q u e l e s p a r a q u e m a v i d a é u m a c a r g a p e s a d a e m s e u s níveis primários d e s o b r e v i v e r c o m um mínimo d e d i g n i d a d e . S e não b a s t a s s e , são a s m a i o r e s vítimas d e situações d e l e s a h u m a n i d a d e , t a i s c o m o o tráfico h u m a n o . 1 3 2 . O E v a n g e l h o é b o a notícia q u e r e a l i z a a libertação d o s o p r i m i dos e devolve a dignidade h u m a n a que lhes foi tirada. Por isso, o R e i n o de D e u s a n u n c i a d o aos p o b r e s , r e q u e r o a t e n d i m e n t o das exigências d e u m v i v e r d i g n o e e m p e n h o n o e n f r e n t a m e n t o d e atividades que a t e n t a m contra a dignidade da pessoa. 1 3 3 . J e s u s r e a l i z o u m u i t o s s i n a i s d a presença d o R e i n o ( c f M t 4 , 1 7 ) . Percorreu cidades e aldeias pregando nas sinagogas, expulsando demônios ( c f M c 1 , 3 9 ) , c u r a n d o d o e n t e s ( c f M t 8 , 1 6 ) , c e g o s , m u d o s , a l e i j a d o s e l e p r o s o s ( c f Lc 7 , 2 2 ) . P a s s o u f a z e n d o o b e m e libertando os o p r i m i d o s d o mal que os afligia (cf A t 10,38). 1 3 4 . É u m a l e n t o p a r a a s vítimas d o tráfico h u m a n o v e r n o s E v a n g e lhos, sofredores, marginalizados e pecadores acorrerem a Jesus d e vários l u g a r e s e s e r e m a t e n d i d o s c o m a libertação d e s e u s m a l e s . P o r i s s o , " J e s u s já não p o d i a e n t r a r , p u b l i c a m e n t e , n a c i d a d e . 69 50 CONCÍLIO V A T I C A N O I I . Gaudium et spes. n . 4 1 .
    • Ele ficava fora, e m lugares d e s e r t o s , m a s de t o d a p a r t e v i n h a m a ele" (Mc 1,45b). E Jesus a m o u a cada u m de f o r m a concreta, c o m preferência p e l o s m a r g i n a l i z a d o s e s u b m e t i d o s a explorações na sociedade daquele t e m p o . 1 3 5 . L i b e r t a r alguém d e u m g r a n d e m a l , c o m o o d o tráfico h u m a n o , é d e v o l v e r a a l e g r i a d e v i v e r e a esperança d e q u e é possível l i b e r t a r o m u n d o d o domínio d e p o d e r e s q u e a t e n t a m c o n t r a a vida. E m Jesus, D e u s r e a l m e n t e estava d e r r u b a n d o os poderosos de seus t r o n o s e e l e v a n d o os h u m i l h a d o s (cf L c 1,52). Compaixão e misericórdia 1 3 6 . J e s u s n u n c a r e l a t i v i z o u a d o r e a aflição h u m a n a . F o i a o e n c o n t r o d a s p e s s o a s a c o l h e n d o a miséria a l h e i a . J e s u s e r a a t e n t o a o c l a m o r d o s s o f r e d o r e s : " t e m compaixão d e nós" ( M t 2 0 , 3 0 ; L c 1 7 , 1 3 ) . Não permaneceu indiferente ao sofrimento do outro: curou a sogra de P e d r o ( c f M t 8 , 1 4 - 1 5 ) ; a o h o m e m d a mão s e c a d i s s e : " L e v a n t a - t e ! V e m para o m e i o ! " ( M c 3,3); à m u l h e r d o e n t e a s s i m f a l o u : " M u l h e r , estás l i v r e d a t u a doença" ( L c 1 3 , 1 2 ) ; p e r c e b e n d o a comoção q u e s e s e g u i u à m o r t e d e Lázaro, " J e s u s t e v e lágrimas" (Jo 1 1 , 3 5 ) . 1 3 7 . I n d i g n o u - s e c o m a indiferença e d u r e z a d e coração d a q u e l e s que ignoravam o s o f r i m e n t o alheio: "Passando sobre eles u m olhar irad o , e e n t r i s t e c i d o p e l a d u r e z a d e s e u s corações, d i s s e a o h o m e m : ' E s t e n d e a mão!"' ( M c 3 , 5 ; c f M c 1 0 , 5 ; L c 1 3 , 1 5 - 1 6 ) . J e s u s a g e m o v i d o p e l a compaixão: " E n c h e u - s e d e compaixão p o r e l e s e c u r o u o s q u e e s t a v a m d o e n t e s " ( M t 1 4 , 1 4 ) . S e n t i u compaixão d o l e p r o s o (cf M c 1,41), d o s c e g o s (cf M t 2 0 , 3 4 ) , d o s f a m i n t o s (cf M c 8,2; M t 15,32), dos abandonados c o m o ovelhas s e m pastor (cf M c 6, 34). 1 3 8 . J e s u s e n s i n a q u e a compaixão i m p l i c a e m u m s o f r e r a d o r d o outro, c o m o outro: Tive f o m e , tive sede, estive preso, estava n u ( c f M t 2 5 , 3 1 - 4 6 ) . D e u s , e m J e s u s , s e expõe à d o r d a s c r i a t u r a s , se d e i x a a f e t a r : " D e u s a m o u t a n t o o m u n d o , q u e d e u o s e u F i l h o único" ( j o 3 , 1 6 ) . D e u s s e d o a e s e e s v a z i a p a r a e s t a r j u n t o d a h u m a n i d a d e s o f r e d o r a . J e s u s é a experiência d e f i n i t i v a d a c o m paixão d e D e u s p e l o s s o f r e d o r e s . 51
    • 139. Jesus n o trato das pessoas e m seus sofrimentos e necessidades, J e s u s é m o v i d o p e l a compaixão. N e l e v e m o s q u e a compaixão não é m e r o s e n t i m e n t o , m a s reação f i r m e e e f i c a z d i a n t e d a d o r alheia. É atitude e estilo de vida. O samaritano age t o m a d o d e compaixão ( c f L c 1 0 , 3 3 ) . O p a i , c h e i o d e compaixão, a c o l h e o f i l h o pródigo ( c f L c 1 5 , 2 0 ) . Compaixão e misericórdia, e x p r e s sões m a i o r e s d a n o s s a i m a g e m e semelhança c o m D e u s : " S e d e m i s e r i c o r d i o s o s c o m o o Pai é m i s e r i c o r d i o s o " (Lc 6 , 3 6 ) . 1 4 0 . A supressão d e t o d a miséria h u m a n a , d a d o r , d a exploração e d e t o d o tipo de desumanidade constitui u m a urgente tarefa. Q u e o s discípulos missionários s e compadeçam d o s v i t i m a d o s p e l o tráfico h u m a n o e s e c o m p r o m e t a m n o s e u e n f r e n t a m e n t o . Jesus resgata a dignidade da multier 1 4 1 . J e s u s p e r a n t e o s s e u s contemporâneos p r o m o v e u a s m u l h e r e s o f e n d i d a s e m s u a d i g n i d a d e . E m u m a época m a r c a d a pelo m a c h i s m o e discriminação, a prática d e J e s u s f o i d e c i s i v a para r e s s a l t a r a d i g n i d a d e d a m u l h e r e s e u v a l o r indiscutível. 142. N o s evangelhos, Jesus falava c o m elas: " f i c a r a m a d m i r a d o s a o v e r Jesus conversando c o m u m a m u l h e r " Oo 4,27), teve singular misericórdia c o m a s p e c a d o r a s ( c f L c 7 , 3 6 - 5 0 ) , c u r o u - a s ( c f M c 5 , 2 5 - 3 4 ) , reivindicou sua dignidade (cf Jo 8,1-11), escolheu-as c o m o p r i m e i r a s t e s t e m u n h a s d a ressurreição ( c f M t 2 8 , 9 - 1 0 ) e i n c o r p o r o u - a s a o g r u p o d e p e s s o a s q u e e r a m m a i s próximas a e l e ( c f L c 8,1-3).™ 1 4 3 . O s e v a n g e l h o s também a p r e s e n t a m m u l h e r e s a t i n g i d a s p e l a d o ença o u p o r s o f r i m e n t o s físicos, c o m o a m u l h e r q u e t i n h a " u m espírito q u e a t o r n a v a d o e n t e . E r a e n c u r v a d a e t o t a l m e n t e i n c a p a z d e o l h a r p a r a c i m a " (Lc 1 3 , 1 1 ) ; o u c o m o a m u l h e r q u e " s o f r i a d e h e m o r r a g i a s " ( c f M c 5 , 2 5 - 3 4 ) , e não p o d i a t o c a r ninguém, p o r q u e s e p e n s a v a q u e o s e u t o q u e t o r n a s s e o h o m e m i m p u r o . Há, d e p o i s , a filha d e Jairo, q u e Jesus faz voltar à vida, dirigindo-se a ela c o m t e r n u r a : " M e n i n a , e u t e d i g o , l e v a n t a - t e " ( M c 5 , 4 1 ) . E há a i n d a viúva 70 52 C f . C E L A M . Documento de Aparecida, n. 4 5 1 .
    • d e N a i m , p a r a q u e m J e s u s f a z v o l t a r à v i d a o filho único, f a z e n d o a c o m p a n h a r o s e u g e s t o d e u m a expressão d e t e r n a p i e d a d e : . - " e n c h e u - s e d e compaixão p o r e l a e d i s s e : 'Não c h o r e s ' " (Lc 7 , 1 3 ) . 144. O Evangelho retrata que Jesus, e m suas obras e palavras, é contra t u d o quanto ofende a dignidade da mulher,^' e e x p r i m e sempre o respeito e a h o n r a devida à mulher. E m nossa sociedade de c o n s u m o e espetáculo, m u l h e r e s são s u b m e t i d a s a n o v a s f o r m a s d e exploração e até à escravidão. 1 4 5 . D e n t r e e s s a s , n e s s a l t a - s e o tráfico h u m a n o , c u j a s vítimas, e m s u a m a i o r i a , são m u l h e r e s . O tráfico h u m a n o t o r n a a m u l h e r m e r o o b j e t o d e exploração s e x u a l . O v a l o r e a d i g n i d a d e d a m u l h e r p r e c i s a m s e r r e s s a l t a d o s n o m u n d o contemporâneo e m v i r t u d e d e r e a l i d a d e s q u e o s a t i n g e m , c o m o o tráfico h u m a n o . C a b e a o discípulo missionário, a e x e m p l o d e J e s u s , d e f e n d e r a d i g n i d a d e da mulher, c o m o combater t u d o q u a n t o a ofende. J e s u s a c o l h e a s crianças 1 4 6 . O s e v a n g e l h o s t e s t e m u n h a m c o m o J e s u s a c o l h i a a s crianças. A s crianças têm u m ' l u g a r p r i v i l e g i a d o n o p e q u e n o r e b a n h o d e J e s u s . N u m m u n d o o n d e a s crianças não e r a m c o n s i d e r a d a s como s e r e s h u m a n o s p l e n a m e n t e r e a l i z a d o s , J e s u s as a c o l h e c o m g e s t o s d e a f e t o , f a z c o m q u e s e j a m referência d e s u a p a l a v r a q u a n d o a s c o l o c a n o m e i o d o s discípulos e a s abençoa.^^ 1 4 7 . O s e v a n g e l h o s n o s m o s t r a m q u e J e s u s c o n s i d e r a a s crianças c o m o p e s s o a s q u e D e u s g u a r d a n o coração e p o r i s s o o R e i n o d e D e u s é p a r a e l a s e p a r a o s q u e são c o m o e l a s ( c f M t 1 9 , 1 3 - 1 5 ; Lc 1 8 , 1 5 - 1 7 ) e l a s m e r e c e m o m e s m o a c o l h i m e n t o q u e é d a d o a J e s u s e a o P a i . A s crianças são v a l o r i z a d a s p e l o q u e e l a s são e o a m o r p r e f e r e n c i a l d e D e u s ( c f Lc 9,48).^^ 71 C f . C E L A M . Documento de Aparecida, 72 C f P U I G . A . J e s u s , uma biografia. 73 n. 15. Idem. Lisboa: Paulus, 2006. p. 4 2 1 . 53
    • 1 4 8 . V i v e m o s n u m m u n d o o n d e a ambigüidade h u m a n a e s u a f r a g i l i d a d e são o s p r i n c i p a i s e l e m e n t o s q u e f u n d a m e n t a m a e x p l o r a ção d a s p e s s o a s . A criança, n a própria condição d e p e s s o a n e cessitada, abre c a m i n h o para q u e seja e x p l o r a d a das mais difer e n t e s e v a r i a d a s f o r m a s . O tráfico d e crianças t e m c o m o p o n t o d e p a r t i d a p a r a s u a exploração j u s t a m e n t e a s s u a s carências. 1 4 9 . É p o r i s s o q u e a criança p r e c i s a s e r a c o l h i d a . S o m e n t e a s s i m , a c o l h e r a s crianças c o m o J e s u s a s a c o l h i a é a m e l h o r prevenção c o n t r a o tráf i c o i n f a n t i l , c o m as s u a s m a i s fijnestas conseqüências. Além d i s s o , não p o d e m o s n o s e s q u e c e r q u e J e s u s n o s d e i x a c l a r o q u e q u a n d o e s t a m o s a c o l h e n d o u m a criança, e s t a m o s a c o l h e n d o o R e i n o d e D e u s . " F o s t e s c h a m a d o s p a r a a l i b e r d a d e " (Gal 5,13) 150. Cristo é aVerdade q u e liberta (cf Jo 8,32). É a liberdade oferecida a t o d o s i n d i s c r i m i n a d a m e n t e . O mistério p a s c a l é mistério d a libertação d e f i n i t i v a . "É p a r a a l i b e r d a d e q u e C r i s t o n o s l i b e r t o u " (Gl 5,1). A l i b e r d a d e o f e r e c i d a p o r Ele s u p e r a o p e c a d o a q u e t o d a p e s s o a está s u j e i t a ( c f R m 5 , 1 2 s s ; E f 2 , 3 ) . É l i b e r d a d e d a m o r t e c o m o conseqüência d o p e c a d o ( c f R m 6 , 2 3 ; 7 , 1 1 ) : "libertou o sque, por m e d o d a morte, passavam a vida toda s u j e i t o s à escravidão" ( c f H b 2 , 1 5 ) . 1 5 1 . A e s t a l i b e r d a d e são c h a m a d o s o s discípulos missionários: " S i m , irmãos, f o s t e s c h a m a d o s p a r a a l i b e r d a d e " ( G l 5 , 1 3 ) . É l i b e r d a d e p a r a s e d e i x a r e m c o n d u z i r p e l o Espírito, c o m o d i z são P a u l o : " n o s d e i x a m o s c o n d u z i r p e l o Espírito" ( G l 5 , 5 ) . A o s l i b e r t o s p o r J e s u s p a r a a v i d a n o Espírito o Apóstolo d o s G e n t i o s d i z : " f a z e i -vos s e r v o s u n s d o s o u t r o s , p e l o a m o r " (Gl 5 , 1 3 ) . P o r t a n t o , a l i b e r d a d e d e C r i s t o é l i b e r d a d e p a r a o serviço ( c f R m 6 , 2 2 ) e p a r a o c o m p r o m i s s o c o m a justiça d o R e i n o ( c f R m 6 , 1 6 ) . 1 5 2 . " O n d e está o Espírito d o S e n h o r , aí está a l i b e r d a d e " ( 2 C o r 3 , 1 7 ) . E s s a u n i v e r s a l i d a d e d a l i b e r d a d e d o Espírito v i n c u l a a relação q u e a p e s s o a é c h a m a d a a t e r c o m D e u s e a r e s p o n s a b i l i d a d e p a r a c o m o próximo. E, à m e d i d a e m q u e a m a m o s o próximo, p a s s a m o s d a m o r t e p a r a a v i d a ( c f I J o 3 , 1 4 ) . E s s a é a l e i d o Espírito q u e dá a v i d a ( c f R m 8 , 2 ) . 54
    • 1 5 3 . E s s e a m o r i m p e l e a s e r v i r a t o d o s , c o m o o s q u e têm a l i b e r d a d e t o l h i d a i n j u s t a m e n t e , a e x e m p l o d a s vítimas d o tráfico h u m a n o , o b r i g a d a s a práticas c o n t r a a própria v o n t a d e , e até a p r i s i o n a d a s . 1 5 4 . A l i b e r d a d e cristã v i s a , e m p r i m e i r o l u g a r , o a m o r a o próximo (cf G l 5,13). A o inaugurar a l e i d a liberdade ( c f Gal 4,7; R m 8 , 1 4 s s ) , C r i s t o i n a u g u r a também a l e i d o A m o r ( c f J o 1 5 , 1 2 ) . "Caríssimos, s e D e u s n o s a m o u a s s i m , nós também d e v e m o s a m a r - n o s u n s a o s o u t r o s . Ninguém j a m a i s v i u a D e u s . S e n o s a m a r m o s u n s a o s o u t r o s . D e u s p e r m a n e c e e m nós e s e u a m o r e m nós é pleüamente r e a l i z a d o " ( I J o 4 , 1 1 - 1 2 ) . 155. A reciprocidade d o a m o r é exigida pelo m a n d a m e n t o que Jesus m e s m o define c o m o n o v o e Seu: "Eu vos d o u u m n o v o m a n d a m e n t o : a m a i - v o s u n s a o s o u t r o s . C o m o e u v o s a m e i , a s s i m também vós d e v e i s a m a r - v o s u n s a o s o u t r o s " (Jo 1 3 , 3 4 ) . E, à m e d i d a que a m a m o s o próximo p a s s a m o s d a m o r t e p a r a a v i d a ( c f I J o 3 , 1 4 ) . 1 5 6 . O v e r d a d e i r o a m o r p u r i f i c a t o d a f o r m a d e indiferença e f a l s a s j u s t i f i c a t i v a s d i a n t e d o s o f r i m e n t o d o o u t r o . T o d o s são r e s p o n sáveis p e l o b e m d e t o d o s , p o i s a l i b e r d a d e o f e r e c i d a e m C r i s t o d i z r e s p e i t o à p e s s o a h u m a n a e m t o d a s a s s u a s dimensões: p e s s o a l e s o c i a l , e s p i r i t u a l e corpórea. 1 5 7 . P o r i s s o , o r e t o exercício d a l i b e r d a d e e x i g e p r e c i s a s condições d e o r d e m econômica, s o c i a l , política e c u l t u r a l : "Não v o s t o r n e i s , pois, escravos d eseres h u m a n o s " ( I C o r 7,23). Q u a n d o as pess o a s não dispõem d e s s a s condições d e m o d o d i g n o , t o r n a m - s e vulneráveis à ação d o s c r i m i n o s o s d o tráfico h u m a n o . " A l i b e r t a ção d a s injustiças p r o m o v e a l i b e r d a d e e a d i g n i d a d e h u m a n a . " ^ ' ' Tráfico h u m a n o , conseqüência d e u m s i s t e m a idolátrico 1 5 8 . J u l g a r a prática d o tráfico h u m a n o a p a r t i r d a fé l e v a a d e s c o b r i r a dimensão m a i s p r o f u n d a d e s t e c r i m e . L o n g e d e e s g o t a r - s e e m s i m e s m o , é u m a questão s o c i a l c o n e c t a d a 74 a mecanismos C O N S E L H O PONTIFÍCIO JUSTIÇA E P A Z . Compêndio da Doutrina Social da Igreja, n . 1 3 7 . 55
    • g l o b a i s d e r i v a d o s d e u m a e s t r u t u r a política e econômica a p o i a d a n a injustiça e n a d e s i g u a l d a d e . É u m a autêntica situação d e p e c a d o . " O m u n d o contemporâneo " v i v e s o b o domínio d a i n justiça e d e u m s i s t e m a c i m e n t a d o e m e s t r u t u r a s d e p e c a d o . " ^ * T a i s e s t r u t u r a s estão a i n d a m a i s f o r t a l e c i d a s , a g u d i z a n d o a d r a mática situação d o s m a i s p o b r e s . ^ ^ 1 5 9 . O tráfico h u m a n o s e c o n s t i t u i e m u m p e c a d o c o n c r e t i z a d o e m m e n t i r a , exploração e a s s a s s i n a t o ( c f J o 8 , 4 4 ) , opressão d a v e r d a d e p e l a injustiça e p e l a s o b e r b a d i a n t e d e D e u s ( c f R m 1 , 1 8 - 1 9 ) . N e s s e m u n d o , m i l h a r e s d e s e r e s h u m a n o s são j o g a d o s n o a b i s m o d a m o r t e d o l u c r o d e s m e d i d o . Aí s e e s c o n d e m o s c r i m e s m a i s c r u éis c o n t r a i n o c e n t e s , c o m o n o c a s o d a s vítimas d o t r a f i c o h u m a n o . 1 6 0 . A exploração, c o m p r a e v e n d a d e p e s s o a s não é a p e n a s m a i s u m d a n o c o l a t e r a l d o s i s t e m a econômico a t u a l . S e u s mecanismos perversos escondem verdadeiras formas d eidolatria: dinheiro, i d e o l o g i a e tecnologia.™ O p e c a d o d o tráfico h u m a n o é u m a c o n seqüência d a i d o l a t r i a d o d i n h e i r o : "Não p o d e i s s e r v i r a D e u s e a o D i n h e i r o " ( M t 6 , 2 4 b ) . N a Bíblia, a i d o l a t r i a a p a r e c e c o m o g e r a d o r a d e p e c a d o s . ídolo e r a a q u e l e o b j e t o , f r u t o d e mãos h u m a n a s , i n capaz d e dar v i d a e a o q u a l se sacrificavam vidas h u m a n a s : Transgrediram t o d o s o s preceitos d o Senhor, seu Deus, f u n d i r a m p a r a si d o i s b e z e r r o s e e r g u e r a m u m t r o n c o s a g r a d o . A d o r a r a m t o d a a milícia c e l e s t e e s e r v i r a m a B a a l . C h e g a r a m a sacrificar seus f i l h o s e filhas n o f o g o . Sepviam-se de adivinhações e mágicas e e n t r e g a r a m - s e a f a z e r o q u e é m a u a o s o l h o s d o S e n h o r , a p o n t o d e irritá-lo ( 2 R s 1 7 , 1 6 - 1 7 ) . 75 c f . C E L A M . Documento o enorme abismo de Puebla, n . 1 1 3 5 . O s b i s p o s c o n s i d e r a m c o m o situação d e p e c a d o entre ricos e pobres causado pelas estruturas sociais, políticas e econômicas i n j u s t a s q u e i m p e d e m a p a s s a g e m d e situações m e n o s h u m a n a s a situações m a i s h u m a n a s . N a Populorum Progressio, o s cristãos são e x o r t a d o s a u m a l e i t u r a m a i s ' a m p l a d a r e a l i d a d e : " O c o m b a t e c o n t r a a miséria, e m b o r a u r g e n t e e necessário, não é s u f i c i e n t e . T r a t a - s e d e c o n s t r u i r u m m u n d o e m q u e t o d o s o s h o m e n s , s e m exceção d e raça, religião o u n a c i o n a l i d a d e , p o s s a m v i v e r u m a v i d a p l e n a m e n t e h u m a n a , l i v r e d e servidões", n . 4 7 . 76 P A P A J O Ã O P A U L O I I . Soilicitudo 77 C f P A P A J O Ã O P A U L O 11. Centesimus annus, n. 3 5 - 5 6 . 78 C f P A P A J O Ã O P A U L O I I . Soilicitudo 56 rei socialis. n . 3 6 . rei socialis. n . 3 7 .
    • 1 6 1 . D e u s e x i g e rejeição r a d i c a l d e o u t r o s d e u s e s : "Não terás o u t r o s d e u s e s além d e m i m " ( D t 5 , 7 ; E x 2 0 , 3 ; c f . E x 3 4 , 1 4 ; ) . A d o r a r realidades criadas n o lugar d e D e u s ( c f Is 1 0 , 1 1 ; j r 9,13ss; Ez 8,17ss) é a m a i o r das i m b e c i l i d a d e s : " D e sua p r a t a e d e seu o u r o f i z e r a m ídolos, c u j o d e s t i n o é s e r e m destruídos" ( O s 8 , 4 b ; c f O s 1 3 , 2 ; J r 1 4 , 2 2 ; Is 4 0 , 1 2 s s . ) . 1 6 2 . P a r a J e s u s , o ídolo é u m a r e a l i d a d e c o n c r e t a : d i n h e i r o e r i q u e z a ( c f M t 6 , 2 4 ; L c 16,13).^"* É j u s t a m e n t e a i d o l a t r i a d o d i n h e i r o ( c f E f 5 , 5 ) q u e ' s e e n c o n t r a n a o r i g e m d o tráfico h u m a n o : " A r a i z de todos o smales é o a m o r ao dinheiro. Por s et e r e m entreg u e a e l e , a l g u n s s e d e s v i a r a m d a fé e s e a f l i g e m c o m inúmeros sofrimentos" ( I T m 6,10). S o m e n t e o a m o r ao dinheiro explica p o r q u e o tráfico h u m a n o c o n s t i t u i u m a d a s a t i v i d a d e c r i m i n o s a mais lucrativa n o m u n d o . 1 6 3 . C o n v e r t e r o d i n h e i r o e m critério s u p r e m o é n e g a r a D e u s e d e s p r e z a r o próximo: " P o r t a n t o , m o r t i f i c a i o s v o s s o s m e m b r o s , i s t o é, o q u e e m vós p e r t e n c e à t e r r a : [...| e s p e c i a l m e n t e a g a nância, q u e é u i p a i d o l a t r i a . E s t a s c o i s a s é q u e p r o v o c a m a i r a d e D e u s " (Cl 3,5s). A i d o l a t r i a d o d i n h e i r o é a p r i m e i r a c a u s a d a v i o lência n a América L a t i n a e n o C a r i b e . * " A absolutização d a r i q u e z a é, também, o m a i o r obstáculo p a r a a v e r d a d e i r a l i b e r d a d e . * ' 1 6 4 . O d i n h e i r o e o p o d e r c o n v e r t e m o tráfico h u m a n o e m u m a q u e s tão a s e r e n f r e n t a d a c o m urgência: " a adoração d o não adorável e a absolutização d o r e l a t i v o l e v a m à violação d o m a i s íntimo da pessoa h u m a n a . E i saqui a palavra libertadora p o r exce- lência: " S o m e n t e a o S e n h o r D e u s adorarás e prestarás c u l t o " ( c f M t 4 , 1 0 ) . * ^ P o r t a n t o , e m p e n h a r - s e n a erradicação d o tráfico h u m a n o s i g n i f i c a c o n f e s s a r a fé n o v e r d a d e i r o D e u s e d e s m a s c a r a r o s ídolos ( c f M t 6 , 2 4 ; L c 1 6 , 1 3 ) . 79 C f . M A M õ M . I n : J A S T R O W , M . A dktionary and the midrashk of the targumin, the Taimud Babli and Yerushaimi, Uterature. Jerusalém: H o r e v , s . d , p . 7 9 4 . 80 C f C E L A M . Documento d e Aparecida, n . 7 8 . 81 C f C E L A M . Documento de Puebla, n . 4 9 4 . 82 I b i d e m , n. 4 9 3 . 57
    • 2. E n s i n o s o c i a l d a I g r e j a e o Tráfico H u m a n o 165. O Reino, revelado por Jesus faz reler a realidade a partir dos a t i n g i d o s p e l o tráfico h u m a n o e l e v a a o d e s m a s c a r a m e n t o da- q u e l e s q u e o mantém o u são s e u s cúmplices: " M a s , aí d e vós, r i c o s , p o r q u e já t e n d e s consolação" ( L c 6 , 2 4 - 2 6 ) . O tráfico h u m a n o é u m a d a s inúmeras f o r m a s d e agressão c o n t r a a d i g n i d a d e h u m a n a m a n t i d a p e l a c u m p l i c i d a d e e omissão d e instituições e s i s t e m a s q u e p e r p e t u a m u m a situação e m q u e " o l u x o p u l u l a j u n t o à miséria".*^ É, p o r t a n t o , p e c a d o gravíssimo q u e o f e n d e a D e u s , n o s s o c r i a d o r , q u e n o s a m a e s a l v a d e t o d a s a s situações d e escravidão e m o r t e . 166. O Ensino social da Igreja a d o t o u a dignidade h u m a n a c o m o u m a d e s u a s m a t i z e s f u n d a m e n t a i s , c o n s i d e r a r j d o - a s o b a ótica d a experiência cristã d e f r a t e r n i d a d e . * ' ' São a p r e s e n t a d o s , a s e g u i r , a l g u n s e l e m e n t o s d e reflexão q u e , n e s t a s e g u n d a p a r t e , i l u m i n a m a questão d o tráfico h u m a n o , e a p o n t a m p i s t a s d e ação para seu e n f r e n t a m e n t o . 2.1. A criação, f o n t e d a d i g n i d a d e e i g u a l d a d e h u m a n a s 1 6 7 . O tráfico h u m a n o é u m a r e a l i d a d e q u e a t e n t a c o n t r a a d i g n i d a d e h u m a n a . A d i g n i d a d e h u m a n a c h e g a a o início d o século X X I c o m o patrimônio u n i v e r s a l , expressão d a consciência c o l e t i v a d a h u m a n i d a d e . R e c o n h e c i d a c o m o q u a l i d a d e intrínseca e i n s e parável d e t o d o e q u a l q u e r s e r h u m a n o . 1 6 8 . A I g r e j a c o n t r i b u i p a r a a consolidação d o c o n c e i t o d e dignidade h u m a n a , c o m a afirmação d e q u e e s t a d e r i v a d o D e u s d a v i d a , c r i a d o r d o h o m e m e d a m u l h e r à s u a i m a g e m e semelhança ( c f G n 1 , 2 7 ) . * ^ " A f o n t e última d o s d i r e i t o s h u m a n o s não s e s i t u a 83 CONCÍLIO V A T I C A N O 84 C f . C O N S E L H O PONTIFÍCIO D E J U S T I Ç A E P A Z . Compêndio I I . Caudium et spes, n . 6 3 . 105-159. 85 58 C f P A P A B E N T O X V I . Caritas in veritate, n . 4 5 . da Doutrina Social da Igreja, n .
