Boletim dominical Igreja Presbiteriana Nova Suíça 23-06-2013

1.358 visualizações

Publicada em

Informativo semanal da Igreja Presbiteirana Nova Suíça, congregação da Primeria Igreja Presbiteriana de Belo Horizonte, MG.

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.358
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
197
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Boletim dominical Igreja Presbiteriana Nova Suíça 23-06-2013

  1. 1. Semeando paraa colheitaBOLETIM DOMINICALRua Limoeiro, 204 - Nova Suíça - Belo Horizonte - MG - CEP 30421-185 | tel.: (31) 3317-3330Congregação daNessa Edição:Adoração - Evangelização - Ensino - Comunhão - Ação SocialBOLETIM DOMINICALAdoração - Evangelização - Ensino - Comunhão - Ação SocialDomingo, 23 de Junho de 2013Ano II - Número 06Missões no MundoPágina 09-10Páginas 02-03PastoralPáginas 06-08ESTUDO BÍBLICONOTÍCIAS DO CAMPOPágina 11ESPECIALPáginas 04 - 05OVELHASE MOSCASAPONTAMENTOS SOBRE OS TUMULTOS EMANIFESTAÇÕES RECENTESPor Augustus NicodemusOS DEVERES DOMARIDO CRISTÃONÃO QUEREMOSA SUA AJUDA!ACONTECEU NESTEÚLTIMO DOMINGO
  2. 2. Em alguns momentos emnossa vida nos depara-mos com lutas tãoacintosas, tão avassaladoras que consi-deramos esse tempo de angústiaprofunda como aquele “dia mau”, a queo Apóstolo Paulo se refere em seutexto da carta aos Efésios (6.13). Nessapassagem do capítulo seis, Paulo orde-na aos crentes de Éfeso que se fortale-çam no poder de Cristo e sejam sóbriose vigilantes, discernindo o verdadeiroinimigo, que se esconde no mundoespiritual. No verso 13 ele é incisivo aodizer: “Portanto, tomai toda a armadurade Deus, para que possais resistir no diamau e, depois de terdes vencido tudo,permanecer inabaláveis” (Efésios 6.13).Alguém pode perguntar -‘‘Como pode um cristão dizer que estádebaixo de sofrimentos e tribulaçõesterríveis?’’. Afinal, as promessas quefazem por aí na televisão, na mídia, nasmega igrejas é “venham para Jesus epare de sofrer, seja rico e prósperopara toda vida”. Quando olhamos deperto para o Evangelho da verdade,encontramos promessas que desafiamnossa caminhada e provam nossa fé.Vejamos algumas:“De fato, todos os que desejam viverpiedosamente em Cristo Jesus serãoperseguidos”. 2 Timóteo 3.12 NVI“Então Jesus disse aos seus discípulos:Se alguém quiser acompanhar-me,negue-se a si mesmo, tome a sua cruze siga-me”. Mateus 16.24 NVI"Então eles os entregarão para seremperseguidos e condenados à morte, evocês serão odiados por todas asnações por minha causa”. Mateus24.9Rev. Afonso Celso de OliveiraPág. 02PASTORALOVELHAS E MOSCAS“Preparas-me uma mesa na presença dos meus adversários, unges-me a cabeça com óleo; o meu cálice transborda.” Salmo 23.5 ARADomingo, 23 de junho de 2013
  3. 3. “... os inimigos do homem serãoos da sua própria família”. Mateus 10.36Não é esse, com certeza, oevangelho das igrejas que adotam ateologia da prosperidade.Por que continuamos a seguiresse evangelho? Somos masoquistas?Creio que a melhor resposta foi dadapelo intempestivo Pedro, e não foifruto do labor do seu pensamento, esim revelação divina. Certa ocasião,Jesus pôs seus discípulos "contra aparede" e lhes perguntou de certaforma: “Por que vocês não vão emboracom os outros também?” Jesus nuncainsistiu com alguém para segui-lo. Porisso sou contra qualquer tipo de apeloque passe da medida do constrangi-mento. O melhor apelo vem do Espíri-to Santo, que chama pela pregação etestemunho de sua Palavra. Mas,hein?!... Voltando à resposta de Pedro,ele disse: "Senhor, para quem iremos?Tu tens as palavras de vida eterna” (João6.6b). O Espírito Santo levou Pedro ater uma compreensão sob a perspecti-va da Eternidade e não da transitorie-dade passageira de uma vida que podeter o problema que for, mas que já estádeterminada por Deus a ter um fim eum recomeço glorioso.Paulo também compreendeu isso edisse:“... pois os nossos sofrimentosleves e momentâneos estão produzindopara nós uma glória eterna que pesa maisdo que todos eles”. 