III Encontro Nacional de Ensino de Ciências da Saúde e do Ambiente
Niterói/RJ, 2012
1
Campus da Praia Vermelha/UFF
Niterói...
III Encontro Nacional de Ensino de Ciências da Saúde e do Ambiente
Niterói/RJ, 2012
2
Campus da Praia Vermelha/UFF
Niterói...
III Encontro Nacional de Ensino de Ciências da Saúde e do Ambiente
Niterói/RJ, 2012
3
Campus da Praia Vermelha/UFF
Niterói...
III Encontro Nacional de Ensino de Ciências da Saúde e do Ambiente
Niterói/RJ, 2012
4
Campus da Praia Vermelha/UFF
Niterói...
III Encontro Nacional de Ensino de Ciências da Saúde e do Ambiente
Niterói/RJ, 2012
5
Campus da Praia Vermelha/UFF
Niterói...
III Encontro Nacional de Ensino de Ciências da Saúde e do Ambiente
Niterói/RJ, 2012
6
Campus da Praia Vermelha/UFF
Niterói...
III Encontro Nacional de Ensino de Ciências da Saúde e do Ambiente
Niterói/RJ, 2012
7
Campus da Praia Vermelha/UFF
Niterói...
III Encontro Nacional de Ensino de Ciências da Saúde e do Ambiente
Niterói/RJ, 2012
8
Campus da Praia Vermelha/UFF
Niterói...
III Encontro Nacional de Ensino de Ciências da Saúde e do Ambiente
Niterói/RJ, 2012
9
Campus da Praia Vermelha/UFF
Niterói...
III Encontro Nacional de Ensino de Ciências da Saúde e do Ambiente
Niterói/RJ, 2012
10
Campus da Praia Vermelha/UFF
Niteró...
III Encontro Nacional de Ensino de Ciências da Saúde e do Ambiente
Niterói/RJ, 2012
11
Campus da Praia Vermelha/UFF
Niteró...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Acidente de transito com trauma os desafios da violência

809 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
809
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Acidente de transito com trauma os desafios da violência

  1. 1. III Encontro Nacional de Ensino de Ciências da Saúde e do Ambiente Niterói/RJ, 2012 1 Campus da Praia Vermelha/UFF Niterói/RJ ACIDENTE DE TRANSITO COM TRAUMA: OS DESAFIOS DA VIOLÊNCIA URBANA. TRAFFIC ACCIDENTS INVOLVING TRAUMA: THE CHALLENGES OF URBAN VIOLENCE Juliana Cardoso1 , Maria Salete Salvaro2 , Izabel Scarabelot Medeiros3 , Maria Tereza Soratto4 , Maria Tereza Brazil Zanini5 , Magada Tesmann Schwalm6 , Neiva Junkes Hoepers7 . 1 Enfermeira graduada no Curso de Enfermagem da UNESC – Universidade do Extremo Sul de Santa Catarina. Email: julinha_cardozo@yahoo.com.br 2 Enfermeira. Mestre em Educação. Professora do Curso de Enfermagem da UNESC. Email: mssalvaro@unesc.net. 3 Enfermeira. Mestre. Professora do Curso de Enfermagem da UNESC. Email: ism@unesc.net 4 Enfermeira. Mestre em Educação. Professora da disciplina Ética e Deontologia do Curso de Enfermagem. Professora do Curso de Fisioterapia da UNESC. Email: guiga@engeplus.com.br; guiga@unesc.net 5 Especialista em Saúde Pública. Professora do Curso de Enfermagem da UNESC – Universidade do Extremo Sul de Santa Catarina. Email: mbz@unesc.net 6 Enfermeira. Doutoranda em Ciências da Saúde. Coordenadora do Curso de Enfermagem da Unesc. Professora do Curso de Enfermagem da Unesc. Email; mts@unesc.net 7 Mestre em Ciências da Saúde. Professora do curso de Enfermagem da Unesc. Email. neivajun@unesc.net. RESUMO O presente artigo apresenta e discute os acidentes de transito com trauma ocorridos em Criciúma no ano de 2009. Trata-se de um estudo desenvolvido através de uma pesquisa de campo com analise quantitativa. Os dados foram obtidos através destas fichas utilizadas pelos profissionais socorristas do SAMU. Os acidentes de transito tem se confirmado um grande problema de saúde publica, é o segundo maior índice de morbimortalidade do país. A violência no trânsito realidade atual, não se pode negar, medidas a curto e em longo prazo necessitam ser implementadas. Acidentes de trânsito resultam em conseqüências para a sociedade, tanto pelos óbitos como pelas seqüelas às vítimas, gastos com seguridade e alto consumo de recursos médico-hospitalares e tecnológicos. Concluímos nesta pesquisa que os dados demonstram um grande problema de morbimortalidade na cidade pesquisada provocados por acidente de transito Palavras-chave: Acidente de Transito, APH, Trauma.
