SIMULADO–INSS–PRÉ-EDITAL
1
LÍNGUA PORTUGUESA
Para responder às questões de números 1 a 7, consi-
dere o texto abaixo.
No c...
SIMULADO–INSS–PRÉ-EDITAL
2
b.	 A crença de que um futuro de liberdade e igual-
dade de oportunidades seria garantido por u...
SIMULADO–INSS–PRÉ-EDITAL
3
d.	 E daquela primeira fase de educação sentimental
(...) passava quase sempre o jovem monstro ...
SIMULADO–INSS–PRÉ-EDITAL
4
a.	 60.
b.	 40.
c.	 56.
d.	 61,6.
e.	 38,4.
5.	 A idade do irmão mais novo está para 3, assim c...
SIMULADO–INSS–PRÉ-EDITAL
5
b.	 deverá ser contratada, por inexigibilidade de licita-
ção, a empresa que detém a proposta m...
SIMULADO–INSS–PRÉ-EDITAL
6
c.	 a Constituição poderá ser emendada mediante pro-
posta de mais da metade das Assembleias Le...
SIMULADO–INSS–PRÉ-EDITAL
7
6.	 (FCC/ TÉCNICO DO SEGURO SOCIAL/ INSS/ 2012)
No tocante à Previdência Social, é correto afir...
SIMULADO–INSS–PRÉ-EDITAL
8
d.	 lei complementar disporá sobre o regime jurídico
e a regulamentação das atividades de agent...
SIMULADO–INSS–PRÉ-EDITAL
9
4.	 O código de conduta da alta administração pública dis-
põe que:
a.	 os padrões éticos da au...
SIMULADO–INSS–PRÉ-EDITAL
10
RACIOCÍNIO LÓGICO
1.	 a
2.	 b
3.	 e
4.	 e
5.	 d
6.	 c
NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO
1.	 e
2...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Simulado INSS Pre Edital Gran Cursos

546 visualizações

Publicada em

Material Para Concursos

Publicada em: Carreiras
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
546
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
48
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Simulado INSS Pre Edital Gran Cursos

  1. 1. SIMULADO–INSS–PRÉ-EDITAL 1 LÍNGUA PORTUGUESA Para responder às questões de números 1 a 7, consi- dere o texto abaixo. No campo da técnica e da ciência, nossa época produz milagres todos os dias. Mas o progresso moderno tem amiúde um custo destrutivo, por exemplo, em danos irre- paráveis à natureza, e nem sempre contribui para reduzir a pobreza. A pós-modernidade destruiu o mito de que as humani- dades humanizam. Não é indubitável aquilo em que acredi- tam tantos filósofos otimistas, ou seja, que uma educação liberal, ao alcance de todos, garantiria um futuro de liber- dade e igualdade de oportunidades nas democracias moder- nas. George Steiner, por exemplo, afirma que “bibliotecas, museus, universidades, centros de investigação por meio dos quais se transmitem as humanidades e as ciências podem prosperar nas proximidades dos campos de concen- tração”. “O que o elevado humanismo fez de bom para as massas oprimidas da comunidade? Que utilidade teve a cultura quando chegou a barbárie?” Numerosos trabalhos procuraram definir as caracterís- ticas da cultura no contexto da globalização e da extraor- dinária revolução tecnológica. Um deles é o de Gilles Lipovetski e Jean Serroy, a cultura-mundo. Nele, defende-se a ideia de uma cultura global − a cultura-mundo − que vem criando, pela primeira vez na história, denominadores cultu- rais dos quais participam indivíduos dos cinco continentes, aproximando-os e igualando-os apesar das diferentes tradi- ções e línguas que lhes são próprias. Essa “cultura de massas” nasce com o predomínio da imagem e do som sobre a palavra, ou seja, com a tela. A indústria cinematográfica, sobretudo a partir de Hollywood, “globaliza” os filmes, levando-os a todos os países, a todas as camadas sociais. Esse processo se acelerou com a cria- ção das redes sociais e a universalização da internet. Tal cultura planetária teria, ainda, desenvolvido um indi- vidualismo extremo em todo o globo. Contudo, a publicidade e as modas que lançam e impõem os produtos culturais em nossos tempos são um obstáculo a indivíduos independen- tes. O que não está claro é se essa cultura-mundo é cul- tura em sentido estrito, ou se nos referimos a coisas com- pletamente diferentes quando falamos, por um lado, de uma ópera de Wagner e, por outro, dos filmes de Hitchcock e de John Ford. A meu ver, a diferença essencial entre a cultura do pas- sado e o entretenimento de hoje é que os produtos daquela pretendiam transcender o tempo presente, continuar vivos nas gerações futuras, ao passo que os produtos deste são fabricados para serem consumidos no momento e desapa- recer. Cultura é diversão, e o que não é divertido não é cul- tura. (Adaptado de: VARGAS LLOSA, M. A civilização do espetáculo. Rio de Janeiro, Objetiva, 2013, formato ebook) 1. Possuem os mesmos tipos de complemento os verbos grifados em: a. (...) nossa época produz milagres todos os dias. // (...) o mito de que as humanidades humanizam. b. Essa “cultura de massas” nasce com o predomínio (...) // Um deles é o de Gilles Lipovetski (...) c. A pós-modernidade destruiu o mito de que (...) // (...) nossa época produz milagres todos os dias. d. Essa cultura de massas nasce com o predomínio (...) // (...) e nem sempre contribui para (...) e. (...) as ciências podem prosperar nas proximidades (...) // A pós-modernidade destruiu o mito de que (...) 2. Depreende-se corretamente do texto: a. A menção ao que seria cultura em sentido estrito estabelece uma diferença entre a noção de cultu- ra de que parte o autor e aquela estabelecida pelo pensador Gilles Lipovetski. b. A asserção de que o progresso moderno tem amiúde um custo destrutivo estabelece, no pa- rágrafo, noção de finalidade. c. Os pontos de interrogação das perguntas feitas no segundo parágrafo podem ser suprimidos por se tratar de perguntas retóricas. d. A afirmação de que nossa época produz mila- gres todos os dias encontra respaldo no fato de que haveria hoje o predomínio da imagem e do som sobre a palavra. e. O mito de que as humanidades humanizam jus- tifica-se a partir do fato de que nem todas as clas- ses sociais possuem acesso à tecnologia moderna, como a internet. 3. O autor do texto discorda dos pensadores citados ao afirmar que a. A indústria cinematográfica, sobretudo a partir de Hollywood, “globaliza” os filmes (...). (4º parágrafo) b. (...) a publicidade e as modas (...) são um obstá- culo à criação de indivíduos independentes. (5º parágrafo) c. (...) o progresso moderno tem amiúde um custo destrutivo (...). (1º parágrafo) d. Essa “cultura de massas” nasce com o predomínio da imagem e do som sobre a palavra (...). (4º pa- rágrafo) e. Não é indubitável aquilo em que acreditam tantos filósofos otimistas (...). (2º parágrafo) 4. (...) apesar das diferentes tradições e línguas que lhes são próprias. (3º parágrafo) (...) levando-os a todos os países... (4º parágrafo) ...os produtos deste são fabricados... (7º parágrafo) Os elementos sublinhados acima referem-se, respec- tivamente, a: a. indivíduos − filmes − tempo presente b. diferentes tradições e línguas − filmes − entreteni- mento de hoje c. diferentes tradições − países − passado d. línguas − Hollywood − entretenimento de hoje e. indivíduos − países − passado 5. Uma redação alternativa para um segmento do texto, em que se mantêm a correção e, em linhas gerais, o sentido original, está em: a. Não se consideraria, nos dias de hoje, como sendo cultura, aqueles produtos culturais que não sejam divertidos.
