Primeiros Cuidados ao Paciente
Traumatizado de face
Profa. Dra. Cláudia Jordão Silva
Faculdade de Odontologia
Disciplina d...
Primeiros Socorros ao Paciente com Trauma Facial
PROFa.Dra. Cláudia Jordão Silva Maio/2002
2
Primeiros Cuidados ao Pacient...
Primeiros Socorros ao Paciente com Trauma Facial
PROFa.Dra. Cláudia Jordão Silva Maio/2002
3
lesões associadas podem passa...
Primeiros Socorros ao Paciente com Trauma Facial
PROFa.Dra. Cláudia Jordão Silva Maio/2002
4
Guedel, que evitára sua queda...
Primeiros Socorros ao Paciente com Trauma Facial
PROFa.Dra. Cláudia Jordão Silva Maio/2002
5
a cartilagem cricóide, glându...
Primeiros Socorros ao Paciente com Trauma Facial
PROFa.Dra. Cláudia Jordão Silva Maio/2002
6
transfusão nas grandes perdas...
Primeiros Socorros ao Paciente com Trauma Facial
PROFa.Dra. Cláudia Jordão Silva Maio/2002
7
se necessário promover uma bo...
Primeiros Socorros ao Paciente com Trauma Facial
PROFa.Dra. Cláudia Jordão Silva Maio/2002
8
11) Após a realização das sut...
Primeiros Socorros ao Paciente com Trauma Facial
PROFa.Dra. Cláudia Jordão Silva Maio/2002
9
Quando o paciente recebeu 2 d...
Primeiros Socorros ao Paciente com Trauma Facial
PROFa.Dra. Cláudia Jordão Silva Maio/2002
10
melhores condições o pacient...
Primeiros Socorros ao Paciente com Trauma Facial
PROFa.Dra. Cláudia Jordão Silva Maio/2002
11
20) Apenas para finalizar, é...
Primeiros Socorros ao Paciente com Trauma Facial
PROFa.Dra. Cláudia Jordão Silva Maio/2002
12
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
1...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Primeiros cuidados ao paciente traumatizado de face

364 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
364
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
22
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Primeiros cuidados ao paciente traumatizado de face

  1. 1. Primeiros Cuidados ao Paciente Traumatizado de face Profa. Dra. Cláudia Jordão Silva Faculdade de Odontologia Disciplina de C.T.B.M.F. PDF created with pdfFactory Pro trial version www.pdffactory.com
  2. 2. Primeiros Socorros ao Paciente com Trauma Facial PROFa.Dra. Cláudia Jordão Silva Maio/2002 2 Primeiros Cuidados ao Paciente Traumatizado de face 01) Não se pode pensar em traumatologia Bucomaxilofacial, sem levar em consideração o atendimento de urgência e os primeiros cuidados ao traumatizado de face. Os primeiros socorros ao paciente são de extrema importância e tem por objetivo a preservação da vida do paciente, para que em condições favoráveis, possa submeter-se a tratamentos especializados. (Souza & Garllip,1977). 02) A entrada de um paciente politraumatizado no setor de urgência de um hospital, deve desencadear por parte da equipe responsável, um atendimento rápido, ordenado e eficaz. Normalmente este atendimento é realizado por uma equipe liderada por um cirurgião geral que ditára as prioridades de tratamento, bem como a convocação das diversas especialidades para elaboração do diagnóstico e orientação terapêutica. Devemos, entretanto, ressaltar de inicio que muitas vezes, preocupados com o aspecto bizarro da face, algumas PDF created with pdfFactory Pro trial version www.pdffactory.com
  3. 3. Primeiros Socorros ao Paciente com Trauma Facial PROFa.Dra. Cláudia Jordão Silva Maio/2002 3 lesões associadas podem passar desapercebidas comprometendo a manutenção da vida do paciente. 03) Através da análise da literatura,podemos observar que a principal causa de traumatismos faciais são os acidentes de trânsito, englobando acidentes de carro e moto, justificados em sua maioria pela não utilização do cinto de segurança e do capacete. Observa-se ainda que cerca de 50 a 70% das vítimas apresentam lesões na cabeça, e baseado nisto podemos deduzir que a incidência dos traumatismos faciais tem aumentado vertiginosamente com o passar dos anos. 04) A prioridade absoluta em qualquer atendimento de pacientes vítima de trauma consiste na desobstrução das vias aéreas superiores e controle da hemorragia, já que isto implica em risco de vida para o paciente. A causa mais freqüente de insuficiência respiratória por trauma se deve a queda da língua, comum em quadros de perda de consciência em virtude de uma concussão cerebral. Desta forma, a língua deve ser mantida tracionada ou pode-se utilizar a cânula de PDF created with pdfFactory Pro trial version www.pdffactory.com
