Informativo consciencia ampla - Nº 12

842 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
842
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Informativo consciencia ampla - Nº 12

  1. 1. ano 3 I maio • junho • julho 2012 I nº 12 R E V I S T A A sua revista Ampla sobre responsabilidade socioambientalForça femininaOficina para Mulheres: bate-papopara o consumo consciente eincentivo à mudança de hábitospágs. 8, 9 10 e 11União pela solidariedadeRede do Bem mobiliza colaboradores daEndesa Brasil para o trabalho voluntário – pág. 4
  2. 2. diálogo transparência“Consciência EcoAmpla: seu lixo vale desconto naconta de luz. Quero muito participar desta inicia- Ações quetiva junto com a Ampla.” (via blog)Wander fazem a diferença“Estou muito feliz por ter feito o curso de eletricis- Os projetos sociais da Ampla são muito bem avaliados por seus be-ta gratuito do Consciência Ampla Oportunidade, neficiários. As ações obtiveram nota média de 8,2 (em escala de 0que esteve em Angra dos Reis. Foi uma chance a 10) em uma pesquisa encomendada à Fundação Getúlio Vargasincrível. A ação chegou na hora certa, pois aqui (FGV), que entrevistou 1.202 clientes – entre participantes e não-temos poucas oportunidades.” (via blog) participantes de suas ações – na área de concessão da distribuidora.Ricardo Abreu Vale destacar, ainda, que a Ampla foi apontada por clientes em ge- ral como a melhor concessionária de serviços públicos, e que 68,3%“Parabéns pelo conteúdo e estrutura do blog.” dos ouvintes afirmam que a empresa se preocupa com questões(via blog) sociais. A avaliação teve como objetivos mensurar, a partir da per-Renato cepção dos clientes, o grau de satisfação com o fornecimento de energia; os hábitos de consumo consciente; o nível de confiança na“Somos parceiros na luta por um Brasil mais soli- empresa; e a visão sobre a imagem da Ampla em geral.dário.” (via blog)Antonio Carlos de Oliveira Veja outros resultados importantes:Escreva você também! Envie sua mensagem por e-mail para • 50,1% conhecem alguém que teve sua geladeira trocada pela Ampla; consciência@ampla.com, ou deixe seus comentários • 43,2% dos beneficiários atribuíram nota 10 aos programas sociais em nosso blog oficial. Por questão de espaço, os comentários podem ser resumidos. da concessionária. E outros 11,1% deram nota 9;Quer receber dicas sobre o consumo consciente, segurança, • 54% dos que participaram de alguma das ações sociais da Ampla direitos e deveres? Então, siga o Consciência Ampla em afirmam que passaram a ter hábitos de consumo mais conscientes; www.twitter.com/conscienciampla. • 91,3% dos beneficiários dos projetos passaram a usar lâmpadas Se preferir, envie uma carta para Rua Nilo Peçanha 546, econômicas; São Gonçalo, RJ CEP 24445-360, aos cuidados da Equipe de Projetos Socais da Ampla. • 7,8 é a nota média no quesito qualidade do fornecimento de energia; • Para 75,9% dos beneficiários e 62,4% dos não beneficiários, a Ampla investe na melhoria da qualidade de seus serviços. programe-se Por meio de atividades interativas, o ATIVIDADES DATA LOCAL Consciência Ampla Saber difunde, desde 2004, práticas de consumo consciente de Igreja Batista Bairro Almerinda, Palestra 26/7 São Gonçalo, Amendoeira energia entre as comunidades da área de concessão da Ampla. O público vem rece- bendo muito bem o projeto. Além de pro- Instituto Social Vida Saudável, Palestra 26/7 São Gonçalo, Trindade mover o conhecimento, a Ampla promove ações como a troca de lâmpadas incandes- centes por fluorescentes e a distribuição de Palestra 27/7 Niterói Acessível, Niterói brindes. O programa prevê também troca de geladeiras para participantes que reduzem o CRAS de São Gonçalo, Palestra 28/7 consumo de energia de sua residência. Con- São Gonçalo, Centro fira a agenda do Consciência Ampla Saber. 2 Papel reciclável de origem certificada
  3. 3. índice Fique por dentro ................................ 4 Caso de sucesso ................................ 5 Cara a cara ............................................ 6 Capa..................................................... 8 Em foco ............................................... 12 Especial ................................................ 14 Consciência digital ............................... 15 Dicas .................................................... 16 Divirta-se .............................................. 