iv
RESUMO
De forma a determinar a prevalência das queixas de insónia nos doentes
que recorrem às consultas de clínica gera...
v
ABSTRACT
To determine the prevalence of insomnia complaints in patients that often
go to their general Practitioner in p...
vi
À minha família,
Com gratidão,
Pela sabedoria das palavras
e ternura dos gestos.
vii
There are causes for all human suffering, and
there is a way by which they may be ended, because
everything in the wor...
viii
ÍNDICE GERAL
1. INTRODUÇÃO 17
2. MATERIAL E MÉTODOS 41
2.1. DESENHO DO ESTUDO 41
2.2. OBJECTIVOS 42
2.3. HIPÓTESES DO...
ix
3.2. O ESTADO DE SAÚDE DA AMOSTRA FACE AOS VALORES
NORMATIVOS
81
3.3. QUEIXAS DE INSÓNIA 82
3.3.1. Queixas de insónia e...
x
LISTA DE FIGURAS E GRÁFICOS
Figura 1: Distrito de Leiria
45
Figura 2: Concelho de Figueiró dos Vinhos
45
Figura 3: Vila ...
xi
ÍNDICE DE QUADROS
Quadro 1: Características demográficas 54
Quadro 2: Colheita de dados acerca da medicação efectuada p...
xii
Quadro 21: Comparação entre valores normativos para a população
rural e os valores da amostra
81
Quadro 22: Comparação...
xiii
Quadro 43: Sonolência diurna versus sexo 104
Quadro 44: Sonolência diurna versus idade 106
Quadro 45: Sonolência diur...
xiv
LISTA DE ABREVIATURAS
ARS: Administração Regional de Saúde
CG: Clínica Geral
CSFV: Centro de Saúde de Figueiró dos Vin...
xv
INE: Instituto Nacional de Estatística
ISI: Escala de Severidade da Insónia (Insomnia Severity Index)
OMS: Organização ...
xvi
Á Sra. Prof.ª Doutora Teresa Paiva, pela
disponibilidade e orientação, e pelo sorriso sábio
e paciente em todos os mom...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Insônia geral

221 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
221
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Insônia geral

  1. 1. iv RESUMO De forma a determinar a prevalência das queixas de insónia nos doentes que recorrem às consultas de clínica geral no Centro de Saúde de Figueiró dos Vinhos e a sua relação com a qualidade de vida, aplicou-se um questionário que englobou o questionário de Qualidade do sono de Pittsburg, a escala de severidade de insónia, a escala de sonolência de Epworth e o questionário da qualidade de vida associada ao estado de saúde SF-36. A amostra foi composta por 292 indivíduos utilizadores da consulta de clínica geral, entre os 20 e os 60 anos, sendo a maior percentagem de mulheres (71,2 %). O objectivo deste estudo foi caracterizar a prevalência das queixas de insónia nos doentes seguidos em consulta de clínica geral e relacioná-la com a qualidade de vida. Colocou-se como hipótese que as queixas de insónia seriam prevalentes e que associadas existiriam alterações na qualidade de vida. Os sujeitos apresentaram de um modo geral, melhor qualidade de vida quando comparados com os valores normativos existentes para a população geral. No entanto, verificou-se a existência na amostra de uma elevada prevalência de queixas de insónia (57,9 %), de insónia com severidade de moderada a grave (11,6 %) e de sonolência diurna excessiva (20,2 %). Esses valores foram mais graves no sexo feminino. Constatou-se ainda que a insónia estava relacionada com uma menor qualidade de vida, que diminuiu à medida que a gravidade da insónia aumentou. O que sugere, apesar de a amostra eventualmente poder não ser representativa para a população portuguesa, que a dimensão do problema em Portugal poderá ser superior ao conhecido ou que ter-se-á vindo a agravar. Palavras-chave: Queixas de insónia; Severidade de Insónia; Sonolência diurna excessiva; Qualidade de Vida; Prevalência
