O ambiente organizacional e o processo decisório

1.781 visualizações

Publicada em

Ambiente Organizacional e Tomada de decisão

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.781
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
90
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O ambiente organizacional e o processo decisório

  1. 1. !"#"$%&'()*+(,)-)"./(0-)*+")()"%/$".()&$1) -2+/($)'-)(%3&"'#")'()*+(,)",()2-%/"#"4) 5)*+")()"%/$".()6(7)")/($()*+89) :-';"2&%"'#-)*+")()"%/$".()/-..+&)")*+") +<,&7($()/($()(<'=&$)-)-3>"<?-)".#$(#@=&2-4) AB-)@)#"$)2-%/+#(C-$4))
  2. 2. D-.#$()2-%-)()-$=('&7(0B-)(,-2()."+.) $"2+$.-.E)&'C"/"'C"'#")C")#(%(';-4)) F.#$+#+$()?(&)%+&#-)(,@%)C-)-$=('-=$(%(4)) :$&(%)+%)2-'#"G#-E)+%)(%3&"'#")'-)*+(,) (.)2-&.(.)(2-'#"2"%4))
  3. 3. !"#$%&'()'"*"+$#",-./#"0-1'.-2#"3-$"&$0#3)-" (-"2+3'22-"-+"(-"&(2+3'22-"1#2"-.4#(&5#/6'27" 8#.#"3-$0.''(1'."-"#$%&'()'"'"2'+2" ','&)-2"2-%.'"#2"-.4#(&5#/6'29"-2"4'2)-.'2" 1':'$",#5'."+2-"1#"#(;<&2'"#$%&'()#<7"
  4. 4. ="#(;<&2'"#$%&'()#<"%#2'&#>2'"(-2"3-(3'&)-2"1#" )'-.&#"1-2"2&2)'$#2"'"1'"3-(?(4@(3&#"'",#5"0#.)'" 1#".'A'BC-"'2).#)*4&3#"1'"D+#<D+'."-.4#(&5#/C-7" E=$%&'()'"-.4#(&5#3&-(#<F"*"-"3-(G+()-"1'" ,-./#29")'(1@(3&#2"'"&(2?)+&/6'29")#()-"'B)'.(#2" 3-$-"&()'.(#2"H"-.4#(&5#/C-9"D+'")@$" 0-)'(3&#<"0#.#"&(A+'(3&#."-"2'+"1'2'$0'(I-7"
  5. 5. TECNOLÓGICO INVESTIDORES FINANCIADORES POLÍTICO SOCIAL FORNECEDORES ECONÔMICO ECOLÓGICO DEMOGRÁFICO LEGAL REGULAMENTADORES COMPETIDORES CLIENTES MACRO AMBIENTE MICRO AMBIENTE SOCIEDADE
  6. 6. M-()'B)-"(-"D+#<"#2"-.4#(&5#/6'2"'B&2)'$"'" -0'.#$9"2'(1-"3-(2?)+N1-"0'<-2"'<'$'()-2"D+'" 2'"'(3-().#$",-.#"1-2"<&$&)'2"1#"-.4#(&5#/C-7" !"#$%&'()'"'B)'.(-"0-1'"2'."1&:&1&1-"'$"1-&2" 2+%2).#)-2J"-"3-()'B)+#<"K$#3.-"#$%&'()'L"'"-" -0'.#3&-(#<"K$&3.-"-0'.#3&-(#<L7"
  7. 7. :-'>+'#-)(%/,-)C")6(#-$".)")#"'C8'2&(.)"G#"$'(.)H) -$=('&7(0B-)*+")/-C"%)(6"#($)-)."+)C"."%/"';-4) I(#-$".)C"%-=$1J2-.) K"6"$"%L.")H)2-%/-.&0B-)C")C(C()/-/+,(0B-4) I(#-$".).-2&-2+,#+$(&.) K"6"$"%L.")(-.)?(,-$".E)'-$%(.)".<,-.)C")?&C(E);13&#-.) ")2-.#+%".)C")+%().-2&"C(C"4) I(#-$".)"2-'M%&2-.) K"6"$"%L.")(-.)&'C&2(C-$".)"2-'M%&2-.)&%/-$#('#".) *+")2-'C&2&-'(%)-)C"."%/"';-)C(.)"%/$".(.4)