16 editorial Conexão com a sustentabilidadeRede social significa, segundo a Wikipedia, A técnica de enfermagem e moradora deuma estrutura composta por pessoas e orga- Duque de Caxias (RJ) dedica o tempo livre anizações que, conectadas, partilham valores e fortalecer a cultura do consumo conscienteobjetivos comuns. Em linha com a plataforma entre os moradores de sua comunidade.Consciência Ampla, nossa equipe de ProjetosSociais comprova nosso cuidado em fortalecer o O trabalho voluntário de Fábio Leite, enge-elo entre empresas e comunidades para a cria- nheiro eletricista da Coelce, é um exemplo deção de uma sociedade mais consciente e justa. amor ao próximo. Há seis anos, ele encanta crianças com shows de mágica. Saiba maisEsta edição traz como matéria de capa as ofi- sobre esta iniciativa exemplar no Cara a cara.cinas para mulheres e a rede de conhecimentocriada por elas, uma das atividades do projeto Por fim, Consciência digital mostra nossa presen-Consciência Ampla Saber, que orienta os mo- ça no mundo virtual. Nossas redes sociais con-radores de nossas áreas de concessão sobre quistam cada vez mais seguidores. Em março,práticas responsáveis de consumo. As mu- o blog e o Twitter registraram um dos maioreslheres têm um papel essencial para o suces- recordes de acesso. Na reportagem, conheçaso desta iniciativa. Atuantes na família e nas melhor nossos canais de relacionamento na in-comunidades, elas são formadoras de opinião, ternet. Queremos ampliar nossa rede virtual etornando-se multiplicadoras de conhecimen- você está convidado a fazer parte dela.to. Vale a pena ler sobre esse nobre trabalho. Boa leitura!Em Caso de sucesso, você vai conferir a ins-piradora história de Rosane da Cunha, parti- Você conhece acipante da atividade das Mulheres em Rede. Marcelo Llévenes versão on-line da revista Responsável pela Ampla Consciência Ampla? e pela Endesa Brasil Acesse www.job360.com.br/ Expediente conscienciaampla12 e Publicação trimestral da Ampla. Criação e Produção – Marketing Ampla: Denise Monteiro (Mb: 21.1407), Erika Millan, Patrícia Gismonti e Pryscilla Civelli • Projetos Sociais Ampla: Aladia Guerino, Cristiane Baena, Felipe Conti, Gislene Rodri- confira uma revista gues, Katia Ramos e Ricardo Bomfim • Colaboração – Comunicação Externa e Responsabilidade Social Ampla: Janaína com ainda mais Vilella, Ana Paula Caporal e Beatriz Stutzel • Reportagem: Ana Clara Werneck, Annie Nielsen, Carlos Vasconcellos, Letícia conteúdo para você! Mota, Lissandra Torres, Maíra Gonçalves e Sânia Motta • Coordenação Editorial: Maíra Gonçalves • Edição: Eliane Levy de Souza • Projeto Gráfico e Diagramação: Casa do Cliente Comunicação 360º • Revisão: Juliana Carvalho • Fotos: Andrea Cebukin, Adriano Cardozo, Antonio Pinheiro, Banco de Imagem Casa do Cliente e Humberto de Souza.Papel reciclável de origem certificada 3
  4. 4. fique por dentro A uniãoAssista ao vídeo de lançamentoda Rede do Bem no endereçoeletrônico www.job360.com.br/conscienciampla12. faz o bem Você gostaria de dedicar parte de seu tempo da Endesa Brasil já tinham iniciativas de vo- a uma atividade voluntária? Considera impor- luntariado. O que o programa fez foi reuni-las tante esse tipo de projeto? Foi a partir de per- em um único guarda-chuva para podermos guntas como essas que a Endesa Brasil, grupo aprimorá-las. A Rede do Bem vem para inte- do qual a Ampla faz parte, deu início à Rede grar o grupo, gerando uma energia positiva do Bem, programa de voluntariado corpo- e, consequentemente, aumentar a força de rativo que promove campanhas e ações nossos projetos nas comunidades”, afirma educativas, além de reformas em institui- Ana Paula Caporal, responsável pela área de ções sociais. Entre outubro e novembro Sustentabilidade da Endesa Brasil. de 2011, a holding realizou uma pesquisa com seus colaboradores, que identificou o Rede do Bem em ação interesse de 92% dos que responderam O primeiro mutirão da Rede do Bem aconteceu em participar como voluntários em proje- em 21 de março, mobilizando 153 voluntários tos sociais. A pesquisa também revelou que em cinco cidades de quatro estados do Brasil. 98,6% deles consideram importante a empre- Ao todo, foram beneficiadas 1.330 crianças e sa manter um programa com essa proposta. adolescentes das seguintes instituições: pela Ampla, Prátil, Endesa Brasil e Endesa Geração Para este ano, estão previstas mais duas ações (sede), a Associação Oficina de Vida (São Gon- simultâneas do programa, em agosto e em çalo, RJ); pela Coelce, a Creche-Escola Peque- dezembro. “Vamos angariar o maior núme- no Polegar (Fortaleza, CE); pela Endesa Cien, o ro de voluntários, formando uma corrente de Lar Escola Nossa Senhora Conquistadora (São colaboração. Para a Endesa Brasil, a Rede do Luiz Gonzaga, RS); pela Endesa Fortaleza, o Bem reforça a satisfação dos colaboradores e, Projeto Batista Semear (Caucaia, CE); e pela principalmente, estreita a nossa relação com Endesa Cachoeira, o Colégio Estadual Inácio as comunidades que estão em nossa área de Pinheiro Paes Leme (Cachoeira Dourada, GO). concessão”, ressalta Beatriz Stutzel, espe- cialista em Responsabilidade Social da Os voluntários participaram de diversas ativi- Endesa Brasil. dades, como reforma de telhados; pintura de paredes, portas e janelas; plantio de grama; O Comitê de Voluntariado decoração; encadernação de livros; recupera- Rede do Bem, respon- ção de calçadas; troca de lâmpadas; reparo de sável por organizar as ventiladores; manutenção hidráulica; melhoria iniciativas do progra- das instalações elétricas etc. E a educação não ma, foi apresentado ficou de fora: foram realizadas palestras do no dia 6 de março Consciência Ampla Saber no mutirão de São e conta com 37 in- Gonçalo (RJ) para pais, crianças e voluntários, tegrantes, de todas jogos educativos sobre meio ambiente no mu- as empresas da hol- tirão de São Luiz Gonzaga (RS) e narração de ding. “As empresas histórias na atividade da Coelce (CE). 4 Papel reciclável de origem certificada
