Enfermeira Professora: Adriana Rodrigues do Carmo
Fonte: Portal Saúde
http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/flash/cartilha_dengue.html
Lista Morb CID-10: Dengue [dengue clássico] e Febre
hemorrágica devida ao vírus da dengue
Região Período:2010 Período:2011...
Doença infecciosa
Arbovirus Arthropod Borne Virus
Hospedeiro
Invertebrado
Vertebrado
Mosquito
Homem
Macacos infectados na ...
Início de 8 a 10 dias após o repasto
Dura toda a vida do mosquito Aedes aegypti (6 a 8 semanas)
Fonte da infecção
Homem co...
DEN - 1 DEN - 2 DEN - 3 DEN - 4
Imunidade
Imunidade cruzada
Defesa organizada – Específica e para
toda a vida
De um para o...
Forma assintomática
Forma indiferenciada
Assemelha-se a síndrome gripal, sintomatologia leve
Forma atípica
Formas clínicas atípicas, simulando outras doenças, como na
hepatite pelo vírus do dengue, que pode apresent...
Podem ocorrer formas raras com comprometimento
do sistema nervoso central manifestando-se com
encefalites (Síndrome de Rey...
Febre alta
Súbita
+
Cefaleia
intensa
Holocraniana
Retro-orbital
Mialgia
intensa
Artralgia
3º ou 4º dia Exantema
Na fase de...
Semelhante ao dengue clássico
Febre alta
Ocasionalmente 40 a 41 C, mantendo-se
elevada por 2 a 7 dias.
Com ou sem hemorrag...
Os fenômenos hemorrágicos iniciam-se em até 24 horas.
Antes ou mesmo sem a instalação dos fenômenos hemorrágicos
Extravasamento de plasmaPermeabilidade vascular +
Sinais e
sint...
Insuficiência
circulatória
Manifestada por
 Agitação ou letargia,
 Pulso rápido e fraco,
 Taquicardia,
 Hipotensão pos...
Clínico
 Prova de torniquete ,
 Determinação de Pressão arterial,
 Procura por sangramentos,
 Observação da hidratação...
Laboratorial
 Provas do laboratório clínico
 Hemograma com contagem de plaquetas
 Dosagem de Albumina e Proteínas séric...
 Data do inicio dos primeiros sintomas: situação, queixa,
duração,
 Histórico (relatado cliente, familiar...)
 Históric...
Diagnóstico Intervenções
Hipertermia
• Reduzir a temperatura • Avaliar a evolução clínica • Prevenir crise
convulsiva em c...
FRANÇA, S. Aspectos clínicos do dengue in Agência Fiocruz de notícias.
Internet, Disponível em
http://www.fiocruz.br/ccs/c...
Aula de Cuidados de Enfermagem na Urgência para Dengue
Aula de Cuidados de Enfermagem na Urgência para Dengue
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Aula de Cuidados de Enfermagem na Urgência para Dengue

4.337 visualizações

Publicada em

Cuidados de Enfermagem na Urgência para Dengue

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.337
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
41
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula de Cuidados de Enfermagem na Urgência para Dengue