    • na m e r a v o n t a d e dos seres humanos,** na realidade d o Estado, nos p o d e r e s públicos, m a s n o m e s m o h o m e m e e m s e u D e u s , s e u C r i a d o r . " * ^ 1 6 9 . O v a l o r d a d i g n i d a d e h u m a n a e a s a c r a l i d a d e d a v i d a estão p r e s e n t e s d e s d e a s o r i g e n s d a Revelação, p o i s u m a d e s u a s a f i r mações fijndamentais d i z q u e o s e r h u m a n o é criação d e D e u s . E c o m a encarnação d e D e u s e m J e s u s C r i s t o , a v i d a h u m a n a , intocável e t i c a m e n t e p o r razões d e s u a própria h u m a n i d a d e , recebe no cristianismo u m fijndamento incontestável. P o r i s s o , o s discípulos missionários d e v e m c o n t r i b u i r firmemente para a defesa da dignidade das pessoas, e e n f r e n t a r realidades que a o f e n d e m , c o m b o tráfico h u m a n o . 2.2. A igualdade fundamental entre as pessoas 1 7 0 . A visão d a p e s s o a h u m a n a d e s e n v o l v i d a n a história é i l u m i n a d a p e l a realização d o desígnio d e salvação d e D e u s . T o d a p e s s o a h u m a n a é u m a criatura de Deus: "Poste t u que criaste m i n h a s entran h a s e m e t e c e s t e n o s e i o d e m i n h a mãe. [...] Não t e e r a m o c u l t o s os m e u s ossos q u a n d o eu estava sendo f o r m a d o e m segredo, e e r a t e c i d o n a s p r o f u n d e z a s d a t e r r a . A i n d a embrião, t e u s o l h o s m e v i r a m e t u d o e s t a v a e s c r i t o n o t e u l i v r o " (Sl 1 3 9 , 1 3 - 1 6 a ) . 171. Deus criou o h o m e m à sua i m a g e m , criou-o à i m a g e m de Deus, criou o h o m e m e m u l h e r ( c f G n 1,26-27). M u l h e r e h o m e m s e c o m p l e t a m m u t u a m e n t e . " A e s t a ' u n i d a d e d o s d o i s ' está c o n f i a d a não só a o b r a d a procriação e a v i d a d a família, m a s a construção d a história".** 1 7 2 . N o s e u e n c o n t r o r e a l i z a - s e u m a concepção d i a l o g a i d a p e s s o a h u m a n a , b a s e a d a n a lógica d o a m o r . O h o m e m e a m u l h e r são c h a m a d o s não só a e x i s t i r " u m a o l a d o d o o u t r o " o u " j u n t o s " , m a s também a e x i s t i r r e c i p r o c a m e n t e " u m p a r a o o u t r o " . A m b o s têm u m a d i g n i d a d e q u e l h e s v e m d i r e t a m e n t e d e D e u s e r e f l e t e 86 C f . J O Ã O X l l l . Carta Enciclica Pacem in Terris. A A S 5 5 , 1 9 6 3 . 87 C O N S E L H O PONTIFÍCIO D E JUSTIÇA E P A Z . Compêndio da Doutrina Social da Igreja, n . 1 5 3 88 PAPAJOÀO P A U L O I I . Carta às mulheres ( 2 9 d e J u n h o d e 1 9 9 5 ) , n . 8 . 59
    • a s a b e d o r i a e a b o n d a d e d o Criador.*"* Eis a f o n t e d a igualdade essencial entre t o d o s os seres h u m a n o s : A igualdade f u n d a m e n t a l entre t o d o s os seres h u m a n o s deve ser cada vez mais reconhecida, u m a vez que, d o t a d o s de alma r a c i o n a l e c r i a d o s à i m a g e m d e D e u s , t o d o s têm a m e s m a n a t u r e z a e o r i g e m ; e , r e m i d o s p o r C r i s t o , t o d o s têm a m e s m a vocação e d e s t i n o d i v i n o s . ' " 1 7 3 . A afirmação d a i g u a l d a d e f u n d a m e n t a l entre t o d o s o s seres h u m a n o s d o m e s m o gênero, também s e e s t e n d e às d i f e r e n t e s raças, e s t r a t o s s o c i a i s e m q u e v i v e m a s p e s s o a s , g r a u d e i n s t r u ção, profissão e o u t r o s e l e m e n t o s , c u j a avaliação p o d e f e r i r a igual dignidade entre os filhos d e D e u s . P o r i s s o , são d e s c a b i d o s e injustos os preconceitos q u e f e r e m a dignidade das pessoas. 1 7 4 . A s vítimas d o tráfico h u m a n o , e m m u i t o s c a s o s , a c a b a m até c u l p a b i l i z a d a s p e l a situação e m q u e s e e n c o n t r a m . P r e c o n c e i t o s s o c i a i s , r a c i a i s e s e x u a i s , t o r n a m m u i t a s consciências insensíveis à d u r a r e a l i d a d e d a s vítimas d o tráfico h u m a n o , e x p l o r a d a s , t i r a d a s d o c o n vívio d o s s e u s , s u b m e t i d a s a cárcere e até m o r t a s p e l o s c r i m i n o s o s . 1 7 5 . A s o c i a b i l i d a d e h u m a n a t e m o s e u protótipo n a relação originár i a e n t r e o h o m e m e a m u l h e r , p r i m e i r a expressão d a comunhão d e p e s s o a s . H o m e m e m u l h e r , c r i a d o s à i m a g e m e semelhança d e D e u s , são c h a m a d o s a s e r e m s i n a l e mediação d a g r a t u i d a d e d i v i n a n o m u n d o . ' ' E m a m b o s r e f l e t e - s e o próprio D e u s , a b r i g o definitivo e p l e n a m e n t e feliz de t o d a a pessea.'^ 1 7 6 . A m b o s , n a s u a d i v e r s i d a d e estão a serviço d a v i d a ( c f G n 1,28) e são responsáveis u m p e l o o u t r o : " E d a v i d a d o h o m e m p e d i r e i c o n t a s a s e u irmão" ( G n 9 , 5 ) . É u m a p a l a v r a q u e c o m p r o m e t e o s discípulos missionários n a d e f e s a d o s irmãos e irmãs a t i n g i d o s 89 C f . C A T E C I S M O D A I G R E J A CATÓLICA, n . 3 6 9 . 90 CONCÍLIO V A T I C A N O 91 C f COMISSÃO T E L O L O G I C A I N T E R N A C I O N A L . Comunhão I I , Gaudium e t spes, n . 2 9 . à imagem de Deus. 2 0 0 4 . Disponível e m : c serviço: a pessoa humana criada http:/Avww.vatican.va/roman_curia/congregations/ cfaith/cti_documents/rc_con_cfaith_doc_20040723_communion-stewardship_po.litml. 92 60 C f J O Ã O P A U L O I I . Evangelium vitae, n. 3 5 .
    • p e l o tráfico h u m a n o , s o b o s q u a i s a i n d a r e c a i a discriminação por preconceitos. 2.3. A dignidade do corpo e da sexualidade 177. A c u l t u r a a t u a l c o m o cúmplice i n d i r e t o d o tráfico h u m a n o , f a z d a s o c i e d a d e u m a c o n s u m i d o r a d e p o r n o g r a f i a d e s e n f r e a d a . João P a u l o I I denunciava "a difundida cultura hedonista e mercantil que p r o m o v e a exploração sistemática d a s e x u a l i d a d e " . ' ^ N e l a , o s e x o é a p r e s e n t a do c o m o mercadoria e a pessoa c o m o objeto. "Vivemos u m a cultura que 'banaliza' e m grande parte a sexualidade humana".''' O c o r p o a p a r e c e c o m o álvo d e agressões à d i g n i d a d e h u m a n a . 1 7 8 . O tráfico h u m a n o u t i l i z a c o m o m e r c a d o r i a s o c o r p o , a s e x u a l i d a d e , a força d e t r a b a l h o e até órgãos d e p e s s o a s , a t e n t a n d o contra sua dignidade. N o e n t a n t o , corpo, sexualidade e pessoa f o r m a m u m t o d o q u e não p o d e s e r u t i l i z a d o c o m o m e i o p a r a a l cançar f i n s contrários à s u a d i g n i d a d e . O c o r p o e o s e x o não são produtos, objetos de compra e venda, o u meros instrumentos de trabalho e de prazer. 1 7 9 . O c o r p o e a s e x u a l i d a d e são r e a l i d a d e s c r i a d a s p o r D e u s e o f e recidas c o m o d o m : " O corpo h u m a n o , c o m o seu sexo, visto n o próprio mistério d a criação, não é s o m e n t e f o n t e d e f e c u n d i d a d e , m a s e n c e r r a d e s d e ' o princípio' a c a p a c i d a d e d e e x p r i m i r o amor".'^ O corpo sexuado é u m a realidade existencial, lugar de e n c o n t r o e g r a t u i d a d e , e i x o d a relação c o n s i g o m e s m o , c o m o mundo, com o o u t r o e c o m Deus. A sexualidade corresponde àt o talidade da pessoa e a marca p r o f u n d a m e n t e . É realidade c o m p l e x a , não s e r e d u z a o âmbito d o s i m p u l s o s g e n i t a i s . " A s e x u a l i d a d e é u m a r i q u e z a d e t o d a a p e s s o a , c o r p o , s e n t i m e n t o e espírito".'* 93 PAPAJOÀO P A U L O I I . Carta ás mulheres, n . 5 . 94 PAPAJOÀO P A U L O I I . Exortação Apostólica Familiaris 95 C O N S E L H O PONTIFÍCIO P A R A A FAMÍLIA. Sexualidade 96 J O À O P A U L O I I . Familiaris Consortio, Consortio, n. 3 7 . humana: verdade e significado (1995). n. 3 7 . 61
    • 1 8 0 . D e u s c r i a n a diferença d o s s e x o s ( c f G n 1 , 2 7 b ) , m a s d e u m a só carne (cf G n 2,18-24). A m b o s os sexos t e m m e s m a dignidade. N e n h u m é s u p e r i o r a o o u t r o . A s s i m , o h o m e m não é s u p e r i o r à mulher, n e m a mulher superior ao h o m e m . Cada u m possui a t o t a l i d a d e e a d i g n i d a d e d o s e r h u m a n o à s u a m a n e i r a . A diferença v i t a l d a s e x u a l i d a d e está o r i e n t a d a à comunhão: " O h o m e m e a m u l h e r e s t a v a m n u s , m a s não s e e n v e r g o n h a v a m " ( G n 2 , 2 5 ) . 181. E m suma, " a sexualidade é u m componente fundamental da p e r s o n a l i d a d e , d e s u a m a n e i r a d e ser, d e se m a n i f e s t a r , d e se c o m u n i c a r c o m o s o u t r o s , d e sentir, expressar e viver o amor".'^ Os discípulos missionários têm a missão d e t e s t e m u n h a r e s t e s e n t i d o profijndo e realizador da sexualidade humana n u m a cultura que b a n a l i z a o s e x o e o t o r n a f o n t e d e exploração e m o r t e d e p e s s o a s . 2.4. A s agressões à d i g n i d a d e h u m a n a sãt) agressões a C r i s t o 1 8 2 . C r i s t o , o F i l h o d e D e u s , " c o m a S u a encarnação, u n i u - s e d e a l g u m m o d o a t o d o h o m e m " . ' * Nele, Deus assume a humanidade corporal e manifesta-se e m u m corpo feito d ecarne: "Ele, e x i s t i n d o e m f o r m a d i v i n a , não s e a p e g o u a o s e r i g u a l a D e u s , mas despojou-se, assumindo a f o r m a de escravo e tornando-se s e m e l h a n t e a o s e r h u m a n o " ( F l 2 , 6 - 7 ) , vulnerável, frágil e m o r t a l . Revelou desta forma, o sentido pleno da dignidade d o corpo e da sexualidade. O corpo é o caminho q u e ele escolheu: " O corpo, c a m i n h o d e D e u s " , " é l u g a r d e s a n t i d a d e : '>Vcaso i g n o r a i s q u e v o s s o c o r p o é t e m p l o d o Espírito S a n t o q u e m o r a e m vós e q u e r e c e b e s t e s d e D e u s ? [...] Então, g l o r i f i c a i a D e u s n o v o s s o c o r p o " ( I C o r 6 , 1 9 - 2 0 ) . A s a t i v i d a d e s d o tráfico h u m a n o l e s a m p r o f u n d a m e n t e o corpo, este t e m p l o destinado a glorificar a Deus. 97 CONGREGAÇÃO P A R A A EDUCAÇÃO CATÓLICA. Orientações educativas sobre o amor Lineamentos 98 99 CONCÍLIO V A T I C A N O I I . Gaudium et spes, n . 2 2 . GESCHÉ, A . A invenção cristã d o c o r p o , p . 3 9 . I n ; GESCHÉ, A . ; S C O L A S . R ( O r g . ) . 0 corpo, caminho de Deus. São P a u l o : L o y o l a , 2 0 0 9 , p . 3 5 - 6 3 . 62 humano. de educação sexual ( 0 1 d e N o v e m b r o d e 1 9 8 3 ) , n . 4 .
    • 1 8 3 . A encarnação d o V e r b o m a n i f e s t a a i g u a l d a d e f u n d a m e n t a l . C r i s t o c o n v i d a a r e c o n h e c e r e m t o d a e q u a l q u e r p e s s o a , próxima o u distante, conhecida o u desconhecida, e sobretudo n o ' p o b r e e e m q u e m s o f r e , u m irmão p e l o q u a l s e e n t r e g o u p o r a m o r : " p e r e c e o f r a c o , o irmão, p e l o q u a l C r i s t o m o r r e u . P e c a n d o a s s i m c o n t r a o s irmãos e f e r i n d o a consciência d e l e s , q u e é f r a c a , é c o n t r a C r i s t o q u e p e c a i s " ( I C o r 8,11-12).'°° 1 8 4 . O D o c u m e n t o d e A p a r e c i d a i n d i c a a conversão contínua c o m o c a m i n h o d o s discípulos missionários. P o r i s s o : " D e s c o b r i r n o s r o s t o s s o fi-edores d o s p o b r e s o r o s t o d o S e n h o r ( M t 2 5 , 3 1 -46) é a l g o q u e desafia t o d o s o s cristãos a u m a p r o f i j n d a conversão p e s s o a l e e c l e s i a l " . " " A relação c o m D e u s é inseparável d a relação c o m o o u t r o : Eu estava c o m f o m e , e m e destes de comer, estava c o m sede, e m e destes de beber; eu era forasteiro, e m e recebestes e m casa; estava n u e m e v e s t i s t e s ; d o e n t e , e cuidastes d e m i m ; n a prisão, e f o s t e s v i s i t a r - m e [...). E m v e r d a d e v o s d i g o : t o d a s as v e z e s q u e fizestes i s s o a u m d e s t e s m a i s p e q u e n o s , q u e são m e u s irmãos, f o i a m i m q u e o fizestes! ( M t 2 5 , 3 5 - 3 6 . 4 0 ) . A s vítimas d o tráfico h u m a n o , e m s u a m a i o r i a , são p o b r e s . A s várias carências q u e e x p e r i m e n t a m n o c o t i d i a n o d e s u a s v i d a s , o s t o r n a m m a i s vulneráveis à ação c r i m i n o s a d o tráfico h u m a n o . N e l e s , o s discípulos missionários d e v e m v e r o próprio r o s t o d o S e n h o r . 2.5. O tráfico h u m a n o é agressão à m i n h a p e s s o a 185. O principio da m e s m a dignidade h u m a n a enraizado e m Deus faz d o o u t r o u m irmão, u m a irmã: " T o d o s o s h u m a n o s q u e n a s c e m d e Adão d e v e m s e r c o n s i d e r a d o s c o m o u m único h u m a n o , d e m o d o q u e n o d i r e i t o c i v i l t o d o s o s q u e são d e m e s m a c o m u n i dade seconsiderem c o m o u m corpo, e a comunidade inteira, como u m homem".'"^ 1 0 0 Cf. C A T E C I S M O D A I G R E J A CATÓLICA, n . 1 9 3 1 . 1 0 1 C E L A M . Documento de Santo Domingo, n. 1 7 8 . 1 0 2 S A N T O T O M Á S d e A Q U I N O . Suma Theologica. São P a u l o , S . P . : E d . L o y o l a , l - l l , q . 8 1 , a . l . 63
    • 1 8 6 . P o r t a n t o , e x i s t e a m e s m a relação e n t r e o fim d e u m s e r h u m a n o e m p a r t i c u l a r e o fim último d e t o d o o gênero h u m a n o . A s s i m , s e t o d o s o s s e r e s h u m a n o s têm u m a única o r i g e m e u m único fim ( D e u s ) , é p r e c i s o q u e o fim d e c a d a s e r h u m a n o e m p a r t i c u l a r s e estabeleça também c o m o fim último d e t o d a h u m a n i d a d e . ' " ^ 1 8 7 . A permanência d e condições d e gravíssima d e s i g u a l d a d e , v i o lência e agressões à d i g n i d a d e h u m a n a e m p o b r e c e e d e s u m a n i za a t o d o s . O b e m d o o u t r o se c o n v e r t e e m u m b e m para m i m . A s agressões à d i g n i d a d e d o o u t r o , c o m o n o c a s o d a s vítimas d o tráfico h u m a n o , são, também, agressões à m i n h a d i g n i d a d e . N a Bíblia, o e u é s e m p r e alguém responsável p e l o o u t r o : " O n d e está t e u irmão A b e l ? " ( G n 4 , 9 ) . O o u t r o é, e m p r i m e i r o l u g a r , o d e s r e s p e i t a d o , o d e s p o j a d o : o órfão, o e s t r a n g e i r o , a viúva, o p o b r e (cf. E x 2 2 , 2 0 - 2 2 ; 2 3 , 9 ; D t 2 4 , 1 7 - 1 8 ; I s 1 , 1 7 ; 1 0 , 1 - 2 ; A m 5 , 2 4 ) . 1 8 8 . O tráfico h u m a n o é u m a agressão a t o d o s , p o r i s s o s u a e r r a d i c a ção d e v e s e r a s s u m i d a p o r t o d o s . A b a n d o n a r s e u s e m e l h a n t e a o s o f r i m e n t o o u m o s t r a r - s e i n d i f e r e n t e é f a l t a d e a m o r e, p o r i s s o , sinal d einsanidade e desumanidade.'"'' "Acaso sou o guarda d o m e u irmão?" ( G n 4 , 9 ) . R e s p o n d e r à súplica d o o u t r o é r e s p o n d e r a D e u s q u e p e r g u n t a p o r A b e l . O r e s p e i t o q u e se d e v e à i n v i o l a b i l i d a d e d a v i d a h u m a n a s e r e f l e t e n a r e g r a d e o u r o : a m a r o próximo c o m o a s i m e s m o : "Amarás o S e n h o r , t e u D e u s , c o m t o d o o t e u coração, c o m t o d a a t u a a l m a e c o m t o d o o t e u e n t e n d i m e n t o ! ' [...] O r a , o s e g u n d o l h e é s e m e l h a n t e : 'Amarás o t e u próximo c o m o a ti m e s m o ' " (Mt 22,37-39; c f M c 12,29-31; Lc 10,27-28). 2.6. 189.0 A dignidade e a liberdade da pessoa tráfico h u m a n o é u m a violação gravíssima d a l i b e r d a d e , dimensão e s s e n c i a l d a d i g n i d a d e h u m a n a . ' " ^ Não s e p o d e e n t e n der a dignidade sem a liberdade. A liberdade implica o reconhec i m e n t o da liberdade da o u t r a pessoa e de sua igual dignidade. 1 0 3 C f . S A N T O T O M Á S d e A Q U I N O . Suma Theologica. 1 0 4 C f I b i d e m , 11-11, q . 1 5 7 , a . 3 . 1 0 5 C f C A T E C I S M O D A I G R E J A CATÓLICA, n . 1 7 3 8 . 64 São P a u l o , S . R : E d . L o y o l a , l - l l , q . 1 , a . 5 , 4 3 .
    • 1 9 0 . A d i g n i d a d e impõe d e v e r e s a o indivíduo e a o E s t a d o . A c o n traposição d a l i b e r d a d e à d i g n i d a d e c o n s t i t u i m e n o s p r e z o a o ser h u m a n o na sua t o t a l i d a d e . A liberdade s e m a t e n d i m e n t o à dignidade é u m a liberdade alienada. A dignidade separada d a •liberdade é u m a dignidade periclitante. 1 9 1 . 0 sentido d a liberdade recebe o aprofundamento oferecido p e l a revelação. T o d a p e s s o a h u m a n a , c r i a d a à i m a g e m d e D e u s , t e m o direito de ser reconhecida c o m o ser livre. A liberdade é u m sinal privilegiado d a i m a g e m divina e m cada ser h u m a n o : " D e u s c r i o u o s e r h u m a n o e o e n t r e g o u às mãos d o s e u arbítrio" (Eclo 15,14). Exige, p o r t a n t o , a d i g n i d a d e d o h o m e m q u e ele p r o c e d a s e g u n d o a própria consciência e p o r l i v r e adesão, o u s e j a , m o v i d o e i n d u z i d o p e s s o a l m e n t e d e s d e d e n t r o e não l e v a d o p o r c e g o s i m p u l s o s i n t e r i o r e s o u p o r coação e x t e r n a . ' " * 1 9 2 . A l i b e r d a d e não s e r e s t r i n g e a o s e n t i d o p u r a m e n t e i n d i v i d u a l , p o i s l o n g e d e r e a l i z a r - s e n a t o t a l a u t o n o m i a d o e u e n a ausência d e relações, a l i b e r d a d e só e x i s t e v e r d a d e i r a m e n t e q u a n d o laços recíprocos, r e g i d o s p e l a v e r d a d e e p e l a justiça, u n e m a s p e s s o a s . " " ' A s p e s s o a s e x p l o r a d a s p e l a s várias a t i v i d a d e s d o tráfico h u m a n o têm a l i b e r d a d e t o l h i d a , e l e m e n t o e s s e n c i a l d e s u a d i g n i d a d e . É u m a situação q u e r e q u e r d o s discípulos missionários ações q u e p e r m i t a m a p l e n a realização d a p e s s o a . 2.7. R e i n o d e D e u s , evangelização e c o m p r o m i s s o s o c i a l 193. C o m o s a c r a m e n t o d o Reino, a Igreja q u e r ser u m sinal d o a m o r d e D e u s p a r a o m u n d o . E m s e u e n s i n o , há a d e f e s a d a d i g n i d a d e h u m a n a e d o s d i r e i t o s d o s p o b r e s , e a conseqüente c o n d e n a ção d o s m a l e s , c o m o o tráfico h u m a n o . E m s u a missão, a I g r e j a a n u n c i a a salvação r e a l i z a d a e m J e s u s C r i s t o e c o n t r i b u i p a r a o c r e s c i m e n t o d o " R e i n o " ( c f M c 1 , 1 5 ) , q u e i m p l i c a a comunhão 1 0 6 CONCÍLIO V A T I C A N O I I . Gaudium et spes. n . 1 7 . 1 0 7 C f . CONGREGAÇÃO P A R A A D O U T R I N A D A FÉ. I n s t . Libertatis conscientia. n. 2 6 . 65
    • c o m D e u s e e n t r e o s h o m e n s . E c o n s t i t u i e l a própria n a t e r r a o g e r m e e o início d e s t e R e i n o . ' " * 1 9 4 . P o r i s s o , d e s e j a c o n t r i b u i r , n a edificação d e u m a n o v a o r d e m s o c i a l , econômica e política, q u e ofereça condições p a r a t o d o s viverem segundo sua dignidade h u m a n a e n aliberdade. Dentre a s exigências d o R e i n o d e D e u s , está a transformação d e t o d a s a s estruturas injustas, geradoras d etantos males contra a dignidad e e l i b e r d a d e d a s p e s s o a s , c o m o o tráfico h u m a n o . É u m a t a r e f a também c o n f i a d a à c o m u n i d a d e cristã e a o s discípulos m i s s i o nários, m e d i a n t e a reflexão e práxis i n s p i r a d a s n o E v a n g e l h o . " " D e s s a f o r m a : " A missão d a I g r e j a i m p l i c a n a d e f e s a e promoção da dignidade e dos direitos fijndamentais d apessoa h u m a n a . " " " 2.8. P r o c l a m a r a força l i b e r t a d o r a d o a m o r 1 9 5 . A I g r e j a a n u n c i a o E v a n g e l h o d a autêntica l i b e r d a d e p a r a q u e t e n h a incidência n a r e a l i d a d e c o n c r e t a d a s p e s s o a s e d a s o c i e d a d e . D a exigência d e p r o m o v e r a i d e n t i d a d e i n t e g r a l d o h o m e m n a s c e a proposição d o s g r a n d e s v a l o r e s q u e e d i f i c a m u m a convivência o r d e n a d a e f e c u n d a , c o m o : v e r d a d e , justiça, a m o r e l i b e r d a d e . ' " A I g r e j a , cônscia d e q u e a s u a missão e s s e n c i a l m e n t e r e l i g i o s a i n c l u i a d e f e s a e a promoção d o s d i r e i t o s h u m a n o s f u n d a m e n t a i s , " ^ t e m e m g r a n d e apreço o d i n a m i s m o d o n o s s o t e m p o q u e , e m t o d a p a r t e , dá n o v o i m p u l s o a o s m e s m o s d i r e i t o s . " ^ 196. A s diversas responsabilidades delineadas pelo e n s i n o social d e r i v a m d a c a r i d a d e , q u e é, c o m o e n s i n o u J e s u s , a síntese d e t o d a a L e i ( c f M t 2 2 , 3 6 - 4 0 ) . " ' ' S o b r e esse t e m a , a s s i m se e x p r e s s o u o Papa B e n t o X V I : 1 0 8 C F . CONCÍLIO V A T I C A N O I I . Lumen gentium. n. 5. 1 0 9 C f . C O N S E L H O PONTIFÍCIO JUSTIÇA E P A Z . Compêndio da Doutrina Social da Igreja, 1 1 0 SÍNODO D O S B I S P O S {m-i). A Justiça no mundo. 1 1 1 C f PAPAJOÀO X X I I I , Pacem in terries. n . 4 4 . 1 1 2 C f PAPAJOÀO P A U L O I I . Centesimus annus. n . 5 4 . 1 1 3 C f CONCÍLIO V A T I C A N O I I . Gaudium et spes, n . 4 1 . 1 1 4 C f P A P A B E N T O X V l . Caritas in veritate, n . 2 . 66 n.53.
    • Caritas in veritate in re sociali, o u s e j a , proclamação d a v e r d a d e d o a m o r d e C r i s t o n a s o c i e d a d e ; é serviço d a c a r i d a d e , m a s n a v e r d a d e . E s t a p r e s e r v a e e x p r i m e a força l i b e r t a d o r a d a c a r i d a d e n a s v i c i s s i t u d e s s e m p r e n o v a s d a história. O a m o r - caritas - é u m a força extraordinária, q u e i m p e l e a s pessoas a comprometerem-se, c o m coragem e generosidad e , n o c a m p o d a justiça e d a p a z . É u m a força q u e t e m a s u a origem e m Deus, A m o r eterno e Verdade absoluta."' 197. A o descobrir-se a m a d a p o r Deus, e m Jesus Cristo, a pessoa c o m p r e e n d e a própria d i g n i d a d e e a p r e n d e a b u s c a r relações c a d a v e z mais h u m a n a s e a engajar-se n oe n f r e n t a m e n t o d e c r i m e s d e l e s a h u m a n i d a d e , c o m o o tráfico h u m a n o . A v i d a e m C r i s t o f a z v i r à tona, d e m o d o pleno e novo, a identidade e a sociabilidade d a p e s s o a , c o m conseqüências c o n c r e t a s n o p l a n o histórico e s o c i a l . " ^ 1 9 8 . O a m o r t e m d i a n t e d e si u m v a s t o c a m p o d e t r a b a l h o , e a I g r e j a , n e s s e c a m p o , está p r e s e n t e também c o m s e u e n s i n o s o c i a l : T a n t o s irmãos n e c e s s i t a d o s estão à e s p e r a d e a j u d a , t a n t o s o p r i m i d o s e s p e r a m p o r justiça, t a n t o s d e s e m p r e g a d o s à e s pera de trabalho, tantos povos esperam por respeito. E c o m o é possível q u e a i n d a h a j a , n o n o s s o t e m p o , q u e m m o r r a d e f o m e , q u e m esteja condenado a o analfabetismo, q u e m viva p r i v a d o d o s c u i d a d o s médicos m a i s e l e m e n t a r e s , q u e m não t e n h a u m a c a s a o n d e a b r i g a r - s e ? [...) E c o m o ficar i n d i f e r e n t e s [...] f r e n t e a o v i l i p e n d i o d o s d i r e i t o s h u m a n o s f u n d a m e n t a i s d e t a n t a s p e s s o a s , e s p e c i a l m e n t e d a s crianças?"* 2.9. Justiça e o s d i r e i t o s h u m a n o s 1 9 9 . O a m o r g a n h a f o r m a o p e r a t i v a e m critérios o r i e n t a d o r e s d a ação."' A justiça m o s t r a - s e p a r t i c u l a r m e n t e i m p o r t a n t e n o c o n t e x t o atual, e m q u eo valor d a pessoa, d a s u a dignidade e d o s s e u s d i r e i t o s é s e r i a m e n t e ameaçado p e l a generalizada 1 1 5 C f . P A P A B E N T O X V I . Caritas in veritate, n . 5 . 116Cf Ibidem, n. 1. 1 1 7 C f C O N S E L H O PONTIFÍCIO JUSTIÇA E P A Z . Compêndio da Doutrina Social da Igreja, n. 52. 1 1 8 PAPAJOÀO P A U L O I I . Novo millennio ineunte, n . 5 0 - 5 1 . 1 1 9 C f P A P A B E N T O X V l . Caritas in veritate, n . 6 . 67
    • tendência a r e c o r r e r e x c l u s i v a m e n t e a o s critérios d a u t i l i d a d e e d o ter/^° c o m o o c o r r e n a s a t i v i d a d e s d o tráfico h u m a n o em relação às p e s s o a s v i t i m a d a s . 2 0 0 . O a m o r n u n c a e x i s t e s e m a justiça. Não s e p o d e d a r a o o u t r o a l g o próprio, s e m a n t e s l h e t e r d a d o a q u i l o q u e l h e compete p o r justiça. A justiça c o n s i s t e e m " d a r a o o u t r o o q u e é ' d e l e ' , o q u e l h e p e r t e n c e e m razão d o s e u s e r e d o s e u a g i r " . ' ^ ' A m a r o próximo é s e r j u s t o p a r a c o m e l e . P o r t a n t o , a justiça é o p r i m e i r o c a m i n h o p a r a o r e c o n h e c i m e n t o e o r e s p e i t o d o s legítimos d i r e i t o s d o s indivíduos e p o v o s . ' ^ - ^ 2 0 1 . É próprio d a justiça o r d e n a r o indivíduo n a s c o i s a s q u e s e r e f e r e m a o s o u t r o s . ' ^ ^ C o m e f e i t o , a justiça s e t r a d u z n a a t i t u d e d e t e r m i n a d a pela vontade de reconhecer o o u t r o c o m o pessoa. O u s e j a , não é u m a s i m p l e s convenção h u j n a n a , p o r q u e o q u e é " j u s t o " não é o r i g i n a r i a m e n t e d e t e r m i n a d o p e l a l e i , m a s p e l a identidade profunda da pessoa humana.'^'' 2 0 2 . Ajustiça é o p r i m e i r o c a m i n h o d a c a r i d a d e , ' ^ ^ " a m e d i d a mínima" d e l a , ' ^ * p a r t e i n t e g r a n t e d a q u e l e a m o r " c o m ações e d e v e r d a d e " ( I J o 3 , 1 8 ) , o u d a fé c o m o b r a s : " a fé: s e não s e t r a d u z e m ações, p o r s i só está m o r t a " ( T g 2 , 1 7 ) . Porém, a c a r i d a d e s u p e r a a j u s t i ça e m a n i f e s t a s e m p r e , m e s m o n a s relações h u m a n a s , o a m o r d e D e u s ; dá v a l o r t e o l o g a l e salvífico a t o d o e m p e n h o d e justiça n o m u n d o , c o m o no enfrentamento a atividades criminosas, c o m o o tráfico h u m a n o . 1 2 0 C f . C O N S E L H O PONTIFÍCIO J U S T I Ç A E P A Z . Compêndio de Doutrina Social da Igreja, n . 2 0 2 . 1 2 1 P A P A B E N T O X V I . Caritas in veritate, n . 6 . C f S A N T O T O M Á S D E A Q U I N O . Suma Teológica, ll-II.q. 58, a. 1. 1 2 2 Cí I d e m , n. 6 . 1 2 3 C f S A N T O T O M Á S d e A Q U I N O . Suma Teológica. I I - I I , q . 5 7 , a . l . 1 2 4 C f PAPAJOÀO P A U L O I I , Soilicitudo rei socialis, n. 4 0 . 1 2 5 C f P A P A P A U L O V I . Populorum progressio, 1 2 6 P A P A P A U L O V I . Discurso na Jornada 68 n . 2 2 ; CONCÍLIO V A T I C A N O I I . Caudium et spes, n . 6 9 . do Desenvolvimento (23 de Agosto de 1968).