  5. 5. caso de sucessoMultiplicando oportunidadesDisseminar conhecimentos e prestar serviços rentáveis”, destaca. A voluntária acrescentaao próximo são ações que fazem parte do co- que os encontros das Mulheres em Rede per-tidiano da técnica de enfermagem Rosane da mitem que as participantes mudem seu olharCunha, de 56 anos. Dedicada a trabalhos vo- para as suas respectivas comunidades. “Aluntários nas horas vagas, a moradora de Nova Ampla nos oferece um projeto com o intuitoCampina, em Duque de Caxias, foi uma das de melhorar nossa perspectiva de vida. Agar-escolhidas e é uma integrante típica das ativi- rei essa oportunidade e fico feliz por ser umadades das Mulheres em Rede (saiba mais sobre das escolhidas”.o projeto na matéria de capa). A iniciativa – quefaz parte da plataforma do Consciência Ampla Culinária em destaqueSaber – tem a proposta de oferecer orientação Antes de ser convidada para a iniciativa dassobre vários temas ligados à qualidade de vida Mulheres em Rede, Rosane marcou presençae questões socioambientais, inicialmente a no Cozinha Brasil, atividade realizada15 mulheres. Elas, por sua vez, atuam como em parceria com o Sesi, que tam-multiplicadoras do que aprendem em suas co- bém faz parte do Consciênciamunidades. As alunas identificam as principais Ampla Saber. “Aprendidemandas locais e, a partir daí, são preparadas muito sobre alimentos:em aulas, palestras e dinâmicas para repassar desde os valores nutri-o conteúdo dos treinamentos aos grupos re- cionais até que tudopresentados. pode ser aprovei- tado, inclusiveAs reuniões, que ocorrem uma vez ao mês algumas cascas,desde junho do ano passado, inspiram Rosa- passando pelane. Moradora de uma comunidade carente, conser vação.a técnica de enfermagem repassa o conhe- Participei docimento adquirido e novas oportunidades projeto no anopara a vizinhança. “Quero oferecer aulas de passado e foiartesanato, culinária e reciclagem para outras importantemulheres. Todas essas atividades requerem o para o meu cres-uso da criatividade e podem gerar fonte de cimento”, diz.renda”, explica. A técnica de enfer- Rosane da CunhaAlém disso, Rosane pretende promover pales- magem conta quetras para jovens, a fim de alertá-las sobre os não pensa em pararriscos da gravidez na adolescência e sensibili- por aí: “Sinto como sezá-las sobre a importância dos estudos. “É um meus sonhos estivessemprojeto com passos de formiguinha, mas que sendo realizados pouco a pou-vai servir para preparar os jovens e guiá-los no co com esse trabalho social. Todofuturo. Precisamos mostrar para nossos gru- ser humano é importante para o uni-pos as formas de se prevenir a gravidez e do- verso, e, se utilizarmos isso para o bem, co-enças sexuais, além de promover atividades lheremos energia positiva”, finaliza.Papel reciclável de origem certificada 5
  6. 6. cara a cara Fábio Leite A magia da solidariedade O engenheiro eletricista Fábio Leite divide seu tempo entre o trabalho na Coelce, onde é especialista de Manutenção em Subestações e Linhas, e shows de mágica voluntários, que faz há seis anos. Por seu entusiasmo contagiante em ajudar o próximo – em especial crian- ças, por quem tem carinho especial –, Fábio foi escolhido para representar a distribuidora cearense no vídeo de divulgação da Rede do Bem, projeto de voluntariado corporativo da Endesa que existe desde março. Além dele, estrelaram a gravação Aparecida Maria, da Endesa Cachoeira, e Alcir de Castro, da Ampla, que também são verdadeiras fontes de ‘A mágica e o inspiração para os colaboradores que querem se engajar neste tipo de ação. voluntariado O trabalho voluntário, que surgiu por acaso em sua vida, já tomou conta do tempo livreentraram de vez na de Fábio e de sua família, que participa ativamente das apresentações. “Fico satisfeito minha vida. Com de ver que posso fazer algo por outras pessoas. Enquanto estou doando meu tempo, eles, aprendi que esqueço dos problemas. O voluntariado lava a alma.” Nesta entrevista, Fábio fala sobre tudo tem solução’ este belo projeto de vida. Fábio Leite Como começou sua atuação como voluntário? coisa. O importante é o carinho