  2. 2. SIMULADO–INSS–PRÉ-EDITAL 2 b. A crença de que um futuro de liberdade e igual- dade de oportunidades seria garantido por uma educação liberal é sustentada por muitos filósofos otimistas. c. Dado os custos destrutivos do progresso, o mito segundo o qual as humanidades humanizam foi destruída pela pós-modernidade. d. As características da cultura no contexto da globa- lização e da extraordinária revolução tecnológica, procurou se definir em numerosos trabalhos. e. Um individualismo extremo fora desenvolvido pela cultura planetária, embora as modas impostas pe- los produtos culturais de nosso tempo configure-se como obstáculo a indivíduos independentes. 6. Substituindo-se o elemento grifado pelo que se encon- tra entre parênteses, o sinal indicativo de crase deverá ser acrescentado em: a. ... que uma educação liberal, ao alcance de todos... (dispor de todos) (2º parágrafo) b. ... por meio dos quais se transmitem as humanida- des... − (ciências humanas) (2ºparágrafo) c. ... a todas as camadas sociais. − (qualquer classe social) (4º parágrafo) d. ... se nos referimos a coisas completamente dife- rentes... − (uma coisa completamente diferente) (6º parágrafo) e. ... são um obstáculo a indivíduos independentes. (criação de indivíduos independentes) (5º parágra- fo) 7. Sem que nenhuma outra modificação seja feita, man- têm-se a correção e as relações de sentido estabeleci- das no texto, substituindo-se a. amiúde por “mormente” (1º parágrafo) b. Contudo por “dado que” (5º parágrafo) c. Mas por “Embora” (1º parágrafo) d. ao passo que por “enquanto” (7º parágrafo) e. Tal por “Tamanha” (5º parágrafo) Para responder a questão considere o texto abaixo. Ler um livro é desinteressar-se a gente deste mundo comum e objetivo para viver noutro mundo. A janela ilumi- nada noite adentro isola o leitor da realidade da rua, que é o sumidouro da vida subjetiva. Árvores ramalham. De vez em quando passam passos. Lá no alto estrelas teimosas namo- ram inutilmente a janela iluminada. O homem, prisioneiro do círculo claro da lâmpada, apenas ligado a este mundo pela fatalidade vegetativa do seu corpo, está suspenso no ponto ideal de uma outra dimensão, além do tempo e do espaço. No tapete voador só há lugar para dois passageiros: leitor e autor. O leitor ingênuo é simplesmente ator. Quero dizer que, num folhetim ou num romance policial, procura o reflexo dos seus sentimentos imediatos, identificando-se logo com o protagonista ou herói do romance. Isto, aliás, se dá mais ou menos com qualquer leitor, diante de qualquer livro; de modo geral, nós nos lemos através dos livros. Mas no leitor ingênuo, essa lei dos reflexos toma a forma de um desinteresse pelo livro como obra de arte. Pouco importa a impressão literária, o sabor do estilo, a voz do autor. Quer divertir-se, esquecer as pequenas misérias da vida, vivendo outras vidas desencadeadas pelo bova- rismo da leitura. E tem razão. Há dentro dele uma floração de virtualidades recalcadas que, não encontrando desimpe- dido o caminho estreito da ação, tentam fugir pela estrada larga do sonho. Assim éramos nós então, por não sabermos ler nas entrelinhas. E daquela primeira fase de educação sentimen- tal, que parecia inevitável como as espinhas, passava quase sempre o jovem monstro para uma crise de hipercrítica. Devido à necessidade de um restabelecimento de equilíbrio, o excesso engendrava o excesso contrário. A pouco e pouco os românticos perdiam terreno em proveito dos naturalistas. Dava-se uma verdadeira subversão de valores na escala da sensibilidade e a fantasia comprazia-se em derrubar os antigos ídolos. Formava-se muitas vezes, coincidindo com manifestações mórbidas que são do domínio da psicanálise, um pedantismo da clarividência, tão nocivo como a intem- perança imaginosa ou sentimental, e talvez mais ingênuo, pois refletia um ressentimento de namorado ainda ferido nas suas primeiras ilusões. (Adaptado de: MEYER, Augusto. “Do Leitor”, In: À sombra da estante, Rio de Janeiro, José Olympio, 1947, p. 11-19) 8. Infere-se, corretamente, que o autor do texto a. exemplifica os modos de ler um livro mediante as reações que diferentes enredos provocam nos lei- tores, de maneira a nos fazer compreender a har- monia da arte entre dois extremos de conduta. b. compara duas fases do leitor a duas fases da ado- lescência, ressaltando a ingenuidade que caracte- riza ambas, pois, cada uma a seu modo, não se atêm a características artísticas do livro. c. descreve, mediante metáforas e comparações, as reações dos leitores que se debruçam, um de modo crítico, outro ingênuo, sobre os aspectos ar- tísticos de romances da mesma natureza. d. traça o amadurecimento do leitor que, de ingênuo e romântico, passa a perceber nos livros os compo- nentes afeitos à realidade e, assim, a preferir os de maior aprimoramento artístico. e. mostra a importância da arte na formação de lei- tores que, por seu intermédio, tornam-se capazes de distinguir aspectos fantasiosos de outros mais realistas, o que passa a interferir diretamente em seu juízo crítico. 9. O segmento que expressa causa está sublinhado em: a. Há dentro dele uma floração de virtualidades recal- cadas que, não encontrando desimpedido o cami- nho (...). (3º parágrafo) b. Dava-se uma verdadeira subversão de valores na escala da sensibilidade (...). (4º parágrafo) c. (...) éramos nós então, por não sabermos ler nas entrelinhas. (4º parágrafo)
  3. 3. SIMULADO–INSS–PRÉ-EDITAL 3 d. E daquela primeira fase de educação sentimental (...) passava quase sempre o jovem monstro (...). (4º parágrafo) e. Isto, aliás, se dá mais ou menos com qualquer lei- tor, diante de qualquer livro (...). (2º parágrafo) 10. Na frase “Ler um livro é desinteressar-se a gente deste mundo comum e objetivo para viver noutro mundo”, os elementos sublinhados têm, respectivamente, a mes- ma função que os sublinhados em: a. (...) um ressentimento de namorado ainda ferido nas suas primeiras ilusões. b. (...) os românticos perdiam terreno em proveito dos naturalistas. c. (...) essa lei dos reflexos toma a forma de um de- sinteresse(...) d. (...) o excesso engendrava o excesso contrário. e. (...) de modo geral, nós nos lemos através dos li- vros. 11. Atente para as seguintes afirmações. I – Em “Há dentro dele uma floração de virtualidades recalcadas que, não encontrando desimpedido o caminho estreito da ação (...)” (3º parágrafo), as formas verbais “Há” e “encontrando” têm o mesmo sujeito. II – Na frase “Pouco importa a impressão literária, o sa- bor do estilo, a voz do autor” (3º parágrafo), o verbo pode, indiferentemente, ser flexionado no singular ou no plural. III – Em “Formava-se muitas vezes, coincidindo com manifestações mórbidas (...)” (4º parágrafo) pode-se acrescentar uma vírgula imediatamente após “Formava-se”, sem prejuízo para a correção e o sentido. Está correto o que consta APENAS em a. I e III. b. I e II. c. III. d. II e III. e. II. 12. No segmento “(...) procura o reflexo dos seus senti- mentos imediatos, identificando-se logo com o prota- gonista ou herói do romance” (2º parágrafo), de acordo com o contexto, pode-se substituir a expressão subli- nhada por: a. porque se identifica b. caso se identifique c. à medida que se identifica d. posto que se identifique e. de modo a identificar-se 13. O segmento que pode ser transposto para a voz pas- siva encontra-se em: a. “(...) de modo geral, nós nos lemos através dos li- vros.” b. “O leitor ingênuo é simplesmente ator.” c. “Há dentro dele uma floração de virtualidades re- calcadas (...).” d. “(...) educação sentimental, que parecia inevitável como as espinhas (...).” e. “De vez em quando passam passos.” 