  4. 4. Primeiros Socorros ao Paciente com Trauma Facial PROFa.Dra. Cláudia Jordão Silva Maio/2002 4 Guedel, que evitára sua queda. Além disso a posição da cabeça, onde a mandibula é tracionada levemente para a frente em direção a maxila, mantendo-a em hiperextensão,onde a traqueia é retificada evitando-se a queda da língua. Outro aspecto importante é a presença de sangue, vômito, fragmentos ósseos e dentários, além de próteses deslocadas que podem levar a obstrução respiratória. Este problema pode ser resolvido através da limpeza da cavidade bucal por aspiração ou pela remoção manual destes corpos estranhos. No entanto, existem casos de obstrução respiratória severa onde se torna necessário a realização de traqueostomia, para garantir a sobrevivência do paciente. 05) Existem basicamente dois tipos de traqueostomia. A chamada traqueostomia alta ou coniotomia (realizada acima do istmo tireóideo) ou traqueostomia baixa (realizada sobre o istmo da glândula tireóidea). Além disso, ela pode ser de urgência ou eletiva. O método ideal para localizar a cartilagem tireoidiana consiste na palpação do pomo de adão. Posteriormente, encontramos PDF created with pdfFactory Pro trial version www.pdffactory.com
  5. 5. Primeiros Socorros ao Paciente com Trauma Facial PROFa.Dra. Cláudia Jordão Silva Maio/2002 5 a cartilagem cricóide, glândula tireóide e a seguir uma pequena fenda que é a membrana cricotireóidea, onde deverá ser realizada uma incisão de aproximadamente 2 cm com cuidado para não lesar a cartilagem cricóide e as cordas vocais. Introduz-se um cânula ou qualquer objeto de forma tubular (urgência) para manter a permeabilidade, até que ela possa ser realizada dentro dos princípios técnicos. 06) Outra situação considerada como prioridade é o controle da hemorragia. A hemorragia no traumatismo facial, não ocorre só em função da presença de ferimentos corto-contusos, mas também a rinorragia, devido ao grande aporte sangüíneo do septo nasal. A rinorragia pode ser controlada através de um tamponamento nasal anterior e em casos mais severos tamponamento nasal posterior a nível de rinofaringe.Outra causa freqüente são os ferimentos corto-contusos. Sabemos, que a face é extremamente vascularizada, principalmente por ramos da artéria facial. Como métodos utilizados para coibir a hemorragia, podemos citar a compressão, bandagem compressiva, PDF created with pdfFactory Pro trial version www.pdffactory.com
  6. 6. Primeiros Socorros ao Paciente com Trauma Facial PROFa.Dra. Cláudia Jordão Silva Maio/2002 6 transfusão nas grandes perdas e a pinçagem. É importante evitar a pinçagem em massa e as cegas pois podemos pinçar ramos nervosos que deixaram seqüelas de díficil tratamento. 07) Assim, que o paciente já não corre mais risco de vida e todas as situações de emergência estão controladas, freqüentemente o cirurgião bucomaxilofacial é convocado para avaliação clínica e orientação diagnóstica. Esta avaliação deverá iniciar através do conhecimento do estado geral do paciente. Normalmente, isto será informado pela equipe médica responsável pelo caso. É importante indagar ao paciente com relação a possíveis comprometimentos sistêmicos que ele possa possuir, como por exemplo: distúrbios cardíacos, diabetes, epilepsia, avc , problemas pulmonares, dentre outros. Além disso é importante saber em quais circunstâncias o acidente ocorreu, ou seja, qual foi a causa e onde ocorreu. 08) Para que se possa visualizar de maneira clara a extensão de possíveis ferimentos corto contusos, torna- PDF created with pdfFactory Pro trial version www.pdffactory.com
  7. 7. Primeiros Socorros ao Paciente com Trauma Facial PROFa.Dra. Cláudia Jordão Silva Maio/2002 7 se necessário promover uma boa limpeza da face do paciente. Esta limpeza é realizada com sabão detergente e lavado posteriormente com soro fisiológico. Dependendo do local do acidente pode ser necessário a realização da profilaxia do tétano. Desta forma teremos ferimentos em condição de exame e sutura. 09) Após a realização da limpeza da face do paciente, promove-se uma assepsia e anti-sepsia dos ferimentos, permitindo assim uma melhor visualização de possíveis corpos estranhos que possam ter permanecido no interior da ferida, deixando assim em condição de sutura. A seguir, promove-se o debridamento das bordas e inicia-se a sutura, onde alguns preceitos básicos devem ser respeitados como: Evitar traumatismo e tração exageradas dos tecidos, usar agulha e instrumental atraumáticos e suturar com pontos interrompidos que facilitará a remoção parcial e eventual drenagem. 10) Casos clínicos sobre ferimentos corto contusos. PDF created with pdfFactory Pro trial version www.pdffactory.com