que estávamos Fábio Leite – Em 2005, fazia pa de um gru- parte doando para aquelas crianças. Isso me tocou, m po de amigos formado por mágicos amado- foi como se tivesse tomado uma vacina. Apesar no res. Queríamos aperfeiçoar nossos truques e do início desastrado, continuei com os shows e, interes pensamos que seria interessante começar quando vi, tinha até me desligado um pouco da v a fazer shows. Mas logo veio a questão: mágica em si. Passei a não me preocupar tanto s como cobrar ingressos, se éramos ape- com o truque perfeito, e comecei a pensar mais nas iniciantes? Foi aí que um dos cole- em formas de interagir com o público. Em uma gas deu a solução: fazer apresentações apresentação voluntária, não dá para fazer um auxilia voluntárias para auxiliar nosso treina- show de mágica clássico, só com uma música de no mento. Nossa estreia nos palcos foi no fundo e os truques. A participação do público é m Dia das Crianças do mesmo ano, no um elemento fundamental. Fortale Lar de Jesus, em Fortaleza, que cuida c de crianças órfãs e com câncer. Você só faz shows para crianças? F. L. – Comecei com esse público, mas, de Como foi a apresentação? dois anos para cá, passei a me apresentar F. L. – Erramos todos os truques que para idosos também. São pessoas muitas p ensaiamos. Mas, para minha sur- vezes abandonadas pela família, que se crianç presa, as crianças gostaram do sentem sozinhas, ficam carentes. Descobri show. Na hora em que perce- que, para elas, os shows pedem algumas bi isso, pens poderíamos pensei: especificidades. Depois da mágica, em vez ves estar ali vestidos de palha- de desligar a música e ir conversar com eles conta ço, contando piada ou – como faço com as crianças –, boto forró fazendo qualquer outra para tocar. Eles adoram. 6 Papel reciclável de origem certificada
  7. 7. Fábio Leite atua no mutirão da Coelce, em marçoSua família o apoia? posso, convidoF. L. – Completamente. Geralmente, levo mi- as pessoas quenha mulher, Fabíola, e meu filho, Gabriel, de conheço para7 anos, aos shows. Gosto que ele veja outras fazer trabalhos vo-crianças, saiba como é a vida delas, interaja, luntários também.conheça novas pessoas, saiba da importância Mas digo que nunca sede ajudar o próximo. Ele é pequeno, mas já está preparado para isso,entende as coisas. O apoio de Fabíola é muito como eu também não esta-importante. Uma vez, um grupo católico cha- va quando comecei. É sempremou a mim e a um amigo para fazermos um uma surpresa, e essa é a melhor parte.show no Natal, com 500 crianças de comuni- Há um ganho importante para quem ajuda,dades carentes reunidas em um auditório. Na uma felicidade por estar fazendo o outro feliz.véspera, meu colega passou mal e não pôde O riso contagia. Enquanto estou doando meuir. Na hora pensei em desistir, pois ele é que tempo, esqueço dos problemas. O voluntariadotinha o maior número de mágicas. Como eu lava a alma, cria uma rede de trocas.iria entreter tantas crianças só com os truquesque sabia? Na hora, minha mulher me olhou Essa é a proposta da Rede do Bem, não é?e disse: “Você tem um compromisso, agora F. L. – A ideia do projeto é muito boa: é atem que ir. Se você não sabe muitas mágicas, empresa levando o colaborador a fazer algodeixe a mágica para lá. Faça palhaçada, brin- que vai aumentar sua própria satisfação. Cer-que com as crianças”. Ela tinha razão. Fui, e a tamente os funcionários que participam daapresentação foi maravilhosa. Aprendi muito iniciativa vão agradecer à Endesa por lhesneste dia. Aliás, todos os dias aprendo algo proporcionar essa experiência. No mutirãocom o trabalho voluntário. organizado em março, fiz um show de má- gica e me surpreendi em tarefas que nuncaO que, por exemplo? tinha feito no meu dia a dia, como lixar eF. L. - O principal aprendizado é que não de- pintar o portão da Creche-Escola Pequeno ‘O voluntariado lavavemos desistir jamais. Às vezes, uma crian- Polegar, onde passamos o dia. Outro ponto a alma, cria umaça está muito doente, mas milagrosamente interessante é o relacionamento com os ou- rede de trocas’consegue se recuperar. Quando tenho um tros colaboradores. Estou na Coelce há 14problema em minha vida, penso nisso e ga- anos, mas tive o primeiro contato com mui- Fábio Leitenho forças. A mágica também me ajudou a tos colegas no dia do mutirão. Tem outroter determinação. Quando comecei, queria evento programado para agosto, mas estouaprender os truques de uma hora para outra. combinando com a equipe de Sustentabilida-Mas, com o tempo, aprendi que pode levar de de fazermos ações extras – em hospitais,um ano para aprender a fazer um único mo- por exemplo. Depois de participar do primei-vimento com perfeição. A mágica e o volun- ro mutirão, vários voluntários vieram dizertariado entraram de vez na minha vida. Com que tinham adorado, queriam repetir a dose.eles, aprendi que tudo tem solução. Muita gente quer ajudar e não sabe como. O interessante é que o voluntário não precisaVocê se considera uma fonte de inspiração necessariamente ter algum talento. Em geral,para outras pessoas? qualquer ajuda é bem-vinda. Doar cinco mi-F. L. – Não acho que seja exatamente isso. nutos de seu tempo para ouvir alguém já éCreio que faço a minha parte. Sempre que trabalho voluntário.Papel reciclável de origem certificada 7