14. (...) esquecer as pequenas misérias da vida (...) Quero dizer que, num folhetim ou num romance (...) (...) os românticos perdiam terreno em proveito dos naturalistas. Com as alterações necessárias, na ordem dada, os complementos verbais dos segmentos acima são cor- retamente substituídos por pronomes em: a. esquecer-lhes − dizê-los − perdiam-no b. esquecer-lhes − dizer-lhes − perdiam-lhes c. esquecê-las − dizê-lo − perdiam-no d. esquecê-la − dizê-los − perdiam-nos e. esquecê-las − dizer-lhes − perdiam-no RACIOCÍNIO LÓGICO 1. Considere verdadeiras as afirmativas: Se não fui ao mercado, então não fiz compras. Comprei creme e sabonete. Ou comprei queijo ou comprei iogurte. Comprei cereal ou comprei pão. A partir dessas afirmações, pode-se concluir que a. fui ao mercado e comprei sabonete. b. não comprei nem queijo nem iogurte. c. não fui ao mercado. d. só comprei creme. e. não comprei cereal nem pão. 2. “Se vou ao shopping, então faço compras”. Supondo verdadeira a afirmação anterior, e a partir dela, pode-se concluir que a. só posso fazer compras em um lugar específico. b. sempre que vou ao shopping compro alguma coisa. c. para fazer compras, preciso ir ao shopping. d. posso ir ao shopping e não fazer compras. e. somente vou ao shopping. 3. O número que corresponde ao resultado da expressão numérica 2 1 5 7 1 9 3 4 6 10 9 4 ⋅ + ⋅ + ⋅ é igual a a. 7 18 . b. 5 9 . c. 13 36 . d. 3. e. 1. 4. Um investidor inicia seus negócios com um valor x. Após um mês, faz a 1ª apuração e verifica que per- deu 20% de seu valor inicial. Após outro mês, faz a 2ª operação e verifica que perdeu 30% do valor da 1ª apuração. Após o 3º mês, faz a 3ª apuração e verifi- ca que havia recuperado 10% do valor que tinha no momento da 2ª apuração. Após esses três meses, no momento da 3ª apuração, esse investidor verificou que já perdera, em relação ao valor inicial x, uma parte cor- respondente, em %, a
  4. 4. SIMULADO–INSS–PRÉ-EDITAL 4 a. 60. b. 40. c. 56. d. 61,6. e. 38,4. 5. A idade do irmão mais novo está para 3, assim como a idade do irmão mais velho está para 4. A idade do irmão mais velho está para 2, assim como a idade do pai está para 11. O pai tinha 36 anos quando nasceu o filho mais velho. Dessa maneira a diferença de idade entre esses dois irmãos é, em anos, igual a a. 1. b. 5. c. 3. d. 2. e. 4. 6. O primeiro múltiplo de 7 que é maior que 1000 é tam- bém múltiplo de a. 11 e de 19. b. 19 e de 13. c. 11 e de 13. d. 19 e de 23. e. 23 e de 11. NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO 1. Nos termos da Lei n. 8.666/1993, as obras, serviços e compras efetuadas pela Administração pública serão divididas em tantas parcelas quantas se comprovarem técnica e economicamente viáveis, procedendo-se à licitação com vistas ao melhor aproveitamento dos recursos disponíveis no mercado e à ampliação da competitividade sem perda da economia de escala. O Estado do Rio Grande do Sul pretende executar obra, parcelada nos termos da afirmativa anterior. Nes- se caso, a cada etapa ou conjunto de etapas da obra, há de corresponder a. uma única licitação, obrigatoriamente na modalida- de tomada de preços. b. licitação distinta, sempre na modalidade tomada de preços. c. uma única licitação, obrigatoriamente na modalida- de concorrência. d. uma única licitação, preservada a modalidade per- tinente para a execução do objeto. e. licitação distinta, preservada a modalidade perti- nente para a execução do objeto. 2. Moisés, servidor público federal, praticou ato adminis- trativo por delegação, sendo o ato originalmente de competência de seu superior hierárquico, o servidor público federal Robson. Robson delegou a prática do ato por ser conveniente, em razão de circunstâncias de índole jurídica. Nos termos da Lei n. 9.784/1999, o ato administrativo considerar-se-á editado por a. Moisés. b. nenhum dos servidores, e sim pelo órgão a que pertencem. c. nenhum dos servidores, e sim pela pessoa jurídica a que pertencem. d. Robson. e. quaisquer dos servidores. 3. O Tribunal Regional Federal da 4ª Região concedeu a Juliano, servidor público federal ocupante de cargo efetivo, licença para o trato de assuntos particulares pelo prazo de três anos, sem remuneração. No curso da aludida licença, especificamente durante o período de um ano, Juliano participou da gerência de socieda- de privada. No desempenho das atividades de gerên- cia, foi devidamente observada a legislação sobre con- flito de interesses. Nos termos da Lei n. 8.112/1990, a conduta de Juliano é a. admissível, apenas, no caso de participação no conselho de administração de empresa em que a União detenha, direta ou indiretamente, participa- ção no capital social. b. vedada, pois a gerência em questão deve ser exer- cida pelo prazo máximo de seis meses. c. admissível na situação narrada no enunciado. d. vedada, pois a lei expressamente proíbe, em qual- quer hipótese, a gerência de sociedade privada por servidor público federal. e. vedada, sendo possível, apenas, na hipótese de li- cença por motivo de doença em pessoa da família. 4. Considere: I – Convocação de Ministro de Estado por Comissão do Senado Federal para prestar, pessoalmente, informações sobre o tema da demarcação de terras indígenas. II – Controle administrativo sobre órgãos da Adminis- tração Direta. Acerca do Controle da Administração pública, os itens I e II correspondem, respectivamente, a controle a. legislativo de natureza política e controle administrativo interno decorrente do poder de tutela da Administração pública. b. legislativo de natureza política e controle adminis- trativo interno decorrente do poder de autotutela da Administração pública. c. administrativo de natureza política e controle admi- nistrativo interno decorrente do poder de tutela da Administração pública. d. legislativo de natureza financeira e controle admi- nistrativo externo decorrente do poder de autotute- la da Administração pública. e. administrativo de natureza política e controle admi- nistrativo externo decorrente do poder de tutela da Administração pública. 5. Em determinado pregão, foi declarada vencedora do certame a empresa “W Construções S.A.”. No entanto, a aludida empresa, convocada dentro do prazo de va- lidade da sua proposta, não celebrou o respectivo con- trato. Nesse caso e nos termos da Lei n. 10.520/2002, a. o pregoeiro examinará as ofertas subsequentes e a qualificação dos licitantes, na ordem de classi- ficação, e assim sucessivamente, até a apuração de uma oferta que atenda ao edital, sendo então o respectivo licitante declarado vencedor.
