Caquizeiro

3.107 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.107
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
130
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Caquizeiro

  1. 1. A cultura do caquiDr. Adriana DantasTópicos especiais em Fruticultura
  2. 2. O caquizeiro (Diospyros kaki), pertencente à família das Ebenáceas, é originário da Ásia, onde é cultivado há séculos, principalmente na China e no Japão.D. Kaki Daí se espalhou, estando presente em quase todas asD. digyna regiões de clima temperadoD. virgiana e subtropical do mundo.D. lotusD. discolorD. obenaster
  3. 3. Na China e no Japão, onde o cultivam hámilênios, há milhares de variedades decaquizeiros, apenas no Japão há cerca de 800variedades;Na China, há caquizeiros enxertados velhosde vários séculos:600 anos de idade, com uma altura de 20metros e 4,8 metros de circunferência300 anos de idade em produção.
  4. 4. A espécie Diospyrus kaki é a maiscultivada pela qualidade e excelência deseus frutos, que são cognominadosalimentos dos Deuses:Dios = Deus; pyrus = alimento.
  5. 5. Diospyros digyna
  6. 6. Diospyrus lotus L. apresenta frutos que não têm valor econômico, Empregada na obtenção de porta- enxerto no Chile, Japão e China, comD. lotus excelentes resultados.
  7. 7. D. texana
  8. 8. D. virginianaoriginária dosEstados Unidos,que apresentafrutos sem valoralimentar,empregado comoporta-enxerto esua madeiraaproveitada emmarcenaria
  9. 9. Domesticado (D. virginiana) vs. tipo selvagem persimmon
  10. 10. Descrição da plantaPlanta de folhas caducas, portearbóreo e copa arredondada, bastanteramificada, podendo atingir até 12metros de altura.Apresenta lento crescimento inicial,é relativamente tardio em relação àsprimeiras colheitas comerciais, masefetivamente perene, com longevidadede várias dezenas de anos.A árvore enxertada, no início é decrescimento lento, mais aos trêsanos começa a frutificar, atingindo aplena produção entre os 15 e 18anos.
  11. 11. O tronco quando cultivadoem pomares é curto,tortuoso e a copaprofusamente ramificada.Os ramos novos sãoangulosos, verde-amarelados, tormentosos,Os ramos são relativamentefrágeis, os ventos eexcessiva carga de frutospodem provocar sua rupturae desprendimento. Aodesenvolver-se livremente,estes dão à árvore umaspecto piramidal no início eposteriormente globoso.
  12. 12. As folhas são dísticas,alternadas, pecioladas,glabras e lustrosas nasuperior, ápice acuminado,variáveis na forma entreoblongas e elípticas,Característica que possibilitaa distinção entre espécie eàs vezes entre variedades.
  13. 13. Brotações As gemas são axilares e, em geral, a gema foliar ou vegetativa é alongada e aguda e a frutífera mais curta e larga. Somente o broto terminal e as duas ou três gemas sucessivas sobre brotos bem maduros, normalmente contém gemas florais.
  14. 14. As gemas estão compostas por um primórdio central e dois laterais, protegidos por escamas.Fins de agosto ou setembro asgemas começam adesenvolver-se e três a quatrosemanas depois o broto cessao crescimento e começa aetapa maturação e induçãofloral.
  15. 15. As flores, de coloração branco-creme ouavermelhadas, em alguns cultivares, surgemnas axilas das folhas dos ramos novos, logoapós a brotação que sucede ao período derepouso hibernal.
  16. 16. A flor escura é dias mais velha que a da cor creme
  17. 17. Existem dois tipos de flores:I)As flores femininas sãomaiores, com cálice, corola eovário bem desenvolvidos eestames atrofiados, aparecendosolitárias nas axilas das folhasdos ramos do ano anterior ou daestação em desenvolvimento,com 1,5 a 2,5 cm decomprimento e 0,5 a 1,0 cm delargura.As diferenças entre as temperaturas noturnas e diurnasfavorecem à floração das flores femininas.Em geral, a antese ocorre de outubro a novembro, dura dedez a doze dias, inicia a partir das flores basais
  18. 18. II) As flores masculinas sãopequenas, apresentam estamesnormais e ovário atrofiado e,normalmente se acham reunidasem cachos de três para cadapedúnculo.As anteras produzem grãos depólen em abundância, quepermanecem viáveis por 72horas.As hermafroditas, que são raras,surgem quase sempre associadasàs flores masculinas. Uma únicaplanta pode apresentar os trêstipos de flores.