  2. 2. III Encontro Nacional de Ensino de Ciências da Saúde e do Ambiente Niterói/RJ, 2012 2 Campus da Praia Vermelha/UFF Niterói/RJ ABSTRACT The present article aims at discussing traffic accidents involving trauma occurred in the city of Criciúma / SC, during 2009. The study was carried out through a field research with quantitative analysis. Data were collected from files used by professional rescuers from SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência). Traffic accidents have become a major public health problem, being the second highest rate of morbimortality in the country. Traffic accidents end up bringing serious problems to society, as much for deaths as the consequences for victims, as well as security expenditures, high consumption of medical and hospital resources, and technology. Results show that violence is a reality today, and that short and long term measures need to be implemented. Keywords: Traffic Accidents; APH(Emergency Assistance); Trauma. INTRODUÇÃO Para a Organização Mundial de Saúde (OMS) o “Acidente é todo acontecimento fortuito que determina uma lesão reconhecível e constitui, atualmente, importante problema de saúde pública pela sua incidência e repercussões” (EISENSTEIN; SOUZA, 1993; SCHVARTSMAN, 1977 apud SOUZA; BARROSO, 1999). O presente estudo tem como objetivo realizar um levantamento dos acidentes de transito com trauma no município de Criciúma no ano de 2009, atendidos pela unidade de APH(Atendimento Pré- Hospitalar) do SAMU. A cidade de Criciúma é cortada de um extremo a outro por uma longa avenida denominada Avenida Centenário. Esta tem sido palco de inúmeros acidentes de trânsitos, atropelamentos, entre outros. Inúmeros são os dados de violência no trânsito levantados em Criciúma, mas não se tem dado devida ênfase na magnitude desses dados. As vitimas de acidentes de trânsito são atendidas ou pelo corpo de bombeiros da cidade ou pelo SAMU. O Samu, é um órgão que podemos dizer novo em nossa realidade, porém, os números de vítimas atendidas em tão pouco tempo é alarmante. Sua abrangência vai da cidade de Criciúma até Passos de Torres até Imbituba, possuindo, no entanto uma longa faixa territorial para atendimento. Os cuidados Pré Hospitalar é caracterizado pelos cuidados iniciais a vitima que necessita de socorro imediato, ou seja, é o momento em que antecede o atendimento hospitalar. O SAMU tem como função realizar o atendimento médico pré-hospitalar de urgência, tanto em casos de traumas como em situações clínicas, prestando os cuidados
  3. 3. III Encontro Nacional de Ensino de Ciências da Saúde e do Ambiente Niterói/RJ, 2012 3 Campus da Praia Vermelha/UFF Niterói/RJ médicos de urgência apropriados ao estado de saúde do cidadão e, quando se fizer necessário, transportá-lo com segurança e com o acompanhamento de profissionais do sistema até o ambulatório ou hospital. O que despertou-nos interesse em levantar este tema, foi o grande número de acidentes de transito que muitas vezes sabemos de forma empírica. A violência no trânsito tem se tornado um tema relevante para a enfermagem, pois tem se tornado um