    • 2.10. O c o m p r o m i s s o solidário 2 0 3 . A m a r o próximo é q u e r e r o s e u b e m e t r a b a l h a r p o r e l e . ' ^ ^ N e s s e s e n t i d o , a s o l i d a r i e d a d e s e c o l o c a n a dimensão d a justiça e n a : " a p l i cação e m p r o l d o b e m d o próximo, c o m a d i s p o n i b i l i d a d e , e m s e n t i d o evangélico, p a r a ' p e r d e r - s e ' e m benefício d o próximo e m v e z d e explorá-lo, e p a r a ' s e r v i - l o ' e m v e z d e o p r i m i - l o p a r a p r o v e i t o próp r i o " (cf. M t 1 0 , 4 0 - 4 2 ; 2 0 , 2 5 ; M c 1 0 , 4 2 - 4 5 ; L c 22,25-27),'2» c o m o n a s situações d e injustiça q u e a t e n t a m c o n t r a a d i g n i d a d e d a p e s s o a . 2 0 4 . L o g o , a s o l i d a r i e d a d e não é u m v a g o s e n t i m e n t o d e compaixão ou d eenternecimento superficial pelos males sofridos por tant a s p e s s o a s próximas o u d i s t a n t e s . P e l o contrário, é " d e t e r m i n a ção firme e p e r s e v e r a n t e d e s e e m p e n h a r p e l o b e m c o m u m ; o u s e j a , p e l o b e m d e t o d o s e d e c a d a u m , p o r q u e t o d o s nós s o m o s v e r d a d e i r a m e n t e responsáveis p o r t o d o s " . ' ^ ' 2 0 5 . E m J e s u s d e Nazaré a s o l i d a r i e d a d e alcança a s dimensões d o próprio a g i r d e D e u s . É o H o m e m n o v o , solidário c o m a h u m a n i d a d e até a " m o r t e d e c r u z " ( F l 2 , 8 ) . E l e é o S i n a l v i v e n t e d a q u e l e a m o r Deus-conosco, que assume asenfermidades do seu povo, c a m i n h a c o m ele, o salva e o c o n s t i t u i na u n i d a d e . " " 2 0 6 . O próximo não é só u m s e r h u m a n o c o m o s s e u s d i r e i t o s e a s u a i g u a l d a d e f u n d a m e n t a l e m relação a t o d o s o s d e m a i s , m a s torna-se a i m a g e m viva d e Deus. Por isso, ele deve ser a m a d o , ainda q u e seja i n i m i g o , c o m o m e s m o a m o r c o m q u e o a m a o Sen h o r . E l e c o n v i d a o s discípulos missionários a o a m o r s u p r e m o : " d a r a v i d a p e l o s próprios irmãos" ( c f J o 3 , 1 6 ; L c 1 0 , 2 5 - 3 7 ) . ' ^ ' 207. A solidariedade confere particular relevo à igualdade d e todos e m d i g n i d a d e e d i r e i t o s . E princípio s o c i a l o r d e n a d o r d a s i n s t i tuições, e m b a s e a o q u a l d e v e m s e r s u p e r a d a s a s " e s t r u t u r a s d e 1 2 7 C f . CONCÍLIO V A T I C A N O I I . Gaudium et spes. n. 2 6 . 1 2 8 PAPAJOÀO P A U L O I I . Solitudo rei socialis. n . 3 8 . 129 I d e m , n. 3 8 . 1 3 0 C f CONCÍLIO V A T I C A N O I I . Gaudium et spes, n . 3 2 . 1 3 1 PAPAJOÀO P A U L O I I . Solitudo rei socialis, n. 4 0 . 69
    • p e c a d o " . ' ^ ^ O s cristãos, m o v i d o s p e l a s o l i d a r i e d a d e , a g i n d o i n d i v i d u a l m e n t e , o u e m g r u p o s , associações, organizações, p a s t o rais e redes, d e v e m saber propor-se c o m o " u m g r a n d e m o v i m e n t o e m p e n h a d o na defesa da pessoa h u m a n a e na tutela da sua d i g n i d a d e " . ' ^ ^ A s vítimas d o tráfico h u m a n o n e c e s s i t a m d e s t e m o v i m e n t o solidário e m p r o l d o s e u r e s g a t e e inserção n a s o c i e d a d e . 2 0 8 . A I g r e j a é c h a m a d a a c o n t r i b u i r " c o m a dignificação d e t o d o s o s s e r e s h u m a n o s , j u n t a m e n t e c o m as o u t r a s p e s s o a s e i n s t i t u i ções q u e t r a b a l h a m p e l a m e s m a c a u s a " . ' - ' * 2.11. T r a b a l h o d i g n o e e n f r e n t a m e n t o d o tráfico h u m a n o 2 0 9 . A I g r e j a t e m , r e p e t i d a s v e z e s , d e n u n c i a d o a s violações d a d i g n i d a d e h u m a n a n o m u n d o d o t r a b a l h o e a s condições d e s i g u a i s ofertadas e m nossa sociedade, para aspessoas se prepararem para exercer u m a atividade profissional. Muitas delas, s e m condições d e inserção n o m e r c a d o d e t r a b a l h o f o r m a l , a c a b a m a l i c i a d a s p e l o tráfico h u m a n o c o m p r o p o s t a s d e m e l h o r i a d e c o n dições l a b o r a i s e , c o n s e q u e n t e m e n t e , d e v i d a . 2 1 0 . N o e n t a n t o , o ser h u m a n o pelo t r a b a l h o participa da obra criadora e t e m e m Cristo, u m trabalhador e anunciador do Reino, s e u p o n t o d e referência.'•'^ P e l o s e u caráter p e s s o a l , o t r a b a l h o é s u p e r i o r a t o d o e q u a l q u e r f a t o r d e produção.'^* O v a l o r p r i m o r d i a l d o t r a b a l h o está v i n c u l a d o a o f a t o d e q u e q u e m o e x e c u t a é u m a p e s s o a c r i a d a à i m a g e m e semelhança d e D e u s (cf G n 1,26-28; S l8; Eclo 17,3-4; Sb 2,23).'^^ 2 1 1 . 0 d i r e i t o à p r o p r i e d a d e p r i v a d a s u b o r d i n a - s e a o princípio d a destinação u n i v e r s a l d o s b e n s e não d e v e c o n s t i t u i r m o t i v o d e 1 3 2 PAPAJOÀO P A U L O I L Solitudo rei socialis. n . 3 6 - 3 7 . 1 3 3 PAPAJOÀO P A U L O I I . Centesimus annus, n . 3 . 1 3 4 C E L A M . Documento de Aparecida, 1 3 5 C f . CONCÍLIO V A T I C A N O n. 3 9 8 . I I . Caudium et spes. n . 3 6 - 3 7 ; c f P A P A J O À O P A U L O I I . exercens, n . 2 5 - 2 7 . 136 Cf Ibidem, n.l2. 137 C f PAPA B E N T O X V l . Caritas in veritate, n. 3 3 . 70 Laborem
    • i m p e d i m e n t o ao traballio e ao crescimento de outrem.'-'* A atividade humana, ordenada a obem d a humanidade, responde a o p l a n o o r i g i n a l d e D e u s e à vocação h u m a n a , c o m p l e t a n d o o p l a n o d i v i n o s o b r e a criação. 212. A atividade h u m a n a , ordenada ao b e m da humanidade, responde a o p l a n o o r i g i n a l d e D e u s e à vocação h u m a n a , completando o p l a n o d i v i n o s o b r e a criação.'^' O t r a b a l h o é u m d i r e i t o f u n d a m e n t a l e é u m b e m : u m b e m útil, d i g n o d e l e p o r q u e a p t o a exprimir e a aumentar a dignidade humana.'''" O trabalho dign o é u m d o s p r i n c i p a i s r e q u i s i t o s p a r a a proteção d a p e s s o a d e situações d e s u m a n a s , c o m o a escravidão l a b o r a i e o u t r a s m o d a l i d a d e s d o tráfico h u m a n o . 2 1 3 . N o t e - s e a i n d a q u e é necessário s e a t e n t a r p a r a a l g u m a s situações d a s q u a i s o tráfico h u m a n o p o d e s e u t i l i z a r , c o m o o t r a b a l h o i n f a n t o - j u v e n i l , q u e , n a s s u a s f o r m a s intoleráveis, c o n s t i t u i u m t i p o d e violência m e n o s e v i d e n t e d o q u e o u t r o s , m a s n e m p o r i s s o m e n o s terrível."" H o j e , o c o r r e o a u m e n t o d a exploração t r a b a l h i s t a d e m e n o r e s e m condições d e v e r d a d e i r a escravidão.'"^ 2 1 4 . A presença d a m u l h e r é necessária e m t o d a s a s expressões d a vida social, p o r isso d e v e ser garantida e respeitada n o c o n t e x t o d o t r a b a l h o . ' ' ' ^ A persistência d e m u i t a s f o r m a s d e discriminação o f e n s i v a s à d i g n i d a d e e à vocação d a m u l h e r , n a e s f e r a d o t r a b a l h o é d e v i d a a u m a l o n g a série d e c o n d i c i o n a m e n t o s p e n a l i z a n t e s para a mulher, que foi e ainda é deturpada nas suas prerrogativas, não r a r o m a r g i n a l i z a d a e , até m e s m o , r e d u z i d a à escravidão.'''* 2 1 5 . P o r fim, o s i m i g r a n t e s d e v e m s e r a c o l h i d o s e a j u d a d o s e n q u a n t o p e s s o a s , j u n t o c o m s u a s famílias, a i n t e g r a r - s e n a v i d a s o c i a l . ' * ^ 1 3 8 Cf. I d e m . 1 3 9 C f CONCÍLIO V A T I C A N O I I . Gaudium et spes. n. 3 4 . 1 4 0 C f I b i d e m , n. 2 6 . 1 4 1 C f PAPAJOÀO P A U L O I I . Mensagem para a celebração do Dia Mundial da Paz ( 1 9 9 6 ) , n . 5 . 1 4 2 C f PAPAJOÀO P A U L O I I . Mensagem para a celebração do Dia Mundial da Paz ( 1 9 9 8 ) , n . 6 . 1 4 3 C f PAPAJOÀO P A U L O I I . Laborem exercens, n . 1 9 . 1 4 4 C f PAPAJOÀO P A U L O I I . Carta às mulheres, n . 3 . 1 4 5 C f C A T E C I S M O D A I G R E J A CATÓLICA, n . 2 2 4 1 . 71
    • A s instituições d o s países anfitriões d e v e m v i g i a r p a r a q u e não s e e x p l o r e a mão d e o b r a e s t r a n g e i r a , p r i v a n d o - a d o s d i r e i t o s g a r a n t i d o s aos t r a b a l h a d o r e s e q u e d e v e m ser assegurados a t o d o s s e m discriminação.'*^ N o e n t a n t o , são f a r t a s a s notícias d e i m i g r a n t e s e x p l o r a d o s e m a l g u m a s f r e n t e s d e produção e m n o s s o país p e l o tráfico h u m a n o . 2 1 6 . M u d a m a s f o r m a s históricas e m q u e s e e x p r i m e o t r a b a l h o h u m a n o , m a s não d e v e m m u d a r a s s u a s exigências p e r m a n e n t e s , q u e s e r e a s s u m e m n o r e s p e i t o d o s d i r e i t o s inalienáveis d a pessoa q u e trabalha. Os d i r e i t o s trabalhistas d e v e m ser respeitados e m t o d o s o s países, i n d e p e n d e n t e m e n t e d o s e u g r a u d e d e s e n v o l vimento, pois fazem parte dos direitos humanos fundamentais. 2.12. Discípulos e a g e n t e s d e libertação . 2 1 7 . N o r o s t o d a s vítimas d o tráfico h u m a n o a I g r e j a i d e n t i f i c a traços d o r o s t o de Jesus sofredor. O Filho de Deus, c o m Sua ção, encarna- s e u n i u a c a d a p e s s o a e m s e u s o f r e r , t e m compaixão e i d e n - tifica-se c o m cada o p r i m i d o , e x p l o r a d o e h u m i l h a d o , a e x e m p l o d o s v i t i m a d o s p e l o tráfico h u m a n o . 218. A m e n s a g e m de Jesus é essencialmente u m a m e n s a g e m de libertação ( c f L c 4 , 1 6 - 2 1 ) . T o d o discípulo é u n g i d o n o B a t i s m o p e l o Espírito d o S e n h o r p a r a s e r u m l i b e r t a d o r c o m o J e s u s . U n g i d o para proclamar a liberdade e colocar-se e m defesa da dignidade h u m a n a ; o u s e j a , s e r também u m a b o a notícia p a r a t o d a s a s p e s s o a s q u e p a d e c e m escravidão. A " l e i d e C r i s t o " ( G l 6 , 2 ) , e s c r i t a n a m e n t e e n o coração d o h o m e m ( c f H b 8 , 1 0 ) , m o v e o discípul o missionário a t o m a r decisões f i r m e s a f a v o r d a l i b e r d a d e e d a dignidade humana. 2 1 9 . O Espírito S a n t o é i n s p i r a d o r d e u m e s t i l o d e v i d a c o m o o d e J e s u s (cf. R m 8 , 2 ; 2 C o r 5 , 1 7 ) . É e l e q u e m f a z d o discípulo u m a g e n t e d e libertação p a r a o m u n d o . E m s u a r e s p o s t a d e compaixão a o c l a m o r 1 4 6 C f . C O N S E L H O PONTIFÍCIO JUSTIÇA E P A Z . Compêndio da Doutrina Social da Igreja, n . 2 9 8 . 72
    • d o s o f e n d i d o s , e x p r e s s a a flinção s a n t i f i c a d o r a d o Espírito r e c e - b i d a n o B a t i s m o ( c f E f 2 , 1 8 ) . A v i d a cristã, n o Espírito, é u m l u g a r desta resposta d i a n t e d o s o f r i m e n t o d o o u t r o : "Se v i v e m o s pelo Espírito, p r o c e d a m o s também d e a c o r d o c o m o Espírito" ( G l 5 , 2 5 ) . 2 2 0 . A ação p e l a erradicação d o tráfico h u m a n o é expressão d e u m a I g r e j a c o n s c i e n t e d a s u a missão d e s e r v i d o r a d o E v a n g e l h o . É u m a missão a s s u m i d a c o m a consciência d e q u e o a l c a n c e d a escravidão v a i além d o s milhões d e vítimas d o tráfico h u m a n o . A sociedade t o d a precisa ser libertada d o j u g o das estruturas de pecado, enraizadas na idolatria ao deus dinheiro. 2 2 1 . A interrupção d o tráfico h u m a n o p a r a f i n s e s c r a v a g i s t a s é a p o n tada pelo livro d o Apocalipse c o m o u m a das causas da queda d o império r o m a n o : " C a i u ! C a i u Babilônia, a g r a n d e ! " ( A p 1 8 , 2 ) . F a t o que leva ao luto os mercadores: "Os comerciantes de t o d a a terra também hão d e c h o r a r e p o r c a u s a d e l a ficarão d e l u t o , p o r q u e ninguém m a i s v a i c o m p r a r a s s u a s m e r c a d o r i a s " ( A p 1 8 , 1 1 ) . 3. A Dignidade e os Direitos H u m a n o s 3.1. A evolução histórica 2 2 2 . A compreensão a t u a l d a d i g n i d a d e e d o s d i r e i t o s h u m a n o s é u m a referência fijndamental p a r a o e n f r e n t a m e n t o d a s situações d e i n - justiça q u e a t e n t a m c o n t r a a v i d a d a s p e s s o a s , a e x e m p l o d o tráfico h u m a n o . E s t e s c o n c e i t o s evoluíram e m m e i o a l u t a s d o s p o v o s p o r i g u a l d a d e , l i b e r d a d e e d i r e i t o s . ' * ^ E s t a evolução c o n h e c e u várias f a s e s n a história''"* e r e c e b e u o c o n t r i b u t o d e d i v e r s a s l i n h a s d e pensamento, como a filosofia, o direito romano e o cristianismo. 2 2 3 . N a Antigüidade,atribuía-se a d i g n i d a d e a alguém p e l a posição s o c i a l o c u p a d a e , n e s s a ótica, a v a l i a v a m - s e c e r t o s indivíduos 1 4 7 C f . M O R A E S , A . Direitos hutnanos fundamentais. São P a u l o , S P : A t l a s , 5 ^ Edição, 2 0 0 0 , p . 2 3 . 1 4 8 C f C O M P A R A T O E K. A afirmação liistórica dos direitos humanos. São P a u l o , S P : S a r a i v a , 1 9 9 9 , p. 1 1 - 3 0 . 73
    • c o m o m a i s d i g n o s e o u t r o s c o m o m e n o s d i g n o s . O código d e H a m u r a b i ( 1 6 9 0 a. C ) , f o i o p r i m e i r o a c o n s a g r a r u m r o l d e d i r e i t o s . ' * ' A Grécia a n t i g a c o n s i d e r a v a cidadãos s o m e n t e q u e m p e r t e n c i a à p o l i s , c o m exceção d o s e s c r a v o s e d a s m u l h e r e s . N o d i r e i t o r o m a n o , a L e i d a s d o z e Tábuas p o d e s e r c o n s i d e r a d a a o r i g e m d a proteção d o cidadão, d a l i b e r d a d e e d a p r o p r i e d a d e . ' ^ " 2 2 4 . A m o d e r n i d a d e r e p r e s e n t o u u m g r a n d e p a s s o n a ampliação d o c o n c e i t o . ' ^ ' N o s séculos X V I I e X V l l l a d i g n i d a d e p a s s o u a s e r c o m p r e e n d i d a c o m o d i r e i t o n a t u r a l d e t o d o s o s m e m b r o s d o gênero h u m a n o . Kant (1724-1804) entende por dignidade o inestimável, q u e não p o d e t e r preço n e m s e r v i r c o m o m o e d a d e t r o c a : N o r e i n o d o s fins, t u d o t e m u m preço o u d i g n i d a d e . Q u a n d o u m a c o i s a t e m preço, p o d e s e r substituída p o r a l g o e q u i v a l e n t e ; m a s q u a n d o u m a c o i s a está a c i m a d e t o d o preço, e p o r t a n t o não p e r m i t e equivalência, então e l a t e m d i g n i d a d e . O d i r e i t o à v i d a , à h o n r a , à i n t e g r i d a d e física, à i n t e g r i d a d e psíquica, à p r i v a c i d a d e , d e n t r e o u t r o s , é e s s e n c i a l m e n t e t a l , p o i s , s e m e l e , não se c o n c r e t i z a a d i g n i d a d e h u m a n a . A n e n h u m a p e s s o a é c o n f e r i d o o p o d e r d e dispô-lo, s o b p e n a d e r e d u z i r s u a condição h u m a n a ; t o d a s as d e m a i s p e s s o a s d e v e m a b s t e r - s e d e violá-lo. 1 5 2 P e s s o a s não são c o i s a s , d e v e m s e r t r a t a d a s s e m p r e c o m o fim e nunca c o m o m e i o . N e n h u m ser h u m a n o p o d e ser t r a t a d o c o m o propriedade o u c o m o u m animal.'^^ 1 4 9 C f . B O U Z O N , E . O Código de Hamurabi. Petrópoüs, RJ: V o z e s , 1 9 8 7 . 1 5 0 C f M E I R A , S . A . B . A Lei das XII Tábuas. R i o d e J a n e i r o , R J ; F o r e n s e , 1 9 6 1 . 1 5 1 C f H A B E R M A S , J . O discurso filosófico da Modernidade. 1 5 2 K A N T , I . Fundamentação da metafisica São P a u l o : M a r t i n s F o n t e s , 2 0 0 2 . dos costumes ( 1 7 8 5 ) . L i s b o a : Edições 7 0 , 1 9 8 6 , p . 7 7 . 1 5 3 N o c o n t e x t o d a Revolução F r a n c e s a e , p o s t e r i o r m e n t e , n a s q u e r e l a s antimodernistas,.parte s i g n i f i c a t i v a d a I g r e j a Católica e s t a v a a f a v o r d o " a n t i g o r e g i m e " , f a t o e s t e q u e d i f i c u l t o u a aproximação c o m a temática d o s d i r e i t o s h u m a n o s . S e g u n d o G i u s e p p e T o s i , " a h o s t i l i d a d e d a I g r e j a Católica a o s d i r e i t o s h u m a n o s m o d e r n o s começa a m u d a r s o m e n t e c o m o p a p a Leão X l l l q u e , c o m a E n c i c l i c a Rerum Novarum, d e 1 5 d e m a i o d e 1 8 9 1 , dará início à c h a m a d a 'Doutrina S o c i a l d a I g r e j a ' . C o m e l a , a I g r e j a Católica p r o c u r a i n s e r i r - s e d e m a n e i r a autônoma e n t r e o l i b e r a l i s m o e o s o c i a l i s m o , p r o p o n d o u m a v i a própria i n s p i r a d a n o s princípios cristãos", n o t e x t o "Igualdade fi-aternidade n a construção d o s d i r e i t o s h u m a n o s " . Disponível e m : h t t p v A v w w . d h n e t . org.br/dados/cursos/edh/redh/01/05_tosi_liberdadejgualdade.pdf 74 Acesso em; 23/01/2013.