  5. 5. SIMULADO–INSS–PRÉ-EDITAL 5 b. deverá ser contratada, por inexigibilidade de licita- ção, a empresa que detém a proposta mais vanta- josa ao interesse público. c. o pregoeiro deverá anular a licitação e promover um novo certame, respeitando-se, assim, os princí- pios que regem as licitações, sobretudo, o princípio da competitividade. d. deverá ser contratada, por dispensa de licitação, a empresa que detém a proposta mais vantajosa ao interesse público. e. o pregoeiro deverá intimar coercitivamente a empresa “W Construções S.A.” a fim de celebrar o contrato, sendo-lhe imposta, desde já, sanções administrativas pelo ocorrido. 6. Tales, servidor público federal, praticou ato administra- tivo discricionário. Felipe, administrado, inconformado com o aludido ato, interpôs recurso e o ato está sob apreciação da autoridade hierarquicamente superior a Tales. Entretanto, após a interposição do recurso, Tales decide revogar o ato praticado. Na hipótese nar- rada, Tales a. ou seu superior podem revogar o ato, independen- temente do recurso interposto por Felipe. b. poderá revogar o ato a qualquer tempo, sendo o único competente para tanto. c. poderá revogar o ato até o momento imediatamen- te posterior ao julgamento do recurso. d. não poderá revogar o ato, pois já exauriu sua competência relativamente ao objeto do ato. e. jamais poderá revogar o ato, pois atos administra- tivos discricionários não são passíveis de revoga- ção. NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL 1. Determinada entidade da Administração pública federal mantém, em sua estrutura, órgão de controle interno, com a finalidade, entre outras, de comprovar a legalidade e avaliar os resultados, quanto à eficácia e eficiência, da gestão orçamentária, financeira e patrimonial da entidade. No exercício de suas atribuições, os integrantes do referido órgão de controle deparam-se com irregularidade na execução de um contrato específico de prestação de serviços, da qual é dada ciência ao Tribunal de Contas da União (TCU), que, a seu turno, determina, de imediato, a sustação da execução contratual. Nesta hipótese, considerada a disciplina constitucional da matéria, a. o órgão de controle interno poderia, efetivamente, possuir atribuição de avaliação de atos e contratos quanto à legalidade e eficiência, conforme expressa previsão constitucional, mas seus integrantes não possuem legitimidade para dar ciência de eventuais irregularidades ao TCU. b. o órgão de controle interno não poderia possuir atribuição de avaliação de atos e contratos quanto à legalidade e eficiência, por se tratar de critérios restritos ao sistema de controle externo, exercido pelo Congresso Nacional, com o auxílio do TCU. c. os integrantes do órgão de controle interno não po- deriam ter dado ciência da irregularidade ao TCU, dado que somente possuem legitimidade para tan- to partido político, associação ou sindicato. d. o TCU não poderia ter determinado a sustação da execução contratual, por se tratar de ato de competência do Congresso Nacional, a quem compete, ademais, solicitar, de imediato, ao Poder Executivo as medidas cabíveis. e. os integrantes do órgão de controle interno deve- riam, efetivamente, ter dado ciência da irregulari- dade ao TCU, sob pena de responsabilidade soli- dária, possuindo, de fato, o TCU competência para determinar de imediato a sustação da execução contratual. 2. Considere as seguintes situações: I – Após sete anos de exercício da função, em primei- ro grau, um juiz perde o cargo, mediante sentença judicial transitada em julgado. II – É determinada a remoção de certo magistrado, contrariamente à sua vontade, por motivo de inte- resse público, conforme decisão do voto da maioria absoluta do tribunal a que pertence. III – Determinado magistrado, membro de Tribunal de Justiça estadual, sofre redução em seu subsídio mensal, a fim de que este seja adequado ao valor fixado para o do Governador do Estado. Seria incompatível com a Constituição da República, por infringir garantia que esta expressamente outorga aos juízes, o que consta em a. I, II e III. b. I, apenas. c. I e II, apenas. d. II e III, apenas. e. III, apenas. 3. Nos termos da Constituição da República, exige-se or- dem judicial para a. extradição de estrangeiro por crime político ou de opinião. b. efetuar a prisão de alguém em flagrante delito. c. utilização, no processo, de provas obtidas por meios ilícitos. d. entrar na casa de um indivíduo, sem seu consenti- mento, exceto para prestar socorro. e. quebra do sigilo das comunicações telefônicas, para fins de investigação criminal. 4. Possui previsão constitucional expressa a regra do processo legislativo segundo a qual a. as leis complementares serão discutidas e votadas em cada Casa do Congresso Nacional em dois turnos, considerando-se aprovadas se obtiverem, em ambos, três quintos dos votos dos respectivos membros. b. a matéria constante de proposta de emenda à Constituição rejeitada somente poderá constituir objeto de novo projeto, na mesma sessão legisla- tiva, mediante requerimento da maioria absoluta dos membros de qualquer das Casas do Congres- so Nacional.