problema grave de saúde pública, e muitas vezes pouco importância tem dados as políticas nacionais de saúde, bem como medidas de prevenção. A violência no trânsito é uma realidade não se pode negar, medidas a curto e a longo prazo necessitam ser implementadas. As avenidas deixam de serem lugares de passagem, para ser palco de grandes tragédias. A morte no trânsito é uma epidemia evitável. A violência no trânsito marca a vida da população como um todo, é violência na vida e na morte. A partir dessa reflexão aponto alguns indicativos da violência no trânsito na cidade de Criciúma atendidos pelo Samu. Algumas campanhas tem se reduzido apenas em: Conscientizar o condutor do veículo em fazer uso cinto de segurança, não beber, não dirigir em alta velocidade, não falar ao telefone celular enquanto dirigir, enfim cuidados em geral no trânsito. A Policia Militar do país tem sido uma grande aliada no sentido de trabalhar na prevenção dos acidentes de trânsitos. A lei seca é um exemplo que vem sendo fiscalizada no sentido de diminuir os acidentes de trânsito, mas mesmo assim, observamos que esta lei ainda encontra-se muito distante da realidade de muitas pessoas. A partir da década de 1980, as causas externas passaram a representar a segunda causa de morte no Brasil e a primeira para aqueles que se encontram entre 5 e 39 anos. Embora não haja dúvida de que a violência e os acidentes constituam problemas que afetam a saúde, ao longo do tempo, no Brasil, eles vêm sendo tratados como objeto exclusivo da segurança pública, e somente a partir de 1993 foi que o setor saúde passou a assumi-los oficialmente (SANTOS, 2008). Acidentes de trânsito resultam em conseqüências para a sociedade, tanto pelos óbitos como pelas seqüelas às vítimas, gastos com seguridade e alto consumo de recursos médico-hospitalares e tecnológicos. O objetivo desse artigo é Caracterizar os tipos de acidentes de trânsito com traumas, ocorridos em Criciúma no ano de 2009, a partir dos registros de um Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), do município de Criciúma. A partir da
  4. 4. III Encontro Nacional de Ensino de Ciências da Saúde e do Ambiente Niterói/RJ, 2012 4 Campus da Praia Vermelha/UFF Niterói/RJ década de 1980, as causas externas passaram a representar a segunda causa de morte no Brasil e a primeira para aqueles que se encontram entre 5 e 39 anos. Embora não haja dúvida de que a violência e os acidentes constituam problemas que afetam a saúde, ao longo do tempo, no Brasil, eles vêm sendo tratados como objeto exclusivo da segurança pública, e somente a partir de 1993 foi que o setor saúde passou a assumi-los oficialmente (SANTOS, 2008). Utilizamos como instrumento de coleta de dados as fichas de atendimento utilizadas pelos profissionais socorristas do SAMU, estando essas anexadas de forma cronológica na base do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência. TRAJETORIA METODOLOGICA O presente estudo é de cunho quantitativa que é um método de pesquisa social que utiliza técnicas estatísticas. O estudo é descritivo, e de Campo. A pesquisa descritiva tem como objetivo