Espiritualidade

94 visualizações

Publicada em

Aborda a importância da espiritualidade no atual momento histórico, seu papel na conquista da saúde integral e na construção da nova civilização do espírito.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
94
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
36
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Espiritualidade

  1. 1. ESPIRITUALIDADE e CIVILIZAÇÃO do ESPÍRITO Adriana C.S. Melzer∗∗∗∗ “O futuro da humanidade está biologicamente em sua espiritualização.” (Pietro Ubaldi)13 Léon Denis, no início do século XX em sua obra “O problema do ser, do destino e da dor”1 referiu-se ao momento vivido pela humanidade de então como sendo “tempos de anemia moral”. Em uma coletânea das obras de Divaldo Franco ditadas pelo espírito Victor Hugo,5 falou-se da “noite moral” que governa destinos sob espessas sombras e que “O problema da Humanidade, antes que socioeconômico é sociomoral”. Completando esse pensamento, em uma de suas obras com Joanna de Ângelis,4 Divaldo afirma que “O problema humano, portanto, maior e mais urgente para ser equacionado, é a própria criatura humana”. De fato, diariamente somos confrontados por dezenas de acontecimentos que evidenciam a carência moral e a insuficiência de valores espirituais no mundo atual. De tragédias familiares, crimes variados e violência gratuita a excessivo culto ao corpo, exibicionismo desmedido e exposição desnecessária da vida alheia, transita-se por uma vasta lista de desmazelos e inconsequências que, juntando-se a ainda mais ampla gama de distúrbios, doenças, sofrimento e dor, muito bem ilustram o quadro de indigência espiritual que povoa o mundo. Pietro Ubaldi, em sua “Grande Síntese”,13 afirma que a maneira de se vencer a inércia moral é espiritualizar-se. Na obra complementar, “A Nova Civilização do III Milênio”14 enfatiza que o homem moderno é “...vivo só na carne, mas ainda adormecido no que diz respeito ao espírito”. O autor explica que a atual maioria da humanidade vive e age na superfície, inconscientemente, como que manobrada por instintos, sem saber quase nada a respeito do porquê das coisas, “...em uma espécie de resignação à ignorância, de adaptação à inconsciência...”, crendo estar sozinha no caos quando na verdade participa de imenso organismo. Assim, se nos assustamos com a atual fase das coisas é porque somente vemos essa superfície, não pensamos em profundidade. ∗ Terapeuta Holística, Fisioterapeuta, Mestre em Saúde Pública, Doutora em Saúde Coletiva (Unicamp)
  2. 2. Esta consciência espiritual13 ou esta faculdade de viver a vida cotidiana mantendo vínculo mental com a continuidade da existência, ou seja, de viver com senso de eternidade3 é o que aqui denominamos Espiritualidade. Trata-se de mudar o nível de percepção da realidade, de sair da dualidade e despertar para a unidade, para a essência,13 compreendendo a ligação entre todos os fenômenos, a eternidade do espírito, a meta da vida, a lógica do destino, a significação das provas e da dor, “...acostumar a conceber os efeitos a longos vencimentos, na vossa vida eterna, e não no instante presente...”.13 O que falta ao homem é a responsabilidade de entender este “valor espiritual da vida”, desenvolvendo a sua consciência cósmica, ao restabelecer o vínculo com a Divindade que o inspira e conduz, entendendo que a vida é feita pelas forças da Lei, independente da sua vontade e consciência. 5,13 A vivência da unidade cósmica ou vínculo com a Divindade – seja denominado Deus, Brahma, Inteligência Suprema ou Absoluto – é que traz sentimentos de paz, confiança, entrega, serenidade e harmonia, permitindo a não identificação com atitudes e acontecimentos circunstanciais. 12 A consciência sobre a lei universal/ordem soberana mostra que no universo tudo clama causalidade, ordem, indestrutibilidade. Tudo é função, equilíbrio e justiça e tudo está ligado por uma rede de reações, conjugado ao funcionamento do grande organismo. Quando não se tem essa consciência refugia-se na inconsciência do “aproveitar a vida”: filosofia do desespero, cegueira intelectual e moral. 13 Em tempos onde a necessidade é “transformar o homem para que o mundo se transforme,”8 é mister, como assevera Léon Denis: direcionar a atividade humana “.. com mais intensidade para os caminhos do espírito.”1
