UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL
DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO E ARTE
CURSO DE ARTES VISUAIS
PERSONAGENS FEMININOS...
Flávia Arruda Alves
PERSONAGENS FEMININOS
Monografia apresentada como exigência
parcial para obtenção do grau de bacharel
...
PERSONAGENS FEMININOS
Flávia Arruda Alves
Monografia apresentada como requisito para obtenção do grau de bacharel em Artes...
Dedico o presente trabalho a todos que contribuíram
para sua execução. Em especial, à minha mãe
Dhyvana, que tudo fez para...
Agradeço à minha família.
Ao Profº Darwin Antônio Longo de
Oliveira .
Aos professores e técnicos.
Aos amigos:
Daniella Fer...
LISTA DE FIGURAS
Figura 1 – MARIE............................................................................................
ALVES, Flávia Arruda. Personagens femininos. Campo Grande, 2006. 26f.
Monografia – Trabalho de Bacharelado (Bacharel em Ar...
SUMÁRIO
LISTA DE FIGURAS
RESUMO
INTRODUÇÃO...................................................................................
8
INTRODUÇÃO
O trabalho realizado buscou no universo feminino , a capacidade da mulher
de incorporar personagens para vive...
9
CAPÍTULO I
1 PERSONAGENS FEMININOS
A mulher vem ganhando espaço dentro do contexto histórico e ajuda a
valorizar a figur...
10
Deste modo escolhi as mulheres para criação das obras, analisando a
personalidade e história de vida de cada uma delas....
11
vida aonde esquecem seus sentimentos pela conveniência da profissão e muitas
vezes, usam a droga como meio para esquece...
12
CAPÍTULO II
2 A LINGUAGEM
2.1 RELEVO
Segundo Hildebrand (1982, p. 34), “A profundidade existencial das coisas
em tercei...
13
templo da Deusa grega Atena, construído no século V a.C. na acrópole de Atenas
(ibidem).
O alto relevo trata-se de uma ...
14
CAPÍTULO III
3 AS OBRAS
Partindo do pressuposto de que o corpo é um lugar privilegiado de
representações culturais e hi...
15
Di Cavalcanti é membro privilegiado nas categorias estabelecidas pela
história e crítica da arte brasileira. Sua obra é...
16
Para que haja o tratamento de cores é necessário que o relevo receba uma
demão de massa corrida, seja lixado, e logo ap...
17
Escolhi a massa de papel maché para modelar as formas, apesar de não
dominar a técnica, procurei aprendê-la e consegui ...
18
charme para eles e os seduzia. Após sete anos trabalhando como profissional do
sexo, Marie que bebia muito, se suicida ...
19
proibiu de realizar seu sonho, mas ela inconformada resolveu deixar a família e se
mudar para Buenos Aires, onde conseg...
20
própria casa, que sucediam festas regadas a muita música, batuques e quitutes. Um
misto de consagração da música e dos ...
21
Na obra Caapotyguará está de joelhos oferecendo ao sol, uma rosa
desabrochada, em sinal de gratidão.
Figura 4 – Caapoty...
22
Figura 5 – Kohana (técnica: tinta acrílica sobre relevo Material: papel maché)
Japonesa: 1m e 22cmX 45cm
23
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Ao desenvolver a série apresentada conclui, que o artista deve ousar
sempre, pois é através de nov...
24
REFERÊNCIAS
ARTHUR, Michael. Arte Contemporânea. 1.ed. Rio de Janeiro: Martins Fontes,
2001.
CARAMELLA, Elaine. Históri...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Alves; flávia arruda alves personagens femininos

336 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
336
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
18
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Alves; flávia arruda alves personagens femininos

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO E ARTE CURSO DE ARTES VISUAIS PERSONAGENS FEMININOS Flávia Arruda Alves Campo Grande – MS 2006
  2. 2. Flávia Arruda Alves PERSONAGENS FEMININOS Monografia apresentada como exigência parcial para obtenção do grau de bacharel em Artes Visuais à Banca Examinadora da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, sob orientação do Professor Darwin Antônio Longo de Oliveira. Campo Grande- MS 2006
  3. 3. PERSONAGENS FEMININOS Flávia Arruda Alves Monografia apresentada como requisito para obtenção do grau de bacharel em Artes Visuais à Banca Examinadora da Universidade Federal de Mato Grosso do sul. COMISSÃO DE AVALIAÇÃO __________________________________________________ Prof. Darwin Antônia Longo de Oliveira (Orientador) _________________________________________________ __________________________________________________
  4. 4. Dedico o presente trabalho a todos que contribuíram para sua execução. Em especial, à minha mãe Dhyvana, que tudo fez para que eu concluísse esta fase da minha vida.
