UMIDADE E ÍNDICE DE ACIDEZ DO ÓLEO DE POLPA DE FRUTOS DE MACAÚBA 1 SECOS EM DIFERENTES CONDIÇÕES DE TEMPO E TEMPERATURA 2 ...
1). Os frutos foram descongelados e secos em secadora e misturadora rotativa (Scott Tech ERT 60 36 II). Ao fim de cada sec...
56 
Figura 1. Superfície de resposta sobre o efeito do tempo e da temperatura na umidade da polpa de macaúba de frutos 57 ...
Tabela 3. Análise de variância de acidez em óleo de polpa de macaúba obtido de frutos secos em combinações de 69 tempo e t...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Umidade e índice de acidez do óleo de polpa de frutos de macaúba secos em diferentes condições de tempo e temperatura gabriel santos final

389 visualizações

Publicada em

Artigo publicado nos anais do Congresso Brasileiro de Macaúba, em 2013.

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
389
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
75
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Umidade e índice de acidez do óleo de polpa de frutos de macaúba secos em diferentes condições de tempo e temperatura gabriel santos final

  1. 1. UMIDADE E ÍNDICE DE ACIDEZ DO ÓLEO DE POLPA DE FRUTOS DE MACAÚBA 1 SECOS EM DIFERENTES CONDIÇÕES DE TEMPO E TEMPERATURA 2 3 GABRIEL PINHEIRO DOS SANTOS1; LEONARDO RAFAEL DE ALMEIDA JÚNIOR2; 4 CYNTHIA YAMADA2; LORENA COSTA GARCIA2; SIMONE PALMA FAVARO2 5 6 INTRODUÇÃO 7 A macaúba é uma palmeira nativa do Brasil promissora como fonte de óleo para indústria 8 cosmética, de alimentos e de combustíveis. Seus frutos fornecem dois tipos de óleos com potencial 9 econômico: óleo de polpa e óleo de amêndoa. De acordo com estimativas, essa oleaginosa possui 10 alto potencial produtivo, podendo alcançar mais de 4.000 kg de óleo por hectare a cada ano 11 (CÉSAR, 2003; ROSCOE et al., 2007). 12 Os óleos podem sofrer transformações químicas durante o processamento e 13 armazenamento. A degradação dos lipídeos pode ser ocasionada por várias reações como, hidrólise, 14 oxidação, fotoxidação, polimerização e pirólise (ARAÚJO, 2003). A degradação enzimática pode 15 acarretar a hidrólise dos triglicerídeos durante o armazenamento devido à presença de fungos e 16 bactérias produtores de enzimas lipolíticas extracelulares, à lipase naturalmente presente nos frutos 17 e às elevadas temperaturas e umidades relativas do ar. Este tipo de degradação forma diglicerídeos, 18 monoglicerídeos, ácidos graxos livres e glicerol (MORETTO e FETT, 1998; BOBBIO e BOBBIO, 19 2001; O’BRIEN, 2004). 20 A secagem reduz a umidade do produto e, consequentemente, diminui a atividade 21 biológica e as mudanças químicas e físicas que ocorrem durante o armazenamento. A conservação 22 pela secagem baseia-se no fato de que microrganismos e enzimas, assim como todo mecanismo 23 metabólico, necessitam de água para suas atividades. Com a redução da quantidade de água 24 disponível até níveis seguros para armazenamento, será reduzida a velocidade das reações químicas 25 e o desenvolvimento de microrganismos (CHRISTENSEN e KAUFMANN, 1974). 26 Face ao exposto, o presente estudo teve por objetivo avaliar a umidade da polpa de 27 macaúba e a qualidade do óleo de polpa extraído dos frutos após a secagem em diferentes condições 28 de tempo e temperatura, visando à aplicabilidade do processo ideal de processamento do fruto em 29 escala industrial. 30 31 MATERIAL E MÉTODOS 32 Os frutos de macaúba foram coletados no município de Corumbá/MS. Após a coleta, 33 foram mantidos a -20 °C até sua utilização. A partir do delineamento composto central rotacional 34 (DCCR) 2^2, foram realizadas secagens em diferentes condições de tempo e temperatura (Tabela 35 1 Universidade Católica Dom Bosco/MS. e-mail: santosgp@live.com 2 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa Agroenergia/DF. e-mail: simone.favaro@embrapa.br
  2. 2. 1). Os frutos foram descongelados e secos em secadora e misturadora rotativa (Scott Tech ERT 60 36 II). Ao fim de cada secagem, os frutos foram despolpados manualmente com auxílio de facas. Em 37 seguida homogeneizou-se a polpa em moinho portátil (IKA A11 basic). Uma alíquota foi submetida 38 à análise de umidade, seguindo a metodologia descrita pela AOAC (2005) e outra foi congelada e 39 liofilizada (liofilizador Liotop K120) por 24 horas para posterior extração de óleo. 40 Tabela 1. Delineamento experimental para secagem de frutos de macaúba. 