  19. 19. O caquizeiro pode em alguns casos ser considerado como planta dióica e em outros como monóica.Esta particularidade com relação à distribuição das flores e o sexo das mesmas, determina uma subdivisão das plantas em três categorias:As pistiladas constantes são aquelas que produzem somente flores femininas, anos após anos, tais como Tanninashi, Hyakume, Hachiya e Costata.Outras variedades produzem sempre flores pistiladas e algumas poucas estaminadas, são designadas estaminadas constantes.E finalmente, algumas variedades produzem só flores pistiladas em alguns anos e em, outros pistiladas e estaminadas. Estas são denominadas estaminadas esporádicas. esporádicas
  20. 20. Resposta à polinização. polinizaçãoPolinização constante → São aqueles em que a polpa nãomuda de cor ao ser polinizada. Este grupo inclui aoscomestíveis no momento da colheita, os nãoadstringentes no ponto de colheita, sejam ou nãopartenocárpicos.Variáveis à fecundação → Apolpa é normal nospartenocárpicos e manchada eescura nos polinizados.Inclui as variedadesadstringentes partenocárpicasou com escasso número desementes (1-2) e aos nãoadstringentes que contémnumerosas sementes.
  21. 21. O caquizeiro originário de sementes (pé franco) é muito variável naprodução de flores.Nos primeiros anos só aparecem flores masculinas,posteriormente algumas poucas femininas com predominância demasculinas,Quando a planta atinge a idade adulta passa a produzir quasesomente flores pistiladas e umas poucas estaminadas.As variedades comerciais apresentam apenas flores femininas, femininasExceções:Hanagosho que mostra em determinados anos pequenasquantidades de flores masculinasPomelo que produz regularmente flores masculinas em abundância.
  22. 22. O fruto do caquizeiro é uma baga que pode adquirirdiversas formas: esférica, cônica, alongada, achatada,quadrática ou lobulada.O peso do fruto pode variar de 50 a 500 gramas, sendo ode 200 gramas o mais comercial.Em algumas variedades os frutos polinizados diferem dosapirenos não somente pela adstringência, mas tambémpela forma.O fruto verde é rico em taninossolúveis que ao amadurecer sepolimerizam, tornado-seinsolúveis, se transformam emaçúcares ou são consumidosdurante a respiração.
  23. 23. O caquizeiro apresenta uma forte tendência a formar frutos partenocárpicos.O fruto não polinizado (tipo variável) tende a apresentaruma polpa mais clara, de cor uniforme e maioradstringência em relação aos polinizados, que apresentampolpa escura e manchada e com presença de sementes.
  24. 24. Fruto traz consigo, na base, o cálice persistente e bastantedesenvolvido.A cor da casca varia de amarelo a vermelho e, a da polpa, quegeralmente é amarelada, pode variar, em certos casos, em funçãoda presença ou não de sementes. A cor externa do fruto varia desde o amarelo até o vermelho intenso, de acordo com o pigmento predominante (carotenos). Todos têm um caráter provitamínico A 100 g de polpa contém em torno de 2.700 U.I. Cenoura contém somente 870 U.I.
  25. 25. A semente do caqui apresenta grande importância na classificação e identificação de uma cultivar.São agrupadas segundo seu tamanho (comprimento) empequenas (1,3 a 1,5 cm),médias (2,0 cm)grandes (2,5 a 3,0 cm)As sementes às vezes são abortivas e quandopresentes, encontram-se de 6 a 8, são de formaovóide, achatadas lateralmente e de corcastanha
  26. 26. Produit Votre choix Prix unitaireDiospyros kaki Sachet de 25 grammes 7.90 EUR
  27. 27. PROPAGAÇÃO O caquizeiro pode ser propagado por sementes, rebentões, estaquia e enxertia. O uso de sementes se restringe à obtenção do porta-enxerto ou no caso do melhoramento vegetal. As sementes utilizadas para a obtenção dos porta-enxertos são colhidas de frutos maduros.Estudos recentes têm mostrado que a extração das sementes deve serfeita tanto mais rapidamente quanto mais avançado seja o estado dematuração do fruto e, que a decomposição da polpa, facilita o trabalho deextração das sementes, aumenta o seu poder germinativo.
