Apres12

310 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
310
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • <number>
  • Apres12

    1. 1. Papel dos Institutos Tecnológicos e Centros de Pesquisa na Geração de Riqueza Avílio A. Franco SCUP/MCT 3ª CNCTI, Brasilia-DF, Novembro, 2005.
    2. 2. Universidades Federais, Estaduais e Esc. Técnicas (128) Institutos de Pesquisa Tecnológicos (150) Laboratórios licenciados – Ind., Agricultura e Saúde (1.201) NORTE CENTR OOESTE NORDESTE SUDESTE SUL 36 40 89 47 51 64520 22 348 12 23 107 13 14 12 Pesquisa & Desenvolvimento ePesquisa & Desenvolvimento e Capacidade DisponívelCapacidade Disponível
    3. 3. CT-AERONÁUTICO 30,8 CT-AGRONEGÓCIO 71,9 CT-AMAZÔNIA 29,7 CT-AQUAVIÁRIO 21,9 CT-BIOTECNOLOGIA 30,8 CT-ENERGIA 157,0 CT-ESPACIAL 1,3 CT-HIDRO 43,7 CT-INFORMÁTICA 31,0 CT-INFRA 325,1 CT-MINERAL 6,7 CT-PETRO 628,4 CT-SAÚDE 71,9 CT-TRANSPORTE 0,07 CT-VERDE-AMARELO 205,3 TOTAL 1.655,6 Estimativa de Arrecadação Total dos Fundos Setoriais de C&T - 2005 Sem Contingenciamento (R$ milhões)
    4. 4. 0 2.000 4.000 6.000 8.000 10.000 12.000 81 82 83 84 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 20002001 0,00 0,20 0,40 0,60 0,80 1,00 1,20 1,40 1,60 A produção científica do Brasil representa 1,5% do total mundial 1987 1988 1989 0 2.000 4.000 6.000 8.000 10.000 12.000 14.000 16.000 18.000 20.000 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 Mestrado Doutorado 2001 BRASIL: FORTE POTENCIAL DE GERAÇÃO DE CONHECIMENTO MESTRES E DOUTORES TITULADOS ANUALMENTE Nº DE ARTIGOS PUBLICADOS EM REVISTAS INTERNACIONAIS Tendência: 6 mil Doutores / ano Fonte: Capes / MEC Fonte: CNPq / MCT
    5. 5. 0 10.000 20.000 30.000 40.000 50.000 60.000 70.000 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 Brasil Coréia Taiwan Ano Brasil Coréia 1980 24 8 1990 41 225 2000 98 3.314 2001 110 3.538 PEDIDOS DE PATENTES DE INVENÇÃO NO ESCRITÓRIO DE PATENTES DO EUA (USPTO) A produção acadêmica brasileira é comparável à coreana RENDA PER CAPTA Em 2003 Brasil = US$ 7,5 mil Coréia = US$ 17,9 mil Fonte:Veja 02/2005 Fonte: Institute for Scientific Information (ISI). National Science Indicators Fonte:INPI BRASIL X CORÉIA: APROPRIAÇÃO DE CONHECIMENTO PARA GERAÇÃO DE RIQUEZA EXPORTAÇÕES TOTAIS - 2004 Brasil = US$ 96,5 bi Coréia = US$ 254.0 bilhões
    6. 6. PRINCIPAIS CONCLUSÕES Incongruência entre o volume de produção científica e a escassez de inovações - a expansão do conhecimento não é proporcional ao aproveitamento econômico desse conhecimento. Cultura de propriedade intelectual incipiente – o conhecimento como fonte de geração de inovação e de riqueza precisa, antes de qualquer coisa, estar protegido (situação que vem sendo alterada). A reputação / notoriedade do pesquisador parece ser mais importante que o benefício social da exploração comercial do objeto da patente. Há pouco incentivo e cultura para a fixação de Doutores em empresas (expectativa de mudança com a Lei de Inovação).