  8. 8. I(#-$".)/-,N<2-L,"=(&.) K"6"$"%L.")H)#-C-)2-'>+'#-)C")$"=+,(%"'#(0O".)=-?"$'(%"'#(&.) *+"))2-'#$-,(E)$".#$&'=")-+)&'2"'<?()2-%/-$#(%"'#-.) "%/$".($&(&.4) I(#-$".)#"2'-,P=&2-.) K"6"$"%L.")(-)'N?",)C")C"."'?-,?&%"'#-)#"2'-,P=&2-)C() .-2&"C(C")-+)C")+%)."#-$4)
  9. 9. M-$0-2)-"0'<-2"'<'$'()-2"&()'.(-2" 1#"-.4#(&5#/C-9"3-$-").#%#<I#1-.'29" #1$&(&2).#1-.'29"3+<)+.#" -.4#(&5#3&-(#<9")'3(-<-4&#9"'2).+)+.#" -.4#(&5#3&-(#<"'"&(2)#<#/6'2"O2&3#27"
  10. 10. Q%()('1,&."444) R%3&"'#")C-.)I-$'"2"C-$".) :-%/$()2-$/-$(<?(E)%",;-$)'"=-2&(0B-) R%3&"'#")C-.):,&"'#".) R,?-)/$&'2&/(,)(.)2$&('0(.)")RC-,".2"'#".) FG"2+<?-.)S(,%-0-)$1/&C-T) :$".2&%"'#-)"'#$")(.)2,(..".)U)"):) R%3&"'#"):-'2-$$8'2&() :$".2"'C-)'-)U$(.&,)SV(3&3.E)W+3X(YE)U-3Z.E)U+$="$)[&'=T) ])D"$2(C-)S"%)^__)()/-.&0B-)/($()()W+3X(Y)`),->(.T) R%3&"'#")$"=+,(C-$) I&.2(,&7(0B-).('&#1$&(E)#$&3+#1$&()")#$(3(,;&.#()
  11. 11. Q%()('1,&."444) R%3&"'#")F2-'M%&2-) A-)U$(.&,)U&=)D(2)@),+G-) R%3&"'#")a"2'-,P=&2-) !-%N'&-)/b3,&2-E)6(2&,%"'#")2-/&(C-4) R%3&"'#")W-2&-2+,#+$(,) R%"(0()C()#"'C8'2&()C")c.(+C1?"&.d) R%3&"'#")e-,N<2-Lf"=(,) D+&#()#$&3+#(0B-E).-'"=(0B-E)(6"#(C-)/",(.)C"2&.O".)C&1$&(.4)) R%3&"'#")F2-,P=&2-) F%3(,(="'.)C"?"%).-6$"$)$".#$&0O".)S%+&#-),&G-T) R%3&"'#")!"%-=$1J2-) F'?",;"2&%"'#-)C()/-/+,(0B-)C"?")3(&G($)$"2"&#() 53".&C(C"E)/$-3,"%(.)C")W(bC")
  12. 12. P#.3#"#"2&(4+<#.&1#1'"-.4#(&5#3&-(#<9"+$#":'5" D+'"2'".','.'"#-2"0-()-2",-.)'2"'",.#3-2" 0#.?3+<#.'2"1'"+$#"-.4#(&5#/C-7" Q-22-",-3-"1'"#(;<&2'"1-"#$%&'()'"&()'.(-" 3-$0.''(1'.;"#"E3+<)+.#"-.4#(&5#3&-(#<F"D+'" .'0.'2'()#"$+&)-"1#"E0'.2-(#<&1#1'F"1'"+$#" -.4#(&5#/C-7"
  13. 13. M-(G+()-"1'"3.'(/#29"0.'$&22#29" 2+0-2&/6'2"'")'(1@(3&#2":&4'()'2" (#"$'()'"1#"3-.0-.#/C-"'"1'"2'+2" ,+(3&-(;.&-29"-+"2'G#9"#"4'(*?3#" -.4#(&5#3&-(#<7"
  14. 14. Tomada de Decisão
  15. 15. O que é decisão? Escolha entre alternativas ou possibilidades com o objetivo de resolver um problema ou aproveitar uma oportunidade.