primordial a descrição das características de determinada população ou fenômeno ou o estabelecimento de relações entre variáveis. O estudo descritivo pretende descrever com exatidão os fatos ou fenômenos de determinada realidade e exigem do pesquisador uma série de informações sobre o que se deseja estudar, uma precisa delimitação de técnicas, métodos, modelos e teorias que orientarão a coleta e interpretação dos dados. O presente estudo transcorreu nas dependências do SAMU nos meses de setembro e outubro de 2010. Foi realizado um levantamento de dados documentais dos acidentes com vítimas no trânsito que se encontram arquivados por ordem cronológica na USA (Unidade de Suporte Avançado) e USB (Unidade Suporte básico) do SAMU ocorridos em Criciúma no ano de 2009. Os aspectos éticos seguem os princípios da Resolução 196/96 do CONEP- Conselho Nacional de Pesquisa. O projeto foi enviado ao Comitê de Ética em Pesquisa – CEP da UNESC, sendo aprovado sob o número 201/2010. No SAMU foram efetuados no ano de 2009, 3.870 atendimentos. Incluem-se aqui os atendimentos que compreendem desde uma transferência até um Atendimento Pré Hospitalar. Foram atendidos 322 acidentes de trânsito com 370 vítimas e 14 óbitos no local. Como descrevemos anteriormente o SAMU é composto por duas bases: A USA e a USB. Os dados da pesquisa foram coletados em ambas as bases, obtendo os seguintes resultados:
  5. 5. III Encontro Nacional de Ensino de Ciências da Saúde e do Ambiente Niterói/RJ, 2012 5 Campus da Praia Vermelha/UFF Niterói/RJ Tabela 1: Ocorrências de acidentes de transito atendidos pela USA (Unidade de Suporte Avançado). OCORRÊNCIAS Nº % Colisões 58 62,37 % Atropelamentos 24 25,81 % Óbito no Local 8 8,61 % Capotamento 3 3,23 % Total 93 100% FONTE: Dados da pesquisa: SAMU 2009. Como podemos observar a incidência maior de acidente na Unidade de Suporte Avançado atendido foi por colisão, sendo 62,37% das ocorrências. A USA, atendeu no total 93 ocorrências por acidentes de transito com trauma, sendo 58 vítimas de colisões, 24 atropelamentos, 8 óbitos no local e 3 capotamentos. Tabela 2: Ocorrências de acidente de trânsitos atendidos pela USB (Unidade de Suporte Básico). OCORRÊNCIAS Nº % Colisões 172 75,10 % Atropelamentos 48 21 % Óbito no Local 6 2,60 % Capotamento 3 1,31 % Total 229 100% FONTE: Dados da pesquisa: SAMU 2009. A base da USB, atendeu 229 acidentes de transito com trauma, sendo 172 por colisão, 48 por atropelamentos, 6 por óbitos no local e 3 por capotamentos. Scalassara, Souza e Soares (1998) afirmam que os acidentes de trânsito não são uma fatalidade, como parte da população insiste em acreditar, mas ocorrem pela deficiência na conservação de veículos e estradas ou, ainda, são provocados pelos pedestres e condutores sendo que as falhas humanas se sobrepõem aos demais determinantes dos acidentes. Na variável quanto ao gênero das vitimas, observamos na tabela a seguir uma incidência maior nos indivíduos do sexo masculino. Tabela 3: Acidente quanto ao Gênero das Vítimas. Gênero Nº % Feminino 100 27,03% Masculino 270 72,97% Total 370 100% Fonte: Dados da pesquisa: SAMU 2009.