  2. 2. v ABSTRACT To determine the prevalence of insomnia complaints in patients that often go to their general Practitioner in primary health care system in Figueiró dos Vinhos, and the consequences in the life quality, we applied a questionnaire witch included the Pittsburgh Sleep Questionnaire Index, the Insomnia severity index, the Epworth sleepiness scale and the Life quality associated with health state questionnaire SF-36. The sample was made up of 292 participants, aged between 20 and 60 years, with a higher percentage of women (71,2 %). The purpose of this study was to characterize the prevalence of the insomnia complaints in these patients and related these with their life quality. The hypotheses were that the insomnia complaints were more prevalent and that there would be changes in the life quality. The subjects had in general, better life quality when compared with general population. Despite, the existence of high prevalence of insomnia complaints (57,9 %), moderate to severe (11,6 %) and excessive daytime sleepiness (20,2 %). Female in general presented higher results. We found that life quality is highly sensitive to insomnia complaints and worsen with severity of insomnia and daily consequences. These findings suggest that even thou the sample may not be representative of the Portuguese population, the dimension of the problem in Portugal could be under estimated or became worse over the years. Key words: Insomnia complaints; Insomnia severity; Excessive daytime sleepiness; Life quality; Prevalence
  3. 3. vi À minha família, Com gratidão, Pela sabedoria das palavras e ternura dos gestos.
  4. 4. vii There are causes for all human suffering, and there is a way by which they may be ended, because everything in the world is the result of a vast concurrence of causes and conditions, and everything disappears as these causes and conditions change and pass away. BUDDHA, The teaching of Buddha
  5. 5. viii ÍNDICE GERAL 1. INTRODUÇÃO 17 2. MATERIAL E MÉTODOS 41 2.1. DESENHO DO ESTUDO 41 2.2. OBJECTIVOS 42 2.3. HIPÓTESES DO ESTUDO 43 2.4. DESCRIÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO 44 2.4.1. População do Concelho de Figueiró dos Vinhos 44 2.4.2. População do Centro de Saúde de Figueiró dos Vinhos 47 2.5. CRITÉRIOS E ETAPAS DE SELECÇÃO DA AMOSTRA 48 2.5.1 Critérios de inclusão 48 2.5.2. Critérios de exclusão 49 2.5.3. Consentimento 49 2.5.4. Selecção das unidades de observação 49 2.6. MÉTODOS DE MEDIDA 51 2.6.1. Características demográficas 52 2.6.2. Hábitos de medicação 55 2.6.3. Questionário de Qualidade do Sono de Pittsburg 55 2.6.4. Escala da Severidade de insónia 59 2.6.5. Escala de Sonolência de Epworth 60 2.6.6. Questionário SF-36 61 2.7. PROCEDIMENTOS ÉTICOS 66 2.8. TÉCNICAS DE ANÁLISE ESTATÍSTICA 66 3. RESULTADOS 68 3.1. DESCRIÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DA AMOSTRA 69 3.1.1. Caracterização sócio-demográfica 69 3.1.2. Hábitos de sono 71 3.1.3. Hábitos de medicação 77 3.1.4. Caracterização das queixas de insónia, severidade de insónia e sonolência diurna 78 3.1.5. Caracterização do estado de saúde na amostra 80