  16. 16. Conceito de tomada de decisão A partir dos trabalhos de Chester Irving Barnard, a tomada de decisão passou a ser encarada como a essência do trabalho de um gestor. 1937
  17. 17. Incutir senso de propósito moral Funções do Executivo Trabalhar com a organização informal Facilitar a comunicação Tomar decisões Entender a aceitação da autoridade Chester I. Barnad _ggh)`)_ih_)
  18. 18. Ambiente da tomada de decisão Situação na qual toda informação necessária para a tomada de decisão se encontra disponível. Situação na qual não é possível prever com certeza os resultados associados a cada alternativa, mas há informação suficiente para estimar suas probabilidades de ocorrência. Situação na qual a informação sobre as alternativas e suas consequências é incompleta e imprecisa.
  19. 19. Contexto e tomada de decisão
  20. 20. ConCteoxntteox eto t eo mtoamdaad dae d de edceicsiãsoã o Contexto e tomada de decisão • Certeza Risco Incerteza • Certeza Risco Incerteza !"#$%&'()#(*+&,-$+./( 0#11+$#23+.4( 56789(:!589(;#&%<=9( +2>&=.#()#(!"#$%&'()%*!+ ( Ambiente de tomada de decisão Diferentes técnicas ajudam a considerar a incerteza. Por exemplo: planejamento por cenários. !"#$%&'()#(*+&,-$+./( 0#11+$#23+.4( 56789(:!589(;#&%<=9( +2>&=.#()#(!"#$%&'()%*!+ ( Ambiente de tomada de decisão Diferentes técnicas ajudam a considerar a incerteza. Por exemplo: planejamento por cenários.
  21. 21. Contexto e tomada de decisão Contexto e tomada de decisão Nível organizacional • Operacional Estratégico • Erros não tão caros; • Resposta do resultado em pouco tempo; • Fonte de conhecimento são as pessoas envolvidas • Erros incorrem em alto custo; • Envolve muitos recursos; • Quando os resultados surgem já é muito tarde para mudar; • As fontes de conhecimento • R..-2"(C-")C-"3#.-2S" T"""U'20-2)#"1-".'2+<)#1-"" "'$"0-+3-")'$0-S" T"""V-()'"1'"3-(I'3&$'()-" "2C-"#2"0'22-#2" "'(:-<:&1#27" • R..-2"&(3-..'$"'$"#<)-"3+2)-S" • R(:-<:'"$+&)-2".'3+.2-2S" • W+#(1-"-2".'2+<)#1-2"2+.4'$"G;" *"$+&)-")#.1'"0#.#"$+1#.S" • =2",-()'2"1'"3-(I'3&$'()-"2C-" '20'3&#<&5#1#27"
  22. 22. Decisões programadas Em cumprimento a práticas internacionais de operação de complexos industriais, a Petrobras, de forma regular e periódica, promove paradas planejadas nas suas plataformas com vistas à manutenção das instalações. Trata-se de procedimento estruturado e previamente definido.
  23. 23. Decisões não programadas Empresa sediada na cidade de Araraquara S.P. conhecida pela fabricação de meias, tomou uma decisão não programada de fabricar produtos que não faziam parte da sua história, numa tentativa de reverter o processo de envelhecimento que a marca enfrentava. Ela fabricava 3 mil tipos de meias, ampliou a produção para mais de 10 mil itens, investindo na criação de novas linhas de produtos. Essa decisão estratégica elevou o faturamento da empresa, em 97%.
