O Reinado de Dom Pedro Iª<br />Lucas Aguiar, Marcelo, Rafael Felix, Wanderley, Maicon, Flavia Sanz e Guilherme.<br />
Quem foi D. Pedro Iª?<br />       A família real retornou à Europa em 26 de abril de 1821, ficando D. Pedro como Príncipe ...
D. Pedro Iª<br />
Família de D. Pedro 1ª<br />
De volta ao Rio de Janeiro, foi proclamado, sagrado e coroado imperador e defensor perpétuo do Brasil. Impulsivo e contrad...
“Defensor perpétuo do Brasil".<br />Assim que foi considerado D. Pedro 1ª na sua volta ao Rio de Janeiro em 12 de outubro ...
Dia do Fico, Por que D. Pedro deveria sair?<br />         Partiu dos brasileiros, principalmente dos setores mais aristocr...
A decisão de ficar no Brasil<br />        José Bonifácio de Andrada e Silva, como membro do governo provisório de São Paul...
Dia do Fico, 9 de janeiro de 1822<br />
Independência do Brasil<br />        O povo brasileiro resolveu lutar contra as normas abusivas do governo português. Não ...
Dia 7 de setembro de 1822, Independência do Brasil .<br />
            Com isso, o príncipe regente contrariava as idéias do rei, pois deixava de atender aos interesses da corte por...
Governo de D. Pedro 1ª<br />        Nove anos após a Independência do Brasil, a governo de D.Pedro I estava extremamente d...
       Outro fato que pesou contra o imperador foi o assassinato do jornalista Libero Badaró. Forte crítico do governo imp...
A Corte Brasileira apoiava D. Pedro 1ª temendo perder os privilégios políticos adquiridos.<br />
Opositores de D. Pedro Iª<br />          Pelas ruas das cidades - em meio à circulação de escravos e homens livres e pobre...
Toda esta intranqüilidade visível nas ruas da cidade inquietava igualmente aquela parcela da população, livre e proprietár...
“Mata português"<br />“Mata marinheiro"<br />
Abdicação do trono<br />          Após a morte de D. João 6°, D. Pedro 1°, contrariando a Constituição que aprovara, foi p...
A sua popularidade entre os brasileiros começou a cair quando D. Pedro 1° demonstrou indecisão entre escolher o Brasil e P...
Dom Pedro Entregando o Ato de Renúncia<br />
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Dom Pedro 1ª

5.812 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.812
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
118
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dom Pedro 1ª

  1. 1. O Reinado de Dom Pedro Iª<br />Lucas Aguiar, Marcelo, Rafael Felix, Wanderley, Maicon, Flavia Sanz e Guilherme.<br />
  2. 2. Quem foi D. Pedro Iª?<br /> A família real retornou à Europa em 26 de abril de 1821, ficando D. Pedro como Príncipe Regente do Brasil. A corte de Lisboa despachou então um decreto exigindo que o Príncipe retornasse a Portugal. Essa decisão provocou um grande desagrado popular e D. Pedro resolveu permanecer no Brasil. Isso desagradou às Cortes Portuguesas, que em vingança suspenderam o pagamento de seus rendimentos.<br /> Nasceu em Lisboa no dia 12 de Outubro de 1798. Herdeiro da coroa portuguesa em 1801, era filho de D. João VI e de D. Carlota Joaquina. Veio para o Brasil quando contava apenas com 9 anos de idade. Isso ocorreu em 1808, quando houve a invasão de Portugal pelos franceses, e a família real veio para o Rio de Janeiro.Em março de 1816, com a elevação de seu pai a rei de Portugal, recebeu o título de príncipe real e herdeiro do trono em virtude da morte do irmão mais velho, Antônio. No mesmo ano casou-se com Carolina Josefa Leopoldina, arquiduquesa da Áustria.<br />
  3. 3. D. Pedro Iª<br />
  4. 4. Família de D. Pedro 1ª<br />
