Obesidade no brasil tendências atuais

534 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
534
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Obesidade no brasil tendências atuais

  1. 1. 71VOL. 24, N.o2 — JULHO/DEZEMBRO 2006ObesidadeVanessa Alves Ferreira é mestre em Saúde Pública na EscolaNacional de Saúde Pública — Fundação Oswaldo Cruz, membroda Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade — Obeso/SP/Brasil, professora assistente do departamento de Nutrição —Centro de Ciências da Saúde — Faculdades Federais Integradas deDiamantina. MG. BRASIL.Rosana Magalhães é doutora em Saúde Pública no Instituto deMedicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro —IMS/UERJ e pesquisadora associada na Escola Nacional de SaúdePública — Fundação Oswaldo Cruz.Submetido à apreciação: 24 de Novembro de 2004.Aceite para publicação: 13 de Setembro de 2006.Obesidade no Brasil: tendências atuaisVANESSA ALVES FERREIRAROSANA MAGALHÃESNas últimas décadas a população brasileira experimentouintensas transformações nas suas condições de vida, saúdee nutrição. Dentre as principais mudanças destaca-se aascensão da obesidade. Estudos nacionais têm constatado ocomportamento pouco uniforme do agravo no país. Dessaforma, diferenças regionais e entre grupos populacionaissão evidenciadas. A obesidade avança em todas as faixasetárias e classes sociais, com impacto significativo nasmulheres inseridas nos estratos de menor renda. Nota-se,ainda a difusão da obesidade em todas as regiões geográfi-cas, especialmente, no meio urbano. Tais resultados descre-vem a magnitude da obesidade nos países em desenvolvi-mento e ressaltam a complexidade do perfil nutricionaldessas populações. O Brasil tem seguido tendência seme-lhante a verificada nos países latino-americanos. Todasessas transformações têm imposto ao campo da saúdepública inegável desafio na atualidade.Palavras-chave: obesidade; países em desenvolvimento;desenvolvimento socio-económico; BrasilApresentaçãoA obesidade é uma doença crônica definida como umacúmulo excessivo de tecido adiposo num nível quecompromete a saúde dos indivíduos (WHO, 1997).Atualmente a obesidade tem se apresentado como umagravo importante para as sociedades modernas emface de seu avanço em diferentes partes do mundo.Os danos acarretados pela obesidade são extensos.Relacionam-se a diferentes enfermidades incluindoas cardio e cerebrovasculares, a diabetes não-insulinodependente, a hipertensão arterial sistêmica e certostipos de câncer. Somam-se, ainda, prejuízos psi-cossociais relacionados à questão da discriminação aindivíduos sob esta condição patológica. Estima-seque os gastos públicos com a enfermidade consumamde 2% a 7% dos orçamentos de saúde nos paísesdesenvolvidos (WHO, 1997). De forma semelhanteao constatado nesses países verifica-se nas últimasdécadas a evolução do excesso de peso no Brasil.Notadamente observa-se a inversão dos indicadoresnutricionais no país caracterizada pelo declínio subs-tancial da desnutrição e em contrapartida pela ascen-
  2. 2. 72 REVISTA PORTUGUESA DE SAÚDE PÚBLICAObesidadesão da obesidade. De tal forma, que hoje a obesidadese apresenta como o maior problema alimentar dapopulação brasileira. Dentro dessa perspectiva, o pre-sente artigo propõe descrever o perfil da obesidadeno Brasil. O objetivo é apontar as tendências atuaisdo excesso de peso entre regiões e grupos populacio-nais. Tal proposta mostra-se pertinente na medida emque se observa nos últimos anos a tendência doavanço da obesidade em países latino-americanos.Neste sentido, a divulgação de informações sobre otema mostra-se de suma importância por permitiruma melhor compreensão sobre a problemática daobesidade nos países em desenvolvimento, tal comoo Brasil.IntroduçãoA obesidade é uma doença de etiologia não total-mente esclarecida. No entanto, existe certo consensona literatura de que ela é causada pela interação dediferentes fatores. O que confere a essa enfermidadeuma natureza multifatorial (Stunkard, 2000; Pena eBacallo, 2000). Operacionalmente, a obesidade édiagnosticada pelo parâmetro estipulado pela Organi-zação Mundial de Saúde (WHO, 1997) — o BodyMass Index (BMI) obtido por intermédio do cálculoda relação entre peso corpóreo (kg) e estatura (m)²dos indivíduos. Através deste parâmetro são conside-rados obesos os indivíduos cujo Body Mass Index(BMI) encontra-se num valor superior ou igual a30 kg/m².A evolução da obesidade no Brasil situa-se dentro docorrente processo de transição nutricional no país.Nesta perspectiva, intensas transformações no pano-rama alimentar brasileiro são evidenciadas. A com-paração dos resultados obtidos nos dois inquéritosnutricionais realizados no país: o Estudo Nacional deDespesa Familiar (ENDEF) realizado no período de1974-1975 com os levantados pela Pesquisa Nacio-nal de Saúde e Nutrição (PNSN) realizada no ano de1989 (Brasil. Ministério da Saúde, 1975; 1989) con-firma a tendência