  24. 24. Comparação entre as decisões
  25. 25. Processos de tomada de decisão Decisão Concepção Prospecção Problema Julgamento e avaliação de alternativas Criação de alternativas Análise de um problema ou situação que exige solução Herbert A. Simon 1916 - 2001
  26. 26. Etapas do processo decisório
  27. 27. Etapas do processo decisório Os gestores devem avaliar sempre o progresso da organização, bem como monitorar as tendências do ambiente para conseguir identificar as situações críticas que podem necessitar de uma decisão.
  28. 28. Etapas do processo decisório Consiste no estabelecimento dos objetivos que se pretende alcançar com a decisão e na análise das causas que estão na origem da situação.
  29. 29. Etapas do processo decisório Consiste na geração de possibilidades de ação que permitam responder às necessidades da situação e solucionar as causas subjacentes.
  30. 30. Etapas do processo decisório Técnica mais usada para estimular a criatividade no desenvolvimento de alternativas. Ele é baseado em três regras básicas: preparo, fase criativa e avaliação das alternativas.
  31. 31. Etapas do processo decisório Consiste na criação de um clima que facilite a discussão aberta de assuntos, para que a diversidade de opiniões e de experiências possibilite um entendimento mais amplo de questões e geração de ideias inovadoras e criativas.
  32. 32. Etapas do processo decisório Consiste na avaliação e comparação das alternativas geradas, com o objetivo de selecionar a melhor. Ela começa com a identificação dos principais impactos de cada alternativa na organização.
  33. 33. Etapas do processo decisório • Análise de prós e contras; • Matriz de prioridades; • Árvores de decisão; • Matriz de resultados; • Sistemas especialistas
  34. 34. Etapas do processo decisório 1. Análise de prós e contras Técnica de análise de alternaivas que consiste na listagem das vantagens e desvantagens de cada possibilidade de decisão.
  35. 35. Etapas do processo decisório 2. Matriz de prioridades Técnica de análise que consiste na construção de uma matriz que permite comparar cada uma das alternativas por meio de atribuição de pesos diferenciados a cada um dos critérios de decisão.
  36. 36. Etapas do processo decisório 3. Árvores de decisão Técnica de análise que permite a visualização gráfica das alternativas, na qual cada uma delas é representada como o ramo da árvore.
  37. 37. Etapas do processo decisório 4. Matriz de resultados Consiste na construção de uma tabela ilustraiva das várias possibilidades e dos resultados associados a cada uma delas.
  38. 38. Etapas do processo decisório 5. Sistemas especialistas Sistemas programados para simular a decisão de um especialista.
  39. 39. Etapas do processo decisório Escolha da melhor alternativa que se adapte aos objetivos e valores da organização e que permita resolver o problema ou aproveitar a oportunidade que estiver na origem da decisão.
  40. 40. Etapas do processo decisório O tomador de decisão deve monitorar a implementação da decisão e avaliar sua eficácia no alcance das metas estabelecidas.
  41. 41. Elementos da tomada de decisão 1. Critério = o que eu quero – Ordenação de preferências = prioridade – Avaliação dos resultados possíveis de cada ação = avaliação das consequências – Limites da racionalidade • Indiferença às opções de escolha (impossível ordenar as preferências) • Evidências insuficiente = julgamento das consequências prejudicado 2. Conjunto oportunidades = o que eu posso 3. Ação = melhor reflete 4. Decisão racional = escolho a que melhor atenda meus critérios
  42. 42. Aprender a tomar decisões • É fundamental no gerenciamento. • É utilizar uma metodologia para entender e analisar uma situação ! conseguir boas respostas e resultados = no final do processo. QUAL PROCESSO?
  43. 43. Etapas do processo gerencial P LANEJAR Definir objetivos e caminhos para alcançá-los O RGANIZAR Estabelecer meios e recursos necessários para alcançar objetivos D IRIGIR Orientar as atividades C ONTROLAR Acompanhar e avaliar o desempenho
  44. 44. Tomada de decisão Toda ação pressupõe uma ação Toda ação tem consequências DECISÃO AÇÃO CONSEQUÊNCIAS
  45. 45. Etapas do processo decisório • PERCEPÇÃO DO PROBLEMA perceber algo fora da normalidade que pode estar ocorrendo, descrever a situação-problema para poder analisá-la racionalmente. • DEFINIÇÃO DO PROBLEMA diferenciar o que é causa e o que é sintoma; fase de poucas informações, delimitar o problema apenas nas informações descritas.