  5. 5. Agradeço à minha família. Ao Profº Darwin Antônio Longo de Oliveira . Aos professores e técnicos. Aos amigos: Daniella Fernanda Pereira Bruna Meldau Benites Themis Riono Grosbelli Irie Daniel Jefferson Barros Mariana Besteti Chiarello Patricia
  6. 6. LISTA DE FIGURAS Figura 1 – MARIE...................................................................................................... 17 Figura 2 – CONSUELO............................................................................................. 18 Figura 3 – FLOR........................................................................................................ 19 Figura 4 – CAAPOTYRAGUÁ................................................................................... 20 Figura 5 – KOHANA.................................................................................................. 21
  7. 7. ALVES, Flávia Arruda. Personagens femininos. Campo Grande, 2006. 26f. Monografia – Trabalho de Bacharelado (Bacharel em Artes Visuais) – Departamento de Artes Visuais, CCHS/UFMS, 2006. RESUMO O presente relatório tem como objetivo mostrar o resultado de uma produção artística para conclusão do Curso de Bacharelado em Artes Visuais. Optei pelo relevo como linguagem pela sua característica bi e tridimensional, e pelo papel maché como material escultórico, por sua estética, fácil manuseio, por ser alternativo e por sua durabilidade. O uso do suporte foi indispensável para concretização deste trabalho, pois as formas foram modeladas sobre ele. O tema abordado foi escolhido através da observação do comportamento feminino, e pela constatação do poder da mulher de se tornar um personagem. A série é composta por cinco personagens femininos, mulheres distintas, foram modeladas e retratadas através do relevo, cada uma com sua própria história de vida. Palavras-chave: Artes visuais. Relevo. Técnicas. Obras.
  8. 8. SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS RESUMO INTRODUÇÃO.......................................................................................................... 8 CAPÍTULO I 1 PERSONAGENS FEMININOS............................................................................ 9 1.1AS PERSONAGENS ESCOLHIDAS.................................................................. 9 CAPÍTULO II 2 A LINGUAGEM................................................................................................... 12 2.1 RELEVO......................................................................................................... 12 2.2 A TÉCNICA..................................................................................................... 12 2.3 PAPEL MACHÉ.............................................................................................. 13 CAPÍTULO III 3 AS OBRAS.......................................................................................................... 14 3.1O PROCESSO TÉCNICO.................................................................................... 15 3.2CONCEITOS DA OBRA....................................................................................... 16 3.3MARIE.................................................................................................................. 17 3.4CONSUELO......................................................................................................... 18 3.5FLOR.................................................................................................................... 19 3.6CAAPOTYRAGUÁ............................................................................................... 20 3.7KOHANA.............................................................................................................. 21 CONSIDERAÇOES FINAIS...................................................................................... 23 REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS........................................................................ 24
  9. 9. 8 INTRODUÇÃO O trabalho realizado buscou no universo feminino , a capacidade da mulher de incorporar personagens para vivenciar suas próprias histórias. A partir deste tema foram feitas cinco obras de tamanhos 122X40, 122X59, 122X72, 122X60 e 122X45, utilizando a apropriação da técnica do relevo. A escolha do relevo como linguagem artística deve-se a sua estética bi e tridimensional, pois agreguei a ela o papel maché como material escultórico, usando uma placa de compensado como suporte. Esta integração em uma só obra, provém da busca pela originalidade, o que dá ao trabalho um caráter contemporâneo. A tinta escolhida para dar vida aos personagens, foi à acrílica, devido seu aspecto plástico e sua rápida secagem. Durante a pesquisa teórica constatei a mulher retratada em diversos estilos artísticos , cada uma representando sua época, uma versatilidade de personagens exclusivamente feminina. Este relatório está dividido em três capítulos subdivididos, relatando a escolha do tema, dos personagens escolhidos, a linguagem e técnica utilizada. No capitulo I é discutido o tema personagens femininos, e a razão da escolha da figura da mulher como expressão artística. Neste mesmo capitulo comento sobre a escolha das personagens. Já no capitulo II, falo sobre a escolha do relevo como linguagem, da técnica do papel maché e seus aspectos históricos. Finalmente no capitulo III, descrevo sobre as obras, seu processo técnico e conceitos.