    • 2 2 5 . N o século X X , h o u v e o r e c o n h e c i m e n t o d e f i n i t i v o d e s t a c o n c e p ção d a d i g n i d a d e h u m a n a c o m a Declaração d o s D i r e i t o s H u manos, e m 1948, cujo artigo primeiro diz: "Todos o s h o m e n s n a s c e m l i v r e s e i g u a i s e m d i g n i d a d e e d i r e i t o s . São d o t a d o s de .razão e consciência e d e v e m a g i r e m relação u n s a o s o u t r o s c o m espírito d e f r a t e r n i d a d e . " ' ^ ' ' A promulgação d a Declaração d o s Direitos H u m a n o s contribuiu para que a dignidade d a pessoa h u m a n a passasse a ser o e i x o o r i e n t a d o r dos direitos e m geral e f o n t e d e inspiração d e i n s t r u m e n t o s c o n s t i t u c i o n a i s . 2 2 6 . P a r a i s s o , também c o o p e r a r a m a s p r i n c i p a i s características d o s d i r e i t o s h u m a n o s . U n i v e r s a i s , p o r q u e estão p r e s e n t e s e m t o d o s o s s e r e s h u m a n o s , s e m exceção a l g u m a . Invioláveis, e n q u a n t o i n e r e n t e s à p e s s o a h u m a n a e à s u a d i g n i d a d e . P o s t o q u e não f o r a m instituídos p o r n e n h u m a a u t o r i d a d e h u m a n a , também não p o d e m s e r r e v o g a d o s p o r n e n h u m a a u t o r i d a d e . Inalienáveis, e n q u a n t o ninguém p o d e l e g i t i m a m e n t e p r i v a r d e s s e s d i r e i t o s u m seu s e m e l h a n t e , seja ele q u e m for, p o r q u e isso significaria v i o l e n t a r a s u a n a t u r e z a . R e n u n c i a r a e l e s é n e g a r a própria i d e n t i d a d e h u m a n a . A promoção d o s d i r e i t o s h u m a n o s é a v e r d a d e i r a garantia do pleno respeito de cada u m deles e m particular. 2 2 7 . A I g r e j a r e c o n h e c e a importância d a Declaração d o s Direitos H u m a n o s p a r a o s esforços e m p r o l d o s e r h u m a n o , c o m o p o d e m o s v e r n e s t a afirmação: C o m apreço e c o m p r o f u n d a esperança p a r a o f u t u r o , r e c o r d a m o s o esforço magnífico r e a l i z a d o p a r a d a r v i d a à Organização d a s Nações U n i d a s , u m esforço q u e t e n d e p a r a d e f i n i r e e s t a b e l e c e r o s o b j e t i v o s e invioláveis d i r e i t o s h u m a n o s [...]. E i s t o deveria constituir u m a garantia para que os direitos h u m a n o s se t o r n a s s e m , e m t o d o o m u n d o , o princípio f u n d a m e n t a l d o e m p e n h o e m p r o l d o b e m d o m e s m o ser h u m a n o . ' " 1 5 4 Disponível e m : h t t p : / A v w w . u n . o r g / s p a n i s h / D e p t s / d p i / p o r t u g u e s / U n i v e r s a l . h t m l . A c e s s o em 26/05/2013. 1 5 5 PAPAJOÀO P A U L O 11. Redemptor hominis, n . 1 7 . 75
    • 228. A dignidade humana c h e g a a o início d o século X X I como patrimônio u n i v e r s a l , expressão d a consciência c o l e t i v a d a h u m a n i d a d e . R e c o n h e c i d a c o m o q u a l i d a d e intrínseca e inseparável d e t o d o e q u a l q u e r s e r h u m a n o . T o d o indivíduo t e m a d i g n i d a d e de ser pessoa h u m a n a s o m e n t e pelo fato de existir. Toda pessoa é p o r t a d o r a d o santuário d a consciência, d e l i b e r d a d e inviolável e s u j e i t o d a s s u a s relações e responsável p e l o s s e u s a t o s . T o d a p e s s o a h u m a n a é única, irrepetível e incomparável. E x i s t e c o m o " e u " e m toda sua singularidade. 3.2. A efetivação d o s d i r e i t o s 229. O estabelecimento do conceito de dignidade h u m a n a implica a b u s c a p e l o s m e i o s necessários p a r a t o r n a r o princípio e f e t i v o . E m razão d e s u a condição h u m a n a , o s e r h u m a n o é t i t u l a r d e direitos que d e v e m ser respeitados p o r seus semelhantes.'^^ Os d e m a i s d i r e i t o s só são possíveis d e concretização q u a n d o r e s p e i t a d o o princípio d a d i g n i d a d e h u m a n a . T o d a p e s s o a exige u m r e s p e i t o q u e supõe u m c o m p r o m i s s o d e t o d a s o c i e d a d e n a proteção e d e s e n v o l v i m e n t o i n t e g r a l d a s u a d i g n i d a d e . Dizer que a dignidade é inerente a cada pessoa significa que todos têm s u a d i g n i d a d e g a r a n t i d a i n d i v i d u a l m e n t e , q u e , p o r s u a v e z , comporta o respeito à dignidade do outro. 2 3 0 . Neste h o r i z o n t e da igual dignidade das pessoas e dos direitos e d e v e r e s d e l a d e c o r r e n t e s , ninguém p o d e s e r i n s t r u m e n t a l i z a d o p o r e s t r u t u r a s s o c i a i s , econômicas e políticas o u p o r d e t e r m i n a d o s g r u p o s . E m v i r t u d e d e s u a d i g n i d a d e , a p e s s o a não p o d e s e r r e d u z i d a à dimensão m a t e r i a l , econômica o u a f e t i v o - s e x u a l , n e m s e r c o m p r a d a , v e n d i d a o u e x p l o r a d a p a r a fins a l h e i o s a s u a d i g n i d a d e , c o m o n o tráfico h u m a n o . S u a v i d a não p o d e s e r s u b m e t i d a a i n j u s t a s restrições n o exercício d o s próprios d i r e i t o s e d a própria l i b e r d a d e 1 5 6 C f . S A R L E T , W . 1. Dignidade da pessoa liumana e direitos fiindamentais República de 1 9 8 8 . P o r t o A l e g r e : L i v r a r i a d o A d v o g a d o , 2 0 0 2 , p . 2 2 . 76 na Constituição da
    • 3.3. O tráfico h u m a n o é u m a o f e n s a à I g r e j a P o v o d e D e u s A I g r e j a é p r o v o c a d a a d a r u m a r e s p o s t a d e a m o r (cf. I j o 4 , 1 9 ) , p o r m e i o d o s discípulos missionários, às situações q u e a t e n t a m c o n t r a a d i g n i d a d e d o s p e q u e n i n o s e injustiçados, a e x e m p l o d a s vítimas d o tráfico h u m a n o . O tráfico h u m a n o não é s o m e n t e u m a questão s o c i a l , m a s , também, e c l e s i a l e d e s a f i o p a s t o r a l . A I g r e j a está c o m p r o m e t i d a n o c o m b a t e a e s t a a t i v i d a d e porque n a s p e s s o a s está e m j o g o a c a u s a d e D e u s r e v e l a d o e m J e s u s . T o d o s são f i l h o s e filhas d o m e s m o P a i , irmãos e m J e s u s C r i s t o . E o q u e se faz a u m destes p e q u e n o s , se faz a Jesus (cf M t 25,31-46). 77
    • Terceira P a r t e o e n f r e n l a m e n t o a o tráfico h u m a n o 2 3 1 . N a p r o p o s t a d e reflexão s o b r e o tráfico h u m a n o p a r a f i n s d e e x ploração s e x u a l , t r a b a l h o e s c r a v o , remoção d e órgãos, adoção ilegal e outras finalidades, t i v e m o s o p o r t u n i d a d e d e conhecer p a r t e d a r e a l i d a d e , e vê-la i l u m i n a d a p e l a P a l a v r a d e D e u s e p e l a D o u t r i n a S o c i a l d a I g r e j a . F a z - s e necessário u m t e r c e i r o p a s s o : p r o p o r i n i c i a t i v a s e a p r e s e n t a r a s q u e já estão e m c u r s o . 2 3 2 . E n q u a n t o cristãos e p e s s o a s d e b o a v o n t a d e , t e m o s a missão d e agir para que a sociedade s eestruture e m t e r m o s de conscien- tização e prevenção, d e denúncia, d e reinserção s o c i a l e d e i n c i dência política, c o m o e i x o s i n t e g r a n t e s d o p r o c e s s o d e e n f r e n t a m e n t o a o tráfico h u m a n o . A s p r o p o s t a s seguirão e s t e s e i x o s d e atuação e estarão v o l t a d a s p a r a a s dimensões e s t r u t u r a n t e s d a ação e v a n g e l i z a d o r a d a I g r e j a : p e s s o a , c o m u n i d a d e e s o c i e d a d e . 2 3 3 . A organização p a r a o e n f r e n t a m e n t o d o tráfico h u m a n o s e g u e o princípio d e q u e é necessário a r t i c u l a r a ação s o c i a l c u m p r i n d o o d e s a f i o d e a I g r e j a s e r a a d v o g a d a d a justiça e a d e f e n s o r a d o s pobres.'" É u m a tarefa urgente, pois, veladas pelos da necessidade discursos d e a c e l e r a r o d e s e n v o l v i m e n t o econômico e a b o l h a ilusória d a inserção s o c i a l v i a c o n s u m i s m o , m i l h a r e s d e p e s s o a s estão e m situação d e miséria e p o b r e z a , p o t e n c i a i s vítim a s d e a l i c i a d o r e s p a r a o tráfico h u m a n o . 2 3 4 . E m t e r m o s d e c i d a d a n i a , são p e s s o a s e m situação d e v u l n e r a b i l i d a d e q u e não q u e r e m o u t e m e m s e r v i s t a s . Invisíveis p a r a a s o c i e d a d e e p a r a o E s t a d o , t o r n a m - s e p r e s a s fáceis d e g r u p o s econômicos e d e p e s s o a s q u e b u s c a m v i o l a r a s u a 1 5 7 C E L A M . Documento de Aparecida, dignidade n. 3 9 5 . 79
    • p e l a exploração a q u a l q u e r c u s t o . O f a t o d e p e r t e n c e r e m a g r u p o s e m situação d e v u l n e r a b i l i d a d e s o c i a l p o r s e r e r h p o b r e s , m u l h e r e s , crianças, m i g r a n t e s , m i n o r i a s étnicas e r a c i a i s t o r n a -as d e s p r o v i d a s d e q u a l q u e r r e d e d e proteção s o c i a l . 2 3 5 . Para agir, p o d e m o s t o m a r c o m o e x e m p l o B a r t i m e u (cf M c 10,46ss), o h o m e m q u e g r i t o u à beira d o c a m i n h o q u a n d o Jesus passava. G r i t o d e p r o t e s t o c o n t r a a q u e l e s q u e não o d e i x a v a m c h e g a r até J e s u s , g r i t o d e reivindicação d e s u a d i g n i d a d e r o u b a d a p o r u m a sociedade preconceituosa. Bartimeu gritou para entrar " n o camin h o " , g r i t o u p o r não s e c o n t e n t a r c o m a condição q u e l h e f o r a dada: ficar à m a r g e m d a s o c i e d a d e e da cidadania. O g r i t o d e Bart i m e u e r a u m g r i t o d e denúncia. A p r o p o s t a d e conscientização e prevenção p a r t e d o princípio q u e o r i e n t o u B a r t i m e u . 2 3 6 . A conscientização s o b r e a r e a l i d a d e d o tráfico h u m a n o s u g e r e às p e s s o a s t r a f i c a d a s a não acomodação, o * g r i t o e a ação c o n s e qüente p o r inclusão cidadã. C a b e à I g r e j a a m p l i f i c a r e s t e g r i t o , o u m e s m o e m p r e s t a r s u a v o z p a r a q u e m não c o n s e g u e g r i t a r . E n u m s e g u n d o m o m e n t o será p r e c i s o d e n u n c i a r . A denúncia d e v e e c o a r n a s o c i e d a d e , e m s u a s d i f e r e n t e s organizações, n a p e r s p e c t i v a d e s e construírem i n i c i a t i v a s q u e d i f i c u l t e m a p r e dominância d a s condições q u e p r o p i c i a m a prática d o tráfico h u m a n o : miséria, ganância e i m p u n i d a d e . 2 3 7 . A I g r e j a Católica p o d e a j u d a r a s u p e r a r e s s e difícil p r o b l e m a g l o b a l e l o c a l q u e é o tráfico h u m a n o . N o B r a s i l , a I g t e j a d e l i n e o u três c a m i n h o s d e ações p r i n c i p a i s , começando p e l a prevenção, c u i d a d o p a s t o r a l d a s vítimas e a s u a proteção e reintegração n a s o c i e d a d e . 2 3 8 . U m a d a s f o r m a s d e atuação d a I g r e j a será u t i l i z a r s u a i m e n s a r e d e d e fiéis e s u a presença e m t o d o território b r a s i l e i r o , p a r a d i v u l g a r e c o n s c i e n t i z a r o s filhos e filhas d e D e u s s o b r e a questão d o tráfico h u m a n o . 2 3 9 . " U m i m p o r t a n t e c o m p o n e n t e p r e c i s a s e r e d u c a r a população d e u m a m a n e i r a autêntica, e s p e c i a l m e n t e o s m a i s vulneráveis", a c r e s c e n t o u o c a r d e a l T u r k s o n , p r e s i d e n t e d o C o n s e l h o Pontifício 80
    • Justiça e P a z , q u e p a r a f r a s e o u o P a p a B e n t o X V I a o d i z e r q u e a promoção d o s d i r e i t o s i i u m a n o s d e p e n d e também d e " h o m e n s e mulheres Justos", preocupados c o m o b e m c o m u m . Segundo T u r k s o n , a conversão d o s corações é e s s e n c i a l n e s t e p r o c e s s o , p o i s a p e n a s a s l e i s n a c i o n a i s e i n t e r n a c i o n a i s não b a s t a m . 240. De acordo c o m o Cardeal Turkson, "profundamente convencida d a i g u a l d i g n i d a d e d e c a d a u m c r i a d o à i m a g e m e semelhança d e D e u s , a I g r e j a não v a i d e i x a r d e f a z e r t o d o o esforço p a r a g a r a n t i r q u e a d i g n i d a d e i n e r e n t e (a c a d a p e s s o a ) s e j a r e c o n h e c i d a e g a r a n t i d a e m t o d a s a s circunstâncias".'^* « 2 4 1 . O q u a d r o d o p o b r e Lázaro e d o r i c o epulão, r e t r a t a d o p o r São L u c a s ( c f L c 1 6 , 2 0 s s ) , l e m b r a t a n t o s Lázaros q u e estão às p o r t a s esperando sobras. A tarefa da Igreja e das pessoas de b o a v o n t a d e não p o d e l i m i t a r - s e a c o n s o l a r Lázaro p a r a q u e e s p e r e u m a s o b r a o u u m alívio, q u e poderão v i r , m a s a g i r p a r a q u e e l e , a i n d a n e s t a v i d a , p a r t i c i p e d o b a n q u e t e , p o r q u e é s e u d i r e i t o e s u a salvação. 2 4 2 . A salvação d e Lázaro, q u e r e p r e s e n t a t a n t o s injustiçados, c o m o o s a t i n g i d o s p e l o tráfico h u m a n o , repercutirá e m benefícios p a r a t o d a a s o c i e d a d e . P o i s l h e apontará u m c a m i n h o d e m e n o s opulência, m e n o s concentração d e r i q u e z a e e s b a n j a m e n t o , e d emais solidariedade e cuidado c o m a vida. Seguem nesta p e r s p e c t i v a a s p r o p o s t a s d e ações d e e n f r e n t a m e n t o a o tráfíco h u m a n o desta C a m p a n h a da Fraternidade. 1. OCompromisso da Igreja no Brasil 2 4 3 . E m t o r n o d o c o m b a t e c o n t r a o tráfíco h u m a n o e x i s t e também u m histórico d e mobilização d a s p a s t o r a i s d a I g r e j a , a t u a n d o e m d i f e r e n t e s v e r t e n t e s . D e s d e s u a criação, e m 1 9 7 5 , a C P T , e n t r e s e u s f o c o s d e ação, i n t e r e s s o u - s e , d e f o r m a c r e s c e n t e , p e l a questão d o t r a b a l h o e s c r a v o n o c a m p o . 1 5 8 Disponível e m : httpV/pracadesales.wordpress.com/2012/05/09/igreja-catolica-pode-fazer- contra-trafico-de-pessoas-escravidaoA Acesso e m 25/08/2013. 81
    • r 2 4 4 . N a década d e 1 9 9 0 , a C P T e o u t r o s p a r c e i r o s , c o m o S i n d i c a t o s d e Trabalhadores Rurais e unidades diocesanas da Caritas, aumentar a m s u a s ações. P r o m o v e r a m t r a b a l h o s i m p o r t a n t e s p o r m e i o d e denúncias, conscientização e prevenção n a s c o m u n i d a d e s d e o r i g e m d o s t r a b a l h a d o r e s t r a f i c a d o s , e m p r o j e t o s d e geração d e r e n d a e n a s i n i c i a t i v a s d e r e s g a t e e reinserção s o c i a l d e s s e s t r a b a l h a dores. Exemplar é a campanha nacional de combate ao trabalho e s c r a v o , i n i c i a d a e m 1 9 9 7 : " O l h o a b e r t o p a r a não v i r a r e s c r a v o " . 2 4 5 . A s p a s t o r a i s d a m o b i l i d a d e h u m a n a , n o c a m p o e n a c i d a d e , têm se m o b i l i z a d o d e d i f e r e n t e s f o r m a s n o e n f r e n t a m e n t o das d i v e r s a s situações d e tráfico h u m a n o . N o c a m p o , a P a s t o r a l d o t r a b a l h a d o r m i g r a n t e r u r a l , p o r l i d a r c o m a s populações m a i s vulneráveis a o a l i c i a m e n t o p a r a o t r a b a l h o e s c r a v o , c o m o o s m i g r a n t e s temporários, t e m f e i t o u m a c o m p a n h a m e n t o n o s l u g a r e s d e o r i g e m e d e d e s t i n o e m q u e s e e v i d e n c i a m situações d e exploração d e s s e s t r a b a l h a d o r e s e d e s u a s famílias. 246. N o m e i o u r b a n o , por e x e m p l o , a Pastoral d o M i g r a n t e na Grande São P a u l o a t u a j u n t o a i m i g r a n t e s l a t i n o - a m e r i c a n o s (vários d e l e s t r a b a l h a n d o e m o f i c i n a s d e c o s t u r a e m condições análogas à escravidão), e m p a r c e r i a c o m u m a g r a n d e r e d e d e c e n t r o s d e d e f e s a d o s d i r e i t o s h u m a n o s , f o c a n d o a intermediação s o c i a l de c o n f l i t o s e o a c o m p a n h a m e n t o religioso, cultural e social, e as n e c e s s i d a d e s m a i s i m e d i a t a s d o s m i g r a n t e s , c o m o m o r a d i a , t r a b a l h o , saúde, educação e assistência jurídica. 2 4 7 . A questão d o tráfico d e p e s s o a s , n a s u a v e r t e n t e i n t e r n a c i o n a l e d i r e c i o n a d a p r i n c i p a l m e n t e à exploração s e x u a l d e m u l h e r e s , h o m e n s , crianças e a d o l e s c e n t e s , n a década a t u a l t e m s i d o c e n t r o d e c r e s c e n t e atenção d a s p a s t o r a i s d a I g r e j a . T h a l i t a K u m , u m a R e d e I n t e r n a c i o n a l d e V i d a C o n s a g r a d a c o n t r a o tráfico d e p e s s o a s , reúne r e d e s n a c i o n a i s d e r e l i g i o s a s e / o u r e l i g i o s o s q u e têm, e m s e u s r e s p e c t i v o s países, o m e s m o o b j e t i v o d e c o m b a t e a o tráfico d e p e s s o a s p a r a fins d e exploração s e x u a l . 2 4 8 . E n t r e e l a s está a r e d e U m G r i t o p e l a V i d a , q u e n o B r a s i l a g r e g a c e r c a d e 3 0 núcleos, c o n c e n t r a d o s e m a t i v i d a d e s d e divulgação. 82
    • formação d e m u l t i p l i c a d o r e s e prevenção n a s comunidades m a i s vulneráveis a o tráfico d e p e s s o a s . E n t r e a t i v i d a d e s como e n c o n t r o s , c a m i n h a d a s , a t o s públicos, e x i s t e m t r a b a l h o s d e p r e venção, c o m o o s r e a l i z a d o s p e l o C e n t r o S o c i a l N o s s a Senhora d o B o m P a r t o , e m São P a u l o . 2 4 9 . N a denúncia e c o m b a t e a o tráfico h u m a n o , p o d e m s e r l e m b r a dos o u t r o s o r g a n i s m o s e pastorais da Igreja. É o caso, s o b r e t u d o , d a Comissão Justiça e P a z d e Belém, R e g i o n a l N o r t e 2 d a C N B B , e m q u e o t r a b a l h o p r o l o n g a d o d e denúncia d a g r a v i d a d e d o tráf i c o d e m u l h e r e s e a d o l e s c e n t e s t e m t i d o g r a n d e repercussão n a c i o n a l . D e s t a c a - s e também o t r a b a l h o d a P a s t o r a l d a M u l h e r Marginalizada, que v e m acompanhando e procurando humanizar a situação v i v i d a p e l a s m u l h e r e s e m situação d e prostituição. 2 5 0 . A R e d e Solidária p a r a M i g r a n t e s e R e f u g i a d o s , a r t i c u l a d a p e l o I n s t i t u t o Migrações e D i r e i t o s H u m a n o s , c o n t a c o m a p a r t i c i p a ção d e a p r o x i m a d a m e n t e 5 0 instituições e m t o d o o B r a s i l . S u a atuação p r i m o r d i a l é a atenção a m i g r a n t e s , r e f u g i a d o s e r e t o r n a d o s . N e s t a missão v o l t a d a a p e s s o a s m u i t a s v e z e s e x p o s t a s à v u l n e r a b i l i d a d e p e s s o a l e s o c i a l , e s s a s instituições estão a t e n t a s a possíveis situações d e tráfico h u m a n o e b u s c a m s e n s i b i l i z a r e a l e r t a r a s o c i e d a d e c o n t r a o r i s c o d a ação d a s r e d e s d e tráfico, b e m c o m o d a n d o a d e v i d a atenção às vítimas, q u a n d o é o c a s o . 2 5 1 . D a m e s m a m a n e i r a , t e m o s o e n v o l v i m e n t o d e várias u n i d a d e s d e Caritas Diocesanas, de Centros de Direitos H u m a n o s , da Pastoral d o M e n o r , a s s i m c o m o c a s a s d e a c o l h i d a e d e convivência q u e , e m p a r c e r i a c o m o u t r a s e n t i d a d e s , g o v e r n a m e n t a i s o u não, c i v i s 1 5 9 Informações disponíveis n o s i t e d a instituição i n d i c a m q u e , a t u a l m e n t e , a E n t i d a d e atende, e m 5 1 u n i d a d e s , 7 . 5 0 0 crianças, a d o l e s c e n t e s e j o v e n s e 3 5 0 a d u l t o s e m situação d e r u a . O s p r o g r a m a s estão d i v i d i d o s e m ; 2 0 C r e c h e s , 2 3 C e n t r o s E d u c a c i o n a i s Comunitários C E C s , 1 L a r - C a s a Coração d e M a r i a , p a r a crianças e a d o l e s c e n t e s q u e s e e n c o n t r a v a m em situação d e r i s c o s o c i a l , 2 L a r e s - C a s a V i d a I e I I , p a r a crianças e a d o l e s c e n t e s q u e têm H I V / A i d s , 1 C e n t r o Comunitário/dia - São M a r t i n h o d e L i m a , p a r a população e m situação d e r u a , 1 Espaço d e Convivência - M e n i n o s e M e n i n a s d o Belém, p a r a crianças, a d o l e s c e n t e s e j o v e n s e m situação d e v u l n e r a b i l i d a d e s o c i a l , 1 u n i d a d e p a r a a d o l e s c e n t e s e j o v e n s em l i b e r d a d e a s s i s t i d a - C a s a P a s t o r a l d a S o l i d a r i e d a d e , 4 C e n t r o s Pré - P r o f i s s i o n a l i z a n t e s - mecânica e elétrica a u t o m o t i v a , m a r c e n a r i a e m a r c h e t a r i a , escritório i n f o r m a t i z a d o , agropecuária e 1 e s c o l a d e e n s i n o f u n d a m e n t a l - T a b o r . 83
    • e e c l e s i a i s , têm b u s c a d o a c o l h e r e c o n t r i b u i r p a r a a reinserção s o c i a l d o s r e s g a t a d o s d o tráfico h u m a n o . 2 5 2 . E m âmbito n a c i o n a l , a Conferência N a c i o n a l d o s B i s p o s d o B r a s i l (CNBB), e m 2 0 0 8 , c r i o u d o i s G r u p o s de T r a b a l h o (GT): o G r u p o de Combate ao Trabalho Escravo e o Grupo d e Enfrentamento d o Tráfico d e P e s s o a s , p a r a a r t i c u l a r e m âmbito n a c i o n a l o s esforços d a s s u a s p a s t o r a i s e m âmbito n a c i o n a l . 2 5 3 . T a i s g r u p o s d e t r a b a l h o têm s e d e s t a c a d o n o esforço d e divulgação e conscientização d a I g r e j a e d a s o c i e d a d e , n a articulação d e g r u p o s e p a s t o r a i s q u e s e m o b i l i z a m n a promoção d e Seminários, d e E n c o n t r o s d e capacitação p a r a a g e n t e s d e prevenção n o s l o c a i s d e a l i c i a m e n t o p a r a o tráfico, e n o estímulo à atenção às vítimas. 2 5 4 . E m 2 0 1 1 , o sdois G r u p o s d eTrabalho s e u n i r a m , f o r m a n d o o a t u a l G r u p o d e T r a b a l h o d e E n f r e n t a m e n t o a o Tráfico H u m a n o , q u e reúne r e p r e s e n t a n t e s d e várias p a s t o r a i s e o r g a n i s m o s ( P a s t o r a l d a T e r r a , S e t o r P a s t o r a l d a M o b i l i d a d e H u m a n a , Conferência d o s Religiosos d o Brasil (CRB)/Rede " U m G r i t o pela V i d a " , Pastoral da Mulher Marginalizada, Pastoral Afro-Brasileira, P a s t o r a l d o M e n o r , P a s t o r a l d a J u v e n t u d e , I n s t i t u t o Migrações e D i r e i t o s H u m a n o s ( I M D H ) , Comissão B r a s i l e i r a Justiça e P a z , Caritas Brasileira. Esse G r u p o d e T r a b a l h o busca prestar u m serviço d e articulação e m âmbito d e C N B B , n a interlocução c o m t o d a s as e s f e r a s e n v o l v i d a s c o m o t e m a , n o s e n t i d o d e u n i f i c a r o s t r a b a l h o s d e e n f r e n t a m e n t o a o tráfico. 2. Propostas para o Enfrentamento d o Tráfico H u m a n o 2 5 5 . O e n f r e n t a m e n t o a o tráfico h u m a n o , s o b r e t u d o d e m u l h e r e s e crianças, q u e são a s vítimas e m p o t e n c i a l d e s t e negócio ilícito, é hoje u m dos urgentes apelos para a sociedade, e c o m especial convocação p a r a a I g r e j a , c u j a missão d e c u i d a r , p r o t e g e r , d e f e n d e r e p r o m o v e r a v i d a ameaçada é u m i m p e r a t i v o antropológico e cristão. 84
    • 2 5 6 . É i m p o r t a n t e a t e n t a r p a r a a l g u n s d i r e i t o s d a s vítimas d e tráfico: não s e r d i s c r i m i n a d a e m função d a situação d e tráfico; t e r p r e servação d e p r i v a c i d a d e e i d e n t i d a d e ; t e r o s d a d o s s o b c o n f i d e n cialidade e os dados dos p r o c e d i m e n t o s judiciais relacionados; t e r orientação e assistência jurídica; t e r a l o j a m e n t o a d e q u a d o , a c o n s e l h a m e n t o e informação n o t o c a n t e a o s d i r e i t o s r e c o n h e c i d o s e m l e i , e m língua q u e p o s s a s e r c o m p r e e n d i d a ; t e r assistênc i a médica, psicológica e m a t e r i a l e o p o r t u n i d a d e d e e m p r e g o , educação e formação, o b s e r v a n d o s u a s n e c e s s i d a d e s específicas; t e r proteção d e s u a i n t e g r i d a d e física e n q u a n t o s e e n c o n t r e n o país p a r a o q u a l f o i t r a f i c a d a ; r e q u e r e r indenização p e l o s d a n o s s o f r i d o s ; p o d e r r e t o r n a r a o s e u país d e o r i g e m c o m segurança. 2 5 7 . E n q u a n t o cristãos, s o m o s d e s a f i a d o s a o c o m p r o m i s s o c o m o p r o c e s s o d e erradicação d o tráfico h u m a n o e m s u a s várias e x pressões, s e j a n o t r a b a l h o e s c r a v o , t a n t o n o m e i o r u r a l c o m o n o u r b a n o , s e j a n o comércio d e órgãos, n a exploração s e x u a l , n a adoção i l e g a l o u e m o u t r a s f o r m a s d e escravização d o ser h u m a n o , p o r q u e i s s o n o s a g r i d e c o m o gravíssima violação d o s d i r e i t o s h u m a n o s . M a s também e m função d e n o s s a convicção d e fé e d e n o s s a opção d e v i d a à l u z d o E v a n g e l h o . 2.1. a. Dimensão p e s s o a l O e n c o n t r o c o m D e u s é p e s s o a l e intransferível, m a s não p r e s c i n d e d a experiência comunitária, i s o l a d o d e c o l e g a s , amigos e familiares, c o m os quais s econfronta o c a m i n h o p e r c o r r i d o m e d i a n t e opções c o n c r e t a s . b. Devemos compreender que Deus nos liberta pessoalmente e c o m u n i t a r i a m e n t e ( c f G l 5 , 1 ) . É n o âmbito d e s s a l i b e r d a d e que todos somos chamados a viver o encontro c o m Deus e, a n i m a d o s p o r s u a presença, s e r m o s t e s t e m u n h a s d e q u e o R e i n o d e D e u s já está e n t r e nós. c. É p r e c i s o p e d i r s a b e d o r i a , c a p a c i d a d e p e s s o a l e comunitária d e d i s c e r n i m e n t o d i a n t e d a s situações q u e t o d o s o s d i a s 85
    • estão o c o r r e n d o c o m crianças, j o v e n s e m e s m o a d u l t o s , q u e estão e m situação d e v u l n e r a b i l i d a d e s o c i a l e p o d e m v i r a s e r p o t e n c i a i s vítimas d o tráfico h u m a n o . d. S e r o b o m s a m a r i t a n o . O h o m e m q u e s o f r e u violência e s e e n c o n t r a v a caído f o i s o c o r r i d o . A s s u m i r e s t e m o d o d e a g i r n o e n f r e n t a m e n t o a o tráfico d e p e s s o a s i m p l i c a disposição d e m u d a r m o s n o s s o s p l a n o s p a r a a c o l h e r a s situações e m e r g e n c i a i s p o s t a s p e l o p r o b l e m a d o tráfico, t a n t o n a prevenção q u a n t o n o a t e n d i m e n t o e a p o i o às vítimas. e. A c o l h i m e n t o e c u i d a d o p a r a c o m a s vítimas d o tráfico h u m a n o . J e s u s a c o l h e s e m r e s e r v a s , não c o n d i c i o n a s e u a m o r , a p e n a s c u i d a . C a d a u m d e nós d e v e b u s c a r s e r u m a presença q u e consola e ajuda na retomada de u m caminho de dignidade e respeito humano. f T o r n a r m o - n o s próximos d e q u e m s o f r e u o u está e m r i s c o d e t e r s u a d i g n i d a d e h u m a n a v i o l a d a , apoiá-los e socorrê-los i n c l u s i v e c o m o s m e i o s econômicos d e q u e d i s p o m o s . g. Sejam quais f o r e m os m o t i v o s q u e levaram u m ser h u m a n o a s e t o r n a r vítima d o tráfico, não p o d e m o s e s q u e c e r d e s u a condição d e p e s s o a e d o s vários a s p e c t o s psicológicos que p e r m e a r a m suas atitudes, tais c o m o : sonhos, apelos de c o n s u m o , o amor, perspectivas de u m a vida melhor. 2.2. Dimensão eclesial/comunitária 2 5 8 . N o s s o p o n t o d e p a r t i d a é a condição missionária i n e r e n t e à v i d a pessoal e eclesial, tal c o m o n o s recorda Aparecida, ao afirmar: D i a n t e d a exclusão, J e s u s d e f e n d e o s d i r e i t o s d o s f r a c o s e a vida digna d et o d o ser h u m a n o . D eseu Mestre, o discípulo t e m a p r e n d i d o a l u t a r c o n t r a t o d a f o r f n a d e d e s p r e z o d a v i d a e d e exploração d a p e s s o a h u m a n a . Só o Senhor é autor e d o n o da vida. O ser h u m a n o , sua imag e m v i v e n t e , é s e m p r e s a g r a d o , d e s d e a s u a concepção 86
    • até a s u a m o r t e n a t u r a l , e m t o d a s a s circunstâncias e c o n dições d e s u a v i d a . D i a n t e d a s e s t r u t u r a s d e m o r t e , J e s u s faz presente a vida plena. "Eu v i m para dar vida aos h o m e n s e para q u e a t e n h a m e m plenitude" Oo 10,10). Por i s s o , c u r a o s e n f e r m o s , e x p u l s a o s demônios e c o m p r o m e t e o s discípulos n a promoção d a d i g n i d a d e h u m a n a e d e r e l a c i o n a m e n t o s s o c i a i s f u n d a d o s n a justiça.'" a. T r a b a l h a r j u n t o a a d o l e s c e n t e s e j o v e n s , d a n d o - l h e s noções de direitos h u m a n o s e da centralidade da vida, a partir d e situações c o n c r e t a s e próximas a e l e s . b. I n i c i a r o u c o n s o l i d a r ações q u e c o n t r i b u a m p a r a a superação d a v u l n e r a b i l i d a d e s o c i a l , c o m o situações d e exclusão s o c i a l , v a l o r i z a n d o articulações d a s p a s t o r a i s e o r g a n i s m o s d a Igreja e n t r e si e d e s t a s c o m a s o c i e d a d e civil. c. Desenvolver a t i v i d a d e s q u e p r o m o v a m a conscientização a c e r c a d e situações e n v o l v i d a s n o tráfico h u m a n o . I s s o p o d e s e r f e i t o p o r m e i o d a participação e m c a m p a n h a s já e m c u r so, p r o m o v i d a s p o r diferentes atores: Igreja, Estado, ONGS o u m e i o s d e comunicação. d. Promover atividades que nos abram o s olhos sobre as r e a l i d a d e s e a s ilusões d e n o s s a época, q u e d e i x a m l i v r e s a m e r c a d o r i a e o c a p i t a l econômico e p r e n d e m a s p e s s o a s , tolhendo-lhes o d i r e i t o de ir e vir. e. C o m relação a o e n f r e n t a m e n t o d o t r a b a l h o e s c r a v o , dar c o n t i n u i d a d e e e x p a n d i r j u n t o às d i o c e s e s e R e g i o n a i s d a C N B B a C a m p a n h a d a C P T " O l h o a b e r t o p a r a não v i r a r e s c r a v o " . f F o r t a l e c e r o e n f r e n t a m e n t o a o tráfico d e p e s s o a s p a r a f i n s d e exploração s e x u a l c o m e r c i a l d i v u l g a n d o m a t e r i a i s , r e a l i z a n d o campanhas e outras iniciativas da Rede U m Grito pela Vida e d e o u t r a s instituições v i n c u l a d a s à I g r e j a o u e m p a r c e i r a s n a l u t a p e l a erradicação d e t o d a e q u a l q u e r f o r m a d e tráfico. 1 6 0 C E L A M . Documento de Aparecida, n. 1 1 2 . 87
    • g. Reforçar o c o m p r o m i s s o comunitário n o c u i d a d o c o m a s crianças, p r i n c i p a l m e n t e a q u e l a s q u e , p e l a p o b r e z a , estão m a i s vulneráveis a adoções i n e s c r u p u l o s a s . P a r a t a n t o , c r i a r o u reforçar instituições q u e a t u e m j u n t o a e s s e g r u p o . h. E m âmbito d i o c e s a n o , c r i a r o u a m p l i a r i n i c i a t i v a s p a s t o r a i s , tais c o m o asdesenvolvidas pela Pastoral da M u l h e r Margin a l i z a d a ( P M M ) , R e d e U m G r i t o pela V i d a , CPT, Casas d o M i g r a n t e , C a s a s d e A c o l h i d a , q u e ofereçam a p o i o e atenção às p e s s o a s vítimas d e exploração s e x u a l e d o t r a b a l h o e s c r a v o . i. F o r m a r n a s d i o c e s e s c o m incidência d e migração, e s t r u t u r a s destinadas ao a c o m p a n h a m e n t o dos migrantes e refugiados. É necessário também, e m p e n h o j u n t o a o s o r g a n i s m o s d a s o c i e d a d e c i v i l , p a r a q u e g o v e r n o s t e n h a m u m a política migratória que leve e m conta os direitos das pessoas e m mobilidade.'^' j. C o b r a r d o p o d e r público implementação d e políticas públic a s v o l t a d a s à a c o l h i d a , prevenção e inserção s o c i a l d a s vítim a s d o tráfico h u m a n o . k. E l a b o r a r subsídios s o b r e políticas, b e m c o m o s o b r e mística, c o m conteúdos d e formação bíblica, catequética, h u m a n a e teológica, q u e fortaleçam a d e f e s a d a d i g n i d a d e d o ser h u m a n o e esclareçam s o b r e a g r a v e violação q u e o tráfico h u m a n o representa.'^^ * 1. G e s t o s s i m p l e s d e s e n c a d e i a m ações d e libertação: c o l o c a r a questão e m p a u t a e m t o d o s o s espaços possíveis: i g r e j a s , e s c o l a s , h o s p i t a i s , o b r a s , p r o j e t o s s o c i a i s , e m v i s t a d a formação d a consciência, e c o m sugestões d e intervenção n a r e a l i d a d e . m . Nos Regionais d aCNBB e nas dioceses, realizar cursos d e formação d e m u l t i p l i c a d o r e s p a r a a prevenção a o tráfico humano.Já o c o r r e r a m n o s últimos a n o s a l g u m a s experiências 1 6 1 C E L A M . Documento de Aparecida, n. 1 1 1 . 1 6 2 C f . A N D R A D E , W . C , e M I L E S I , R. A I g r e j a n o B r a s i l e o e n f r e n t a m e n t o a o Tráfico d e P e s s o a s . I n : Tráfico de Pessoas e traballio escravo - II Seminário Nacional. Brasília: Edições C N B B , 2 0 1 2 , p . 3 8 . 88
    • c o m o as realizadas pela Rede U m Grito pela Vida e pelo Mutirão P a s t o r a l d a C N B B , s e n d o q u e o q u e s e b u s c a a g o r a é u m a universalização d e s s e p r o c e s s o . S e n s i b i l i z a r e s o c i a l i z a r informações s o b r e o tráfico h u m a n o , n a s s u a s várias dimensões; c a p a c i t a r m u l t i p l i c a d o r e s / a s p a r a ações e d u c a t i v a s d e prevenção e assistência, e i n t e n s i f i c a r a l u t a p o r políticas públicas d e e n f r e n t a m e n t o d e s t a r e a l i d a d e . A t e n t a r p a r a a c o m p l e x i d a d e e a abrangência d a s várias ' r e d e s ' p r e s e n t e s n a s f o r m a s a s s u m i d a s p e l o tráfico h u m a n o , denunciá-las, q u a n d o é o c a s o , e a l e r t a r p a r a s e u s m e c a n i s m o s e n g a n o s o s e e x p l o r a d o r e s . T a l atenção d e v e v o l t a r - s e a p o t e n c i a i s l o c a i s d e a l i c i a m e n t o , t a i s c o m o : pensões " p e o n e i r a s " e f a l s a s agências d e t u r i s m o , r e d e d e e n t r e t e n i m e n t o (boates, danceterias, casas d em a s s a g e m , restaurantes); r e d e / m e r c a d o d a m o d a (agências d e m o d e l o s , e n s a i o s f o t o gráficos, vídeos); r e d e d e "agências" d e e m p r e g o (acompa- n h a n t e s , dançarinas, e n f e r m e i r a s , baby sitter); r e d e d e agênc i a s d e c a s a m e n t o ; r e d e d e t e l e s s e x o (anúncios e m j o r n a i s , i n t e r n e t e T V s - c i r c u i t o i n t e r n o ) ; r e d e s n a indústria d o t u r i s m o (agências d e v i a g e m , hotéis, s p a s / r e s o r t s , t a x i s t a s ) . ' " Reforçar a R e d e U m G r i t o p e l a V i d a , s e j a p o r m e i o d e e v e n t o s , seminários e o u t r a s i n i c i a t i v a s , s e j a p e l a divulgação d e s e r v i ços e a t i v i d a d e s f e i t a s j u n t o às vítimas d o tráfico d e p e s s o a s . A p r o f i i n d a r a s reflexões d a S e m a n a S o c i a l B r a s i l e i r a s o b r e o s e f e i t o s d a globalização e d o s g r a n d e s p r o j e t o s d e d e s e n v o l v i m e n t o , a p a r t i r d e s u a s conseqüências n o c a m p o dos d i r e i t o s h u m a n o s , t e n d o e m v i s t a s u a s conseqüências h u m a n a s ( e d e s u m a n a s ) : exploração s e x u a l d e crianças e a d o l e s c e n t e s , prostituição, t r a b a l h o e s c r a v o . R e d e u m G r i t o p e l a V i d a . C a r t i l h a d e reflexão bíblica s o b r e o tráfico d e seres h u m a n o s . C R B / 2009. p. 50-51. 89
    • r. "No serviço à v i d a , c a b e p r o m o v e r u m a s o c i e d a d e que r e s p e i t e a s diferenças, c o m b a t e n d o o p r e c o n c e i t o e a d i s c r i minação n a s m a i s d i v e r s a s e s f e r a s , e f e t i v a n d o a convivência pacífica d a s várias e t n i a s , c u l t u r a s e expressões r e l i g i o s a s , o r e s p e i t o d a s legítimas diferenças."'^* 2.3. a. Dimensão sociopolítica Reforçar j u n t o a o u t r a s organizações d a s o c i e d a d e c i v i l a implantação e m t o d o s o s E s t a d o s d o B r a s i l d a s Comissões e s t a d u a i s e d o s Comitês d e E n f r e n t a m e n t o a o Tráfico H u m a n o , e d e r e d e s d e organizações d a s o c i e d a d e c i v i l , c o m v i s t a s a o s três P s : prevenção, punição e proteção. b. N a s campanhas de enfrentamento a o tráfico humano p r o m o v i d a s p e l o E s t a d o (âmbito f e d e r a l , ' e s t a d u a l e m u n i c i p a l ) , desenvolver atividades e m t o r n o de datas significativas, tais c o m o : • 2 8 de janeiro - Dia Nacional d eCombate a o Trabalho Escravo; • 0 8 d e março - D i a I n t e r n a c i o n a l d a M u l h e r ; • 1 - d e m a i o - Dia do/a Trabalhador/a; • 18 de maio - Dia Nacional de Enfrentamento ao Abuso e Exploração S e x u a l d e Crianças e A d o l e s c e n t e s ; • 2 3 d e s e t e m b r o - D i a I n t e r n a c i o n a l c o n t r a a Exploração S e x u a l e o Tráfico d e M u l h e r e s e Crianças;'^^ • a. 2 0 d e n o v e m b r o - D i a N a c i o n a l d a Consciência N e g r a . Agir eclesiaimente de m o d o acontribuir para " u m a constante formação d a m e n t a l i d a d e e d a s consciências""**" e , a s s i m , c o l a b o r a r n a construção d e m e d i d a s e f i c a z e s p a r a a erradicação d o tráfico h u m a n o . 1 6 4 C N B B . Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil 2011-2015, n. 112. 1 6 5 C f . B O T T A N I , G . Intervenção e ação d a s o c i e d a d e c i v i l n o e n f r e n t a m e n t o a o tráfico d e pessoas. I n : Trájico de pessoas e trabalho escravo -11 Seminário Nacional. Brasília: C N B B , 2 0 1 2 , p . 1 3 7 . 1 6 6 P A P A B E N T O X V l . Mensagem 90 para o dia Mundial do Migrante e do refugiado. 2013.
