Metas do Exercício Terapêutico <ul><li>Introdução </li></ul><ul><ul><li>Programa de Exercício fisioterapêutico    elabora...
<ul><ul><ul><li>otimizar o estado de saúde geral, o preparo físico ou a sensação de bem-estar </li></ul></ul></ul><ul><ul>...
<ul><ul><ul><ul><li>Quando uma pessoa é incapaz ou apenas tem habilidade limitada    das tarefas sensoriomotoras    Inde...
<ul><li>2. Metas do Exercício Terapêutico </li></ul><ul><ul><li>Avaliação; identificação do comprometimento; limitações fu...
<ul><li>b.1)  Tipos de Resistência a Fadiga </li></ul><ul><ul><li>Resistência muscular à fadiga    sustentação da tensão ...
<ul><li>b) Tecido Conectivo    malha de colágeno e substância matricial </li></ul><ul><ul><ul><li>Inerte    pouco flexív...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Metas Do ExercíCio TerapêUtico

5.330 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Diversão e humor
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.330
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
73
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Metas Do ExercíCio TerapêUtico

  1. 1. Metas do Exercício Terapêutico <ul><li>Introdução </li></ul><ul><ul><li>Programa de Exercício fisioterapêutico  elaborado individualmente  componente essencial </li></ul></ul><ul><ul><li>Principal objetivo do programa  nível ótimo de movimento sem ocorrência de sintomas durante as atividades funcionais básicas ou complexas </li></ul></ul><ul><ul><li>Desenvolvimento e implementação de tratamentos efetivos com exercícios  fisioterapeuta  compreensão  diversas formas de exercícios  afetam  sistema orgânico e funções físicas </li></ul></ul><ul><ul><li>Desenvolvimento de programas de exercício terapêutico  resultados funcionais positivos  fisioterapeuta  compreender: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>relação entre a função e incapacidade </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>avaliar como o tratamento do processo de incapacitação e o cuidado com o paciente facilita o fornecimento de serviços de saúde efetivos e eficientes </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Estar apto para fazer uma avaliação funcional ao paciente </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Conhecer as inter-relações de anatomia e cinesiologia de cada parte; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Entendimento do grau de debilidade e seu potencial de recuperação, complicações, precauções e contra-indicações. </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Exercício Terapêutico  treinamento sistemático e planejado de movimentos corporais, posturas ou atividades físicas com a intenção de proporcionar ao paciente meios de: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Tratar ou prevenir comprometimentos; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>melhorar; restaurar ou aumentar a função física; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>evitar ou reduzir fatores de risco relacionados à saúde; </li></ul></ul></ul>
  2. 2. <ul><ul><ul><li>otimizar o estado de saúde geral, o preparo físico ou a sensação de bem-estar </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Avaliar o paciente  evitar fatores despercebidos; permitir definições das limitações funcionais do paciente  desenvolver um programa de tratamento </li></ul></ul><ul><li>A – Analisar as necessidades </li></ul><ul><ul><li>1º Passo  medir as necessidades em termos de comprometimento do paciente, assim como quaisquer limitações funcionais e incapacidades ou deficiências resultantes </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Comprometimento  conseqüências das condições patológicas  apresentam-se na forma de sinais e sintomas que refletem as anormalidades do sistema corporal, órgão ou tecido; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Classificados como originários: alterações anatômicas, fisiológicas ou psicológicas; perdas; ou anormalidades na estrutura ou na função de um sistema corporal (musculoesquelético; neuromuscular; cardiovascular; tegumentar) </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Limitação Funcional  ocorrem na pessoa como um todo; Resultam de comprometimentos caracterizados pela redução da habilidade da pessoa para desempenhar ações ou atividades de maneira eficiente ou tipicamente esperada. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Limitações funcionais no domínio físico  ao desempenho de tarefas sensoriomotoras, ou seja, ações corporais globais, que são tipicamente componentes ou aspectos de atividades da vida cotidiana. </li></ul></ul></ul></ul>Analisar as necessidades Desenvolver um plano Implementar o plano Avaliar o plano
  3. 3. <ul><ul><ul><ul><li>Quando uma pessoa é incapaz ou apenas tem habilidade limitada  das tarefas sensoriomotoras  Independência nas AVDs diminuem, a qualidade de vida comprometida  incapacidade </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Incapacidade  inabilidade do indivíduo de realizar ou participar de atividades ou tarefas relacionadas a ele mesmo, ao lar, ao trabalho, à recreação ou à comunidade, de maneira que ele ou a comunidade como um todo (família, amigos, colegas, etc.) percebam como “normal”. Expressada: </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Problemas nos cuidados pessoais </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Dificuldades para cuidar da casa </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Problemas para deslocar-se na comunidade </li></ul></ul></ul></ul><ul><li>B – Desenvolvimento do Plano </li></ul><ul><ul><li>Estabelecer metas e um plano de tratamento adequado </li></ul></ul><ul><ul><li>Metas a longo prazo  tratamento afetará as limitações funcionais ou incapacidades na conclusão do programa terapêutico ou na fase do programa  Avaliam se a pessoa poderá ou não retornar ao trabalho ou outra atividade definida e nível de participação. </li></ul></ul><ul><ul><li>Metas a curto prazo  refletem habilidades ou aptidões componentes necessárias para atingir os resultados funcionais </li></ul></ul><ul><ul><li>(  ADM;  Resistência a fadiga) </li></ul></ul><ul><ul><li>Plano de Assistência  abordagens terapêuticas; técnicas ou modalidades terapêuticas; formas de avaliação; previsão do tratamento </li></ul></ul><ul><li>C – Implementar o plano </li></ul><ul><li>D – Avaliar o plano </li></ul>