    7. 7. Adaptado de Paulo Renato – Instituto Inovação / Belo Horizonte - MG CIÊNCIA MERCADO ? DESAFIO
    8. 8. Investigação Tecnológica Proteção da Tecnologia Gestão da Prova de Conceito Planejamento do Negócio Desenv. do Produto Transferência da Tecnologia Identificação Oportunida- des Start-up do Negócio CAPTAÇÃO DE RECURSOS / PROJETOS CIÊNCIA MERCADOINOVAÇÃO Adaptado de Paulo Renato – Instituto Inovação / Belo Horizonte - MG
    9. 9. Embrapa: PesquisaEmbrapa: Pesquisa AgropecuáriaAgropecuária Area Production 35 30 25 20 15 10 5 0 1970 1980 1990 2000 35 30 25 20 15 10 5 0 Áreaplantada(milhõesdeha) Produção(milhõesdet) Área Produção Soja: grãos e subprodutos US$ 3 billões em 2000
    10. 10. LN A IN PE IN PA LN CC CE TE M M AS T Cem pRA (ex- ITI) IN T ON MP EG CB PF IBI CT IMPA CGEE RNP ABTLuS IDSM IRD CRCN IEN CDTN IPEN IN SA CETENE CEITEC CBA MDIC CAMPus C.I. Gabinete do Ministro SEXEC SCUP C N E N
    11. 11. CBPF MAST ON CETEM INT IMPA RNP IEN/CNEN IRD/CNEN CenPRA ABTLuS IPEN/CNEN IBICT CGEE IDSM INPA MPEG CRCN/CNEN CDTN/CNEN LNA LNCC INPE Localização Geográfica das UP’s
    12. 12. Passado: Relatório Tundisi • Principais Pontos Fracos das UPs – Insuficiência e instabilidade de financiamento de custeio (orçamento) – Insuficiência de financiamento de capital para melhoria da infra-estrutura e projetos de P&D – Deficiências de pessoal – Concentração Regional (sudeste 78%) – Missões e atividades desfocadas dos problemas do País – Predominância da cultura acadêmica e prestação de serviços em contraposição ao papel estratégico em pesquisa básica e aplicada (tecnológica)
    13. 13. Relatório Tundisi (Conclusões) • Principais Recomendações – Definição e ajustes institucionais (missão, objetivos, prioridade de investimentos) – Expansão da Infra-estrutura de P&D – P&D em novas áreas do conhecimento – Indução da Inovação Tecnológica – Estruturação do sistema nacional de C&T
    14. 14. Planejamento Estratégico das UPs Fundamentos • Integrar e compatibilizar a ação das diversas instâncias de CT&I e promover o avanço e consolidação das instituições do sistema • Coerência, compatibilidade e cumulatividade – com as diretrizes ministeriais (Plano Diretor do MCT, políticas setoriais, com o PPA) e experiências anteriores. • A estratégia de execução em duas etapas: 1 - Mobilização e desenvolvimento participativo do marco conceitual e metodológico; 2 - Implementação nas Unidades.