    • b. Organizar o u aprimorar o sistema de "coleta de dados sobre o Tráfico d e P e s s o a s " , ' ^ ^ p a r a m a i o r c o n h e c i m e n t o d o a l c a n c e d e s s a violação d e d i r e i t o s e construção d e m e c a n i s m o s e ações q u e v i s e m a s u a erradicação. c. E x i g i r d o E s t a d o b r a s i l e i r o q u e e f e t i v e o q u e está p r o p o s t o n o III P l a n o N a c i o n a l d o s D i r e i t o s H u m a n o s : " E s t r u t u r a r , a p a r t i r d e serviços e x i s t e n t e s , s i s t e m a n a c i o n a l d e a t e n d i m e n t o às vítimas d o tráfico d e p e s s o a s , d e reintegração e diminuição d a v u l n e r a b i l i d a d e , e s p e c i a l m e n t e d e crianças, adolescentes, mulheres, transexuais e travestis."'^* d. F o r t a l e c e r e / o u c o n t r i b u i r n a articulação n a c i o n a l d e u m a r e d e d e e n t i d a d e s e organizações d a s o c i e d a d e c i v i l q u e a t u a m o u v e n h a m a a t u a r n a prevenção a o tráfico h u m a n o e n a assistênc i a às vítimas, b e m c o m o n a incidência d e políticas públicas, d e m o d o a i n t e g r a r i n i c i a t i v a s d e caráter r e g i o n a l m a i s e f i c a z e s . e. A I g r e j a , e m p a r c e r i a c o m o u t r a s organizações d a sociedade c i v i l , p a r t i n d o d a p r e m i s s a d e q u e o tráfico h u m a n o s e e x pande q u a n d o existe vulnerabilidade social, deve cobrar d o E s t a d o " e f e t i v i d a d e d a s políticas públicas (saúde, educação, d e s e n v o l v i m e n t o s o c i a l , m o r a d i a , r e f o r m a agrária e u r b a n a ) e d o s p l a n o s d e ação, n a s d i v e r s a s e s f e r a s d o p o d e r público".'^' f Propor j u n t o a ogoverno (municipal, estadual e federal) a elaboração e efetivação d o s P l a n o s N a c i o n a i s d e Erradicação d o T r a b a l h o E s c r a v o e d e E n f r e n t a m e n t o a o Tráfico d e P e s soas, g a r a n t i n d o recursos financeiros e h u m a n o s suficientes para i m p l e m e n t a r estruturas adequadas para o a c o l h i m e n t o , proteção e a t e n d i m e n t o às p e s s o a s vítimas d e tráfico h u m a n o , b e m c o m o à repressão d e c r i m i n o s o s . ' ^ " 1 6 7 B R A S I L . Relatório final da CPI do Senado Federal sobre o Tráfico de Pessoas. 2 0 1 2 . 1 6 8 B R A S I L . S E C R E T A R I A N A C I O N A L D E D I R E I T O S H U M A N O S . III Programa Humanos. Nacional de Direitos Brasília, 2 0 1 0 , p . 1 4 9 . 169 Ibidem, p. 157. 1 7 0 C f . M I L E S I , R . e S P R A N D E L , M . I I Seminário N a c i o n a l Pessoas e Trabalho Escravo. d e E n f r e n t a m e n t o a o Tráfico d e I n Tráfico de pessoas e trabalho escravo - II Seminário Nacional. Brasília; C N B B , 2 0 1 2 , p . 1 5 8 . 91
    • g. S o m a r forças e a g i r e m p a r c e r i a , g o v e r n o e s o c i e d a d e c i v i l , n a l u t a p e l o a p r i m o r a m e n t o d o m a r c o l e g a l r e l a t i v o a o Tráfico d e P e s s o a s e o T r a b a l h o E s c r a v o , d e m o d o a pôr fim a o s l i m i t e s a t u a i s n o q u e t a n g e à responsabilização p o r e s t e s c r i m e s . " ' h. I n t e r v i r , e n q u a n t o s o c i e d a d e c i v i l , n a incidência d e políticas q u e e n f r e n t e m e f e t i v a m e n t e as c a u s a s e s t r u t u r a i s q u e p r o d u z e m v u l n e r a b i l i d a d e s o c i a l - situações d e exclusão, t a i s c o m o d e s e m p r e g o o u s u b e m p r e g o , concentração d e t e r r a s , g r a n d e s p r o j e t o s e x c l u d e n t e s , práticas discriminatórias p o r razões étnicas e d e gênero, e o u t r a s . i. I n s t a r o s órgãos g o v e r n a m e n t a i s , n o q u e t a n g e a m e d i d a s e ações e f e t i v a s n o c o m b a t e a o tráfico h u m a n o , a a p r i m o r a r s e u s m e c a n i s m o s d e investigação e responsabilização d o s ' a g e n t e s operacionais' desse crime contra os direitos da pessoa h u m a n a . j. I d e n t i f i c a r e, se f o r o c a s o , s o l i c i t a r a o E s t a d o q u e r e t o m e i n v e s tigações s o b r e p e s s o a s d e s a p a r e c i d a s , s e j a e m território n a c i o n a l o u n o e s t r a n g e i r o , l e v a n d o e m consideração a p o s s i b i l i d a d e d e t e r o c o r r i d o tráfico h u m a n o . E s t r u t u r a r f o r m a s d e campa- n h a e sensibilização d a divulgação d e s s a s situações n o s e s p a ços públicos ( a e r o p o r t o s , rodoviárias, t r a n s p o r t e s públicos). k. F o m e n t a r espaços d e articulação i n s t i t u c i o n a l e c o m a s o c i e d a d e c i v i l , p r o m o v i d o s p e l a I g r e j a , através d a s p a s t o r a i s . 1. Reforçar ações o u a m p l i a r a atuação d o E s t a d o b r a s i l e i r o n o q u e t a n g e às adoções i l e g a i s , s e j a m e l a s r e f e t i v a d a s n o próp r i o país o u n o e x t e r i o r , p o i s n e s t a s circunstâncias c o n f i g u r a - s e tráfico d e p e s s o a s . ' ^ ^ É necessário c o i b i r f o r m a s v e l a d a s d e adoção, p o r m e i o d e p a r e n t e s o u a j u d a financeira aos p a i s , q u e r e s u l t a m n a r e t i r a d a d a criança d o convívio f a m i l i a r s e m n e n h u m a m p a r o legal. 1 7 1 C f . M I L E S I , R . e S P R A N D E L , M . I I Seminário N a c i o n a l Pessoas e Trabalho Escravo. d e E n f r e n t a m e n t o a o Tráfico d e I n Tráfico de pessoas e trabalho escravo - II Seminário Nacional. Brasília: C N B B , 2 0 1 2 , p 1 5 7 . 1 7 2 0 Relatório f i n a l d a C P I d o S e n a d o d oa n o d e 2 0 1 2 a f i r m a c l a r a m e n t e a necessidade d e a p r i m o r a m e n t o n o C a d a s t r o N a c i o n a l d e Adoções. 92
    • m . A t u a r e n q u a n t o I g r e j a j u n t o a o u t r a s instâncias d a s o c i e d a d e c i v i l , n o d e b a t e , conteúdo e aprovação p e l o C o n g r e s s o Nacional d e u m a n o v a l e i d e migrações ( P r o j e t o d e l e i 5 6 5 5 - 2 0 0 9 ) , c e n t r a d a n o princípio d o s d i r e i t o s h u m a n o s e q u e c o n t e m p l e d e v i d a m e n t e a questão d o tráfico d e p e s s o a s e d a proteção às vítimas. 3. C a n a i s d e Denúncia d e c a s o s d e Tráfico H u m a n o 2 5 9 . E x i s t e m c a n a i s o f i c i a i s a o s q u a i s e f e t u a r a s necessárias denúnc i a s d e situações d e tráfico h u m a n o . A l g u n s órgãos d o g o v e r n o d i s p o n i b i l i z a m m e i o s p a r a r e c e b e r denúncias e encaminhá-las à r e d e d e a t e n d i m e n t o d o s c a s o s d e tráfico d e pessoas. C a n a i s g e r a i s d e denúncia • D I S Q U E 100 - ( d i s q u e denúncia - a t e n d e d i a r i a m e n t e , d a s 8 h 0 0 às 2 2 h 0 0 ) O D i s q u e Denúncia N a c i o n a l é u m serviço disponível p a r a t o d o o B r a s i l , a d i s c a g e m é d i r e t a e g r a t u i t a . A coordenação está a c a r g o d a S e c r e t a r i a d o s D i r e i t o s H u m a n o s d a P r e s i dência d a República ( S D H ) . S u a função é e n c a m i n h a r a s d e núncias à u r f i d a d e d a r e d e d e proteção, d e f e s a e r e s p o n s a b i lização m a i s próxima à vítima. • LIGUE 180 - Central de A t e n d i m e n t o à Mulher A f i n a l i d a d e d e s t e serviço é r e c e b e r denúncias, o r i e n t a r e e n c a m i n h a r p a r a órgãos c o m p e t e n t e s o s c a s o s d e tráfico d e p e s s o a s e d e cárcere p r i v a d o . Também o r i e n t a n o s c a s o s d e violência c o n t r a a m u l h e r . E s t e serviço p o d e s e r a c e s s a d o e x t e r i o r através d o s c o n s u l a d o s e e m b a i x a d a s , m a s no ainda está r e s t r i t o a P o r t u g a l , E s p a n h a e Itália. • D e p a r t a m e n t o d a Polícia F e d e r a l - D i r e t o r i a d e Investigação e C o m b a t e a o C r i m e O r g a n i z a d o ( D I C O R ) - Coordenação G e r a l d e D e f e s a I n s t i t u c i o n a l ( C G D I ) Divisão d e D i r e i t o s H u m a n o s ( D D H ) Este Departamento d a Polícia F e d e r a l tem competência específica p a r a a t u a r n a repressão a o tráfico d e p e s s o a s e 93
    • r ao trabalho escravo, servindo como i m p o r t a n t e canal d e denúncias e p r i n c i p a l a t o r d a repressão c o n t r a o tráfico i n ternacional de K pessoas. É a única divisão d a Polícia F e d e r a l q u e a t u a c o m c r i m e s em q u e a s vítimas são p e s s o a s físicas e não instituições f e d e r a i s . Endereço: C h e f e d a Divisão d e D i r e i t o s H u m a n o s - D D H / C G D I • E-mail: I ddh.cgdi@dpfgov.br Telefone: (61) 2 0 2 4 - 8 7 0 5 1 C a n a i s específicos d e Denúncia 1 O Ministério d o T r a b a l h o e E m p r e g o e m Brasília p e d e p a r a q u e as denúncias d e exploração n o t r a b a l h o s e j a m e n c a m i n h a d a s l localmen- t e v i a Superintendência R e g i o n a l d o T r a b a l h o e E m p r e g o o u CPT. i • * Superintendência R e g i o n a l d o T r a b a l h o e E m p r e g o A s superintendências R e g i o n a i s d o T r a b a l h o e E m p r e g o p o d e m s e r a c e s s a d a s n o p o r t a l d o M T E , p e l o s e g u i n t e endereço eletrônico: http://portal.mte.gov.br/portal-mte/. I, • Comissão P a s t o r a l d a T e r r a - C P T Telefone: (63)3412-3200 i www.cptnacional.org.br 1 E-mail: • f cptoc@cultura.com.br Setor mobilidade humana SE/Sul, Q u a d r a 8 0 1 , C o n j . B Cx. Postal: 0 2 0 3 7 / 7 0 2 5 9 - 9 7 0 7 0 2 0 0 - 0 1 4 Brasília-DF Fone: (61) 2 1 0 3 - 8 3 0 0 / ( 6 1 ) 8 2 8 5 - 6 7 3 5 mobilidadehumana@cnbb.org.br • Pastoral dos Brasileiros no Exterior - PBE SE/Sul, Q u a d r a 8 0 1 , C o n j . B Cx. Postal: 0 2 0 3 7 / 7 0 2 5 9 - 9 7 0 7 0 2 0 0 - 0 1 4 Brasília-DF Fone: (61) 2 1 0 3 - 8 3 0 0 / ( 6 1 ) 8 2 8 5 - 6 7 3 5 pbe@cnbb.org.br 94
    • • Serviço P a s t o r a l d o s M i g r a n t e s - S P M R u a : Caiambé, 1 2 6 - I p i r a n g a 0 4 2 6 4 - 0 6 0 São P a u l o - S P Fone/Fax: (11) 2 0 6 3 - 7 0 6 4 Spm.nac@terra.com.br wvw.spmigrantes.wordpress.com • Pastoral da Mulher Marginalizada Rua: G u i l h e r m e M a w 6 4 , casa 20/B - L u z 0 1 1 0 5 - 0 4 0 São P a u l o - S P Fone: (11) 3 2 2 6 - 0 6 6 3 pmm@pmm.org.br www.pmn1nac.worpress.com D o c u m e n t o s i n f o r m a t i v o s s o b r e o tráfico h u m a n o • C a r t i l h a - B r a s i l e i r o s e B r a s i l e i r a s n o E x t e r i o r - Informações Úteis - P r e p a r a d a p e l o Ministério d e T r a b a l h o e E m p r e g o . V i s a c o m b a t e r a migração i r r e g u l a r e p r e s t a r informações a p r o p r i a d a s s o b r e v i s t o s e autorizações d e residência, d i r e i t o s e d e - v e r e s , r i s c o s d a migração i r r e g u l a r e p e r i g o s d o tráfico h u m a n o . • G U I A D E REFERÊNCIA - P a r a a r e d e d e e n f r e n t a m e n t o a o tráfico d e p e s s o a s n o Brasil - Produzido pela Secretaria Nacio- n a l d e Justiça - Ministério d a Justiça. A c e s s o p e l o endereço: http://portal.mj.gov.br/main.asp?View={83C93202-6893 -4C5D-8DD1-EB3938D0FDCB}. O f e r e c e informações e e s c l a r e c i m e n t o s para m e l h o r iden- tificação d e situações c o n c r e t a s d e tráfico d e p e s s o a s , panorama das principais políticas, p r o g r a m a s um e projetos p a r a a s a u t o r i d a d e s a p o n t a d a s c o m o responsáveis p o r e s t e e n c a m i n h a m e n t o , além d e c o n t a t o s p a r a serviços e e x p l i cação d o f u n c i o n a m e n t o d a i n f r a e s t r u t u r a b r a s i l e i r a p a r a o e n f r e n t a m e n t o a o tráfico h u m a n o . • C a m p a n h a Coração A z u l C o n t r a o Tráfico d e P e s s o a s UNODC. Acesso pelo endereço: http:/Aww.unodc.org/ blueheart/pt/about-us.html. 95
    • • I I P l a n o N a c i o n a l d e E n f r e n t a m e n t o a o Tráfico d e P e s s o a s S e c r e t a r i a N a c i o n a l d e Justiça, Ministério d a Justiça. A c e s s o p e l o endereço: w w w . m j . g o v . b r / t r a f i c o d e p e s s o a s . F i l m e s c o m a temática tráfico h u m a n o • D V D Tráfico H u m a n o . P r o d u z i d o p e l a C N B B p a r a u s o d a s c o m u n i d a d e s . Duração: 3 8 m i n , c o m c i n c o p a r t e s . A c o m p a n h a u m a versão r e d u z i d a c o m 8 m i n . • / n j o s d o S o l ( B r a s i l , 2 0 0 6 ) . Duração: 9 2 m i n . Direção: R u d i Lagem a n n (exploração s e x u a l d e crianças e a d o l e s c e n t e s e tráfico i n t e r n o ) . • C o i s a s B e l a s e S u j a s (Dirty Pretty Things, I n g l a t e r r a , 2 0 0 2 ) . Duração: 9 7 m i n . Direção: S t e p h e n F r e a r s (tráfico d e órgãos); • M a r i a c h e i a d e graça (Maria, Uena Eres de Gracia, EU/VColômb i a , 2 0 0 4 ) . Duração: 1 0 1 m i n u t o s . Direção: J o s h u a M a r s t o n ( m u l h e r e s u r i l i z a d a s c o m o m u l a s n o tráfico d e d r o g a s ) ; • P a r a S e m p r e L y l i a {Lilja 4-ever, Suécia, 2 0 0 2 ) . Duração: 1 0 9 m i n . Direção: L u k a s M o o d y s s o n (tráfico d e m u l h e r e s n a E u r o p a ) ; • S e m Perdão ( T f t e Lost Son, E U A , 1 9 9 9 ) . Duração: 9 0 m i n . D i reção: C h r i s M e n g e s . ( q u a d r i l h a q u e l u c r a c o m p e d o f i l i a ) ; • S e x T r a f f i c {Sex Trajfic, I n g l a t e r r a , 2 0 0 4 ) Duração: 1 8 0 m i n . Direção: D a v i d Yates. T i p o : Feito para TV. Produtora(s): Big MorionPictures, Granada Television; • T e r r a P r o m e d d a (Promised Land, França/Israel, 2 0 0 4 ) . D u r a ção: • 8 8 m i n u t o s . Direção: A m o s G i t a i . Tráfico H u m a n o (Hwnan TraffiMng, Canadá/^UA, 2 0 0 5 ) . Duração: 1 7 6 m i n u t o s . Direção: C h r i s t i a n D u g u a y (tráfico d e m u l h e r e s ) ; Vídeos r e l e v a n t e s • C u r t a - m e t r a g e m " A l m a " . Disponível e m : h t t p s : / / v w w . y o u t u be.com/watch?v=ExKrOTNzd8Y • F i l m e " O u t r a V i d a " , p a r t e 1 . Disponível e m : h t t p s : / / v i w w . youtube.com/watch?v= • DXrv4PS9pvw F i l m e " O u t r a V i d a " , p a r t e 2 . Disponível e m : h t t p s : / / w w w . youtube.com/watch?v=f8R7mvWcR00
    • • R e p o r t a g e m d a T V B r a s i l I n t e r n a c i o n a l E B C . Disponível e m : https://www.youtube.com/watch?v=zZAz7ryRlnl • C l i p e C o n s t a n c e . Disponível e m : h t t p s : / A v w w . y o u t u b e . c o m / watch?v=onaaVul2dr8 • E n t r e v i s t a lançamento C a m p a n h a Coração A z u l . Disponível em: https:/Avww.youtube.comAvatch?v== • Entrevista UNICER Disponível e m : N_puZZiW038 https://vww.youtube. com/watch?v=9zKNeJtOfXE • C a m p a n h a Sensibilização. Disponível e m : h t t p s : / / w w w . y o u tube.com/watch?v=SGOuYzgZ-SI • Campanha UNODC. Disponível e m : http://wvw.youtube. com/watch?v=vlXItbZjck8 • Campanha UNODC. Disponível e m : http://www.youtube. com/watchTv=G_Phv3_fKfw • Campanha"TratadePersonas,LaEsclavitudenelSXXl".Disponível e m : • http://wvw.youtube.com/watch?v=CxnA2a2RKI8 C a m p a n h a " T r a t a d e P e r s o n a s " . Disponível e m : h t t p : / / w w w . youtube.com/watch?v=dd7tswXgaRM • Música "És c o m o U m D o n " , M i n d d a G a p . Disponível e m : http://www.'youtube.com/watch?feature=player_embedded &v=8Wz-hdBxGKA • Música " N a d a s e c o m p a r a " , J a d a P i n k e t t S m i t h . Disponível em: • https://www.youtube.com/watch?v=P-Klky7wM98 Música " E s c l a v a " , N a t a l i a O r e i r o . Disponível e m : h t t p : / / w w w . youtube.conn/watch?v=oHitLxOaJxA Conclusão 2 6 0 . N a s vítimas d o tráfico h u m a n o , p o d e m o s v e r r o s t o s d o s p o b r e s q u e a globalização f a z e m e r g i r . " ' ^ O s i s t e m a novos socioeco- nômico a t u a l não c o n t e m p l a t o d a s a s p e s s o a s . U m a p a r t e d e l a s 1 7 3 C E L A M . Documento de Aparecida, n. 4 0 2 . 97
    • é excluída e t e m q u e s e v i r a r c o m a s m i g a l h a s d a abundância d a produção d e b e n s , o q u e s e e s t e n d e à educação, m o r a d i a , condições sanitárias e d e saúde. É u m s i s t e m a b a s e a d o n o m e r c a d o e e m s u a c o n s t a n t e expansão, o q u e s e f a z p r i v i l e g i a n d o o l u c r o e m d e t r i m e n t o d a s p e s s o a s e d a v i d a , e m t o d a s a s s u a s expressões. P a r a e x e m p l i f i c a r , b a s t a c i t a r a precarização d a s condições d e t r a b a l h o . E s s e contexto propicia o florescimento d e c r i m e s c o m o o tráfico h u m a n o . 2 6 1 . O tráfico h u m a n o , q u e e s t e n d e s e u s tentáculos p o r t o d a s a s p a r t e s d o m u n d o , s e d e s e n v o l v e n u m a m b i e n t e d e exploração d e p e s s o a s p a r a o l u c r o . C h a m a a atenção a c r u e l d a d e c o m q u e s e e x p l o r a a s vítimas, e n t e n d i d a s c o m o o b j e t o s à disposição p a r a exploração e l u c r o . A exploração o c o r r e p o r m e i o d a v e n d a d e p e s s o a s , d e p a r t e s d o c o r p o h u m a n o , d a exploração d o c o r p o e m a t i v i d a d e s s e x u a i s , d e t r a b a l h o s forçados, s e m a s mínimas condições. V i o l a m - s e a d i g n i d a d e e a i n t i m i d a d e d a p e s s o a ; e l a s são t r a t a d a s c o m e x t r e m a violência e , p o r v e z e s , m o r t a s . 2 6 2 . D i a n t e d e u m c r i m e q u e c l a m a a o s céus, c o m o o tráfico h u m a n o , não s e p o d e p e r m a n e c e r i n d i f e r e n t e , s o b r e t u d o o s discípulos-missionários. A Conferência d e A p a r e c i d a r e a f i r m o u à I g r e j a l a t i n o - a m e r i c a n a q u e s u a missão i m p l i c a n e c e s s a r i a m e n t e a d v o g a r p e l a justiça e d e f e n d e r o s p o b r e s , e s p e c i a l m e n t e e m relação às situações q u e e n v o l v e m m o r t e . 263. A Igreja, servidora d o Deus da vida, fundada e m Jesus Cristo, acredita sempre n o advento d e u m a nova-era, marcada pelo a m o r e valorização d a v i d a , o q u e é t e s t e m u n h a d o p e l o s e u h i s tórico d e s o l i d a r i e d a d e e c o m p r o m i s s o c o m p e s s o a s v i t i m a d a s p o r d i v e r s a s f o r m a s d e destruição d a v i d a e d e e m p e n h o n a s u peração d e injustiças.'" P a r a a I g r e j a , e n v o l v e r - s e e f e t i v a m e n t e n o e n f r e n t a m e n t o d o tráfico h u m a n o é p r e m e n t e e m s u a missão, que exige estar ao lado dos pobres e sofredores e, sobretudo, d o s q u e s o f r e m c o m injustiças. 1 7 4 C E L A M . Documento 1 7 5 C N B B . Diretrizes 98 de Aparecida, n . 3 9 5 . gerais da ação evangelizadora da Igreja no Brasil 2011 - 2015, n . 6 6 .