  10. 10. 9 CAPÍTULO I 1 PERSONAGENS FEMININOS A mulher vem ganhando espaço dentro do contexto histórico e ajuda a valorizar a figura feminina e acabar com muitos preconceitos e tabus, como Cleópatra, com sua beleza e astúcia no Egito antigo, Joana D’Arc de heroína francesa a santa ou louca, princesa Isabel, que trocou a monarquia pelo final da escravatura no Brasil, Madre Teresa ,um solitário exemplo de compaixão, ou até mesmo Marlyn Monroe, a sex symbol que virou lenda ( COSTA, 2006). Independente da cultura, ou posição social, a figura da mulher sempre esteve em evidencia, pois vivem numa constante luta pela liberdade, sem perder a força, o mistério, a interiorização e a sensibilidade, características únicas da personalidade feminina. 1.1 AS PERSONAGENS ESCOLHIDAS Hoje e sempre a figura feminina é usada como imagem de consumo. Segundo Clarisse Lispector (apud COSTA, 2006): [...] houve uma superação dos estereótipos fomentados pela sociedade patriarcal nos sujeitos femininos. Analisando seus contos, percebemos a desestabilização do imaginário que hierarquizou os valores masculinos e inscreveu as mulheres, por boa parte da história ocidental, na passividade. O tempo fez das mulheres, personagens lutadoras incansáveis, pois até hoje lutam por seus direitos e enfrentam preconceitos da sociedade machista que ainda sobrevive aos tempos modernos, de acordo com conhecimento empírico cultural adquirido diante dos acontecimentos do mundo (ibidem).
  11. 11. 10 Deste modo escolhi as mulheres para criação das obras, analisando a personalidade e história de vida de cada uma delas. A dançarina de tango, mulher que encontra na dança um mundo paralelo, aonde se entrega a musica sem se importar com preconceitos ainda existentes em relação a sua profissão, pois muitas vezes por ser uma profissional da dança é remetida ao estereótipo das antigas prostitutas que dançavam para seus clientes, nem por isso abrem mão de sua escolha de vida (BALMACEDO, 2006). Já a mulher japonesa, esposa do samurai não tem a vida com escolha e sim escolhida, pois nasceu na cultura oriental, aonde: [...] a família escolheu para ela um marido samurai, e com ele um estilo de vida aonde ela ocupa importantes funções apesar de não possuir autoridade absoluta, tem que cuidar da casa, educar os filhos, e incutir na cabeça deles todos os ideais básicos da classe dos samurais e princípios básicos do budismo e confucionismo, mas mesmo com tantas obrigações não perde sua feminilidade vaidade cuidando com muito carinho de sua aparência, gosta de manter a pele clara, arrancar as sobrancelhas e vestem-se com muito luxo (SOL, 2006, p.18). Na personagem da mulher baiana encontramos um emaranhado cultural e místico. Para elas, ser livre era também reverenciar seus costumes e revive-los. Foram eternizadas na glória real da corte negra. No novo continente, há o despertar para o misticismo trazido do outro lado do Atlântico. A construção da identidade africana no Brasil encontra nas celebrações e ritos toda uma reverência à mulher como mediadora entre os deuses e a humanidade. Assim, tornaram-se as grandes mães negras, sacerdotisas que tiveram suprimido o poder real na África, mas que passaram a exercer o poder espiritual no novo mundo (FREYRE,2003, p.180). Podemos observar na mulher indígena , uma personagem que habitava a costa brasileira e que após a colonização recebeu à influência dos costumes europeus. Viviam de forma mais livremente ,mas com a chegada do homem branco, foi tudo modificado, eles determinaram valores, mudando desde a vestimenta até maneiras de se portarem, fato que despertou o interesse pela escolha da personagem, tratando de resgatar na obra a pureza e a beleza da mulher indígena (POTIGUARÁ, online, 2006). A prostituta, mulher que se encontra na profissão mais antiga , e que sobrevive até hoje usando seu próprio corpo como objeto sexual. Vida difícil, algumas vezes escolhas, outras um modo de sobrevivência, optam por um estilo de
  12. 12. 11 vida aonde esquecem seus sentimentos pela conveniência da profissão e muitas vezes, usam a droga como meio para esquecer deste mundo (COSTA, 2006).