  6. 6. SIMULADO–INSS–PRÉ-EDITAL 6 c. a Constituição poderá ser emendada mediante pro- posta de mais da metade das Assembleias Legisla- tivas das unidades da Federação, manifestando-se, cada uma delas, pela maioria relativa de seus membros. d. caberá à comissão mista de Deputados e Senado- res examinar as medidas provisórias e sobre elas emitir parecer, antes de serem apreciadas, em sessão conjunta, pelas Casas do Congresso Na- cional. e. o veto do Presidente da República a projeto de lei será apreciado pelo Congresso Nacional, dentro de trinta dias a contar de seu recebimento, só poden- do ser rejeitado pelo voto da maioria absoluta dos Deputados e Senadores, em escrutínio secreto. NOÇÕES DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO 1. O motorista da empresa Della S/A chocou seu veícu- lo contra um automóvel particular da família Santos, tendo lhe causado ferimentos e afastamento do ser- viço. A cuidadora de criança, que estava sentada no banco traseiro do veículo particular da família Santos também se feriu no acidente. O motorista e a cuidado- ra de crianças requerem à autarquia previdenciária, o benefício do acidente de trabalho. Neste caso, a. a cuidadora de criança tem direito apenas ao bene- fício da assistência social. b. ambos, o motorista e a cuidadora de criança, têm direito ao benefício, pois são segurados obrigató- rios da Previdência Social. c. ambos, o motorista e a cuidadora de criança têm direito ao benefício, pois o acidente foi enquadrado como sendo por culpa recíproca. d. somente a cuidadora de criança tem direito ao be- nefício, pois está a serviço de uma família. e. somente o motorista tem direito ao benefício, pois é empregado da empresa Della. 2. Maria Cipriana já pagou mais de 120 (cento e vinte) contribuições mensais, ininterruptas, à Previdência Social. Encontra-se cadastrada no órgão próprio do Ministério do Trabalho e Emprego. Maria está desem- pregada de forma involuntária há dezoito meses. Em face desta situação, Maria Cipriana a. deverá contribuir por mais 3 meses para continuar na qualidade de segurada. b. não ostenta mais a qualidade de segurada da Pre- vidência Social. c. continua na condição de segurada por mais 18 meses. d. continua na condição de segurada por mais 36 meses. e. deverá contribuir por mais 6 meses para continuar na qualidade de segurada. 3. Nelmar da Silva apresentou, junto à autarquia previ- denciária, pedido de aposentadoria por invalidez, sob o fundamento de incapacidade permanente e insusce- tível de reabilitação. No entanto, incorreu na interrup- ção da contribuição previdenciária, por 7 anos, antes do início da alegada incapacidade, porque parou de trabalhar e de contribuir para a previdência. Neste caso, para que Nelmar tenha direito ao benefício da concessão da aposentadoria por invalidez, a. não é necessária nenhuma contribuição, pois Nel- mar não perdeu a qualidade de segurado. b. são necessárias contribuições individuais por 12 meses. c. são necessárias contribuições individuais por 8 meses. d. são necessárias contribuições individuais por 6 meses. e. são necessárias contribuições individuais por 4 meses. 4. Sobre as Leis n. 8.213/1991 e 8.212/1991, considere: I – Constitui contravenção penal, punível com multa, deixar a empresa de cumprir as normas de segu- rança e higiene do trabalho. II – A Seguridade Social compreende um conjunto inte- grado de ações de iniciativa dos poderes públicos e da sociedade, destinado a assegurar o direito re- lativo à saúde, à previdência e à assistência social e, entre seus princípios, encontra-se seletividade e distributividade na prestação dos benefícios e serviços. III – Equipara-se ao empregador rural pessoa física o consórcio simplificado de produtores rurais, forma- do pela união de produtores rurais pessoas físicas, que outorgar a um deles poderes para contratar, gerir e demitir trabalhadores para prestação de ser- viços, exclusivamente, aos seus integrantes, me- diante documento registrado em cartório de títulos e documentos. IV – A empresa com 100 (cem) ou mais empregados está obrigada a preencher de 2% (dois por cento) a 5% (cinco por cento) dos seus cargos com be- neficiários reabilitados ou pessoas portadoras de deficiência, habilitadas. V – O segurado que sofreu acidente do trabalho tem garantida, pelo prazo máximo de doze meses, a manutenção do seu contrato de trabalho na em- presa, após a cessação do auxílio-doença aci- dentário, independentemente de percepção de auxílio-acidente. Está correto o que consta APENAS em a. I, II, III e IV. b. I, III e IV. c. I, II, IV e V. d. III, IV e V. e. II e III. 5. (ESAF/ ANALISTA-TRIBUTÁRIO DA RECEITA FEDE- RAL DO BRASIL/ 2012) Assinale a opção incorreta. Compete ao Poder Público, nos termos da lei, organi- zar a seguridade social, com base nos seguintes ob- jetivos: a. universalidade da cobertura e do atendimento, de modo. b. prevalência dos benefícios e serviços às popula- ções rurais. c. seletividade e distributividade na prestação dos be- nefícios e serviços. d. irredutibilidade do valor dos benefícios. e. equidade na forma de participação no custeio.