  28. 28. Exigências de clima e soloO caquizeiro se desenvolve bem nos mais variados tipos de solos,desde que sejam dotados de boa capacidade de retenção deumidade.As condições mais propícias, no entanto, são encontradas nos solosareno-argilosos, profundos e bem drenados.Tipicamente subtropicalEmbora seja uma espécie defolhas caducas, como são asfruteiras de clima temperado, suaárea de cultivo costuma seestender pelas mesmas regiões decultivo das plantas cítricas,exigindo precipitações anuais entre1.000 e 1.500 mm.
  29. 29. Instalação do pomarA instalação do pomar deve ser feita com mudas enxertadas.Os porta-enxertos mais usados são os obtidos de sementes daspróprias variedades comerciais (Diospyros kaki); eles apresentamsistema radicular pivotante, com poucas raízes secundárias e, emrazão disso, se adaptam melhor aos terrenos profundos e bemdrenados, não tolerando solos superficiais ou baixadas úmidas.O processo mais comumente empregado para a enxertia davariedade escolhida, é o da garfagem de fenda cheia ou lateral, notopo de porta-enxertos com idade entre um e dois anos, eproporciona melhores resultados quando realizado durante os mesesde julho e agosto.
  30. 30. Implantação do caquizalA calagem é feita por ocasião do preparo do terrenoO espaçamento de plantio varia, sobretudo, em função da variedadea ser cultivada.Taninoso e variável, são vigorosas, 8 x 7 m, 7 x 7 m e 7 x 6 m.Doces, menos vigorosas, 7 x 6 m, 6 x 6 m e 6 x 5 m.As covas - 60 x 60 x 60 cm.Adubação/por cova -30 dias antes do plantio das mudas:20 kg de esterco de curral bem curtido,1 kg de calcário magnesiano,160 g de P2O5 e 60 g de K2O.
  31. 31. A poda de formação - capaz de suportar pesadas cargas.A muda é plantada de haste única e, no primeiro ano, deixa-sedesenvolver 3 ou 4 pernadas, distantes entre si de 10 a 15 cm, apartir de 50 cm do solo; todos os demais ramos são eliminadosrente ao tronco.A poda de inverno, de encurtamento de ramos deve serevitada nas plantas adultas, uma vez que a frutificação ocorresempre nos ramos do ano e, os melhores frutos se originam nabrotação das gemas terminais dos ramos do ano anterior.Pratica de uma poda de limpeza, onde são eliminados os ramossupérfluos, mal situados, doentes e secos.Desbrotas periódicas pelo menos duas durante o ano, eliminandosos brotos em excesso.O escoramento de ramos é necessário no caso de plantas adultas,com grande produção, as quais, muitas vezes, têm seus galhosrompidos.
  32. 32. ColheitaO caquizeiro entra em frutificação a partir do terceiro ano e daí em diante aprodução vai crescendo progressivamente, até por volta do décimo quintoano, quando praticamente se estabiliza.De um modo geral, uma planta adulta, em culturas bem conduzidas, produzde 100 a 150 kg de frutos, por ano. A colheita dos frutos é feita quando elesperdem a coloração verde e adquirem a tonalidade amarelo-avermelhada,sendo a seguir transportados para galpões, onde são classificados eembalados.
  33. 33. DestanizaçãoTodos os caquis dos tipos taninoso e, os do tipo variável, quando semsementes, apresentam polpa taninosa, mesmo quando maduros e, emrazão disso, depois de colhidos, precisam sofrer o processo dedestanização,Retirada da adstringência, bastante desagradável ao paladar.Para isso, são usadas as chamadas estufas ou câmaras dematuração, Substâncias : o acetileno produzido pela hidratação do carbeto de cálcio (carbureto comercial), o monóxido de carbono resultante da combustão deFigura 09. Ponto de colheita em que é realizada serragem,em destanização dos caquis, através dautilização de álcool 50%. vapores de álcool e etileno
  34. 34. Grandes quantidades de frutas (cargas de 15 a 20 caixas de 25Kg):Tratamento:1. Carregar a estufa, deixando espaço para a circulação de ar entre ascaixas;2. Aquecer tijolos e colocar no fundo da estufa;3. Jogar álcool sobre os tijolos, na proporção de 0,5 a 1,0 litros deálcool/m3 de câmara;4. Fechar a estufa e deixar por 5 dias. Este período depende do estadode maturação das frutas e da temperatura, que deve ficar por volta de22 a 28ºC.Utiliza-se cerca de 1,0 litro de álcool para cada 10 caixas tipo K.Exposição das frutas em ambiente com 80% CO2 por 24 horas à20 ºC.