  4. 4. <ul><li>2. Metas do Exercício Terapêutico </li></ul><ul><ul><li>Avaliação; identificação do comprometimento; limitações funcionais; incapacidades e deficiências </li></ul></ul><ul><ul><li>Metas do Exercício Terapêutico : Desenvolvimento; melhora; restauração ou manutenção: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Força; Resistência à Fadiga; Mobilidade e Flexibilidade; Coordenação, Equilíbrio e Habilidade Funcional </li></ul></ul></ul><ul><li>2.1 Força </li></ul><ul><ul><li>Habilidade  tensão e força  esforço máximo </li></ul></ul><ul><ul><li>Força normal  Força adequada </li></ul></ul><ul><ul><li>Padrão normal  quantidade ou grau de força  sustentação </li></ul></ul><ul><li>a) Fatores que influenciam a força de um músculo </li></ul><ul><ul><li>Área de secção transversa; </li></ul></ul><ul><ul><li>Relação entre comprimento de um músculo e sua tensão; </li></ul></ul><ul><ul><li>Tipos de contração muscular (excêntrica, isométrica e concêntrica) </li></ul></ul><ul><ul><li>Distribuição dos tipos de fibras (tipo II A e B e tipo I) </li></ul></ul><ul><ul><li>Motivação do paciente </li></ul></ul><ul><li>b) Resistência a Fadiga </li></ul><ul><ul><li>Tarefas motoras repetitivas e manutenção de um nível estável de atividade funcional </li></ul></ul>Meta do Tratamento  Plano do Tratamento
  5. 5. <ul><li>b.1) Tipos de Resistência a Fadiga </li></ul><ul><ul><li>Resistência muscular à fadiga  sustentação da tensão por período prolongado de tempo. </li></ul></ul><ul><ul><li>Resistência Geral (total) do corpo à fadiga  atividade moderada  por período extenso de tempo </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Exercícios Aeróbico  melhora a capacidade vascular </li></ul></ul></ul><ul><li>c) Relaxamento </li></ul><ul><ul><li>Esforço consciente para aliviar a tensão </li></ul></ul><ul><ul><li>Exercício Terapêutico  consciência das tensões </li></ul></ul><ul><ul><li> Inibir ou Controlar </li></ul></ul><ul><li>d) Mobilidade e Flexibilidade </li></ul><ul><ul><li>Movimentos funcionais normais  mobilidade dos tecidos </li></ul></ul><ul><ul><li>movimentos normais  restringidos  adaptação(encurtamento)  retração </li></ul></ul><ul><li>d.1) Mobilidade/Flexibilidade dos tecidos moles </li></ul><ul><li>a) Músculo </li></ul><ul><ul><ul><li>Propriedades contráteis e elásticas  encurta (estim.) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>  relaxa (contração) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Músculo imobilizado  perda da flexibilidade  Posição encurtada  Contratura </li></ul></ul></ul>Tensão muscular prolongada dor Espasmo muscular Nas AVDs  tec. Moles e artic Alongam e/ou encurtam
  6. 6. <ul><li>b) Tecido Conectivo  malha de colágeno e substância matricial </li></ul><ul><ul><ul><li>Inerte  pouco flexível  alongamento mantido </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Encurtamento adaptativo  imobilidade </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Cicatrizes  forma mais densa  imobilidade dos tecidos mole </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>c) Pele </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Movimento normal  mobilidade da pele </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Movimentos passivos e/ou ativos </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Retrações  limitar a mobilidade </li></ul></ul></ul><ul><li>e) Mobilidade Articular </li></ul><ul><ul><li>Movimento normal  Frouxidão Articular: Rotação e Deslizamentos normais Restrição  limitação </li></ul></ul><ul><li>e) Coordenação, Equilíbrio e Habilidades Funcionais </li></ul><ul><ul><li>Coordenação  músculo certo  seqüência e intensidade apropriada </li></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li> SNC – iniciar, guiar e guardar padrões de movimentos </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Base do movimento harmonioso e eficiente </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><li>Equilíbrio  manter o C.G na base de suporte </li></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li> manter uma posição no espaço ou mover-se de modo controlado e coordenado </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><li>Habilidades Funcionais: variedade de habilidades motoras para funcionar independentes </li></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Os três são interdependentes  sistema sensorial </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Coordenação e Equilíbrio  presentes  aprenda desempenhe  habilidades funcionais </li></ul></ul></ul></ul><ul><li>e.1) Princípios Gerais para desenvolvimento de Coordenação, Equilíbrio e Habilidades Funcionais </li></ul><ul><ul><ul><ul><li>Habilidades motoras funcionais dependem: </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>Controle motor normal </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>Habilidade de aprender tarefas notoras </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Princípios: </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>Repetição constante de poucas atividades motoras </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>Uso de pistas sensoriais (visuais, táteis) </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>Início dos movimentos nos planos anatômicos  movimentos combinados ou diagonais </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>Aumento da velocidade </li></ul></ul></ul></ul></ul>

×