2 Coríntios 4.17 NVINo domingo do dia 1.º de abrilde 2012, a Primeira Igreja Presbiterianade Belo Horizonte recebeu a ilustrevisita do pastor indiano, Rev. HiralalSolanki, pastor da Igreja Presbiterianade New Delhi – Índia. Ele trouxe àépoca uma linda mensagem com baseno Salmo 23. Naquele dia minha almaestava tão sedenta em ouvir a voz doSenhor que as palavras daquele homemde Deus penetravam meus ouvidos ecaíam direto em meu coração. Nãopretendo reproduzir todo o seusermão que foi belíssimo. Mas, paranossa edificação e glória de Deus, voufalar sobre um trecho deste Salmoexposto pelo Rev. Solanki.Solanki nos contou que, antesde ser pastor presbiteriano, era pastorde ovelhas. Ele nos disse que, de suasexperiências como pastor de gado,guardava algumas lembranças quefaziam com que compreendesse asmetáforas que Davi empregava nesteSalmo, pois Davi, antes de ser Rei, foium humilde pastor de ovelhas.O Salmo 23.5 nos diz o seguin-te: “Preparas-me uma mesa na presençados meus adversários, unges-me a cabeçacom óleo; o meu cálice transborda”. Opastor, ao levar as ovelhas para o pasto,lhes oferece comida farta. No entanto,as ovelhas convivem com um vizinhoindesejável, chato, persistente, que asincomoda: o mosquito. As moscas, quebuscam também servir-se do sanguedas ovelhas, ficam voando ao redor deseus corpos. Quem já conviveu compernilongos sabe como isso é chato.Voltando às ovelhas e mos-cas... Está ali a comida, mas também osinimigos das ovelhas, as moscas. Porque simplesmente Deus não mata asmoscas? Por que ele não as expulsa dali?Ele não as mata, nem as expulsa, masfaz com que as ovelhas sejam protegi-das a tal ponto que as moscas não lhestocam; de certa forma, ele as mantém àdistância. O pastor unge a cabeça dasovelhas com um tipo de óleo que servede repelente. Quem gosta de pescar,como eu, sabe que existem óleosrepelentes que não matam os mosqui-tos, nem os expulsam dali, mas osmantêm suficientemente afastadospara que tenhamos a paz para poderpescar e desfrutar com deleite daquiloque Deus preparou para nosso lazer.O contexto imediato e ocontexto geral das Escrituras provam-nos que, em geral, Deus não expulsa osnossos inimigos, nem os mata (se bemque..., de vez em quando ele mata uns,mas logo os substitui por outros). Deusnão tira as aflições, ele nos fortalecenelas. Deus não nos faz transpor aslutas, ele caminha conosco no meio dovale da sombra da morte, com seucajado e bordão protetor. O SupremoPastor vai sempre junto conosco."Mas vocês têm uma unção queprocede do Santo..." (1 João 2.20a)Ah... Faz bem lembrar a nósmesmos, e às "moscas" e "serpentes",que o tempo está contado e acabando.Quando, finalmente, o novo Éden forinaugurado na volta de nosso Senhor,então se cumprirá a grande promessaque diz:Ele enxugará dos seus olhos todalágrima. Não haverá mais morte,nem tristeza, nem choro, nem dor,pois a antiga ordem já passou".Apocalipse 21. 4 NVIE lá não haverá espaço paramoscas, cobras e lagartos...Pág. 03Domingo, 23 de junho de 2013
  4. 4. Pág. 04 Domingo, 23 de junho de 2013A MULHER CRISTÃde seu povo.Em outra ocasião, judeus egentios se juntaram em Icônio para umamanifestação contra ao apóstolo Paulo,que terminou em tumulto. O resultadofoi que Paulo saiu de lá e foi evangelizarListra e Derbe (At 14.5-7). Noutraocasião ele também foi alvo de umamanifestação popular, desta feitaorganizada pelos santeiros de Éfeso,revoltados com a queda das vendas dasimagens da deusa Diana. O tumultoacabou envolvendo as autoridadeslocais. O resultado da manifestação foia saída de Paulo da cidade (At 19.23-40). Todavia, de lá ele seguiu para aMacedônia pregando e confirmando asigrejas.Mais tarde, os judeus deJerusalém organizaram um tumultocontra Paulo, pedindo a sua morte (At21.27-31 e 22.22-29). Mais uma vez aAlgumas pessoas têmme perguntado o quea c h o d a smanifestações e protestos que estãoocorrendo em todo o país. Não mesinto em condição de oferecer umaanálise político-social de tudo isto, masposso ao menos tentar entender