progressiva do declínio da desnu-trição e a evolução da obesidade no Brasil. A melho-ria das condições de vida, a maior cobertura de saúdee o declínio da fecundidade favoreceram a reduçãoda desnutrição no país. Em contrapartida, a urbaniza-ção e seu impacto nos padrões de alimentação eatividade física contribuíram para a evolução doexcesso de peso e, conseqüentemente, para asmudanças dos indicadores nutricionais. Essa inver-são, num intervalo relativamente curto, coloca a obe-sidade como um dos problemas prioritários para ocampo da saúde pública no Brasil. Esses dados cor-roboram para desmistificar a idéia predominante deque os agravos relacionados a subnutrição têm maiorimpacto nos países em desenvolvimento. E que osproblemas alimentares associados ao excesso dieté-tico predominam entre os países desenvolvidos. Talfato se aproxima da idéia em consolidação de que ospaíses em desenvolvimento tendem a passar dos seuspadrões negativos de saúde «antigos» para ospadrões negativos dos países ditos desenvolvidos,não sendo beneficiados com a experiência antecipadadestes, ou seja com a prevenção «primordial». Nestadireção, o crescimento da obesidade tem sido obser-vado em diferentes países em desenvolvimento. NaChina e Tailândia a obesidade se caracteriza comoum problema importante. Verifica-se o aumento donúmero de indivíduos obesos, sobretudo, em meiourbano (Popkin, 1998). Em países latino-americanose do Caribe a progressão da obesidade é particular-mente notável. A evolução da obesidade tem sidoobservada em diferentes países incluindo Chile,México, Brasil, Argentina, Peru, Colômbia, Guate-mala e Bolívia (Pena e Bacallo, 2000; Popkin, 1998;WHO, 1997). Neste sentido, a complexificação doquadro alimentar nesses países impõe a urgência nareorientação de suas políticas e programas de saúdee nutrição.Frente a esse panorama alimentar este estudo tem porobjetivo descrever o perfil da obesidade no Brasil.O intuito é reconhecer o comportamento do excessode peso no país analisando seu impacto nos diferen-tes grupos etários, estratos sociais e regiões geográ-ficas da federação. Tal proposta se justifica pelaascensão do excesso de peso entre a população bra-sileira nas últimas décadas e a necessidade de ummelhor entendimento da dinâmica do agravo nestapopulação em particular.MetodologiaEmpregou-se neste trabalho revisão bibliográfica apartir dos dados obtidos nos principais estudos epide-miológicos realizados no Brasil (Monteiro et al.,2000; Monteiro, 2000; Mondini e Monteiro, 1998;Sichieri, 1998; Sichieri et al., 1997; Coitinho et al.,1991; entre outros) incluindo inquéritos alimentaresnacionais tais como a Pesquisa Nacional sobre Saúdee Nutrição (PNSN) e o Estudo Nacional de DespesaFamiliar (ENDEF) e, ainda, informações oficiais doMinistério da Saúde no Brasil (Brasil. Ministério daSaúde, 2002). No que se refere aos dois inquéritosnacionais citados os processos adotados foram seme-lhantes na etapa de coleta de dados. Foram obtidasinformações acerca da idade, sexo, peso, altura erenda familiar per capita. Uma equipe treinada reali-zou aferições de peso, através de balanças portáteis e
  3. 3. 73VOL. 24, N.o2 — JULHO/DEZEMBRO 2006Obesidadecalibradas e tomada de altura com fita métricaseguindo as técnicas de antropometria. A idade foicalculada por intermédio de registros e certidõesequivalentes e a renda foi analisada a partir de ques-tionário padronizado pelo Instituto Brasileiro deGeografia e Estatística (IBGE). Índices antropométri-cos foram utilizados para avaliar o estado nutricionalde crianças e adultos. Nas crianças o peso para idade(P/I) e o peso para altura (P/A) foram expressos emescore z do padrão NCHS (National Center forHealth Statistics) proposto pela Organização Mundialde Saúde (WHO, 1997). Crianças com peso paraidade abaixo de dois escores z foram classificadascomo desnutridas e as com peso para altura acima dedois escores z como obesas. Entre a população adultafoi empregado o Índice de Massa Corporal (IMC)proposto pela Organização Mundial de Saúde (WHO,1997). Os adultos foram classificados com desnutri-ção (IMC < 18,5 kg/m²), eutrofia (18,5-24,9 kg/m²),sobrepeso (IMC 25-29,9 kg/m²) e obesidade(IMC ≥ 30 kg/m²). Mulheres gestantes foram excluí-das da análise. As mudanças no estado nutricional dapopulação brasileira foram averiguadas pela compa-ração das prevalências no período entre os anos de1974/1975 e 1989 em diferentes grupos etários,estratos sociais e regiões geográficas.ResultadosOs dois inquéritos nutricionais que abrangeram todoterritório brasileiro foram realizados nas décadas de70 e 80. O Estudo Nacional de Despesa Familiar(ENDEF) realizou-se ao longo de 12 meses entre osanos de 1974-1975 e compreendeu 55 mil domicí-lios. Nesse inquérito além da avaliação do estadonutricional privilegiou-se a caracterização do con-sumo alimentar e da despesa familiar (Brasil. Minis-tério da Saúde, 1975). A Pesquisa Nacional sobreSaúde e