  6. 6. III Encontro Nacional de Ensino de Ciências da Saúde e do Ambiente Niterói/RJ, 2012 6 Campus da Praia Vermelha/UFF Niterói/RJ A superioridade nas vitimas do sexo masculino tem se confirmado um fator de maior exposição do homem no trânsito, além do comportamento mais agressivo do homem quando diz respeito ao trânsito. Silveira, Rodrigues e Costa Junior (2002)) levantaram a hipótese de que nesta etapa da vida os homens circulam com maior freqüência no perímetro urbano, enquanto as mulheres tendem a ficar mais nas proximidades de suas casas, isso provoca uma maior exposição masculina aumentando os riscos de acidentes de trânsito. Quanto ao tipo de veiculo, observamos uma alta incidência nos veículos automobilísticos, como mostra a tabela a seguir: Tabela 4: Acidente quanto ao Tipo de Veiculo Tipo de Veículo Nº % Carro 110 34,37% Motocicleta 203 63,43% Caminhão 6 1,87% Ônibus 1 0,32% Total 320 100 Fonte: Dados da pesquisa: SAMU 2009. Como podemos observar os acidentes por moto é quase o dobro dos acidentes com carro, chega a 63,43% dos casos. Os acidentes de trânsito podem estar relacionados diretamente com o crescimento da frota de veículos em nível mundial, porém, no Brasil, o sistema viário e planejamento urbano não acompanharam essa evolução, tornando as pessoas mais vulneráveis a esses acidentes (TAPIA-GRANADOS, 1998). Dos acidentes envolvendo motocicletas, Oliveira (2002) descreve que este tipo de veículo representa para a grande parte dos motociclistas liberdade, emoção, adrenalina, aventura e desafios. Dessa forma seus condutores cultuam como ato heróico e transgressão das leis de trânsito, correndo riscos, superando desafios, como forma de buscar o prazer viver perigosamente. Quanto ao tipo de trauma, observamos os seguintes resultados: Tabela 5: Acidente quanto ao Tipo de Trauma. (Continua) Tipo de Trauma Nº % TRM 1 0,25% TCE GRAVE 25 6,75% TCE LEVE 42 11,35% MMII 123 33,24% MMSS 77 20,81%
  7. 7. III Encontro Nacional de Ensino de Ciências da Saúde e do Ambiente Niterói/RJ, 2012 7 Campus da Praia Vermelha/UFF Niterói/RJ (Conclusão) Toracico 22 5,94% Abdominal 12 3,24% Clavicular 4 1,081% Lombar 2 0,54% Face 15 4,05% Politrauma 47 12,70% Total 370 100% Fonte: Dados da pesquisa: SAMU 2009. Podemos observar que o trauma mais freqüente nos acidente de transito é o trauma de membros inferiores, podendo estar relacionado ao uso de motocicleta, ficando desta forma, os membros inferiores fica mais expostos. O trauma hoje assume importância em âmbito mundial, pelo seu crescimento de forma assustador, principalmente devido a acidentes de trânsito, onde suas vítimas apresentam um quadro clínico complexo e crítico, necessitando de uma equipe de saúde bem preparada com conhecimentos científicos e técnicos para atender as vitimas. (LARA, 2004). A tabela a seguir mostra os locais de maior incidência de acidentes de transito em Criciúma. Tabela 6: Acidente quanto o Local do Acidente. Local do Acidente N º % Centro 65 20,18% Prospera 56 17,39% Pinheirinho 45 13,97% Michel 15 4,65% Quarta Linha 17 5,27% Santa Barbara 14 4,34% Santa Luzia 28 8,69% Cidade Mineira 16 4,69% Vila Zuleima 22 6,83% Rio Maina 29 9% São Luiz 15 4,65% Total 322 100% Fonte: Dados da pesquisa: SAMU 2009. Como podemos observar os locais de maior incidência de acidentes estão situados no Centro da cidade, ou seja, no local que interliga todos os bairros do município. O bairro Pinheirinho e o Próspera são dois grandes bairros que compõem a cidade de Criciúma e, por sua vez, também dão acesso ao centro desta cidade. O Centro é o local de maior concentração de pessoas e de veículos automotivos. Maior