  8. 8. capa Moradoras reunidas na Oficina para Mulheres em São Gonçalo O lixo do bem Mulheres como mobilizadoras sociais Em quase dez anos de história, o Consciência consciente; aulas sobre pequenos reparos na Ampla Saber coleciona muitos resultados po- instalação elétrica residencial; e noções para a sitivos. Por meio de atividades interativas, o boa administração do orçamento doméstico. projeto leva conhecimento e orientação sobre práticas de consumo consciente de energia Cristiane Baena, coordenadora do projeto, para as comunidades das áreas de concessão explica o papel de cada mulher na iniciativa. da Ampla. E sabe quem desempenha um pa- “Queremos repensar o consumo de energia. pel especial para esse sucesso? As mulheres. Para isso, precisamos centralizar nossas ati- Cada vez mais atuantes na sociedade, elas são vidades em quem tem poder de decisão e ‘As mulheres são formadoras de opinião e referências da pró- inspira as pessoas no lar. Nada melhor do “catalisadoras” de pria família. Por isso, a Ampla as reconhece que começar a conversa com as mulheres, como multiplicadoras do Ampla Saber. que, nesse contexto, são ‘catalisadoras’ de mudanças. Quando mudanças. Quando elas se conscientizamelas se conscientizam Criada especialmente para o público feminino, e compartilham conhecimento, se tornam e compartilham a Oficina para Mulheres é uma das principais capazes de estimular o senso de responsa- ações do Ampla Saber. Com o apoio das li- bilidade”, ressalta. E acrescenta: “Queremos conhecimento, se deranças comunitárias, o projeto consiste em fazer com que elas despertem e se empe- tornam capazes de encontros promovidos pela concessionária nas nhem para diminuir o consumo dentro das estimular o senso de regiões em que atua. Nos eventos, são reali- residências. Para isso, precisamos incentivá- responsabilidade’ zadas atividades interativas e palestras sobre las a criar uma cultura de economia. Assim, Cristiane Baena direitos e deveres do consumidor; ética e ci- levaremos as famílias a adaptarem seus gas- dadania; educação ambiental; riscos decorren- tos, não só com relação à energia, como tes do furto de energia; dicas sobre consumo também ao orçamento doméstico”. 8 Papel reciclável de origem certificada
  9. 9. Apoio à comunidadeAs lideranças comunitárias têm papel impor- entre outros. O curso detante na Oficina para Mulheres: são respon- empreendedorismo, comsáveis por divulgar os projetos nas regiões de apoio do Sebrae (Serviçoatuação da Ampla. Atualmente, as iniciativas Brasileiro de Apoio às Microcontemplam os municípios de São Gonçalo, e Pequenas Empresas), tam-Magé, Duque de Caxias, Itaboraí, Búzios, bém é um sucesso. Na últi-Campos e Macaé. Ao ser escolhida pela equi- ma turma, não houve evasãope do programa, a instituição – previamente e todos os participantes gos-cadastrada na concessionária pela liderança taram muito da experiência”,comunitária – convida os moradores para comemora.participar das atividades, que ocorrem emdois dias. No primeiro, os convidados rece- Emília considera a parceria com abem orientações sobre direitos e deveres do Ampla essencial para a sobrevivênciaconsumidor, cidadania e meio ambiente. No da ONG. “Conto com a distribuidora hásegundo encontro, falamos sobre dicas deconsumo consciente de energia, com base namaquete do Programa Nacional de EnergiaElétrica (Procel) e no orçamento familiar. Nes-te último, um modelo de planilha orçamen-tária é construído em conjunto com as par-ticipantes. “Todo o trabalho é iniciado comdinâmicas. Esse recurso é importante, poisalém de descontrair os presentes, reforçao sentimento de confiança e cria umclima amistoso”, destaca Cristiane.No dia 13 de abril, São Gonçalo re-cebeu a Oficina para Mulheres. AONG Entidade de Formação Co-munitária (Enfoco) abriu as por-tas para os moradores da região.Pela terceira vez, o projeto este-ve na comunidade Nossa Se-nhora das Graças, no centro domunicípio. De acordo com Emí-lia Cândido, diretora da ONG,a instituição oferece diferentesatividades para o público de SãoGonçalo. “Disponibilizamos o pro-grama de Ensino de Jovens e Adoles-centes (EJA), com cursos de capacitaçãopara as funções de barman, garçom e demarceneiro, além do Cozinha Alternativa –que habilita os interessados em culinária a de-sempenharem o trabalho profissionalmente –,Papel reciclável de origem certificada 9