  13. 13. 12 CAPÍTULO II 2 A LINGUAGEM 2.1 RELEVO Segundo Hildebrand (1982, p. 34), “A profundidade existencial das coisas em terceira dimensão, transforma-se num espaço dialético bidimensional, na representação artística do relevo”. Somente enquanto a bidimensionalidade da representação plástica tem condições de atingir coesão visual das linhas e superfícies e desta maneira, oferecendo uma aparência completa, numa distância prevista aos olhos do espectador (CAVALCANTI , 2006 , p. 115 ). 2.2 A TÉCNICA Esta técnica surgiu na arte da pré-história, com os assírios um povo guerreiro que na arte se dedicaram a glorificar seus reis e exércitos. “O tipo de trabalho mais característico era uma seqüência de pedras esculpidas com baixos relevos representando cenas militares ou de caça, pois o relevo tinha uma finalidade narrativa” (ibidem). A técnica do relevo se firma em um trabalho onde a forma se projeta na diferença entre dois ou mais planos. Dependendo da profundidade, o relevo pode ser chamado baixo relevo ou alto relevo, com bastante material removido e o restante projetado do fundo plano quase como se fosse a parte visível de uma escultura embutida na pedra (ibidem). Esta, é um tipo de trabalho comum em todo o mundo, em especial na decoração de edifícios monumentais, tais como templos. O friso no estilo coríntio clássico freqüentemente enriquecido com baixos-relevos. Altos-relevos podem ser vistos nos frontões de templos clássicos, como por exemplo no Partenon, que foi um
  14. 14. 13 templo da Deusa grega Atena, construído no século V a.C. na acrópole de Atenas (ibidem). O alto relevo trata-se de uma técnica de escultura onde a forma se projeta de um fundo, normalmente um bloco do material utilizado, além do ponto onde seria possível copiá-la totalmente com um só molde. Embora se mantenham presas ao bloco de fundo em alguns pontos, possuem uma tridimensionalidade evidente, onde as sombras ganham realce de acordo com o movimento do ângulo da iluminação (ibidem). 2.3 PAPEL MACHÉ O Papel Maché é uma técnica milenar, juntamente com o papel colado, também chamado de papietagem ou papelagem. Já se conhecia o papel maché na China de dois séculos antes de Cristo, praticamente na época em que nasceu o papel. Os chineses fabricavam capacetes e recipientes para líquidos, depôs de impermeabilizados .”Os chineses e outros povos orientais usaram largamente o papel maché para a fabricação de utensílios diversos, como pratos, caixas e outros objetos” (HAINES, 1992, p. 10). Com o tempo e crescimento do comércio com os povos da Europa, a técnica atingiu o ocidente e aí ganhou grande desenvolvimento e, principalmente, passou a ser amplamente utilizado na fabricação de ornamentos e objetos de arte. Na França, inicialmente, e depois na Inglaterra, a técnica do papel maché foi usada para preparar objetos decorativos como candelabros, ornamentos de tetos, portas jóias e bijuterias, Até mesmo biombos e divisórias na área da arquitetura, barcos leves, foram feitos de papel maché (idem). Na Itália, a ênfase maior se deu para o papel colado e os italianos dedicaram-se a fazer máscaras que deram origem as máscaras do carnaval de Veneza. Nos Estados Unidos foram construídas 10 casas de papel maché que duraram diversas décadas. Na Noruega, na cidade de Berghen, foi construída uma igreja que durou 37 anos em ótima condição e foi depois demolida (ibidem).