oassunto em geral do ponto de vistacristão-reformado.Para começar, o DeusAltíssimo está acima e governasoberanamente, de acordo com seuspropósitos insondáveis, os povos, asnações, as multidões, as massas. É estaa mensagem consistente de toda aEscritura. O Salmo 2 descreve Deusrindo e zombando das manifestaçõesdas nações, como se os povospudessem, com sua fúria e rebelião,frustrar os planos do Senhor (Sl 2.1-5).Isaías se refere ao bramido das nações edos povos em grande ira e de como oSenhor as dispersa como o vento leva apalha (Is 17.12-13).Embora as manifestações emSão Paulo e outras cidades sejam contrao governo e não contra os cristãos,manifestações populares quegeralmente acabavam em tumultoforam usadas pelos inimigos de Deuspara tentar destruir a Cristo e a igrejacristã nascente. Contudo, pelaprovidência soberana de Deus, osresultados sempre concorreram para oavanço do Evangelho. As massas emJerusalém vieram ao palácio de Pilatosse manifestar contra Jesus e pedir a suacrucificação, no que foram atendidos(Mt 27.202-26). Ao fazer isto, estavamcumprindo, sem saber, a maisimportante etapa do plano da salvaçãoelaborado por Deus, que era a mortedo Filho de Deus na cruz pelos pecadosRev. Augustus Nicodemus‘‘Os homens escarnecedores alvoroçam a cidade,mas os sábios desviam a ira’’ (Pv 29.8)APONTAMENTOS SOBRE OS TUMULTOSE MANIFESTAÇÕES RECENTES
  5. 5. Pág. 05do Altíssimo. Embora tumultospopulares organizados tenham sidosempre seja uma arma dos inimigos dopovo de Deus para destruir a Igreja,lembremos que Deus sempre reverteuo propósito maligno em favor do seupovo.Segundo, vejo como legítima aparticipação dos cristãos emmanifestações públicas que sejamordeiras e pacificas, que não sejamtumultos e que tenham em mente obem da sociedade e não somente osprivilégios dos crentes e evangélicos.Não faz sentido as igrejas seorganizarem em passeatas emanifestações e marchas parareivindicar privilégios para os crentes.Estas manifestações são civis,expressões sociais e não um culto. Porexemplo, ao protestarmos contra aaprovação da lei da homofobiadevemos fazê-lo essencialmenteporque se trata de uma violação daConstituição que garante a todos – enão somente aos crentes – o direito deconsciência e de expressão.Terceiro, não custa lembrarque a maneira da igreja influenciar em u d a r a s o c i e d a d e éfundamentalmente pela pregação doEvangelho de Cristo, chamandogovernantes e governados aoarrependimento de seus pecados econversão, pela fé, a Jesus Cristo. Nãosomente isto, pelo procedimento epelo exemplo os cristãos se tornam sale luz do mundo, quando suas obras deamor, arrependimento e fé são vistaspelos incrédulos (Mt 5.14-16).Por fim, lembremos que as autoridadesforam constituídas por Deus.Conforme Paulo nos ensina, elas sãoministros de Deus para proteger osbons, castigar os maus e promover obem da sociedade. Por isto, devem serrespeitadas, temidas e a elas devemospagar impostos. A palavra que Paulousa para se referir à autoridade como“ministro” de Deus é a palavradiáconos, bem conhecida dos cristãos(Rm 13.1-7). Pedro vai nesta mesmalinha (1Pe 2.13-14). Isso não significaque devamos, como cristãos,obediência absoluta ao Estado. Nossaconsciência está cativa à Palavra deDeus como instância última.Em casos de conflito – quandoo Estado exige de mim aquilo que aPalavra de Deus proíbe – devoobedecer a Deus e não aos homens.Pois ao colocar-se contra os valores eprincípios de Deus, o Estado corrompeseu papel dado por Deus e suas leis sãomeras leis “humanas” em contrastecom as divinas.Em casos assim, cabe aoscristãos o uso dos meios legítimos paradiscordar, avisar e alertar o Estado e,finalmente, estar prontos para sofrer asconsequências da desobediência àestas leis, como os primeiros cristãosfizeram ao recusar-se a adorar oImperador, culto oficial e obrigatóriodo império romano.Diante do exposto acima,imagino algumas conclusões práticas.Primeira, não devemos jamais temer otumulto das massas – Deus está nocontrole. Essa