Composição CorporalProf. Msd. Fabiano Salgueirosa
Avaliação da Composição CorporalA análise da composição corporal é a quantificaçãodos principais componentes estruturais d...
Avaliação da Composição CorporalModelos de Composição CorporalEllis (2000)
Massa de gordura (MG) – Todos os lipídios extraídos dotecido adiposo e outros tecidos do corpo.Massa livre de gordura (MLG...
Gordura subcutânea – Tecido adiposo acumulado sob apeleGordura visceral – Tecido acumulado dentro e em voltados órgãos das...
Padrões percentuais de gordura corporal parahomens e mulheres≥ 32%≥ 25%Risco24-31%16 – 24%> Média23%15%Média9 - 22 %6 – 14...
C. E. T.EspectrometriaDIRETOSDISSECAÇÃO DE CADÁVERESINDIRETOSFÍSICO - QUÍMICOS IMAGEM DENSITOMETRIAI. R .IAtivação de Nêut...
Pesagem HidrostáticaO termo densitometria refere-se aoprocedimento de se estimar acomposição corporal através dadensidade ...
Pesagem HidrostáticaMétodo indireto e não invasivo para aavaliação da composição corporalBaseia-se no principio de Arquime...
Pesagem Hidrostática
A Dc pode ser obtida através dapesagem hidrostática pela equação(descrita em Behnke e Wilmore, 1974):D(g/ml)=___________P_...
Pesagem Hidrostática
As densidades da gorduras e da massalivre de gordura foram baseadas nocorpo de referência.Observados da dissecação de apen...
Pressupostos:A densidade da gordura é de 0,901 g/cm3A densidade da MLG é de 1,10 g/cm3As densidades de gordura e doscompon...
Equações podem ser utilizadas paratransformar a densidade corporal em%G.Siri - %G=(495/Dc)-450Brozek - %G=(475/Dc)-414,2Pe...
Equações baseadas em outrosmodelos
BioimpedânciaAs primeiras pesquisas com o propósito científicos dautilização da biopedância para a analise da composiçãoco...
A bioimpedância baseia-se naanalise da estimativa dacomposição corporal através dacondutibilidade e da resistênciapromovid...
Tecidos que contenha mais água eeletrólitos como o fluido cérebro-espinhal, sangue, músculos, sãoaltos condutores elétrico...
Lei de Ohm e´a resistência entre dois pontos em um condutor.
A condutibilidade dos tecidos biológicos é praticamenteiônica ou seja as cargas elétricas são transferidas pelaionização d...
Procedimentos pré-teste:• Manter-se em jejum pelo menos nas 4 horas queantecedem o teste;• Não realizar atividades físicas...
Colocação dos Eletrodos
FATOR EFEITO NA RESISTÊNCIA EFEITO NA MLG (kg) REFERÊNCIATipo de analisadorValhalla vs. RJL↑ 16 – 18 a ↓ 1,0 – 1,3 Graves ...
Vantagens•Não requer um alto grau de habilidade do avaliador.•É confortável e não-invasiva.•Pode ser utilizada na avaliaçã...
Equações de EstimativaCrianças – Kushner (1992), Lohman (1992).Adultos - Tanaka et al. (1992), Segal et al.(1988).Idosos –...
Dobras CutâneasPor volta de 1930 um compasso deespessura foi usado para se medirgordura subcutânea em alguns locaisdo corp...
Dobras CutâneasMedição indireta da espessura do tecidoadiposo subcutâneo.A sua utilização se baseia em algunspressupostos:...
Compassos
Dobras CutâneasRelação entre Dobras cutâneas e Dc
Procedimentos para medidas das DobrasCutâneas (Harrison et al., 1988)Tomar todas as medidas do lado direito do corpoCuidad...
Manter a dobra pressionada enquanto a medida é realizadaColocar as hastes do adipômetro perpendiculares à dobra,aproximada...