  35. 35. Comercialização e conservaçãoA produção de caqui se destina, na sua quase totalidade, ao consumo comofruta fresca, no mercado interno, para onde é enviada em diversos tipos deembalagem.No Estado de São Paulo, as cotações do produto, no caso das variedades dostipos taninoso e variável, oscilam durante a safra;Fevereiro e começo de março, os preços são elevados, caindo bruscamente apartir da terceira semana de março, com a entrada de grandes quantidadesno mercado, para depois reagir no fim da safra, em maio.No caso das variedades do tipo doce, a cotação permanece mais ou menosestável durante todo o período de safra.Quanto à conservação, estender pós-colheita do caqui = frigorificação.
  36. 36. IndustrializaçãoPreparo de passa, como para a elaboração de vinagre.A passa de caqui é um produto altamente nutritivo, de saborbastante agradável, cujo consumo, em nosso país, se restringe aosmembros da colônia japonesa, talvez devido ao fato de ser produzidaem pequenas quantidades.Os frutos destinados à secagem devem ser colhidos de vez, nemmuito verdes nem muito maduros, e não precisam ser destanizados.A relação entre o peso dos frutos frescos e o de caqui-passa é de,aproximadamente, 5 para 1.
  37. 37. HistóricoNo Brasil, o caquizeiro entrou pela primeiravez em São Paulo, por volta de 1890, mas aexpansão da cultura só se deu a partir de1920, com a chegada de fruticultoresjaponeses.Hoje, o caquizeiro é cultivado principalmentenas regiões Sudeste e Sul, sendo que noEstado de São Paulo, onde a cultura temimportância econômica, acham-se plantadosperto de 1 milhão de pés.
  38. 38. ESTADO ÁREA COLHIDA PRODUÇÃO RENDIMENTO ( ha ) (t) ( kg / ha ) BA 8 544 68.000 MG 14 9.052 87.038 ES 3 210 70.000 RJ 474 49.230 116.108 SP 2.221 319.165 144.353 PR 543 31.158 57.381 RS 754 56.682 75.175 MTS 1 70 70.000TOTAL 4.018,00 466.111,00 86.006,86
  39. 39. PRODUÇÃO INTEGRADA DE FRUTAS - PIF PIF Nº PRODUTORES ÁREA (ha)* PRODUÇÃO (t) Maçã 211 13.196 461.860 Manga 124 6.396 125.021 Uva 62 2.609 91.045 Mamão 18 1200 120.000 Citros 95 2038 37.065 Banana 119 2.678 77.729 Pêssego 98 338 4.956 Caju 15 1.500 1.800 Melão 20 3.560 96.176 Goiaba 27 75 300 Figo 25 120 1.093 Caqui 23 84 3.000 Maracujá 30 56 5.500 Coco 12 414 12.730 TOTAL 879 34.264 1.038.275(*) – dezembro/2003 JRA/ARK
  40. 40. Melhoramento do Caquizeiro Depois de cuidadosos estudos e observaçõessobre o comportamento das variedades existentesnas coleções, tiveram início, em 1950, oscruzamentos controlados visando à obtenção denovos tipos de caqui, selecionados quanto àprodutividade, à qualidade dos frutos e à adaptaçãoàs condições climáticas do Estado. As melhores variedades produziam floreshermafroditas, com pólen fértil, de modo quepuderam ser utilizadas nos cruzamentos tanto comoprogenitores masculinos como femininos, emcruzamentos recíprocos.