é a confiança dos servosDomingo, 23 de junho de 2013polícia teve de intervir. Paulo escapouporque era cidadão romano. Masacabou sendo levado preso para Roma,cumprindo assim o plano de Deus – foida prisão em Roma que Paulo escreveuvárias das suas cartas: Efésios,Colossenses, Filipenses e Filemon.Ou seja, por mais que asmanifestações populares pareçam umpoder independente e soberano estão,todavia, debaixo do governo divino.Através delas Deus realiza seupropósito maior, que é promover a suaglória e o bem do seu povo, ainda que,no momento, não percebamos de queforma estas coisas se materializam nahistória.Outro ponto a lembrar é quemanifestações violentas e tumultos sãodecorrentes das guerras e contendasque procedem do coração humano,corrompido pelo pecado. Ainda que,por causa da graça comum, existam porvezes motivos justos para estasmanifestações, tais motivos sãofrequentemente misturados commotivações obscuras e impuras (Tg4.1-3). Elas expressam o caos espiritualque há nos corações sem Deus e adesordem social e civil que entrou nasociedade humana pelo pecado deAdão e pelo nosso próprio. Comoparte de seu governo sobre o mundo,Deus por vezes usa as autoridades parareprimir e castigar os baderneiros. Assedições e tumultos contra o impérioromano no período neo-testamentárioeram reprimidos vigorosamente, comono caso de Barrabás que havia sidocondenado a morte por causa deliderar uma sedição e ter matadoalguém (Lc 23.19,25). Protestosliderados por Teudas e Judas, o galileu,terminaram com a morte deles pelossoldados romanos (At 5.36-37). Oslíderes judeus viviam com medo deserem esmagados pelos romanos casohouvesse entre eles quem liderassetumultos e protestos (At 19.40). Estasmanifestações e protestos de judeusinsatisfeitos com o domínio romanotinham um fundo escatológico,decorrente de uma interpretaçãopopular e equivocada quanto ànatureza do Reino de Deus.
  6. 6. Pág. 06b) Cuidando da vida espiritual dela.O homem que ama a esposa é osacerdote do lar, contribuindo para seucrescimento espiritual e abençoandosua casa (2 Sm 6.20). Deve tomar ainiciativa de orar coma esposa, ler aBíblia juntos (Mt 18.19);c) Conhecendo a natureza feminina eas características pessoais de sua esposa(1 Pe 3.7). As mulheres são intuitivas,românticas, sentimentais e o maridodeve compreender as peculiaridades esatisfazer estas necessidades;d) Dando à esposa o devido valor,acima dos filhos, parentes e amigos. Amesua esposa, ao ponto de tratá-la commais respeito do que você trata seusamigos e parentes. Isto inclui ter tempopara ela, dar-lhe prioridade (Gn 2.18;Mc 10.8). Inclui ainda consultá-la antesDeus estabeleceupapéis diferentespara os membros dafamília. Esposos e esposas têm seusdeveres e direitos. Ser bem casado éuma bênção. A esposa prudente vemdo Senhor (Pv 19.14). O que a Bíbliaordena ao marido:1. Amar a esposa(Ef.5.25-29; Cl. 3.19)Como Cristo trata o homem, ohomem deve tratar a sua esposa. Aênfase nesta passagem não está naautoridade do marido para governar,mas em sua responsabilidade de amar.Deus não ordenou às mulheres queamassem, mas ordenou aos maridos.Qualidades desse amor:Amor VOLUNTÁRIO (Gl2.20) – se entrega por ela;Amor INCONDICONAL (1 Jo4.19) – amar primeiro; –Amor SACRIFICIAL (Jo 15.13)dar a vida por ela.Como o amor deveser demonstrado:a) Através da proteção e cuidado -espiritual, emocional e social – de formaque a esposa viva feliz (1 Co 7.33; Dt24.5; 1 Tm 5.8). O marido deveprocurar suprir todas as necessidadesda esposa, inclusive de descanso e lazer(Ct 7.11,12). Para isto, deve trabalhar(1 Ts 4.11,12; 2 Ts 3.10-12);Domingo, 23 de junho de 2013OS DEVERES DO MARIDO CRISTÃOLeitura: Ef. 5.22-33.Kleber Maia‘‘O marido deve cumprir os seus deveres conjugaispara com a sua mulher...’’ 1 Coríntios 7:3a (NVI)
