Escola Dominical Inclusiva

8.276 visualizações

Publicada em

Apresentação em powerpoint do Projeto Escola Dominical Inclusiva. Contatos: Pr. Altair Germano, fone (81) 9232 0617, e-mail: altair.germano@gmail.com

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.276
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.859
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
169
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Escola Dominical Inclusiva

  1. 1. <ul><li>PARA QUEM ACREDITA </li></ul><ul><li>E SE IMPORTA </li></ul>
  2. 2. INCLUSÃO: CONCEITO <ul><li>É O PROCESSO QUE PROMOVE A ESCOLARIZAÇÃO DE PESSOAS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS, OU, QUE POR OUTRAS RAZÕES ESTEJAM AFASTADAS (TEMPORÁRIA OU PERMANENTEMENTE) DA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL </li></ul>
  3. 3. INCLUSÃO: JUSTIFICATIVA <ul><li>O Projeto de Inclusão na EBD se Justifica pela exclusão dos seguintes grupos de pessoas: </li></ul><ul><li>- Enfermos </li></ul><ul><li>- Anciãos </li></ul><ul><li>- Presos </li></ul><ul><li>- Profissionais </li></ul><ul><li>- Estudantes </li></ul><ul><li>- Pessoas com Necessidades Educacionais Especiais </li></ul>
  4. 4. INCLUSÃO: POSSIBILIDADE <ul><li>O Projeto de Inclusão na EBD é possível na medida que: </li></ul><ul><li>- Acontece uma tomada de consciência pela liderança da igreja, liderança da EBD, professores, alunos e irmãos em geral; </li></ul><ul><li>- Um levantamento da realidade excludente é realizado; </li></ul><ul><li>- Um Plano de Ação é Estabelecido; </li></ul><ul><li>- Especialistas e leigos são envolvidos </li></ul>
  5. 5. INCLUSÃO: BARREIRAS <ul><li>As principais barreiras na implantação de um projeto inclusivo na EBD são: </li></ul><ul><li>- A resistência às mudanças (é inovação); </li></ul><ul><li>- O comodismo (é mais trabalho); </li></ul><ul><li>- O pessimismo (é tempo e causa perdidos); </li></ul><ul><li>- O miopismo (é desnecessário); </li></ul><ul><li>- A indiferença (tanto faz) </li></ul>
  6. 6. EDUCAÇÃO ESPECIAL: CONCEITO <ul><li>A Educação Especial é definida como uma modalidade de educação escolar direcionada para as “pessoas com necessidades educacionais especiais” (Declaração de Salamanca/1994). Todas as faixas etárias e níveis de ensino são contemplados nesta modalidade de educação (LDBEN 9394/96). </li></ul>
  7. 7. O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIAL NA EBD <ul><li>O Atendimento Educacional Especial pela Escola Dominical pode acontecer em: </li></ul><ul><li>- Classes comuns; </li></ul><ul><li>- Classes especiais; </li></ul><ul><li>- Fora do espaço escolar (onde houver pessoas com necessidades educacionais especiais) </li></ul>
  8. 8. OS PORTADORES DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS <ul><li>Os PNEE são aqueles que apresentam: </li></ul><ul><li>- Distúrbios de Aprendizagem (dislexia, discalculia, disgrafia); </li></ul><ul><li>- Distúrbios da Comunicação (fala e linguagem); </li></ul><ul><li>- Deficiência Intelectual (retardo mental e síndromes); </li></ul><ul><li>- Superdotação ou Altas habilidades; </li></ul><ul><li>- Distúrbios Emocionais ou Comportamentais (agressividade, hiperatividade, retração, TDAH) </li></ul><ul><li>- Deficiência Física (monoplegia, diplegia, triplegia, tetraplegia, paraplegia); </li></ul><ul><li>- Doenças Crônicas (asma, fibrose cística, diabete, câncer infantil, hemofilia, anemia) </li></ul><ul><li>- Doenças Infecciosas (AIDS) </li></ul>
  9. 9. OS PORTADORES DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS <ul><li>- Deficiência Física (monoplegia, diplegia, triplegia, tetraplegia, paraplegia); </li></ul><ul><li>- Doenças Crônicas (asma, fibrose cística, diabete, câncer infantil, hemofilia, anemia) </li></ul><ul><li>- Doenças Infecciosas (AIDS) </li></ul><ul><li>- Surdez e Deficiência Auditiva; </li></ul><ul><li>- Baixa Visão e Cegueira; </li></ul><ul><li>- Transtornos do Espectro Autístico (transtorno autístico, transtorno desintegrativo, transtorno de Asperger, Transtorno de Rett); </li></ul><ul><li>- Deficiências Múltiplas (surdocegueira, traumatismo cranioencefálico) </li></ul>
  10. 10. INCLUSÃO E EDUCAÇÃO ESPECIAL: VÍDEO
  11. 11. AUTISMO: VÍDEO
  12. 12. REFLEXÃO: SER ESPECIAL <ul><li>Ser especial não é ser menos, é ser tanto quanto Ser especial não é ser incapaz, é ser possível Ser especial não é ser imperfeito, é ser humano Ser especial não é ser coisa, é ser gente </li></ul>
  13. 13. REFLEXÃO: SER ESPECIAL <ul><li>Gente que ri e que chora Gente que sente e deseja Gente que perde e conquista Gente que ama e é amado Simplesmente, apaixonadamente, </li></ul><ul><li>maravilhosamente gente. </li></ul><ul><li>(Por Altair Germano ) </li></ul>
  14. 14. BLOG www.escoladominicalinclusiva.com

×