  6. 6. ix 3.2. O ESTADO DE SAÚDE DA AMOSTRA FACE AOS VALORES NORMATIVOS 81 3.3. QUEIXAS DE INSÓNIA 82 3.3.1. Queixas de insónia e caracterização sócio-demográfica 82 3.3.2. Queixas de insónia e hábitos de sono 87 3.3.3. Queixas de insónia e hábitos de medicação 88 3.3.4. Queixas de insónia e estado de saúde 90 3.4. SEVERIDADE DA INSÓNIA 92 3.4.1. Severidade da insónia e caracterização sócio- demográfica 92 3.4.2. Severidade da insónia e hábitos de sono 98 3.4.3. Severidade da insónia e hábitos de medicação 99 3.4.4. Severidade da insónia e estado de saúde 101 3.5. SONOLÊNCIA DIURNA 104 3.5.1. Sonolência diurna e caracterização sócio-demográfica 104 3.5.2. Sonolência diurna e hábitos de sono 109 3.5.3. Sonolência diurna e hábitos de medicação 109 3.5.4. Sonolência diurna e estado de saúde 110 3.6. RELAÇÃO ENTRE ESTADO DE SAÚDE, QUEIXAS DE INSÓNIA, SEVERIDADE DE INSÓNIA E SONOLÊNCIA DIURNA 113 4. DISCUSSÃO DE RESULTADOS 115 LISTA DE REFERÊNCIAS 126 ANEXOS 129
  7. 7. x LISTA DE FIGURAS E GRÁFICOS Figura 1: Distrito de Leiria 45 Figura 2: Concelho de Figueiró dos Vinhos 45 Figura 3: Vila de Figueiró dos Vinhos 46 Gráfico 1: Distribuição da amostra quanto ao sexo 70 Gráfico 2: Distribuição da amostra por grupo etário 71 Gráfico 3: Distribuição da amostra segundo a hora de deitar 72 Gráfico 4: Distribuição da amostra segundo a latência subjectiva do sono 74 Gráfico 5: Distribuição da amostra segundo a hora de deitar 75 Gráfico 6: Distribuição da amostra segundo a duração subjectiva do sono 76 Gráfico 7: Queixas de insónia versus sexo 83 Gráfico 8: Queixas de insónia versus grupo etário 84 Gráfico 9: Pontuações das dimensões do estado de saúde segundo as queixas de insónia 91 Gráfico10: Severidade de insónia na população feminina 93 Gráfico11: Severidade de insónia na população masculina 94 Gráfico12: Pontuações das dimensões do estado de saúde segundo a severidade da insónia 103 Gráfico 13: Distribuição da população feminina segundo a sonolência diurna 105 Gráfico 14: Distribuição da população masculina segundo a sonolência diurna 105 Gráfico 15: Pontuações das dimensões do estado de saúde segundo a sonolência diurna 112
  8. 8. xi ÍNDICE DE QUADROS Quadro 1: Características demográficas 54 Quadro 2: Colheita de dados acerca da medicação efectuada pelos sujeitos Quadro 3: Conteúdo e pontuações do PSQI 56 Quadro 4: Conteúdo e pontuações do ISI 60 Quadro 5: Conteúdo e pontuações do ESS 61 Quadro 6: Conteúdo abreviado dos itens e pontuações das escalas do SF-36 64 Quadro 7: Sexo, estado civil, companhia, situação profissional, trabalho por turnos 69 Quadro 8: Idade 70 Quadro 9: Grupo etário 70 Quadro 10: Caracterização da hora de deitar da amostra 72 Quadro 11: Caracterização da latência subjectiva do sono na amostra 73 Quadro 12: Caracterização da hora de acordar da amostra 74 Quadro 13: Caracterização da duração subjectiva do sono 76 Quadro 14: Correlação estatística entre hábitos de sono e idade 77 Quadro 15: Medicação habitual 78 Quadro 16: Prevalência das queixas de insónia na amostra 79 Quadro 17: Severidade de insónia na amostra 79 Quadro 18: Sonolência diurna 79 Quadro 19: Prevalência das queixas de insónia, severidade de insónia e sonolência diurna 80 Quadro 20: Dimensões do estado de saúde 80