41 Tratamento X1 Temperatura (°C) X2 Tempo (horas) 1 -1 60,0 -1 2 2 -1 60,0 1 8 3 1 120,0 -1 2 4 1 120,0 1 8 5 -1,41 47,6 0 5 6 1,41 132,4 0 5 7 0 90,0 -1,41 0,75 8 0 90,0 1,41 9,25 9 0 90,0 0 5 10 0 90,0 0 5 11 0 90,0 0 5 O óleo da polpa foi extraído a frio com éter de petróleo. Pesou-se 25 g da polpa liofilizada 42 em Erlenmeyers de 250 mL com adição de 100 mL de éter de petróleo. Em seguida homogeneizou-43 se vigorosamente em homogeneizador (IKA T125 Ultra-turrax). O homogenato foi mantido em 44 agitador orbital (Thermo Scientific MAXQ5000) a 130 rpm por 30 minutos. O conteúdo foi filtrado 45 em funil de vidro e papel filtro e o filtrado (óleo extraído e solvente) foi evaporado em evaporador 46 rotativo (Büchi R-210) com banho termostatizado a 45 °C. O óleo bruto restante foi borbulhado 47 com N2 para garantir total eliminação do solvente e inertização da amostra até sua análise. O índice 48 de acidez foi determinado de acordo com AOCS (1995) e expresso em mg KOH/g amostra. 49 50 RESULTADOS E DISCUSSÃO 51 A Figura 1 mostra a umidade dos frutos em função do tempo e da temperatura de secagem. 52 A umidade dos frutos decresceu com a elevação da temperatura e do tempo concomitantemente. A 53 temperatura apresentou efeito tanto linear quanto quadrático, enquanto que o tempo teve apenas o 54 efeito linear significativo. 55 1 Universidade Católica Dom Bosco/MS. e-mail: santosgp@live.com 2 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa Agroenergia/DF. e-mail: simone.favaro@embrapa.br
  3. 3. 56 Figura 1. Superfície de resposta sobre o efeito do tempo e da temperatura na umidade da polpa de macaúba de frutos 57 secos em diferentes condições. 58 Tabela 2. Análise de variância de umidade da polpa de frutos de macaúba secos em combinações de tempo e 59 temperatura. 60 Fonte de Variação Soma quadrática Graus de liberdade Média quadrática F p Temp.(L) 651,467 1 651,4672 164,0032 0,006042 Temp.(Q) 67,867 1 67,8673 17,0852 0,053846 Tempo 903,686 1 903,6864 227,4979 0,004367 Falta de ajuste 80,548 5 16,1095 4,0555 0,209559 Erro puro 7,945 2 3,9723 Total 1711,513 10 61 O índice de acidez variou muito pouco em função do aumento da temperatura 62 (p>0,110532) (Figura 2 e Tabela 3). Por outro lado, a acidez foi altamente afetada pelo aumento do 63 tempo de exposição ao calor (p>0,020063) (Figura 2 e Tabela 3). 64 65 66 Figura 2. Superfície de resposta sobre o efeito do tempo e temperatura no índice de acidez do óleo de polpa de 67 macaúba de frutos secos em diferentes condições. 68 y = 2,637858 – 0,359769.temp + 0,908837.tempo – 0,667650.tempo.temp R2 = 0,8655 y = 18,5304 – 18,0750.temp + 6,6594.temp2 – 21,2883.tempo R2 = 0,9483 1 Universidade Católica Dom Bosco/MS. e-mail: santosgp@live.com 2 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa Agroenergia/DF. e-mail: simone.favaro@embrapa.br
  4. 4. Tabela 3. Análise de variância de acidez em óleo de polpa de macaúba obtido de frutos secos em combinações de 69 tempo e temperatura. 70 Fonte de variação Soma quadrática Graus de liberdade Média quadrática F p Temperatura 0,258097 1 0,258097 7,57643 0,110532 Tempo 1,647055 1 1,647055 48,34929 0,020063 Temperatura/tempo 0,445757 1 0,445757 13,08518 0,068646 Falta de ajuste 0,297066 5 0,059413 1,74407 0,403222 Erro puro 0,068132 2 0,034066 Total 2,716106 10 71 CONCLUSÃO 72 Houve decréscimo na umidade da polpa conforme aumento do tempo e temperatura 73 concomitantemente. 74 O índice de acidez no óleo de polpa de macaúba não foi afetado pela temperatura de 75 secagem, no entanto, o tempo de exposição ao calor mostrou-se significativo. 76 A secagem em alta temperatura e curto intervalo de tempo resulta em óleo com menor 77 acidez e, portanto, com melhor qualidade. 78 79 REFERÊNCIAS 80 AOAC. Official methods of analysis of the Association Analytical Chemists. 18 ed. Maryland: 81 Gaithersburg, 2005. 82 AOCS. Official methods and recommended practices of the American Oil Chemists’ Society. 4 ed. 83 USA: Champaign, 1995. 84 ARAÚJO, J. M. Química de Alimentos – Teoria e Prática. 3 ed. Viçosa: Editora UFV, 2003. 85 BOBBIO, P. A.; BOBBIO, F. O. Química do Processamento de Alimentos. Livraria Varela, 3 ed., 86 2001. 143 p. 87 CESAR, E. Biodiesel no tanque. 94 ed. Pesquisa Fapesp, São Paulo, 2003. 88 CHRISTENSEN, C. M.; KAUFMANN, H. H. Microflora. In: CHRISTENSEN, C. M. Storage of 89 Cereal Grain and Their Products. St. Paul: American Association of Cereals Chemists, p.158-192, 90 1974. 91 MORETTO, E. & FETT, R. Tecnologia de óleos e gorduras vegetais na indústria de alimentos. São 92 Paulo: Varela, 1998. 93 O’BRIEN, R. D. Fats and oils formulating and processing for applications. Florida: CRC Press, 94 Boca Raton, 2004, 616 p. 95 ROSCOE, R.; RICHETTI, A.; MARANHO, E. Análise de viabilidade técnica de oleaginosas para 96 produção de biodiesel em Mato Grosso do Sul. Revista Política Agrícola, 16, 48-59, 2007. 97 1 Universidade Católica Dom Bosco/MS. e-mail: santosgp@live.com 2 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa Agroenergia/DF. e-mail: simone.favaro@embrapa.br

×