    • 264. Que a Campanha d a Fraternidade suscite, c o m as luzes d o Espírito d e D e u s , m u i t a s ações e p a r c e r i a s q u e c o n t r i b u a m p a r a a erradicação d a n o s s a s o c i e d a d e d e s s a c h a g a d e s u m a n i z a n t e , que impede pessoas d et r i l h a r e m seus caminhos e crescerem c o m o filhos e filhas d eDeus. Afinal, foi para a liberdade que Cristo nos libertou. 2 6 5 . A V i r g e m d a s D o r e s , q u e a m p a r o u s e u F i l h o c r u c i f i c a d o , faça c r e s c e r e n t r e o s cristãos e p e s s o a s d e b o a v o n t a d e a s o l i c i t u d e p e l o s irmãos e irmãs e x p l o r a d o s c r u e l m e n t e p e l o tráfico h u m a n o . E , s o b s u a intercessão, s e j a m f r u t u o s a s a s ações d e e n f r e n t a m e n t o desse crime, de cuidado c o m os resgatados e de ajuda n a s u a prevenção, p a r a a edificação d e u m a s o c i e d a d e v e r d a d e i ramente humana e fraterna. Anexo V i a g e m a L a m p e d u s a - Itália S a n t a M i s s a p e l a s vítimas d o s naufrágios Homília d o S a n t o P a d r e Francisco C a m p o Desportivo "Arena" na Localidade Salina Segunda-feira, 8 de Julho de 2013'^'' E m i g r a n t e s m o r t o s n o m a r ; barcos q u e e m vez de ser u m a r o t a d e esperança, f o r a m u m a r o t a d e m o r t e . A s s i m r e c i t a v a o título d o s j o r n a i s . D e s d e há a l g u m a s s e m a n a s , q u a n d o t i v e c o n h e c i m e n t o d e s t a notícia ( q u e i n f e l i z m e n t e s e v a i r e p e t i n d o t a n t a s v e z e s ) , o c a s o v o l t a - m e c o n t i n u a m e n t e a o p e n s a m e n t o c o m o u m e s p i n h o n o coração q u e f a z d o e r . E então s e n t i o d e v e r d e v i r a q u i h o j e p a r a r e z a r , p a r a c u m p r i r u m g e s t o d e s o l i d a r i e d a d e , m a s também p a r a d e s p e r t a r a s n o s s a s 1 7 6 Disponível e m :littp://vww.vatican.va/holy_father/francesco/homilies/2013/documents/ papa-francesco_20130708_omelia-lampedusa_po.html, Acesso em: 27/08/2013. 99
    • consciências a fim d e q u e não s e r e p i t a o q u e a c o n t e c e u . Q u e não s e r e p i t a , p o r f a v o r . A n t e s , porém, q u e r o d i z e r u m a p a l a v r a d e s i n c e r a gratidão e e n c o r a j a m e n t o a vós, h a b i t a n t e s d e L a m p e d u s a e L i n o s a , às associações, a o s voluntários e às forças d e segurança, q u e t e n d e s d e m o n s t r a d o - e c o n t i n u a i s a d e m o n s t r a r - atenção p o r p e s s o a s e m v i a g e m r u m o a qualquer coisa de melhor. Sois u m a realidade pequena, mas ofereceis u m e x e m p l o de solidariedade! Obrigado! Obrigado também a o A r c e b i s p o D o m F r a n c e s c o I V I o n t e n e g r o p e l a s u a a j u d a , o s e u t r a b a l h o e a s u a s o l i d a r i e d a d e p a s t o r a l . Saúdo c o r d i a l m e n t e a P r e s i d e n t e d a Câmara S e n h o r a G i u s i N i c o l i n i , m u i t o o b r i g a d o p o r a q u i l o q u e f e z e f a z . D e s e j o s a u d a r o s q u e r i d o s e m i g r a n t e s muçulmanos q u e h o j e , à n o i t e , começam o j e j u m d o Ramadão, d e s e j a n d o - l h e s a b u n d a n t e s f r u t o s e s p i r i t u a i s . A I g r e j a está a o v o s s o l a d o n a b u s c a d e u m a v i d a m a i s d i g n a p a r a vós e v o s s a s famílias. A vós d i g o : oshiàl N e s t a manhã q u e r o , à l u z d a P a l a v r a d e D e u s q u e e s c u t a m o s , p r o p o r a l g u m a s p a l a v r a s q u e s e j a m s o b r e t u d o u m a provocação à consciência d e t o d o s , q u e a t o d o s i n c i t e m a r e f l e t i r e m u d a r c o n c r e t a m e n t e certas atitudes. "Adão, o n d e estás?": é a p r i m e i r a p e r g u n t a q u e D e u s f a z a o h o m e m d e p o i s d o p e c a d o . " O n d e estás, Adão?" E Adão é u m h o m e m d e s o r i e n t a d o , q u e p e r d e u o s e u l u g a r n a criação, p o r q u e presume q u e vai tornar-se p o d e r o s o , p o d e r d o m i n a r t u d o , ser Deus. E quebra-se a h a r m o n i a , o h o m e m e r r a ; e o m e s m o s e p a s s a n a relação c o m o o u t r o , q u e já não é o irmão a a m a r , m a s s i m p l e s m e n t e o o u t r o q u e perturba a m i n h a vida, o m e u bem-estar. E Deus, coloca a segunda p e r g u n t a : " C a i m , o n d e está o t e u irmão?" O s o n h o d e s e r p o d e r o s o , ser grande c o m o D e u s o u , m e l h o r , ser Deus, leva a u m a cadeia d e e r r o s q u e é c a d e i a d e m o r t e : l e v a a d e r r a m a r o s a n g u e d o irmão! E s t a s d u a s p e r g u n t a s d e D e u s r e s s o a m , também h o j e , c o m t o d a a s u a força! M u i t o s d e nós - e n e s t e número m e i n c l u o também e u - e s t a m o s d e s o r i e n t a d o s , já não e s t a m o s a t e n t o s a o m u n d o e m q u e v i v e m o s , não c u i d a m o s n e m g u a r d a m o s a q u i l o q u e D e u s c r i o u p a r a t o d o s , e já não s o m o s c a p a z e s s e q u e r d e n o s g u a r d a r u n s c o m o s o u t r o s . E , q u a n d o e s t a desorientação a t i n g e a s dimensões d o m u n d o , c h e g a - s e a tragédias c o m o a q u e l a a q u e a s s i s t i m o s . 100
    • " O n d e está o t e u irmão? A v o z d o s e u s a n g u e c l a m a até M i m " , d i z o S e n h o r D e u s . E s t a não é u m a p e r g u n t a p o s t a a o u t r e m ; é u m a p e r g u n t a p o s t a a m i m , a t i , a c a d a u m d e nós. E s t e s n o s s o s irmãos e irmãs p r o c u r a v a m s a i r d e situações difíceis, p a r a e n c o n t r a r e m u m p o u c o d e s e r e n i d a d e e d e p a z ; p r o c u r a v a m u m l u g a r m e l h o r p a r a s i e s u a s famílias, m a s e n c o n t r a r a m a m o r t e . Q u a n t a s v e z e s o u t r o s q u e p r o c u r a m o m e s m o não e n c o n t r a m compreensão, não e n c o n t r a m a c o l h i m e n t o , não e n c o n t r a m s o l i d a r i e d a d e ! E a s s u a s v o z e s s o b e m até D e u s ! U m a v e z m a i s v o s agradeço, h a b i t a n t e s d e L a m p e d u s a , p e l a s o l i d a r i e d a d e . R e c e n t e m e n t e f a l e i c o m u m d e s t e s irmãos. A n t e s d e c h e g a r a q u i , p a s s a r a m p e l a s mãos d o s t r a f i c a n t e s , d a q u e l e s q u e e x p l o r a m a p o b r e z a dos outros, daquelas pessoas para q u e m a pobreza dos o u t r o s é u m a f o n t e d e l u c r o . Q u a n t o s o f r e r a m ! E a l g u n s não c o n s e g u i r a m c h e g a r . " O n d e está o t e u irmão?" Q u e m é o responsável p o r e s t e s a n g u e ? N a l i t e r a t u r a e s p a n h o l a , há u m a comédia d e Félix L o p e d e V e g a , q u e c o n t a c o m o o s h a b i t a n t e s d a c i d a d e d e Fuente Ovejuna m a t a m o G o v e r n a d o r , p o r q u e é u m t i r a n o , m a s f a z e m - n o d e m o d o q u e não s e s a i b a q u e m r e a l i z o u a execução. E, q u a n d o o j u i z d o r e i p e r g u n t a " q u e m m a t o u o G o v e r n a d o r " , t o d o s r e s p o n d e m : "Fuente Ovejuna, s e n h o r " . T o d o s e ninguém! Também h o j e a s s o m a i n t e n s a m e n t e e s t a p e r g u n t a : Q u e m é o responsável p e l o s a n g u e d e s t e s irmãos e irmãs? Ninguém! T o d o s nós r e s p o n d e m o s a s s i m : não s o u e u , não t e n h o n a d a a v e r c o m i s s o ; serão o u t r o s , e u não c e r t a m e n t e . M a s D e u s p e r g u n t a a c a d a u m d e nós: " O n d e está o s a n g u e d o t e u irmão q u e c l a m a até M i m ? " H o j e ninguém n o m u n d o s e s e n t e responsável p o r i s s o ; p e r d e m o s o s e n t i d o d a r e s p o n s a b i l i d a d e f r a t e r n a ; caímos n a a t i t u d e hipócrita d o s a c e r d o t e e d o l e v i t a d e q u e f a l a v a J e s u s n a parábola d o B o m S a m a r i t a n o : a o v e r m o s o irmão q u a s e m o r t o n a b e i r a d a e s t r a d a , t a l v e z p e n s e m o s " c o i t a d o " e p r o s s e g u i m o s o n o s s o c a m i n h o , não é d e v e r n o s s o ; e i s t o b a s t a p a r a n o s tranqüilizarmos, p a r a s e n t i r m o s a consciência e m o r d e m . A c u l t u r a d o b e m - e s t a r , q u e n o s l e v a a p e n s a r e m nós m e s m o s , t o r n a - n o s insensíveis a o s g r i t o s d o s o u t r o s , f a z - n o s v i v e r c o m o s e fôss e m o s b o l a s d e sabão: e s t a s são b o n i t a s , m a s não são n a d a , são p u r a ilusão d o fútil, d o provisório. E s t a c u l t u r a d o b e m - e s t a r l e v a à i n d i f e rença a r e s p e i t o d o s o u t r o s ; a n t e s , l e v a à globalização d a indiferença. N e s t e m u n d o d a globalização, caímos n a globalização d a indiferença. 101
    • H a b i t u a m o - n o s a o s o f r i m e n t o d o o u t r o , não n o s d i z r e s p e i t o , não n o s i n t e r e s s a , não é r e s p o n s a b i l i d a d e n o s s a ! Reaparece a figura d o" I n o m i n a d o " d eAlexandre IVIanzoni. A globalização d a indiferença t o r n a - n o s a t o d o s " i n o m i n a d o s " , r e s p o n sáveis s e m n o m e n e m r o s t o . "Adão, o n d e estás?" e " o n d e está o t e u irmão?" são a s d u a s p e r g u n t a s q u e D e u s c o l o c a n o início d a história d a h u m a n i d a d e e d i r i g e também a t o d o s o s h o m e n s d o n o s s o t e m p o , i n c l u i n d o nós próprios. iVIas e u q u e r i a q u e n o s puséssemos u m a t e r c e i r a p e r g u n t a : " Q u e m d e nós c h o r o u p o r e s t e f a t o e p o r f a t o s c o m o e s t e ? " Q u e m c h o r o u p e l a m o r t e d e s t e s irmãos e irmãs? Q u e m c h o r o u p o r e s t a s p e s s o a s q u e v i n h a m n o b a r c o ? P e l a s mães j o v e n s q u e t r a z i a m o s s e u s f i l h o s ? P o r e s t e s h o m e n s c u j o d e s e j o e r a c o n s e g u i r q u a l q u e r c o i s a p a r a s u s t e n t a r as próprias famílias? S o m o s u m a s o c i e d a d e q u e e s q u e c e u a experiência d e c h o r a r , d e " p a d e c e r c o m " : a globalização da'indiferença t i r o u - n o s a capacidade d e chorar! No Evangelho, o u v i m o s o brado, o choro, o g r a n d e l a m e n t o : " R a q u e l c h o r a o s s e u s f i l h o s [...], p o r q u e já não e x i s t e m " . Herodes s e m e o u m o r t e para defender o seu bem-estar, a sua própria b o l a d e sabão. E i s t o c o n t i n u a a r e p e t i r - s e . . . P e c a m o s a o S e n h o r q u e a p a g u e também o q u e r e s t a d e H e r o d e s n o n o s s o coração; p e c a m o s a o S e n h o r a graça d e c h o r a r p e l a n o s s a indiferença, d e c h o r a r p e l a c r u e l d a d e q u e há n o m u n d o , e m nós, i n c l u i n d o a q u e l e s q u e , n o a n o n i m a t o , t o m a m decisões socioeconômicas q u e a b r e m a e s t r a d a a o s dramas c o m o este. " Q u e m chorou?" Q u e m chorou hoje n o m u n d o ? S e n h o r , n e s t a L i t u r g i a , q u e é u m a l i t u r g i a d e penitência, p e d i m o s perdão p e l a indiferença p o r t a n t o s irmãos e irmãs; p e d i m o - V o s perdão. P a i , p o r q u e m s e a c o m o d o u , e s e f e c h o u n o s e u próprio b e m - e s t a r q u e l e v a à a n e s t e s i a d o coração; p e d i m o - V o s perdão p o r a q u e l e s q u e , c o m a s s u a s decisões a nível m u n d i a l , c r i a r a m situações q u e c o n d u z e m a e s t e s d r a m a s . Perdão, S e n h o r ! Senhor, fazei que h o j e ouçamos também a s t u a s pergun- t a s : "Adão, o n d e estás?" e " O n d e está o s a n g u e d o t e u irmão?" 102
    • A Campanha d a Fraternidade é u m grande i n s t r u m e n t o para d e s e n v o l v e r o espírito q u a r e s m a l d e conversão, renovação i n t e r i o r e ação comunitária, c o m o a v e r d a d e i r a penitência q u e D e u s q u e r d e nós e m preparação à Pásòoa. É m o m e n t o d e conversão, d e prática d e g e s t o s c o n c r e t o s d e f r a t e r n i d a d e , d e exercício d e u m a v e r d a d e i r a p a s t o r a l d e c o n j u n t o e m p r o l d a transformação d e situações i n j u s t a s e não cristãs. E p r e c i o s o m e i o p a r a a evangelização n o t e m p o quaresmal, r e t o m a n d o a pregação d o s p r o f e t a s , c o n f i r m a d a p o r C r i s t o , s e g u n d o a q u a l a v e r d a d e i r a penitência q u e a g r a d a a D e u s é r e p a r t i r o pão c o m q u e m t e m f o m e , dar de vestir ao maltrapilho, libertar os o p r i m i d o s , p r o m o v e r a todos. A Campanha da Fraternidade tornou-se especial manifestação d e evangelização l i b e r t a d o r a , p r o v o c a n d o , a o m e s m o t e m p o , a renovação d a v i d a d a I g r e j a e a transformação d a s o c i e d a d e , a p a r t i r d e p r o b l e m a ^ específicos, t r a t a d o s à l u z d o P r o j e t o d e D e u s . 1 . N a t u r e z a e histórico d a C F Em 1 9 6 1 , três p a d r e s responsáveis p e l a Caritas Brasileira i d e a l i z a r a m u m a c a m p a n h a p a r a a r r e c a d a r f u n d o s p a r a as a t i v i d a d e s a s s i s t e n c i a i s e p r o m o c i o n a i s d a instituição e torná-la, a s s i m , autônom a f i n a n c e i r a m e n t e . A a t i v i d a d e f o i c h a m a d a Campanha da Fraternidade e r e a l i z a d a , p e l a p r i m e i r a v e z , n a Q u a r e s m a d e 1 9 6 2 , e m N a t a l - R N , c o m adesão d e o u t r a s três d i o c e s e s e a p o i o financeiro dos bispos norte-americanos. No ano seguinte, dezesseis dioceses do Nordeste r e a l i z a r a m a C a m p a n h a . Não t e v e êxito financeiro, m a s f o i o embrião de u m p r o j e t o anual dos O r g a n i s m o s Nacionais da CNBB e das Igrejas Particulares n o Brasil, realizado à luz e na perspectiva das Diretrizes G e r a i s d a Ação P a s t o r a l ( E v a n g e l i z a d o r a ) d a I g r e j a e m n o s s o país. 103
    • E m s e u início, t e v e d e s t a c a d a atuação o S e c r e t a r i a d o Nacional d e Ação S o c i a l d a C N B B , s o b c u j a dependência e s t a v a a C a r i t a s B r a s i l e i r a , q u e f o r a f u n d a d a n o B r a s i l e m 1 9 5 7 . N a época, o responsável p e l o S e c r e t a r i a d o d e Ação S o c i a l e r a d o m Eugênio d e Araújo S a l e s , e, p o r i s s o , p r e s i d e n t e d a C a r i t a s B r a s i l e i r a . O f a t o d e ser a d m i n i s t r a d o r apostólico d e N a t a l - R N e x p l i c a q u e a C a m p a n h a t e n h a i n i c i a d o n a q u e l a circunscrição eclesiástica e e m t o d o o R i o G r a n d e d o N o r t e . E s s e p r o j e t o f o i lançado, e m âmbito n a c i o n a l , n o d i a 2 6 d e d e z e m b r o d e 1 9 6 3 , s o b o i m p u l s o r e n o v a d o r d o espírito d o C o n c i l i o V a t i c a n o I I , e m a n d a m e n t o n a época, e r e a l i z a d o p e l a p r i m e i r a v e z na Q u a r e s m a de 1 9 6 4 . O t e m p o d o Concilio foi f u n d a m e n t a l para a concepção, estruturação e e n c a m i n h a m e n t o s d a C F , d o P l a n o d e P a s t o r a l d e Emergência, d o P l a n o d e P a s t o r a l d e C o n j u n t o e d e o u t r a s i n i c i a t i v a s d e renovação e c l e s i a l . A o l o n g o d e q u a t r o a n o s s e g u i d o s , p o r u m período e x t e n s o e m c a d a u m , o s b i s p o s f i c a r a m h o s p e d a d o s n a m e s m a c a s a , e m R o m a , p a r t i c i p a n d o d a s sessões d o C o n c i l i o e d e d i v e r s o s m o m e n t o s d e reunião, e s t u d o , t r o c a d e experiências. N e s s e c o n t e x t o , nasceu e cresceu a CE E m 20 d ed e z e m b r o d e 1964, o sbispos aprovaram o projeto inicial da campanha, i n t i t u l a d o " C a m p a n h a da Fraternidade: pontos fundamentais apreciados pelo episcopado e m Roma". E m 1965, tanto a Caritas q u a n t o a C a m p a n h a da Fraternidade, que estavam vinculad a s a o S e c r e t a r i a d o N a c i o n a l d e Ação S o c i a l , f o r a m v i n c u l a d a s d i r e t a m e n t e a o Secretariado Geral da CNBB. A CNBB, passou a assumir a C R N e s s a transição, f o i e s t a b e l e c i d a a estruturação básica d a C F Em 1 9 6 7 começou a s e r r e d i g i d o u m subsídio, m a i o r q u e o s a n t e r i o r e s , p a r a a organização a n u a l d a C F N e s s e m e s m o a n o , i n i c i a r a m - s e , t a m bém, o s e n c o n t r o s n a c i o n a i s d a s Coordenações N a c i o n a l e R e g i o n a i s d a C F A p a r t i r d e 1 9 7 1 , t a n t o a Presidência d a C N B B c o m o a C o m i s são E p i s c o p a l d e P a s t o r a l começaram a t e r u m a participação m a i s intensa e m t o d o o processo da CR E m 1 9 7 0 , a CF g a n h o u u m especial e significativo apoio: a m e n s a g e m d o P a p a , t r a n s m i t i d a e m c a d e i a n a c i o n a l d e rádio e televisão, q u a n d o d e sua abertura, n a Quarta-feira d e Cinzas. A mensagem papal c o n t i n u a e n r i q u e c e n d o a a b e r t u r a da CR 104
    • 2. Objetivos permanentes da Campanha da Fraternidade: a. D e s p e r t a r o espírito comunitário e cristão n o p o v o d e D e u s , c o m p r o m e t e n d o , e m p a r t i c u l a r , o s cristãos n a b u s c a d o b e m c o m u m ; b. e d u c a r p a r a a v i d a e m f r a t e r n i d a d e , a p a r t i r d a justiça e d o a m o r , exigência c e n t r a l d o E v a n g e l h o ; c. r e n o v a r a consciência d a r e s p o n s a b i l i d a d e d etodos pela ação d a I g r e j a n a evangelização, n a promoção h u m a n a , e m v i s t a d e u m a s o c i e d a d e j u s t a e solidária ( t o d o s d e v e m e v a n g e l i z a r e t o d o s d e v e m s u s t e n t a r a ação e v a n g e l i z a d o r a e libertadora da Igreja). 3. Os t e m a s da c a m p a n h a da fraternidade O s t e m a s d a CF, i n i c i a l m e n t e , c o n t e m p l a r a m m a i s a v i d a i n t e r n a d a I g r e j a . A consciência s e m p r e m a i o r d a situação d e injustiça, d e exclusão e d e c r e s c e n t e miséria l e v o u à e s c o l h a d e a s p e c t o s bem d e t e r m i n a d o s d a r e a l i d a d e socioeconômica e política b r a s i l e i r a . O r e s t a b e l e c i m e n t o d a justiça e d a f r a t e r n i d a d e n e s s a s situações e r a c o m p r o m i s s o u r g e n t e d a fé. 1" F a s e : E m b u s c a d a renovação i n t e r n a d a I g r e j a a. Renovação d a I g r e j a C F 1 9 6 4 : I g r e j a e m renovação - Lembre-se: você também é Igreja C F 1 9 6 5 : Paróquia e m renovação - Faça de sua paróquia uma comunidade de fé, culto e amor h. Renovação d o cristão C F 1 9 6 6 : F r a t e r n i d a d e - Somos responsáveis uns pelos outros C F 1 9 6 7 : C o r r e s p o n s a b i l i d a d e - Somos todos iguais, somos todos irmãos C F 1 9 6 8 : Doação - Crer com as mãos 105
    • C F 1 9 6 9 : D e s c o b e r t a - Para o outro, o próximo é você C F 1 9 7 0 : Participação - Participar C F 1 9 7 1 : Reconciliação -/?econcí7íflr C F 1 9 7 2 : Serviço e vocação - Descubra a felicidade de servir 2" F a s e : A I g r e j a s e p r e o c u p a c o m a r e a l i d a d e s o c i a l d o p o v o , d e n u n c i a n d o o p e c a d o s o c i a l e p r o m o v e n d o a justiça ( V a t i c a n o I I , Medellín e P u e b l a ) N e s t e período m a r c a d o p o r g r a v e s injustiças e restrições s o c i o políticas n o país, a I g r e j a , p o r m e i o d a C a m p a n h a d a F r a t e r n i d a d e , c o n t r i b u i u p a r a q u e o c h a m a d o à conversão próprio d a Q u a r e s m a s e e s t e n d e s s e a o âmbito comunitário e s o c i a l , d e s p e r t a n d o a s c o n s ciências p a r a a s g r a v e s injustiças e x i s t e n t e s n a s e s t r u t u r a s d o país, e m v i s t a d e ações t r a n s f o r m a d o r a s . A s s i m , a Páscoa r e p e r c u t i u n a história d o p o v o b r a s i l e i r o g e r a n d o f r a t e r n i d a d e e v i d a . C F 1 9 7 3 : F r a t e r n i d a d e e libertação - O egoísmo escraviza, o amor liberta C F 1 9 7 4 : R e c o n s t r u i r a v i d a - Onde está o teu irmão? C F 1 9 7 5 : F r a t e r n i d a d e é r e p a r t i r - Repartir o pão C F 1 9 7 6 : F r a t e r n i d a d e e c o m u n i d a d e - Caminhar juntos C F 1 9 7 7 : F r a t e r n i d a d e n a família - Comece em sua casa C F 1 9 7 8 : F r a t e r n i d a d e n o m u n d o d o t r a b a l h o - Trabalho e justiça para todos C F 1 9 7 9 : P o r u m m u n d o m a i s h u m a n o - Preserve o que é de todos C F 1 9 8 0 : F r a t e r n i d a d e n o m u n d o d a s migrações: exigência d a e u c a r i s t i a - Para onde vais? C F 1 9 8 1 : Saúde e f r a t e r n i d a d e - Saúde para todos C F 1 9 8 2 : Educação e f r a t e r n i d a d e - y 4 verdade vos libertará C F 1 9 8 3 : F r a t e r n i d a d e e violência - Fraternidade sim, violência não C F 1 9 8 4 : F r a t e r n i d a d e e v i d a - Para que todos tenham vida 106
    • 3" F a s e : A I g r e j a s e v o l t a p a r a situações e x i s t e n c i a i s d o p o v o b r a s i l e i r o N e s t a f a s e , c o m a realização d a s C a m p a n h a d a Fraternidade, a I g r e j a t e m contribuído a o e v i d e n c i a r situações q u e c a u s a m s o f r i m e n t o e m o r t e e m meio a o povo brasileiro, n e msempre percebidas p o r t o d o l s . É q u a n d o o Brasil r e e n c o n t r a s e u l o n g o c a m i n h o r u m o à construção d e u m a s o c i e d a d e democrática, c a p a z d e i n t e g r a r t o d o s os seus filhos e filhas. C F 1 9 8 5 : F r a t e r n i d a d e e f o m e - Pão para quem tem fome C F 1 9 8 6 : F r a t e r n i d a d e e t e r r a - Terra de Deus, terra de irmãos C F 1 9 8 7 : A f r a t e r n i d a d e e o m e n o r - Quem acolhe o menor, a Mim acolhe C F 1 9 8 8 : A f r a t e r n i d a d e e o n e g r o - Ouvi o clamor deste povo! C F 1 9 8 9 : A f r a t e r n i d a d e e a comunicação - Comunicação para a verdade e a paz C F 1 9 9 0 : A f r a t e r n i d a d e e a m u l h e r - Mulher e homem: imagem de Deus C F 1 9 9 1 : A f r a t e r n i d a d e e o m u n d o d o t r a b a l h o - Solidários na dignidade do trabalho C F 1 9 9 2 : F r a t e r n i d a d e e j u v e n t u d e - J u v e n t u d e : caminho aberto C F 1 9 9 3 : F r a t e r n i d a d e e m o r a d i a - Onde moras? C F 1 9 9 4 : A f r a t e r n i d a d e e a família - y 4 / a m / I i a , como vai? C F 1 9 9 5 : A f r a t e r n i d a d e e o s excluídos - Eras Tu, Senhor?! C F 1 9 9 6 : A f r a t e r n i d a d e e a política - Justiça e paz se abraçarão! C F 1 9 9 7 : A f r a t e r n i d a d e e o s e n c a r c e r a d o s - Cristo liberta de todas as prisões! C F 1 9 9 8 : A f r a t e r n i d a d e e a educação - A serviço da vida e da esperança! CF 1999: Fraternidade e o s desempregados - Sem trabalho... Por quê? C F 2 0 0 0 : Ecumênica: D i g n i d a d e h u m a n a e p a z - Aíovo milênio sem exclusões C F 2 0 0 1 : C a m p a n h a d a f r a t e r n i d a d e - Vida sim, drogas não! 107
    • C F 2 0 0 2 : F r a t e r n i d a d e e p o v o s indígenas - Por uma terra sem males! CF 2003: Fraternidade e p e s s o a s i d o s a s - Vida, dignidade e esperança! C F 2 0 0 4 : F r a t e r n i d a d e e água -Água, fonte de vida C F 2 0 0 5 : Ecumênica: S o l i d a r i e d a d e e p a z - Felizes os que promovem a paz C F 2 0 0 6 : F r a t e r n i d a d e e p e s s o a s c o m deficiência - "Levanta-te, vem para o meio" (Mc 3,3) C F 2 0 0 7 : F r a t e r n i d a d e e Amazônia - Vida e missão neste chão C F 2 0 0 8 : F r a t e r n i d a d e e d e f e s a d a v i d a - Escolhe, pois, a vida (Dt 30,19) C F 2 0 0 9 : F r a t e r n i d a d e e segurança pública - A paz é fruto da justiça (Is 32,17) C F 2 0 1 0 : Ecumênica: E c o n o m i a e V i d a - Vocês não podem servir a Deus e ao Dinheiro (Mt 6,24) C F 2 0 1 1 : F r a t e r n i d a d e e a V i d a n o P l a n e t a - A criação geme em dores de parto (Rm 8,22) C F 2 0 1 2 : F r a t e r n i d a d e e Saúde Pública - Que a saúde se difunda sobre a terra (cf Eclo 38,8) C F 2 0 1 3 : F r a t e r n i d a d e e J u v e n t u d e -£/s-me aqui, envia-me! (Is 6,8) E m 2 0 1 3 , a C a m p a n h a d a F r a t e r n i d a d e c h e g o u à quinquagésim a edição. A o R e c o r d a r m o s o c a m i n h o p e r c o r r i d o p e l a C a m p a n h a d a F r a t e r n i d a d e , p e r c e b e m o s q u e a I g r e j a Católica e x e r c e u s u a missão d e a n u n c i a r J e s u s C r i s t o , c o m p r o m i s s a d a c o m a c a m i n h a d a histórica d o p o v o b r a s i l e i r o , a p o n t a n d o p a r a a superação d e injustiças e i l u m i n a n d o a v i d a d e t o d o s c o m a f r a t e r n i d a d e , e m v i s t a d a construção d e u m a s o c i e d a d e d e irmãos e irmãs. O itinerário d a C a m p a n h a d a F r a t e r n i d a d e c o n t i n u a e m 2 0 1 4 c o m o t e m a : F r a t e r n i d a d e e Tráfico H u m a n o : É para a liberdade que Cristo nos libertou (Gl 5,1). 108
    • 4. Ogesto concreto — coleta da solidariedade A Campanha d aFraternidade se expressa concretamente pela o f e r t a d e doações e m d i n h e i r o n a coleta da solidariedade, r e a l i z a d a n o Domingo d eRamos. É u m gesto concreto d e fraternidade, partilha e s o l i d a r i e d a d e , f e i t o e m âmbito n a c i o n a l , e m t o d a s a s c o m u n i d a d e s cristãs, paróquias e d i o c e s e s . A C o l e t a d a S o l i d a r i e d a d e é p a r t e integrante da C a m p a n h a da Fraternidade. ^ S O U D A K I h D A D E * Jk Ubiil ^ de2014Íg^ÍÉ^^ As equipes de campanha e de liturgia das c o m u n i d a d e s eclesiais são c o n v i d a d a s a o r g a n i z a r o g e s t o c o n c r e t o d e s o l i d a r i e d a d e d u r a n t e o t e m p o f o r t e d a C a m p a n h a , q u e v a i d o início d a Q u a r e s m a , n a q u a r t a - f e i r a d e c i n z a s , 0 5 d e março, até o D o m i n g o d e R a m o s , q u e a n t e c e d e a Páscoa. Bispos, padres, r e l i g i o s o s ( a s ) , lideranças l e i g a s , a g e n t e s d e p a s t o r a l , colégios católicos e m o v i m e n t o s e c l e s i a i s são o s p r i n c i p a i s motivadores e animadores d a C a m p a n h a d a Fraternidade. A Igreja e s p e r a q u e c o m est§ motivação t o d o s p a r t i c i p e m , o f e r e c e n d o s u a s o l i d a r i e d a d e e m f a v o r d a s p e s s o a s , g r u p o s e c o m u n i d a d e s , p o i s : "Ao longo de uma história de solidariedade e compromisso com as incontáveis vítimas das inúmeras formas de destruição da vida, a Igreja se reconhece servidora do Deus da vida" ( D G A E , n . 6 6 ) . O g e s t o f r a t e r n o d a o f e r t a t e m u m caráter d e conversão q u a r e s m a l , condição p a r a q u e a d v e n h a u m n o v o t e m p o m a r c a d o p e l o a m o r e p e l a valorização d a v i d a . 5. Os f u n d o s de solidariedade o r e s u l t a d o i n t e g r a l d a s c o l e t a s r e a l i z a d a s n a s celebrações d o D o m i n g o de Ramos, coleta da solidariedade, c o m o u s e m envelope, deve ser e n c a m i n h a d o à respectiva Diocese. 109
    • D o total arrecadado pela Coleta da Solidariedade, a Diocese deve e n v i a r 40% a o F u n d o N a c i o n a l d e S o l i d a r i e d a d e ( F N S ) , g e r i d o p e l a C N B B . A outra parte (60%) permanece nas Dioceses para atender projetos locais, p e l o s r e s p e c t i v o s F u n d o s D i o c e s a n o s de S o l i d a r i e d a d e (FDS). Doações p a r a o F u n d o N a c i o n a l d e S o l i d a r i e d a d e d a C N B B , p a r a aplicação e m p r o j e t o s s o c i a i s , p o d e m s e r e f e t u a d o s n a c o n t a i n d i c a da abaixo, ao l o n g o de t o d o o ano. P A R A DEPÓSITO D O S 40% d a C o l e t a d a Solidariedade (Fundo Nacional de Solidariedade - CNBB) l i x a Econômica F e d e r a l , Agência 2 2 2 0 - C o n t a C o r r e n t e - 2 0 . 1 í E n v i a r c o m p r o v a n t e d o depósito p a r a e - m a i l - nnaiiceiro@cnbb.org.br Correspondências - endereço: SE/Sul Q d . 8 0 1 C o n j . B C E P 7 0 . 2 0 0 - 0 1 4 - Brasília-DF C o n t a t o p e l o t e l e f o n e (61) 2 1 0 3 - 8 3 0 0 (falar na t e s o u r a r i a 5.1. BU;' A destinação d o s r e c u r s o s whf!', ' ! ) 0 m BJ-ÍO iüíO S U p B T J O s r e c u r s o s a r r e c a d a d o s serão d e s t i n a d o s p r e f e r e n c i a l m e n t e a p r o j e tos que a t e n d e m aos objetivos propostos pela CF 2 0 1 4 , c o m o foco voltad o p a r a ações q u e s e r e v e r t a m e m benefício d o s a t i n g i d o s p e l o tráfico h u m a n o , b e m c o m o a a t i v i d a d e s d e e n f r e n t a m e n t o d e s t a prática c r i m i n o s a . 5.2. O trâmite d o s p r o j e t o s A recepção, análise d a v i a b i l i d a d e e a c o m p a n h a m e n t o d o d e senvolvimento dos projetos enviados ao Fundo Nacional d e Solidar i e d a d e ( F N S ) são t r a b a l h o s e x e c u t a d o s p e l a C N B B , e m p a r c e r i a c o m a Caritas Brasileira. A supervisão d o F u n d o , a destinação d o s r e c u r s o s e a aprovação d o s p r o j e t o s está a c a r g o d o C o n s e l h o G e s t o r d o F N S , a s s i m c o m p o s t o : Secretário G e r a l d a C N B B ; B i s p o P r e s i d e n t e d a Comissão E p i s c o p a l 110
    • p a r a o Serviço d a C a r i d a d e , d a Justiça e d a P a z e s u a Presidente d aCaritas Brasileira; Tesoureiro d aCNBB; assessoria; Representan- t e d o s Secretários E x e c u t i v o s d o s R e g i o n a i s d a C N B B e o Secretário Executivo da C a m p a n h a da Fraternidade. A s Organizações q u e d e s e j a m o b t e r a p o i o d o F u n d o N a c i o n a l d e S o l i d a r i e d a d e , d e a c o r d o c o m o s critérios d e destinação p r e v i s t o s p a r a a C F 2 0 1 4 , deverão e n c a m i n h a r o s p r o j e t o s a o s e g u i n t e endereço: htas Brasileira íácional d e S o l i d a r i e d a d e S G A N Q u a d r a 6 0 1 / Módulo F - A s a N o r t e C E P 7 0 . 8 3 0 - 0 1 0 - Brasília-DF Tel. ( 6 1 ) 3 5 2 1 - 0 3 5 0 O s p r o j e t o s , após análise, serão s u b m e t i d o s a o C o n s e l h o G e s t o r do FNS. O F u n d o D i o c e s a n o de Solidariedade (FDS), c o m p o s t o p o r 6 0 % da coleta d o D o m i n g o de R a m o s , é a d m i n i s t r a d o pelo C o n s e l h o Gest o r D i o c e s a n o , q u e p o d e s e r constituído c o m a participação d e u m a pessoa da Caritas Diocesana (onde ela existe), de u m r e p r e s e n t a n t e d a s P a s t o r a i s S o c i a i s , d a Coordenação d e P a s t o r a l D i o c e s a n a , d a E q u i p e d e animação d a s C a m p a n h a s , d o responsável p e l a administração da Diocese e de u m a pessoa ligada ao t e m a da C FO Bispo constitui este Conselho Gestor e n o r m a l m e n t e o preside. 6. Prestação d e C o n t a s — 2 0 1 2 (Repasse das Dioceses ao F N S ) A s e g u i r , a p r e s e n t a - s e a prestação d e c o n t a s d a c o l e t a d a s o l i d a - riedade da CF 2 0 1 2 , realizada e m 1 de abril de 2 0 1 2 . Consta da contribuição e n v i a d a a o F N S p e l a s D i o c e s e s , r e f e r e n t e a 40% d a c o l e t a .