  7. 7. de tomar decisões. Também incluiapoiá-la nos seus projetos e idéias. Sevocê não realiza os sonhos da suaesposa, quem o fará? Se você temdireito de gastar alguns reais no seuhobby, porque ela não?;e) Elogiar a esposa, ressaltandosuas virtudes, esforços, aparência (Pv31.28,29);f) Tratar a mulher com carinho ecompreensão e não sendo rude ouríspido, o que torna a vida amarga (Cl3.19). Beijos e abraços são umanecessidade a ser atendida sempre;g) Conceder à sua esposa o afetoque lhe é devido, inclusive asnecessidades sexuais (1 Co 7.3). Nãoprivar a esposa de seu corpo, porquepertence a ela (1 Co 7.4-5). Nãocumprir suas obrigações conjugais comsua esposa é roubar o que lhe é devido.O marido não deve ser egoísta quandose trata de prazer sexual.h) Cuidar das pequenas coisas,como dar-lhe dinheiro paranecessidades pessoais e colaborar nastarefas do lar (Is 41.6);i) Falar a verdade com a esposa,tendo-a como sua confidente (Cl 3.9).Se a esposa tem uma outra pessoa emquem confia mais do que no marido,está errado;j) Manter-se fiel à esposa (1 Co7.2). Cuidado com a internet, com asamizades, com os olhares (Mt 5.27).2. Liderar o seu lar(Ef.5.23; 1Co 11.3).O significado da palavra “cabeça”significa degrau, ordem, classe,posição. E esta é a ordem de Deus paraPág. 07Domingo, 23 de junho de 2013‘‘... maridos, sejam sábios no convívio com suas mulheres e tratem-nas com honra,como parte mais frágil e co-herdeiras do dom da graça da vida, de forma que nãosejam interrompidas as suas orações.’’1 Pedro 3:7 (NVI)liderança se fragiliza e não convence afamília.c) Sensibilidade (Lc 7.13). Asensibilidade para perceber o queacontece ao redor é um fatorimprescindível para liderar comsegurança e equilíbrio.d) Estabilidade emocional. Se odescontrole partir de quem está àfrente da família, os liderados sentirãoangústia e insegurança, nãoconseguindo assim estabelecer umvínculo de harmonia;O que autoridadenão é:a) Não é ditadura. Muitos homenshá que interpretam erradamente (Ef5.23) para justificar atitudes ecomportamento autoritários nocasamento. Gritam, mandam, exigemobediência com tamanha imposição,capaz de ser olhado com medo e nãocom amor, pela esposa e pelos filhos.b) Não é garantia de respeitoautomático. É verdade que foi Deusquem determinou tivesse o maridoautoridade no lar. Exercê-la,entretanto, requer sabedoria, ou acom a família. Isto não significa asuperioridade do homem sobre amulher, porque Deus e Cristo sãoiguais, mas com diferentes papeis, ouseja, responsabilidades distintas.Marido tem uma posição mais alta quea esposa; o pai tem uma posição maisalta do que o filho.Para liderar na Casa de Deusprecisa liderar na família (1Tm. 3.2-5).Toda a autoridade para exercer aliderança no lar tem que proceder doSenhor. Quanto mais o marido sesubmete a Cristo, mais autoridade eleterá.Para exercer umaliderança eficaz, deveconsiderar os seguintesprincípios:a) Amor. Liderar a esposa em amorsignifica que os maridos não serão, deforma alguma, déspotas, tiranos.Quando um marido cristão assumeessa responsabilidade, cultiva narelação conjugal espaço para o diálogo,para ouvir a esposa e aceitar suasponderações.b) Presença (Mt 28.20). Quando olíder fica muito ausente do lar, sua
  8. 8. Pág. 08 Domingo, 23 de junho de 2013Fonte: <http://doutrinas.blogspot.com.br/2009/04/os-deveres-do-marido-cristao.html>in, 23/06/2013.1. Amarás ao Senhor teu Deus detodo o teu coração, e à tua mulhercomo Cristo amou a igreja (Dt 6.5, Ef5.25);2. Alegremente cumprirás o teudever de provedor do lar, trabalhandoe com o suor do teu rosto comerás oteu pão (Gn 3.19);3. Protegerás a tua mulher comtodas as tuas forças, tudo fazendo peloseu bem-estar e segurança (Lc 12);4. Darás honra a tua mulher comovaso mais fraco, coabitando com elacom conhecimento (1 Pe 3.7);5. Vigiarás constantemente paranão desejares a mulher do teu próximo(Mt 5.27);6. Não darás lugar ao ciúme em tuamente, procurando ser puro em todasas coisas (Tt 1.15);7. Manterás sempre o teu bomhumor e não te irritarás com tuamulher (Cl 3.19);8. Procurarás ter tempo paraconversar com tua mulher, sabendoque ela tem necessidade de expressar oque lhe vai na alma (Ec 3.1);9. Não mentirás a tua mulher, nemfarás qualquer negócio sem que elaparticipe, procurando combinar comela e ouvir sua opinião, como aauxiliadora (Zc 8.16);10. Não serás avarento (pão duro),mas suprirás graciosamente asnecessidades da sua esposa (Ef 5.5)OS DEZMANDAMENTOSPARA O MARIDO‘‘...os maridos devem amar as suas mulheres como aseus próprios corpos. Quem ama sua mulher, ama a simesmo.’’ Efésios 5:28 (NVI)‘‘Quero, porém, que entendam que o cabeça de todohomem é Cristo, e o cabeça da mulher é o homem, e ocabeça de Cristo é Deus.’’ 1 Coríntios 11:3 (NVI)família lhe negará o devido respeito.Respeito gera respeito.c) Não é individualismo. Autoridadenão quer dizer que o marido tem detomar todas as suas decisões sozinho.Embora chefia envolva autoridade, istonão implica que a esposa deva seralijada sob a alegação de que ela éincapaz de decidir ou de influenciar omarido nas suas decisões.O que é autoridadea) É responsabilidade. Ser o cabeçado lar é mais do que uma questão desimples autoridade, é uma questão deresponsabilidade. Uma vez que Deuscriou Eva ajudadora de Adão, estecomo “cabeça” da família é responsávelperante Deus.b) É liderança. Liderança requeridaem todos os momentos da vidaconjugal. É claro que o marido precisaser comedido ao exercê-la, não serirritado, autoritário, mas, evidenciandohumildade e constante submissão aJesus Cristo, o Senhor da sua vida e doseu lar.c) É exemplo (Fp 4.9). É muito maisfácil dizer: siga-me do que “faça o queeu digo mas não faça o que eu faço”.d) É serviço. (Mc. 9.35). Jesusmostrou este princípio lavando os pésaos discípulos. É um ato que tipifica omodo certo de exercer autoridade, istoé, ela não se fundamenta em orgulho,prepotência, ou autoconfiança, mas emhumildade.Obras consultadas:Apostila do Seminário para Casais da irmãLídia Fernandes(www.amigadoamigo.blogspot.com).KEMP, Jaime. O Lar Cristão. São Paulo:Editora Sepal, .BRAND, Henry. O Segredo de umCasamento Feliz. São Paulo: Mundo Cristão,1999.
  9. 9. Ot e m p o e s t áp a s s a n d o e oparadigma tempersistido. Confesso que é difícil paraeu continuar ouvindo pessoas dizerem:“Nós ajudamos tal missionário todomês”. Pior que isso é ouvir ummissionário dizendo: “Tal igreja meajuda há dois anos”. Mas por que eudisse “continuar ouvindo”? Há quaseduas décadas, aqui no Brasil, temosensinado, por onde andamos, omodelo bíblico, ensinado pelo apóstoloPaulo, na carta escrita aos filipenses, emrelação à parceria missionário-igreja:“Todavia, fizestes bem, associando-vos na minha tribulação. E sabeis vós, ófilipenses, que no início do evangelho,quando parti da Macedônia, nenhumaigreja se associou comigo, no tocante aPág. 10dar e receber, senão unicamente vósoutros”.Que princípio está embutidonas palavras do apóstolo? O verboassociar traz consigo uma premissabem básica: mais de um. Como assim? -você pode me perguntar. Para que hajauma associação, são necessárias, nomínimo, duas partes, podendo ser 10,100, 1000 ou mais. O que pode servisto nesse modelo apresentado emFilipenses é que o projeto missionárioMISSÕES NO MUNDODomingo, 23 de junho de 2013NÃO QUEREMOS A SUA AJUDA!Mônica Mesquita‘‘E sabeis também vós, ó filipenses, que, no início do evangelho, quando partida Macedônia, nenhuma igreja se associou comigo no tocante a dar e receber,senão unicamente vós outros;’’ Filipenses 4.15 (ARA)
  10. 10. era um – pregar aos gentios –mas que os envolvidos eramdois – o apóstolo Paulo e aIgreja de Filipos. Ninguémestava ajudando ninguém.Nenhuma igreja “ajuda”nenhum missionário: isso nãoé bíblico. A igreja tal realizad e t e r m i n a d o p r o j e t om i s s i o n á r i o c o m omissionário fulano de tal.Ponto. Simples assim. Nadaalém e nada aquém. Nem omissionário é ajudado e nem aigreja ajuda. O que acontece,para que a Palavra sejapregada aos “gentios” é umaP A R C E R I A :igreja+missionário, oumissionário+igreja, a ordem nãoimporta.Preste atenção em algunst e r m o s q u e v o u a p r e s e n t a r :m a n t e n e d o r, c o n t r i b u i n t e ,colaborador, doador, sustentador. Oque eles têm em comum? Um pontoforte entre esses termos é a suacaracterística ativa: um mantenedormantém algo ou alguém; umcontribuinte contribui com algo oucom alguém; um colaborador colaboracom algo ou com alguém; um doadordoa para algo ou para alguém; umsustentador sustenta algo ou alguém.Exatamente por essa razão é que nãoaprovo termos como esses quando oassunto é missões.