Nutrição (PNSN) realizada em 1989 peloInstituto Nacional de Alimentação e Nutrição(INAN) em parceria com o Instituto Brasileiro deGeografia e Estatística (IBGE) caracterizou-se comoum estudo do tipo transversal, de base domiciliar,com uma amostra do tipo estratificada e probabilís-tica de aproximadamente 63 milhões de brasileirosabrangendo 14 445 domicílios. O estudo teve comoobjetivo central a avaliação do estado nutricional dapopulação e, ainda, consolidou informações sobrecondições de saúde, domicílio, renda, ocupação eparticipação nos programas governamentais de ali-mentação e nutrição.Tais inquéritos permitiram a análise do perfil nutri-cional da população brasileira em que foi possívelverificar a inversão dos indicadores nutricionais nopaís. O primeiro inquérito realizado em 1975 diag-nosticou o aumento do déficit de peso entre a popu-lação adulta brasileira. O déficit ponderal foi preva-lente em 24% dos homens e 26% das mulheres.Neste mesmo período observou-se que a obesidadeera prevalente em 2% dos homens e aproximada-mente 7% das mulheres (Brasil. Ministério da Saúde,1975). O inquérito realizado em 1989 constatoumudanças importantes nos indicadores nutricionaisdo país. O baixo peso, segundo a pesquisa, reduziusua prevalência em ambos os sexos: 15% doshomens e 16% das mulheres, respectivamente. Emcontrapartida, a obesidade apresentou percentuais emtorno de 5% entre os homens e 12% na populaçãofeminina no mesmo período. Nota-se que no inter-valo de quinze anos houve redução expressiva dobaixo peso. O declínio se afigurou particularmenteintenso quando a prevalência de déficit ponderais,nos dois sexos reduziu em quase 50%. Em oposiçãoo excesso de peso aumentou sua prevalência. Emnúmeros absolutos cerca de 27 milhões de adultosbrasileiros apresentaram algum grau de excesso depeso, correspondendo a 32% da população adultabrasileira. Destes, aproximadamente 11 milhões eramhomens e 16 milhões mulheres, correspondendo apercentuais em torno de 27% e 38% da populaçãomasculina e feminina, respectivamente. A obesidadefoi prevalente em 6,8 milhões de indivíduos adultosno mesmo período, totalizando cerca de 8% dogrupo.O perfil heterogêneo da obesidade no BrasilNo que se refere ao perfil do excesso de pesoobserva-se o comportamento pouco uniforme doagravo no país. Discrepâncias regionais e entre gru-pos populacionais são evidenciadas. Na populaçãoinfantil a obesidade é prevalente em 5% do grupo(Monteiro, 2004). Em contrapartida, a desnutriçãoembora tenha sofrido declínio notável (superior a60%), ainda permanece como o agravo mais impor-tante entre crianças. Observa-se que a desnutrição nogrupo tende a ser mais prevalente do que a obesidade(cerca de 1,5 vezes). A prevalência mostra-se espe-cialmente alta em crianças da região do nordesterural brasileiro. É nesta população que se verificamos maiores índices de desnutrição do país. A Tabela Ipermite verificar os diferenciais para a desnutrição ea obesidade no grupo infantil:Entre os adolescentes, a prevalência do excesso depeso correspondeu a cerca de 20%. No entanto, veri-ficam-se diferenças marcantes segundo gênero (Bra-sil. Ministério da Saúde, 2002). A prevalência pareceser maior entre o gênero masculino (24%) em detri-
  4. 4. 74 REVISTA PORTUGUESA DE SAÚDE PÚBLICAObesidademento do feminino (7%) da mesma faixa etária(15-17 anos). Observou-se que o grupo femininoapresentou maiores preocupações com a dieta e compadrões estéticos corporais do que o masculino (Fon-seca, Sichieri e Veiga, 1998). A preocupação com oaumento do sobrepeso entre os adolescentes ocorreem função da maior predisposição do grupo a doen-ças cardiovasculares e, ainda, a distúrbios metabóli-cos como a diabetes mellitus (Oliveira, 1999).Na população idosa que compreende indivíduos comidade igual ou superior a 65 anos o panorama nutri-cional revelou-se bastante complexo. Nota-se nogrupo a coexistência de agravos nutricionais relacio-nados a escassez e ao excesso dietético. Neste sen-tido, o sobrepeso/obesidade demonstrou estar pre-sente nos idosos (Frank, 1996; Pereira, 1998). Asmulheres foram as mais atingidas pelo agravo.O percentual mostrou-se em torno de 18%. Noshomens os valores foram consideravelmente menores(5%). Por outro lado, verificou-se o crescimento dobaixo peso nesta população. Cerca de 17% dasmulheres e 20% dos homens foram acometidos peloagravo. Em números absolutos, o baixo peso atingeum milhão e trezentos mil idosos brasileiros. O défi-cit de peso na população idosa parece relacionar-seao baixo impacto das políticas sociais, a alteraçõesbiológicas próprias do envelhecimento, assim comofatores de natureza psicossocial (Campos, Monteiro eOrnelas, 2000; Bittencourt e Magalhães, 1999).Entre a população adulta verifica-se que nos últimosanos a razão desnutrição/obesidade foi drasticamenteafetada pela duplicação da proporção de adultos obe-sos (Tabela II). O aumento da prevalência de obesi-dade no grupo foi de cerca de 70% nas mulheres e100% nos homens (Coitinho et al., 1991; Monteiro eConde, 2000).Nota-se, ainda, que a obesidade aumenta gradativa-mente com a idade, sendo mais freqüente nos indiví-Tabela IPrevalência (percentagem) de desnutrição e de obesidadesegundo sexo na população de crianças (Brasil, 1989)CriançasSexo Desnutrição* Obesidade**13,4 8,5(11,1-15,7) (7,5-9,1)12,9 9,6(10,6-15,2) (7,3-11,8)13,1 9,0(11,3-14,9) (7,4-10,6)* Crianças de 6 a 35 meses com peso/idade < percentil 5 da popu-lação de referência.