Mobilidade e processos deensinoaprendizagem no usode celulares, notebooks etablets - fase 2  Alice Maria Figueira Reis da ...
Estudos culturais no/do cotidianoPara Alves (2003), se faz necessário a ampliação do nosso  entendimento a respeito de alg...
Compreender o cotidiano em suarelação com a culturaA segunda questão, que vai sendo respondida de modo diferente ao   domi...
Aonde você aprende?
Tecnologias e Artefatos CulturaisSegundo Alves (2008), a tecnologia, tal como compreendo, são os usos que os seres humanos...
Artefatos culturais comohipermídias                    Hipermídias       significa      "a                       intergraç...
Como você aprende?
Indícios da aprendizagem móvel•   Cursos na modalidade de Educação a Distância (EAD);•   livros digitais em formato pdf. -...
(Co)autoria na relação professor-aluno            Canal: VdeOliveiras      http://www.youtube.com/watch?v=ZP51VxHGEOI
Imagens que mapeiam a cidade sob na perspectivados alunos da Escola Municipal Adalgisa MonteiroNa escola em que trabalho n...
Cartografia colaborativa  Cultura visual arquitetônica - a imagem e suasrepresentações da cidadeCultura visual arquitetôni...
Repositórios virtuaisPrecisamospensar a EADpara além doautodidatismo.
Adolescentes em autoregistro naescola              http://www.facebook.com/AdolecentesNaEscola
Professora denunciaacontecimentos na escola
O uso do Diário de Classe paranarrar a realidade escolar
Acontecimentos Glocais
Publicações científicas online
Definição de REAsA UNESCO (2011) Recursos Educacionais  Abertos (REAs) são:"materiais de ensino e pesquisa em qualquer sup...
REAs para professores
Questões em aberto•   O que as escolas tem feito com os    dispositivos móveis?•   Como os jovens tem produzido e publicad...
ReferênciasALVES, Nilda. Cultura e Cotidiano Escolar. Revista Brasileira de de Educação. Nº 23, 2003.   Disponível em: <ht...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Mobilidade e processos de ensinoaprendizagem fase 2

615 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
615
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
104
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Mobilidade e processos de ensinoaprendizagem fase 2