  15. 15. 14 CAPÍTULO III 3 AS OBRAS Partindo do pressuposto de que o corpo é um lugar privilegiado de representações culturais e históricas, e considerando que a representação de gênero é também sua construção (Lauretis), as formas femininas, juntamente com a técnica do relevo, foram eleitas para elaboração das obras, mulheres com corpos magros e alongados, sem intenção de perfeição. O trabalho em questão possui características híbridas, pois trabalha com formas em relevo utilizando o papel maché como material de modelagem, agregando ainda a plasticidade da tinta acrílica às obras. Pode-se dizer que esta mistura de elementos inclui a obra dentro da estética contemporânea, já que há uma busca pela originalidade e possui corrente artística que diferem entre si, mas que reagem à liberdade da técnica disseminada pela pintura de ação modernista (CAVALCANTI,1978, p. 311). O modernismo que começa no final do século XIX, início do século XX, e representa mudanças e rupturas culturais e estéticas que pretende cada um a sua maneira dar conta de um mundo em transformação, nos seus processos técnicos e valores expressivos, estão refletindo e traduzindo, com maior ou menor fidelidade, conforme o caos, as transformações que a industrialização trouxe a sociedade contemporânea, com suas imediatas e revolucionárias conseqüências da produção, do consumo e da comunicação em massa. Arte não mais entendida como ócio intelectual, recreação ou ornamento do espírito, nem privilégio ou monopólio de elites (idem). Tudo isso porque a criação, percepção e fruição dos valores estéticos perderam os processos e os conceitos consagrados pela tradição, vinham da mentalidade e da sensibilidade pré- máquina. Agora, nestes últimos anos, estão sendo os da mentalidade e sensibilidade da idade da eletricidade (ibidem). Através do estudo do movimento Modernista, encontrei características que contribuíram para minha obra, principalmente as figuras femininas retratadas pelo artista moderno Di Cavalcanti (ibidem).
  16. 16. 15 Di Cavalcanti é membro privilegiado nas categorias estabelecidas pela história e crítica da arte brasileira. Sua obra é comumente associada a representações de figuras femininas , como mulatas de corpos sensuais, curvilíneos e volumosos. No entanto, anteriormente a sua produção modernista, ele se interessou pela representação da mulher aos moldes do simbolismo decadentista: a mulher fatal. Sua produção gráfica é marcada pelo estilo e tema da art nouveau e, só após retornar de Paris em 1925, que a mulher figura em suas telas sob o discurso nacionalista figurativo dos modernistas (Costa, 2002: 142). Observando as obras de Di Cavalcanti, obtive influência para criação das personagens, pois ele retratava as mulheres dando a elas personalidade, característica presente na série desenvolvida, aonde as mulheres vão além das formas, elas tem histórias distintas dentro do contexto social. 3.1 O PROCESSO TÉCNICO As mulheres da série, foram modeladas em papel maché, material reciclável que requer muitas etapas para sua fabricação. Aonde usei aproximadamente duzentas caixas de ovos picadas, três baldes de cinco litros de cola, dois pacotes de farinha de trigo, seiscentos gramas de ácido bórico, e quatro litros de vinagre. O processo de produção é lento, pois o papel fica de molho junto à água e o vinagre, por aproximadamente uma semana, após o amolecimento do papel, ele é levado ao liquidificador com pouca água e batido, resultando na polpa que será coada para retirar o excesso de água. Com o papel pronto, serão adicionados, o trigo, ácido bórico, e a cola, sendo todos misturados e amassados para fazer uma massa homogênea pronta para ser modelada. A modelagem das formas femininas é feita sobre um suporte de compensado que será usado com fundo para as obras. Com as formas já modeladas, o tempo se secagem total, foi de aproximadamente quarenta e oito horas, depois de secas as formas adquirem resistência.
  17. 17. 16 Para que haja o tratamento de cores é necessário que o relevo receba uma demão de massa corrida, seja lixado, e logo após outra demão de tinta látex branco. Finalmente pronta para ser pintada, foi aplicada tinta acrílica de várias cores, dando as obras um aspecto plástico. 3.2 CONCEITOS DA OBRA A convivência constante com universo feminino, fez com que me apaixonasse por ele e descobrisse algum de seus mistérios, como o poder da mulher de apropriação de personagens . Elas podem ser várias, como podem ser apenas uma, no entanto a verdadeira personalidade fica contida dentro delas e só é exteriorizada quando ela está frágil. Há uma unicidade feminina, referente a seu sentimento, fertilidade, sensibilidade e intuição, no entanto, por mais que elas sejam de raça, cultura ou posição social distintas, estão diretamente ligadas. A partir da observação das atitudes femininas, decidi escolher a mulher como tema das obras, aonde estudei sobre seu processo histórico, como elas foram retratas pelos artistas, citadas em poesias e músicas, repudiadas através do preconceito e reverenciadas pela beleza e força. As formas femininas foram o ponto importante na produção dos relevos, pois foi através delas que expressei, a visão artística perante a estética feminina, sem preocupação com a perfeição, dando a elas formas magras e longas , caracterizando cada uma de acordo com sua história. Para cada personagem criei um nome, uma história de vida, e uma posição perante a sociedade. No entanto todas carregam consigo uma rosa, flor que simboliza o amor, o que representa o encontro das almas femininas. Foi através do relevo, técnica muito antiga, que desenvolvi o tema, apropriando-me da estética bi e tridimensional desta técnica, pois nas obras em questão o material escultórico se diferencia do material usado como fundo, o que na técnica original não acontecia, pois as formas e o fundo eram feitos da mesma matéria prima, geralmente bloco de pedra.
