“BRIÓFITAS”Waldir Miron Berbel Filho
ORIGEM DAS PLANTAS TERRESTRES             ?
ORIGEM DAS PLANTAS TERRESTRESQUE TIPOS DE MODIFICAÇÕES SERIAMNECESSÁRIAS PARA COLONIZAÇÃOVEGETAL DO AMBIENTE TERRESTRE?
ORIGEM DAS PLANTAS TERRESTRESAparecimento de adaptações que tornaram os vegetais progressivamente mais independentes do me...
ORIGENS DAS PLANTAS TERRESTRES- Necessidade para sobrevivência no ambiente terrestre está relacionada à redução da perda d...
ORIGENS DAS PLANTAS TERRESTRES- Surgiram também adaptações dos  elementos reprodutivos passando a  serem protegidos por um...
ORIGEM DAS PLANTAS          Algas Carofíceas/              Carófitas   Coleochaetales       Charales
COLEOCHAETALES 
 
- Ordens de carófícieas com fragmoplasto durantecitocinese;-  Crescimento apical e periférico;-  Crescem...
CHARALES-    Crescimento apical;-    Talo diferenciado em regiões nodais e internodais;-    Anterozóides similares aos das...
RELAÇÕES ENTRE CARÓFITAS E PLANTASTERRESTRESo    Cloroplastos em grana;o    Células móveis assimétricas com flagelos latera...
RELAÇÕES ENTRE BRIÓFITAS E PLANTASVASCULARES- Gametângios masculinos (anterídios) e femininos(arquegônios) com envoltório;...
O QUE SÃO BRIÓFITAS?  - Consideradas as plantas mais primitivas, compreendem cerca de 23 miespécies distribuídas nos mais ...
O QUE SÃO BRIÓFITAS?-    Gametófito maior e de vida livre     (diferença das plantas vasculares)-    Esporófito com único es...
GAMETÓFITOS TALOSOS- Gametófitos aplanados não  diferenciados em fílidios e caulídios  (hepáticas talosas e antóceros)
GAMETÓFITOS TALOSOS
GAMETÓFITOS FOLHOSOS- Gametófito com caulídios e filídios  (hepáticas folhosas e musgos)
ESTRUTURA E REPRODUÇÃOCOMPARADA    - Poros análogos aos estômatos;    - Camada superficial semelhante a cutícula;-  Rizóide...
REPRODUÇÃO-    Reprodução assexuada:     Fragmentação: Partes do tecido formam     um gametófito completo;     Gemas: Corpo...
CICLO DE VIDA                 1.
1.FORMAÇÃO DOS GAMÉTOFITOS-    Protonemas: Gametófitos iniciais em algumas     hepáticas e musgos.-     Esporos diretamente...
2
2.FORMAÇÃO DOS GAMETÂNGIOSAnterídios (gametângios masculinos):                   Anterídio:                               ...
2.FORMAÇÃO DOS GAMETÂNGIOSArquegônios (esporófitofeminino)   1            2      Arquegônio:                               ...
3
3. FECUNDAÇÃO E MATURAÇÃO DOESPORÓFITO- Anterozóide entra pelo canal do  arquegônio e encontra a oosfera
3. FECUNDAÇÃO E MATURAÇÃO DOESPORÓFITO
3. FECUNDAÇÃO E MATURAÇÃO DOESPORÓFITO                   Placenta                    Pé                    Seta           ...
4
4. ESPORÓFITO MADURO E LIBERAÇÃODOS ESPOROS
CICLO DE VIDA
CLASSIFICAÇÃO DAS BRIÓFITAS
CLASSIFICAÇÃO DAS BRIÓFITAS                     Briófitas Hepatophyta       Bryophyta     Anthocerophyta    Sphagnidae     ...
FILO HEPATOPHYTA-    Cerca de 6.000 espécies;-    Gametófitos talosos ou folhosos;-     Desenvolvimento do gametófito direto...
ELATÉRIOSEláter !movimentos higroscópicos; dispersão;
HEPÁTICAS TALOSAS COMPLEXAS-  Possuem tecidos diferenciados;-  Riccia, Ricciocarpus e Marchantia-  Marchantia: Gametângios...
Anteridióforo   Arquegonióforos
HEPÁTICAS FOLHOSAS  -    Abundantes nos trópicos;  -    Arranjo foliar distinto dos musgos;Androdécio: Fílidio modificado a...