  8. 8. Primeiros Socorros ao Paciente com Trauma Facial PROFa.Dra. Cláudia Jordão Silva Maio/2002 8 11) Após a realização das suturas dos ferimentos corto- contusos, passamos a realização de um exame físico especializado, buscando agora possíveis fraturas. Através da análise de sinais e sintomas típicos bem como da palpação dos ossos faciais poderemos chegar a um diagnóstico preciso. No entanto, estes sinais e sintomas característicos serão assuntos do próximo seminário. 12) O exame radiográfico será utilizado para o esclarecimento do diagnóstico clínico, sendo assim de grande importância na elaboração do plano de tratamento. É sabido que existem vários tipos de incidências específicas e que também serão abordadas no próximo seminário. 13) Dependendo do local onde o acidente ocorreu pode ser necessário a profilaxia do tétano. Quando o paciente não recebeu ou recebeu apenas uma dose ou quando há dúvidas quanto a imunização recomenda-se Tetanogamma ou Tetanobulin (globulina humana imunizada) + Tetanol (vacina) PDF created with pdfFactory Pro trial version www.pdffactory.com
  9. 9. Primeiros Socorros ao Paciente com Trauma Facial PROFa.Dra. Cláudia Jordão Silva Maio/2002 9 Quando o paciente recebeu 2 doses nos últimos seis meses e a segunda dose foi dada a não menos de 6 semanas recomenda-se apenas a vacina. 14) Sem sombra de dúvida, a descoberta dos antibióticos como agente terapêutico deve ser considerada entre os maiores avanços da medicina, mas desencadeou-se o uso desnecessário, indiscriminado e perigoso. Desta forma deve-se observar a natureza da ferida, presenças de corpos estranhos e o estado geral do paciente. Devemos evitar, a manipulação violenta das partes lesadas, sendo que todo tecido desvitalizado deve ser retirado, já que uma superfície reepitelizada é grande barreira para o crescimento bacteriano. Além disso, não se deve usar antibióticos de forma indiscriminada, reservando-os para as grandes lacerações e associações com fraturas. 15) O politraumatizado tem muitas vezes a preferência sobre o traumatismo facial e pode se tornar necessário, para controlar a situação até a melhora do quadro sistêmico, uma imobilização provisória, até que em PDF created with pdfFactory Pro trial version www.pdffactory.com
  10. 10. Primeiros Socorros ao Paciente com Trauma Facial PROFa.Dra. Cláudia Jordão Silva Maio/2002 10 melhores condições o paciente possa receber o tratamento definitivo. 16) Exemplos de imobilização provisória. 17) Freqüentemente, os traumatismos faciais são extremamente desconfortáveis, gerando dor ao paciente. Esta dor pode ser controlada através de analgésicos e antiinflamatórios, sendo muitos vezes necessário infiltração anestésica para que seja feita a manipulação dos tecidos. 18) As vitaminas podem ser indicadas para a suplementação da dieta, particularmente quando os antibióticos são administrados por via oral. Inúmeros medicamentos de amplo espectro causam diminuição da flora intestinal, o que pode levar a avitaminoses. Em geral são utilizadas vitamina b e c. 19) Além disso, independente do paciente ter recebido o tratamento definitivo, se ele é portador de fratura de face ele deverá ser orientado quanto ao tipo de dieta. PDF created with pdfFactory Pro trial version www.pdffactory.com
  11. 11. Primeiros Socorros ao Paciente com Trauma Facial PROFa.Dra. Cláudia Jordão Silva Maio/2002 11 20) Apenas para finalizar, é patente a necessidade de um regime prioritário de tratamento, baseado no estado geral do paciente e norteado por uma equipe especializada, para que o cirurgião bucomaxilofacial possa realizar o seu trabalho com o máximo de segurança possível. PDF created with pdfFactory Pro trial version www.pdffactory.com
  12. 12. Primeiros Socorros ao Paciente com Trauma Facial PROFa.Dra. Cláudia Jordão Silva Maio/2002 12 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. BARROSO, J.S. Traumatologia Maxilo-Facial. FOB. 6ª ed. 1978. 2. DINGMAN, R.O., NATVIG, P. Cirurgia das Fraturas Faciais. Ed. Santos. SP., 376p., 1995. 3. FONSECA, R.J., WALKER, R.V. Oral and Maxillofacial trauma. Ed. W.B. Saunders Company., v.1 e 2, 1991. 4. Suporte Avançado de vida no trauma. Programa para médicos. 6ª edição. 5. WILLIAMS, J.L. Rowe and Williams Maxillofacial Injuries. Ed. Edinburgh London, New York, v.1., 120p. 1994. PDF created with pdfFactory Pro trial version www.pdffactory.com

×