** Crianças de 6 a 35 meses com peso/altura > percentil 95 dapopulação de referência.Nota: A população de referência corresponde ao padrão interna-cional NCHS/OMS no caso das crianças e o intervalo com 95% deconfiança é fornecido entre parênteses.Fonte: Adaptada (Mondini e Monteiro, 1998).MasculinoFemininoTotal
  5. 5. 75VOL. 24, N.o2 — JULHO/DEZEMBRO 2006Obesidadeduos com 40 anos ou mais. Na faixa etária de 45-54anos mais de 50% das mulheres e cerca de 37% doshomens apresentaram excesso de peso (Coitinho etal., 1991). A prevalência do excesso de peso foi tam-bém mais notável entre a população feminina.Segundo a PNSN de 1989 (Brasil. Ministério daSaúde, 1989), dos 6,8 milhões de indivíduos diagnos-ticados como obesos no Brasil 70% eram mulheres.A Tabela III permite evidenciar o perfil do excessode peso entre os sexos na população adulta brasileira:No que diz respeito ao perfil da obesidade entre osestratos sociais verifica-se comportamento distinto.Nos homens observou-se que quanto maior a renda,maior o número de homens com sobrepeso/obesi-dade. Enquanto 16% dos homens com renda mensalper capita inferior a ½ salário-mínimo apresentaramexcesso de peso, esta prevalência atingiu 44% doshomens cuja renda encontrava-se acima de dois salá-rios-mínimos mensais per capita. Entre as mulheres operfil de obesidade comportou-se diferentemente emrelação aos grupos de renda: a obesidade tende a sermais freqüente nos menores percentins.Nesta direção, um estudo realizado no país no ano de1998 revelou que nos estratos de maior renda a obe-sidade foi prevalente em 14,2% dos homens brasilei-ros (Mondini e Monteiro, 1998). Observou-se que nomenor percentil de renda os valores se mostraraminsignificantes (3,3%). Entre as mulheres esta dinâ-mica assumiu comportamento inverso; sendo maisprevalente naquelas que se encontravam inseridas emestratos de renda classificados como intermediário(23,3%) e inferior (19,7%). E, ainda, acometeu deforma significativa o grupo indigente (13,2%). A par-tir dos resultados obtidos, os autores concluíram que,Tabela IIPrevalência (percentagem) da desnutrição e da obesidade em adultos no Brasil, 1974/1975e 1989Desnutrição ObesidadeMasculina Feminina Total Masculina Feminina Total1974/75 6,8 10,4 8,6 3,1 8,2 5,7(0,16) (0,19) (0,13) (0,11) (0,17) (0,10)1989 3,4 5,1 4,2 5,9 13,3 9,6(0,24) (0,28) (0,18) (0,31) (0,44) (0,27)Nota: 1. Entre parênteses o erro-padrão das estimativas; 2. ver critérios diagnósticos na metodolo-gia.Fonte: Adaptada Monteiro et al., 2000.Tabela IIIPrevalência (percentagem) na população de 18 anos ou mais comsobrepeso e dois graus de obesidade segundo o índice de massacorporal (kg/m²), por sexo (Brasil, 1989)*Estado nutricional (IMC) Homens Mulheres TotalSobrepeso (25,0-29,9) 22,6 26,5 24,6Obesidade I (30,0-40,0) 14,7 11,2 18,0Obesidade II > 40 10,1 10,5 10,3* PNSN (1989): amostra do tipo estratificada e probabilística abran-gendo 14 455 domicílios do país correspondendo 63 213 milhões debrasileirosFonte: adaptada Coitinho et al., 1991.Ano
  6. 6. 76 REVISTA PORTUGUESA DE SAÚDE PÚBLICAObesidadeno que diz respeito aos distúrbios nutricionais noBrasil o maior problema hoje enfrentado pela popu-lação pobre não miserável no país é a obesidadefeminina (Mondini e Monteiro, 1998). Para os auto-res, dentre os possíveis fatores determinantes destasituação estão: a falta de informação acerca damorbi-mortalidade da doença, a baixa escolaridadedas mulheres e elementos de ordem sociocultural(Tonial, 2001; Ferreira, 2003). A Tabela IV revela osvalores de obesidade entre os estratos de renda.O mapa da obesidade nas regiões brasileirasInicialmente podemos dizer que a obesidade no Bra-sil é um fenômeno mais presente no contexto urbano.Observa-se que em todas as regiões brasileiras a dis-tribuição do excesso de peso é ligeiramente mais ele-vada na área urbana do que na área rural do país(Coitinho et al., 1991; Monteiro et al., 2000). Naárea urbana o problema do excesso de peso é signi-ficativo para o grupo feminino (12%) em detrimentodo masculino (6%). Na área rural os índices têm sidodesprezíveis para os homens (1,74%). Entretanto, nasmulheres a obesidade já acomete 9% do grupo. O quese percebe é que enquanto a obesidade emerge nomeio urbano o baixo peso permanece como o agravonutricional mais importante das áreas rurais, espe-cialmente no nordeste brasileiro onde ele atinge 20%da população adulta. A Tabela V mostra