  7. 7. SIMULADO–INSS–PRÉ-EDITAL 7 6. (FCC/ TÉCNICO DO SEGURO SOCIAL/ INSS/ 2012) No tocante à Previdência Social, é correto afirmar que a. é organizada sob a forma de regime especial e observa critérios que preservem o equilíbrio financeiro. b. é descentralizada, de caráter facultativo. c. tem caráter complementar e autônomo. d. baseia-se na constituição de reservas que garan- tam o benefício contratado. e. é contributiva, de caráter obrigatório. 7. (FUNRIO/ ANALISTA DO SEGURO SOCIAL – AS- SISTENTE SOCIAL/ 2009) A previdência social será organizada sob a forma de regime geral, de caráter contributivo e de filiação obrigatória, observados crité- rios que preservem o equilíbrio financeiro e atuarial, e atenderá a I – proteção ao trabalhador em situação de desempre- go voluntário; II – proteção à maternidade, não incluída a proteção a gestante, paternidade e a infância; III – cobertura de eventos de doença, invalidez, morte excetuada a idade avançada; IV – salário-família e auxílio-reclusão para os depen- dentes dos segurados de qualquer renda; V – pensão por morte do segurado, homem ou mulher, ao cônjuge ou companheiro e dependentes. a. as assertivas I e III estão corretas. b. as assertivas III e V estão corretas. c. as assertivas II e IV estão corretas. d. as assertivas II e V estão corretas. e. as assertivas I e IV estão corretas. 8. (TRT/ JUIZ SUBSTITUTO DO TRT 8ª REGIÃO/ 2006) Nos termos da Constituição Federal, são objetivos do Poder Público, ao organizar a seguridade social, ex- ceto: a. Equidade na forma de participação no custeio. b. Caráter democrático e descentralizado da adminis- tração, mediante gestão quadripartite, com partici- pação dos trabalhadores, dos empregadores, dos aposentados e do Governo nos órgãos colegiados. c. Uniformidade e equivalência dos benefícios e ser- viços às populações urbanas, rurais e indígenas. d. Seletividade e distributividade na prestação dos benefícios e serviços. e. Irredutibilidade do valor dos benefícios. 9. (ESAF/ ASSISTENTE-TÉCNICO ADMINISTRATIVO DO MINISTÉRIO DA FAZENDA/ 2009) Assinale a op- ção correta entre as assertivas abaixo relacionadas à organização e princípios constitucionais da Segurida- de Social. a. Diversidade da base de financiamento é objetivo da Seguridade Social. b. O valor dos benefícios pode ser diminuído grada- tivamente. c. Pode haver benefícios maiores para a população urbana em detrimento da rural. d. A gestão da Seguridade Social é ato privativo do Poder Público. e. Os serviços previdenciários devem ser sempre o mesmo, independente do destinatário. 10. (FUNRIO/ ANALISTA DO SEGURO SOCIAL – AS- SISTENTE SOCIAL/ 2009) A saúde é de relevância pública e sua organização obedecerá a princípios e diretrizes, na forma da Lei n. 8.212/1991. Assinale a alternativa correta no que se refere a esses princípios e diretrizes. a. Participação da iniciativa privada na assistência à saúde, obedecidos os preceitos constitucionais. b. Centralização, com direção única na esfera do Go- verno Federal. c. Participação da comunidade na gestão, no acom- panhamento e não na fiscalização das ações e ser- viços de saúde. d. Provimento das ações e serviços através de rede nacional e hierarquizada, integrados em sistema único. e. Atendimento seletivo e parcial, com prioridade para as atividades preventivas. 11. (ESAF/ ANALISTA TRIBUTÁRIO DA RECEITA FEDE- RAL DO BRASIL/ 2009) Tendo em vista os princípios e diretrizes da Seguridade Social, nos termos do texto da Constituição Federal e da legislação de custeio pre- videnciária, assinale a opção incorreta. a. Diversidade da base de financiamento. b. Universalidade da cobertura e do atendimento. c. Equidade na forma de participação no custeio. d. Irredutibilidade do valor dos benefícios e serviços. e. Uniformidade e equivalência dos benefícios e ser- viços às populações urbanas e rurais. 12. (ESAF/ AUDITOR DO TRABALHO/ 2009) A saúde integra o tópico da Constituição Federal que trata da Ordem Social. A saúde é um direito de todos e dever do Estado. As ações e serviços públicos de saúde inte- gram uma rede regionalizada e hierarquizada e cons- tituem um sistema único. Sobre a saúde, é correto afirmar que a. lei federal disporá sobre o regime jurídico e a regu- lamentação das atividades de agente comunitário de saúde e agente de combate às endemias, veda- da a previsão de piso salarial nacional. b. o regime jurídico e a regulamentação das ativi- dades de agente comunitário de saúde e agente de combate às endemias são previstos na Cons- tituição. Tais regimes e regulamentações são su- ficientes para garantir as prerrogativas das duas classes, por tratar-se de um comando normativo constitucional autoaplicável. c. lei federal disporá sobre o regime jurídico, o piso salarial profissional nacional, as diretrizes para os Planos de Carreira e a regulamentação das ativi- dades de agente comunitário de saúde e agente de combate às endemias, competindo à União, nos termos da lei, prestar assistência financeira com- plementar aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios, para o cumprimento do referido piso salarial.