  46. 46. Etapas do processo decisório • COLETA DE DADOS obter todas as informações sobre a origem da situação e ouvir todas as pessoas envolvidas. – As informações colhidas de forma detalhada devem ser registradas para posterior análise. • ANÁLISE DOS DADOS destacar as informações relevantes ao problema, tentando “chegar às causas e aos fatores envolvidos na situação-problema”. – Pode ser necessária a redefinição do
  47. 47. Processo de tomada de decisão PROCESSO DECISÓRIO PROCESSO ADMINISTRATIVO Identificação e definição do problema Planejamento Coleta de dados Análise dos dados Organização Direção Procura de soluções Escolha da solução Implementação Avaliação Controle
  48. 48. Objetivos da administração • Eficiência ! fazer as coisas corretamente. • Eficácia ! preocupação com os fins. Você será eficiente a medida que souber dirigir, executar comandos necessários sem cometer barbeiragens ou excessos. Você será eficaz quando souber chegar ao seu destino pelo melhor percurso possível.
  49. 49. Como aprendemos a decidir ? a decidir ? Como aprendem oas dae dciedciird ir ? Por experiência: fazendo você mesmo Por experiência: aprendendo com os outros Intuição: baseada no informal, na especulação, em processos inconscientes. Análise: envolve estudo das partes e entendimento do todo Intuição: baseada no informal, na especulação, em processos inconscientes. Análise: envolve estudo das partes e entendimento do todo Como aprendemos Por experiência: fazendo você mesmo Por experiência: aprendendo com os outros Intuição: baseada no informal, na especulação, em processos inconscientes. Análise: envolve estudo das partes e entendimento do todo Por experiência: fazendo você mesmo Por experiência: aprendendo com os outros Intuição: baseada no informal, na especulação, em processos inconscientes. Análise: envolve estudo das partes e entendimento do todo
  50. 50. Processo de tomada de decisão Processo de tomada de decisão !"#$!%&'( )")*+%,'( -"#$!%&'(.()")*+%,'( Decisão baseada nos conhecimentos e experiências anteriores e processos inconscientes. Decisão baseada na análise e na lógica.
  51. 51. Processo de tomada de decisão Processo de tomada de decisão !"#$%&'() *"(+,&-() !"#$%&'().) ("(+,&-() Abordagem intuitiva e analítica • Gera aprendizagem; • Gera comprometimento e motivação para a ação proposta; • Aloca, eficaz e eficientemente, recursos na definição e construção de alternativas.