  5. 5. De volta ao Rio de Janeiro, foi proclamado, sagrado e coroado imperador e defensor perpétuo do Brasil. Impulsivo e contraditório, logo abandonou as próprias idéias liberais, dissolveu a Assembléia Constituinte, demitiu José Bonifácio e criou o Conselho de Estado que elaborou a constituição (1824). Em meio a dificuldades financeiras e várias e desgastantes rebeliões localizadas, instalou a Câmara e o Senado vitalício (1826). Porém, um fato provocou desconforto geral e o seu declínio político no Brasil. Com a morte de D. João VI, decidiu contrariar as restrições da constituição brasileira, que ele próprio aprovara, e assumir como herdeiro do trono português, o poder em Lisboa como Pedro IV, 27º rei de Portugal.<br />Com a popularidade cada vez mais em alta, quando ia de Santos para a capital paulista, recebeu uma correspondência de Portugal, comunicando que fora rebaixado da condição de regente a mero delegado das cortes de Lisboa. Revoltado, ali mesmo,em 7 de setembro de 1822, junto ao riacho do Ipiranga, o herdeiro de D. João VI resolveu romper definitivamente contra a autoridade paterna e declarou a independência do Império do Brasil, rompendo os últimos vínculos entre Brasil e Portugal.<br />
  6. 6. “Defensor perpétuo do Brasil".<br />Assim que foi considerado D. Pedro 1ª na sua volta ao Rio de Janeiro em 12 de outubro 1822.<br />
  7. 7. Dia do Fico, Por que D. Pedro deveria sair?<br /> Partiu dos brasileiros, principalmente dos setores mais aristocráticos da população, o desejo de que D. Pedro não fosse para Portugal (os planos de Portugal eram de que ele fizesse uma conveniente viagem cultural à Inglaterra, França e Espanha). Consta que D. Pedro reconhecia aí um movimento para desestabilizar a monarquia. No Brasil, havia um sentimento de que a sua presença era um reforço no processo já deflagrado para a independência.<br /> O Brasil alcançara conquistas e estava arriscado a retroceder, pois os novos decretos das Cortes ordenavam, além da saída de D. Pedro, a exclusão de brasileiros dos governos provinciais, do comando das armas e de qualquer cargo de autoridade política ou militar, a obediência das províncias a Lisboa e não mais ao Rio de Janeiro e a extinção dos tribunais do Rio.<br />
  8. 8. A decisão de ficar no Brasil<br /> José Bonifácio de Andrada e Silva, como membro do governo provisório de São Paulo, escreveu uma carta a D. Pedro criticando aquela decisão das cortes de Lisboa, carta divulgada pelo jornal Gazeta do Rio de Janeiro, em 8 de janeiro de 1822. O Rio de Janeiro iniciou uma coleta de assinaturas, estendendo-a até Minas Gerais e São Paulo que já haviam aderido à causa de emancipação brasileira. As mais de oito mil assinaturas conseguidas foram entregues a D. Pedro por José Clemente Pereira, presidente do Senado da Câmara do Rio de Janeiro, pedindo que ele ficasse.<br /> No dia 9 de janeiro de 1822, D. Pedro escolheu desobedecer às ordens das cortes portuguesas e ficar no Brasil, usando estas palavras: "Se é para o bem de todos e felicidade geral da nação, diga ao povo que fico".<br />
  9. 9. Dia do Fico, 9 de janeiro de 1822<br />
  10. 10. Independência do Brasil<br /> O povo brasileiro resolveu lutar contra as normas abusivas do governo português. Não aceitavam a cobrança de altos impostos e não acolhiam a idéia de que nossas riquezas fossem levadas daqui para serem comercializadas em outros países.<br />Ao contrário de seu pai, D. Pedro era adorado pelos colonizadores do Brasil, pois não concordava com parte das determinações de seu pai e lutava pelos direitos do povo.<br /> Com isso, o príncipe regente contrariava as idéias do rei, pois deixava de atender aos interesses da corte portuguesa para lutar pelo Brasil. Foi quando seu pai mandou que voltasse para sua terra, a fim de que não prejudicasse os interesses de Portugal. Os brasileiros não aceitaram a decisão e fizeram um abaixo-assinado, com oito mil assinaturas, pedindo que o príncipe continuasse no Brasil.<br />
  11. 11. Dia 7 de setembro de 1822, Independência do Brasil .<br />