“ M a s e n t ã o ( v o c ê m eperguntaria) qual o termo certo?”Costumamos usar três terminologiasque considero mais adequadas efidedignas, semanticamente falando, aoassunto em questão: parceria,sociedade, associação. Aqui simencontramos a ideia que Paulo nosquer passar: partes envolvidas em umtodo comum, a saber, o cumprimentoda tarefa missionária.Pág. 09Domingo, 23 de junho de 2013N u m a p a r c e r i a , n u m asociedade ou numa associação, pessoase/ou entidades estão unidas em favorde um mesmo fim. Se o missionáriofulano de tal foi para o país tal, levar amensagem de Cristo às pessoas de lá, aigreja tal é parceira, ou sócia, ouassociada daquele missionário nareferida tarefa. Parece simples? Ésimples mesmo. Desse jeito. Nãovamos complicar.Nós mesmos e nossas igrejasprecisamos apreender esse formato eudisse apreender), salvar esse arquivono HD da nossa memória e deletarmosarquivos anteriores que não traduzema essência do que seja a maneiracorreta de se realizar a obramissionária.O projeto é um só – levar oEvangelho. Os agentes que propiciarãoo cumprimento desse projeto sãomembros de uma equipe abençoadapor Deus, com características únicas edadas por Ele mesmo: um faz seminárioteológico e cursos transculturais, visitavárias igrejas, entra num avião e vaiembora. Outro entrega, fielmente, suaoferta missionária, a cada mês. Outrofaz a contabilidade da igreja. Outro émembro do conselho missionário.Outro ora fervorosamente pelo irmãoque está pregando e pelos que estãoouvindo. Outro faz o depósito bancáriona conta do missionário. Outromobiliza a igreja e a mantém informadasobre o andamento do projeto. Outrose prepara durante um tempo, para irao campo visitar o missionário. Outroescreve e-mails sinceros e carinhosos eos envia ao missionário. O missionário,por sua vez, mantém todos os seuscolegas de equipe bem informados emrelação à evolução do projeto. É maisou menos isso.Se cada um de nós fizer a suaparte, e se colocar responsavelmente amercê do Senhor das Missões,ninguém, nunca mais, precisará ajudarninguém. A não ser, é claro, que umapessoa tropece do seu lado. Nessecaso, uma ajudinha até que iria muitobem.Fonte: <http://www.apmt.org.br/index.php/artigos14/1498-nao-queremos-a-sua-ajuda>in, 23/06/2013.‘‘ ’’Todavia, fizestes bem, associando-vos na minha tribulação.Filipenses 4.14
  11. 11. Pág. 11NOTÍCIAS DO CAMPOeste último domin-Ngo, dia dezesseis dejunho, celebramosum culto especial ao Senhor, comoparte comemorativa das celebraçõesespeciais do primeiro ano de aniversá-rio da organização de nossa congrega-ção presbiteriana Nova Suíça.Naquela oportunidade rece-bemos um bom grupo de pessoas, queassociados aos membros da Congrega-ção, ofereceram seus louvores e adora-ção ao Deus da Igreja, o Senhor JesusCristo. Tivemos a participação especia-líssima do Coral Masculino da PrimeiraIgreja Presbiteriana de Belo Horizonte,que enriqueceu a adoração públicaatravés do canto coral, apresentandosob a regência do Maestro Lukas Doro,hinos belíssimos para o louvor da glóriado nome do Altíssimo.O pregador da noite, nossovisitante ilustre, foi o Rev. César Gui-marães do Carmo, que por muitos anosfoi o presidente do Presbitério BeloHorizonte. Hoje exerce função ecle-siástica junto a JURET-BH e é pastor daIgreja Presbiteriana Jardim das Olivei-ras, do bairro São Gabriel – BH, igrejamembro do PBHZ.O Rev. César trouxe-nos um belo ser-mão baseado na Epístola do ApóstoloPaulo aos Romanos 8.18-39, e 9.1-3.Em sua prédica, o reverendo expos adoutrina paulina dos benefícios adquiri-dos pelos méritos de Jesus aos crentes,e seus efeitos