  41. 41. Seleções de caqui lançadas do programa demelhoramento do IAC:Dentre numerosos híbridos decaqui obtidos no IAC, destacam-se: ‘Pomelo’ (IAC 6-22), do tipotaninoso e de maturação precoce‘Fuyuhana’ (IAC 152-7), de polpanão taninosa, os quais vêm sendodistribuídos aos fruticultores, comonovas opções às tradicionaisvariedades Taubaté e Fuyurespectivamente. Origem A cultivar IAC Fuyuhana (IAC 152-7) se originou do cruzamento entre dois caquís não taninosos (Fuyu x Hanagosho), realizado na coleção de trabalho do Centro Experimental do IAC, em Campinas. Ano do lançamento: 1983.
  42. 42. CULTIVARES Divisão dos caquizeiros conforme o grupo: GRUPO 1: SABOR E COLORAÇÃO DA POLPA CONSTANTES: SEMPRE ADSTRINGENTES: neste caso, independente de possuir sementes ouser produzido partenocarpicamente, a fruta sempre é taninosa, não comestível nacolheita; polpa amarela; também chamados "sibugaki"; Ex.: Taubaté, Pomelo,Rubi, Regina, Coração de Boi. SEMPRE DOCES: neste caso o fruto sempre é doce (não taninoso), independentede possuir ou não sementes; polpa amarela. Também chamados "amagaki " Ex: Fuyu. Figura 01. Frutas da cultivar Fuyu. Figura 02. Frutas da cultivar Taubaté.
  43. 43. GRUPO 2: SABOR E COLORAÇÃO DA POLPA VARIÁVEIS:Neste grupo ocorre variação na coloração e sabor dos frutos de acordo com apresença das sementes:v Quando as frutas são produzidas por partenocarpia (sem sementes),possuem a polpa clara e adstringente (taninosas);v Dentre as cultivares mais difundidas no Estado de São Paulo, sedestacam: Fuyu, Rama Forte e Giombo, já em Santa Catarina predominamplantios com cultivares Fuyu e Rama Forte e no Rio Grande do Sulpredomina a cultivar Fuyu, porém a cv. Kioto vem ganhando espaço emâmbito nacional. Figura 03. Frutas da cultivar Rama Forte. Figura 04. Frutas da cultivar Giombo.
  44. 44. Cultivares:tipo taninoso – Taubaté, Pomelo (IAC 6-22), Kaoru(IAC 13-6), Rubi (IAC 8-4), Regina (IAC 2-4), Coral(IAC 158-12) e IAC 158-19;tipo variável – Rama Forte, Giombô e IAC 4-18;tipo doce – Fuyu, Jirô, Fuyuhana (IAC 152-7),Fuyutian (IAC (IAC 152-33) e a seleção IAC 152-32.
  45. 45. Rama ForteSÃO PAULO – FUYU, RAMA FORTE E GIOMBOSANTA CATARINA – FUYU E RAMA FORTERIO GRANDE DO SUL – FUYU E KIOTO
  46. 46. CARACTERISTICAS DAS CULTIVARES DE CAQUI PESO CORCULTIVARES GRUPO FORMA TAM. MÉDIO COLHEITA POLPA (g)FUYU AMA RED G 233 AC AB/MARAMA SIBU ACH M 155 AE MAR/MAIFORTEGIOMBO VAR OVOI M 180 AA MAR/MAIKYOTO CHO RED G 220 C APÓS MAITAUBATÉ SIBU GLOB G n.d. AL MAR/ABRPOMELO SIBU GLOB G n.d. AV FEVJIRO AMA ACH G n.d. AV MAR/MAIFUYUHANA AMA GLOB M n.d. AC FEV/ABRKAORU VAR GLOB G n.d. AV FEV/MARRUBI SIBU ACHA M n.d. VA FEV/MARGRUPO:AMA – AMAGAKI; SIBU – SIBUGAKI; VAR – VARIÁVEL; CHO - CHOCOLATETAMANHO M = Médio; G = Grande;COR POLPA = AC – amarelo-creme; AE – amarelo-escura; AA – amarelo-alaranjado; C – caqui-café;AL – alaranjado;AV – alaranjado-vermelhado; VL – vermelho-alaranjadon.d. = não disponível