  3. 3. Espiritualidade e Materialismo “A vida perde o seu sentido, a sua significação, a sua razão de ser, quando o homem se afasta da compreensão espiritual, buscando no mundo material a única explicação das coisas.” (J. Heculano Pires)8 Nas palavras de Victor Hugo (espírito), a vida material, “..breve parênteses aberto na Eternidade...”, é a “asfixia da alma.” 9 Todos os indivíduos em experiência na dimensão física são impelidos por necessidades eminentemente materiais e estão em luta com as “vozes da matéria”, constantemente atraindo e influenciando suas ações. 1 Assim assinala Bezerra de Menezes abrindo o Prefácio da obra de Gilson Freire e Adamastor (Espírito), “Senda Redentora”:6 “Em trânsito pela ribalta terrena, o espírito é incapaz de antever com clareza a grande realidade em que se acha imerso. Portando uma mente acanhada, abafada pelas vestes carnais, envolvido pelas necessidades de sobrevivência e ameaçado pelas adversidades naturais de seu caminho, ele não conhece a sua origem, ignora sua natureza e não percebe sua real destinação...” (p.13) Todavia, isso não os obriga a manter a consciência exclusivamente nesse nível de realidade. Para Léon Denis,1 o materialismo em si (enquanto filosofia), embora tenha representado uma vigorosa e inevitável reação contra o dogma e a superstição e a favor do livre pensamento, nada soube construir, pelo contrário, provocou o fechamento das almas a fé e tirou do homem a sua “luz moral”, estancando a evolução moral do mundo. Quanto mais a consciência é materialista, mais dela se subtraem os princípios da moralidade e seus deveres. 2 Daí se explicam a crise moral e a decadência da nossa época, ambas resultantes da imobilização do espírito humano e do enfraquecimento do sentimento do dever: “A origem de todos os males está em nossa falta de saber e em nossa inferioridade moral”.1
  4. 4. Herculano Pires8 observa que tanto o materialismo quanto o religiosismo (de onde se derivam o ateísmo e a crendice, respectivamente) são “dois extremos perigosos da condição humana”. De um lado, a “fé pela fé” (o extremo da religião), em que o homem crê sem indagar, sem compreender nem querer compreender. De outro, aquele que só está bem enquanto não lhe faltam recursos materiais. Ambos podem quebrar-se com facilidade ante os golpes da vida porque as duas visões estão presas a um ponto de vista estreito: “...tanto à descrença absoluta como à crendice beata faltam as luzes do verdadeiro esclarecimento espiritual, da verdadeira ligação do homem com o sentido da vida.” Enfim, é preciso entender a enorme superioridade do espírito sobre a matéria,1 possibilitando ao ser em evolução abrir-se para o seu verdadeiro caminho: a cidadania eterna do espírito.13 Espiritualidade e Espiritismo “Antes de tentardes fazer alguém espiritista, tornai-o espiritualista” Allan Kardec (citado pelo espírito Victor Hugo).9 As ciências, filosofias e religiões representam estágios ou trechos percorridos pela humanidade. As religiões em particular - quando não se fecham em dogmas estreitos e rígidos que tolhem a liberdade do indivíduo - contribuem para a educação humana na medida em que põem freio às paixões e à barbárie e fortalecem a noção moral da criatura. Elas não podem, todavia, impedir a evolução do pensamento, devendo antes representar a síntese, enquanto a ciência, representa a análise.1 A humanidade hoje (ou ao menos uma parcela dela em vias do despertamento) busca uma concepção religiosa que esteja ao mesmo tempo em harmonia com os avanços da ciência e que possa satisfazer a razão (procura pela verdade). A busca é pela libertação do miraculoso e do sobrenatural, sem abandonar a relação homem-mundo invisível-Deus.2 Como enfatiza Allan Kardec em "O Evangelho Segundo o Espiritismo”: "Só é inabalável a fé que pode encarar a razão face a face, em todas as etapas da humanidade."10 Da união entre ciência e religião, destacaram-se os estudos que, acompanhando a ascensão e evolução do pensamento no Ocidente, contemplavam o domínio do invisível, intangível e imponderável. Nesse rol encontram-se as dezenas de pesquisas realizadas a partir do século XIX, em especial sobre magnetismo e fluidos, enumerados e resumidos em muitas obras, dentre as quais a de Léon Denis, “O problema do ser, do destino e da dor”1