  8. 8. SIMULADO–INSS–PRÉ-EDITAL 8 d. lei complementar disporá sobre o regime jurídico e a regulamentação das atividades de agente co- munitário de saúde e agente de combate às ende- mias, vedada a previsão de piso salarial nacional. e. os gestores locais do sistema único de saúde po- derão admitir agentes comunitários de saúde e agentes de combate às endemias sem processo seletivo público, nas condições previstas na Cons- tituição Federal, avaliando-se as circunstâncias, de acordo com a natureza e complexidade de suas atribuições e requisitos específicos para sua atu- ação. 13. (ESAF/ AUDITOR-FISCAL DA RECEITA FEDERAL/ ÁREA TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA/ 2005/2006) No âmbito da Seguridade Social, com sede na Constitui- ção Federal/88 (art. 194), podemos afirmar: a. A seguridade social compreende um conjunto de ações de iniciativa dos Poderes Públicos e da so- ciedade, visando a assegurar os direitos relativos à saúde, à vida, à previdência e à assistência social. b. A seguridade social compreende um conjunto inte- grado de ações dos Poderes Públicos e da socie- dade, destinadas a assegurar os direitos relativos à saúde, à previdência, à vida e à assistência social. c. A seguridade social compreende um conjunto inte- grado de ações de iniciativa dos Poderes Públicos e da sociedade, destinadas a assegurar os direitos re- lativos à saúde, à previdência e à assistência social. d. A seguridade social compreende um conjunto de ações dos Poderes Públicos e da sociedade, des- tinadas a assegurar os direitos relativos à saúde, à previdência e à assistência social. e. A seguridade social compreende um conjunto inte- grado de ações de iniciativa dos Poderes Públicos constituídos e da sociedade, destinado a assegurar os direitos relativos à saúde, à previdência e a as- sistência social. 14. (ESAF/ AUDITOR-FISCAL DA RECEITA FEDE- RAL/ ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO/ 2005/2006) Segundo dispõe o art. 196, da CF/88, a saúde é direito de todos e dever do Estado. Diante dessa premissa, assinale a opção que está correta. a. As ações e serviços públicos de saúde integram uma rede regionalizada e hierarquizada e consti- tuem um sistema único, sem a participação da co- munidade. b. O acesso universal igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação cons- titui garantia constitucional. c. O sistema único de saúde será financiado, nos ter- mos do art. 195, da CF/88, com recursos exclusi- vamente do orçamento, da seguridade social, da União, dos estados, do Distrito Federal e dos mu- nicípios. d. As ações e serviços de saúde não são de relevân- cia pública, cabendo ao Poder Público dispor, nos termos da lei, sobre sua regulamentação, fiscaliza- ção e controle, com a execução inclusive através de terceiros. e. Independe de lei complementar a instituição de normas de fiscalização, avaliação e controle das despesas com saúde nas esferas federal, estadual, distrital e municipal. ÉTICA 1. (FUNRIO/ SUFRAMA/ ADMINISTRADOR/ 2008). A função pública deve ser tida como exercício profissio- nal e, portanto, se integrar à vida particular de cada agente público, que é entendido como aquele que a. cumpre estágio probatório, ocupa cargo estável, efetivo ou cargo em comissão da Administração Direta. b. exerce atividade pública remunerada na Adminis- tração Direta e Autarquias. c. por força de lei ou por qualquer ato jurídico preste serviço permanente, temporário, eventual ou ex- cepcional, ainda que sem retribuição financeira, para a Administração Pública d. exerce atividade pública remunerada na Adminis- tração Pública, exceto nas empresas de economia mista e empresas públicas. e. exerce atividade pública remunerada pelo erário na Administração Pública. 2. ( FCC/ AGENTE LEGISLATIVO/ AL-SP/ 2010). Ética é o conjunto de regras e preceitos de ordem valorativa e moral de um indivíduo, de um grupo social ou de uma sociedade. A respeito da ética, considere: I – A dignidade, o decoro, o zelo, a eficácia e a consci- ência dos princípios morais são primados maiores que devem nortear o serviço público. II – O equilíbrio entre a legalidade e a finalidade, na conduta do servidor público, é que poderá consoli- dar a moralidade do ato administrativo. III – A moralidade na Administração Pública se limita à distinção entre o bem e o mal, não devendo ser acrescida da ideia de que o fim é sempre o bem comum. IV – A função pública deve ser tida como exercício pro- fissional e, portanto, se integra na vida particular de cada servidor público. V – O trabalho desenvolvido pelo servidor público pe- rante a comunidade não deve ser entendido como acréscimo ao seu próprio bem-estar, embora, como cidadão, seja parte integrante da sociedade. Está correto o que se afirma APENAS em: a. I, II e IV. b. I, III e IV. c. II, III e IV. d. II, IV e V. e. III, IV e V. 3. (FUNRIO/ ANALISTA TÉCNICO ADMINISTRATIVO/ MDIC/ 2009) O servidor público não poderá jamais desprezar o elemento ético de sua conduta. Assim terá que decidir principalmente entre a. o oportuno e o inoportuno. b. o conveniente e o inconveniente. c. o justo e o injusto. d. o ilegal e o legal. e. o honesto e o desonesto.
