DOSSIER DE IMPRENSA
7 MARAVILHAS®7 Maravilhas – Praias de Portugal®As 7 Maravilhas – Praias de Portugal ® pretendem promover a qualidade ambie...
CategoriasAs Maravilhas candidatas a 7 Maravilhas – Praias de Portugal ® são organizadas em 7categorias e as 7 vencedoras ...
Praias SelvagensEntende-se todas as praias, afastadas de aglomerados urbanos, sem acessosformalmente construídos e sem qua...
PROCESSO DE SELEÇÃO E ELEIÇÃO DAS 7 Maravilhas – Praias de Portugal®1.ª Fase: NomeaçõesAs Candidaturas foram colocadas on-...
Um painel de 70 Especialistas, representantes das várias áreas científicas e comrepresentatividade geográfica nacional (cu...
história e a tradição local apoiada na praia (gastronomia, enologia, artesanato,produtos regionais, pesca, etc).7 - Condiç...
Todo o processo de eleição das 7 Maravilhas – Praias de Portugal ® é auditado pelaPricewaterhouseCoopers & Associados - S....
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

7 Maravilhas - Praias de Portugal | Dossier de imprensa

342 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
342
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

7 Maravilhas - Praias de Portugal | Dossier de imprensa

  1. 1. DOSSIER DE IMPRENSA
  2. 2. 7 MARAVILHAS®7 Maravilhas – Praias de Portugal®As 7 Maravilhas – Praias de Portugal ® pretendem promover a qualidade ambiental dePortugal, nomeadamente dos nossos recursos hídricos e a beleza da nossa costa e dosnossos rios e albufeiras, como fator decisivo na escolha de Portugal enquanto destinoturístico.Portugal tem cerca de 2750Km de costa, distribuídos por cerca de 1600km nocontinente, cerca de 825km nos Açores e 325Km na Madeira. O nosso país conta com250 km de praias vigiadas e 350 km de praias não vigiadas. Somos a 22ª maior ZonaEconómica Exclusiva do mundo e a 5ª europeia, considerando a escala global. Com omar, temos uma área cerca de 18.5 vezes superior à área de Portugal continental.A eleição das 7 Maravilhas – Praias de Portugal® centra-se em três eixos estratégicos:Ambiente, Turismo e Água. Este é um projeto que visa promover as praias nacionais,de forma a preservar a sua beleza e unicidade. A preocupação ambiental faz já parteda missão das 7 Maravilhas®, desde a eleição em 2010 das 7 Maravilhas Naturais dePortugal®.Pretende-se divulgar o melhor que o país tem para oferecer, enfatizando a dimensão ea beleza das nossas praias, dos nossos rios e albufeiras, projetando um país voltadopara o mar, atento às suas riquezas naturais, e desfrutando de uma das maioresriquezas do planeta.As 7 Maravilhas a eleger deverão refletir todas as diferentes tipologias de praiasapreciadas pelos portugueses, devendo ainda estar associadas às regiões querepresentam, constituindo-se no futuro como um roteiro imperdível.Este projeto conta com o apoio institucional da Presidência da República, Ministério daAgricultura, Mar, Ambiente e Ordenamento do Território, da Marinha Portuguesa, daFederação Portuguesa dos Concessionários de Praia e com o apoio da RTP – Rádio eTelevisão de Portugal, como televisão oficial.A Região Anfitriã, que acolhe o evento da Declaração Oficial das 7 Maravilhas – Praiasde Portugal®, é a Costa Alentejana.
  3. 3. CategoriasAs Maravilhas candidatas a 7 Maravilhas – Praias de Portugal ® são organizadas em 7categorias e as 7 vencedoras serão apuradas pelo maior número de votos, uma porcategoria, não podendo ser eleitas mais do que duas maravilhas por região.Praias de RiosEntende-se todas as praias associadas a cursos de água. Trata-se de praias interiores,de águas correntes, ou praias estuarinas, por oposição às praias costeiras (oceânicas).Devem ser praias com águas oficialmente classificadas como balneares.Praias de Albufeiras e LagoasEntende-se as praias interiores de águas paradas localizadas nas margens dealbufeiras, formadas por açudes ou barragens, ou em lagos e lagoas, de origem naturalou artificial. Trata-se