    • 7. Contribuições p a r a o F u n d o N a c i o n a l d e S o l i d a r i d a d e 2013 Quadro Comparativo 2011/2012/2013 REGIONAL NORTE 1 Distribuição p o r D i o c e s e 2010 2011 2012 A l t o Solimões - A M 2.320,00 2.868,00 3.427,00 Borba - A M 1.405,00 1.362,65 1.577,00 Coari - A M 2.632,10 7.281,20 4.085,00 Itacoatiara - A M 1.032,00 - * Manaus - A M 35.000,00 37.000,00 53.504,15 Parintins - A M 2.350,00 3.000,00 2.327,88 Roraima -RR 11.292,09 11.958,34 15.119,12 - - 2.480,00 Tefé - A M 3.385,22 4.100,77 4.168,42 TOTAL 59.416,41 67.580,96 86.688,57 2010 2011 2012 Abaetetuba - PA 4.293,20 5.165,28 10.473,20 Belém - P A 20.648,25 23.542,49 39.600,00 Bragança D o P a r a - P A 6.293,35 6.331,28 6.734,95 Cametá - P A 2.897,42 4.120,08 4.135,00 Santíssima Conceição d o Araguaia - PA 4.279,96 3.862,68 5.000,00 Itaituba - PA 3.582,00 2.626,78 2.135,00 Macapá - A P 7.753,61 7.994,00 12.000,00 Marabá - P A 7.848,74 9.774,72 10.604,00 São G a b r i e l D a C a c h o e i r a - A M REGIONAL NORTE II Distribuição p o r D i o c e s e 112
    • Marajó - PA 1.794,02 2.277,60 1.803,48 Óbidos - PA 5.193,02 6.169,38 6.862,58 P o n t a D e P e d r a s - PA 1.172,84 430,20 709,40 Santarém - PA 10.214,29 7.810,74 10.778,90 X i n g u - PA 5.089,22 5.070,16 - C a s t a n h a ! - PA 2.416,00 - 7.000,00 83.475,92 85.175,39 117.836,51 2010 2011 2012 Palmas - T O 3.690,48 14.235,20 9.330,56 Miracema do Tocantins - T O 2.540,24 - 3.045,04 Porto Nacional - T O 1.271,40 1.300,00 - Cristalândia - T O 3.185,00 4.127,32 4.803,00 Tocantinópolis - T O 6.730,40 7.626,90 8.376,10 TOTAL 17.417,52 27.289,42 25.554,70 2010 2011 2012 Crateús - C E 4.510,00 7.308,00 8.726,00 C r a t o - CE 7.895,00 6.438,28 - Fortaleza - CE 57.523,56 76.846,41 87.794,15 I g u a t u - CE 4.240,00 3.505,10 4.642,30 Itapipoca - CE 2.388,56 4.877,22 6.578,59 L i m o e i r o D o N o r t e - CE 4.806,46 5.037,98 7.334,70 Quixadá - C E 1.722,35 1.236,74 2.490,84 Sobral - CE 6.248,56 5.643,16 7.817,92 Tianguá - C E 6.505,74 6.150,86 8.857,64 TOTAL 95.840,23 117.043,75 134.242,14 TOTAL REGIONAL NORTE lU Distribuição p o r Q i o c e s e REGIONAL NORDESTE 1 Distribuição p o r D i o c e s e
    • REGIONAL NORDESTE n Distribuição p o r D i o c e s e 2010 2011 2012 Afogados Da Ingazeira - PE 8.950,00 5.000,00 8.593,44 Caicó - R N 6.103,71 6.935,10 11.268,00 Cajazeiras - PB 6.830,64 8.414,74 11.069,20 Campina Grande - PB 8.509,58 7.330,32 12.109,90 Caruaru - PE 9.000,00 7.897,00 10.445,28 Floresta - PE 1.565,40 2.316,18 2.226,35 Garanhuns - PE 7.381,00 8.504,35 9.845,62 Guarabira - PB 4.977,54 5.052,82 6.290,12 Maceió - A L 19.000,00 20.150,00 27.154,60 Mossoró - R N 11.711,42 11.773,12 24.755,18 Natal - RN 30.117,98 37.'438,12 38.885,54 Nazaré D a M a t a - P E 7.371,58 5.997,77 9.755,00 Olinda E Recife - PE 55.002,96 28.488,55 45.509,32 Palmares - PE 4.448,50 5.833,00 5.712,00 P a l m e i r a D o s índios - A L 4.830,90 7.780,42 5.300,00 Paraíba - P B 14.150,00 17.050,00 17.650,00 Patos - PB 5.444,52 7.016,72 15.511,46 Penedo - AL 4.243,56 5.633,54 - Pesqueira - PE 3.115,00 • 4.860,30 Petrolina - PE 10.139,38 8.041,10 8.271,70 5.788,00 4.400,24 206.762,96 282.626,36 Salgueiro - PE TOTAL 222.894,77 REGIONAL NORDESTE III Distribuição p o r D i o c e s e 2010 2011 2012 A l a g o i n h a s - BA 5.709,80 5.781,00 10.693,35 A m a r g o s a - BA 7.205,82 7.803,20 8.352,70 Aracaju - SE 15.853,50 15.926,00 22.526,00 114
    • Barra - BA 3.287,18 3.891,42 4.375,48 Barreiras - BA 15.611,86 18.027,97 21.298,34 B o m Jesus da Lapa - BA 2.617,50 3.034,24 3.600,00 B o n f i m - BA 6.029,67 8.464,42 9.041,87 Caetité - B A 6.000,00 10.140,00 10.150,00 - 2.409,97 Camaçari - B A Estância - S E - 2.200,00 1.500,00 Eunápolis - B A 3.111,58 2.813,95 4.405,94 Feira de Santana - BA 8.863,18 12.575,78 12.261,14 illiéus - B A 5.781,80 5.380,28 5.643,48 irecê - B A 1.902,74 2.746,68 3.920,08 itabuna - BA 3.876,00 4.673,00 - Jequié - B A 5.087,00 - 5.354,80 Juazeiro - BA 3.858,96 3.620,88 4.709,80 Livramento d e Nossa Senhora - BA 5.010,00 3.620,00 5.600,00 Paulo Afonso - BA 4.549,72 4.393,60 8.393,60 Própria - S E 5.065,00 5.031,50 - Ruy Barbosa - BA 4.322,94 4.880,63 5.923,58 São S a l v a d o r d a B a h i a - B A 10.481,54 13.382,29 12.571,92 Serrinha - BA 8.976,88 10.832,74 15.400,00 Teixeira d e Freitas e Caravelas - BA 6.961,13 9.276,86 10.194,00 Vitória d a C o n q u i s t a - B A 10.763,60 10.810,00 14.733,92 TOTAL 151.927,50 166.912,84 203.059,97 REGIONAL NORDESTE IV Distribuição p o r D i o c e s e 2010 2011 2012 B o m J e s u s d e Gurguéia - P I 2.000,00 2.000,00 2.400,00 C a m p o M a i o r - PI 8.364,92 15.274,56 12.168,86 Floriano-Pl 1.695,30 2.051,34 2.842,50 115
    • Oeiras - PI 3.943,90 6.648,20 8.402,92 Parnaíba - P I 12.194,95 17.397,08 23.904,24 Picos - PI 4.756,32 5.863,08 5.570,90 São R a i m u n d o N o n a t o - P I 3.788,15 - 3.477,94 Teresina - PI 22.625,14 26.365,62 30.045,59 TOTAL 59.368,68 75.599,88 89.814,05 2010 20/í 2012 Bacabal - M A 10.628,08 13.477,00 15.597,70 Balsas - M A 2.788,48 2.451,50 4.422,10 Brejo - M A 2.481,00 3.000,00 5.715,35 Carolina - M A 1.326,25 1.140,00 1.150,00 Caxias do Norte - M A 1.400,00 2.500,00 4.007,00 Coroatá - M A 3.197,70 4.993,85 5.213,71 Grajaú - M A 4.730,00 5.248,00 5.450,00 Imperatriz - M A 3.976,00 5.323,30 5.838,00 Pinheiro - MA 4.000,00 3.000,00 - São Luís d o Maranhão - M A 15.244,81 16.983,00 19.117,20 Viana - MA 3.580,00 5.261,00 5.280,00 Zé D o c a - M A 1.971,88 3.502,78 3.342,40 TOTAL 55.324,20 66.880,43 76.134,47 REGIONAL NORDESTE V Distribuição p o r D i o c e s e s REGIONAL LESTE 1 Distribuição p o r D i o c e s e 2010 20U 2012 B a r r a d o Piraí - V o l t a R e d o n d a - RJ 2 8 . 0 5 1 , 0 5 29.340,69 37.122,20 C a m p o s - RJ 4.550,00 4.955,00 7.803,00 D u q u e D e C a x i a s - RJ 18.415,28 20.174,46 21.091,14 Itaguaí - RJ 6.343,52 9.027,00 8.474,85 Niterói - RJ 28.170,21 32.494,72 32.124,08 116
    • N o v a F r i b u r g o - RJ 14.703,42 17.179,56 21.320,12 N o v a Iguaçu - RJ 22.923,00 27.178,38 29.710,59 Petrópolis - RJ 16.559,74 - 17.591,90 102.306,96 114.492,53 120.129,10 5.088,00 7.606,60 8.391,00 247.111,18 262.448,94 303.757,98 20/0 20// 2012 Aimenara - MG 4.409,26 5.570,54 5.561,00 Araçuaí - M G 6.685,43 4.447,50 4.801,76 Belo Horizonte - M G 149.108,18 152.420,34 159.772,08 Cachoeiro Do Itapemirim -ES 44.702,64 41.252,08 53.131,10 Campanha - MG 17.062,95 17.887,63 16.618,23 Caratinga - MG 11.200,00 11.300,00 18.859,42 Colatina -ES 33.397,60 40.204,78 38.925,20 Diamantina - MG 17.904,00 13.673,96 23.561,92 Divinópolis - M G 37.680,00 40.800,00 41.680,00 Governador Valadares - M G 14.610,33 13.800,00 14.890,86 Guanhães - M G 8.716,80 7.025,60 6.065,16 Guaxupé - M G 28.447,47 27.689,08 33.043,16 Itabira - M G 26.085,53 23.993,33 - Ituiutaba - MG 2.565,32 4.186,04 5.220,38 Janauba - MG 3.200,00 4.732,00 2.720,00 Januária - M G 7.200,00 4.669,98 4.675,00 Juiz De Fora - M G 27.527,00 34.584,01 72.220,34 Leopoldina - MG 17.293,52 13.645,29 22.059,76 Luz - M G 8.796,00 9.986,50 11.085,00 Mariana - MG 31.450,00 40.273,00 40.178,28 M o n t e s Claros - M G 16.148,00 18.025,00 16.621,00 R i o D e J a n e i r o - RJ Vaiença - RJ TOTAL REGIONAL LESTE II Distribuição p o r D i o c e s e 117
    • Oliveira - MG 6.745,60 7.187,60 10.358,34 Paracatu - M G 5.518,08 7.374,58 8.651,21 Patos De Minas - MG 18.826,32 20.240,83 20.610,53 Pouso Alegre - MG 22.858,00 30.129,00 30.000,00 7.648,00 9.868,60 13.778,52 São M a t e u s - E S 30.713,07 33.116,16 42.113,38 Sete Lagoas - M G 6.647,55 8.679,59 9.513,40 Teófilo O t t o n i - M G 5.286,54 10.319,57 10.303,18 Uberaba - MG 15.960,39 17.317,35 17.430,13 Uberlândia - M G 12.366,57 12.297,00 14.220,68 Vitória - E S 66.161,55 62.451,59 85.366,47 TOTAL 712.921,70 749.148,53 854.035,49 São João D e l R e i - M G REGIONAL SUL í Distribuição p o r D i o c e s e 20Í0 20Í1 20Í2 Amparo - SP 7.637,00 11.640,64 16.553,20 Aparecida - SP 10.744,82 12.395,02 12.296,96 Araçatuba - S P 14.729,22 15.030,20 17.249,60 Assis - SP 17.383,19 19.705,52 25.835,48 Barretos - SP 10.376,38 11.416,26 12.406,18 Bauru - SP 31.860,12 28.448,48 36.676,67 Botucatu - SP 18.439,62 19.Cf27,73 35.422,60 Bragança P a u l i s t a - S P 16.800,00 24.800,00 28.000,00 Campinas - SP 58.988,94 69.561,24 71.286,74 Campo Limpo - SP 24.525,72 23.645,07 25.754,50 Caraguatatuba - SP 8.518,31 9.236,79 10.485,34 Catanduva - SP 17.350,29 16.370,00 16.980,00 Franca - SP 26.433,38 29.488,95 35.951,75 Guarulhos - SP 24.861,26 25.359,47 36.235,61 118
    • Itapetininga - SP 9.081,00 11.000,00 12.000,00 Itapeva - SP 7.061,49 9.240,07 7.704,64 Jaboticabal - SP 18.533,16 21.122,31 21.247,62 Jales - S P 22.649,58 20.573,07 22.325,08 Jundiaí- S P 72.723,16 75.060,16 86.711,88 Limeira - SP 56.000,00 52.000,00 37.000,00 Lins - S P 9.204,40 9.477,12 7.347,61 Lorena - SP 14.111,00 10.993,48 14.000,00 Marília - S P 61.082,15 69.693,20 74.520,24 M o g i das C r u z e s - S P 19.492,44 20.725,40 21.437,46 Osasco - SP 19.297,33 30.252,35 37.352,11 Ourinhos - SP 12.149,61 14.806,08 22.500,00 Piracicaba - SP 25.201,04 10.672,36 12.606,54 Presidente Prudente - SP 30.038,64 36.715,01 40.540,16 Registro - SP 6.959,14 4.782,30 7.717,68 Ribeirão P r e t o - S P 27.738,50 30.201,53 34.733,31 Rio Preto - SP 41.191,20 35.820,00 33.978,00 Santo Amaro - SP 22.500,00 23.600,00 24.979,74 S a n t o André - S P 64.961,59 61.480,34 75.454,91 Santos - SP 29.458,02 35.346,43 35.419,56 São C a r l o s - S P 21.021,28 26.870,00 25.957,52 São João d a B o a V i s t a - S P 22.362,87 25.572,12 29.569,37 São José d o s C a m p o s - S P 83.677,56 84.304,33 92.118,78 São M i g u e l P a u l i s t a - S P 31.740,00 33.193,60 35.283,20 São P a u l o - S P 202.098,16 198.725,94 266.617,50 Sorocaba - SP 25.042,24 26.498,50 32.682,69 Taubaté - S P 17.503,25 18.229,63 9.090,45 TOTAL 1.261.527,06 1.296.710,70 1.502.040,79 1.