  52. 52. A Intuição A intuição Heurística: "Estratégia informal, intuitiva e especulativa que às vezes, conduz a uma solução eficaz de um problema, outras não.” * Pontos Positivos: • Aceleram nossos processos internos de julgamento e ação • Simplificam a realidade • Fundamentam nossas direções e escolhas Pontos negativos • Muitas vezes são difíceis de perceber e portando difíceis de mudar • Os julgamentos podem ser tendenciosos • Podemos não enxergar riscos * Fonte: Robert Stenberg: Psicologia cognitiva, 2012. pag 523
  53. 53. O que sabemos . . . T""="(-22#".#3&-(#<&1#1'"*"<&$&)#1#"K!"#$%&%' ()*"$)+,-./'' X"!"2'."I+$#(-"*"ED+#2'>.#3&-(#<F9" "0.-3'22#1-." &$0'.,'&)-"1'"&(,-.$#/6'2"" X"Y-<+/6'2"EZ?$#2F"K.#3&-(#<&1#1'L"2C-" "&$0.-:;:'&2" T""M-$0<'B&1#1'9"&(3'.)'5#9".'2).&/6'2"1'" ")'$0-" '"3+2)-"&()'.,'.'$"(#")-$#1#"1'" "1'3&2C-7"
  54. 54. Conflito entre análise e intuição T""K",(2&-'(%"'#-)"'#$")-.)c"+.d)) X""!"E#(#<N?3-F"0<#('G#9"0-1'"2'."$+&)-" "3-(2'.:#1-.9" #:'2-"#-".&23-S" X""!"E&()+&?:-F"D+'.",#5'.9".'#<&5#.9"'B0'.&$'()#."'" "0-1'"2&(#<&5#."#-"E#(#<N?3-F"-":#<-."1-2" "3.&)*.&-2" '$-3&-(#&2"'"1#"0.Z0.&#"&()+&/C-S" T"":-%-)2-'."=+&$)-)"*+&,N3$&-)"'#$")-)('(,N<2-) )")-) &'#+&<?-j)) X""P'<I-.#."2'$0.'"-"'()'(1&$'()-"1-"3-()'B)-S" X""U'A'?."2-%.'"-"#0.'(1&5#1-"1#2"'B0'.&@(3&#2S"" X""Y'."1&23&0<&(#1-"(-"+2-"1'",'..#$'()#27"
  55. 55. No processo decisório Pensar sobre: • M-$-"-3-..'$"#2"1'3&26'2"(#".'#<&1#1'J"02&3-<-4&#9" 2-3&-<-4&#9"#().-0-<-4&#"777" • M-$-"1':'.&#$"-3-..'.J"'3-(-$&#9"$#)'$;?3#9" $*)-1-2"777" • ck+")2-'2,+.O".)/-C"%-.)#-%($)()/($<$)C(.) &'6-$%(0O".)C&./-'N?"&.d)`)C"2&.O".)C")*+(,&C(C"l) • :-%-)#-%($)%",;-$)C"2&.O".j)$"*+"$)>+,=(%"'#-.) /"..-(&.)")(3"$#+$()/($()()(/$"'C&7(="%4"
  56. 56. Armadilhas psicológicas
  57. 57. Armadilhas psicológicas T""R'2-$(="%J"1#.":#<-."1'20.-0-.3&-(#<"0#.#" "&(,-.$#/6'2".'3'%&1#2"'$"0.&$'&.-"<+4#.S" T""!"#"$%&'$(J"-2".'2+<)#1-2",#:-.'3'$"#2" "#<)'.(#?:#2" D+'"0'.0')+#$"#"2&)+#/C-S" T""D"%P$&(J"-"D+'"<'$%.#$-2"0.&$'&.-"&(A+'(3&#" "G+<4#$'()-2"'"0'.3'0/6'2S" T""FG2"..-)C")2-'J('0(J")'."+$#":&2C-"&..'#<&2)#"1#" "'B#?1C-"1'"2+#2"1'3&26'2S" T""F'?-,?&%"'#-)"%-2&-'(,J"-?$&2$-"-+" "0'22&$&2$-" &..'#<&2)#S"
  58. 58. Teoria da racionalidade limitada
  59. 59. Para mudar um padrão de pensamento você precisa fazer um (grande) esforço consciente.
  60. 60. Reflexão “Uma decisão razoável para um problema bem definido é melhor que uma solução excelente para o problema errado.“ Hammond
  61. 61. Estilos de tomada de decisão Existem quatro abordagens individuais diferentes. As pessoas diferem em duas dimensões: 1. Maneira de pensar: Algumas pessoas são lógicas e racionais. Elas processam informações sistematicamente. Outras são criativas e intuitivas. Percebem as coisas em seu conjunto. 2. Tolerância à ambiguidade: Necessidade de estruturar as informações para minimizar as ambiguidades, enquanto outras são capazes de processar muitos pensamentos ao mesmo tempo.
