Conceito de Direito

291 visualizações

Publicada em

Trabalho realizado para se chegar à um conceito de direito individual

Publicada em: Direito
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
291
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
70
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Conceito de Direito

  1. 1. FACULDADE DE DIREITO DA FUNDAÇÃO ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO Introdução de Ensino ao Direito (IED) Prof° Jaime Weingartner Neto Conceito de Direito Aluna: Rosemeri Munhoz de Andrade Turma: A 1° Semestre/ 2012 Porto Alegre, 14 de junho de 2012.
  2. 2. No estudo do Direito, o que mais me impressiona é a capacidade de transformação e adequação às necessidades sociais na medida em que surgem. Posso citar como exemplos, a Justiça Antiga quando o direito foi positivado e a ideia de lei que surge após a revolução francesa na tentativa de por fim ao modelo jurisdicional, centrado na figura do monarca, para garantir a igualdade. Assim, como bem adverte Jackson de Figueiredo, “a vida vale sobretudo como oportunidade de aperfeiçoar-nos, o Direito, em razão de sua própria estrutura e destinação, representa uma das dimensões essenciais da vida humana”. Já na Justiça contemporânea, quando o positivismo puro passa a perder força (nazismo, facismo), é criada de uma constituição baseada em direitos fundamentais, valores reconhecidos igualmente a todos os seres humanos. Agrada-me a famosa fórmula de Radbruch “Extrema injustiça não é direito” e também a citação de Georges Bernanos: Não existe pior desordem que a injustiça. No caso dos Exploradores de cavernas, o Juiz Keen foi o que mais se aproxima da minha opinião com a condenação dos exploradores. No caso do direito penal é complicado “criar leis” sendo necessário distinguir as atribuições do Legislativo e do Judiciário, do contrário gera insegurança entre os poderes. Sustentei durante o trabalho e continuo sustentando a opinião de evitar precedentes, não é o caso de preencher lacunas. Se a sociedade entender que devem ser criadas novas leis para casos extremos, até então não previstos, que então, a partir desse caso, sejam criadas, mas não alterar a lei para o caso pretérito. Ex: O Caso Daniela Peres que alterou a lei para crimes hediondos. Já, o Juiz Tatting, quando se abstém de votar contraria meus valores de responsabilidade. Portando, por meus estudos iniciais, nesse curso que tanto me fascina, considero-me positivista-crítico. Positivista porque acredito que a base que nos orienta para exercer o direito está positivada na Constituição (e em todas as normas jurídicas), a partir dos direitos fundamentais e dos princípios constitucionais; e Crítico, pois a partir da interpretação (crítica e racional) podemos buscar a igualdade, a equidade e tantos outros direitos, que conforme Alexy nos ajudam à correção e eficácia social, não esquecendo o respeito à dignidade das pessoas defendido por Michael Sandel. Um conceito histórico que me identifica é de Kant onde o objetivo do direito é conciliar a liberdade de cada um com a liberdade dos demais, de forma que a liberdade possa prevalecer como regra geral. Proposta de Conceituação: Direito é um sistema de normas jurídicas, composta por regras e princípios, estabelecidos pelos representantes do povo, para regular as relações sociais, com o objetivo de estabelecer uma sociedade segura em que, a aplicação das normas, a partir da interpretação (lógica e racional), tem como objeto a justiça em cada caso concreto. Implica que sejam cumpridos os seus preceitos, do contrário a coação será necessária. “O espetáculo da injustiça acabrunha-me, mas isso se deve provavelmente ao fato de ela despertar em mim a consciência dos atos de injustiça de que sou capaz.” Georges Bernamos.
  3. 3. Referencias bibliograficas REALE, Miguel, Lições preliminares de direito; 25ª Ed. 2001 SANDEL, Michael J., Justiça – O que é fazer a coisa certa; [tradução de Heloisa Matias e Maria Alice Máximo]. 5ª Ed., Rio de janeiro: Civilização Brasileira, 2012. QUEIROZ, Carlos Alberto Marchi, O caso dos exploradores de cavernas; São Paulo: Ed. Quartier Latin do Brasil, 2011. http://pensador.uol.com.br/autor/georges_bernanos/ pesquisado em 10/06 às 12h14min http://www.jurisway.org.br/v2/ O conceito de liberdade na Teoria Política de Kant; pesquisado em 10/06 às 12h36min

×