de praias de origem lacustre. Devem ser praias com águasoficialmente classificadas como balneares.Praias UrbanasEntende-se todas as praias, sejam elas praias costeiras (oceânicas) ou interiores (praiasde rio, praias de albufeira, lagos ou lagoas) que correspondem a uma frente eenvolvente urbanas. Devem ser praias com águas oficialmente classificadas comobalneares.Praias de ArribasEntende-se todas as praias oceânicas limitadas por vertentes costeiras abruptas oucom declive elevado, talhadas em materiais rochosos por ação dos processos deerosão ou de origem vulcânica. Devem ser praias com águas oficialmente classificadascomo balneares.Praias de DunasEntendem-se todas as praias costeiras limitadas por sistemas dunares costeiros, quesão formas de acumulação, geradas pelo vento, de areias marinhas. Devem ser praiascom águas oficialmente classificadas como balneares.
  4. 4. Praias SelvagensEntende-se todas as praias, afastadas de aglomerados urbanos, sem acessosformalmente construídos e sem qualquer tipo de infra-estrutura de apoio ao usobalnear ou qualquer construção na envolvente que constitua intrusão visual napaisagem natural. Nesta categoria podem candidatar-se praias oceânicas, fluviais oude lagoas.As Praias selvagens não são oficialmente identificadas como zonas balneares ou "águasbalneares". Trata-se de praias que podem ter um uso condicionado ou uso restritoque, em função da necessidade de protecção biofísica local, da manutenção do seuequilíbrio enquanto sistemas naturais frágeis, pelo eventual risco para pessoas e bense pelo facto de não poderem ser vigiadas, podendo ter ou não ter aptidão oucondições para a prática balnear.Divulgar a existência de Praias Selvagens, dando voz às preocupações ambientais e depreservação é uma das premissas deste projeto. Apesar das condicionantesambientais, ausências de vigilância e de manutenção inerentes à natureza destaspraias, serão enfatizadas as questões de limpeza e da segurança pública, através darecomendação de boas práticas e de comportamentos ambientalmente sustentáveis.Praias de Uso DesportivoEntende-se todas as praias que pelas suas condições naturais, constituem local deeleição para usos desportivos, tais como surf, windsurf, kite-surf, mergulho e outros, esão predominantemente usadas para este fim. O uso balnear nestas praias podecoexistir, mas a prática desportiva prevalece. Devem ser praias com águas oficialmenteclassificadas como balneares.
  5. 5. PROCESSO DE SELEÇÃO E ELEIÇÃO DAS 7 Maravilhas – Praias de Portugal®1.ª Fase: NomeaçõesAs Candidaturas foram colocadas on-line até 15 de Janeiro de 2012, através de umsistema criado para o efeito.Qualquer entidade pública, privada ou indivíduo pôde candidatar praias na eleição das7 Maravilhas – Praias de Portugal ®. As candidatas foram avaliadas pelo ConselhoCientífico e apenas foram apresentadas publicamente as praias que preenchiam oscritérios descritos no Regulamento. As Nomeadas foram reveladas em Janeiro de 2012.O Conselho Científico tem a seguinte composição:1 – Agência Portuguesa do Ambiente2 – Marinha Portuguesa3 – José Archer, presidente da Associação Bandeira Azul da Europa - Organização NãoGovernamental de Ambiente (ONGA), sem fins lucrativos4 - Manuel Valadas Preto, Diretor de Mecenato e Relação com Empresas da SOS –Salvem o Surf - Associação Nacional de Defesa do Surf, sem fins lucrativos5 – Francisco Ferreira, Vice-presidente da Quercus - Organização Não Governamental,sem fins lucrativos6 – Alexandra Cunha, presidente da Liga para a Protecção da Natureza - OrganizaçãoNão Governamental, sem fins lucrativos7 - João Joanaz de Melo, presidente do GEOTA - Organização Não Governamental deAmbiente, sem fins lucrativos2.ª fase: Seleção de 70 Pré-Finalistas