  5. 5. Cabe ressaltar que muito antes desses estudos, os fenômenos espirituais estiveram nas bases de todas as grandes doutrinas do passado e a relação entre os dois mundos, visível e invisível, era parte delas. 2 O que se verifica é que embora muitas escolas ocultistas, esotéricas e teosóficas tenham penetrado fundo no assunto relacionado aos fenômenos espirituais, apresentaram concepções nem sempre admissíveis à luz da razão8 e isso não condiz com o pensamento crítico do homem de hoje. O espiritismo (a que Léon Denis denomina “Espiritualismo Moderno”2) se destaca por abranger três características que a distinguem das demais escolas espiritualistas: é uma doutrina cientifica, dado seu caráter experimental, buscando o esclarecimento através da pesquisa, do estudo e da exposição da verdade;7 é doutrina filosófica sintética sobre a existência, fórmula mais extensa e elevada da verdade2; e é também religião, considerando-se a acepção original do termo, ou seja, no sentido de religação do homem a Deus, embora sem dogmatizar e ritualizar como em muitas outras religiões. Sobre as características do espiritismo, Allan Kardec enfatiza em seus escritos que por basear-se em observações e deduções e posteriores comparações com as comunicações dos espíritos, trata-se de uma doutrina científica e filosófica com consequências morais e religiosas, como toda doutrina espiritualista, devido ao alcance psicológico que possui ao modificar a visão de mundo dos indivíduos. Embora o codificador reconheça a possibilidade de haver uma fase religiosa do movimento espírita, para ele o espiritismo não é uma religião constituída, tendo em vista não ter nem culto, nem rito, nem templo, tampouco, entre os seus adeptos, nenhum que tenha tomado ou recebido o título de sacerdote ou sumo-sacerdote. “Essas qualificações são pura invenção da crítica”, disse ele. 7,11 Camille Flammarion, em discurso proferido sobre o túmulo de Kardec, assim se refere ao espiritismo: “...o Espiritismo não é uma religião, mas é uma ciência, ciência da qual conhecemos apenas o a b c. O tempo dos dogmas acabou. A Natureza abarca o Universo, e o próprio Deus, que se fez outrora à imagem do homem, não pode ser considerado pela metafísica moderna senão como um Espírito na Natureza. O sobrenatural não existe mais. As manifestações obtidas por intermédio dos médiuns, como as do magnetismo e
  6. 6. do sonambulismo, são de ordem natural, e devem ser severamente submetidas ao controle da experiência. Não há mais milagres. Assistimos à aurora de uma ciência desconhecida. Quem poderia prever a quais consequências conduzir·, no mundo do pensamento, o estudo positivo dessa psicologia nova?”11 O espiritismo pode, portanto, ser considerado um dos (não o único) mais fidedignos caminhos para se chegar à espiritualidade, enquanto ainda não podemos atingir a unidade perfeita, quando as ciências, religiões, filosofias, hoje divididas, se unirem em uma síntese, abrangendo todos os reinos da ideia, inaugurando “o esplendor do espírito, o reinado do conhecimento”. 1 Para Léon Denis, o espiritismo é para espíritos livres, capazes de por si sós compreenderem e encontrarem a solução para seus problemas. 1 Para aqueles que se inclinam muitas vezes, “...a julgar os fatos no limite do acanhado horizonte dos seus preconceitos e dos seus conhecimentos...”, o apóstolo do espiritismo enfatiza que cabe com urgência, “...elevar mais alto, projetar mais longe o olhar e medir a sua fraqueza em face do Universo. Assim se aprenderá a ser modesto, a nada rejeitar nem condenar sem prévio exame”. 2 Espiritualidade e Cristianismo “O Cristianismo é a espiritualização da religião”. (J. Herculano Pires)8 Cristo é a expressão mais alta da evolução espiritual do homem9 e a sua doutrina, o elo de ligação da humanidade terrestre a Deus. Fonte pura de nutrição moral, o Cristianismo promove a elevação da alma em detrimento da matéria e indica a finalidade da vida terrestre como etapa de educação da alma.2 Pietro Ubaldi assim de refere ao legado de Cristo: “O vosso, é o mundo visto da Terra; o Evangelho é o mundo visto do céu”. 13 Quando examinado no início de sua marcha, percebe-se como o Cristianismo surge como momento de emancipação espiritual do homem, sendo, apenas mais tarde, desvirtuado de sua missão original ao submeter-se aos dogmas e rituais impostos pelo Catolicismo.8