  18. 18. 17 Escolhi a massa de papel maché para modelar as formas, apesar de não dominar a técnica, procurei aprendê-la e consegui desenvolver com muito sucesso. O maché tem um processo de confecção muito trabalhoso, no entanto quando a massa esta pronta para ser modelada se torna um material de fácil manuseio, deste modo, facilitando a modelagem das formas , além disso este material tem a propriedade de fixação, o que contribuiu para a junção das formas ao suporte de compensado, dando unidade à obra. Os relevos são esculpidos parcialmente, assim podem-se ver as mulheres só de um ângulo, em algumas explorei a frontalidade, em outras o perfil, dando a impressão de que elas saem do suporte, no mesmo instante fazem parte dele, pois procurei trabalhar o fundo usando a pintura para compor o universo de cada uma. Na pintura explorei a plasticidade da tinta acrílica e foi a partir dela que dei vida às personagens na cor da pele, olhos, cabelos, roupas, maquiagem e ambiente em que elas se encontram. Finalmente consigo olhar para as personagens e imaginar em que mundo elas vivem, uma mistura de realidade e fantasia, pois o aspecto é de bonecas, mas alma é de verdadeiras mulheres. A série é composta de cinco personagens distintas, mas com a feminilidade em comum, seus nomes são: Mary, Consuelo, Flor, Caapotyraguá e Kohana. 3.3 MARIE Marie é Maria em francês, nasceu em paris no dia quatro de outubro de 1930, foi abandonada na rua pela mãe quando tinha apenas dois anos de idade, e encontrada por um homem de classe média, que a criou até os dezessete anos, depois disso teve que procurar trabalho para se sustentar o que era muito difícil pra mulher naquela época, foi quando uma senhora chamada Loreta, dona de um dos mais famosos bordéis da cidade, a acolheu lhe oferecendo trabalho de cortesã . Marie sem escolhas aceitou o emprego e começou a prostituir-se, no começo ficou extasiada pelo luxo das roupas e maquiagens , mas com o passar do tempo, aquela profissão se tornou insuportável para ela, tinha nojo dos homens, no entanto jogava
  19. 19. 18 charme para eles e os seduzia. Após sete anos trabalhando como profissional do sexo, Marie que bebia muito, se suicida e deixa um pequeno bilhete aonde dizia que o que ela mais sonhava era com o amor verdadeiro, e se matara porque sabia que ali nunca o encontraria. Na obra Marie esta encostada no bar do cabaré aonde trabalhava, usando sua gargantilha de rosa, com uma cigarrilha na mão a espera do último cliente da noite. Figura 1 – Marie (técnica: tinta acrílica sobre relevo Material: papel maché) Prostituta Marie: 1m e 22 cm X 40cm 3.4 CONSUELO Seu nome é de origem espanhola, e significa quem consola, nasceu em Mendonça na Argentina, no dia dois de maio de 1975. Consuelo teve uma vida estável, fazia parte de uma família classe média, estudou em boas escolas, e quando completou maioridade, quis estudar dança, foi quando seu pai interveio e a
  20. 20. 19 proibiu de realizar seu sonho, mas ela inconformada resolveu deixar a família e se mudar para Buenos Aires, onde conseguiu um emprego de garçonete e começou a estudar dança. Começou a dançar tango na feira de San Telmo, logo foi chamada para fazer shows nas melhores casas de espetáculos da cidade. Na obra Consuelo se entrega a dança, ela está em êxtase dançando um belo tango e carregando uma rosa na boca. Figura 2 – Consuelo (técnica: tinta acrílica sobre relevo Material: papel maché) Dançarina de tango consuelo: 1m e 22 cmX 60 3.5 FLOR Flor nasceu em Salvador na Bahia no dia quatro de novembro de 1968, tinha um elo muito forte com a arte e religião. Uma mãe de santo muito respeitada na região, por sua sabedoria religiosa. Celebrava os orixás em cerimônias em sua
  21. 21. 20 própria casa, que sucediam festas regadas a muita música, batuques e quitutes. Um misto de consagração da música e dos deuses afro-brasileiros. Na obra , Flor está vestida para uma celebração e carregando nos braços rosas vermelhas para jogar ao mar para deusa das águas, Iemanjá. Figura 3 – Flor (técnica: tinta acrílica sobre relevo Material: papel maché) Baiana: 1m e 22cmX 70cm 3.6 CAAPOTYRAGUÁ Seu nome é indígena de origem tupi, e significa “flor das matas”, Caapotyraguá nasceu na floresta amazônica, no dia 23 de abril de 1480. Mulher indígena que fazia parte do grupo dos tupis, vivia livremente em sua aldeia no meio da floresta, até a chegada dos Europeus às terras brasileiras. Era uma índia virgem que sonhava com o amor de um grande guerreiro indígena.