  1. 1. Mobilidade e processos deensinoaprendizagem no usode celulares, notebooks etablets - fase 2 Alice Maria Figueira Reis da Costa (Pedagoga, Professora dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental da SME/Rio; Especialistaem Educação Especial da Faetec/RJ, Orientadora Acadêmica do Centro Universitário AugustoMota (UNISUAM) nos cursos de Pós Graduação em Educação e Professora-pesquisadoravoluntária do GPDOC/UERJ. E-mail: alicemaria.costa@yahoo.com.br
  2. 2. Estudos culturais no/do cotidianoPara Alves (2003), se faz necessário a ampliação do nosso entendimento a respeito de alguns processos sociais que foram negligenciados pelo fazer científico, na modernidade.Entre esses processos está a necessária compreensão do sentido mesmo de processo (Foester,1998), já que a ciência moderna se “construiu” aplicando a visão dicotomizada da relação entre sujeito e objeto, indicando ser possível estudar um objeto, em si, sem a compreensão dos múltiplos processos em que está inserido e, em especial, sem considerar o contexto formado por essa relação e como cada termo é profundamente influenciado pelo outro. (Meus grifos)http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n23/n23a04.pdf
  3. 3. Compreender o cotidiano em suarelação com a culturaA segunda questão, que vai sendo respondida de modo diferente ao dominante pelo desenvolvimento desses estudos no/do cotidiano, tem a ver com o questionamento dos métodos usados pela ciência moderna, que, para se “construir”, exigiu que se entendesse os conhecimentos cotidianos como sem valor para o que era preciso fazer e criar naquele então. Isto leva a que se passe a entender que tudo (de métodos a conceitos, chegando às verdades produzidas) o que foi criado pela ciência moderna são limites à compreensão dos contextos a serem analisados e compreendidos, com as culturas e os conhecimentos aí criados, o que vem obrigando a um árduo trabalho de tessitura teórico- epistemológico-metodológica para compreender o cotidiano em sua relação com a cultura ou, melhor dizendo, a criação de acontecimentos culturais nos cotidianos em que vivemos e nos educamos (ALVES, 2003). (Meus grifos)
  4. 4. Aonde você aprende?
  5. 5. Tecnologias e Artefatos CulturaisSegundo Alves (2008), a tecnologia, tal como compreendo, são os usos que os seres humanos fazem dos artefatos culturais. E artefatos culturais são tudo o que você possa imaginar que a imaginação humana já criou e existe por aí, quer dizer, de ideologias a um aparelho de televisão.Disponível em: <http://www.tvbrasil.org.br/saltoparaofuturo/entrevista.asp?cod_Entrevista= 54>
  6. 6. Artefatos culturais comohipermídias Hipermídias significa "a intergração sem suturas de dados, textos, imagens de todas as espécies e sons dentro de um único ambiente de informação digital (FELDMAN, 1995 apud SANTAELLA, 2008).
  7. 7. Como você aprende?
  8. 8. Indícios da aprendizagem móvel• Cursos na modalidade de Educação a Distância (EAD);• livros digitais em formato pdf. - lógica da virada de tela;• Programa Um Computador por Aluno (PROUCA);• usos de tablets na educação, em especial no ensino superior;• aulas pelo celular;• escrita colaborativa (Wiki) em diferentes interfaces, a exemplo do Google Docs, Wikispace, MOOCs, Wikipedia etc.• mapeamento das informações pelas redes sociais da internet (Twitter, Facebook, Orkut, Diigo, Google + entre outros) utilizando ou não hashtag, inclusive com registros de imagens, vídeos em tempo real.
  9. 9. (Co)autoria na relação professor-aluno Canal: VdeOliveiras http://www.youtube.com/watch?v=ZP51VxHGEOI
  10. 10. Imagens que mapeiam a cidade sob na perspectivados alunos da Escola Municipal Adalgisa MonteiroNa escola em que trabalho no município do Rio realizamos uma Gincana Ecológica no final do ano 2011 que nos trouxe um retrato do bairro sob na perspectiva dos alunos. Esses registros iconográficos foram discutidos nas aulas provocando uma reflexão sobre o nosso meio ambiente. Explorando as possibilidades de autoria dos professores e dos alunos sobre a nossa realidade, as possíveis transformações e implicações da Comunidade Escolar. A interatividade dos envolvidos na gincana colaborou em nosso processo de ensinoaprendizagem, valorizando os diferentes registros dos praticantes da escola e do bairro.
  11. 11. Cartografia colaborativa Cultura visual arquitetônica - a imagem e suasrepresentações da cidadeCultura visual arquitetônica;a imagem e suas representações da cidade nos permitem uma constituição de um juízo coletivo. http://culturadigital.br/cartografiacolaborativa/
  12. 12. Repositórios virtuaisPrecisamospensar a EADpara além doautodidatismo.
  13. 13. Adolescentes em autoregistro naescola http://www.facebook.com/AdolecentesNaEscola
  14. 14. Professora denunciaacontecimentos na escola
  15. 15. O uso do Diário de Classe paranarrar a realidade escolar
  16. 16. Acontecimentos Glocais
  17. 17. Publicações científicas online
  18. 18. Definição de REAsA UNESCO (2011) Recursos Educacionais Abertos (REAs) são:"materiais de ensino e pesquisa em qualquer suporte ou mídia, que estão sob domínio público, ou estão licenciados de maneira aberta, permitindo que sejam utilizados ou adaptados por terceiros. O uso de formatos técnicos abertos facilita o acesso e o reuso potencial dos recursos publicados digitalmente. Recursos Educacionais Abertos podem incluir cursos completos, partes de cursos, módulos, livros didáticos, artigos de pesquisa, vídeos, testes, software, e qualquer outra ferramenta, material ou técnica que possa apoiar o
  19. 19. REAs para professores
  20. 20. Questões em aberto• O que as escolas tem feito com os dispositivos móveis?• Como os jovens tem produzido e publicado o que sabem e o que querem aprender nas redes sociais?• Como ensinaraprender nas escolas utilizando as tecnologias digitais?• Como integrar a mobilidade no Currículo?
  21. 21. ReferênciasALVES, Nilda. Cultura e Cotidiano Escolar. Revista Brasileira de de Educação. Nº 23, 2003. Disponível em: <http://www.scielo.brr/pdf/rbedu/n23a04.pdf>EDUCAÇÃO ABERTA. Disponível em: <http://educacaoaberta.org/wiki/index.php?title=Defini%C3%A7%C3%A3o>.BYRNE, Richard. Free Technology for Teachers. Disponível em: <http://www.freetech4teachers.com/2012/12/a-short-guide-to-google-maps- for.html#.UMJqT4PBc0j>.Tragédia em escola no Rio de Janeiro. Revista Veja. 2011. Disponível em: <http://veja.abril.com.br/multimidia/galeria-fotos/tragedia-em-escola-no-rio-de-janeiro>.SANTAELLA, Lúcia. Navegar no Ciberespaço: o perfil cognitivo do leitor imersivo. São Paulo: Paulus, 2004, -(Comunicação).SANTOS, Edméa. Pesquisando com a mobilidade ubíqua em redes sociais da internet: um case com o Twitter. Revista Eletrônica de Jornalismo Científico. 2012. Disponível em: <http://www.comciencia.br/comciencia/?section=8&edicao=74&id=932>.LIBÉRIO, Fernanda. Professora é demitida após divulgar fotos de escola alagada em Imperatriz. G 1 Maranhão: TV Ambiente. 2012. Disponível em: <http://g1.globo.com/ma/maranhao/noticia/2012/10/professora-e-demitida-apos-divulgar-fotos-de- escola-alagada-em-imperatriz.html>.CARTOGRAFIA COLABORATIVA. Disponível em: <http://culturadigital.br/cartografiacolaborativa/>. Acesso em: 11 dez. 2012.UNESCO. Disponível em: <http://www.uca.gov.br/institucional/>.

×