REPRODUÇÃO ASSEXUADA EMHEPATOPHYTA-    Fragmentação;-    Gemas: Formadas dentro dos     conceptáculos;
FILO ANTHOCEROPHYTA-    6 gêneros: 100 espécies;-    Cloroplasto único por célula como em     Coleochaete-    Gametófitos e...
EstômatosEsporófitos maduros comvalvas   Esporo em   desenvolvimento   Esporo maduro
FILO ANTHOCEROPHYTA  - Zonas de células permanentemente    ativas entre o pé e esporângio;Região meristemática          Pé...
FILO BRYOPHYTA                        Sphagnidae   Bryophyta           AndreaeidaeGametófitos folhososeretos com simetriara...
SPHAGNIDAE: MUSGOS-DE-TURFEIRA-    Classe monogenérica: Sphagum-    Cerca de 400 espécies;-    Esporófitos com cápsulas ave...
OpérculoPseudopódio
SPHAGNIDAE: MUSGOS-DE-TURFEIRA                 Poros para                 captação de                   água nos          ...
Cobrem 1%da superfícieterrestre;grandeinfluência nociclo decarbono;
ANDREAEIDAE: MUSGOS-DE-GRANITO-    Dois gêneros: Andreaea e     Anadrearobryum;-    Regiões árticas ou montanhosas, em    ...
BRYIDAE: MUSGOS VERDADEIROS-    Maior n° de espécies;-    Protonemas com fileiras de células     únicas;-    Células especi...
BRYIDAE: MUSGOS VERDADEIROSEsporófitos comcloroplastoOpérculoprotegendo operistômio antesda maturação
Filo          Gametófito                           EsporófitoHepatohphyta Geração dominante; gêneros talosos    Pequeno e de...
IMPORTÂNCIAS ECOLÓGICAS DASBRIÓFITAS-    Bioindicadores;-    Recolonizadores de áreas degradadas;-    Sphagnum: Importânci...
Formações de briófitas em leitosde rio;
Surgimento de tecidos condutores;Esporófito de vida livre;Lignina verdadeira, entre outras...      Assim continua a históri...
Bri
Bri
Bri
Bri
Bri
Bri
Bri
Bri
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Bri

2.726 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.726
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
73
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Bri

  1. 1. “BRIÓFITAS”Waldir Miron Berbel Filho
  2. 2. ORIGEM DAS PLANTAS TERRESTRES ?
  3. 3. ORIGEM DAS PLANTAS TERRESTRESQUE TIPOS DE MODIFICAÇÕES SERIAMNECESSÁRIAS PARA COLONIZAÇÃOVEGETAL DO AMBIENTE TERRESTRE?
  4. 4. ORIGEM DAS PLANTAS TERRESTRESAparecimento de adaptações que tornaram os vegetais progressivamente mais independentes do meio aquático em níveis morfológicos, bioquímicos, fisiológicos e reprodutivos
  5. 5. ORIGENS DAS PLANTAS TERRESTRES- Necessidade para sobrevivência no ambiente terrestre está relacionada à redução da perda de água por evaporação.Várias adaptações podem ser encontradas nas plantas, com essa função:● Epiderme e cutícula (impermeabilização) ● Poros e câmaras aeríferas (trocas gasosas)● Rizóides e raízes (absorção e fixação)
  6. 6. ORIGENS DAS PLANTAS TERRESTRES- Surgiram também adaptações dos elementos reprodutivos passando a serem protegidos por um envoltório de células vegetativas;
  7. 7. ORIGEM DAS PLANTAS Algas Carofíceas/ Carófitas Coleochaetales Charales
  8. 8. COLEOCHAETALES 
 
- Ordens de carófícieas com fragmoplasto durantecitocinese;-  Crescimento apical e periférico;-  Crescem em superfícies de rochasou submersas em plantas de água doce;-  Oogamia,
  9. 9. CHARALES-  Crescimento apical;-  Talo diferenciado em regiões nodais e internodais;-  Anterozóides similares aos das briófitas;-  Zigotos com espropolenina;
  10. 10. RELAÇÕES ENTRE CARÓFITAS E PLANTASTERRESTRESo  Cloroplastos em grana;o  Células móveis assimétricas com flagelos laterais;o  Fragmoplasto;o  Perda do envoltório nuclear durante a mitose;o  Reprodução por oosfera fecundada por um anterozóide biflagelado;