  6. 6. Um painel de 70 Especialistas, representantes das várias áreas científicas e comrepresentatividade geográfica nacional (cuja lista está disponível no site oficial) elegeuas 70 praias pré-finalistas.A votação efetuada pelos especialistas atendeu preferencialmente aos seguintescritérios:1 – Beleza da praia, incluindo a sua envolvente. Diz respeito à beleza natural e/ ouurbana e à perceção da paisagem nas suas diversas vertentes e dimensões a que seassocia a magnitude de fenómenos dinâmicos como as ondas do mar e das cascatasnos rios, entre outras.2 - Qualidade da água e Limpeza da praia. Para além dos níveis de qualidade da águacomo critério de elegibilidade, considera-se ainda a limpeza do areal e das áreasenvolventes, sejam elas naturais ou urbanas.3 - Estado de conservação dos sistemas naturais (fauna e flora) e sistemas edificadosem presença. As caraterísticas, estado de conservação e estética dos equipamentos deapoio à praia e das infra-estruturas (acessos, estacionamentos...), se existentes (não seaplica no caso das “Praias Selvagens”), devem ser compatíveis com a preservação doespaço natural.4 – Serviços prestados aos utentes da praia. A segurança de pessoas e bens e aqualidade dos serviços prestados aos utentes da praia, incluindo a informação aopúblico (sinalética), quando existam ou devam existir. Não se aplica no caso das“Praias Selvagens”.5 - Espaços públicos de qualidade, nomeadamente acessos e estacionamentosordenados (não se aplica no caso das “Praias Selvagens”), áreas livres de ruído, detráfego motorizado e de poluição de qualquer tipo. É critério penalizador a existênciade construções ilegais.6 – Preservação da Identidade Local. A envolvente urbana deve ser de qualidade (nãose aplica no caso das “Praias Selvagens”), sendo privilegiados os locais que mantenhampreservada a identidade local, seja ao nível da preservação do edificado, seja atravésda afirmação dos produtos de base local. Quando aplicável deve ser tida em conta a
  7. 7. história e a tradição local apoiada na praia (gastronomia, enologia, artesanato,produtos regionais, pesca, etc).7 - Condições naturais para a prática desportiva e, quando aplicável, existência deinfra-estruturas de apoio à mesma (não se aplica no caso das “Praias Selvagens”), eausência ou baixo nível de conflito de uso com outras atividades (independentementede ser ou não época balnear).Os membros do painel de especialistas dispunham de 10 votos por cada categoria.Desta votação, foram apuradas as 10 praias mais votadas por categoria. No total das70 pré-finalistas, estão presentes, no mínimo, três candidatas por cada uma das 10regiões.3ª fase: Seleção das 21 FinalistasUm painel de 21 Notáveis, figuras públicas reconhecidas no país e ligadas aos váriosquadrantes e setores da sociedade portuguesa, votou para apurar as 21 finalistas. Estashort list, que será sujeita a votação pública, foi revelada a 6 de Maio de 2012.Desta votação foram apuradas as três praias mais votadas por categoria e arepresentatividade geográfica é assegurada pela presença no mínimo de uma finalistapor região no total dos 21 finalistas.4ª Fase: Eleição das 7 Maravilhas – Praias de Portugal®A votação pública nas 21 finalistas é realizada através do site oficial(www.7maravilhas.pt), do Facebook (www.facebook.com/7maravilhas) e por chamadatelefónica. A votação decorre até 7 de Setembro de 2012 (até às 14horas).As 7 vencedoras serão apuradas pelo maior número de votos em cada uma dascategorias. Ou seja, será eleita uma Maravilha por categoria. Não podem ser eleitasmais do que duas Maravilhas por região. Podem vir a existir regiões sem nenhumaMaravilha eleita.A Declaração Oficial das 7 Maravilhas – Praias de Portugal® tem lugar a 8 de Setembrode 2012, num espetáculo único a transmitir em direto pela RTP1, a partir da CostaAlentejana, a Região Anfitriã.
  8. 8. Todo o processo de eleição das 7 Maravilhas – Praias de Portugal ® é auditado pelaPricewaterhouseCoopers & Associados - S.R.O.C. Lda.Contactos com a Imprensa:Eva Mota932058352evamota@7maravilhas.pt

×