Jackson & Pollock (1978) – 308 homens – 18 a 61 anosD= 1,1093800 – 0,0008267 (X3) + 0,0000016 (X3)2 – 0,0002574 (X4)X3 = P...
Absortometria de raio x de duplaenergia (DEXA)
Baseado em um modelo de 3componentes da composição corporal(osso, gordura e tecidos moles magros)Não é limitado pelos pres...
Interactância de infravermelho
Interactância de infravermelhoEstima o %G através da densidadeóssea (Do)Diferentes tipos de tecido absorvem aluz infraverm...
PressupstosGrau de luz absorvida está relacionadocom a composição dos tecidos através doqual a luz está passandoA luz pene...
Método antropométricoEstimativa da densidade corporal,gordura corporal relativa (%G) oumassa livrede gordura (MLG) a parti...
Pressupostos:Circunferências são afetadas pela massagorda, massa muscular e tamanho ósseo,estas medidas estão relacionadas...
Equações baseadas em circunferênciassão recomendadas para indivíduosobesos porque:Independente do tamanho, circunferências...
Equações de estimativa da gordura atravésde perímetros para obesos:Mulheres (20 a 60 anos)%G= 0,11077(c abm)-0,17666(est)+...
EquaçõesCálculo da massa de gorduraMG = (%G/100) * MCCálculo da MCM relativa e absolutaMCM = MC – MGMCM (%) = 100-%GCalcul...
Cálculo da massa residual (Würth, modif. por Pires-Neto,1997)Masculino: MR=MC * 0,241Feminino : MR=MC * 0,209Cálculo da ma...
Relação Cintura-QuadrilÉ dada pela equação:Per. CinturaPer. QuadrilEstá fortemente associada à gordura visceral(Ashwell et...
Relação Cintura-Quadril> 0.900.84 - 0.900.76 – 0.83< 0.7660-69> 0.880.82 – 0.880.74 – 0.81< 0.7450-59> 0.870.80 – 0.870.73...
Índice de massa corporal (IMC)É dado de seguinte equação:IMC = Massa Corporal / Estatura2
Índice de massa corporal (IMC)
Índice de massa corporal (IMC)Valores<16,00 Kg/m216,01 a 16,99 Kg/m217,00 a 18,49 Kg/m218,5 a 24,9 Kg/m225,0 a 29,9 Kg/m23...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Massa magra composição corporal - avaliação

3.971 visualizações

Publicada em

0 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.971
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Massa magra composição corporal - avaliação

  1. 1. Composição CorporalProf. Msd. Fabiano Salgueirosa
  2. 2. Avaliação da Composição CorporalA análise da composição corporal é a quantificaçãodos principais componentes estruturais do corpohumano. O tamanho e a forma corporais sãodeterminados basicamente pela carga genética eformam a base sobre a qual são dispostos, emproporções variadas, os três maiores componentesestruturais do corpo humano: osso, músculo egordura. Esses componentes são também as maiorescausas da variação da massa corporal (MALINA,1969).