a prevalên-cia de baixo peso, sobrepeso e obesidade nas áreasurbanas e rurais do país.No que se refere à distribuição do agravo entre asregiões brasileiras torna-se importante salientar pre-viamente a extensão e composição geográfica dopaís. O Brasil ocupa uma área de 8,5 milhões de km²e tem fronteira com quase todos os países da Amé-rica do Sul, exceto Equador e Chile. O país está divi-dido em cinco Grandes Regiões: Norte (a de maiorabrangência, ocupa 45% do território nacional comapenas 7% da população. Onde se encontram os esta-dos do Pará, Amazonas, Acre, Rondônia, Roraima,Amapá e Tocantins); a região Sudeste (ocupa 11%do território nacional habitada por 45% da popula-Tabela VPrevalências (percentagem) observadas e ajustadas* de baixo peso,sobrepeso e obesidade na população adulta e idosa segundo o índice demassa corporal (kg/m²), por sexo e situação de domicílio (PNSN-BRASIL,1989)Sexo/ Baixo peso Normais Sobrepeso Obesidadelocal do domicílio < 20 20-24,9 25-29,9 < 30Brasil urbanoHomens 14,2 55,0 25,1 15,7Mulheres 15,2 45,4 27,0 12,0Brasil ruralHomens 19,8 64,6 13,9 11,7Mulheres 22,1 48,1 21,1 18,7*Ajuste para a estrutura demográfica vigente em 1974Fonte: Coitinho et al., 1991.Tabela IVPrevalência (percentagem) de obesidade segundo a rendaper capita (em reais) na população adulta (Brasil, 1989)Mulheres Homens< 0,25 13,2 13,30,25-0,50 19,7 16,30,50-1,0 23,3 18,5≥ 1,0 21,3 14,2Fonte: adaptada Mondini e Monteiro, 1998.Rendimento familiar (salários mínimosper capita em reais mensais R$)
  7. 7. 77VOL. 24, N.o2 — JULHO/DEZEMBRO 2006ObesidadeFigura 1Mapa geográfico, por regiões do BrasilGrandes regiões do Brasil: Norte (1); Nordeste (2); Centro-Oeste (3); Sudeste (4) e Sul (5).Fonte: IBGE, 2005.ção. Compreende as metrópoles São Paulo e Rio deJaneiro e os Estados de Minas Gerais e EspíritoSanto); a região Sul (a menor região, com 7% deterritório e 15% de ocupação. O Sul compõe os esta-dos do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná);e as regiões Nordeste e Centro-Oeste que ocupam,cada uma, aproximadamente 18% do território brasi-leiro. O Nordeste é composto pelos estados doMaranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte,Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Bahia e Fer-nando de Noronha. E a região Centro-Oeste é com-posta pelos estados de Goiás, Mato Grosso, MatoGrosso do Sul e Distrito Federal. O mapa a seguirpermite observar os estados brasileiros.
  8. 8. 78 REVISTA PORTUGUESA DE SAÚDE PÚBLICAObesidade.Observa-se que os maiores percentuais de excessode peso são encontrados nas regiões Sul e Sudeste(Coitinho et al., 1991). Das cinco grandes regiões dopaís a região Sul apresenta a situação mais preo-cupante, seguida da região Sudeste onde também sãoverificados percentuais relevantes para o excesso depeso (36%). Posteriormente, aparecem as regiõesNorte (34%); Centro-Oeste (31%) e Nordeste (24%).O Gráfico 1, a seguir, permite visualizar a dinâmicado excesso de peso entre as regiões brasileiras.A região Sul representada pelos estados do RioGrande do Sul, Santa Catarina e Paraná, assume aliderança da problemática da obesidade totalizandocerca de cinco milhões de adultos com excesso depeso. Ainda que exista uma tendência no país damaior prevalência da enfermidade nas áreas urbanasnota-se que no sul esta diferença só se faz presenteentre o gênero masculino. Enquanto na área urbana aobesidade tem acometido 8,6% dos homens, na árearural este índice cai pela metade (4%). Entre asmulheres os índices são praticamente semelhantestanto para área urbana (15%) como para a área rural(14,6%). O estudo transversal realizado no Municí-pio de Pelotas, Rio Grande do Sul (Gigante et al.,1997) revelou a prevalência de obesidade entre adul-tos na ordem de 21%. Os achados convergem para osresultados encontrados pela PNSN (Brasil. Ministérioda Saúde, 1989) indicando a maior freqüência deobesidade na população feminina (25%) em detri-mento da masculina (15%). O perfil das mulheresobesas nesse Município revelou que elas se encontra-vam na faixa etária que variava entre 40 a 69 anos;apresentavam baixo nível socioeconômico e menorescolaridade.Situação bastante complexa também foi verificadanos estados do Sudeste que juntos compõem a regiãomais populosa do país. Em termos absolutos é aregião que apresentou a situação mais grave comaproximadamente dez milhões de adultos comsobrepeso e cerca de três milhões e meio com obesi-dade (Coitinho et al., 1991). Compreende as metró-poles de São Paulo e Rio de Janeiro e os Estados deMinas Gerais e Espírito Santo. Nesta região, a obesi-dade foi mais freqüente nas mulheres (13%) do queFigura 2Prevalência (percentagem) de excesso de peso segundo regiões (Brasil, 1989)Nordeste Centro-Oeste Norte urbano Sudeste SulFonte: Ministério da Saúde no Brasil (MS, 2002).40%35%30%25%20%15%10%5%0%