    • REGIONAL SUL U Distribuição p o r D i o c e s e 2010 2011 2012 A p u c a r a n a - PR 26.566,92 29.949,21 39.261,76 C a m p o Mourão - P R 24.074,36 28.000,00 29.828,00 Cascavel - PR 22.542,98 27.347,45 38.125,77 Cornélio Procópio - P R 6.800,00 9.200,00 - C u r i t i b a - PR 106.832,24 109.297,00 132.009,00 F o z D o Iguaçu - P R 19.893,46 27.523,26 32.470,79 G u a r a p u a v a - PR 13.104,00 18.724,00 18.546,64 J a c a r e z i n h o - PR 16.476,81 26.278,44 30.050,70 L o n d r i n a - PR 61.958,27 70.841,62 75.917,10 Maringá - P R 37.024,59 42.520,41 54.029,36 P a l m a s - PR 22.205,00 26.932,76 29.529,85 Paranaguá - P R 5.860,00 5.283,90 12.202,50 Paranavaí - P R 17.750,00 16.021,30 21.775,97 P o n t a G r o s s a - PR 34.665,12 35.576,35 38.953,88 T o l e d o - PR 30.012,42 34.799,68 40.000,00 U m u a r a m a - PR 28.340,15 29.323,08 34.409,12 União D a Vitória - P R 12.297,77 12.526,70 13.525,31 São José D o s P i n h a i s - P R 22.087,00 24.987,00 29.795,00 TOTAL 508.491,09 575.232,16 671.532,75 2010 2011 2012 Bagé - R S 3.386,04 3.570,70 4.182,96 Cachoeira d o Sul - RS 2.702,14 2.516,95 3.810,12 Caxias d o Sul - RS 41.549,28 50.253,25 46.85 r,48 Cruz Alta - RS 13.197,69 16.852,04 18.577,22 Erexim - RS 15.625,30 18.739,25 19.977,76 REGIONAL SUL III Distribuição p o r D i o c e s e 120
    • Frederico Westpliaien - RS 19.319,60 18.834,04 13.773,95 Monte Negro - RS 15.775,84 17.728,31 19.426,49 Novo Hamburgo - RS 26.722,25 30.503,12 40.859,20 5.713,66 6.720,94 7.405,46 Passo F u n d o - R S 22.595,75 31.843,07 32.245,19 Pelotas - RS 7.836,00 7.566,00 7.707,00 Porto Alegre - RS 36.138,91 40.375,60 51.447,72 Rio Grande - RS 2.843,84 3.366,80 3.067,08 14.852,79 19.342,78 23.461,97 9.280,00 7.200,00 9.817,50 S a n t o Ângelo - R S 24.913,95 32.676,50 31.285,57 Uruguaiana - RS 9.766,22 12.030,97 - Vacaria - RS 6.631,00 8.227,00 10.404,56 278.850,26 328.457,34 344.411,23 2011 2012 Osório - R S Santa Cruz d o Sul - RS Santa Maria - RS m TOTAL REGIONAL SUL IV Distribuição p o r D i o c e s e 20Í0 B l u m e n a u - SC 28.294,15 28.636,02 33.786,00 Caçador - S C 14.040,24 15.570,88 18.660,00 Chapecó - S C 50.673,96 51.390,00 52.581,66 Criciúma - S C 35.280,00 37.925,90 37.820,18 Florianópolis - S C 58.415,67 72.526,87 90.037,60 Joaçaba - S C 14.000,00 15.805,60 17.252,36 J o i n v i l l e - SC 39.021,09 41.124,34 42.792,59 L a g e s - SC 8.340,00 13.729,00 - R i o D o S u l - SC 17.634,00 19.062,40 21.039,72 Tubarão - S C 12.297,19 16.226,57 20.849,53 277.996,30 311.997,58 334.819,64 TOTAL •SN;!V;, 175.10 ! 121
    • REGIONAL CENTRO OESTE Distribuição p o r D i o c e s e 2010 2011 2012 Arquidiocese Militar do Brasil 5.982,48 17.325,94 19.445,26 Anápolis - G O 16.429,55 7.776,27 5.952,88 Brasília - D F 66.418,09 64.710,98 69.761,51 Formosa - GO 6.311,00 6.702,38 7.114,61 Goiânia - G O 55.132,76 60.804,44 59.295,73 Goiás - G O 7.241,20 7.782,60 16.356,44 Ipameri - GO 5.130,57 9.172,26 8.072,56 0,01 4.391,42 3.435,24 Jatai - GO 9.063,02 12.303,70 13.837,78 Luziânia - G O 5.813,00 6.385,00 7.300,00 Itumbiara - GO * Rubiataba-Mozarlândia - G O 5.105,35 5.508,76 11.090,94 São Luís d e M o n t e s B e l o s - G O 7.400,84 8.159,82 11.331,14 Uruaçu - G O 10.752,30 12.179,16 14.057,00 200.780,17 223.202,73 247.051,09 2010 2011 2012 Campo Grande - MS 33.186,40 37.181,10 43.890,00 Corumbá - M S 3.130,00 3.739,88 2.995,76 Coxim - MS 5.229,28 5.470,00 6.715,31 24.300,00 25.375,00 19.519,00 Jardim - MS 3.325,20 3.656,26 - Naviraí - M S - - 12.809,38 Três L a g o a s - M S 7.980,00 8.760,00 9.580,00 TOTAL 77.150,88 84.182,24 95.509,45 TOTAL REGIONAL OESTE 1 Distribuição p o r D i o c e s e Dourados - MS f 122
    • REGIONAL OESTE 11 Distribuição p o r D i o c e s e 20Í0 2011 2012 B a r r a d o Garça - M T 4.219,34 5.939,36 4.464,38 São L u i z d e Cáceres - M T 13.442,78 15.029,02 22.594,28 Cuiabá - M T 30.505,02 31.359,48 31.760,39 Diamantino - M T 17.473,44 15.997,80 20.084,07 Guiratinga - M T 9.157,34 7.875,15 10.875,88 Juína - M T 4.955,22 3.627,12 3.251,62 Paranatinga - M T 1.321,18 - - Rondonópolis - M T * 11.554,13 15.033,24 15.146,20 São Félix d o A r a g u a i a - M T 2.091,60 2.730,00 1.600,00 Sinop- 18.044,25 17.660,46 26.936,58 112.764,30 115.251,63 136.713,40 2010 2011 2012 C r u z e i r o D o Sul - AC 2.547,00 3.050,00 3.552,46 Guajara M i r i m - RO 6.925,84 7.038,60 7.342,86 3.500,00 3.000,00 2.407,00 Ji-Paraná - R O 34.731,00 41.281,58 45.311,16 Lábrea - A M 726,48 558,00 1.440,00 Porto Velho - RO 17.743,16 20.209,63 18.230,03 Rio Branco - AC 15.177,48 12.076,08 - TOTAL 81.350,96 87.213,89 78.283,51 2010 2011 2012 1.712,00 2.470,00 - 175,10 - - MT TOTAL REGIONAL NOROESTE Distribuição p o r D i o c e s e Humaitá - A M OUTROS Distribuição p o r D i v e r s o s A d m . A p o s t . P e s s o a l São João Maria Vianney Adalberto Soares Silva 123
    • Irmãos d a F r a t e r n i d a d e D a s Graças N.Sra. 110,00 - igreja Presbiteriana do Ibes 495,00 - - E x a r c a d o Apostólico Armênio 460,00 - 802,00 - - 635,00 2.952,10 2.470,00 1.437,00 2010 2011 2012 V a l o r e s s e m Identificação 84.333,27 9.779,51 116.573,65 T o t a l v a l o r e s s e m identificação 84.333,27 9.779,51 116.573,65 R E N D I M E N T O D O ANO - DESP E S A S BANCÁRIAS 2010 2011 2012 122.328,11 171,922,99 116.482,88 - (662,09) (59,18) Total de R e n d i m e n t o d o ano 122.328,11 171.260,90 116.423,70 TOTAL 209.613,48 183.510,41 234.434,35 4.714.222,61 5.040.783,38 5.818.546,45 N.S. P a r a i s o - S . P a u l o G . Melquitas Total de Outros V A L O R E S S E M IDENTIFICAÇÃO RENDIMENTO DO ANO D E S P E S A S BANCÁRIAS (-) TOTAL GERAL Q U A D R O E X P L I C A T I V O D A CF 2010 2011 2012 Total de Arqui(Dioceses), Prelazias e O u t r o s 268 270 269 Total de Arqui(Dioceses), Prelazias e O u t r o s que p a g a r a m até e s t a d a t a 267 257 0 T o t a l p a g o até e s t a d a t a Média d a C a m p a n h a Total de Arqui(Dioceses), Prelazias e O u t r o s que f a l t a m pagar 4.714.222,61 5.040.783,38 5.818.546,45 17.722,64 1 19.574,33 13 - 0 •
    • Valor previsto a receber das que faltam Total previsto p/Campanha da Fraternidade 35.445,28 254.466,24 0,00 4.749.667,89 5.285.068,02 0,00 Atividades d o F u n d o IVacional d e S o l i d a r i e d a d e : 2010 - 2012 lil'i' 1 Total arrecadado: Total d e projetos apoiados 2010 R$4.697.158,41 229 2011 R $ 5.006.594,02 321 2012 R $ 5.449.723,13 245 P r o j e t o s a t e n d i d o s p o r região Região 2010 2011 2012 Norte 40 57 28 Nordeste 56 88 62 Sul 51 64 57 43 67 65 39 45 33 Sudeste ' Centro Oeste Para informações, e s c l a r e c i m e n t o s organização e realização d a C a m p a n h a e orientações d a Fraternidade, sobre a contatar P e . L u i z C a r l o s D i a s , Secretário E x e c u t i v o d a C F p e l o e - m a i l : c a m p a nhas@cnbb.org.br o u pelo telefone (61) 2103-8300. 8 . O Serviço d e Preparação e Animação d a C F 8.1. Serviço d e coordenação e animação d a C F A Campanha d aFraternidade é u m programa global conjunto dos Organismos Nacionais, d o Secretariado Nacional d a CNBB e 125
    • das Igrejas Particulares, s e m p r e realizado à luz e na perspectiva das D i r e t r i z e s G e r a i s d a Ação E v a n g e l i z a d o r a d a I g r e j a n o B r a s i l . D e s d e 1 9 6 3 , c o m o P l a n o d e Emergência, e 1 9 6 6 , c o m o P l a n o d e P a s t o r a l d e C o n j u n t o , a ação e v a n g e l i z a d o r a d a I g r e j a v i v e u m p r o cesso de p l a n e j a m e n t o a b r a n g e n t e . Esse processo t e m as Diretrizes c o m o fundamentação e inspiração e s e e x p r e s s a n o P l a n o d e P a s t o r a l , e l a b o r a d o d e f o r m a p a r t i c i p a t i v a e e m d i v e r s o s âmbitos. A busca desse planejamento, sempre mais participativo, requer e n v o l v i m e n t o d o s a g e n t e s d e p a s t o r a l , d a s e q u i p e s d e coordenação e animação, d o s c o n s e l h o s e o u t r o s órgãos a serviço d o c r e s c i m e n t o d a v i d a comunitária. A realização d a C F , c o m o p r o g r a m a g l o b a l c o n j u n t o , é exercício e expressão d e p l a n e j a m e n t o p a r t i c i p a t i v o e d e articulação p a s t o r a l , d e c o r r e n t e d a própria n a t u r e z a d a Igreja-Comunhão. 8.2. IVecessidade de Equipes de Campanhas P a r a u m a e f i c a z e f r u t u o s a realização d a C F c o m o d e t o d o p r o g r a m a p a s t o r a l , é indispensável r e a v i v a r , a c a d a a n o , o p r o c e s s o d e s e u p l a n e j a m e n t o . I s s o não a c o n t e c e s e m a constituição d e e q u i p e s d e t r a b a l h o c o m coordenação e n t u s i a s t a , dinâmica, c r i a t i v a , c o m p r o f u n d a e s p i r i t u a l i d a d e e z e l o apostólico. E m m u i t o s R e g i o n a i s , D i o c e s e s e Paróquias, a animação d a C F é a s s u m i d a p e l a r e s p e c t i v a e q u i p e d e Coordenação P a s t o r a l , c o m o e s t a b e l e c i m e n t o d e u m a Comissão específica p a r a a C F E s s e p r o c e d i m e n t o poderá f a v o r e c e r m a i o r integração, e v i t a n d o p a r a l e l i s m o s . Poderá, p o r o u t r o l a d o , a p r e s e n t a r o r i s c o d e a C F " s e r d e t o d o s e , a o m e s m o t e m p o , d e ninguém". i d " l o d(lr! >'ff^>r I) E q u i p e r e g i o n a l d a CF Compete-lhe: • e s t i m u l a r a formação, o a s s e s s o r a m e n t o e a articulação d a s equipes ^ • " ' • 126 diocesanas; p l a n e j a r a C F e m âmbito r e g i o n a l : o que o r g a n i z a r , quem e n v o l v e r , que calendário s e g u i r , onde e como a t u a r . "
    • A t i v i d a d e s q u e poderá d e s e n v o l v e r Antes da Campanha: .• r e a l i z a r e n c o n t r o r e g i o n a l p a r a o e s t u d o d o Texto-base, a fim d e d e s c o b r i r a m e l h o r f o r m a d e utilização d a s peças e subsídios d e divulgação; • definir atividades a serem assumidas conjuntamente n a s d i o c e s e s , paróquias e c o m u n i d a d e s ; • v e r i f i c a r a p o s s i b i l i d a d e d a produção d e subsídios a d a p t a dos à realidade local; • p o s s i b i l i t a r a t r o c a d e informações e o r e p a s s e d e subsídios, r e l a c i o n a d o s a o t e m a , p r o d u z i d o s e m âmbito m a i s l o c a l o u p r o v e n i e n t e s d e o u t r a s f o n t e s e regiões; • c o n s t i t u i r e q u i p e s e/ou indicar p e s s o a s q u e p o s s a m p r e s t a r serviço d e a s s e s s o r i a . Durante a Campanha: • descobrir formas d eestar e m p e r m a n e n t e contato c o m as e q u i p e s d i o c e s a n a s , p a r a animação e intercâmbio d a s e x p e riências m a i s s i g n i f i c a t i v a s ; • possibilitaV o a c o m p a n h a m e n t o d a s atividades comuns programadas. Depois da Campanha: • p r o m o v e r u m n o v o e n c o n t r o r e g i o n a l d e avaliação; • p r o v i d e n c i a r a redação e o e n v i o d a síntese r e g i o n a l d a avaliação à S e c r e t a r i a E x e c u t i v a N a c i o n a l d a CF, d e n t r o d o cronograma previsto; • d e f i n i r a participação r e g i o n a l n o e n c o n t r o n a c i o n a l d e avaliação e p l a n e j a m e n t o d a C F ; • repassar às Dioceses a avaliação nacional e outras informações. 127
    • 2) E q u i p e D i o c e s a n a d a C F Compete-llie: • e s t i m u l a r a formação, a s s e s s o r a r e articular as equipes paroquiais; • p l a n e j a r , e m nível d i o c e s a n o : o q u e r e a l i z a r , q u e m e n v o l v e r , q u e calendário s e g u i r , c o m o e o n d e a t u a r . A t i v i d a d e s q u e poderá d e s e n v o l v e r Antes da Campanha: • encomendar o s subsídios necessários p a r a a s paróquias, comunidades r e l i g i o s a s , colégios, m e i o s d e comunicação, m o v i m e n t o s d e Igreja; • p r o g r a m a r a realização d e e n c o n t r o d i o c e s a n o p a r a e s t u d o d o Texto-base, b u s c a n d o a m e l h o r f o r m a d e u t i l i z a r a s d i v e r s a s peças d a Campanha; • d e f i n i r a t i v i d a d e s c o m u n s n a s Paróquias; • p r o m o v e r o intercâmbio d e informações e subsídios; • sugerir a escolha do gesto concreto; • e s t a b e l e c e r u m a programação e s p e c i a l d e lançamento; • c o n s t i t u i r e q u i p e s p a r a a t i v i d a d e s específicas; • i n f o r m a r d a existência d e subsídios a l t e r n a t i v o s e repassá- l o s às e q u i p e s . Durante a Campanha: • a c o m p a n h a r as d i v e r s a s e q u i p e s e x i s t e n t e s ; • verificar o a n d a m e n t o das atividades c o m u n s • m a n t e r freqüente c o n t a t o c o m a s paróquias, p a r a p e r c e b e r o a n d a m e n t o da • programadas; Campanha; c o n f e r i r a c h e g a d a d o s subsídios a t o d o s o s destinatários e m potencial; • alimentar com pequenos t e x t o s m o t i v a d o r e s (releases) o s m e i o s d e comunicação s o c i a l . 128
    • Depois da Campanlia: • . • p r o m o v e r e n c o n t r o d i o c e s a n o d e avaliação; c u i d a r d a redação final e d o e n v i o d a síntese d a avaliação à equipe regional; • • p a r t i c i p a r d o e n c o n t r o r e g i o n a l d e avaliação; r e p a s s a r às e q u i p e s p a r o q u i a i s a avaliação r e g i o n a l e o u t r a s informações; • realizar o gesto concreto e garantir o repasse d aparte d a coleta para a CNBB regional e nacional; • fazer c o m que a Campanha se estenda por todo o ano, r e p a s s a n d o o u t r o s subsídios q u e f o r e m s e n d o p u b l i c a d o s . 3) E q u i p e P a r o q u i a l d a C F A C F a c o n t e c e n a s famílias, n o s g r u p o s e n a s comunidades e c l e s i a i s , a r t i c u l a d o s p e l a Paróquia. C o m o e m relação a o u t r a s a t i v i d a d e s p a s t o r a i s , o p a p e l d o pároco o u d a e q u i p e p r e s b i t e r a l é p r e ponderante. T u d o anda m e l h o r q u a n d o ele estimula, incentiva, artic u l a e o r g a n i z a a ação p a s t o r a l . Em toda paróquia pastoralmente dinâmica, não faltarão e q u i p e s d e serviço p a r a t u d o q u e f o r necessário. O C o n s e l h o P a r o q u i a l d e P a s t o r a l , já constituído n a m a i o r i a d a s Paróquias, p o r s i o u p e l a constituição d e comissão específica, garantirá a realização a r t i culada e entusiasta da C F A t i v i d a d e s q u e poderá d e s e n v o l v e r Antes da Campanha: • • providenciar o pedido de material j u n t o à diocese; p r o g r a m a r u m e n c o n t r o p a r o q u i a l p a r a e s t u d o d o Texto-base e p a r a discussão d a m e l h o r m a n e i r a d e s e u t i l i z a r a s d i v e r s a s peças d e reflexão e divulgação d a C F ; • d e f i n i r as a t i v i d a d e s a s e r e m a s s u m i d a s c o n j u n t a m e n t e ; • e s t a b e l e c e r a programação d a a b e r t u r a , e m âmbito p a r o q u i a l ; • buscar, j u n t o s , o sm e i o s para q u e a C F atinja e f i c a z m e n t e t o d o s o s espaços e a m b i e n t e s d a r e a l i d a d e p a r o q u i a l ; 129
    • • p l a n e j a r u m g e s t o c o n c r e t o c o m u m e a destinação d a c o l e t a da CF; • r e a l i z a r e n c o n t r o s c o n j u n t o s o u específicos c o m a s d i v e r s a s e q u i p e s p a r o q u i a i s , p a r a programação d e t o d a a Q u a r e s m a e Semana Santa; • p r e v e r a utilização d o m a i o r número possível d e subsídios da Campanha. Durante a Campanha: • i n t e n s i f i c a r s u a divulgação; • c o n f e r i r a c h e g a d a d o s subsídios a o s destinatários; • m o t i v a r sucessivos gestos concretos de fraternidade; • realizar a coleta. Depois da Campanha: • a v a l i a r s u a realização, e n c a m i n h a n d o a síntese à c o o r d e n a ção d i o c e s a n a ; • m a r c a r presença n o e n c o n t r o d i o c e s a n o d e avaliação; • r e p a s s a r às lideranças d a paróquia a s conclusões d a a v a l i a ção d i o c e s a n a ; • realizar o gesto concreto e garantir o repasse d aparte d a coleta à diocese; • fazer c o m que a C a m p a n h a s eestenda p o r t o d o o ano, rep a s s a n d o o u t r o s subsídios q u e f o r e m s e n d o p u b l i c a d o s . C r o n o g r a m a d a C F 2014 5 d e março d e 2 0 1 4 : Q u a r t a - f e i r a d e C i n z a s : Lançamento d a C F 2 0 1 4 e m t o d o o B r a s i l , e m âmbito n a c i o n a l , r e g i o n a l , d i o c e s a n o e p a r o q u i a l , c o m a m e n s a g e m d o P a p a , d a Presidência d a C N B B e programas especiais. 130
    • Realização - 5 d e março a 1 3 d e a b r i l d e 2 0 1 4 : a C a m p a n h a d e s t e a n o s e r e a h z a c o m o t e m a Fraternidade e Tráfico Humano e o l e m a "É para a liberdade que Cristo nos libertou" (Gl 5,1). D o m i n g o d e Ramos - 1 3d e abril d e 2014: Coleta nacional d a solidariedade ( 6 0 % para o F u n d o Diocesano d eSolidariedade e 4 0 % para o Fundo Nacional de Solidariedade). Avaliação - A b r i l a j u n h o 2 0 1 4 : n o s âmbitos: p a r o q u i a l ( d e 2 1 d e a b r i l a 18 de m a i o ) , d i o c e s a n o (de 19 de m a i o a 8 de j u n h o ) e r e g i o n a l ( 9 de j u n h o a 3 0 de j u n h o ) . E n c o n t r o Nacional c o m representantes dos regionais da CNBB - 1 1 13/08/2014. Bibliografia Documentos eclesiais CATECISMO D A I G R E J A CATÓLICA. CONCÍLIO V A T I C A N O I I . Gaudium et spes. CONCÍLIO V A f I C A N O I I . Lumen gentium. C O N S E L H O PONTIFÍCIO JUSTIÇA E P A Z . Compêndio da Doutrina Social da Igreja. C O N S E L H O PONTIFÍCIO P A R A A FAMÍLIA. Sexualidade humana: verdade e significado ( 1 9 9 5 ) . C O N S E L H O PONTIFÍCIO P A R A A P A S T O R A L ITINERANTES DOS MIGRANTES E E C O N S E L H O PONTIFÍCIO COR UNUN. Acolher Cris- to nos refugiados e nas pessoas deslocadas à força - Diretrizes Pastorais. 2 0 1 3 CONGREGAÇÃO P A R A A D O U T R I N A D A FÉ. A colaboração do homem e da mulher na Igreja e no mundo ( 2 0 0 4 ) . CONGREGAÇÃO P A R A A D O U T R I N A D A FÉ. I n s t . Libertatis conscientia. 131
    • CONGREGAÇÃO P A R A A EDUCAÇÃO CATÓLICA. Orientações educativas sobre o amor humano. Lineamentos de educação sexual ( 1 d e novembro de 1983). COMISSÃO TEOLÓGICA I N T E R N A C I O N A L . Comunhão e serviço: a pessoa humana criada à imagem de Deus. 2 0 0 4 . SÍNODO D O S B I S P O S ( 1 9 7 1 ) . A Justiça no mundo. P A P A P A U L O I I I . B u l a Sublimis Deus ( 1 5 3 7 ) . P A P A LEÃO X I I I . Rerum novarum. PAPAJOÃO X X I I I . Pacem in terris. P A P A P A U L O V I . Discurso na Jornada do Desenvolvimento ( 2 3 d e agosto de 1968). P A P A P A U L O V I . Octogesima adveniens. P A P A P A U L O V I . Populorum progressio. PAPAJOÃO P A U L O I I . Carta às mulheres ( 2 9 d e j u n h o d e 1 9 9 5 ) . PAPAJOÃO P A U L O I I . Centesimus annus. PAPAJOÃO P A U L O I I . Evangelium vitae. PAPAJOÃO P A U L O I I . Familiaris Consortio. PAPAJOÃO P A U L O I I . Laborem exercens. PAPAJOÃO P A U L O I I . Mensagem para a celebração do Dia Mundial da Paz (1996). PAPAJOÃO P A U L O I I . Mensagem para a celebração do Dia Mundial da Paz (1998). PAPAJOÃO P A U L O I I . Mulieris dignitatem. PAPAJOÃO P A U L O I I . Novo millennio ineunte. PAPAJOÃO P A U L O I I . Redemptor hominis. PAPAJOÃO P A U L O I I . Soilicitudo rei socialis. P A P A B E N T O X V I . Carta Enciclica Caritas in veritate. . P A P A B E N T O X V I . Mensagem para o dia Mundial do Migrante e do Refugiado, de 2013. C E L A M . Documento de Aparecida. C E L A M . Documento de Puebla.
    • C E L A M . Documento de Santo Domingo. C N B B . Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil -2011-2015. C N B B . Documento 4 0 . C R B - R e d e u m G r i t o p e l a V i d a . Cartilha de reflexão bíblica sobre o tráfico de seres humanos. C R B / C E B I , 2 0 0 9 . Documentos do Governo brasileiro e de Organismos internacionais B R A S I L . MINISTÉRIO DAJUSTIÇA. S e c r e t a r i a N a c i o n a l d e Justiça. Guia de Referência - para o enfrentamento ao tráfico humano. Brasília, 2 0 1 2 . B R A S I L . MINISTÉRIO D O T R A B A L H O E E M P R E G O . Manual de Combate ao Trabalho em Condições análogas às de escravo. Brasília, 2011. B R A S I L . MINISTÉRIO D A JUSTIÇA. Cartilha - Campanha coração azul. 2 0 1 3 . B R A S I L . Relatório final da CPI do Senado Federal sobre o Tráfico de Pessoas. 2 0 1 2 . B R A S I L - S E C R E T A R I A N A C I O N A L D E D I R E I T O S H U M A N O S . /// Programa Nacional de Direitos Humanos. Brasília, 2 0 1 0 . O I M . Perfil Migratório do Brasil. 2 0 1 0 . O I T . Relatório Estimativa global da OIT sobre o trabalho forçado. 2012. Obras citadas B O U Z O N , E. O Código de Hamurabi. Petrópolis: V o z e s , 1 9 8 7 . B U E N O , E. R O Padre Antônio Vieira e a escravidão negra no Brasil. I n R e v i s t a Espaço Acadêmico, n . 3 6 , m a i o d e 2 0 0 4 . C O M P A R A T O F K. A afirmação histórica dos direitos humanos. São Paulo: Saraiva, 1999. H A B E R M A S , J . O discurso filosófico da Modernidade. São P a u l o : Martins Fontes, 2002. 133
    • K A N T , I . Fundamentação da metafísica dos costumes ( 1 7 8 5 ) . L i s b o a : Edições 7 0 , 2 0 0 8 . L A K Y , T . Tráfico Internacional de Mulheres: Nova Face de uma Velha Escravidão. T e s e ( D o u t o r a d o e m Serviço S o c i a l ) - P r o g r a m a d e E s t u d o s Pós-Graduados e m Serviço S o c i a l , Pontifícia U n i v e r s i d a d e Católica d e São P a u l o , São P a u l o , 2 0 1 2 . MAMõM. I n : J A S T R O W , M . A dictionary of the targumin, the Taimud Babü and Yerushaimi, and the midrashic Uterature. Jerusalém: H o r e v , s.d. M A R T I N S , J . S . O cativeiro da terra. 7- e d . São P a u l o : E d . H u c i t e c , 1998. M E I R A , S . A . B. A Lei das XII Tábuas. R i o d e J a n e i r o : Forense, 1961. M O R A E S , A . Direitos humanos fundamentais. 5. e d . São P a u l o : A t l a s , 2 0 0 0 , p. 2 3 . P U I G . A.Jesus, uma biografia. L i s b o a : P a u l u s , 2 0 0 6 . S A N T O TOMÁS d e A Q U I N O . Suma Theologica. São P a u l o , S P : E d . Loyola, . S A R L E T , W . 1. Dignidade da pessoa humana e direitos fundamentais na Constituição da República de 1988. P o r t o A l e g r e : L i v r a r i a d o Advogado, 2002. S C H W A R C Z , L. M . O Espetáculo das Raças - Cientistas, instituições e questão racial no Brasil do século XIX. São P a u l o : E d . C o m p a n h i a das Letras, 2 0 0 0 . S H A L H O U B , S . A força da escravidão: i l e g a l i d a d e e c o s t u m e s n o B r a s i l o i t o c e n t i s t a . 1 ^ e d . São P a u l o : C i a . D a s L e t r a s , 2 0 1 2 . Artigos A N D R A D E , W . C ; M I L E S I , R. A I g r e j a n o B r a s i l e o e n f r e n t a m e n t o a o Tráfico d e P e s s o a s . I n : Tráfico de Pessoas e trabalho escravo - II Seminário Nacional. Brasília: Edições C N B B , 2 0 1 2 . B O T T A N I , G . Intervenção e ação d a s o c i e d a d e c i v i l n o e n f r e n t a m e n t o a o tráfico d e p e s s o a s . I n : Tráfico de pessoas e trabalho escravo - II Seminário Nacional. Brasília: C N B B , 2 0 1 2 . 134
    • C U N H A , A . P . R e f u g i a d o s a m b i e n t a i s ? I n Cadernos de debates 7 Refúgio, Migrações e Cidadania. Brasília: I N S T I T U T O MIGRAÇÕES E DIREITOS HUMANOS E UNHCR, ACNUR, 2012 GESCHÉ, A . A invenção cristã d o c o r p o . p . 3 9 . I n : GESCHÉ, A . ; ' S C O L A S , P. ( O r g . ) . O corpo, caminho de Deus. São P a u l o : L o y o l a , 2009. L A M O U N I E R , M . L. E n t r e a Escravidão e o T r a b a l h o L i v r e . E s c r a v o s e I m i g r a n t e s n a s O b r a s d e Construção d a s F e r r o v i a s n o B r a s i l n o Século X I X . I n EconomiA, Selecta. Brasília ( D F ) , v . 9 , n . 4 , dezembro/2008. M I L E S I , R. ; S P R A N D E L , M . I I Seminário N a c i o n a l d e E n f r e n t a m e n t o a o Tráfico d e P e s s o a s e T r a b a l h o E s c r a v o . I n Tráfico de pessoas e trabalho escravo - II Seminário Nacional. Brasília: C N B B , 2012. Endereços eletrônicos www.aids.gov.br http^yplanetasustentavel.abril.com.br wvw.brasil.gov.br http://portal.mj.gov.br www.brasildefato.com.br http://portal.mte.gov.br http://noticias.cancaonova.com http://portal.mj.gov.br www.cnbb.org.br www.oit.org.br www.cnj.jus.br www.onu.org.br www.cptnacionai.org.br http://reporterbrasil.org.br www.desaparecidosdobrasil.org www.sedh.gov.br/ www.dhnet.org.br/ www.un.org/spanish httpL//economia.ig.com.br www.vatican.va www.epochtimes.com.br www.gaudiumpress.org www.jb.com.br http://noticias.cancaonova.com 135
    • H i n o d a C F 2014 T e m a : F r a t e r n i d a d e e tráfíco h u m a n o L . & M . : Roberto L i m a de Souza L e m a : " É p a r a a l i b e r d a d e q u e C r i s t o n o s l i b e r t o u ! " ( G l 5,1) Introdução Bm B ' Em A ' D Bm B m Fp ctdim' Em A' m p a- ra_B li - ber - Refr.: É D Ftt toa, Je - sus de É pa - ra_a I . Deus tou! não q u e r v e r seus Ftt I h a n - ça_e_à s u - a j - m a - g e m . o s Bm f i - lhos B m P r a l i - ber cri - ou. - li - b e r - d a - de_é da • d e q u e Cris - to sen - do_es - era - v i - de Io, F t ' Je - sus 1 . D e u s não q u e r v e r s e u s f i l h o s s e n d o e s c r a v i z a d o s , A semelhança e à s u a i m a g e m , o s c r i o u . ( C f . G n 1 , 2 7 ) N a cruz de Cristo, f o r a m todos resgatados Pra liberdade é que Jesus nos libertou! ( G l 5,1) 2 . Há t a n t a g e n t e q u e , a o b u s c a r n o v a a l v o r a d a , S a i p e l a e s t r a d a a p r o c u r a r libertação; M a s c o m o é t r i s t e v e r , a o fim d a c a m i n h a d a , Q u e f o i l e v a d a a t r a b a l h a r n a escravidão! à se - m e • , Cris- n o s li - b e r - B m z a - dos, E m N a cruz que n o s li - ber - íf f o - ram B m nos li É para a liberdade que Cristo nos libertou, Jesus libertador! É p a r a a l i b e r d a d e q u e C r i s t o n o s l i b e r t o u ! (Gl 136 - to D B ' Cldím^ - dos: Cris A' Em Ctdim' que C li - b e r - t a • d o r ! Bm ta da - B m - t o - dos res - ga D.S. ber - tou! 5,1) 3, E q u a n t o s c h e g a m a p e r d e r a d i g n i d a d e , S u a cidade, a f a m f l i a , o seu valor. p a l t a justiça, f a l t a m a i s f r a t e r n i d a d e übertá-los p a r a a v i d a e p a r a o a m o r ! 4 . Q u e a b r a c e m o s a c e r t e z a d a esperança, ( C f . H b 6 , 1 1 ) Q u e já n o s lança, n e s s a m a r c h a e m comunhão. P r a n o v o céu e n o v a t e r r a d a aliança, ( C f . A p 2 1 , 1 ) D e l i b e r d a d e e v i d a p l e n a p a r a o irmão... ( C f . J o 1 0 , 1 0 )
    • Oração d a C F 2 0 1 4 Ó Deus, sempre ouvis o clamor do vosso povo e vos compadeceis dos oprimidos e escravizados. Fazei que experimentem a lb ra ã da cruz i et ç o e a r sur i ã de Jesus. es reç o N s vos pedimos pelos que sofrem ó O flagelo do t ái o humano. r fc Convertei-nos pela f r a do vosso E prt , oç s í io e tornai-nos s n í es à dores destes nossos i m o . e sv i s r ãs Comprometidos na s p r ç o deste mal, u ea ã vivamos como vossos filhos e filhas, na liberdade e na paz. Por Cristo nosso Senhor. AMÉM! 137
    • Sumário Siglas 3 Apresentação 5 Introdução 7 Objetivos desta Campanlia da Fraternidade 8 Primeira Parte F r a t e r n i d a d e e Tráfico H u m a n o 11 t . O Tráfico H u m a n o 11 1.1. As principais modalidades do Iráfico humano 13 1.2. Algumas caracleríslicas do tráfico humano 18 2. M o b i l i d a d e e T r a b a l h o n a Globalização 2 . 1 . A mobilidade na globalização 21 .'. 22 2.2. A migração interna no Brasil 25 2.3. O trabalho na globalização 28 3. Escravidão c P r e c o n c e i t o 29 3 . 1 . Tráfico h u m a n o e escravidão na história do Brasil 29 3.2. Os preconceitos raciais 31 4 . O e n f r e n t a m e n t o a o Tráfico H u m a n o 4 . 1 . fl enfrentamento ao tráfico de pessoas 32 32
    • Segunda Parte 41 E p a r a a l i b e r d a d e q u e C r i s t o n o s l i b e r t o u ( G l 5,1) 1. O Tráfíco H u m a n o n a Bíblia l . l . A iluminação do Antigo Testamento • 41 41 1.2. Deus liberta e mostra o caminho 42 1.3. Exílio e sofrimento de u m Povo 44 1.4. O Profetismo da esperança e da Justiça 45 1.5. O Código da Aliança protege os mais vulneráveis 47 1.6. A iluminação do Novo Testamento 49 2. E n s i n o s o c i a l d a I g r e j a e o Tráfíco H u m a n o 58 2.1. A criação, fonte da dignidade e igualdade humanas 58 2.2. A igualdade fundamental entre as pessoas 59 2.3. A dignidade do corpo e da sexualidade 61 2.4. As agressões à dignidade humana são agressões a Cristo 62 2.5. O tráfico humano é agressão à m i n h a pessoa 63 2.6. A dignidade e a liberdade da pessoa 64 2.7. Reino de Deus, evangelização e compromisso social 65 2.8. Proclamar a força libertadora do amor 66 2.9. Justiça e os direitos humanos 67 2.10.0 compromisso solidário 69 2.11. Trabalho digno e enfrentamento do Iráfico humano 70 2.12. Discípulos e agentes de libertação 72 3. A D i g n i d a d e e os D i r e i t o s H u m a n o s 73 3.1. A evolução histórica 73 3.2. A efetivação dos direitos 76 3.3. O Iráfico humano é uma ofensa à Igreja Povo de Deus 77 Terceira Parte O e n f r e n t a m e n t o a o tráfico h u m a n o 1. O C o m p r o m i s s o da I g r e j a n o B r a s H 79 81
    • 2. P r o p o s t a s p a r a o Enírentamento d o Tráfico H u m a n o 84 2 . 1 . Dimensão pessoal 85 2.2. Dimensão eclesial/comunitária 86 2.3. Dimensão sociopolítica 90 3. C a n a i s d e Denúncia d e c a s o s d e Tráfico H u m a n o 93 Conclusão 97 A n e x o - V i a g e m a L a m p e d u s a - Itália 99 Quarta Parte 103 A Campanha da Fraternidade 1 . N a t u r e z a e histórico d a CF 103 2. O b j e t i v o s p e r m a n e n t e s d a C a m p a n h a d a F r a t e r n i d a d e : 105 3. Os l e m a s d a c a m p a n h a d a f r a t e r n i d a d e 105 4. O g e s t o c o n c r e t o - coleta da solidariedade 109 5. 109 Os f u n d o s d e s o l i d a r i e d a d e 5.1. A destinação dos recursos 5.2. O trâmite dos projetos 110 H O 6. Prestação d e C o n t a s - 2 0 1 2 ( R e p a s s e d a s D i o c e s e s ' a o FNS) l U 7. Contribuições p a r a o F u n d o N a c i o n a l d e S o U d a r i d a d e 2 0 1 3 112 8. O Serviço d e Preparação e Animação d a CF 125 8 . 1 . Serviço de coordenação e animação da CF 125 8.2. Necessidade de Equipes de Campanhas 126 Bibliografia 131 H i n o d a C F 2014 136 Oração d a C F 2 0 1 4 137