imediatos sobre toda aCriação.A natureza geme, os lhos deDeus gemem, e o Espírito Santo gemetambém na expectativa da redençãonal, donde surgirá novos Céus e novaTerra. A vista destas coisas, na argu-mentação de sua mensagem, declarouDomingo, 23 de junho de 2013ACONTECEU NESTE ÚLTIMO DOMINGO – 16/06/2013“Que diremos, pois, à vista destas cousas? Se Deusé por nós, quem será contra nós”. Romanos 8.31 (ARA)então que o amor de Deusé provado e aprovadoabundantemente em Elemesmo nos aançar acerteza de nossa uniãoindissolúvel com Cristo.Concluiu então,usando os três primeirosversos do capitulo nove,que a despeito dessa apo-teose apresentada nocapitulo anterior, o pró-prio Apóstolo Paulo esta-va disposto a ser declara-do anátema, se depen-desse dele, por amor aseus patrícios, com opropósito elevado de queestes também viessem aconhecer e experimentaresse grande amor de Deus, reveladoem Cristo Jesus. Aplicou à realidade denossa igreja contemporânea apontan-do o grande desao de amarmos osincrédulos, para que todo esforço sejafeito com o objetivo de que Cristo sejaconhecido de todos. Todos quantosDeus for servido em se revelar pormeio do testemunho de nossas vidas, emediante a pregação do Evangelho.Finalizado a solenidade doculto, tivemos uma recepção na áreagourmet da congregação, onde todospuderam se deliciar com um gostosolanche preparado e servido pelas irmãsda igreja.Louvado seja Deus!Rev. Afonso Celso de Oliveira
  12. 12. - Ter | 9h às 12h- Qui | 14h às 17h- Reunião de Oraçãoseg às 19h30min- Estudo Bíblicoqui às 19h30min- Escola Bíblica Dominicaldom às 09h- Culto Solenedom às 18hPROGRAMAÇÃO SEMANALATENDIMENTO PASTORAL- Rua Limoeiro, 204Nova Suíça - BH/MG- Tel: 3317-33307574-5149- Rev. Afonso Celsode Oliveira- E-mail:pastorafonso@gmail.comCONTATOCongregação da-Rev. Afonso Celso de Oliveira(31) 7574-5149Pb. Anderson Fleming(31)Pb. Helmut Rieg(31)Mesa Administrativapag. 12Domingo dia 09/06 às 18 horas -Participação do Coral Feminino da Primeira Igreja Presbiteriana de BeloHorizonte.Pregador convidado: Rev. Jedeias Duarte - SE/PMC - IPB.Domingo dia 16/06 às 18 horas -Participação do Coral Masculino da Primeira Igreja Presbiteriana deBelo Horizonte.Pregador convidado: Rev. César Guimarães do Carmo - Membro daJURET-SPTDRNE, pastor da Igreja Presbiteriana Jardim das Oliveiras,BH.Domingo dia 23/06 às 18 horas -Participação do Coral Jovem da Primeira Igreja Presbiteriana de BeloHorizontePregador convidado: Rev. Edson Costa Silva, SE-PBHZ, pastor auxiliarda Primeira Igreja de BH.Domingo dia 30/06 às 18 horas -Pregador convidado: Rev. Gustavo Quintela Franca - pastor auxiliar daPrimeira Igreja de BH.02/06 - Leonardo D’Agostini -Tel.: 8595-680710/06 - Rev. Afonso e Tatiane (casamento ) Tel.: 3046-491320/06 - Silvania Silva (esposa do Levi) - Tel.: 2515-667522/06 - Anderson Fleming - Tel.: 2526-376525/06 - Eunice Batista Gonçalves - Tel.: 3372-0017Desejamos a todos os aniversariantes de Junho ricas bênçãos derramadas peloEterno. Que nosso bom Deus seja bendito em agraciar nossos queridos com suaboa mão, seu consolo, conforto e fortalecimento, para louvor do nome de suaglória!«O justo florescerá com a palmeira crescerá como cedro no líbano». Sl 92:12ANIVERSARIANTES DE JUNHORobson Soares, Elza, Lilian, Marco Túlio, Anderson, Larissa, Yasmin, CélioJúnior.A igreja está convocada para orar por essa família entre os dias 24/06 a 30/06JUNHO - MÊS DE CELEBRAÇÕESNo dia 10 de junho de 2013 nossa congregação completou pelamercê de Deus um ano da sua organização de ponto de pregação para ostatus de congregação. Com isso em mente e com o coração cheio dealegria, estamos programando um mês repleto de cultos especiaiscomemorativos, com a participação de vários pastores que pregarão aosdomingos em nosso púlpito, contando ainda com corais de nossa igrejaque farão apresentações especiais. Contamos desde já com as orações,participação e divulgação dos membros de nossa igreja.Rev. Afonso Celso.AVISOSDomingo, 23 de junho de 2013

×