  3. 3. Avaliação da Composição CorporalModelos de Composição CorporalEllis (2000)
  4. 4. Massa de gordura (MG) – Todos os lipídios extraídos dotecido adiposo e outros tecidos do corpo.Massa livre de gordura (MLG) ou massa corporal livrede gordura (MCLG) – Todos os tecidos e resíduoslivres de lipídeos incluindo água, músculos, ossos,tecidos conjuntivos e órgão internos.Massa corporal magra – MLG mais lipídeos essenciais.Lipídeos essenciais – Lipídeos compostos (fosfolipídeos)necessários para a formação da membrana celular(~10% dos lipídeos corporais totais).Avaliação da Composição CorporalHeyward & Stolarczyc (2000)
  5. 5. Gordura subcutânea – Tecido adiposo acumulado sob apeleGordura visceral – Tecido acumulado dentro e em voltados órgãos das cavidades torácica (coração, pulmões)e abdominal (fígado, rins e etc.).Gordura intra abdominal – Gordura visceral na cavidadeabdominal.Gordura abdominal – Gordura subcutânea e visceral naregião abdominal.Avaliação da Composição CorporalHeyward & Stolarczyc (2000)
  6. 6. Padrões percentuais de gordura corporal parahomens e mulheres≥ 32%≥ 25%Risco24-31%16 – 24%> Média23%15%Média9 - 22 %6 – 14 %< Média≤ 8%≤ 5%RiscoMulheresHomensLohman, 1992
  7. 7. C. E. T.EspectrometriaDIRETOSDISSECAÇÃO DE CADÁVERESINDIRETOSFÍSICO - QUÍMICOS IMAGEM DENSITOMETRIAI. R .IAtivação de NêutronsExcreção de CreatininaRadiologia ClássicaUltra-sonografiaRessonância MagnéticaTomografia Axil Comp.Absorção de GasesDisolução IsotrópicaPletismografiaSomatogramasProporcionalidadeSomatotipoPesagem HidrostáticaVolume de H2OANTOPOMETRIADUPLAMENTE INDIRETOSCondutividadeelétrica totalImpedânciaBioelétricaInteractância de raiosinfravermelhosEscala OEquações de regressãolinearesEquações de regressãogeneralizadasI. B. E.Índices de obesidade emassa corporalFracionamentos em 2, 4 e 5componentes(Petroski,2003)Métodos de Avaliação da Composição Corporal
  8. 8. Pesagem HidrostáticaO termo densitometria refere-se aoprocedimento de se estimar acomposição corporal através dadensidade corporal.A densidade do corpo humano (Dc)como em qualquer material éequivalente à razão de sua massa evolume:Dc=Massa / Volume.(Going, 1996)
  9. 9. Pesagem HidrostáticaMétodo indireto e não invasivo para aavaliação da composição corporalBaseia-se no principio de Arquimedes.Segundo este princípio, quando umcorpo é imergido em água, existe umdeslocamento de água. O volume dopeso de água deslocado será igual aovolume do corpo.
  10. 10. Pesagem Hidrostática
  11. 11. A Dc pode ser obtida através dapesagem hidrostática pela equação(descrita em Behnke e Wilmore, 1974):D(g/ml)=___________P__________[(P-Pa)/Da] – (VR+0,100)Pesagem Hidrostática
  12. 12. Pesagem Hidrostática
  13. 13. As densidades da gorduras e da massalivre de gordura foram baseadas nocorpo de referência.Observados da dissecação de apenas 3cadáveres de de 25, 35, e 46 anos deidade.Pesagem HidrostáticaEstimativa do %G através da densidade
  14. 14. Pressupostos:A densidade da gordura é de 0,901 g/cm3A densidade da MLG é de 1,10 g/cm3As densidades de gordura e doscomponentes da MLG são os mesmos paratodos os indivíduosO indivíduo avaliado difere do corpo dereferência apenas na quantidade degorduraPesagem HidrostáticaEstimativa do %G através da densidade(Brozek et al.,1963; Siri,1961)
  15. 15. Equações podem ser utilizadas paratransformar a densidade corporal em%G.Siri - %G=(495/Dc)-450Brozek - %G=(475/Dc)-414,2Pesagem HidrostáticaEstimativa do %G através da densidade
  16. 16. Equações baseadas em outrosmodelos
  17. 17. BioimpedânciaAs primeiras pesquisas com o propósito científicos dautilização da biopedância para a analise da composiçãocorporal aconteceu no inicio dos anos 80 p Nyboer (1991).Por volta da década de 60,desenvolveu-se o medidorportátil de bioimpedância, útilna estimativa da composiçãocorporal (Carvalho & Pires-Neto, 1999).Fricke (1925) relata a natureza de condutibilidade e decapacitância dos tecidos biológicos.