    15. 15. PPA/MCTPPA/MCT 2004-2007 (2009)2004-2007 (2009) PE/MCTPE/MCT 2004-20092004-2009 PE/UPs-OSsPE/UPs-OSs 2006-20102006-2010 TCGs/TCGs/ CGsCGs EstratégicoEstratégico TáticoTático OperacionalOperacional SIGTECSIGTEC - SIGPLAN- SIGPLAN - SIGMCT- SIGMCT - PI- PI SCUPSCUP SEPEDSEPED SETECSETEC SECISSECIS SEPINSEPIN
    16. 16. Estratégia de desenvolvimento de longo prazo Dimens ão econômica Dimens ão estra tégica Dimens ão social Política industrial Objetivos Estratégicos Nac ionais Inclusão Soc ial Programas estratégicos Ações estratégicas (2004/2007) Prioridades máximas do Governo Federal Prioridades do MCT PPA 2004/2007 Eixo 1 Eixo 2 Eixo 3 Planejamento estratégico do MCT Eixos estratégicos II Conferência Nacional de C&T Livro Verde Livro Branco Expansão e Consolidação do Sistema Nacional de C,T&I MCT – Plano Estratégico
    17. 17. Rede-Conhecimento Um exemplo de projeto estruturante com integração de UDs
    18. 18. Proposta em três frentes Diretriz de Missão: “Em dois anos implantar um sistema que integre os centros de PAD e os sistemas de informação de C&T&I através da RNP” Eduardo Campos - 11 novembro 2004 FRENTE Implantar e levar a nova Geração da RNP (RNPng) até as instituições-chave do País FRENTE Ampliar e atualizar o SINAPAD e oferecer soluções de computação distribuída (grid) FRENTE Implantar a Biblioteca Digital Brasileira
    19. 19. Rede-Conhecimento 2007  PADPAD - PROCESSAMENTO DE ALTO DESEMPENHO- PROCESSAMENTO DE ALTO DESEMPENHO Otimizar o emprego dos recursos computacionais disponíveis.  OBJETIVO:OBJETIVO: Fontes de Inform ação Serviços de Inform ação U su á rio s Portal de Periódicos da Capes Plataforma Lattes Portal de Anais de Congresso Biblioteca Digital de Teses e Dissertações Acervo de Bibliotecas Universitárias (OPAC) Portal de Relatórios Técnicos Portal Livros Eletrônicos Plataforma Dumont Portal da Cultura Serviço de Alerta Program a CO M U T InterfaceInterface webweb dada BD BBD B Scielo Portal de Periódicos de Acesso Livre Outras Fontes
    20. 20. Rede de Tecnologia e Serviços em Qualificação e Certificação de Tecnologia da Informação- RTSQC PRODUTO: Base Normativa, Metodológica e Laboratorial para Qualificação e Certificação de TI. 2003 - 2008 R$ 5,0 milhões (até 2007) Cemp RA CNE N ITA IPT CTA
    21. 21. Projeto Célula Combustível - PCC PRODUTO: Produção de Hidrogênio para Célula Combustível, a partir do Etanol 2002 - 2007 R$ 4,2 milhões INT IPE N CBP EL UFR J UFF CE NPE S PCC
    22. 22. Gestão de Aquíferos em Áreas do Semi-Árido Nordestino para o Desenvolvimento Sustentável – AQUA/NE PRODUTO: Avaliação de qualidade e estoque de água em área selecionada do Nordeste 2004 - 2006 4,0 milhões (até 2007) PETRO- BRAS UFCG XINGÓ COPPE / UFRJ IRD ON CETEM AQUA/NE
    23. 23. Rede Temática de Modelagem Ambiental- Projeto GEOMA PRODUTO: Modelos Computacionais para análise e previsão da dinâmica ecológica da Amazônia. 2004 - 2010 R$ 2,0 milhão (até 2007) MPEG INPE LNCC CBPF SEPTEC INPA IDSM GEOMA
    24. 24. Iniciativa dos Institutos de incentivarem a formação de empresas a partir de produtos e pesquisas gerados por eles, estimulando a criação de novos negócios pautados no desenvolvimento de tecnologias inovadoras. Incubadora de Empresas
    25. 25. Incubadora de Empresas Benefícios produzidos: • Geração de empregos • Desenvolvimento Tecnológico Nacional • Estimular o empreendedorismo • Facilitar a chegada da Tecnologia desenvolvida ao mercado consumidor
    26. 26. Incubadora de Empresas INT - Instituto Nacional de Tecnologia Unidade de Pesquisa do MCT- exemplo de Incubadora de Empresas: • Trilha Desenvolvimento de Projetos LTDA, • Techmat Tecnologia de Materiais LTDA • DNCer Indústria e Comércio Ltda. • INTTEC Consultoria & Sistemas
    27. 27. Incubadora de Empresas A Trilha Desenvolvimento de Projetos, incubada pelo INT, recebeu o PRÊMIO ANPROTEC 2005 como melhor empresa graduada, e 3º lugar na categoria melhor produto referente ao PRÊMIO FINEP ano 2005. ANPROTEC – Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores, congrega e representa mais de 240 Incubadoras e 2300 Incubadas em todo país.