  10. 10. três anos, e esse apoio é fundamental para o bom desempenho de nossas atividades, desde os programas de troca de geladeiras e lâmpadas às reuniões de educação para o consumo consciente. O programa Oficina para Mulheres tem sido muito bem aceito e desperta cada vez mais interesse no pú- blico feminino. Com os anos, o número de participantes só aumenta. Hoje, atendemos até homens, que também gostam muito de nossos encontros”, revela. E completa: “Per- cebo a diferença nas mulheres que compa- recem aos eventos. Quem tem chance de compreender as mensagens passadas duran- te as visitas da Ampla fica mais consciente e muda seus hábitos.” Segundo a diretora, a presença das Mulheres Empreendedoras no encontro – grupo que produz artesanato – é prova de que o trabalho da ONG dá certo e de que os moradores locais estão mudando sua mentalidade. Moradora de São Gonçalo, Maria Aparecida Bernardo foi ao último evento da Enfoco. Ela destaca que assimila muitos conhecimentos sobre o consumo de energia. “Aprendemos a ligar alguns aparelhos elétricos mais moder- nos e tentamos mudar nossos hábitos, como o de deixar a geladeira aberta por muito tempo e sair dos cômodos sem apagar a luz. Troquei as lâmpadas de minha casa porque a Ampla nos presenteou com a substituição da fiação”, conta. Emília, por sua vez, ressal- ta que deseja contribuir para transformar o bairro de Nossa Senhora das Graças. “Quero que as pessoas mudem, fiquem mais conscientes e consumam de for- ma eficiente. A Ampla ensina a di- minuir o gasto de energia. Agora, conscientizados, temos de fazer nossa parte. Acredito que todos os participantes das oficinas estejam mudando suas atitu- des”, observa.10
  11. 11. Uma rede sem fim A experiência com a Oficina para Mulheres vem dando tão certo que a Ampla expandiu sua atuação e lançou a Mulheres em Rede, atividade que tem o objetivo de conhecer de perto os desejos da comuni- dade de Parada Morabi, a partir de um grupo de 12 participantes. Cristiane explica seu funcionamento: 12 mulheres – que já participaram da Oficina para Mulheres e se destacaram por demonstrar capa- cidade de mobilização e coesão, além de espírito de liderança – são previamente selecionadas como amostra dos anseios mais específicos da localidade, não apenas em relação à empresa, como também à vida, à família e ao trabalho. A partir daí, duas profissionais da Ampla organizam encontros mensais. Estas reuniões são fundamentais para estabelecer uma relação de confiança. Assim, a troca torna-se recíproca. As mulheres levam suas demandas e compartilham opiniões importantes de sua comunida- de. A empresa, por sua vez, orienta, escuta e acaba por compreender, ainda mais, o seu consumidor final – a pessoa que confia e acredita no trabalho da empresa. “Isso permite que a distribuidora adapte suas ações e programas para melhor atender à população de suas áreas de concessão. O bairro Parada Morabi, no município de Duque de Caxias, já recebeu a Mulheres em Rede. Cerca de 12 participantes, com idade entre 30 e 65 anos, compartilham suas experiências e vivências, realizando, com isso, um diagnóstico mais preciso das maiores carências e potencialidades da localidade. Essa análise funciona como um termômetro para a equipe de Projetos Sociais medir a efetividade das ações e permite que a empresa adéque seus serviços às aspirações dos clientes”, finaliza Cristiane Baena.Papel reciclável de origem certificada 11
  12. 12. em foco Energia, diversão e cultura para todos Uma festa de arromba, para ninguém bo- mestre de cerimônias Angelo B – vocalista do Rio tar defeito. Esta é a melhor definição do Maracatu e baixista, cantor e compositor da ban- Consciência Ampla Cultural: O Brasil que você da Blindado –, a plateia foi convidada a participar Consciência Ampla Cultural ainda não conhece, festival patrocinado pela de um bate-papo sobre cultura com o cantor e em Araruama Ampla, na Casa de Cultura e no Teatro Mu- compositor Monarco, um dos mais consagrados nicipal de Araruama, entre os dias 8 e 11 de sambistas do país. No sábado, terceiro dia do fes- março. Mais de 4 mil pessoas participaram do tival, a animação foi garantida com um show de evento, que teve como objetivo levar ao públi- voz e violão do cantor Toni Garrido. co da cidade e arredores costumes e tradições de cada região brasileira. Foram apresenta- “A chegada do projeto a Araruama trouxe cul- dos ritos, lendas e ritmos que ajudaram a tura e alegria”, destacou o secretário munici- formar o país como vemos hoje. Tudo pal de Cultura, Ricardo Adriano. Havia opções com entrada franca. “Queríamos de entretenimento para todos os gostos e ida- apresentar, principalmente às crian- des. O grupo Cazumbaque, formado por dan- ças, a origem do folclore e das ma- çarinos, cantores e percussionistas, apresentou nifestações culturais de cada canto ritmos e