  18. 18. A bioimpedância baseia-se naanalise da estimativa dacomposição corporal através dacondutibilidade e da resistênciapromovida pelos diversos tecidoscorporais a variação dafreqüência da corrente elétrica.Pressupostos(Baumgartner, 1996)1. O formato do corpo humanoassemelha-se a um cilindro comcomprimento e área de secçãotransversal uniformes.
  19. 19. Tecidos que contenha mais água eeletrólitos como o fluido cérebro-espinhal, sangue, músculos, sãoaltos condutores elétricos, contudogordura, ossos, e o ar quepreenche alguns espaços do corpo(pulmão) são de alta resistência acorrente elétrica.2. Partindo do pressupostos queo corpo seja um cilindro perfeito,o fluxo de corrente através docorpo é diretamente proporcionalao comprimento do condutor einversamente proporcional a suasecção transversal.(Heyward & Stolarczyk,2000)
  20. 20. Lei de Ohm e´a resistência entre dois pontos em um condutor.
  21. 21. A condutibilidade dos tecidos biológicos é praticamenteiônica ou seja as cargas elétricas são transferidas pelaionização dos sais, bases, ácidos dissolvidos no fluidocorporal. Portanto a condutibilidade biológica édiretamente proporcional a quantidade do volume defluido corporal.(Kushner ,1992).
  22. 22. Procedimentos pré-teste:• Manter-se em jejum pelo menos nas 4 horas queantecedem o teste;• Não realizar atividades físicas extenuantes nas24 horas anteriores ao teste;• Urinar pelo menos 30 minutos antes do teste;• Não ingerir bebidas alcoólicas nas 48 horasanteriores ao teste;• Não utilizar medicamentos diuréticos nos 7 diasque antecedem o teste.• Permanecer, pelo menos, 5 a 10 minutos deitadoem decúbito dorsal, em total repouso antes daexecução do teste.(Heyward & Stolarczyk,2000;Costa,2001)
  23. 23. Colocação dos Eletrodos
  24. 24. FATOR EFEITO NA RESISTÊNCIA EFEITO NA MLG (kg) REFERÊNCIATipo de analisadorValhalla vs. RJL↑ 16 – 18 a ↓ 1,0 – 1,3 Graves et al.(1989)Comer ou beber nas últimas4 h↑ 13 - 17 ↓ 1,5 Deurenberg et al(1988)Desidratação ↑ 40 ↓ 5,0 Lukaski (1986)Exercício AeróbicoBaixa IntensidadeSM SM Deurenberg et al (1988)Moderada a alta intensidade ↓ 50 - 70 ↑12,0 Khaled et al (1988)Lukaski (1986)Ciclo menstrualFolicular vs. pré-menstrual↓ 5,8b SM Gleichauf & Rose(1989)Menstrual vs. folicular ↑ 7c SMColocação do Eletrodo ↑ 10↑ 70SM11Elsen Et al (1985)Lukaski (1986)Configuração do EletrodoIpsilateral Vs. contralateral SM SM Lukaski (1986)Lado direito vs. esquerdo SM SM Graves et al.(1989)Temperatura do Ambiente14oC vs 35oC↑35d ↓ 2,2 Caton et al (1988)RESUMO DE FATORES QUE AFETAM A MEDIDADA IMPEDÂNCIA BIOELÉTRICASM = Sem mudançasa = Valhalla > RJLb = Folicular > pré – menstrualc =Menstrual > foliculard = 14oC > 35o C
  25. 25. Vantagens•Não requer um alto grau de habilidade do avaliador.•É confortável e não-invasiva.•Pode ser utilizada na avaliação da composiçãocorporal de indivíduos obesos.•Possui equações específicas a diferentes grupospopulacionais.Desvantagens•Depende de grande colaboração por parte doavaliado.•Apresenta custo mais elevado que a outras técnicasduplamente indiretas.•É altamente influenciado pelo estado de hidrataçãodo avaliado.•Nem sempre os equipamentos dispõem dasequações adequadas aos indivíduos que pretendemosavaliar.(Heyward & Stolarczyk,2000;Costa,2001)
  26. 26. Equações de EstimativaCrianças – Kushner (1992), Lohman (1992).Adultos - Tanaka et al. (1992), Segal et al.(1988).Idosos – Lohman (1992), Gray et al. (1989).Obesos – Gray et al. (1989).Atletas – Lukaski (1987), Oppliger et al.(1991).