  12. 12. Com isso, o príncipe regente contrariava as idéias do rei, pois deixava de atender aos interesses da corte portuguesa para lutar pelo Brasil. Foi quando seu pai mandou que voltasse para sua terra, a fim de que não prejudicasse os interesses de Portugal. Os brasileiros não aceitaram a decisão e fizeram um abaixo-assinado, com oito mil assinaturas, pedindo que o príncipe continuasse no Brasil.<br /> O rei de Portugal não conseguia cuidar dos dois países, pois era muito difícil controlar tudo que acontecia em razão da distância, e suas ordens não eram cumpridas. Teve então que voltar para sua terra, deixando no Brasil seu filho D. Pedro como príncipe regente.<br />O povo brasileiro resolveu lutar contra as normas abusivas do governo português. Não aceitavam a cobrança de altos impostos e não acolhiam a idéia de que nossas riquezas fossem levadas daqui para serem comercializadas em outros países.<br /> No dia 7 de setembro de 1822 o Brasil tornou-se um país livre dos domínios de Portugal, após ser declarada sua independência, pelo príncipe regente. <br />
  13. 13. Governo de D. Pedro 1ª<br /> Nove anos após a Independência do Brasil, a governo de D.Pedro I estava extremamente desgastado. O descontentamento popular com a situação social do país era grande. O autoritarismo do imperador deixava grande parte da elite política descontente. A derrota na Guerra da Cisplatina só gerou prejuízos financeiros e sofrimento para as famílias dos soldados mortos. Além disso, as revoltas e movimentos sociais de oposição foram desgastando, aos poucos, o governo imperial.<br />
  14. 14. Outro fato que pesou contra o imperador foi o assassinato do jornalista Libero Badaró. Forte crítico do governo imperial, Badaró foi assassinado no final de 1830. A polícia não encontrou o assassino, porém a desconfiança popular caiu sobre homens ligados ao governo imperial.<br /> Em março de 1831, após retornar de Minas Gerais, D.Pedro I foi recebido no Rio de Janeiro com atos de protestos de opositores. Alguns mais exaltados chegaram a jogar garrafas no imperador, conflito que ficou conhecido como “A Noite das Garrafadas”. Os comerciantes portugueses, que apoiavam D.Pedro I entraram em conflitos de rua com os opositores.<br />
  15. 15. A Corte Brasileira apoiava D. Pedro 1ª temendo perder os privilégios políticos adquiridos.<br />
  16. 16. Opositores de D. Pedro Iª<br /> Pelas ruas das cidades - em meio à circulação de escravos e homens livres e pobres que perambulavam ocupando-se de trabalhos nem sempre lícitos - ouvia-se "mata português" e "mata marinheiro". Estes gritos de contestação também eram dirigidos a D. Pedro I, encarado como protetor daqueles comerciantes reinóis. Na imprensa, a pessoa do imperador não era menos poupada. O jornalista Borges da Fonseca chamava-o de "caríssimo", não no sentido de ser querido, mas no de ser dispendioso para o Tesouro.<br />
  17. 17. Toda esta intranqüilidade visível nas ruas da cidade inquietava igualmente aquela parcela da população, livre e proprietária, que pressentia uma desordem ameaçadora. Os descontentamentos iam aprofundando os abismos e liquidando o pouco que restava de simpatia pelo imperador entre os brasileiros.<br />
  18. 18. “Mata português"<br />“Mata marinheiro"<br />
  19. 19. Abdicação do trono<br /> Após a morte de D. João 6°, D. Pedro 1°, contrariando a Constituição que aprovara, foi para Lisboa assumir o trono de seu pai, tornando-se D. Pedro 4°, o 27° rei de Portugal. Como não podia acumular as duas coroas, em 29 de abril de 1826, abdicou do trono de Portugal em favor de sua filha, Maria da Glória, e escolheu a Infanta Isabel Maria para regente do cargo. Casou-se novamente três anos depois com Amélia Augusta Eugênia Napoleão de Leuchtemberg. <br />
  20. 20. A sua popularidade entre os brasileiros começou a cair quando D. Pedro 1° demonstrou indecisão entre escolher o Brasil e Portugal para governar. Além disso, os constantes atritos com as forças políticas do Brasil fizeram com que o imperador abdicasse do trono em 7 de abril de 1831 em nome do filho, Pedro de Alcântara, que se tornou D. Pedro 2°.<br />
  21. 21. Dom Pedro Entregando o Ato de Renúncia<br />

×