  9. 9. xii Quadro 21: Comparação entre valores normativos para a população rural e os valores da amostra 81 Quadro 22: Comparação entre os valores normativos para a população geral e os valores da amostra 82 Quadro 23: Queixas de insónia versus sexo 83 Quadro 24: Queixas de insónia versus idade 84 Quadro 25: Queixas de insónia versus estado civil 85 Quadro 26: Queixas de insónia versus companhia 85 Quadro 27: Queixas de insónia versus situação profissional 86 Quadro 28: Queixas de insónia versus trabalho por turnos 86 Quadro 29: Queixas de insónia versus trabalho por turnos regulares e irregulares 87 Quadro 30: Queixas de insónia versus hábitos de sono 88 Quadro 31: Queixas de insónia versus hábitos de medicação 89 Quadro 32: Queixas de insónia versus estado de saúde 90 Quadro 33: Severidade de insónia versus sexo 93 Quadro 34: Severidade de insónia versus idade 95 Quadro 35: Severidade de insónia versus estado civil 96 Quadro 36: Severidade de insónia versus companhia 96 Quadro 37: Severidade de insónia versus situação profissional 97 Quadro 38: Severidade de insónia versus trabalho por turnos 98 Quadro 39: Severidade de insónia versus trabalho por turnos regulares e irregulares 98 Quadro 40: Severidade de insónia versus hábitos de sono 99 Quadro 41: Severidade de insónia versus medicação 100 Quadro 42: Severidade de insónia versus estado de saúde 102
  10. 10. xiii Quadro 43: Sonolência diurna versus sexo 104 Quadro 44: Sonolência diurna versus idade 106 Quadro 45: Sonolência diurna versus estado civil 106 Quadro 46: Sonolência diurna versus companhia 107 Quadro 47: Sonolência diurna versus situação profissional 107 Quadro 48: Sonolência diurna versus trabalho por turnos 108 Quadro 49: Sonolência diurna versus trabalho por turnos regulares e irregulares 108 Quadro 50: Sonolência diurna versus hábitos de sono 109 Quadro 51: Sonolência diurna versus hábitos de medicação 110 Quadro 52: Sonolência diurna versus estado de saúde 111 Quadro 53: Estado de saúde versus PSQI, ISI e ESS 114
  11. 11. xiv LISTA DE ABREVIATURAS ARS: Administração Regional de Saúde CG: Clínica Geral CSFV: Centro de Saúde de Figueiró dos Vinhos DE: Distúrbios emocionais DF: Distúrbios físicos DGS: Direcção Geral da Saúde DR: Distúrbio da dor DSM-III: Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders – 3th Edition DSM-IV: Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders – 4th Edition ESS: Escala de Sonolência de Epworth (Epworth Sleepiness Scale) FF: Função física FS: Função social ICSD: Classificação Internacional dos Distúrbios do sono (International Classification of sleep disorders) ICSD-2: Classificação Internacional dos Distúrbios do Sono (International Classification of Sleep Disorders, version 2)
  12. 12. xv INE: Instituto Nacional de Estatística ISI: Escala de Severidade da Insónia (Insomnia Severity Index) OMS: Organização Mundial de Saúde PIB: Produto Interno Bruto PSG: Polissonografia PSQI: Questionário de Qualidade do Sono de Pittsburg (Pittsburg Sleep Quality Index) PVP: preço de venda ao público SF-36: Medical Outcomes Study Short-Form Health Survey 36-Item SG: Saúde geral SM: Saúde mental SNS: Sistema Nacional de Saúde SPSS: Statistical Package for the Social Sciences SRS: Sub-região de saúde VT: Vitalidade
  13. 13. xvi Á Sra. Prof.ª Doutora Teresa Paiva, pela disponibilidade e orientação, e pelo sorriso sábio e paciente em todos os momentos. Ao Centro de Estudos de Investigação em Saúde da Universidade de Coimbra, pela colaboração relativamente à utilização do questionário SF-36. Ao Sr. Doutor João Gil, pela preciosa ajuda e simpatia. Aos colegas do Centro de Saúde de Figueiró dos Vinhos, pela importante colaboração na recolha dos questionários. À minha família, pela compreensão, o apoio e o carinho. Aos meus amigos e colegas, pela amizade e boa vontade com que sempre atenderam os meus pedidos. À Mónica, pela amizade sempre pronta, o sorriso sempre “discreto” e a frescura genuína e contagiante da Terceira. O meu obrigado

×