  27. 27. Dobras CutâneasPor volta de 1930 um compasso deespessura foi usado para se medirgordura subcutânea em alguns locaisdo corpo humano, com relativa precisão(Katch & McArdle, 1996).
  28. 28. Dobras CutâneasMedição indireta da espessura do tecidoadiposo subcutâneo.A sua utilização se baseia em algunspressupostos:A Dobra cutânea é uma boa medida da gordurasubcutâneaDistribuição de gordura subcutânea e interna éigual para todos.A soma de dobras pode ser utilizada para estimara gordura total.
  29. 29. Compassos
  30. 30. Dobras CutâneasRelação entre Dobras cutâneas e Dc
  31. 31. Procedimentos para medidas das DobrasCutâneas (Harrison et al., 1988)Tomar todas as medidas do lado direito do corpoCuidadosamente identificar, medir e marcar o local da dobracutânea, especialmente tratando-se de um avaliador novatoSegurar firmemente a dobra cutânea entre o polegar e oindicador da mão esquerda. A dobra é destacada 1 cm acima dolocal a ser medidoDestacar a dobra, colocando o polegar e o indicador a umadistância de 8 cm, em uma linha perpendicular ao eixo longo dadobra. O eixo longo é paralelo em relação às linhas naturais dapele. Entretanto, para indivíduos com dobras cutâneasextremamente grandes, o polegar e o indicador precisarão seseparar por mais de 8 cm para que se consiga destacá-la
  32. 32. Manter a dobra pressionada enquanto a medida é realizadaColocar as hastes do adipômetro perpendiculares à dobra,aproximadamente 1 cm abaixo do polegar o do indicador, esoltar pressão das hastes lentamenteTomar as medições das dobras 2 segundos após a pressão tersido aplicada Petroski (1999)Afastar as hastes do adipômetro para remove-lo do local.Fechar as hastes lentamente para prevenir danos ou perda decalibragemProcedimentos para medidas das DobrasCutâneas (Harrison et al., 1988)
  33. 33. Jackson & Pollock (1978) – 308 homens – 18 a 61 anosD= 1,1093800 – 0,0008267 (X3) + 0,0000016 (X3)2 – 0,0002574 (X4)X3 = PT + AB + CX X4 = IDADEJackson, Pollock e Ward (1980) – 249 Mulheres (18-55 anos)D= 1,099492 – 0,0009929 (X3) + 0,0000023 (X3)2 – 0,0001392 (X4)X3= TR + CX + SI X4 = IDADEEquações generalizadas
  34. 34. Absortometria de raio x de duplaenergia (DEXA)
  35. 35. Baseado em um modelo de 3componentes da composição corporal(osso, gordura e tecidos moles magros)Não é limitado pelos pressupostos domodelo de 2 componentesAbsortometria de raio x de duplaenergia (DEXA)
  36. 36. Interactância de infravermelho
  37. 37. Interactância de infravermelhoEstima o %G através da densidadeóssea (Do)Diferentes tipos de tecido absorvem aluz infravermelha de forma diferente
  38. 38. PressupstosGrau de luz absorvida está relacionadocom a composição dos tecidos através doqual a luz está passandoA luz penetra nos tecidos, é refletida peloosso de volta ao detectorDo estam relacionadas linearmente àgordura subcutânea do bíceps e à gorduracorporal total.Interactância de infravermelho
  39. 39. Método antropométricoEstimativa da densidade corporal,gordura corporal relativa (%G) oumassa livrede gordura (MLG) a partir decombinações de peso, altura, diâmetrosósseos e circunferênciasPodem ser generalizadas ou específicaspara determinados grupospopulacionais.