  11. 11. RELAÇÕES ENTRE BRIÓFITAS E PLANTASVASCULARES- Gametângios masculinos (anterídios) e femininos(arquegônios) com envoltório; -  Retenção do zigoto e esporófito jovem dentro doarquegônio;-  Esporófito diplóide multicelular;- Esporângios envoltos por células estéreis;-  Esporos contendo esporopolenina;-  Tecidos produzidos por um meristema apical;-  Matotrofia (“retenção do embrião com alimento
  12. 12. O QUE SÃO BRIÓFITAS? - Consideradas as plantas mais primitivas, compreendem cerca de 23 miespécies distribuídas nos mais variados habitats - Plantas pequenas avasculares (hidróides e leptóides);-  Cortéx superior semelhante a cutícula;-  Geração heteromófica com esporófito dependente do gametófito;-  Gametófitos talosos ou folhosos;
  13. 13. O QUE SÃO BRIÓFITAS?-  Gametófito maior e de vida livre (diferença das plantas vasculares)-  Esporófito com único esporângio terminal;-  Gametófitos com rizóides;-  Distribuídas em três filos: Hepatophyta, Anthocerophyta e Bryophyta;
  14. 14. GAMETÓFITOS TALOSOS- Gametófitos aplanados não diferenciados em fílidios e caulídios (hepáticas talosas e antóceros)
  15. 15. GAMETÓFITOS TALOSOS
  16. 16. GAMETÓFITOS FOLHOSOS- Gametófito com caulídios e filídios (hepáticas folhosas e musgos)
  17. 17. ESTRUTURA E REPRODUÇÃOCOMPARADA - Poros análogos aos estômatos; - Camada superficial semelhante a cutícula;-  Rizóides responsáveis apenas pela fixação;-  Absorção feita pelos gametófitos;-  Plasmodesmos com desmotúbulos;- Plastídeos em grana;
  18. 18. REPRODUÇÃO-  Reprodução assexuada: Fragmentação: Partes do tecido formam um gametófito completo; Gemas: Corpos multicelulares que geram novos gametófitos
  19. 19. CICLO DE VIDA 1.
  20. 20. 1.FORMAÇÃO DOS GAMÉTOFITOS-  Protonemas: Gametófitos iniciais em algumas hepáticas e musgos.-  Esporos diretamente transformados em gametófitos
  21. 21. 2
  22. 22. 2.FORMAÇÃO DOS GAMETÂNGIOSAnterídios (gametângios masculinos): Anterídio: 1)  Camada de células estéreis: Camada de células sem capacidade de produção de anterozóides; 2)  Tecido espermatógeno: Cada célula espermatógena forma um anterozóide biflagelado; 3)  Pé: Fixação do esporófito;
  23. 23. 2.FORMAÇÃO DOS GAMETÂNGIOSArquegônios (esporófitofeminino) 1 2 Arquegônio: 1)  Arquegônios:Estrutura reprodutiva feminina, envolve a ooesfera; 3 2) Pé: Fixação do esporófito; 4 3) Ooesfera: Gameta feminino; 4) Células do canal do colo ou pescoço: Canal no qual o anterozóide nada até a o ooesfera;
  24. 24. 3
  25. 25. 3. FECUNDAÇÃO E MATURAÇÃO DOESPORÓFITO- Anterozóide entra pelo canal do arquegônio e encontra a oosfera
  26. 26. 3. FECUNDAÇÃO E MATURAÇÃO DOESPORÓFITO
  27. 27. 3. FECUNDAÇÃO E MATURAÇÃO DOESPORÓFITO Placenta Pé Seta Cápsula
  28. 28. 4
  29. 29. 4. ESPORÓFITO MADURO E LIBERAÇÃODOS ESPOROS
  30. 30. CICLO DE VIDA
  31. 31. CLASSIFICAÇÃO DAS BRIÓFITAS
  32. 32. CLASSIFICAÇÃO DAS BRIÓFITAS Briófitas Hepatophyta Bryophyta Anthocerophyta Sphagnidae Andreaeidae Bryidae (Musgos (musgos-de- (musgos-de- verdadeiros) turfeira) granito)
  33. 33. FILO HEPATOPHYTA-  Cerca de 6.000 espécies;-  Gametófitos talosos ou folhosos;-  Desenvolvimento do gametófito direto do esporo;-  Rizóides unicelulares;-  Anterídios e arquegônios superficiais;-  Esporófito reduzido geralmente aclorofilado;-  Cápsula simples;-  Dispersão por elatérios;
  34. 34. ELATÉRIOSEláter !movimentos higroscópicos; dispersão;