  1. 1. Enfermeira Professora: Adriana Rodrigues do Carmo
  2. 2. Fonte: Portal Saúde http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/flash/cartilha_dengue.html
  3. 3. Lista Morb CID-10: Dengue [dengue clássico] e Febre hemorrágica devida ao vírus da dengue Região Período:2010 Período:2011 Região Norte 16648 15428 Região Nordeste 35576 39005 Região Sudeste 20652 19211 Região Sul 2389 1990 Região Centro-Oeste 20452 5449 Total 95717 81083
  4. 4. Doença infecciosa Arbovirus Arthropod Borne Virus Hospedeiro Invertebrado Vertebrado Mosquito Homem Macacos infectados na África e Malásia
  5. 5. Início de 8 a 10 dias após o repasto Dura toda a vida do mosquito Aedes aegypti (6 a 8 semanas) Fonte da infecção Homem com viremia 01 dia antes da febre 6º dia da doença
  6. 6. DEN - 1 DEN - 2 DEN - 3 DEN - 4 Imunidade Imunidade cruzada Defesa organizada – Específica e para toda a vida De um para outro sorotipo – É de curta duração (meses)  Um indivíduo pode ter dengue quatro vezes.
  7. 7. Forma assintomática
  8. 8. Forma indiferenciada Assemelha-se a síndrome gripal, sintomatologia leve
  9. 9. Forma atípica Formas clínicas atípicas, simulando outras doenças, como na hepatite pelo vírus do dengue, que pode apresentar febre, dor abdominal e vômitos, indistinguível das outras hepatites virais.
  10. 10. Podem ocorrer formas raras com comprometimento do sistema nervoso central manifestando-se com encefalites (Síndrome de Reye) ou polineuropatias (Síndrome de Guillain-Barré). Essas formas podem surgir no decorrer da doença ou na fase de convalescença.
  11. 11. Febre alta Súbita + Cefaleia intensa Holocraniana Retro-orbital Mialgia intensa Artralgia 3º ou 4º dia Exantema Na fase de remissão Prurido intenso Dor abdominalOutros sintomas Náuseas Vômitos DiarreiaLinfoadenomegalia Esplenomegalia Astenia
  12. 12. Semelhante ao dengue clássico Febre alta Ocasionalmente 40 a 41 C, mantendo-se elevada por 2 a 7 dias. Com ou sem hemorragias Trombocitopenia < 100.000/mm3+ E um ou mais dos seguintes dados clínicos que caracterizam o extravasamento plasmático Derrame pleural AsciteHematócrito
  13. 13. Os fenômenos hemorrágicos iniciam-se em até 24 horas.
  14. 14. Antes ou mesmo sem a instalação dos fenômenos hemorrágicos Extravasamento de plasmaPermeabilidade vascular + Sinais e sintomas preditores Dor abdominal contínua Vômitos contínuos Hepatomegalia dolorosa > 20% em 24h Derrames cavitários Sangramentos importantes Súbito do hematócrito
  15. 15. Insuficiência circulatória Manifestada por  Agitação ou letargia,  Pulso rápido e fraco,  Taquicardia,  Hipotensão postural,  Pele fria e pegajosa,  Sudorese profusa,  Cianose,  Oligúria e  Choque grave. Podem instalar-se acidose metabólica e coagulação intravascular disseminada. Se o tratamento não for iniciado prontamente o óbito ocorre em 4 a 6 horas.
  16. 16. Clínico  Prova de torniquete ,  Determinação de Pressão arterial,  Procura por sangramentos,  Observação da hidratação e  Pesquisa de derrames
  17. 17. Laboratorial  Provas do laboratório clínico  Hemograma com contagem de plaquetas  Dosagem de Albumina e Proteínas séricas  Provas de função hepática e coagulação  Urina procurando hematúria microscópica  Provas específicas para dengue Isolamento do vírus (amostra de entre 5º-7º dias) Sorologia IgG e IgM anticorpos antidengue(12º dias)
  18. 18.  Data do inicio dos primeiros sintomas: situação, queixa, duração,  Histórico (relatado cliente, familiar...)  Histórico epidemiológico: estação do ano, viagem a áreas de endemia ou epidemia, casos de dengue  Se o cliente apresentou febre mais de 02 semanas após a viagem, reavaliar a dengue no diagnóstico diferencial  Verificação de sinais vitais:  (PA - duas posições), FC, FR, enchimento capilar);  CURVA TÉRMICA
  19. 19. Diagnóstico Intervenções Hipertermia • Reduzir a temperatura • Avaliar a evolução clínica • Prevenir crise convulsiva em crianças menores de 05 anos • Manter a hidratação • Proporcionar conforto Dor Dor • Escala de dor • SSVV • Reduzir luminosidade e ruídos • Repouso relativo • Mudança de decúbito • Medicação prescrita • Protocolos- acesso venoso, ambiente Dor abdominal Avaliar a evolução clínica (evolução para formas graves) Proporcionar alívio a dor Proporcionar conforto ATENÇÃO: dor abdominal persistente e contínua = sinal de alarme Medicação prescrita • Protocolos- acesso venoso, SVD, SNG • Circunferência abdominal • Mensurar edemas Prurido • Avaliar a evolução clínica • Restabelecer e manter a integridade da pele • Proporcionar conforto. • Banho (água e sabonete neutro) • Compressas umedecidas • Cuidados com as unhas • Medicação prescrita • Cuidados com a pele Consulta de Enfermagem Preencher o Cartão do Usuário - DENGUE
  20. 20. FRANÇA, S. Aspectos clínicos do dengue in Agência Fiocruz de notícias. Internet, Disponível em http://www.fiocruz.br/ccs/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=373&sid=12> Acesso em: 10/06/2012. GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Secretaria de Saúde. Centro Estadual de Vigilância em Saúde – CEVS. Vírus Dengue. Internet, Disponível em < http://www1.saude.rs.gov.br/dados/1298578437143Dengue%20- %20Assit%EAncia%20de%20%20Enfermagem.pdf>. Acesso em: 10/06/2012 SERUFO, José Carlos et al . Dengue: uma nova abordagem. Rev. Soc. Bras. Med. Trop., Uberaba, v. 33, n. 5, Oct. 2000 . Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0037- 86822000000500008&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 09/06/2012.

×