danças como o maracatu, coco de do Brasil”, explica Beatriz Stutzel, roda, jongo, samba de roda e bumba meu boi. especialista em Responsabilidade Como atração extra, crianças de 27 escolas da Social da Ampla. rede municipal exibiram números folclóricos. Ao longo dos quatro dias do No campo das letras, o destaque ficou por Consciência Ampla Cultural, o pú- conta da literatura de cordel. Professores e blico pôde conferir diversas manifes- monitores introduziam o público nesse uni- tações culturais por meio de espetáculos verso mágico por meio de palestras e expo- de dança e música, oficinas e exposições. sições. Quem quisesse podia até se aventu- Na noite de abertura, sob o comando do rar a produzir um poema do gênero. Para conquistar as crianças, os organizadores do evento trouxeram o grupo O Baú que Canta e Encanta. A equipe narrou lendas e fábulas do folclore brasilei- ro, embaladas12
  13. 13. Uma ideia que deu certo O Consciência Ampla Cultural integra a plataforma social Consciência Ampla desde 2008. Mais de 20 mil pessoas foram be- neficiadas pela iniciativa em 2011. (Veja os números de contempla-por música e esquetes teatrais. Outra grande dos pelo programa desde 2008 no boxe abaixo) Para este ano, estãoatração voltada para a garotada foi a apresen- previstos pelo menos mais dois encontros em um dos municípiostação do palhaço Topetão e sua trupe, com atendidos pela concessionária. “O evento deixa um legado, umanúmeros de malabarismo, acrobacia e, claro, mensagem para a comunidade. Quando levamos cultura e educa-muita palhaçada. ção para a população, divulgamos nossa marca, estreitamos o rela- cionamento com os clientes e cumprimos nosso papel de empresaNas oficinas de danças típicas, música e pin- socialmente responsável”, afirma Beatriz.tura, o público deu vazão a seu lado artístico.Com o intuito de mostrar que criatividade e CONSCIÊNCIA AMPLA CULTURALconsumo consciente podem caminhar juntos, ano número de municípiostambém foi oferecida uma oficina de produção beneficiadosde brinquedos a partir de material reciclado. Angra 2008 43.500 Petrópolis CamposPara estimular o consumo consciente, pro- Itaboraí 2009 37.600 Angrafissionais da Ampla instalaram uma maquete Angraresidencial que simulava o gasto com eletrici- 2010 49.129 São Gonçalodade em uma casa. Por meio desse recurso, Teresópoliseles mostravam os eletrodomésti- 2011 22.000 Petrópolis Camposcos que mais oneram o or-çamento doméstico e in-dicavam como evitardesperdícios. Paracomplementar,palestras, deba-tes e folhetosorientaramsobre o usoracional deenergia. 13
  14. 14. especialAssista a um vídeo sobre oCultura na Rua no endereçoeletrônico www.job360.com.br/conscienciampla12. Teatro consciente Toda a originalidade do teatro de rua como uma poderosa aliada na sensibilização para estimular os clientes da Ampla dos clientes sobre a sua importância. “Utili- a adotarem uma vida mais saudável zando o apelo popular do teatro de rua e de e sustentável. Com este apelo, sur- outras manifestações culturais importantes giu, em novembro de 2011, o proje- do nosso país, estreitamos nosso relaciona- to “Cultura na Rua – dicas de um dia mento com o público e disseminamos dicas consciente”. Em parceria com a Se- para o uso eficiente e seguro da energia, da cretaria de Estado de Cultura do Rio de água e de outros recursos naturais, além de Janeiro e com a agência Biruta Ideias Mi- incentivarmos a reciclagem do lixo e outras rabolantes, a distribuidora de energia levou práticas sustentáveis”, declara Denise. a praças e escolas públicas de São Gonçalo, Itaboraí, Maricá, Niterói e Rio Bonito esquetes A plateia também tem seu momento estrela teatrais divertidos, inspirados em cenas do no Cultura na Rua, já que interage com a trupe cotidiano familiar, para demonstrar que teatral em um quiz de perguntas e respostas, é possível utilizar os recursos naturais feito ao final de cada apresentação, de forma – e consumir em geral – sem desper- bem descontraída e valendo prêmios. Assim, dício e de forma segura. cada espectador também pode revelar o artista que tem dentro de si. “Entre público direto e Denise Monteiro, especialista em indireto, cerca de 25 mil clientes da Ampla já Marketing da Ampla e coorde- prestigiaram a iniciativa e, a partir de outubro nadora do projeto, explica que a deste ano, ganharemos mais uma vez as ruas Ampla tem o consumo consciente para levar nossa mensagem de sustentabilidade como bandeira e vê a cultura brasileira e a arte do nosso país”, conclui Denise. 14 Papel reciclável de origem certificada