  9. 9. SIMULADO–INSS–PRÉ-EDITAL 9 4. O código de conduta da alta administração pública dis- põe que: a. os padrões éticos da autoridade pública são exi- gidos na relação entre suas atividades públicas e privadas, de modo a prevenir eventuais conflitos de interesse. b. a autoridade pública pode participar de seminários, congressos e eventos semelhantes, mantendo sigi- lo a respeito da sua eventual remuneração. c. as divergências entre autoridades públicas serão resolvidas publicamente, proporcionando total transparência sobre os fatos a que tenham dado motivo. d. após deixar o cargo, a autoridade pública poderá, sem período de interdição, prestar consultoria a sindicato ou entidade de classe. e. a boa imagem e reputação do administrador públi- co devem ser divulgadas externamente pelas che- fias e mantidas em qualquer circunstância. 5. Ao Deputado acusado de alguma das infrações tipifi- cadas no Código de Ética Parlamentar é assegurado um procedimento disciplinar no qual será respeitado o contraditório e a ampla defesa. No caso de perda do mandato por perda ou suspensão de direitos políticos será aplicado o Procedimento Disciplinar a. Ordinário. b. Especial. c. Sumário. d. Simplificado. e. Extraordinário. NOÇÕES DE INFORMÁTICA 1. (FCC/ ADVOGADO/ SANEAGO-SP/ 2014) No Microsoft PowerPoint 2010, em português, no modo de visualização Normal é mostrado um painel à es- querda onde são exibidos os slides em miniatura, en- quanto no centro da janela, aparece o slide atual em edição. As opções para inserir novo slide, duplicar sli- de ou excluir slide estão disponíveis clicando-se a. com o botão direito do mouse sobre um dos slides em miniatura no painel da esquerda. b. no grupo Opções da guia Slides. c. no grupo Gerenciador de Slides da guia Ferramen- tas. d. com o botão direito do mouse sobre o slide em edi- ção no centro da tela. e. na guia Página Inicial. 2. (FCC/ ASSISTENTE ADM. JÚNIOR/ METRO-SP/ 2014) As apresentações feitas em PowerPoint ou pro- grama equivalente utilizam a. projetor multimídia. b. flip chart. c. retroprojetor. d. televisão. e. diapositivos. 3. (FCC/ ANALISTA DE PROCURADORIA/ PGE-BA/ 2013) Quando há a necessidade de se fazer a impres- são de uma apresentação elaborada com o Microsoft Power Point, há diferentes opções no que se refere ao Intervalo de Impressão. Uma dessas opções é a. Último slide. b. Slide atual. c. Primeira metade. d. Primeiro slide. e. 4 Primeiros Slides. 4. (IADES/2014) O nome de domínio indica o grupo de computadores que será acessado por intermédio da- quele nome. É correto afirmar que, de modo geral, o URL tem no seu formato a. Nome do Arquivo – Protocolo – Browser. b. Protocolo – Tipo de Servidor – Nome de domínio. c. Protocolo – Browser – Endereço de IP. d. Nome de domínio – Nome do Arquivo – Extensão do Arquivo. e. Nome do Diretório – Nome do Arquivo – Extensão do Arquivo. 5. (IADES/ TÉCNICO EM INFORMÁTICA /EBSERH/ 2014) Compartilhar uma impressora requer algumas etapas. Primeiro deve-se ativar o compartilhamento de arquivos e impressoras e, em seguida, será necessário compartilhar a impressora. No sistema operacional Win- dows 7, em dispositivos e impressoras o procedimento correto para adicionar uma impressora é clicar em a. Personalizar uma impressora, depois em Persona- lizar uma impressora de rede, sem fio ou Bluetooth e clicar na impressora compartilhada/Avançar. b. Instalar uma impressora, depois em Instalar uma impressora de rede, sem fio ou Bluetooth, clicar na impressora compartilhada/Avançar. c. Configurar uma impressora, depois em configurar uma impressora de rede, sem fio ou Bluetooth e clicar na impressora compartilhada/Avançar. d. Adicionar uma impressora, depois em Adicionar uma impressora de rede, sem fio ou Bluetooth e clicar na impressora compartilhada/Avançar. e. Iniciar uma impressora, depois em Iniciar uma im- pressora de rede, sem fio ou Bluetooth e clicar na impressora compartilhada/Avançar. GABARITO LÍNGUA PORTUGUESA 1. c 2. a 3. b 4. a 5. b 6. e 7. d 8. b 9. c 10. b 11. d 12. e 13. a 14. c
  10. 10. SIMULADO–INSS–PRÉ-EDITAL 10 RACIOCÍNIO LÓGICO 1. a 2. b 3. e 4. e 5. d 6. c NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO 1. e 2. a 3. c 4. b 5. a 6. d NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL 1. d 2. e 3. e 4. c ÉTICA 1. c 2. a 3. e 4. a 5. d NOÇÕES DE INFORMÁTICA 1. a 2. a 3. b 4. b 5. d NOÇÕES DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO 1. e 2. c 3. e 4. a 5. b 6. e 7. b 8. c 9. a 10. a 11. d 12. c 13. c 14. b

×