  8. 8. III Encontro Nacional de Ensino de Ciências da Saúde e do Ambiente Niterói/RJ, 2012 8 Campus da Praia Vermelha/UFF Niterói/RJ concentração também de escolas e universidades, local por sua vez de maior risco de acidentes. Novas formas de organização do trânsito e de condições de estradas devem ser pensadas pelo poder público a fim de minimizar os riscos de acidentes de trânsito em Criciúma. Acredita-se que nenhuma rua ou avenida deveria ser asfaltada e aberta ao tráfego de veículos antes de dispor de calçadas e de sinalização para pedestres, se necessária. Na periferia de nossas cidades é muito comum asfaltarem – se ruas e antigas estradas sem preocupação com a construção de calçadas. Como resultado, aumenta o número de atropelamentos. Pedestres disputam espaços na pista com o veículo freqüentemente. Quanto a idade das vitimas podemos observar uma maior incidência nos indivíduos de 18 a 23 anos de idade, como mostra a tabela a seguir: Tabela 7: Acidentes quanto a Idade das Vitimas. Idade das Vitimas Nº % 0 a 2 anos 3 0,82% 3 a 8 anos 8 2,17% 9 a 14 11 2,98% 15 a 17 17 4,59% 18 a 23 110 29,73% 24 a 29 70 18,92% 30 a 35 37 10% 36 a 41 38 10,27% 42 a 47 24 6,48% 48 a 53 18 4,86% 54 a 59 18 4,86% 60 a 68 10 2,70% 69 A 79 6 1,62% Acima De 80 Anos 0 0% Total 370 100% Fonte: Dados da pesquisa: SAMU 2009. Os jovens de 18 a 23 anos constitui uma a população jovem que se encontra exposta ou sofrendo com maior intensidade, ou sendo as primeiras vítimas de violência no trânsito. Muitos jovens possuem a motocicleta como seu único meio de transporte para o trabalho ou a escola. Alguns autores, acreditam que os jovens são as maiores vítimas de acidentes de trânsito, talvez porque eles são considerados responsáveis pelo desenvolvimento de atividades mais ativas e desafiadoras. Acrescentam que esse problema pode estar associado também à imprudência e inconseqüência dessa faixa etária, impulsionada varias vezes por uma personalidade empreendedora diretamente relacionada com atividades perigosas, representando um risco na promoção de acidentes.
  9. 9. III Encontro Nacional de Ensino de Ciências da Saúde e do Ambiente Niterói/RJ, 2012 9 Campus da Praia Vermelha/UFF Niterói/RJ Tabela 8: Acidente quanto ao Horário da Ocorrência Horário Da Ocorrência Nº % 00:00 as 05:00hs 29 9% 05:01 as 06:00hs 13 4,037% 06:01 as 08:00hs 18 5,59% 08:01 as 10:00hs 32 9,93% 10:01 as 12:00hs 30 9,31% 12:01 as 14:00hs 37 11,49% 14:01 as 18:00hs 34 10,55% 18:01 as 20:00hs 76 23,60% 20:01 as 22:00hs 27 8,38% 22:01 as 23:59hs 26 8,07% Total 322 100% FONTE: Dados da pesquisa: SAMU 2009. Acredita-se que o turno vespertino parece ser o mais estressante no trânsito, hora em que o trafego de pedestres e automóveis é maior. Acredita-se que algumas pessoas estressam - se no trânsito, perdendo a paciência, automaticamente diminuindo sua atenção ao dirigir, expondo-se aos acidentes com maior freqüência. CONSIDERAÇÕES FINAIS Dos atendimentos realizados pelo SAMU, 270 foram vitimas do sexo masculino caracterizando 73% dos casos e 100 casos do sexo feminino, caracterizando 27% das vitimas. A faixa etária dessas vítimas são de 18 a 23 anos de idade, caracterizando 26% das vitimas. O veículos que mais se envolveu nas colisões são as motos caracterizando 69% dos casos. Os tipos de trauma são que são mais freqüentes é o de membros inferiores que caracterizam 32% das lesões nessas vitimas. O local em que com mais freqüência acontece esses acidentes são no Centro da cidade que caracteriza 20% dos locais, seguido do bairro Prospera com 18% e o bairro Pinheirinho com 14% das ocorrências. Os horários são de grande maioria na parte da tarde sendo a incidência entre 14h00min as 20h00min. Os atropelamentos também foram registrados, grandes número nos casos de acidentes de transito, caracterizam-se em 72 casos. As causas não foram registradas, mais algumas dessas vitimas foram constatado hálito etílico, ou seja, ingeriram bebida alcoólica algumas horas antes do atropelamento. O número de óbito levantado pelo Samu é significativo. Embora se saiba que ele não reflete a realidade total da cidade no ano de 2009, pois quando há óbito em local de acidente é acionado diretamente o Instituto Médico Legal.