  9. 9. 79VOL. 24, N.o2 — JULHO/DEZEMBRO 2006Obesidadenos homens (5%). E, ainda figura como um fenôme-no urbano. Os índices para a população femininaresidente na zona urbana da região são relativamentemaiores (13,7%) do que na zona rural (11,4%). Noentanto, observa-se a tendência do declínio da obesi-dade no grupo feminino de maior renda na região(Monteiro e Conde, 2000). O estudo realizado noMunicípio de Araraquara, Estado de São Paulo(cidade média agroindustrial do sudeste do país),indicou tendência semelhante (Lolio e Latorre,1991). Verificou-se a maior prevalência de obesidadeno grupo feminino (14,7%) quando comparada como masculino (10,2%). Para os autores, os percentuaisde obesidade encontrados na população deAraraquara relacionavam-se com as altas taxas deóbito por doenças coronarianas e cerebrovascularesno Município.Em regiões de menor desenvolvimento econômicocomo o Norte brasileiro que compreende seis estados— Pará, Amazonas, Acre, Rondônia, Roraima eAmapá o total de adultos com excesso de peso atinge34% da população total da região, com diferenciaisentre os sexos. A maior freqüência novamente foiverificada na população feminina onde 10% dasmulheres se encontravam acima do peso. Na popula-ção masculina somente 6% dos homens apresenta-vam peso acima do padronizado (Coitinho et al.,1991).Valores próximos aos verificados na área Nortedo país foram encontrados na região Centro-Oeste,composta pelos estados de Goiás, Mato Grosso,Mato Grosso do Sul, Tocantins e Distrito Federal.O excesso de peso foi prevalente em 31% dos indi-víduos adultos. O percentual de obesidade situou-seem torno de 10% nas mulheres e cerca de mais de4% dos homens (Coitinho et al., 1991). A dinâmicado agravo nas áreas rurais e urbanas revelou umperfil diferente do observado nas demais regiões dopaís para a população feminina. A maior freqüênciafoi verificada entre as mulheres residentes nas áreasrurais (10,5%). Para os homens notou-se um compor-tamento inverso: a obesidade foi mais significativano contexto urbano (5,6%) quando comparado com orural (1,8%).Na região do Nordeste brasileiro onde se encontra omaior número de estados da Federação — Maranhão,Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernam-buco, Alagoas, Sergipe, Bahia e Fernando deNoronha, cerca de cinco milhões de indivíduos apre-sentaram peso acima do esperado. O que representa24% da população adulta da região (Coitinho et al.,1991). O Nordeste segue a mesma tendência dasdemais regiões: a maior incidência do agravo éobservada nas mulheres (7%) em detrimento doshomens (2%). Entretanto, estudos recentes têm desta-cado o aumento da obesidade nos dois grupos (Mon-teiro e Conde, 2000). Nesta região a obesidaderevela-se como um problema urbano tanto parahomens, quanto para mulheres.Frente a esses dados é possível constatar que a obe-sidade no Brasil apresenta um comportamento bas-tante intricado. Tal heterogeneidade retrata a enormediversidade física, sócio-econômica e cultural dopaís. Revela a realidade extremamente complexa denossas regiões e grupos populacionais. Além disso, opaís convive com desigualdades no acesso a bensessenciais que tendem a produzir segmentação epobreza. Diante disso, a freqüência da obesidade,sobretudo entre as mulheres pobres do país expressaos novos contornos da pobreza urbana e da exclusãosocial no Brasil.DiscussãoFrente aos resultados apresentados torna-se impor-tante salientar a necessidade de desconstruir a idéiada obesidade enquanto uma enfermidade própria dospaíses desenvolvidos ou de grupos de maior renda.A nosso ver, a obesidade emerge como mais umaface da desigualdades social no Brasil assim como adesnutrição e as anemias carenciais. As abordagensque vinculam a obesidade à situações de abundânciae riqueza perdem seu alcance explicativo no caso dapopulação pobre feminina no Brasil. E também entreos grupos socialmente vulneráveis nos países desen-volvidos. Nos Estados Unidos, por exemplo, eviden-cia-se o declínio da obesidade entre indivíduos commelhor nível de instrução e renda. Em contrapartida,a freqüência do excesso de peso tem aumentado con-sideravelmente entre a população hispânica, negra emulheres de baixa renda no país (Fisclher, 1995;Popkin, 1998; Stunkard, 2000).O crescimento da obesidade na pobreza é tambémobservado nos países em desenvolvimento. Em paí-ses latino-americanos e do Caribe a obesidadeassume tamanha magnitude que passou a ser temaprioritário de saúde pública. A evolução da obesi-dade tem sido observada em diferentes países daAmérica Latina incluindo Chile, México, Brasil,Argentina, Peru, Colômbia, Guatemala e Bolívia(Pena e Bacallao, 2000).A tendência ao incremento da obesidade no contextoda pobreza parece refletir o impacto do conheci-mento cada vez maior em torno dos danos físicos epsicossociais relacionados a doença, especialmentenas classes privilegiadas (Fischler, 1995). Esses gru-pos têm demonstrado estar mais conscientes sobre asinúmeras desordens acarretadas pela obesidade ondeé possível verificar mudanças comportamentais em
