Câncer de pele

216 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
216
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Câncer de pele

  1. 1. CÂNCER DE PELE O câncer de pele é uma doença que ocorre em decorrência de um desenvolvimento anormal das células da pele. Elas multiplicam-se rapidamente até formarem um tumor. Embora o câncer de pele seja o tipo de câncer mais frequente, correspondendo a cerca de 25% de todos os tumores malignos registrados no Brasil, quando detectado precocemente este tipo de câncer apresenta altos percentuais de cura.¹ As formas de manifestar a doença podem estar relacionadas a diversos fatores, como: • História familiar de câncer de pele, • Pessoas de pele clara e olhos claros, com cabelos ruivos ou loiros; • Pessoas que trabalham frequentemente expostas ao sol sem proteção adequada; • E principalmente a exposição prolongada e repetida aos raios ultravioletas do sol principalmente na infância e adolescência. O câncer de pele é mais comum em indivíduos com mais de 40 anos, principalmente se estes apresentarem pele clara, forem sensíveis à ação dos raios solares, ou possuírem alguma doença cutânea prévia.
  2. 2. O câncer de pele pode manifestar-se em diferentes formas, sendo as mais frequentes: • Carcinoma basocelular; • Carcinoma epidermóide (não melanoma); • Melanoma. Câncer de Pele - Não melanoma O carcinoma basocelular (fig.1, fig.2, fig.3, fig.4, e fig.5) e o carcinoma epidermóide, também chamados de câncer de pele não melanoma, são os tipos de câncer de pele mais freqüentes (70% e 25%, respectivamente). Porém, apesar das altas taxas de incidência, o câncer de pele não melanoma apresenta altos índices de cura, principalmente devido à facilidade do diagnóstico precoce.¹ Indivíduos que trabalham com exposição direta ao sol são mais vulneráveis ao câncer de pele não melanoma. A maior incidência deste tipo de câncer de pele se dá na região da cabeça e do pescoço, que são justamente os locais de exposição direta aos raios solares. Diagnóstico O câncer de pele não melanoma pode apresentar dois tipos de diagnóstico; sendo o carcinoma basocelular que é diagnosticado através de
  3. 3. uma lesão (ferida ou nódulo) com uma evolução lenta e o carcinoma epidermóide também surge por meio de uma ferida, porém, que evolui rapidamente e vem acompanhada de secreção e de coceira. A maior gravidade do carcinoma epidermóide é devido à possibilidade que esse tipo de câncer tem de apresentar metástase.¹  Tratamento O câncer de pele quando descoberto precocemente tem cura. O auto- exame da pele é muito importante para que o diagnóstico e o tratamento sejam alcançados com maior rapidez, o que aumentam as chances de cura. Ao realizar o auto-exame da pele deve estar atento a sinais como: • Manchas que coçam, ardem, escamam ou sangram; • Sinais ou pintas que mudam de tamanho, forma ou cor; • Feridas que não cicatrizam em quatro semanas; • Mudança na textura da pele ou dor. Em ambos os casos, a cirurgia é o tratamento mais indicado. Porém, dependendo da extensão, o carcinoma basocelular pode também ser tratado através de medicamento tópico ou radioterapia. No caso do carcinoma epidermóide, o tratamento usual é feito basicamente através de procedimento cirúrgico e radioterapia.¹
  4. 4. Fig.1 - Carcinoma basocelular: forma nódulo- ulcerativa Fig.4 - Carcinoma basocelular: forma plano- superficial em detalhe Fig.2 - Carcinoma basocelular: forma nódulo- ulcerativa em detalhe Fig. 5 - Carcinoma basocelular: forma pigmentada (importante diferenciar do melanoma) Fig.3 - Carcinoma basocelular: forma plano- superficial Referências Bibliográficas: 1- Disponível em: http://www.inca.gov.br/conteudo_view.asp?id=334 , acesso em: 29/08/11 Disponível em: <http://www1.inca.gov.br/inca/Arquivos/publicacoes/cancer_pele_2010.pdf>, acesso em: 25/10/11. Outras referências importantes:
  5. 5. • <http://www.scielo.br/pdf/rgenf/v32n1/a13v32n1.pdf>, acesso em: 30/08/11; • <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0365- 05962010000200007&lang=pt>, acesso em: 30/08/11.

×