  22. 22. 21 Na obra Caapotyguará está de joelhos oferecendo ao sol, uma rosa desabrochada, em sinal de gratidão. Figura 4 – Caapotyguará (técnica: tinta acrílica sobre relevo Material: papel maché) Índia:1m e 22cmx 59cm 3.7 KOHANA Seu nome significa, pequena flor, Kohana nasceu em Kyoto, antiga capital japonesa, no dia 13 de maio de 1960, seu pai era um samurai, deste modo sempre viveu respeitando os costumes japoneses, casou-se com um também samurai e dedicou sua vida a cuidar da casa e dos filhos, sempre preservando sua beleza e feminilidade,usando maquiagem e vestes luxuosas. Na obra Kohana está vestida com seu traje de passeio, usa rosas no cabelo e na mão carrega um leque.
  23. 23. 22 Figura 5 – Kohana (técnica: tinta acrílica sobre relevo Material: papel maché) Japonesa: 1m e 22cmX 45cm
  24. 24. 23 CONSIDERAÇÕES FINAIS Ao desenvolver a série apresentada conclui, que o artista deve ousar sempre, pois é através de novas experimentações que aprimoramos e desenvolvemos o olhar artístico. Foi através do processo de experimentação e pesquisas que iniciei minhas criações, obtendo um resultado satisfatório. A partir de estudos sobre a mulher e seu comportamento, consegui expressar a facilidade da mulher em incorporar personagens, através da técnica de relevo com o papel maché. Com este trabalho pude adquirir novos conhecimentos, como da fabricação do papel maché, que juntamente com as demais técnicas que aprendi durante os quatro anos de faculdade realizei o trabalho, no qual eu mesma produzi o material escultórico, modelando e criando sua estética pictórica e deste modo descobrindo minha linha artística.
  25. 25. 24 REFERÊNCIAS ARTHUR, Michael. Arte Contemporânea. 1.ed. Rio de Janeiro: Martins Fontes, 2001. CARAMELLA, Elaine. História da Arte. 1.ed. São Paulo: Edusc,1998. CAVALCANTI, Carlos. História das Artes. 3.ed. Rio de Janeiro: Editora Rio, 1978. FREYRE, Gilberto. Casa Grande Senzala. 1.ed. São Paulo: Global, 2003. COMPANHIA DAS ARTES. Disponível em: <www.companhiadasartes.com.br> Acesso em 05 nov. 2006. COSTA, Maria Cristina. A Imagem da Mulher. 1.ed. Rio de Janeiro: Senac, 2002. OBRA PRIMA. Disponível em: <www.obraprima.net> Acesso em 12 nov. 2006. OLHAR VIRTUAL. Disponível em: <www.olharvirtual.ufrj.br> Acesso em 20 out. 2006. SOL, Vanessa. Mulher em Primeiro Lugar. 1. ed. Rio de Janeiro: Editora Rio, 2006. ZANINI, Walter. Tendências da Escultura Moderna. 2.ed. São Paulo: Brasiliense,1982. HAINES, Susanne. Papel maché . 1. ed. Barcelona: Editora Blume, 1992. BALMACEDO, Antonio. Dançando um tango. 1 ed. Buenos Aires: Editora Carra, 1998.

×