  10. 10. 80 REVISTA PORTUGUESA DE SAÚDE PÚBLICAObesidadetorno do estilo de vida. Assim, é cada vez maisfreqüente observar nesses grupos a adesão a umaalimentação «mais saudável» compreendendo o con-sumo de alimentos na sua forma «natural» (Lifschitz,1997). E ainda a prática de modalidades esportivas eatividades físicas de lazer. A disponibilidade deinformações e recursos materiais para esse fim temfavorecido a incorporação de ações de combate eprevenção a obesidade nesse grupo (Sobal, 1991).Contrariamente, os grupos de baixa renda têmvivenciado com maior impacto os conflitos e danosrelacionados à obesidade. E para este grupo, em par-ticular, os prejuízos revelam-se mais graves. Nestesentido, ao mesmo tempo em que a pobreza pareceproduzir a obesidade implica também limitações noempenho de medidas preventivas. A desigualdade noacesso a uma nutrição adequada em qualidade equantidade impõe aos grupos de baixa renda umpadrão de alimentação insuficiente (Tonial, 2001).Além disso, a pouca informação acerca dos benefí-cios da prática de exercícios físicos e as dificuldadesmateriais a que estão submetidos em seu cotidiano devida reduzem as chances do grupo de reorientar seuperfil de atividades físicas (Pena e Bacallao, 2000;Sobal, 1991).Outra questão fundamental a ser sinalizada nestainvestigação diz respeito ao perfil geral dos estudossobre obesidade no Brasil que de certa forma buscamprivilegiar a dimensão biológica do problema. Astentativas de superação desta abordagem muitasvezes não conseguem ultrapassar a revisão dos com-portamentos e hábitos alimentares dos sujeitos. Nestadireção, o conhecimento da rede de fatores culturais,econômicos e simbólicos articulada à dinâmica daobesidade na população pode forjar alternativas deintervenção mais consistentes. Assim, na medida emque são explorados esses aspectos novas hipóteses eperspectivas podem surgir e, dessa forma iluminar oscaminhos da intervenção sobre o problema. A com-preensão do fenômeno da obesidade na pobrezaimpõe, portanto superar quadros conceituais restritose a construção de novas agendas de investigação.Neste sentido, as ações de promoção à saúde, a pers-pectiva de territorialização das intervenções públicase a articulação de ações educativas, de lazer, de gera-ção de renda e de inserção social, podem ter maiorimpacto no equacionamento da obesidade em mulhe-res pobres no Brasil (Tonial, 2001; Ferreira, 2003;Ferreira e Magalhães, 2005).ConclusõesA partir do exposto podemos concluir que a obesi-dade assume contornos distintos no Brasil. Aindaassim é possível apontar algumas tendências na dinâ-mica do agravo. Dessa forma, a obesidade tende a serum fenômeno essencialmente urbano com maiorimpacto nas regiões Sul e Sudeste do país. Regiõesque concentram o maior número de indivíduos obe-sos. A prevalência do agravo é, ainda, mais acen-tuada no grupo feminino em detrimento do mas-culino. Especialmente, nas mulheres de baixa renda.Neste sentido, novos desafios são impostos para ocampo da saúde pública no Brasil. Dessa maneira,torna-se necessário traçar prioridades e reorientarpolíticas públicas de saúde e nutrição. A difusão deinformações e a intensificação de pesquisas são, por-tanto, imprescindíveis para o melhor enfrentamentoda problemática da obesidade no Brasil.RecomendaçõesRessaltamos que o presente artigo diz respeito a aná-lise dos autores a partir da revisão da bibliografiadisponível. Sugerimos, portanto, que para um maioraprofundamento do tema sejam utilizadas as referên-cias bibliográficas na íntegra. Importante salientarque mais recentemente foi realizado novo inquéritoalimentar de abrangência nacional — a Pesquisa deOrçamentos Familiares 2002-2003 (POF, 2002-2003)pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística(IBGE) e o Ministério da Saúde no Brasil (MS) queconfirma a tendência do aumento do excesso de pesono país. Contudo, os dados estão em fase de divulga-ção para posterior análise. O que justifica a sua nãoinclusão neste trabalho.Referênciais BibliográficasBITTENCOURT, S. A.; MAGALHAES, R. — Fome : um dramasilencioso. In: MINAYO, M. C. de S. (ed.lit.) — Os muitosBrasis : saúde e população na década de 80. São Paulo : Associa-ção Brasileira de Pós-graduação em Saúde Coletiva, 1999. 269--290.BRASIL. Ministério da Saúde — Estudo Nacional de DespesaFamiliar. Brasília : Instituto Nacional de Alimentação e Nutrição,1975.BRASIL. Ministério da Saúde — Pesquisa Nacional de Saúde eNutrição. Brasília: Instituto Nacional de Alimentação e Nutrição,1989.BRASIL. Ministério da Saúde — Área Técnica de Alimentação eNutrição. Brasília, 2002.CAMPOS, M.; MONTEIRO, J.; ORNELAS, A. P. — Fatores queafetam o consumo alimentar e a nutrição do idoso. Revista deNutrição PUCCAMP. Brasil. 12 : 3 (Setembro/Dezembro 2000)157-165.COITINHO, D. O., et al. — Condições nutricionais da populaçãobrasileira : adultos e idosos. Brasília: Instituto Nacional de Ali-mentação e Nutrição, 1991.