  10. 10. III Encontro Nacional de Ensino de Ciências da Saúde e do Ambiente Niterói/RJ, 2012 10 Campus da Praia Vermelha/UFF Niterói/RJ O presente estudo pretendeu trazer algumas considerações para a compreensão do fenômeno da violência no trânsito, na tentativa de desconstruir uma visão única. (o fenômeno da violência não é único). Embora os dados levantados não permitam chegar a conclusões definitivas, acreditamos que eles permitem levantar inferências e sugestões fundamentais para minimizarmos a violência no trânsito em Criciúma. Aponto para a necessidade de se fazer uma monitorizarão permanente dos dados. Sua sistematização é importante fonte de pesquisa na prevenção dos acidentes de trânsito. Indico também a necessidade de se continuar pesquisando o fenômeno da violência no trânsito, como uma violação dos direitos Humanos, e, portanto uma questão vital para a construção da cidadania. Percebemos também e apontamos para a importância da existência da equipe de atendimento Pré-Hospitalar (APH) bem qualificada, preparada para o cuidado de Urgência a vitima de trânsito nas vias e logradouros públicos. REFERENCIAS EISENSTEIN, E.; SOUZA, R. P. Situações de risco à saúde de crianças e adolescentes: mensagens básicas e ações de prevenção para crianças e adolescentes de/na rua e comunidades. Petrópolis, Vozes, 1993. LARA, S. Assistência fisioterapêutica à pacientes politraumatizados, internados na unidade de terapia intensiva (UTI), do Hospital Nossa Senhora Da Conceição (HNSC) em Tubarão – SC, no ano de 2004, decorrentes de acidentes de trânsito. 2005. 83f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Fisioterapia) – Universidade do Sul de Santa Catarina, Curso de Graduação em Fisioterapia, 2005. Disponível em: http://www.fisio-tb.unisul.br/Tccs/SimoneLara/tcc.pdf. Acesso em: out. de 2010. OLIVEIRA, B. F. M.; PAROLIN, M. K. F.; TEIXEIRA JR, E. V. Trauma: atendimento pré-hospitalar. São Paulo: Atheneu, 2002. SANTOS, A. M. R. dos; MOURA, M. E.; NUNES, M. V. T. et al. Perfil das vítimas de trauma por acidente de motos atendidas em um serviço público de emergência. 2008. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, V. 24, N. 8, P. 1927-1938, ago., 2008. [online]. Disponível em: http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=S0102-311X2008000800021&lang=pt&tlng=pt. Acessado em 20 de jul. 2010. SCALASSARA, M. B.; SOUZA, R. K, T.; SOARES, D. F. P. DE P. Aspectos psicopatológicos do homem no trânsito. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 32 n. 2, p. 125-132, Apr., 1998 [online]. Disponível em: http://www.scielosp.org/ scielo.php?pid=S0034-89101998000200004&script=sci_arttext. Acesso em: 10 nov. 2010.
  11. 11. III Encontro Nacional de Ensino de Ciências da Saúde e do Ambiente Niterói/RJ, 2012 11 Campus da Praia Vermelha/UFF Niterói/RJ TAPIA –GRANADOS, J.A. La reducción Del tráfico de automívies. Política urgene de promoción de La salud. Rev. Panamericana de Salud Pública, v.3,p. 137 – 151, 1998. Disp. Em: HTTP//WWW.scieloorg?scielo, php?script= scieloarttext & pid S1020 – 498919988000 30000.1 SILVEIRA, R.; RODRIGUES, R.A.P. COSTA JUNIOR, M.L. Idosos que foram vitimas de acidentes de trânsito nomunicipio de ribeirão Preto – SP, em 1998. Ver. Latina –americana de enfermagem. V.10, n. 6, p. 765 – 71, 2002. .

×