  15. 15. consciência digital Ampla na Rio+20 Entre os dias 13 e 22 de junho aconteceu, no Riocentro, a Rio+20 – Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável. Estiveram presentes os líderes dos 193 estados-membros da ONU e mi- lhares de representantes de outros setores da sociedade civil. Na mesma época, o Rio de Janeiro também recebeu diversosRedes da eventos paralelos, como a Cúpula dos Po- vos (15 a 23 de junho, no Aterro do Fla-sustentabilidade mengo), o Pacto Global das Nações Uni- das (18 a 15 de junho, no Hotel WindsorAs redes sociais do Consciência Ampla são, hoje, referência no Rio de Janeiro, no Barra) e o Diálogos do DesenvolvimentoBrasil e começam a ganhar seguidores pelo mundo. O sucesso foi confirmado em Sustentável (16 a 19 de junho, no Riocen-março, mês em que o blog e o Twitter do programa obtiveram uns dos maiores nú- tro). Deste último, foi possível participarmeros de acesso. “Temos internautas de vários países. Eles procuram nossos canais através do site www.riodialogues.org.de relacionamento para fazer sugestões, tirar dúvidas e pesquisar sobre diversos te-mas voltados à sustentabilidade. Além disso, aprendem como participar das ações A Ampla marcou presença na Rio+20 fa-do Consciência Ampla e como levá-los para sua cidade”, conta Bárbara Miranda, zendo a cobertura do evento. Se vocêanalista de Projetos Sociais da Ampla. tem interesse em sustentabilidade e quer saber tudo o que aconteceu nes-Com a grande repercussão nas mídias digitais, o Consciência Ampla cresce cada vez sa conferência internacional, fique demais. “Por meio das redes, divulgamos nossas ações e nossos objetivos para todo o olho no blog do Consciência Ampla:mundo e conseguimos identificar as necessidades das comunidades”, destaca Erika Mi- www.conscienciaampla.com.br.lan, especialista em Marketing. Bárbara acrescenta: “Nossa principal estratégia é estar Confira o que rolou na Rio+20 noem dia com o que acontece para falarmos de assuntos sempre inovadores. Pensamos endereço eletrônico www.job360.com.br/ conscienciampla12.globalmente para agirmos pontualmente”.Papel reciclável de origem certificada 15
  16. 16. dicas ‘Puxadinho’ com segurança • Solicite permissão da prefeitura para iniciar a Para resolver o problema da falta de obra. Antes de liberar qualquer reforma ou acrés- espaço, muitas famílias recorrem cimo num imóvel, o órgão enviará um fiscal para ao ‘puxadinho’ – cômodo ver se o serviço está dentro dos conformes. Ou extra, muitas vezes feito seja, se o imóvel respeita os limites da área do vi- sem preocupação com zinho e da rua, se as redes sanitárias estão dentro acabamento estético. do padrão etc. Se tudo estiver perfeito, a constru- O anexo aumenta o ção será autorizada; tamanho da casa sem uma grande reforma. • Contrate um profissional especializado. A retira- No entanto, essa so- da ou criação de paredes, abertura ou fechamen- lução pode acarretar to de vãos e deslocamento de instalações podem problemas elétricos, interferir na estrutura; incluindo choques, caso não obedeça aos • Fique atento à distância para as redes de tensão. padrões de segurança. Para fachadas de casas e prédios sem janelas, o Confira nossas dicas e espaço mínimo para as redes de tensão é de 1 me- afaste qualquer risco. tro. No caso de fachadas com janelas ou lajes com acesso para circulação, a distância deve ser de 1,5 metro (alta tensão) e 1,20 metro (baixa tensão); • Para realizar pintura ou reforma numa fachada, solicite um projeto especial para afastar a rede e/ou isolar os cabos. A medida será necessária caso a escada ou andaime fique a menos de 1,5 metro de distância da rede de tensão. O serviço divirta-se é pago, mas garante segurança aos moradores.www.coquetel.com.br © Revistas Coquetel Conjunto formado A chuva causada pela presença Estrutura (?) sanitário: antes de receber lixo, tem o por fatores bióticos de gases, principalmente ácidos que sofre terreno previamente preparado e selado (animais, plantas e de enxofre e nitrogênio a osteo- para não haver contaminação do solo e, bactérias) e abióti- Produzir som porose consequentemente, dos lençóis freáticoscos (água,sol, vento, Ari To- solo etc.) Recursos(?): águas S ledo, hu- morista superficiais ou sub- A ti (Gram.)terrâneas disponíveis Usina de Brasil e Que para qualquer tipo pertence de uso Insulano Paraguai a você Estado Substân- D brasileiro cuja sigla é AC cia anes- tésica R Tomba Cássia (?), (?)-shirt, Protocolo cantoraConsciên- modelo decia Ampla que visa Sílaba de(?): conta camiseta estabilizar "quase" com a a concen-presença Afasta-se tração I R I R A L L T UC U de gran- dos gases Alumínio do efeito E E A U A P Edes nomes (símbolo) Sda música, estufa O T O O I Q U S AI Hda litera- Editores (abrev.) D. Pedro L Qualquer E R L L E A T L tura e do Letra que o (?), im- U cinema pedaço de Cebolinha fala em perador R I C O S D R IH I Ç madeira vez do "r" do Brasil R E C A A S I A Ã T I S TE E C OS S A energia que O A A M U provém do vento O A Diverte-se no show de humor 4/acre — éter — osso. 5/ilhéu. 6/itaipu. 8/cultural.BANCO 16 Papel reciclável de origem certificada

×