  62. 62. Estilos de tomada de decisão
  63. 63. Modelos de estilos decisórios 71 Analítico Conceitual Diretivo Comportamental Racional Intuitivo Maneira de pensar Alta Baixa Tolerância à Ambiguidade
  64. 64. Estilos de tomada de decisão Quando estas duas dimensões são traduzidas graficamente, formam 4 estilos de tomada de decisões. 1. Estilo diretivo 2. Estilo comportamental 3. Estilo analítico 4. Estilo conceitual
  65. 65. Estilo diretivo • As pessoas que se enquadram no estilo diretivo têm pouca tolerância à ambiguidade e buscam a racionalidade. São eficientes e lógicas, mas sua eficiência resulta em decisões tomadas com base em um mínimo de informações e poucas alternativas avaliadas. Toma decisões mais rápidas e voltadas para o curto prazo.
  66. 66. Estilo comportamental • Caracteriza os tomadores de decisão que se preocupam com as pessoas da organização e com o desenvolvimento de seu pessoal. Preocupam-se com as realizações de seus subordinados e são receptivas a sugestões dos outros. Eles são focados no curto prazo e desprezam o uso de dados para a tomada de decisões. Esse gestor evita conflitos e busca a aceitação.
  67. 67. Estilo analítico • Tem uma tolerância muito maior à ambiguidade. Isto leva ao desejo de mais informações e a consideração de um maior de alternativas. É um tomador de decisões cuidadoso e capaz e se adaptar ou enfrentar novas situações.
  68. 68. Estilo conceitual • Tem uma visão bastante ampla das coisas, utilizando dados de várias fontes e a considerar um grande número de alternativas. Seu enfoque é a longo prazo e elas são ótimas para encontrar soluções criativas para os problemas.
  69. 69. Mensagem
  70. 70. Referências VRDD5A!9"[-I("Y7"0&1,23&2'4$-&+,5&$-&27".#17"P#.3'<-"V&<#.1&"V'..'&.#7"U&-"1'"[#('&.-J" R<2':&'.9"]^^_7" URmFKDR9"P#B"`7"67"1&22"'%&1,287,"7".#17"a#(&'<"b&'&.#7"U&-"1'"[#('&.-J"R<2':&'.9"]^c^7" !RnFAe5Ka9"I-$#2"`7"4$-&+,59$1,)')$)+:*1)'$"2'$&581,"2/'1";"'#2)7')')$<+,2&'%&' ,$="7;)>3&2'?)7)'"@-&7'7&2#+-)%"2'2#?&7,"7&27".#17"=(#"d'#).&5"U-1.&4+'27"U&-"1'"[#('&.-J" R<2':&'.9"]^c^7" IoA[FfWaFoA9"Ye1('e7"6"7'A#&'&B&1#*C"2',$-&+,5&$-&2'=)+D);7"YC-"8#+<-J"Pd--f29"]^^g7"" pfR!qFffE"P#<3-<$7"E'%&1,2F"'$#;'?,21)7'%&'"+D"27".#17"Q&:#(1<-"P-(?4'<<&"[.7"U&-"1'" [#('&.-J"U-33-9"]^hh7" DRAnoffFE"d7S"a#:'(0-.)9"7"E2';&+D"7&2'%&1,23&2'2F"'2&;?7&'%,G1&,27".#17"i'-(#.1-" =%.#$-j&357"U&-"1'"[#('&.-J"M#$0+29"]^c]7" 5oV9"=%.#I#$"Y&("K3--.1L7"H";)%)'%&'%&1,2F"'$)2'"75)$,I)>3&27"YC-"8#+<-J"Y#.#&:#9"]^cc7" ) W&#".j) T"RaJ"Ik0Jlljjj7)'173-$"9"1'2)#D+'"0#.#J"YI''(#"me'(4#.J"`-j")-"$#f'"3I--2&(4"'#2&'.7" K&(4<@2"3-$"<'4'(1#2L7" T"`#.:#.1"d+22&('22J"Ik0JllI%2jf7I%27'1+l)-0&32l1'3&2&-($#f&(47I)$<"J"2'<'/C-"1'"#.?4-2" .'<#3&-(#1-2"3-$")-$#1#"1'"1'3&2C-"K&(4<@2L7"

×