  47. 47. Cultura Caqui Cultivar Ano Caracteristica Referência Registro SNPCCoral (IAC 158-12) 1975 Produtividade e vigor Folder IAC e Reg. No SNPC 3210Fuyu 1940 Frutos duros e doces Folder IAC e Reg. No SNPC 1808Fuyuhana (IAC 152-7) 1983 Produtividade e vigor Rel. IAC 83/85 3209Giombo 1940 Produção de caqui-passa Folder IAC e Reg. No SNPC 2374IAC 152-24 3212IAC 152-32 1978 Frutos graúdos e uniformes Folder IAC e Reg. No SNPC 3213IAC 158-19 3214IAC 3-16 3215IAC 4-18 3216IAC 5 1965 Florescimento por longo período O Agron. vol. 32 3204Jiro 1940 Frutos duros e doces Folder IAC e Reg. No SNPC 3217Kaoru (IAC 13-6) 1965 Produtividade e vigor O Agron. vol. 32 3206Pomelo ( IAC 6-22) 1965 Produtividade e precocidade O Agron. vol. 32 3208Rama Forte 1940 Frutos de boa conservação Folder IAC e Reg. No SNPC 1811Regina (IAC 2-4) 1965 Produtividade e vigor O Agron. vol. 32 3207Rubi (IAC 8-4) 1965 Frutos de exelente sabor O Agron. vol. 32 3205Taubaté 1940 Produtividade e vigor Folder IAC e Reg. No SNPC 3315 Total de Materiais = 17
  48. 48. Cercospora caquiColletotrichum gloeosporioides
  49. 49. O cultivo comercial do caquizeiro foi inicialmenteestabelecido no Estado de São Paulo, que ainda detém amaior área plantada, contudo novos pólos de cultivo estãose estabelecendo no Sul do País.O cultivo do caquizeiro padece com o ataque depragas, destacando-se como pragas-chave: lagarta das folhas - Hypocala andremona (Cramer); tripes - Selenothrips rubrocinctus (Giard);Figuram no rol de pragas secundárias ou em potencial: mosca das frrutas - Anastrepha fraterculus (Wied.); cochonilha cabeça de prego - Chrysomphalus ficus (Ashm.); traça dos frutos - Argyrotaenia spp.; ácaro eriofídeo - Eriophyes diospyri (Keifer).
  50. 50. Os ovos são postos sob a epiderme das folhas. As formas jovens são amareladas com os dois primeiros segmentos abdominais vermelhos em S. rubrocinctus e completamente amareladas em H. haemorrhoidalis (figuras abaixo). Adultos e ninfa de Selenothrips rubrocinctus em folha de caquizeiro.Os tripes são pequenos insetos de cercade 1 a 1,4mm de comprimento, decorpo alongado, com asas franjadas ecoloração geral parda ou preta quando Ninfas de Selenothrips rubrocintusadultos (figura ao lado). S. rubrocinctusdistingue-se facilmente pelo hábito dos em folha de caquizeiro.indivíduos andarem nas folhas com oabdome recurvado para cima.         
  51. 51. Prateamento da página inferior da folha docaquizeiro causado por tripes Bronzeamento de trips próximo ao cálice de fruto de caquizeiro
  52. 52. Classificação de Caqui Programa Horti & Fruti PadrãoA Câmara Setorial de Frutas estabeleceu normas para aclassificação do caqui paulista, trazendo transprência econfiabilidade à sua comercialização. O uso de embalagensadequadas e rótulos que permitem a identificação do produtointegram o processo de modernização das atividades de todaa cadeia de produção do caqui. Grupos
  53. 53. Sub-grupo ou Cores
  54. 54. Classe ou Calibre
  55. 55. Limite de tolerância de defeitos graves e leves para cada categoria de qualidade de caquis N.º %Defeitos graves Extra Cat I Cat II Cat III frutas frutasPodridão 1% 2% 3% 3 a 10%Dano Profundo 1% 3% 5% > 5%Imaturo 2% 3% 5% > 5%Passado 1% 3% 5% > 5%Total Graves 2% 4% 12% > 7%Total Leves 5% 8% 15% > 12%Total Geral 5% 10% 15% > 15%Fonte: Classificação para caqui – CEAGESP (1998)
  56. 56. QUALIDADE
  57. 57. 4 kg
  58. 58. 8 kg

×