  7. 7. Ubaldi, que sintetiza Cristo segundo uma visão cósmica de sua passagem pela Terra, assegura que a sua doutrina revela a técnica evolutiva enquadrada na biologia universal do espírito: “Cristo nos mostrou o caminho da redenção, mas cada um deve percorrê-lo com o seu próprio esforço”. 16 Desse modo, tanto a doutrina do Cristo quanto a doutrina dos espíritos querem que “...o homem egoísta, brutal, carnal, agressivo, animalesco, seja substituído pelo homem espiritual.”16 O espiritismo traz a missão de completar a obra do Cristo, libertando a religião dos compromissos exteriores e instaurando na terra o reinado do espírito, base da nova civilização do porvir. A Civilização do Espírito “...é pela soma de amor acumulada em nós que podemos avaliar o caminho que temos andado para Deus”. (Léon Denis)1 “A vida para o homem espiritual não é só rejeição dos valores do mundo, mas é, acima de tudo, operosidade de conquista dos valores do Céu”. (Pietro Ubaldi)16 Pietro Ubaldi afirma em “A Grande Síntese”13 que o deslocamento das aspirações humanas e a inversão dos valores comuns, mudando o eixo da vida no sentido da revalorização de si mesmo num nível mais elevado, conduzirão à construção de uma “alma nova”. Processo que requer grande esforço, mas que terá como “farol luminoso” a nova espiritualidade: religião sintética do porvir, feita da força do espírito e da bondade, enraizada na eternidade, universal para sobreviver no tempo e sem limitações de espaço. Produto da maturação que se alcança por evolução,13 o homem terá então uma visão precisa do objetivo da existência e uma noção positiva do destino, que estimulará seu aperfeiçoamento, com responsabilidade e disciplina moral. 2 A nova espiritualidade não será de casos individuais e isolados, mas se desenvolverá na “reconstrução orgânica da civilização”. Ubaldi assim profetiza: “A nova espiritualidade do ano 3.000 deverá realizar-se em plano coletivo muito mais amplo, profundo e orgânico do que dos precedentes.”14
  8. 8. A chamada Civilização do III Milênio representará o renascimento do mundo para a vida do espírito, porque “...a verdadeira civilização está no ideal espiritual e (...) sem ele, os povos caem na corrupção e na decadência”. 1 A Civilização do Espírito entenderá a alma (espírito) como “partícula da essência divina”, que persiste e permanece na sua perpetuidade, em marcha ascendente, destinada a conhecer, adquirir e possuir tudo, percorrendo no tempo e no espaço, um caminho sem limites. Os homens seguirão essa “surda aspiração”, essa “...íntima energia misteriosa que nos encaminha para as alturas, que nos faz tender para destinos cada vez mais elevados...”1 E então nos encontraremos onde se movem as forças do infinito, na “...torrente de pensamentos e de energias...”,15 momento em que deixaremos de tocar as profundezas sombrias do abismo para tocarmos “...as alturas fulgurantes do céu, o império glorioso dos Espíritos”.1 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS (em ordem alfabética) 1. Denis, Léon. O problema do ser, do destino e da dor. 20ª edição. Rio de Janeiro: FEB, 1998. 2. Denis, Léon. Cristianismo e Espiritismo. 7ª Edição. Rio de Janeiro: FEB, 1978. 3. Ferreira, Inácio. A escada de Jacó. Psicografia de Carlos A. Bacelli. Uberaba: Pedro e Paulo Editora, 2004. 4. Franco, Divaldo. Pelo espírito Joanna de Ângelis. O ser consciente. Disponível em: http://www.bvespirita.com 5. Franco, Divaldo e Fernandes, Washington L. Nogueira (org.). 100 Reflexões filosóficas e cor local nos romances mediúnicos de Victor Hugo. Salvador: Livraria Espírita Alvorada, 2009. 6. Freire, Gilson T. Pelo espírito Adamastor. Senda Redentora: a saga do espírito que retorna a Deus. 1ª Edição. Belo Horizonte: Editora INEDE, 2011. 7. Guimarães, Carlos Antonio Fragoso. O Espiritismo. Disponível em: http://bvespirita.com/O%20Espiritismo%20(Carlos%20Antonio%20Fragoso%20Guimar%C 3%A3es).pdf 8. Herculano-Pires, J. O Homem Novo. Disponível em: http://bvespirita.com/ 9. Hugo, Victor (Espírito). Na sombra e na luz. Psicografia de Zilda Gama. Rio de Janeiro: FEB, 2007. 10. Kardec, Allan. O Evangelho segundo o Espiritismo. 191ª edição. São Paulo: Instituto de Difusão Espírita, 1995.
  9. 9. 11. Kardec, Allan. Obras Póstumas. Disponível em: http://bvespirita.com/ 12. Saldanha, Vera. A psicoterapia transpessoal. Campinas: Editora Komedi, 1997. 13. Ubaldi, Pietro. A Grande Síntese – Síntese e solução dos problemas da ciência e do espírito. 5ª edição. São Paulo: LAKE, 1955. 14. Ubaldi, Pietro. A Nova Civilização do Terceiro Milênio. São Paulo: LAKE, 1956. 15. Ubaldi, Pietro. Ascese Mística. Disponível em: http://www.ubaldi.org/index.php/biblioteca-virtual e http://bvespirita.com/ 16. Ubaldi, Pietro. Cristo. 4ª Edição. Campos: Instituto Pietro Ubaldi, 2001. Aeterna Holística © Copyright 2015. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial.

×