    28. 28. CenPRA – indo além da incubação Pesquisa e Desenvolvimento Apoio a empresas Resultados Acervo de conhecimentos Novos produtos Novos métodos e processos Novos conhecimentos Qualificação Análise de falhas Consultoria Inovação Prototipagem SIGTEC - Sistema de Informações Resultados SIGTEC - Sistema de Informações
    29. 29. Objetivo: Inserção competitiva no Mercado de Displays, abrangendo toda a cadeia produtica 150 entidades Spin-offs empresariais: 6 empresas até outubro de 2005 (Numina, Multividros, Optânica, BRDisplays Ltda., Displaytec e LCEletrônica) ProjetoPROMED Prototipagem Rápida na Medicina Rede pluri-institucional que presta serviços e promove o desenvolvimento tecnológico em qualificação e certificação de produtos e processos em Tecnologia da Informação Mais de 50 entidades O projeto Promed atua na integração de recursos e profissionais multidisciplinares para melhoria da qualidade de cirurgias complexas, desenvolvendo e integrando sistemas Rede Iberoamericana de Mostradores Planos de Informação
    30. 30. Empresas e entidades atendidas pelo CenPRA• CARIA • CASP • CAST SOLDA • CCS - FEE UNICAMP • CEBRACE • CELESTICA • CENPRA • CIRCUIT • CIS ELETRÔNICA • COMALA • COMPAQ • DARUMA • DATAREGIS • DHL • DMC DO BRASIL • DOWERTEC • DOWERTECH • DP&A • EAGLE • EIKONAL • ELDORADO • ELGIN • ELSYS • EMBRACO • EMICOL • FASTPLAS FUTURIT • GIOPROT • GP • GRADIENTE • GRENDENE • HL ELETRO-METAL • HOLEC • HP BRASIL • HUHTAMAKI • IBM • INEP • INFOSAÚDE • INPE • INTELBRAS • INTERPROM • IONICS • IRAMEC • ITAIPU • ITAUTEC • ITAUCOM • JCAE DO BRASIL LTDA • KS PISTÕES • L&G • LG • LIFEMED • MAGNETI MARELL • MARPPEL • MEGABOX • MICRO-MULTEK • MODELINE • MOLEX • MOLPLASTIC • MOTOROLA DO BRASIL • MULTEK BRASIL LTDA. • MULTIBRÁS -RIO CLARO • NCR • OLIMPUS S/A • OPTOLINK • PENZEL • PHILIPS • PROCOMP • PST • PUCC RIO • RHODES • SAGEN • SCI • SGF • SOLECTRON • STARPLAST • STARRETT • SWEDA • UNISYS • VALEO • VISTEON • WAHLER • YANCO • ZANTHUS • ZOX
    31. 31. Futuro: Principais Desafios da C&T • Implementação do Planejamento estratégico com integração e foco; • Ampliar a qualidade da base instalada de C&T • Criar mecanismos contínuos de incentivos ao desenvolvimento tecnológico • Interação Universidade X Empresa e incentivos ao P&D privado • Articulação política e técnica estável e de longo prazo entre ciência, desenvolvimento tecnológico e mercado, focado nas áreas da Política Industrial, Tecnológica, e de Comércio Exterior
    32. 32. Lei de Inovação Lei 10.973, 2 de dezembro de 2004 Conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica aumento da competitividade das empresas nos mercados interno e externo, e; melhor aproveitamento do capital intelectual do País
    33. 33. Modelos de gestão • Institutos de Pesquisa x Organização Social (política de controle)
    34. 34. Gratos pela atenção afranco@mct.gov.br

    ×