  11. 11. 81VOL. 24, N.o2 — JULHO/DEZEMBRO 2006ObesidadeFERREIRA, V. A. — Obesidade e pobreza : o aparente paradoxo.Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública. FundaçãoOswaldo Cruz, 2003. Dissertação de mestrado.Ferreira, V. A.; MAGALHÃES, R. — Obesidade e pobreza : oaparente paradoxo. Um estudo com mulheres da Favela daRocinha, Rio de Janeiro, Brasil. Cadernos de Saúde Pública.21 : 3 (2005).1792-1800. VFISCHLER, C. — Gastronomia e gastroanomia : sabedoria docorpo e crise biocultural da alimentação contemporânea. In:Contreras, J. — Alimentación y cultura : necessidades, gustos ycostumbres. Ciencies Humanes i Sociales. Barcelona: Universitatde Barcelona, 1995. 357-380.FONSECA, V.; SICHIERI, R.; VEIGA, G. — Fatores associadosà obesidade em adolescentes. Revista de Saúde Pública. Brasil.32 : 6 (1998) 541-549.FRANK, A. A. — Estudo antropométrico e dietético de idosos.Rio de Janeiro : Instituto de Nutrição. Universidade Federal doRio de Janeiro, 1996. Dissertação de Mestrado.GIGANTE, D., et al. — Prevalência de obesidade em adultos eseus fatores de risco. Revista de Saúde Pública. Brasil. 31 : 3(1997) 236-246.LIFSCHITZ, J. — Alimentação e cultura : em torno ao natural.PHYSIS : Revista Saúde Coletiva. 7 (1997) 69-83.LOLIO, C.; LATORRE, M. — Prevalência de obesidade em loca-lidades do estado de São Paulo, Brasil. Revista Brasileira deSaúde Pública. 25 : 1 (1991) 133-136.MONDINI, L.; MONTEIRO, C. — Relevância epidemiológica dadesnutrição e da obesidade em distintas classes sociais : métodosde estudo e aplicação à população brasileira. Revista Brasileira deEpidemiologia. 1 : 1 (1998) 28-39.MONTEIRO, C. A.; CONDE, W. L. — Evolução da obesidadenos anos 90 : a trajetória da enfermidade segundo estratos sociaisno nordeste e sudeste do Brasil. In: MONTEIRO, C. A. (ed. lit.)— Velhos e novos males da saúde no Brasil : a evolução do paíse suas doenças. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2000. 421--431.MONTEIRO, C. A., et al. — Da desnutrição para a obesidade : atransição nutricional no Brasil. In: MONTEIRO, C. A. (ed. lit.) —Velhos e novos males da saúde no Brasil : a evolução do país esuas doenças. São Paulo : Universidade de São Paulo, 2000. 247--255.MONTEIRO, C. A. — Velhos e novos males da saúde no Brasil :a evolução do país e suas doenças. São Paulo: Universidade deSão Paulo, 2000.MONTEIRO, C. – Epidemia : 39% dos paulistanos têm excesso depeso : obesidade já é o segundo maior fator de risco na cidade;entre as doenças que ela favorece estão tipos de câncer. InCaderno Cotidiano. Folha de São Paulo. São Paulo, 14 de Marçode 2004, 7-9.OLIVEIRA, C. L. — Relação de indicadores de adiposidade comfatores de risco para doenças cardiovasculares em adolescentescom sobrepeso. Rio de Janeiro : Instituto de Nutrição, Universi-dade Federal do Rio de Janeiro, 1999. Dissertação de mestrado.PENA, M.; BACALLAO, J. — La obesidade en la pobreza : unproblema emergente en las Américas, in PENA, M.;BACALLAO, J. — La obesidad en la pobreza : un nuevo reto parala salud publica. Washington : OPAS, 2000. (Publicación Cientí-fica, 576). 3-11.PEREIRA, R. A. — Avaliação antropométrica do estado nutricio-nal, in SICHIERI, R. (ed. lit.) — Epidemiologia da obesidade. Riode Janeiro : Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 1998. 43--68.POPKIN, B. — The obesity epidemic is a worldwidephenomenon. Nutrition Reviews. 56 : 4 (April 1998) 106-114.SICHIERI, R. — Epidemiologia da obesidade. Rio de Janeiro :EDUERJ, 1998.SICHIERI, R., et al. — Variações temporais do estado nutricionale do consumo alimentar no Brasil. PHYSIS : Revista SaúdeColetiva. 7 : 2 (1997) 31-50.SOBAL, J. — Obesity and socioeconomic status : a framework forexamining relationship between physical and social variables.Medical Anthropology. 13 : 3 (1991) 231-247.STUNKARD, A. J. — Fatores determinantes de la obesidade :opinion actual, in PENA, M.; BACALLO, J. — La obesidad en lapobreza : un nuevo reto para la salud publica. Washington :OPAS, 2000. (Publicación Científica, 576). 27-32.TONIAL, S. R. — Desnutrição e obesidade : faces contraditóriasna miséria e na abundância. Brasil, Recife : Instituto MaternoInfantil de Pernambuco. 2001.WHO — Obesity : preventing and managing the global epidemic,in Report of WHO Consultation on Obesity. Geneva : WorldHealth Organization, 1997.AbstractOBESITY IN BRAZIL: RECENT TENDENCIESIn the last decades the Brazilian population experienced rel-evant changes in its life, health and nutrition conditions.Among the most important changes there was an increase ofobesity. National studies have considered that the behavior ofthe population does not show a uniform pattern throughout thecountry. Therefore, local differences and among populationgroups are evidenced. The obesity grows in all ages and socialclasses, with important impact among low income women. Wecan also acknowledge this obesity diffusion in all geographicalareas, especially, in urban areas. Such results describe theobesity magnitude in semi developed countries and emphasizethe complexity nutritional outline of this population. Brazil hasfollowed similar tendency as verified in South-American coun-tries. All these changes have imposed an undeniable challengeto the public health field.Keywords: obesity; developing countries; socio-economicdevelopment; Brazil.
  12. 12. 82 REVISTA PORTUGUESA DE SAÚDE PÚBLICAObesidadePreço de capa, 20 ¤

×