  35. 35. HEPÁTICAS TALOSAS COMPLEXAS-  Possuem tecidos diferenciados;-  Riccia, Ricciocarpus e Marchantia-  Marchantia: Gametângios unisexuais modificados em: Anteridióforos e Arquegonióforos
  36. 36. Anteridióforo Arquegonióforos
  37. 37. HEPÁTICAS FOLHOSAS -  Abundantes nos trópicos; -  Arranjo foliar distinto dos musgos;Androdécio: Fílidio modificado abrangendo o anterídio
  38. 38. REPRODUÇÃO ASSEXUADA EMHEPATOPHYTA-  Fragmentação;-  Gemas: Formadas dentro dos conceptáculos;
  39. 39. FILO ANTHOCEROPHYTA-  6 gêneros: 100 espécies;-  Cloroplasto único por célula como em Coleochaete-  Gametófitos em forma de roseta, com cianobactérias em suas cavidades;-  Esporófito com cápsula alongada e clorofilada;-  Estômatos-  Deiscência longitudinal da cápsula - 1 ou 2 fendas
  40. 40. EstômatosEsporófitos maduros comvalvas Esporo em desenvolvimento Esporo maduro
  41. 41. FILO ANTHOCEROPHYTA - Zonas de células permanentemente ativas entre o pé e esporângio;Região meristemática Pé Placenta
  42. 42. FILO BRYOPHYTA Sphagnidae Bryophyta AndreaeidaeGametófitos folhososeretos com simetriaradial- Rizóidespluricelulares- Vários cloroplastos Bryidaepor célula- Protonemadesenvolvido
  43. 43. SPHAGNIDAE: MUSGOS-DE-TURFEIRA-  Classe monogenérica: Sphagum-  Cerca de 400 espécies;-  Esporófitos com cápsulas avermelhadas elevados por um pseudopódio;-  Fragmentação comum: Longos agregados;-  Abertura explosiva do opérculo;-  Filídios com camadas de células mortas
  44. 44. OpérculoPseudopódio
  45. 45. SPHAGNIDAE: MUSGOS-DE-TURFEIRA Poros para captação de água nos filídeos, que são capazes de reter até 20 vezes o peso do corpo!
  46. 46. Cobrem 1%da superfícieterrestre;grandeinfluência nociclo decarbono;
  47. 47. ANDREAEIDAE: MUSGOS-DE-GRANITO-  Dois gêneros: Andreaea e Anadrearobryum;-  Regiões árticas ou montanhosas, em cima de rochas graníticas; Protonema com duas camadas de células; Esporófitas com valvas sensíveis ao ar;
  48. 48. BRYIDAE: MUSGOS VERDADEIROS-  Maior n° de espécies;-  Protonemas com fileiras de células únicas;-  Células especializados para a condução de água (hidróides) e substâncias orgânicas(leptóides);
  49. 49. BRYIDAE: MUSGOS VERDADEIROSEsporófitos comcloroplastoOpérculoprotegendo operistômio antesda maturação
  50. 50. Filo Gametófito EsporófitoHepatohphyta Geração dominante; gêneros talosos Pequeno e dependente; e folhosos;rizóides menor dos filos, apenas unicelulares;células com muitos com esporângio ou uma cloroplastos, gemas; crescimento seta curta e esporângio; por meristema apical. sem estômatosAnthocerophy Geração dominante; talosos; rizóides Pequeno e dependente;ta unicelulares; cloroplasto único por pé e longo esporângio célula. cilíndrico com meristema entre; estômatos; sem tecidos condutoresBryophyta Geração dominante; rizóides Pequeno e dependente; multicelulares; gemas; protonemas pé, seta longa e com crescimento marginal e apical; esporângio em Bryidae; algumas espécies com leptóides e estômatos; leptóides e hidróides não lignificados. hidróides não lignificados; substâncias fenólicas na parede das
  51. 51. IMPORTÂNCIAS ECOLÓGICAS DASBRIÓFITAS-  Bioindicadores;-  Recolonizadores de áreas degradadas;-  Sphagnum: Importância para a agricultura e ciclos biogeoquímicos;-  Formação de microhabitas, simbiose com cianobactérias;
  52. 52. Formações de briófitas em leitosde rio;
  53. 53. Surgimento de tecidos condutores;Esporófito de vida livre;Lignina verdadeira, entre outras... Assim continua a históriaevolutiva das plantas....

×