  40. 40. Pressupostos:Circunferências são afetadas pela massagorda, massa muscular e tamanho ósseo,estas medidas estão relacionadas à massagorda e massa magraAlgumas circunferências são afetadas por sãoaltamente associadas ao componente degordura.Método antropométrico
  41. 41. Equações baseadas em circunferênciassão recomendadas para indivíduosobesos porque:Independente do tamanho, circunferênciasde indivíduos obesos podem ser medidas,ao contrário das dobras cutâneas.Circunferências requerem menoshabilidade do avaliador.Método antropométrico
  42. 42. Equações de estimativa da gordura atravésde perímetros para obesos:Mulheres (20 a 60 anos)%G= 0,11077(c abm)-0,17666(est)+0,14354(mc)+51,03301(Weltman et al.,1988)Homens (24 a 68 anos)%G= 0,31457 (c abm)-0,10969(mc)+10,8336(Weltman et al.,1987 )Método antropométrico
  43. 43. EquaçõesCálculo da massa de gorduraMG = (%G/100) * MCCálculo da MCM relativa e absolutaMCM = MC – MGMCM (%) = 100-%GCalculo da Massa Óssea (von Döbeln, mod. por Rocha,1975)MO = 3,02*(Est2*R*F*400)0,712Est2=estatura em metros, elevada ao quadradoR=diâmetro rádio-ulnar em metrosF=diâmetro do fêmur em metros
  44. 44. Cálculo da massa residual (Würth, modif. por Pires-Neto,1997)Masculino: MR=MC * 0,241Feminino : MR=MC * 0,209Cálculo da massa muscularMM = MC – (MG+MO+MR)Cálculo do peso alvoPA = (1/GD) * MCM, onde é o %G desejávelEquações
  45. 45. Relação Cintura-QuadrilÉ dada pela equação:Per. CinturaPer. QuadrilEstá fortemente associada à gordura visceral(Ashwell et al.,1985) e conseqüentementerisco de doenças cardiovasculares.
  46. 46. Relação Cintura-Quadril> 0.900.84 - 0.900.76 – 0.83< 0.7660-69> 0.880.82 – 0.880.74 – 0.81< 0.7450-59> 0.870.80 – 0.870.73 – 0.79< 0.7340-49> 0.840.79 - 0.840.72 - 0.78< 0.7230-39> 0.820.78 - 0.820.71 - 0.77< 0.7120-29Mulheres> 1.030.99 - 1.030.91- 0.98< 0.9160-69> 1.020.97 - 1.020.90 - 0.96< 0.9050-59>1.000.96 - 1.000.88 - 0.95< 0.8840-49> 0.960.92 - 0.960.84 - 0.91< 0.8430-39> 0.940.89 - 0.940.83 - 0.88< 0.8320-29HomensMuito AltoAltoModeradoBaixoIdadeRISCOBRAY & GRAY, 1988
  47. 47. Índice de massa corporal (IMC)É dado de seguinte equação:IMC = Massa Corporal / Estatura2
  48. 48. Índice de massa corporal (IMC)
  49. 49. Índice de massa corporal (IMC)Valores<16,00 Kg/m216,01 a 16,99 Kg/m217,00 a 18,49 Kg/m218,5 a 24,9 Kg/m225,0 a 29,9 Kg/m230,0 a 34,9 Kg/m235,0 a 39,9 Kg/m2> 40,0 Kg/m2ClassificaçãoEutrofiaPré-obesoObeso classe IMagreza grau IIIObeso classe IIIMagreza grau IIMagreza grau IObeso classe IIWHO (1997).

×